Navigation – Plan du site
Dossiê A pandemia de Covid-19 no Brasil

“Rodovírus” ou “Caronavírus”? Mapas da Distribuição do Covid-19 na Região Sul do Brasil: Indícios da contaminação por rodovias

Cartes de distribution de Covid-19 dans la région sud du Brésil : indices de contamination par les routes
Covid-19 Distribution Maps in Southern Brazil: Indications of contamination by highways
Ricardo R. Monteiro, Rangel Angelotti, Luiz Fernando de Carli Lautert, Paulo Eduardo Angelin et João Portes

Résumés

Covid-19 est une maladie infectieuse causée par un coronavirus. Au Brésil, les premiers cas sont arrivés via les aéroports de la ville de São Paulo et se sont répandus dans tout le pays. Dans le présent ouvrage, des cartes de la région Sud permettent de visualiser les cas de COVID-19 par commune, les cas cumulés, les décès cumulés, le taux d'incidence des cas pour 100 000 habitants (relation entre les cas et la population de la commune) et les taux de létalité (relation entre le nombre de décès et le nombre de personnes infectées). Les cartes indiquent que les concentrations les plus élevées se produisent sur quelques tronçons du réseau routier, principalement le long de l'autoroute BR-386, qui relie Carazinho - RS à Porto Alegre - RS, de l'autoroute Freeway, qui relie la capitale de l'État aux plages, et BR-101, l'un des plus importants de la liaison nord-sud. Bien qu'ils ne soient pas concluants, les schémas présentés peuvent être utilisés pour planifier des actions d'urgence pour la maladie.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Sul

Índice de palavras-chaves :

Cartografia, Coronavírus, Rodovias, Contaminação, Planejamento
Haut de page

Texte intégral

1Os mapas apresentados neste trabalho foram elaborados no mês de maio de 2020, no âmbito do Projeto de Extensão “Observatório do Litoral Paranaense” (OLP), da UFPR Litoral1. Desde a chegada da pandemia no Brasil, o OLP acompanha a evolução dos casos e elabora mapas e análises da Covid-19 em escalas mundial, nacional e regional, ponderando, sobretudo, acerca dos estados do Sul do Brasil e dos municípios do Paraná. Os mapas são elaborados a partir dos dados do “Painel Coronavírus”, do Ministério da Saúde2, disponíveis em planilhas digitais (inicialmente em formato csv, e atualmente em formato xlsx). As ferramentas utilizadas na elaboração dos mapas são os aplicativos livres: LibreOffice Calc (edição das planilhas); Philcarto (cartografia); gvSIG (edição dos shapefiles); Inkscape (edição dos arquivos finais SVG e EMF); GIMP (edição dos arquivos PNG e JPG).

2Os mapas permitem visualizar os casos de COVID-19 nos municípios, conforme a escala (região Sul, demais regiões, ou todos os municípios brasileiros). No presente trabalho foram representados os casos acumulados, óbitos acumulados, taxa de incidência de casos por 100.000 habitantes (relação entre os casos e a população do município) e taxas de mortalidade, ou letalidade (relação entre o número de mortes e o número de infectados). Assim, por meio de análise geográfica, é possível observar onde o fenômeno da contaminação é mais intenso, ou seja, em quais porções do território são verificadas as maiores concentrações de casos e óbitos.

3Os mapas da região Sul indicam que as maiores concentrações ocorrem ao longo de poucos trechos do sistema rodoviário, principalmente ao longo da Rodovia BR-386, que liga Carazinho - RS a Porto Alegre – RS, e Rodovia Freeway, que liga a capital gaúcha às praias, e a BR-101, uma das mais importantes na ligação norte-sul. Destaca-se que o estudo é inicial e os dados são apresentados como indícios, e não de forma conclusiva. Entretanto, é muito provável que a correlação entre a concentração de casos e a estrutura rodoviária nacional seja, de fato, uma forte condicionante para a transmissão do vírus. Apesar de não conclusivos, os padrões observados podem ser utilizados no planejamento de ações de contingenciamento da doença.

Breve histórico das contaminações

4Após a descoberta, em dezembro de 2019, do novo coronavírus na província chinesa de Hubei e a consequente disseminação do vírus e da doença na China, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, em 30 de janeiro de 2020, o surto como uma emergência de saúde pública internacional. No dia 11 de março, após a doença ter sido disseminada para diversos outros países, a OMS classificou o surto como uma pandemia. O relatório da OMS de 24/05/2020 (situation report 1253) indicava 5.204.508 infectados e 337.687 no mundo.

  • 4 Fonte: Painel Coronavírus Brasil <https://covid.saude.gov.br/>;

5No Brasil, os primeiros casos chegaram via aeroportos. O primeiro caso do novo coronavírus registrado e confirmado no Brasil ocorreu em 26 de fevereiro de 2020, na cidade de São Paulo. De acordo com o Ministério da Saúde, tratava-se de um homem de 61 anos, com histórico de viagem para a região da Lombardia, na Itália. No dia 24 de maio de 2020, o país já contava com 363.211 casos confirmados e 22.666 óbitos4. Na região Sul do Brasil, por sua vez, até o dia 10 de maio de 2020, foram somados 7.840 casos confirmados. Sendo 2.576 casos confirmados no Rio Grande do Sul; 3.429 em Santa Catarina e 1.835 no Paraná respectivamente (BRASIL, 2020). Estes números, conforme apontam diversos especialistas, provavelmente estão subnotificados, já que apenas casos mais graves estão sendo testados, podendo o número de casos reais ser muito maior, assim como os óbitos. Apesar dessa subnotificação, os números oficiais do Brasil mostram que na quarta-feira, 13 de maio, o país ficou em segundo lugar no mundo na quantidade de novos casos e mortes em 24 horas, ficando atrás apenas dos Estados Unidos (OMS, 2020).

6Conforme aponta Théry (2020), gerenciar a crise da pandemia no Brasil é tudo menos uma demonstração de unidade política. O Presidente da República e os governadores dos estados discordam profundamente sobre a conduta a ser seguida e, em particular, sobre a conveniência e a duração do confinamento. Com essa falta de coordenação operacional, cada estado da federação está criando suas próprias estratégias de enfrentamento da pandemia. E até mesmo muitos municípios estão agindo à sua própria maneira. Na região Sul do Brasil, por exemplo, existem, em um mesmo estado, municípios que estão partindo para um lockdown e outros que estão reabrindo seus comércios.

7Apesar de um tempo precioso já ter sido perdido no que se refere a uma coordenação dos gestores públicos para definir estratégias conjuntas para o enfrentamento da pandemia, ainda é muito importante a realização de ações que possam diminuir a taxa de contágio. É fundamental que essas ações estejam baseadas nas melhores informações disponíveis. Dessa forma, compreender a distribuição espacial dos dados da pandemia pode ser importante para o planejamento de ações efetivas que busquem a diminuição das taxas de contágio, já que padrões não facilmente visualizáveis em dados tabulares acabam ficando mais evidentes quando espacializados através da cartografia digital.

Mapas de distribuição dos casos de covid-19, na região Sul

8O mapa 1 foi elaborado a partir dos dados disponibilizados pelo Ministério da Saúde, com base na informação do TCU (Tribunal de Contas da União). Nele observa-se a distribuição da população nos municípios da região Sul do Brasil para o ano de 2019, através dos círculos proporcionais azuis, cujas circunferências variam até o máximo populacional de 1.933.105 habitantes, atribuído à capital paranaense, Curitiba. O mapa ainda exprime na escala coroplética cinza a incidência, ou seja, a relação de casos de Covid-19 a cada 100 mil habitantes.

Figura 3 Estimativa de população total por município em 2019

Figura 3 Estimativa de população total por município em 2019

9Verifica-se uma diferenciação entre os três estados quanto à distribuição das maiores concentrações populacionais. No estado do Paraná, a região metropolitana de Curitiba é a área mais populosa, seguida de duas cidades polo na região norte do estado: Londrina e Maringá. Por sua vez, Santa Catarina tem suas maiores densidades populacionais em municípios próximos às cidades litorâneas, notadamente a capital Florianópolis, Joinville e nas proximidades de Blumenau e Balneário Camboriú. Já no estado do Rio Grande do Sul, as maiores concentrações populacionais estão situadas na capital Porto Alegre e região metropolitana.

10O mapa 2 representa por meio de círculos proporcionais vermelhos a distribuição espacial do total de casos, e de forma coroplética em tons de cinza, a incidência de casos por 100 mil habitantes. Os municípios que aparecem com nomenclatura na figura são os que têm os maiores números de casos confirmados de Covid-19. É possível notar um padrão na distribuição geográfica desses casos que aparenta seguir uma linha próxima à costa leste da região Sul, ligando as cidades, Curitiba, no Paraná e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, com grande quantidade de casos nos municípios intermediários entre as duas capitais, inclusive com os maiores municípios de Santa Catarina em termos populacionais incluídos.

Figura 2 Casos confirmados de covid-19 até 12 de maio

Figura 2 Casos confirmados de covid-19 até 12 de maio

11Outro padrão linear também fica evidente entre Porto Alegre e Chapecó. Um terceiro padrão linear de ligação entre municípios pode ser visualizado na região norte/noroeste do Paraná entre as cidades de Londrina, Maringá e Paranavaí. Este padrão também pode ser notado nos mapas 3 e 4 que mostram respetivamente a quantidade de óbitos e a incidência de Covid-19 por 100 mil habitantes.

12Ao analisar os mapa 3 e 4 novamente pode-se notar que as maiores incidências de Covid-19 estão em áreas adjacentes aos municípios localizados ao longo ou próximos das principais rodovias do Sul do Brasil, com grande fluxo de veículos: na BR-101, que liga Curitiba a Porto Alegre e, ao longo da qual ou nas proximidades dela, estão situados municípios importantes economicamente e com população relativamente grande, como Joinville, Itajaí, Balneário Camboriú, Blumenau, Florianópolis e outros; e na BR-386, que liga Porto Alegre a Carazinho e fica próxima aos municípios do oeste catarinense - Chapecó e Concórdia.

Figura 3 - Óbitos acumulados até 12 de maio

Figura 3 - Óbitos acumulados até 12 de maio

Figura 4 Incidência de Casos por 100 mil habitantes - até 12 de maio

Figura 4 Incidência de Casos por 100 mil habitantes - até 12 de maio

13Os mapas também evidenciam municípios próximos da BR-376, no norte do Paraná, como Paranavaí, Maringá e Apucarana e da BR-369, que liga a cidade de Londrina e outras. E municípios ao longo da BR-277, na qual situam as cidades de Foz do Iguaçu, Cascavel e outras.

14No mapa 5, elaborado no aplicativo gvSIG, observa-se novamente na região sul uma forte correlação entre os locais de maior incidência do covid19 ao longo de trechos e entroncamentos rodoviários importantes.

Figura 5 Incidência do Covid19 e rodovias

Figura 5 Incidência do Covid19 e rodovias

15Finalmente, o mapa 6 representa por meio de círculos proporcionais uma síntese dos casos acumulados até 12/05/2020, e por meio de cores (fundo coroplético) as regionais de saúde. As linhas em vermelho e verde interligam as microrregiões e indicam as prováveis rotas de disseminação rodoviária da Covid-19 nos municípios. Assim, as regionais de saúde podem utilizar essa informação para auxiliar na tomada de decisões em estratégias integradas de combate à disseminação da doença.

Figura 6 Síntese dos padrões espaciais

Figura 6 Síntese dos padrões espaciais

Considerações finais

  • 5 Agradecemos a colaboração do geógrafo Dr. Rógis J. Bernardy pela contribuição nessa análise;

16Os mapas indicam que as rodovias podem ser potencialmente vetores de transmissão comunitária da Covid-19 devido a sua função de estabelecer o transporte de pessoas e cargas. Esse fluxo materializado nas estradas conecta áreas industriais, comerciais e de turismo, municípios mais populosos e estabelece fortes laços sociais, culturais e econômicos. A espacialização e análise dos dados indicam que o sistema rodoviário do sul do país teve forte influência disseminadora da doença, como uma "mercadoria indesejada"5, ao longo das rodovias, nessa primeira fase de disseminação, espalhando-se pelos municípios, independentemente de seu porte, mas com maior grau de contaminação nos municípios maiores e em seu entorno. Aparentemente os polos regionais com grande número de casos possuem forte capacidade de irradiar a Covid-19 aos seus municípios de entorno.

17Uma hipótese importante de disseminação da doença que os dados espacializados apontam, refere-se ao movimento pendular de pessoas entre os municípios. Isso ajudaria a explicar a disseminação próxima de núcleos urbanos e cidades adjacentes que têm um fluxo intenso de pessoas devido às economias interligadas e ao fenômeno das cidades-dormitório. O fluxo de pessoas entre esses municípios próximos por vias rodoviárias parece ser um vetor mais importante de disseminação dos casos do que o transporte de mercadorias. Essa hipótese é fortalecida quando se verifica que não há um aumento significativo no número de casos em municípios com grande fluxo de transporte de cargas, como a cidade portuária de Paranaguá, por exemplo, que recebe um grande fluxo de caminhões de diversas partes do país em um momento que coincide com a safra da soja.

18Isso pode estar relacionado com o fato de que caminhoneiros geralmente têm pouca interação social nas cidades portuárias, realizando suas operações de carga e descarga e retornando as suas regiões. Já o fluxo pendular de pessoas gera uma interação social muito mais significativa, visto que essas pessoas tendem a realizar maior número de contatos nas atividades econômicas e sociais.

Notas para a consulta de outros mapas, tutoriais e metadados:

19Ampliando a análise apresentada, o Observatório do Litoral Paranaense divulgou, em 15/05/2020, 7 mapas reveladores da concentração de casos da Covid-19 nos municípios brasileiros. Os dados indicam que 93% dos casos ocorrem em apenas 22% dos municípios, nos quais habitam 53% da população. Como os mapas ilustram, as maiores incidências ocorrem ao longo de trechos e cruzamentos importantes do sistema rodoviário, principalmente no acesso às regiões metropolitanas. Os 7 mapas podem ser acessados em: http://www.litoral.ufpr.br/​portal/​observatoriolitoral/​wpcontent/​uploads/​sites/​20/​2020/​05/​Mun_Brasil-e-Rodovias-7-Mapas-14Maio.pdf

20O OLP também está disponibilizando em sua página (Geodados/Arquivos Shapefile https://drive.google.com/​drive/​folders/​17ro0i9JvmAQ59sI_-T4eLl6CAegCctBi) todos os metadados utilizados na análise e elaboração dos mapas, que podem ser utilizados para elaboração de cartografia no aplicativo livre Philcarto (http://philcarto.free.fr/​) ou em SIGs tais como gvSIG, Qgis, ArcGis, entre outros.

Observações:

  1. Os 5 vídeos tutoriais que complementam a análise encontram-se na playlist: https://www.youtube.com/​watch?v=mqTeb1EhCu4&list=PLzFtWIZZdDXUJ-johHw7KBXMTn4Q5bBJa

  2. Todos os mapas da Covid-19 desenvolvidos pelo OLP encontram-se em: http://www.litoral.ufpr.br/​portal/​observatoriolitoral/​publicacoes/​boletins/​

Haut de page

Bibliographie

BRASIL, 2020. Ministério da Saúde. Brasil confirma primeiro caso da doença. Disponível em:<https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46435-brasil- confirma-primeiro-caso-de-novo-coronavirus> Acesso em: 16 de maio de 2020.

BRASIL. Painel Coronavírus: síntese de casos, óbitos, incidência e mortalidade. Síntese de casos, óbitos, incidência e mortalidade. 2020. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/. Acesso em: 10 maio 2020.

OMS, 2020. Organização Mundial da Saúde. Disponível em:<https://www.who.org> Acesso em:15 de maio de 2020.

OPAS, 2020. Organização Panamericana de saúde. Disponível em:<https://www.paho.org/bra/> Acesso em: 16 de maio de 2020.

THÉRY, H. 2020. Covid-19 au Brésil: aggravants, scénarios et risques. COVIDAM : la Covid-19 dans les Amériques. Disponível em: <https://covidam.institutdesameriques.fr/covid-19-au-bresil-aggravants-scenarios-et-risques/> Acesso em: 16 de maio de 2020.

Haut de page

Notes

1 Página do OLP: http://www.litoral.ufpr.br/portal/observatoriolitoral/

2 Acessar: https://covid.saude.gov.br/

3 disponível em: <https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/situation-reports/20200524-covid-19-sitrep-125.pdf?sfvrsn=80e7d7f0_2>; acessado em 25/05/2020;

4 Fonte: Painel Coronavírus Brasil <https://covid.saude.gov.br/>;

5 Agradecemos a colaboração do geógrafo Dr. Rógis J. Bernardy pela contribuição nessa análise;

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 3 Estimativa de população total por município em 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28246/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 677k
Titre Figura 2 Casos confirmados de covid-19 até 12 de maio
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28246/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 596k
Titre Figura 3 - Óbitos acumulados até 12 de maio
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28246/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 570k
Titre Figura 4 Incidência de Casos por 100 mil habitantes - até 12 de maio
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28246/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 576k
Titre Figura 5 Incidência do Covid19 e rodovias
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28246/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 814k
Titre Figura 6 Síntese dos padrões espaciais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28246/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 774k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ricardo R. Monteiro, Rangel Angelotti, Luiz Fernando de Carli Lautert, Paulo Eduardo Angelin et João Portes, « “Rodovírus” ou “Caronavírus”? Mapas da Distribuição do Covid-19 na Região Sul do Brasil: Indícios da contaminação por rodovias », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 08 juin 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/28246 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.28246

Haut de page

Auteurs

Ricardo R. Monteiro

Vice-Coordenador do Observatório do Litoral Paranaense - UFPR - Setor Litoral, cosmo@ufpr.br

Articles du même auteur

Rangel Angelotti

Coordenador do Observatório do Litoral Paranaense - UFPR - Setor Litoral,rangelpontal@ufpr.br

Luiz Fernando de Carli Lautert

Membro do Observatório do Litoral Paranaense - UFPR - Setor Litoral, luizlautert2@gmail.com

Paulo Eduardo Angelin

Membro do Observatório do Litoral Paranaense - UFPR - Setor Litoral, pauloangelin@yahoo.com.br

João Portes

Membro do Observatório do Litoral Paranaense - UFPR - Setor Litoral, joao.portes88@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals