Navigation – Plan du site

AccueilNuméros45ResenhasA intimidade da geografia humana ...

Resenhas

A intimidade da geografia humana ou o mérito de professor

L'intimité de la géographie humaine ou le mérite du professeur
The intimacy of human geography or the professor’s merit
Guilherme Ribeiro
Référence(s) :

Claval, Paul. Un monde à décrypter : la Perspective Géographique. E-book. Collection Les Dynamiques Géographiques. Vayrac : Tertium Éditions (2019).

Texte intégral

1Perto de completar noventa anos, o geógrafo francês Paul Claval continua a fazer com avidez aquilo a que se dedicou a vida inteira: escrever. Nos últimos anos, foram publicados Les espaces de la politique (2010) ; Ennoblir et embellir. De l’architecture à l’urbanisme (2011) ; De la terre aux hommes : la géographie comme vision du monde (2012) ; Penser le monde en géographe : soixante ans de réflexion (2015) ; L'Aventure occidentale. Modernité et globalisation (2016) ; e, agora, Un monde à décrypter: La Perspective Géographique (2019), o ebook a cargo da editora Tertium.

2Não é difícil imaginar porque alguém dedicado à história da geografia sente-se atraído a resenhar um livro de Claval. Além de sua projeção internacional e de sua atuação como “ponte” a aproximar a tradição francesa da anglo-saxã, no caso específico do Brasil muito provavelmente ele é um dos principais geógrafos traduzidos a partir da década de 1990. Da Bahia a São Paulo, do Paraná ao Ceará, de Minas Gerais a Santa Catarina, seus artigos estão presentes em revistas as mais diversas como Geotextos, Confins, Geografia, Mercator e Geosul. Entretanto, fundado em 1993 na UERJ por Zeny Rosendhal e Roberto Lobato Corrêa, o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Espaço e Cultura (NEPEC), o periódico Espaço e Cultura (1995-) e as coletâneas por eles organizadas nos anos subsequentes oriundas dos Simpósios Nacionais sobre Espaço e Cultura (1998 em diante) assumem lugar de destaque na circulação do pensamento de Claval em língua portuguesa.

3Em uma conjuntura de progressivo desgaste da hegemonia marxista na geografia brasileira a partir notadamente da segunda metade dos anos noventa, talvez esta seja uma das razões a explicar o alcance da difusão de Claval desse lado dos trópicos. Outra causa residiria no trânsito de geógrafos brasileiros orientados por ele na Sorbonne os quais, ao retornarem às suas universidades, continuam a prestigiá-lo através das traduções — inclusive de livros, tais como A geografia cultural (2007) e Epistemologia da Geografia (2010), vertidos por sua antiga orientanda e agora professora Margareth de Castro Afeche Pimenta (UFSC).

4Em síntese, a apropriação de Claval entre nós passa pelo entendimento de toda essa rede, da qual limitei-me a apontar um pequenino segmento a fim de não naturalizarmos sua circulação no Brasil. Com efeito, ela é resultado da atuação de editoras, geógrafos dublês de tradutores (geotradutores?), editais de fomento a eventos internacionais e, no limite, dos laços linguístico-acadêmicos (e, porque não dizer, coloniais [no sentido da “colonialidade do poder” elaborada por Aníbal Quijano]) que nos unem aos franceses desde a fundação dos cursos de Humanidades na Universidade de São Paulo e na Universidade do Brasil nos anos trinta do século vinte.

5Ao reiterar a presença da tradução, faço-o para mostrar sua relevância no tocante à circulação do conhecimento estrangeiro em um país periférico. Afinal, uma vez que estou diante de um livro em francês a ser resenhado, seu alcance será a priori limitado pelo idioma. Caso o livro fosse vertido para o português, poderia ser adotado sem ressalvas desde o primeiro período do curso de geografia até o doutorado. Engana-se quem pensa estar diante de uma obviedade. Muito pelo contrário: em tempos de internacionalização da produção científica brasileira, a questão idiomática está longe de ter solução...

6Un monde à décrypter: La Perspective Géographique (2019) pode ser lido como uma espécie de geohistória do espaço dos séculos XX e início do XXI. Nascido em 1932 no Sudoeste da França — região marcadamente camponesa —, Claval pôde observar de perto a alteração no campo, a expansão das cidades, a conformação das economias nacionais e a constituição de uma sociedade industrial de consumo de massas em escala global. Guardadas as devidas proporções, tais mudanças compuseram o núcleo das abordagens de Friedrich Ratzel (1844-1904), Paul Vidal de la Blache (1845-1918) e Halford John Mackinder (1861-1947). Na condição de ser um dos maiores conhecedores da obra de Vidal de la Blache, Paul Claval assimilou como poucos o ensinamento dos “clássicos”: testemunha histórica, a transformação da paisagem revela os mais variados câmbios nas esferas da técnica e da ciência, da política e da economia, da cultura e do imaginário.

7Destaco estes tópicos para ressaltar uma característica da démarche clavaliana: o interesse pela profunda articulação das diversas peças constituintes do espaço. Este aspecto também diz respeito à formação profissional de sua geração. Existirá algo mais alienante que um historiador da geografia desinteressado do capitalismo ou um geógrafo cultural alheio aos efeitos políticos inscritos em sua pesquisa? Treinado sob o signo da observação da paisagem e sua distribuição cartográfica (fez graduação de 1949 a 1955 na Universidade de Toulouse), aderiu ao espaço como métrica a ser planejada à luz dos métodos quantitativos e modelares (vide seu papel pioneiro na Universidade de Besançon entre 1960 a 1972) até encontrar morada definitiva — porém aberta — na casa da cultura (sua revista Géographie et Cultures data de 1992), a trajetória de Claval caminha na direção oposta à especialização excessiva, e suas capacidades de análise e de síntese acerca das principais linhas de força da geografia humana não apenas são admiráveis do ponto de vista pessoal, mas significativas de como a geografia vem incrementando sua expertise na arte de “decifrar o mundo”.

8Seu empenho por dominar vários subcampos da geografia não é casual. Trata-se da fórmula por ele encontrada visando explicar a unidade e a diversidade de espaços, regiões, territórios, paisagens e lugares. Ao rejeitar as metanarrativas modernas, Claval explora, escava os múltiplos potenciais da disciplina sem guardar ortodoxia em relação ao método. Todavia, várias passagens do livro dão a entender que ele operou seletivamente os predicados dos clássicos, dos neopositivistas e dos culturalistas, a saber: o meio como obstáculo e recurso para o desenvolvimento; o espaço como campo de forças; e a onipresença do simbólico na representação da vida individual e social.

9De toda maneira, sua inclinação pelo tournant culturel é indisfarçável:

“A curiosidade desenvolvida pelas dimensões culturais da vida social ampliou o domínio da geografia a qual, desde então, associa-se à análise das formas de comunicação e de suas funções; em comparação com as relações econômicas e políticas que ocupavam o centro da geografia clássica, tal lugar passa a ser tomado pelas trocas simbólicas e pelo predomínio de mundos outros [des autres mondes] criados pelo imaginário, além do destaque à afirmação das identidades e à competição por diferentes tipos de status” (Capítulo quarto: “Les nouvelles approches : la place de la culture” [tradução nossa]).

10Em linhas gerais, os capítulos I, III, V, VI e VII — Les étapes d’une discipline : la géographie comme étude de l’objet monde ; Ce que la géographie d’hier continue à nous apprendre ; Comprendre la scène mondiale ; La genèse des espaces nationaux et régionaux ; e Nation et région au temps des économies nationales — podem ser lidos conforme o quadro acima esboçado.

11A outra parte do livro pode ser interpretada como a surpresa de um geógrafo experimentado face à revolução espaço-temporal provocada pela dilatação capitalista após o fim do Socialismo Real, pela velocidade dos deslocamentos graças ao desenvolvimento e barateamento do transporte aéreo e pela instantaneidade das comunicações via internet. Embora já conhecesse boa parte do mundo graças aos colóquios internacionais e às temporadas como professor visitante, o fato é que a aposentadoria de Paul Claval em 1998 ocorre exatamente em um momento em que a percepção da própria noção de mundo seria repensada, pois a globalização tomava de assalto a organização do espaço e da vida em todos os continentes — embora em graus variados, ressalte-se Desde então, as relações de produção, trabalho e consumo têm sido progressivamente reinventadas pela tríade técnica, ciência e informação; os Estados Westphalianos vêem seu poderio (sobretudo os periféricos) posto em xeque por empresas multinacionais; a questão ambiental assume o centro da cena ao pôr em risco a própria vida no planeta; e a criação do euro e da União Européia, a crise econômica dos Estados Unidos, o fundamentalismo islâmico e a ascensão da China reestruturam o xadrez geopolítico.

12A despeito de posicionamentos um tanto quanto apressados acerca do fim da região, do espaço e do território na virada do século XX para o século XXI por parte de determinados cientistas sociais, o fato é que a geografia se mostrou cada vez mais proeminente no entendimento das novas realidades: a escala local confunde-se com a global porém sem perder sua especificidade; territorialidades emergem e reivindicam seus direitos para além das circunscritas nacionalidades estatais; antigas regiões industriais foram desativadas e tornaram-se rust belts; a revolução urbana lefebvriana consolidou-se e tem sido potencializada pela economia digital e suas redes... Tal conjuntura não explica um pouco o sucesso das teses de David Harvey mundo afora e para além da comunidade geográfica?

13Claval apreende esse momento histórico a partir de três eixos:

  1. a hipermobilidade como decorrência da redução das distâncias;

  2. a revolução da informática a incidir sobre os domínios da cultura e do conhecimento (e a aprofundar as assimetrias no seio da divisão internacional do trabalho, acrescento eu); e

  3. as críticas político-epistemológicas à modernidade.

14Intitulado De nouvelles configurations de l’espace, o capítulo dez sintetiza-os um pouco da seguinte forma:

“Ainda perceptíveis na paisagem, as velhas estruturas são cada vez menos funcionais e, assim, são substituídas por uma organização em que o espaço é moldado por metrópoles as quais vivem menos do seu entorno que das relações estabelecidas com outros grandes centros situados em seu próprio país ou no exterior. A organização regional, por sua vez, não é mais comandada pelas complementariedades sistematicamente exploradas no âmago do espaço nacional. O êxito das metrópoles depende fortemente do seu papel internacional” [tradução nossa].

  • 1 Christian Bouquet, « Paul Claval fait confiance à l’Occident. », EspacesTemps.net [En ligne], Books (...)

15Ao resenhar L'Aventure occidentale. Modernité et globalisation (2016), seu conterrâneo Christian Bouquet afirma que Claval « confia no Ocidente » 1. Se talvez seja possível concordar com Bouquet a propósito do livro em questão, eu não diria a mesma coisa a respeito de Un monde à décrypter: La Perspective Géographique (2019). Embora se oponha ao materialismo histórico-dialético e à luta de classes — considerados por ele uma abordagem restritiva da vida social como um todo — em nome de uma perspectiva liberal, nem por isso Claval deixa de reconhecer o papel do Estado e a necessidade de preservar a democracia quer do egoísmo do mercado, quer da chamada “democratura” [democrature] — misto de democracia e ditadura. Nesse sentido, talvez a expectativa fosse a de que ele pudesse levantar um pouco mais a voz contra as implicações do neoliberalismo sobre o Estado de bem-estar social e sobre a própria União Européia, por exemplo. De toda maneira, emerge nas entrelinhas de seu texto uma sorte de decepção: o progresso ocidental, definitivamente, não cumpriu suas promessas.

16Enfim, ao traçar um quadro pleno de riquezas acerca das principais dinâmicas empíricas e teóricas do século XX e início de nossa era, Claval apresenta seu ponto de vista sobre o que testemunhou e vivenciou. Trata-se, portanto, de oportunidade de conhecer a intimidade da geografia humana. Mérito, também, de quem sabe ser um grande professor.

Haut de page

Notes

1 Christian Bouquet, « Paul Claval fait confiance à l’Occident. », EspacesTemps.net [En ligne], Books, 2017 | Mis en ligne le 11 May 2017, consulté le 19.05.2020. URL : https://www.espacestemps.net/en/articles/paul-claval-fait-confiance-a-loccident/ ;

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guilherme Ribeiro, « A intimidade da geografia humana ou o mérito de professor », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 27 mai 2020, consulté le 28 octobre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/28296 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.28296

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search