Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

O melhor das enchentes é isso: outra percepção sobre as cheias do Tocantins

Ce qu’il y a de bien dans les inondations : une autre perception des inondations du Tocantins
The best of the floods is this: another perception about the Tocantins floods
Maria Rita Vidal et Abraão Levi dos Santos Mascarenhas

Texte intégral

1O presente ensaio foi realizado em meio ao caos sistêmico, enquanto o mundo ainda conta os seus mortos por conta da pandemia do COVID-19, as bolsas de valores contabilizam suas perdas financeiras as famílias pobres que habitam a planície fluvial do Tocantins tentam ser resilientes as cheias fluviais do Rio Tocantins.

2Há um complexo hidrológico, climático e geomorfológico que molda a estrutura da paisagem e a torna dinâmica e animada, as cheias do rio são ocasionadas pela influências da zona de convergência intertropical (ZCIT), esse sistema meteorológico é o maior responsável pela produção de chuvas na Amazônia nos meses de janeiro a abril. Esses elementos podem ser vistos pelo esquema representativo do encontro do Rio Tocantins e Itacaiúnas.

Mapa 1 - Modelo de funcionamento sistêmico da confluência entre os rios Itacaiúnas e Tocantins na cidade de Marabá- Pará.

Mapa 1 - Modelo de funcionamento sistêmico da confluência entre os rios Itacaiúnas e Tocantins na cidade de Marabá- Pará.

3O rio Tocantins é formado a partir do rio das Almas e do rio Maranhão, suas nascentes situam-se na região central do País, percorrendo aproximadamente 2.400 km até a sua foz, na Baía de Marajó, próxima a cidade de Belém do Pará. Seu principal tributário é o rio Araguaia, na margem direita, destacam-se os rios Bagagem, Tocantinzinho, Paraná, Manoel Alves Grande e Farinha; na margem esquerda os rios Santa Teresa e Itacaúnas (IBGE, 1957).

4Os princípios básicos dos sistemas são definidos por (BOLOS e CAPDEVILA, 1992) por seu caráter multivariado, onde o número dessa variável de um sistema é normalmente elevado e aumenta em relação ao nível de integração. Um sistema pode ser representado graficamente como um conjunto de elementos ou variáveis inter-atuante considerando suas relações fundamentais.

5Para Silva (1993, p. 48) a paisagem consiste em “um sistema composto por estrutura física e num conjunto de processos que compreende fluxos de matéria e energia, que lhe conferem uma dinâmica própria.”. Os cincos atributos fundamentais da paisagem são: estrutura, funcionamento, dinâmica, evolução, e informação, sendo uma articulação entre a análise funcional com a análise espacial (RODRIGUEZ; SILVA, CAVALCANTI 2004).

6Os rios são essenciais no aborte de fluxo de água e sedimentos nas calhas fluviais, esse ciclo é realizado há muito tempo e molda culturas, comportamentos sociais e a própria paisagem como já falava Bakker (2009). Daí apresentamos um complexo modo de ver e encarar as cheias do rio Tocantins a partir da cidade de Marabá.

7A topografia é sem sombra de dúvidas um dos componentes mais importantes na distinção de áreas que drenam os fluxos de matéria e energias para uma saída comum. A área da confluência entre os rios Tocantins e Itacaiúnas (Mapa 1), caracteriza-se por ter sua topografia mais rebaixada em relação ao seu entorno, configurando uma planície de inundação onde há constante entradas de água. Essa entrada de água no sistema se dar em maior intensidade no período chuvoso onde há um intenso fluxo hídrico superficial, decorrente das chuvas nas cabeceiras desses rios.

8Porém, a área é alimentada durante todo o período do ano por fluxos subterrâneos dos dois rios (Tocantins e Itacaiúnas), e ainda pelo deságüe do riacho Grota Criminosa, que alimenta a área durante todo o período de estiagem com pequenos aportes de água.

9A percepção ambiental do mecanismo das cheias e vazões são esperadas para acontecerem durante três meses, assim as pessoas vão se ajustando nas praças, quadras esportivas, ruas próximas onde estar a área da qual a água não atinge as precárias instalações.

10As crianças são as mais vulneráveis, e as mais felizes, já que algumas delas passam o dia todo tomando banho de rio, os alojamentos pequenos não permitem que as crianças ou quiçá os adultos, fiquem dentro deles, devido ao forte calor e o aperto do ambiente.

Figura 1 – A atividade de lazer principal das crianças.

Figura 1 – A atividade de lazer principal das crianças.

Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.

11As acrobacias são desafios constantes e desafiadores para as crianças, não é difícil vê-las ao lado de suas mães ou em rodas de jogo de bola ou mesmo pedalando na quadra, as águas estão em todos os cantos e não se ver rostos entristecidos por conta da sua condição ambiental/social, a esperança em dias melhores ajuda a perceber como a natureza pode ser provedora de recursos naturais.

12Aos mais jovens é possíveis enxergá-los inventando formas de passar o tempo, no rio a criatividade fica por conta da “jangada sintética” que nada mais é do que um colchão inflável que possibilita navegar nas água do Tocantins escutando músicas a partir de smartphone e da caixa com sistema bluetooth, de outra maneira a vida também reflete uma necessidade de esperar as águas baixarem e a vida voltar ao normal.

Figura 2 – A jangada sintética regida pelas águas e pela música.

Figura 2 – A jangada sintética regida pelas águas e pela música.

Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.

13São tantas formas de imersão que já não há tempo para fotografar todos os saltos, mas tem em comum o gosto de banha-se nessas águas, a profundida e a forte correnteza não é empecilho para eles já que a destreza da qual exercem a técnica do nado torna o momento lúdico e fascinante.

14Daí muitos deles informarem que o melhor da época das cheias e o banho no rio e que nem tudo é tristeza, essa frase também nos convida a emergir nos meandros dessa paisagem que não é de forma nenhuma bucólica, muito pelo contrário e animadas pelas pessoas que a constroem.

15Quanto o arranjo arquitetônico dos alojamentos não há estética eles são funcionais, essa funcionalidade decorrer da temporalidade transitória das moradias, mesmo assim, tudo é pensado para os dias que se sucedem. A precariedade e a falta de espaços não permitem acondicionar todas as coisas das casas, mas permitem ter um pouco de dignidade em meio as águas crescentes do rio. As roupas quarando ao sol, e espaços para os animais de criação são milimetricamente pensados para esperar as águas baixarem.

Figura 3 – Tipologias do alojamento do bairro Santa Rosa – Marabá-PA

Figura 3 – Tipologias do alojamento do bairro Santa Rosa – Marabá-PA

Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.

16As casas, submersas pelas águas, permanecem fechadas é ao que parece há uma solidariedade orgânica entre os a gentes sociais, não se tem registros de arrombamento ou mesmo desaparecimento de pertencem pessoais.

Figura 4 – Moradores transitando entre as ruas tomadas pelas águas

Figura 4 – Moradores transitando entre as ruas tomadas pelas águas

Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.

17Para as famílias que não terão suas casas invadidas pelas águas fica a missão de cuidar do que ficou para trás. As famílias que têm poder aquisitivo melhor, alugam casas nas áreas mais altas da cidade ou se mudam para casa de parentes próximos.

Figura 5 - Rua parcialmente atingidas pelas cheias

Figura 5 - Rua parcialmente atingidas pelas cheias

Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.

18Assim a realidade de todas as cheias dinamiza as paisagem e alterar, parcialmente, o modo de vida urbano, isso não se faz simplesmente pelo flagelo das cheias nos rios amazônica, isso é uma ecologia humana ainda não percebida pelas pesquisas sociais e pelas pesquisa da percepção ambiental, onde o melhor da enchentes é refletir sobre tais dinâmicas e rever nossos valores de felicidade.

Haut de page

Bibliographie

BAKKER. K. Water. CASTREE et al. (Eds.) A Companion to Environmental Geography. Blackwell Publishing Ltd, 2009.

CAPDEVILA, Maria de Bolós. Manual de ciência del paisage: teoria, método y aplicaciones. Barcelona: Massar, 1992.

IBGE – Enciclopédia dos municípios brasileiros, 1957.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: UFC, 2004.

SILVA, E. V. Dinâmica da paisagem: estudo integrado de ecossistemas litorâneo em Huelva (Espanha) e Ceará (Brasil). 1993. 281f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”, Rio Claro-SP, 1993.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 - Modelo de funcionamento sistêmico da confluência entre os rios Itacaiúnas e Tocantins na cidade de Marabá- Pará.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27854/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 217k
Titre Figura 1 – A atividade de lazer principal das crianças.
Crédits Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27854/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 584k
Titre Figura 2 – A jangada sintética regida pelas águas e pela música.
Crédits Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27854/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 376k
Titre Figura 3 – Tipologias do alojamento do bairro Santa Rosa – Marabá-PA
Crédits Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27854/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 694k
Titre Figura 4 – Moradores transitando entre as ruas tomadas pelas águas
Crédits Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27854/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 656k
Titre Figura 5 - Rua parcialmente atingidas pelas cheias
Crédits Fonte: Autores, Trabalho de campo, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27854/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 348k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Rita Vidal et Abraão Levi dos Santos Mascarenhas, « O melhor das enchentes é isso: outra percepção sobre as cheias do Tocantins », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 26 mai 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/27854 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.27854

Haut de page

Auteurs

Maria Rita Vidal

Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Instituto de Ciências Humanas, ritavidal@unifesspa.edu.br

Articles du même auteur

Abraão Levi dos Santos Mascarenhas

Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Instituto de Ciências Humanas, braaolevi@unifesspa.edu.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals