Navigation – Plan du site
Síntese

O campo é um laboratório para a gestão ambiental

Le terrain est un laboratoire en gestion environnementale
The field is a laboratory in environmental management
Neli Aparecida de Mello-Théry

Résumés

Le processus de gestion environnementale exige de ses agents la connaissance, la perspicacité et surtout le contrôle des procédures et des techniques pour sa réalisation. Il faut donc que leur formation soit basée sur une interdisciplinarité enrichie par les enseignements que leur apporte la réalité. De cette façon, la réalité devient un laboratoire essentiel, vital pour comprendre les processus complexes entre la nature et la société et pour comprendre les différentes façons de faire la gestion. Cet essai méthodologique vise à indiquer quelques pistes d'élaboration de plans territoriaux de gestion environnementale, allant du choix du lieu à étudier à l'étape finale de la restitution participative. Il comprend également quelques témoignages d'étudiants qui ont eu des fonctions de moniteurs.

Haut de page

Texte intégral

1Muitas disciplinas acadêmicas consideram a pesquisa de campo como parte essencial de sua formação, no contexto dos diversos campos, das Humanas às Experimentais e Biológicas. Cada qual com sua especificidade, ele pode servir tanto à formação de profissionais como à pesquisa científica.

2Por isso, o campo é um laboratório: nele confirmamos ou refutamos hipóteses, nele desenvolvemos o aprendizado de técnicas diversas, nele aprendemos a ouvir sons e distingui-los, a ouvir e olhar as pessoas nos olhos, a escutar os pássaros, a distinguir as formas da Terra. Nele, por vezes, nos chocamos com a realidade e/ou, ao contrário, ouvimos os relatos que queremos e, muitas vezes, difíceis de suportar. O campo permite ressaltar o aspecto humano do pesquisador.

3A observação de campo faz parte de minha formação profissional, ele é um meio essencial para descobrir a condição local. Não descuido de ouvir as pessoas. Onde quer que eu vá, seja em pesquisas, seja em momentos de lazer, seja no carro ou ônibus, no avião, trem ou barco, olho pela janela e tento reconhecer as formas marcadas pelos processos geográficos. Quando posso, tento ver além dos limites dos olhos, seguindo o deslocamento com o uso de tecnologia dos satélites e dos mapeamentos atuais.

Figura 1 Percurso de uma atividade de campo

Figura 1 Percurso de uma atividade de campo

Fonte: GoogleMaps.

Acompanhando o percurso por pontos importantes da Ilha de Florianópolis.

  • 1 Agradeço calorosamente os depoimentos de alunos e monitores. Valorizam o aprendizado que decorre de (...)

“Há numerosas definições para "campo", acentuando-se a distinção entre rural e urbano. Não por acaso o "trabalho de campo" muitas vezes faz referência a uma visita (mais ou menos longa) à um lugar ao qual não pertencemos (historicamente o lugar da academia é na cidade e não no campo). Esse distanciamento - preconizado e teoricamente adotado pela Ciência Normal, pelo positivismo e suas correntes - embora possa ser importante do ponto de vista analítico, não pode ser plenamente alcançado (felizmente), sobretudo quando já "em campo" começamos a nos relacionar com as pessoas deste dado território. As pessoas que habitam, que trabalham e que se relacionam com "o campo" serão muitas vezes nossa fonte de informação, mas sem nunca perderem o status de ser humano, assim como o são as pesquisadoras e pesquisadores” (depoimento Julianna Colonna1, abril de 2020).

4Uma viagem se prepara e um campo também se prepara longamente e resulta em experiências distintas.

“A ida ao campo extrapola o espaço comum da aprendizagem da sala de aula e, proporciona aos alunos a experiência e, por isso, o aprendizado vai além do entendimento teórico da aplicação da técnica com eficácia, se configura como parte da construção de sujeitos críticos capazes de considerar diversos pontos de vista, podendo construir possibilidades de ação de modo mais pleno e inclusivo” (depoimento de Julia Affonso Cavalcante, abril de 2020).

5Interessante destacar que numerosos discentes uspianos não conhecem o interior do país nem mesmo do Estado e muitos deles sequer saíram da região metropolitana de São Paulo. A saída de campo representa também a ocasião de descobrirem algo novo.

  • 2 Essa disciplina visa introduzir e aprofundar o exercício da gestão ambiental, considerando as ações (...)
  • 3 O grupo formado por professores das disciplinas Biomas Brasileiros, Dinâmica e História da Terra, D (...)

6Diferentes fases na pesquisa de campo – de reconhecimento ou comprovação de algumas hipóteses de trabalho - são essenciais, do meu ponto de vista: a escolha do local a ser observado, a seleção da problemática e objetivos, o pré-campo preparatório, o campo, a restituição posterior, sem deixar de lado os aspectos infraestruturais (recursos operacionais, hospedagem, contatos locais, datas indicadas, etc.). Tais etapas foram identificadas ao longo das experiências realizadas em 15 anos de magistério na formação dos gestores ambientais e de muitas viagens de campo, realizadas exclusivamente para disciplina “Gestão Ambiental2”, dentro do curso homônimo (GA) o qual é baseado na interdisciplinaridade. Entre 2014 e 2018 conseguimos reunir professores de outras discplinas3, objetivando reforçar o intercâmbio de aprendizados, construindo uma visão mais sistêmica do local estudado.

7Usando metodologia quali-quantitativa, para a realização do campo e do exercício acadêmico, avançamos a partir dos levantamentos estatísticos convencionais aos setoriais, temáticos e sociais, fundamentados em dados para compreender os processos, as dinâmicas e seus conflitos e a estrutura do subsistema, visando ser complementados pelas falas de representantes locais, pois trata-se de “descobrir, dentro de sua complexidade e globalidade, a realidade do subsistema social localizado” (Kayser, 2006:96).

8Esse ensaio metodológico aborda, a seguir, cinco aspectos essenciais: i) a escolha do local, ii) a seleção da problemática e definição de objetivos, iii) a realização do pré-campo, iv) o campo e as restituições diárias, v) a restituição final e inclui um sexto item com depoimentos de alguns ex-monitores da disciplina ministrada na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo, complementados pelas conclusões.

A escolha do local

9Como se escolhe o local para observação em campo? Por suas condicionantes naturais ou por seus problemas decorrentes da não gestão? Do ponto de vista territorial e ambiental quais seriam os critérios?

10É mais fácil optar por mostrar exemplos seletivos de casos mal sucedidos do que de sucessos. As cidades e o campo brasileiros têm experiências e iniciativas positivas sejam públicas ou comunitárias que se desenvolvem mas, ao mesmo tempo, outros locais estão soterrados por problemas distintos: extensas áreas de monocultura e o consequente uso de agrotóxicos, falta de saneamento básico e de redes de água, dificuldades para o recolhimento de lixo, uso e ocupação do solo em locais de fragilidade ambiental, entre outros. Poder articular os dois tipos enriquece e melhora a atividade de campo. Associamos, sempre que possível, uma visita em Unidades de Conservação existentes na região, tomando-as exemplos da conservação, dos conflitos com seu entorno e da gestão empreendida.

Figura 2 Parque dos Castelhanos, Ilha Bela

Figura 2 Parque dos Castelhanos, Ilha Bela

Grupo de alunos atentos explicações sobre a estrutura e composição da paisagem e as possibilidades de ecoturismo. 2008.

11Na Universidade, em função da demanda de recursos, o local tem que ser proposto um ano antes. Normalmente tem que se discutir com Direção sobre a viabilidade técnica e financeira, explicitando o que o campo representa para a formação do discente e sobretudo considerando que o quesito essencial é ir ao encontro da realidade local e de seus representantes visando conhecer como fazem a gestão territorial e ambiental dos problemas.

  • 4 O primeiro campo de maior expressividade para alunos de Gestão Ambiental foi no Mato Grosso, projet (...)

12Após refletir sobre que tipos de realidades poderíamos encontrar e identificar as problemáticas ambientais mais demonstrativas, cujo aprendizado possa ser replicado no futuro, selecionamos locais cujas áreas envolvem dinâmicas territoriais de frentes pioneiras4, de bacias hidrográficas, áreas de influência de uma cidade, mosaicos de áreas legalmente protegidas, dinâmicas metropolitanas.

Figura 3 Ateliê sobre tratamento de partículas em suspensão na atmosfera

Figura 3 Ateliê sobre tratamento de partículas em suspensão na atmosfera

Viagem do projeto Conhecendo a Amazônia. 2009.

Figura 4 Centro de Diamantina

Figura 4 Centro de Diamantina

Cidade classificada como “Patrimônio da Humanidade”, mantém seus casarões conservados. Centro histórico. 2017.

Figura 5 Igreja Nossa Senhora das Mercês, matriz de Mendanha, distrito de Diamantina

Figura 5 Igreja Nossa Senhora das Mercês, matriz de Mendanha, distrito de Diamantina

Igreja restaurada. Local de garimpo de ouro e diamante no rio Jequitinhonha. 2017.

13Esses locais e temas devem ser conhecidos, no mínimo por literatura, antes das observações in loco.

14Em síntese os critérios para escolha envolvem: a) a possibilidade de ser recebido por representantes locais para conhecer suas ações de gestão, b) uma situação-problema e/ou um caso de sucesso, c) definição de objetivos realizáveis e d) conhecimento da base teórico-metodológica do estudo.

A seleção da problemática e definição de objetivos

15Nem sempre o principal objetivo da pesquisa de campo para essa disciplina foi o exercício de elaboração de um plano de gestão ambiental territorial. Anteriormente, tratava-se de conhecer os problemas locais e, sobretudo, identificar os caminhos utilizados para a sua gestão. Adotado há alguns anos, esse exercício teórico-prático visa fazer contribuir para colocar os futuros gestores em face ao desafio de elaborar planos de gestão, entre um conjunto de outros planos, sejam de manejo, de bacia, planos diretores, planos de ordenamento do solo.

16É preciso identificar a problemática, os conflitos e as hipóteses, como dizia Kayser (2006: 98): “a hipótese de trabalho é uma das primeiras armas a se usar no preparo da pesquisa de campo”. A tabela abaixo expõe algumas delas, apresentadas aos acadêmicos de gestão ambiental para servirem de base às atividades de campo:

Local

Questões centrais

Bacia do rio Piracicaba

Recomposição de mata ciliar e conflitos na implantação de plano diretor

Ilha Bela

O plano diretor ambiental municipal e as dificudades de implantação

Sorocaba

Gestão em Unidade de conservação (UC) modelo e os efeitos de borda decorrentes das áreas urbanas nas proximidades

São Paulo

Transformação de um incinerador de lixo em parque municipal

Reconhecimento das ações de gestão nos Parques Estaduais da Cantareira e Fontes do Ipiranga

Região metropolitana de Santos

Conflitos de uso e ocupação do solo

Região metropolitana de São Paulo

Conflitos de uso e ocupação do solo em APA e em limites de UC

Região de influência de Presidente Prudente

Crescimento urbano, conflitos agrários e planos ambientais de usina hidrelétrica

Vale histórico de São Paulo

Modelos de conservação ambiental de patrimônio histórico em fazendas coloniais

Vale do Alto Jequitinhonha

Exploração de recursos naturais, atividades de mineração e conservação ambiental

Vale do Ribeira do Iguapé

Gestão no mosaico de áreas protegidas em região deprimida, uso de agrotóxicos e quilombos

Mariana

Rompimento de barragem de rejeitos minerários

Figura 6 Algumas das viagens realizadas para pesquisa e formação acadêmica

Figura 6 Algumas das viagens realizadas para pesquisa e formação acadêmica

Figura 7 Medidas em área de reconstituição vegetal

Figura 7 Medidas em área de reconstituição vegetal

Anteriormente uma pastagem degradada, os alunos medem o DAP (diâmetro à altura do peito) da área reconstituída em Juruena, 2009.

Figura 8 Parque Estadual Turístico do Vale do Ribeira

Figura 8 Parque Estadual Turístico do Vale do Ribeira

Uma das cavernas da trilha Betari. O conjunto de cavernas do tem sido muito procurado por visitantes. 2016.

Figura 9 Parque das velozias gigantes

Figura 9 Parque das velozias gigantes

Fisionomias vegetais e pressões seletivas sobre a biodiversidade ao longo das trilhas, Parque das velozias gigantes, Serra do Cipó, 2017.

Figura 10 Floresta Nacional de Ipanema

Figura 10 Floresta Nacional de Ipanema

Área de mata na Flona Ipanema, 2010.

Figura 11 Ruínas em Bento Rodrigues

Figura 11 Ruínas em Bento Rodrigues

Moradia após o rompimento da barragem de Fundão, 2018.

17Nossa especificidade em gestão ambiental territorial é fazê-los compreender as dinâmicas, os conflitos territoriais e, ao mesmo tempo, a procurar soluções que respeitem as características físicas, bióticas e socioeconômicas e sejam adequadas ao ambiente local. Pressupõe, portanto, um conhecimento prévio de elementos que constituem essas características.

“O levantamento de solos dentro de um trabalho de campo é de grande importância, pois possibilita uma compreensão inicial das variáveis que compõem uma paisagem, como os tipos de rochas, formas de relevo e cobertura vegetal, entre outros aspectos, tanto em escala regional quanto na local (Queiroz Neto, 2003). Dentro do escopo da Gestão Ambiental, este inventário parcial possibilita direcionar, de modo mais preciso, um instrumental metodológico para a análise e coleta de amostras com o objetivo de compreender, por exemplo, a contaminação do ambiente pelo uso de agrotóxicos na agricultura. Em pesquisa desenvolvida no vale do rio Ribeira de Iguape (Santos, 2017), importante setor do Estado de São Paulo no plantio de banana e pupunha, demonstramos que as características e propriedades do solo, como a textura, estrutura e teor de matéria orgânica, associadas a fatores como o clima, relevo e concentração dos agrotóxicos aplicados afetam suas propriedades físico-químicas, influenciando diretamente na mobilidade desses contaminantes ( permeabilidade, escoamento e tempo de degradação).

Nesse contexto, podemos concluir que o trabalho de campo é essencial para o conhecimento do ambiente, e o levantamento de solos facilita a correlação com outros trabalhos e aplicação de metodologias específicas, implicando inclusive na redução de etapas que poderiam ser descartadas devido a características da área”. (citação de Susan Viana, engenheira química, monitora em 2016)

Figura 12 Quilombo Ivaporanduva

Figura 12 Quilombo Ivaporanduva

Plantação de bananas em Ivaporanduva, primeiro quilombo a ser reconhecido em São Paulo, e que faz parte de um mosaico de áreas protegidas. 2015.

18Nesse sentido, a seleção da problemática envolve ter clareza do que se passa no local escolhido. Não são lugares excepcionais, mas sim, lugares comuns. Como dito anteriormente, conhecer como os gestores implementam suas ações foi a forma escolhida para mostrar que, de um lado, há um conjunto de leis, políticas, instrumentos de gestão disponíveis tanto de comando e controle como de persuasão e, de outro, um conjunto de dificuldades na ação. Estejam eles atuando no setor público, no terceiro setor, sejam eles lideranças comunitárias e associativas, a implantação desses instrumentos sempre exige que se encontrem formas distintas e, por vezes, extremamente criativas. Entrevistá-los permite colocar os estudantes em contato com essa realidade.

“A compreensão dos imaginários que "o campo" e a academia têm um do outro faz parte também do trabalho de campo, e é importante para que as relações que se estabelecem a partir dela possam buscar diminuir as assimetrias e construir uma pesquisa melhor para as pesquisadoras e os pesquisadores, e também para as pessoas "do campo", e evitar que elas sejam tratadas como animais observados em um safari” (Julianna Colonna, abril de 2020).

Figura 13 Acampamento no Pontal do Paranapanema

Figura 13 Acampamento no Pontal do Paranapanema

Visão geral de um acampamento rural às margens da estrada Teodoro Sampaio – Rosana, 2015.

19Após a definição dos objetivos e do local, inicia-se a elaboração do diagnóstico socioambiental (Gusmão, 1990; Ibama, 2002; Santos, 2004) em sala de aula. A maioria das visitas em campo ocorrem após esta etapa.

“Reporto-me aqui a experiência em dois trabalhos de campo realizados durante o doutorado. Na primeira, monitorei um grupo de estudantes de Graduação em Gestão Ambiental pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) no mês de outubro de 2015. Visitamos a Usina Hidrelétrica Porto Primavera, em Rosana, a UNESP de Presidente Prudente e assentamentos de reforma agrária em Teodoro Sampaio. É possível notar que esses locais vivenciados pelos alunos conformam um mosaico de relações econômicas, sociais e de desenvolvimento científico que se desenvolvem simultaneamente em uma pequena área de abrangência. Consequentemente, evidencia-se aos olhos dos participantes as complexidades dessas relações no território. Em geral, nesse período de suas formações, os alunos tendem a se preocupar mais em anotar o máximo de informações apresentadas para garantir a aprovação nas disciplinas. No entanto, da memória dessas vivências derivam reflexões futuras que, associadas com leituras e teorias, permitirão que o profissional tenha melhores condições de analisar o todo criticamente” (Suzana Lourenço, depoimento, abril de 2020).

Figura 14 Usina de produção de álcool

Figura 14 Usina de produção de álcool

Uma das usinas da região, localizada entre Rosana e Porto Primavera, no Pontal do Paranapanema, 2015.

O pré-campo

20Constituem atividades obrigatórias e preparatórias dos alunos a identificação e leitura de documentos bibliográficos de fundamentação teórica-metodológica, além dos específicos sobre o estudo de caso. De acordo com Lacoste (2006), a primeira delas é o pesquisador assumir sua responsabilidade social.

21A clareza sobre algumas concepções fundamentais para a gestão ambiental territorial é necessária, como nos indicam Kayser (2006) e Venturi (2011). A título de exemplo, pode-se citar os conceitos de território (Raffestin, 1993; Saquet, 2009) , paisagem (Fusalba, 2009), geossistema, espaço total (Ab’Saber, 2002), planejamento (Ross, 2006; Santos, 2004), poder, governança (Raffestin, 1993; Sanchez, 1992), estrutura fundiária, dinâmicas socioterritoriais (Mançano, 2009), conflitos territoriais (Mello, 2006), risco, impactos (Egler, 1996, Santos, 2007), avaliação de impacto ambiental (Sanchez, 1992) , gestão de recursos (Bousquet, Antona e Weber, 2002), uso e ocupação do solo, instrumentos de gestão, zoneamento (Bastos, Almeida, 2004; Steinberger, 2006), áreas protegidas, análise de ciclo de vida, certificação ambiental.

Figura 15 Análise da paisagem

Figura 15 Análise da paisagem

Alunos atentos às explicações sobre as características da paisagem local e as origens de “morros testemunhos”. 2009.

22Exige-se, entre outras, conhecer técnicas de pesquisa como entrevistas, estudo de caso, grupos focais, surveys, observação participante.

Figura 16 Entrevista em campo de algodão

Figura 16 Entrevista em campo de algodão

Alunas entrevistam funcionário de fazenda produtora de algodão. Proximidades de Cuiabá. 2009.

23Exige-se também o conhecimento de registros oficiais, a interpretação de mapas temáticos e imagens de satélite, dos planos de manejo das áreas protegidas na região e planos diretores locais, a discussão em sala de aula, a definição dos objetivos do plano que será elaborado e do trabalho de campo.

24Há necessidade de organização dos discentes em grupos por temas e a apresentação sintética de cada temática em seminário visando socializar as informações antes da viagem. É nessa fase que os diagnósticos setoriais e geral da área estudada são elaborados.

25Outras atividades preparatórias fundamentais envolvendo professores e monitores, mais uma vez excetuando-se as de caráter infraestrutural, é quando informamos os representantes locais dos nossos objetivos e procuramos estabelecer quando e como os ouviremos: na chegada ao local? Depois de algumas observações e reconhecimentos? Qual é o melhor momento?

26Dentre essas atividades, reveste-se de grande importância a visita antecipada dos professores para o reconhecimento local e contatos com a população local, as quais abrangem desde decisores, instituições governamentais e universitárias, empresas, representantes comunitários, organizações da sociedade civil e “notório saber” local. As negativas ao nosso pedido de atendimento, apesar de serem raras, nos obrigam a reorganizar, por vezes, alguns dos objetivos e das atividades inicialmente previstas.

Figura 17 Usina em Cubatão

Figura 17 Usina em Cubatão

Antiga usina siderúrgica Cosipa produz atualmente somente aciaria e laminadores.

27Com isto prepara-se o desenrolar do dia-a-dia: o que observar e com quais técnicas? Como fazê-lo? A planilha de organização altera-se constantemente, mesmo após a chegada no local, até se chegar ao melhor ajuste entre pesquisados e pesquisadores.

O campo e as restituições diárias

28Trabalho de campo significa começar o dia cedo e terminá-lo bem tarde, com algumas adequações dependendo do local de hospedagem. São cerca de 14 a 16 horas de trabalho/dia. Procura-se manter um tema/subtema por dia nas visitas, com explicações e análises dos professores em cada ponto de observação. Resgatam-se as questões e os problemas locais mais importantes e os discentes saem munidos de mapas e/ou imagens Google, assim como algumas técnicas de observação introduzidas por Kayser (2006), Minayo (2004) e Venturi (2011) como os questionários, entrevistas, o uso de fotografia e GPS para o registro dos pontos visitados. E, em especial, o caderno de campo:

“A elaboração de um caderno ou relatório de campo pelos alunos possibilita não somente o registro, mas o aumento da possibilidade de reflexão a respeito da atividade. Isso é parte fundamental da práxis, ao se deparar com ele, em um momento posterior, o aluno pode articular seus registros com as memórias sobre o que lhe aconteceu, alargando o processo de elaboração do sentido da experiência (depoimento de Julia Affonso Cavalcante, abril de 2020).

Figura 18 Discussão com representantes da Defesa Civil de São Paulo

Figura 18 Discussão com representantes da Defesa Civil de São Paulo

Identificando os conflitos na zona de amortecimento do Parque Estadual da Cantareira, 2008.

29Em muitos locais é o conjunto dos discentes que se faz presente, em outros são os pequenos grupos temáticos. Muitas vezes monitores nos acompanham, por exemplo, em unidades de conservação; noutras, são os gestores quem nos recebem para discutir o processo de elaboração e o próprio plano de manejo/plano diretor, as dificuldades em sua implantação, para, em seguida nos acompanhar nas visitas locais.

Figura 19 Reunião com as lideranças locais

Figura 19 Reunião com as lideranças locais

Tema exposto pela liderança local abrangia as características e condições especiais de um quilombo e as formas de gestão usadas no Quilombo Ivaporanduva, 2016.

Figura 20 Visita a um parque municipal

Figura 20 Visita a um parque municipal

De onde são colhidas as flores do cerrado, uma das atividades econômicas da região. Diamantina, 2017.

30Frequentemente preparamos reuniões ou seminários nos quais os cientistas, professores, dirigentes locais e representantes comunitários abordam seus temas específicos e se dispõem a responder entrevistas ou falar de suas histórias de vida. São momentos extremamente ricos, nos quais procura-se vincular os aspectos vistos em campo com os conceitos apreendidos. Além disso, a vivência dos problemas e das ações que são implantadas permite demonstrar que, apesar de existirem mecanismos legais, nem sempre há condições de implantá-los, seja por falta de recursos humanos ou de recursos econômicos ou ainda por serem situações nunca enfrentadas anteriormente.

31Invariavelmente fica claro que os futuros gestores ambientais terão que enfrentar enormes desafios, conflitos, resistências, escassez de recursos e que somente poderão enfrentá-los com coordenação das ações, envolvimento dos gestores e a população local e, especialmente enfrentá-las com olhares interdisciplinares.

Figura 21 Quilombo Ivaporanduva

Figura 21 Quilombo Ivaporanduva

Construção conjunta de uma armadilha para prender animais, que serviu de exemplo sobre a necessidade de articulação entre envolvidos, 2016.

32No decorrer do trabalho de campo são realizadas restituições diárias das observações e dos encontros. Todas as noites há um debate geral, nos quais são destacados os pontos fortes e as fragilidades percebidas assim como as dificuldades testemunhadas.

33À socialização dos aspectos essenciais identificados em cada ponto visitado seguem-se questionamentos dos professores aos alunos e vice-versa, especialmente levando-os à reflexão do que devem e podem servir para melhorar os diagnósticos, prognósticos e programas de ação do plano de gestão que serão realizados.

34Normalmente após o retorno da pesquisa de campo, se faz, em sala de aula, uma avaliação geral da atividade, permeada por elementos de erros e acertos do processo, que nos permite repensar o próximo planejamento.

Figura 22 Liderança dos atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão

Figura 22 Liderança dos atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão

Explicando o processo vivido por ele e sua família ao lado de ruínas em Bento Rodrigues, 2017.

35Impossível não lembrar que uma das restituições mais difíceis ocorreu após a visita em Bento Rodrigues (MG). Como sempre, o percurso nos permite trocas de muitas informações e impressões e a viagem entre Mariana e seu distrito, Bento Rodrigues duramente atingido pelo rompimento da barragem de detritos minerários da Samarco, foi bastante ruidosa: muitas perguntas às lideranças locais que nos acompanhavam, aos professores e aos próprios colegas. Ao avistar as ruínas, muitos ficaram quietos, absorvendo cada imagem que se via. A entrada no vilarejo foi bastante tensa. Paramos em um pátio para que os dois líderes explicassem detalhes do processo de indenização, das escolhas de negociação individual que haviam sido feitas, dos proprietários que ainda não tinham onde morar, de alguns moradores que permaneciam no local, antes que pudéssemos andar pelas ruas do vilarejo. Percorremos as ruas mais próximas do rio antes de chegar à parte mais elevada onde se localiza a igreja, para a qual muitos dos moradores correram para se proteger. Nunca, em um trabalho de campo, se fez tanto silêncio, quebrado somente quando a pessoa que nos acompanhava mostrou a casa onde seus pais moravam e onde foram soterrados assim como o local onde morava a pessoa que saiu de moto pelas ruas gritando para que todos se deslocassem para o pátio da igreja. Momentos de muita emoção e choro (muitos escondidos). A volta para Mariana foi de silêncio, um silêncio pesado.

Figura 23 Ruínas em Bento Rodrigues

Figura 23 Ruínas em Bento Rodrigues

Resultantes dos impactos de detritos minerários quando do rompimento da barragem de Fundão. 2017.

36No dia seguinte, quando voltávamos para São Paulo, muitos alunos me procuraram para dizer que haviam embarcado para o campo com muitas dúvidas a respeito da continuidade do curso, mas que a experiência vivida tinha dado a eles a certeza de que queriam seguir a profissão para a qual estavam sendo formados.

Restituição final

37A restituição final é o seminário de apresentação do plano de gestão, tanto para os professores que acompanharam o trabalho de campo quanto para representantes dos locais visitados. Muitas vezes, por conta da distância dos locais visitados ao campus da EACH, essa participação não ocorre, no entanto, a discussão é bem produtiva quando autoridades ou representantes participam.

38Apesar de não partilharem da seleção dos locais onde a pesquisa de campo será realizada, o exercício de elaboração de um plano de gestão ambiental territorial permite aos estudantes perceber a complexidade dos processos ao escolher a problemática a ser estudada.

39A escolha já é bastante difícil visto que é um conjunto de problemas que se entrelaçam e dificilmente podem ser vistos separadamente. É preciso lembrar que um plano de gestão ambiental territorial trata de ordenamento das dinâmicas locais de forma a reduzir os impactos e tornar a área mais ambientalizada.

40Os desafios para elaborar um plano de gestão começam pelo curto período da disciplina (apenas 4 meses), continuam pela organização de como escrever apenas um documento quando cerca de 60 discentes contribuem, seguem-se a escolha e propostas dos programas de gestão adequados. Por vezes os discentes propõem apenas o uso de instrumentos de política já existentes, mas, também há muita criatividade com proposições de outras ações.

41Assim, chegar à etapa final do trabalho – a apresentação do plano - é um desafio vencido e extremamente valioso porque permite verificar como se deram esses entrelaçamentos e articulações. A relação entre os 60 alunos (a articulação ou desarticulação, as desavenças, as omissões, a sobrecarga sobre os redatores, os desafios para se chegar a um consenso) é a pedra-de-toque do processo de elaboração do plano e aprendizado para o exercício profissional futuro.

Depoimentos

Thiago Uehara, gestor ambiental, doutor em Ciências Ambientais, monitor em 2009:

42Enquanto monitor organizei uma visita dos alunos de graduação em Gestão Ambiental da EACH à uma unidade de agricultura familiar em Joanópolis-SP. À época, eu era um jovem mestrando no Procam, recém-formado gestor ambiental, e servidor público na Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo. O objetivo da visita à Joanópolis era mostrar aos alunos como políticas ambientais estavam interpoladas com políticas agrícolas, e como o Estado de São Paulo vislumbrava uma nova estratégia de recuperação de matas ciliares para a política estadual de mudanças climáticas associada à ideia de desenvolvimento rural sustentável.

43Para mim, a parte mais interessante de todo o campo não foi exatamente mostrar técnicas inovadores de produção sustentável e restauração ecológica, mas foi observar o fascínio de alguns alunos com a natureza e o meio rural. Uma vívida lembrança que tenho foi o fascínio de um estudante com a materialidade de uma bosta de vaca. Sim: era a primeira vez que o jovem da metrópole paulistana teve contato visual e mediado por uma vareta com fezes de bovinos. Não sei qual foi o processo interno pelo qual o estudante passou, mas acredito que tenha resultado em rico aprendizado mediado pelo contato direto com a natureza, com os técnicos agrícolas que nos acompanharam na visita, e principalmente com os agricultores familiares que com muita satisfação e orgulho nos mostraram como manejavam a propriedade.

44Eu não sei o quanto os estudantes realmente aproveitaram da visita, mas eu diria que pelo menos o fim do dia na cachoeira dos Pretos tenha ajudado os alunos a apreciarem, em primeira mão, os benefícios das amenidades do meio rural quando bem cuidado e aberto para usufruto público.

Carla Moura de Paulo, gestora ambiental, doutora em Ciências Ambientais, participante do projeto Conhecendo a Amazônia, 2009:

45"A cabeça pensa a partir de onde os pés pisam", com essa célebre frase de Frei Betto inicio minha reflexão sobre a importância do trabalho de campo. Em minha trajetória acadêmica nunca aprendi tanto em sala de aula quanto ao pisar no chão, ao explorar o território, ao imergir na vivência. Neste aspecto, uma das experiências mais enriquecedoras foi a participação no "Conhecendo a Amazônia e as Dinâmicas Territoriais do Mato Grosso", trabalho de campo organizado pelas Universidade de São Paulo e Université Rennes 2.

46Durante um mês, rodando em um ônibus e conhecendo as entranhas do Mato Grosso, tivemos a oportunidade de conversar com atores locais, desde representantes do poder público, agricultores familiares, e aqueles do agronegócio... Pela primeira vez me deparei com a imensidão da Amazônia e a exuberante beleza do Pantanal, me apaixonei! O "Conhecendo a Amazônia" marcou minha vida e modelou minha trajetória acadêmica e profissional, assim como a de muitos colegas brasileiros e franceses que, posteriormente, vieram a trabalhar com a temática nos mais diferentes setores.

47Naquele mês, nos deparamos com uma extensa área de "manejo florestal sustentável" inteiramente queimada, visitamos empresas madeireiras, produtores de soja e de algodão, ouvimos de prefeitos e latifundiários que aquele era o único modelo possível para gerar renda para a população local, afinal "vale tudo pelo emprego". Em uma outra realidade visitamos projetos realmente sustentáveis, baseados no fortalecimento do turismo de base comunitária e na agricultura local do pequeno produtor. Conhecemos o poder de transformação socioambiental dos SAFs (Sistemas Agroflorestais), mergulhamos no Rio Cristalino e contamos estrelas cadentes em uma madrugada no meio da Floresta Amazônica. Compreendi que a única saída para compatibilizar crescimento econômico com conservação do meio natural é o respeito ao território, a valorização das riquezas socioambientais e a manutenção da sociobiodiversidade. Talvez, os desafios socioambientais contemporâneos seriam outros, e as políticas públicas de conservação ambiental seriam mais eficazes, se aprendêssemos definitivamente a valorizar o trabalho de campo como ferramenta essencial e indispensável na construção do conhecimento.

Danilo Pereira Sato, gestor ambiental, doutorando em Geografia, monitor em 2015:

48O trabalho de campo é comum a diversas disciplinas das ciências humanas, exatas e biológicas (Suertegaray, 2002; Kayser, 2006). Cada uma dessas disciplinas pode contribuir com diferentes aspectos nas pesquisas da Gestão Ambiental. O campo é o momento que o pesquisador está imerso na realidade e pode confrontá-la com a teoria (Uriarti, 2002; Venturi, 2006).

49Ao fazer pesquisa sobre políticas territoriais e ambientais a observação participante contribui para compreender os processos e os conflitos.

50Pesquisando a APA da Várzea do Rio Tietê, diversas informações e conflitos importantes puderam ser observados em oficinas participativas, audiências públicas, reuniões temáticas, comissões e plenárias. Pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação e pela governança ambiental é exigido a consulta e a participação da sociedade civil em políticas ambientais, projetos que causem impacto ambiental e na gestão de Unidades de Conservação. Nos processos participativos foram observados os grupos e setores que participavam, quais grupos tinham maior presença e força nas arenas políticas, como os atores se organizavam e criavam alianças nas disputas políticas. Foi possível registrar elementos que não costumam aparecer nos documentos finais e são importantes para entender os processos de decisão, pontos de resistência na elaboração da política e os seus resultados.

Suzana Cristina Lourenço, engenheira florestal, doutora em Geografia, monitora em 2015:

51Reporto-me aqui a experiência em dois trabalhos de campo realizados durante o doutorado. A segunda ocasião foi uma viagem com um grupo de pesquisadores, em sua maioria docentes e pós-graduandos, ao Mont de Saint-Michel, na região da Normandia e alguns pontos da costa francesa nos arredores. Talvez essa tenha sido a experiência de campo mais marcante até o momento para mim, tanto pelo formato de trabalho de campo quanto pela quantidade de novas informações que ali recebi. Este é exatamente o ponto a ser destacado. A forma a ser usada em trabalhos de campo voltados a pesquisadores já em avançada etapa de formação ou atualização visa a (re)apresentação do novo. Capaz de traçar suas próprias análises sobre um contexto, este “novo”, apesar de conhecido indiretamente ou por outras fontes, é apresentado de forma que a experiência, tal como é ministrada, propicie um ponto de comparação ao que já foi aprendido em outros territórios e experiências, trazendo novas perspectivas ao olho que observa a realidade, sempre dinâmica".

Julia Affonso Cavalcante, gestora ambiental, mestre em Geografia, monitora em 2016:

52Em aula de campo no Vale do Paraíba, os alunos de gestão ambiental da EACH-USP, entraram em contato com os diversos atores da região, sujeitos de diferentes experiências de vida social.

53Com efeito, o conhecimento desses atores a respeito do território, sua história, suas problemáticas e conflitos é possível de ser assimilado e transmitido em sala de aula. Contudo, “o que se perderia na transmissão é o espírito que ordena essas palavras, que declara que por trás delas – por baixo, em todo lugar – há uma realidade vivida”. (Hooks, 2017, p.124).

54Puderam conhecer assim melhor a própria história – diante da importância que essa região teve na formação social e econômica do país como um todo - e compreender com mais sentido as forças que atuam no território. As cidades mortas mostraram-se, pouco a pouco, o porquê que assim foram chamadas e, portanto, tornaram-se cheias de vida.

Regina Nery, gestora ambiental, técnica em saneamento.

55A importância da gestão ambiental e da interdisciplinaridade no trabalho de campo, especificamente aplicado à área de saneamento:

56A escolha da melhor solução para enfrentar o déficit de saneamento de uma determinada região ou comunidade pode e deve ser apoiada por ferramentas como o trabalho de campo e a metodologia da gestão ambiental como a interdisciplinaridade.

57As definições de sanear nos remetem para um ambiente que necessita de ações que o tornem são, habitável, respirável, agradável, limpo ou até mesmo “curado”. É como se o local necessitasse de remediação.

58Porém, a gestão ambiental não orienta apenas a remediação de áreas, ela pode também orientar planejamento e a gestão ambiental de determinado local, antes mesmo que a ocupação aconteça para que os impactos negativos dessa ação sejam evitados, minimizados e ou compensados.

59Dentro deste contexto o trabalho de campo com o olhar da gestão ambiental aplicado ao saneamento, além de identificar aspectos relacionados às obras necessárias para a sua universalização (comunidades com 100% de abastecimento de água, 100% de coleta e 100% de tratamento de esgoto) identificará também quais as potencialidades e tendências daquele território, bem como seu histórico de ocupação e demanda por habitação e recursos naturais. Para um melhor entendimento das interações da comunidade com o território se faz necessário um diálogo entre diversas disciplinas, o qual será orientado pelo profissional da gestão ambiental. Desta maneira, a solução de saneamento mais adequada para determinada população emergirá dessa interação interdisciplinar.

60Um aspecto importante que pode ser observado no trabalho de campo e que certamente será utilizado para auxiliar o planejamento e a gestão ambiental aplicada ao saneamento é a demanda por habitação, o histórico, a direção de crescimento de ocupação daquele território e as interações sociais que ali se apresentarem.

Luciana Riça Mourão Borges, geógrafa, doutora em Geografia.

61Em julho de 2013, em Rondônia, o assentamento Margarida Alves tornou-se o lugar, o ser e o espaço geográfico, que eram "objeto de estudo", tornaram-se objeto de nosso aprendizado. Era preciso ter empatia, atenção, seriedade absoluta, silêncio quando era o momento de ouvir, fala firme quando era o momento de se expressar. Era necessário compreender em poucos dias a construção de um lugar conquistado a partir de uma luta dura de muitos anos - a luta pela reforma agrária. Era imprescindível parar o relógio individual para sincronizá-lo com aquele tempo que era o do cultivo, o de tocar o gado, o de colher o cacau, o de jantar às 17h ou de tomar o café às 4h da manhã. Era o de ser sensível às lutas e experiências de pessoas que sabiam muito mais que aquele ou aquela geógrafa, e que estavam ali para nos ensinar.

62Também em julho, porém de 2014, outra experiência agora nos levava ao meio de uma área de proteção ambiental que abrigava algumas dezenas de famílias - em sua maioria camponesas - sob domínio de um imenso território da mineração - tido como o maior do mundo. Trata-se da APA do Igarapé Gelado, no meio do sudeste Paraense, sendo uma área componente do mosaico de Carajás. Nesse momento, necessitava-se de uma atenção às disputas, ao poder, à forma de organização social, à invisibilidade, à indiferença, à resistência, à esperança e ao enfrentamento. Ambas as vivências fizeram parte do projeto Duramaz, desenvolvido numa cooperação entre pesquisadores e universidades do Brasil e da França. O espaço geográfico se tornara um universo de percepções que só são possíveis estando em campo.

63Sendo assim, a experiência de um trabalho de campo nos proporciona uma compreensão sensível de abordagens tanto geográficas quanto nas demais áreas, bem como o desenvolvimento da pesquisa, da extensão acadêmica e o aprofundamento metodológico e conceitual da ciência, ao praticarmos aquilo que é apreendido em sala de aula e teoricamente. A vivência proporcionada em campo por esse projeto foi traduzida em gráficos, mapas e diversas tabelas que sistematizavam algumas realidades, perfazendo os caminhos por ali trafegados, e sendo interlocutores das vozes de sujeitos que nos apresentaram seus territórios, seus espaços e seus lugares.

Julianna Colonna Valesvski Cardial, gestora ambiental, mestranda em Ciências Ambientais, monitora em 2017:

64O dicionário Michaelis oferece nada menos do que vinte e quatro definições para a palavra "campo". Uma delas é a "Região situada fora dos limites urbanos, distante do litoral, explorada para atividades agropecuárias; zona rural". Definição que começa pela negação de pertencimento a um determinado território, poderíamos dizer "não-urbano", por exemplo.

65Tratando-se, pesquisadores e pesquisadoras, ambos de seres humanos, temos uma relação humana que se estabelece, via de regra, em situação de assimetria. Assimetria porque os pesquisadores carregam consigo estereótipos construídos no imaginário da sociedade do que é a academia. Tidos como muito inteligentes e por isso dignos de mais respeito do que a média, ou como arrogantes e assim, menos bem vindos do que o normal. Só para citar alguns exemplos.

66Se não podemos modificar do dia pra noite o imaginário da sociedade, temos que ter consciência o tempo todo de que a forma como as pessoas interagem conosco e as informações que nos dão - ou nos negam, ou distorcem - estão também ligadas à percepção que têm da academia. E também das relações assimétricas de raça, gênero e classe social.

67E devemos também compreender quais os imaginários que nós da academia temos das pessoas "do campo", sejam elas realmente habitantes de um território rural ou não.

68Lugares comuns que culpabilizam vítimas ou que reforçam ou reinventam o mito do bom selvagem, a romantização das minorias ou populações vulneráveis. Ou mesmo o desrespeito debochado com as verdades com as quais nos deparamos em campo e que são várias vezes diferentes das verdades da ciência, ou que explicam as mesmas verdades por caminhos diferentes da metodologia científica, precisam ser evitados pois não servem nem à pesquisa, nem às pessoas "do campo".

Conclusões

69Embora a pesquisa de campo possa ser para reconhecimento, para confirmação (ou refutação) de uma hipótese ou um estudo de caso, ela é integrante do processo de formação e de atuação profissional ou acadêmica do gestor ambiental, assim como da pesquisa científica. Apesar do avanço tecnológico a serviço do meio ambiente, penso ser impossível propor algo, fazer controle ou monitoramento, criar novas unidades de conservação, licenciar atividades, fazer certificação sem ir a campo.

70Quem passou por tais experiências jamais esquecerá o que viu, ouviu, vivenciou. As anotações no caderno de campo permitirão, não importa quanto tempo tenha passado, de relembrar os contatos, as histórias de vida, as dificuldades e as potencialidades existentes no local visitado. O aprendizado de se colocar no lugar do outro, de aprender a ouvir mais do que falar, a entender e distinguir o saber popular do conhecimento científico, tudo isso contribuirá para o desenvolvimento profissional e pessoal.

71Podemos identificar muitas formas distintas de se fazer e como fazer trabalho de campo, de seus objetivos, de suas hipóteses. Considerando o objetivo de elaboração de um plano de gestão territorial ambiental, as propostas previstas não podem ser originadas somente de um grupo de técnicos e dirigentes, mas devem resultar de um pacto social. Ao compartilhar e envolver as sociedades locais, as discordâncias e os desafios de se chegar a um consenso sobre o que propor se sobressaem e muitas vezes dificultam o avanço do processo, porém as possibilidades de sua implantação aumentam consideravelmente, tornam-no mais real.

72Do meu ponto de vista, esses são os elementos essenciais de um exercício prático e não fictício para um gestor ambiental.

Haut de page

Bibliographie

AB’SABER, Aziz. Bases conceptuais e papel do conhecimento na previsão de impactos. In AB’SABER, A. e MULLER-PLANTENBERG (orgs.). Previsão de impactos: o estudo do impacto ambiental no Leste, Oeste e Sul. Experiências no Brasil, na Rússia e na Alemanha. São Paulo: Editora USP, 2002. pp. 27-50.

BASTOS, Anna C.S. e ALMEIDA, Josimar R. Licenciamento ambiental no contexto da avaliação de impactos ambientais. In CUNHA, Sandra B e GUERRA, Antonio T. (orgs). Avaliação e perícia ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2004, pp. 77-114.

BOUSQUET, François, ANTONA, Martine, WEBER, Jacques. Simulações e gestão de recursos renováveis. In VIEIRA, Paulo F. e WEBER, Jacques (orgs.). Gestão dos recursos naturais renováveis e desenvolvimento. Novos desafios para pesquisa ambiental. São Paulo: Cortez. Pp. 303-320.

FREITAS JUNIOR, Gerson, « O trabalho de campo em biogeografia - Homenagem ao Prof. Dr. Felisberto Cavalheiro (1945-2003) », Confins [En ligne], 12 | 2011, mis en ligne le 02 juillet 2011, consulté le 20 mai 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/7164 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.7164

FUSALBA, Josep Pintó. El concepto de paisaje y su aplicación em El planeamiento territorial y ambiental. In LEMOS, Amália Inés G. e GALVANI, Emerson (org.). Geografia, tradições e perspectivas: interdisciplinaridade, meio ambiente e representações. Buenos Aires: Clacso, São Paulo. Expressão popular, 2009. PP. 139-158

GUSMÃO, Rivaldo Pinto de (coord.). Diagnóstico Brasil: a ocupação do território e o meio ambiente. Rio de Janeiro: IBGE. 1990.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade / bell hooks; tradução de Marcelo Brandão Cipolla. – 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017. ISBN: 978-85-469-0140-1

IBAMA. GeoBrasil 2002: Perspectivas do meio ambiente no Brasil. Brasília: IBAMA. Disponível em: http://www2.ibama.gov.br/~geobr/geo2002.htm

KAYSER, Bernard. O geógrafo e a pesquisa de campo. Boletim Paulista de Geografia, n. 93-104, 2006.

LACOSTE, Yves. A pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. Boletim Paulista de Geografia, n. 77-92, 2006

MANÇANO, Bernardo. Sobre a tipologia de territórios. in SAQUET, Marcos Aurélio, SPOSITO; Eliseu Saverio (Orgs.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão popular: UNESP. Programa de pós-graduação em Geografia, 2009. pp. 197-21

MELLO, Neli Ap. de. Politicas territoriais na Amazônia. São Paulo: Annablume, 2006.

NONATO JUNIOR, Raimundo, LE TOURNEAU, François-Michel e Grupo Gesto, « O trabalho de campo em geografia: as paisagens e os grandes espaços naturais  », Confins [En ligne], 43 | 2019, mis en ligne le 19 mars 2020, consulté le 21 mai 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/25542 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.25542

QUEIROZ NETO, José Pereira de. Geomorfologia e Pedologia. Geousp – Espaço e Tempo, n. 13, pp. 9-20, 2003.

ROSS, Jurandyr. Ecogeografia do Brasil: subsídios para o planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de textos. 2006. Pp.23-50.

SANCHEZ, Joan-Eugeni. Geografia política. Cap. 2. Fundamentos para la geografia política. Pp. 41-62. Madri: Editorial Sintesis, 1992.

SANTOS, Rosely Ferreira dos. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo: Editora Oficina de Textos, 2004

SANTOS, Rosely Ferreira dos (Org.). Vulnerabilidade ambiental: desastres naturais ou fenômenos induzidos? Brasília: MMA, 2007. Pp. 23-38.

SANTOS, Susan S. Viana. Análise do risco de contaminação do solo por carbofurano no cultivo de pupunha no alto curso do vale do rio Ribeira de Iguapé (SP). Dissertação (Mestrado em Geografia Física). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2017.

SAQUET, Marcos Aurélio. Por uma abordagem territorial. in SAQUET, Marcos Aurélio; SPOSITO, Eliseu Saverio (Orgs.). Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. São Paulo: Expressão popular: UNESP. Programa de pós-graduação em Geografia, 2009, pp.73-94.

STEINBERGER, Marília (org). Território e ambiente em políticas públicas territoriais. Brasília: Paralelo 15 e LGE Editora, 2006, pp. 151-186.

SUERTEGARAY, Dirce M. A. Pesquisa de campo em Geografia. GeoGraphia, v. 4, n. 7, p. 64-68, 2002. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13423/8623>

URIARTE, Urpi Montoya. O que é fazer etnografia para os antropólogos. Ponto Urbe [Online], 11, 2012. Disponível em: <http://journals.openedition.org/pontourbe/300>

VENTURI, L. A. B.. A técnica e a observação na pesquisa. In: VENTURI, L. A. B. (Org.). Geografia - práticas de campo, laboratório e sala de aula. 1 ed.São Paulo - SP: Editora Sarandi, 2011, v. 1, p. 11-28.

Haut de page

Notes

1 Agradeço calorosamente os depoimentos de alunos e monitores. Valorizam o aprendizado que decorre dessas trocas de experiências.

2 Essa disciplina visa introduzir e aprofundar o exercício da gestão ambiental, considerando as ações de diferentes atores sociais e adequando-o às características do meio ambiente e dos meios de explotação de recursos ambientais. Visa também compreender os objetivos, funções e aplicabilidade dos principais instrumentos técnicos, sua evolução e adequabilidade à gestão ambiental. Cerca de 130 alunos são inscritos nas turmas matutina e noturna da disciplina.

3 O grupo formado por professores das disciplinas Biomas Brasileiros, Dinâmica e História da Terra, Direito Ambiental, Fundamentos da Ciência Ambiental, Gestão Ambiental, Introdução ao Geoprocessamento e Processamento Digital de Imagens e Química Ambiental acompanhou os trabalhos entre 2014 e 2018.

4 O primeiro campo de maior expressividade para alunos de Gestão Ambiental foi no Mato Grosso, projeto “Conhecendo a Amazônia”, no Ano da França no Brasil (2009): um ônibus, 40 estudantes brasileiros e franceses, 6 professores de ambas nacionalidades, 24 dias, quase 9 mil quilômetros. Os locais visitados foram Rondonópolis, Cuiabá, Sorriso, Sinop, Juína, Carlinda, Alta Floresta, Cotriguaçu, Poconé. Mais de 6 meses de preparação, incluindo a local pelo professor Vincent Nédélec que vivia na região, e para obtenção de recursos, tanto em Rennes como em São Paulo. Alguns resultados foram publicados na Revista franco brasileira de Geografia Confins, número 10, 2010 https://journals.openedition.org/confins/6566

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Percurso de uma atividade de campo
Crédits Fonte: GoogleMaps.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 308k
Titre Figura 2 Parque dos Castelhanos, Ilha Bela
Légende Grupo de alunos atentos explicações sobre a estrutura e composição da paisagem e as possibilidades de ecoturismo. 2008.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 403k
Titre Figura 3 Ateliê sobre tratamento de partículas em suspensão na atmosfera
Légende Viagem do projeto Conhecendo a Amazônia. 2009.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 451k
Titre Figura 4 Centro de Diamantina
Légende Cidade classificada como “Patrimônio da Humanidade”, mantém seus casarões conservados. Centro histórico. 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 349k
Titre Figura 5 Igreja Nossa Senhora das Mercês, matriz de Mendanha, distrito de Diamantina
Légende Igreja restaurada. Local de garimpo de ouro e diamante no rio Jequitinhonha. 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 783k
Titre Figura 6 Algumas das viagens realizadas para pesquisa e formação acadêmica
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 271k
Titre Figura 7 Medidas em área de reconstituição vegetal
Légende Anteriormente uma pastagem degradada, os alunos medem o DAP (diâmetro à altura do peito) da área reconstituída em Juruena, 2009.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 579k
Titre Figura 8 Parque Estadual Turístico do Vale do Ribeira
Légende Uma das cavernas da trilha Betari. O conjunto de cavernas do tem sido muito procurado por visitantes. 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 613k
Titre Figura 9 Parque das velozias gigantes
Légende Fisionomias vegetais e pressões seletivas sobre a biodiversidade ao longo das trilhas, Parque das velozias gigantes, Serra do Cipó, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 841k
Titre Figura 10 Floresta Nacional de Ipanema
Légende Área de mata na Flona Ipanema, 2010.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 664k
Titre Figura 11 Ruínas em Bento Rodrigues
Légende Moradia após o rompimento da barragem de Fundão, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 114k
Titre Figura 12 Quilombo Ivaporanduva
Légende Plantação de bananas em Ivaporanduva, primeiro quilombo a ser reconhecido em São Paulo, e que faz parte de um mosaico de áreas protegidas. 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 440k
Titre Figura 13 Acampamento no Pontal do Paranapanema
Légende Visão geral de um acampamento rural às margens da estrada Teodoro Sampaio – Rosana, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 187k
Titre Figura 14 Usina de produção de álcool
Légende Uma das usinas da região, localizada entre Rosana e Porto Primavera, no Pontal do Paranapanema, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 289k
Titre Figura 15 Análise da paisagem
Légende Alunos atentos às explicações sobre as características da paisagem local e as origens de “morros testemunhos”. 2009.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 586k
Titre Figura 16 Entrevista em campo de algodão
Légende Alunas entrevistam funcionário de fazenda produtora de algodão. Proximidades de Cuiabá. 2009.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 535k
Titre Figura 17 Usina em Cubatão
Légende Antiga usina siderúrgica Cosipa produz atualmente somente aciaria e laminadores.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 423k
Titre Figura 18 Discussão com representantes da Defesa Civil de São Paulo
Légende Identificando os conflitos na zona de amortecimento do Parque Estadual da Cantareira, 2008.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 285k
Titre Figura 19 Reunião com as lideranças locais
Légende Tema exposto pela liderança local abrangia as características e condições especiais de um quilombo e as formas de gestão usadas no Quilombo Ivaporanduva, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 205k
Titre Figura 20 Visita a um parque municipal
Légende De onde são colhidas as flores do cerrado, uma das atividades econômicas da região. Diamantina, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-20.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre Figura 21 Quilombo Ivaporanduva
Légende Construção conjunta de uma armadilha para prender animais, que serviu de exemplo sobre a necessidade de articulação entre envolvidos, 2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-21.jpg
Fichier image/jpeg, 249k
Titre Figura 22 Liderança dos atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão
Légende Explicando o processo vivido por ele e sua família ao lado de ruínas em Bento Rodrigues, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-22.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura 23 Ruínas em Bento Rodrigues
Légende Resultantes dos impactos de detritos minerários quando do rompimento da barragem de Fundão. 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/27859/img-23.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Neli Aparecida de Mello-Théry, « O campo é um laboratório para a gestão ambiental », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 03 juin 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/27859 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.27859

Haut de page

Auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Professora na Universidade de São Paulo, USP/EACH/IEA, namello@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals