Navigation – Plan du site

Editorial do número 44

Editorial du numéro 44
Editorial of issue 44
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 44

Texte intégral

1Esta primeira edição de 2020 nos dá a ocasião de fazer um balanço do ano anterior. A curva de frequentação do site (Figura 1) mostra a continuidade de seu crescimento, com um recorde em novembro, último mês inteiro antes do início das férias anuais brasileiras, de 124 518 acessos ao site, de 106 518 visitantes diferentes e 175 972 páginas vistas.

Figura 1 Curva de frequentação mensal

Figura 1 Curva de frequentação mensal

Fonte: OpenEdition

2No total anual, a observação é a mesma, já que, para o ano de 2019, a frequência do site atingiu quase 940 000 acessos para um pouco menos de 1 600 000 páginas, um aumento de 60% em relação ao ano anterior. No total, desde o seu lançamento em 2007, o site da revista recebeu mais de 5 milhões de visitas em 9 milhões de páginas.

Tabela 1 Número de visitantes e visualizações de página por ano

Ano

Visitantes diferentes

Acessos

Páginas

2007

11 123

12 490

26 870

2008

71 804

83 701

168 786

2009

117 324

141 953

559 867

2010

168 868

207 018

593 885

2011

201 690

248 273

507 200

2012

313 139

383 134

794 092

2013

287 329

384 074

612 700

2014

322 628

437 458

660 235

2015

401 250

539 176

848 073

2016

395 594

524 890

878 111

2017

403 284

534 130

828 503

2018

475 700

585 549

987 053

2019

799 412

939 011

1 577 029

Total

3 969 145

5 020 857

9 042 404

Fonte : OpenEdition

Figura 2 Curva de frequentação anual

Figura 2 Curva de frequentação anual

Fonte: OpenEdition

  • 1 Equivalente da Capes no papel de classificação de revistas
  • 2 Conseil National des Universités (Conselho Nacional das Universidades)

3Se analisarmos o número de páginas visualizadas por país, não nos surpreende ver que o principal é o Brasil, o que parece normal para uma revista franco-brasileira, se lembrarmos que o Brasil tem quase 210 milhões de habitantes e a França 67 milhões. Mais surpreendente é que no momento a revista é mais consultada por leitores alemães do que por franceses. Talvez isso seja uma consequência do fato de o HCAERES1 ter deixado de classificar os periódicos e, portanto, o dossiê que Confins apresentou em 2013 ainda não foi examinado. Felizmente, a seção 23 da CNU2 decidiu não mais usar essa classificação e considera Confins uma revisão de referência. De fato, a Figura 3 mostra seu lugar entre os periódicos franceses de geografia, principalmente nos últimos meses.

Figure 3 Confins entre as revistas francesas

Figure 3 Confins entre as revistas francesas

Fonte : OpenEdition

4O mapa do número de páginas vistas por país em 2019 (Figura 4) mostra que além dos três principais países (cujo círculo foi vazado para não ocultar o mapa coropleto subjacente), outros têm número de visualizações de página por 10.000 habitantes acima da média. Podemos distinguir dois grupos, de um lado países cientificamente avançados, onde aparentemente centros de pesquisa consideram que nossa revista é uma fonte confiável, eles estão situados na América do Norte e na Europa (incluindo a Rússia) e, cada vez mais, na China. Por outro lado, países de língua portuguesa apreciaram encontrar nestas páginas textos em português com acesso livre e gratuito, como é o caso de Angola, Moçambique e Guiné-Bissau.

Figura 4 número de páginas vistas por país em 2019

Figura 4 número de páginas vistas por país em 2019
  • 3 Como é chamado, em francês, o território situado no continente europeu

5A Tabela 2 completa o mapa destacando países pequenos demais para ser visível nele. Podemos ver melhor no número absoluto de páginas e ainda mais no número de páginas por 10.000 habitantes a presença de países de língua portuguesa menores, São Tomé e Príncipe, Portugal e Cabo Verde. Também se destacam em boa posição departamentos e territórios franceses de ultramar, cujo tamanho é reduzido demais para ser visível no mapa, sendo a Martinica o território onde essa taxa é a mais alta, seguida pela Guiana, Saint-Pierre-et-Miquelon, Guadeloupe, Reunion e Nouvelle Calédonie. Obviamente, os territórios ultramarinos franceses encontraram em nossa revista uma fonte de informação acessível e gratuita que compensa parcialmente os efeitos da distância da métropole3 e de seus equipamentos documentais.

6A lista também permite adicionar ao mapa pequenos países, por seu tamanho invisíveis, que possuem centros de pesquisa ativos, Cingapura e o Vaticano. Este último é segundo território mundial pelo número de visualizações de página por 1.000 habitantes (mas é verdade que toda a sua população não chega a ter 1 000 habitantes).

Tabela 2 Páginas visualizadas por país, número absoluto e por 10.000 habitantes

País

Páginas

País

Pages par 10 000 hab.

Brasil

632 180

Martinique

104,60

Alemanha

257 046

Vaticano

87,06

França

168 224

Guiana Francesa

45,29

Estados Unidos

92 179

Alemanha

31,00

Portugal

13 666

Brasil

30,18

Federação Russa

12 064

França

25,11

China

11 049

Saint Pierre et Miquelon

23,78

Cingapura

9 677

São Tomé e Príncipe

23,22

Canadá

9 562

Cingapura

17,16

Ucrânia

7 442

Guadeloupe

16,12

Marrocos

6 964

Réunion

13,34

Tunísia

5 996

Portugal

13,29

Moçambique

5 120

Nouvelle Calédonie

10,91

Grã-Bretanha

4 863

Cabo Verde

10,91

Bélgica

4 782

Monaco

7,76

Source: OpenEdition

Le numéro 44

7Os artigos desta edição podem ser agrupados em três temas. O primeiro, histórico, começa com “Contribuições do mapeamento temático como instrumento analítico em estudos históricos”, de José Rogério Beier e Lucas Montalvão Rabelo. Continua com “A escrita geográfica do tempo: tradução e circulação, texto e imagem, geografia humana e geografia histórica a partir de Henry Clifford Darby (1909-1992), de Guilherme Ribeiro e João Alves de Souza Neto, seguidos por dois textos traduzidos por eles para o português, “Sobre a relação entre geografia e história” e “O problema da descrição geográfica”. Finalmente, David Alejandro Ramírez Palacios analisa “Los mapas de la Nueva Geografía de Colombia de Francisco Javier Vergara y Velasco (1901-1902)”.

8O segundo tema é econômico, com “Expansão do agronegócio canavieiro no sul goiano e os efeitos na produção de alimento” de Pedro Dias Mangolini Neves e Marcelo Rodrigues Mendonça, seguido por “ A produção do urbano e do imobiliário na região metropolitana de Belém”, de Luiz Augusto Soares Mendes e “A política dos Arranjos Produtivos Locais (APLs) e seus condicionantes socioeconômicos em regiões periféricas como o Brasil”, de Rafaella Stradiotto Vignandi, Angelo Rondina Neto e Mateus Boldrine Abrita.

9O terceiro grupo refere-se a redes muito diferentes “Ameaça e caráter transnacional do narcotráfico na Amazônia brasileira”, de Aiala Colares Couto e “ Definição de corredores ecológicos em espaços agrícolas abandonados para o Pagamento de Serviços Ambientais - Esperança do Sul/RS”, de Jean Carlo Gessi Caneppele, Roberto Verdum e Lucimar de Fátima dos Santos Vieira.

10A seção “Síntese” é uma contribuição de Jean-Robert Pitte, de quem retomamos “Os traços originais da geografia da França”, seu discurso proferido em 4 de novembro de 2019 no Institut de France, na Academia de Ciências Morais e Política por ocasião da reunião pública anual da Academia.

11Neste número contamos com dois dossiês, um de Geografia Regional, apresentado por Eudes André Leopoldo de Souza com o texto inicial “A redescoberta da região: uma introdução” e o segundo, Geografia urbana e paisagem, por Francisco Cebrián Abellán, Francisco Javier Jover Martí e Rubén Camilo Lois González em “Palimpsestos de mudança territorial. Realidades, conflitos e respostas na América Latina”.

12Os registros de pesquisa são os de Raimundo Nonato Júnior “A Geografia e a questão regional: o complexo geográfico entre regionalização e internacionalização do espaço” e Taís Schiavon, “A conformação dos caminhos do Estado de São Paulo: breves correlações com seu desenvolvimento urbano e econômico”, seguido por uma tradução em português de um dos mais famosos artigos de Yves Lacoste “Uma ilustração geográfica sobre a guerra: bombardeando os diques no rio Vermelho, Vietnã do Norte”.

13A edição termina com quatro imagens comentadas, "Pandemia de COVID-19, as fronteiras pelo mundo e o transporte aéreo na Itália”, de Thiago Oliveira Neto, Tatiana de Souza Leite Garcia et Eduardo Spinussi, “A várzea e as enchentes”, de Juliana S. Delgado, “As duas agriculturas brasileiras” e “O índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM)” e três resenhas de “Le monde à décrypter. La perspective géographique” (O mundo para decifrar. A perspectiva geográfica) de Paul Claval, “Território e Sociedade: as múltiplas faces da Brasília metropolitana”, por Daniela Pereira Barbosa e “Teorias e modelos em ciências humanas: o caso da geografia”, por Dante Reis Junior.

14Boa leitura a todos !

Haut de page

Notes

1 Equivalente da Capes no papel de classificação de revistas

2 Conseil National des Universités (Conselho Nacional das Universidades)

3 Como é chamado, em francês, o território situado no continente europeu

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Curva de frequentação mensal
Crédits Fonte: OpenEdition
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27516/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 246k
Titre Figura 2 Curva de frequentação anual
Crédits Fonte: OpenEdition
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27516/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 57k
Titre Figure 3 Confins entre as revistas francesas
Crédits Fonte : OpenEdition
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27516/img-3.png
Fichier image/png, 136k
Titre Figura 4 número de páginas vistas por país em 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27516/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 239k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 44 », Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 24 mars 2020, consulté le 05 août 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/27516

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals