Navigation – Plan du site
Registro de pesquisa

Centro de cálculo, redes de circulação e história da geografia: o caso da Revista Brasileira de Geografia do IBGE (1939-1996)

Center of calculation, nets of circulation and history of geography : the case of the Revista Brasileira de Geografia from the IBGE (1939-1996)
Centre de calcul, réseaux de circulation et histoire de la géographie : le cas de la Revista Brasileira de Geografia de l’IBGE (1939-1996)
Guilherme Ribeiro, André Santos da Rocha, Leandro Dias de Oliveira, Marcio Rufino Silva, Tatiana Tramontani Ramos, Glauco Bruce Rodrigues et Leonardo Arantes

Résumés

Ce projet de recherche vise à examiner, sous le point de vue de l’histoire de la géographie, la principale publication géographique brésilienne du XXème siècle : la Revista Brasileira de Geografia. Organisée par le Conseil National de Géographie de l’Institut Brésilien de Géographie et Statistique (IBGE), deux cents et treize numéros ont été publiés entre 1939 et 1996, en impliquant des auteurs nationaux et internationaux, géographes et non-géographes, ainsi qu’une variété thématique dans différents contextes historiques, politiques et épistémologiques. Malgré l’émergence de certaines recherches autour de la Revista Brasileira de Geografia depuis les années 1990, elles sont encore timides face à son importance pour la constitution du champ géographique brésilien. En ce qui concerne à la méthode, on a adopté le concept de centre de calcul et les notions associées de réseaux et de circulation de la connaissance développés par Bruno Latour dans les science studies. Ils seront essentiels pour analyser les dimensions quantitative et qualitative de la Revista Brasileira de Geografia à partir de quatre axes : (i) réseaux transnationaux et circulation de la connaissance : le rôle des traductions ; (ii) échelles de l’urbanisation : la mégalopole Rio-São Paulo ; (iii) géopolitique de la question environnementale : perspectives brésiliennes ; (iv) mouvements, activisme et luttes sociaux : d’autres agendas.

Haut de page

Texte intégral

Do passado ao presente: um breve panorama

1O Brasil experimenta uma sorte de esquizofrenia coletiva cujos efeitos incidem sobre o papel da ciência na explicação dos fenômenos físicos e sociais. Se as Humanidades há muito sofrem com a dificuldade de se fazer entender e de alcançar um público mais amplo — embora estejam diuturnamente presentes nas mídias impressa, televisiva e digital sob as mais distintas formas —, as Ciências Naturais também têm sido afrontadas pela disseminação de fake news as mais delirantes tais como o terraplanismo. Em tempos de Governo Bolsonaro, religião, política e interesses econômicos os mais abjetos se confundem a fim de desqualificar instituições internacionalmente reconhecidas por suas contribuições ao país. Uma delas é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

2Fundado em 1938, o IBGE foi a principal instituição geográfica do Brasil no século XX. Concebido pelo governo ditatorial de Getúlio Vargas, seus papéis foram os mais variados, tais como recolher dados e distribui-los espacialmente, estimular a confecção de mapas de toda sorte, auxiliar na elaboração de políticas públicas, equilibrar as desigualdades regionais, articular diferentes escalas analíticas tendo como referência o Estado e propagar o sentimento de unidade territorial e de identidade nacional.

3Contudo, não cremos ser prudente concebê-lo como uma instituição isolada e desprovida de antecessores, mas, sim, como o resultado de um longo processo histórico cujas bases remontam às primeiras instituições científicas do país forjadas na esteira do processo de formação do próprio Estado Nacional brasileiro. Devido à invasão napoleônica à Lisboa, a Família Real Portuguesa e sua corte chegaram ao Brasil em 1808 e esta migração provocou grandes transformações. A antiga colônia tornou-se um império catorze anos depois (não sem oposição nos dois lados do Oceano Atlântico [NEVES, 2011]) e, consequentemente, foi necessário criar um aparato estatal com base no modelo europeu. Em 1838, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) surgia exatamente nessas circunstâncias. Ao mobilizar militares, engenheiros, políticos, escritores, sábios e viajantes (incluindo estrangeiros) na dupla tarefa de aprofundar o conhecimento sobre o país (cuja área representa quase toda a Europa) e de recolher arquivos capazes de construir uma memória nacional oficial e pacífica (GUIMARÃES, 1988; MORAES, 2005 [2004]), a Revista do IHGB dedicou parte de seus artigos aos conflitos fronteiriços (SCHWARCZ, 1993: 110). Ou seja: a questão territorial era essencial. Juntamente com o IHGB, temos a Sociedade Geográfica do Rio de Janeiro e sua revista, o Boletim da Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro (editada irregularmente entre 1885 e 1949), fundadas respectivamente em 1883 e 1885. A SGRJ foi importante na organização de congressos geográficos durante a primeira metade do século XX, por exemplo (CARDOSO, 2013). Podemos mencionar também o Imperial Colégio de Pedro II e seu papel na consolidação do ensino de geografia nos currículos escolares desde 1837 (ROCHA, 2002).

4De toda maneira, a profissionalização da geografia ocorrerá apenas no século XX em um contexto envolvendo pelo menos três eixos: os cursos universitários no Rio de Janeiro e em São Paulo apoiados pela missão francesa nos anos de 1934 e 1935, a emergência da Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) em 1934 e do IBGE em 1938 (MICELI, 1989 ; LEFEBVRE, 1990 ; ALMEIDA, 2000 ; ANGOTTI-SALGUEIRO, 2006 ; MACHADO, 2009; ANTUNES, 2008). Se é verdade que eles representavam a modernização da geografia face ao IHGB e às várias Sociedades de Geografia no Brasil (em consonância com o que ocorreu na Europa [ROBIC, 1993]), cumpre observar esta situação sob um ponto de vista histórico mais amplo. Em outras palavras, o IBGE é um momento-chave de um processo em que a geografia tem papel cabal na representação que temos do Brasil. Afinal, questões como a extensão das fronteiras, a oposição entre “litoral civilizado” e “sertão selvagem” e os efeitos climáticos sobre a vida social atravessaram as principais controvérsias intelectuais e políticas do passado e do futuro do país (MAIA, 2008; MURARI, 2009; MACHADO, 2008 [1995]). De uma forma ou de outra, esta agenda será incorporada a um movimento de centralização política e crescimento econômico na qual dados demográficos e pesquisas regionais expressavam a moderna administração estatal praticada por Vargas entre 1930 e 1945 (PENHA, 1993).

5Dada a amplitude do IBGE, é preciso explorá-lo sob um determinado ângulo. Para nós, trata-se de partir da história do pensamento geográfico e de tomar como objeto de investigação o acervo de duzentas e treze edições (sendo repetições de material já publicado, não contabilizamos os números especiais) da Revista Brasileira de Geografia entre 1939 e 1996. Nelas, encontraremos algumas das principais controvérsias conceituais e metodológicas do século passado, tais como a adoção de uma perspectiva amparada nos trabalhos de campo, na regionalização e na descrição das paisagens levada adiante por Francis Ruellan, Pierre Deffontaines, Preston James e Leo Waibel entre o final dos anos trinta ao final dos anos cinquenta, seguida da mudança para um perfil teorético-quantitativo consagrado à matematização do espaço e ao emprego de modelos computacionais visando à previsão do planejamento urbano-regional perpetrado por Brian Berry, John Cole e Speridião Faissol entre os anos setenta e início dos oitenta e, mesmo, o surgimento tímido de trabalhos baseados no materialismo histórico-dialético nas primeiras décadas dos anos oitenta discutindo educação, mercado de trabalho e pobreza urbana, condições habitacionais de pessoas de baixa renda, imigração e favelização, o conceito de divisão social do trabalho a fim de compreender o sistema urbano nacional e a degradação ambiental provocada pela modernização agrícola. É curioso perceber que alguns dos autores destes textos críticos haviam sido entusiastas da revolução quantitativa como Pedro Geiger, Olga M.B. de L. Fredrich e Fany Davidovitch, por exemplo.

6Entretanto, com a progressiva hegemonia das geografias radicais a partir do Congresso da AGB em 1978, a perda de espaço dos geógrafos no IBGE no transcorrer dos anos oitenta e o fim da RBG em 1996 — ensaiou-se um retorno em 2005 e em 2006, mas sem sucesso. Ela está sendo reeditada novamente desde 2016 —, entra em curso uma operação de esquecimento sobre os papéis jogados pela RBG na constituição da geografia no país. As críticas endereçadas à geografia ibgeana censuravam seus vínculos com uma versão oficial e estatal de ciência cujas origem e desenvolvimento estariam em governos ditatoriais como os de Vargas (1930-1945 e 1951-1954) e o período militar (1964-1984) e que atuariam em prol da manutenção do status quo estatal e do modo de produção capitalista. Em contrapartida, geógrafos marxistas de diferentes matizes propunham uma agenda ligada ao fim da ditadura militar e ao retorno da democracia em nome de uma leitura do espaço a partir dos trabalhadores, dos oprimidos e da justiça social (MOREIRA, 1978; SANTOS, 1982).

7Por causa da força desse movimento, é provável que dos anos oitenta em diante uma geração de geógrafos tenha sido forjada minimizando a contribuição ibgeana. Porém, essa imagem vem se transformando desde a virada do século: a Universidade Estadual Paulista de Rio Claro sediou o I Congresso de História da Geografia em 1999, enquanto a revista Terra Brasilis foi lançada com o mesmo foco temático no ano seguinte. O objetivo desses movimentos era o de aprofundar a história da geografia no Brasil associada tanto às tradições latino-americanas quanto ao próprio pensamento social brasileiro — incluindo, claro, a participação do IBGE (ver MORAES 2005 [2004]). No entanto, isto só foi possível graças a uma mudança institucional significativa, isto é, ao crescimento dos programas de pós-graduação das universidades públicas: se havia catorze mestrados e cinco doutorados em Geografia em 1996, eles se tornaram cinquenta e um e vinte e oito em 2013, respectivamente (CAPES, 2013). Assim, o IBGE e suas geografias tornam-se progressivamente objeto de pesquisas em tais programas, tais como a pioneira dissertação de mestrado de Eli Alves Penha A criação do IBGE no contexto da centralização política do Estado Novo e a tese doutoral de Roberto Schmidt de Almeida A Geografia e os Geógrafos do IBGE no período 1938-1998 — ambas na UFRJ, instituição marcada por fortes laços com o IBGE (PENHA 1993, ALMEIDA 2000). Desde então, outros passaram a descobrir o IBGE e também as suas revistas — conforme mencionaremos no próximo item.

Figura 1: Índice da edição inaugural da Revista Brasileira de Geografia (1939)

Problematizações, encaminhamentos, objetivos

8Contudo, o tamanho, a pluralidade e a relevância do arquivo Revista Brasileira de Geografia nos impele a interrogá-lo com base nas mais recentes ferramentas disponibilizadas pela história da geografia a fim também de trazê-lo para o presente. Tal como anotamos recentemente, o campo em tela, exatamente por aprofundar-se naquilo que supostamente já passou, abre possibilidades em direção ao futuro da geografia como um todo. Não se trata de procedimento normativo, mas prospectivo (RIBEIRO, 2019). Assim, estamos alinhados a um processo de valorização da geografia brasileira em curso no plano internacional, conforme pesquisas do britânico Archie Davies sobre a ecologia política de Josué de Castro, do italiano Federico Ferretti e do brasileiro Breno Viotto Pedrosa sobre de Castro, Manuel Correia de Andrade e Milton Santos durante o exílio e do brasileiro Lucas Melgaço vertendo este último para a língua inglesa a fim de questionar o fechamento intelectual do Norte para com os intelectuais do Sul Global (DAVIES, 2019, FERRETTI & VIOTTO PEDROSA, 2018, MELGAÇO, 2017). A sintonia com o que pretendemos é visível e pode ser sintetizada da seguinte forma: em tempos de internacionalização da ciência, é mister recuperar a geografia brasileira — não de modo nacionalista, inútil esclarecer, mas, sim, investigando tanto suas estratégias de conexão ao circuito geográfico global quanto sua autonomização em relação a ele.

9Nessa conjuntura, é preciso também complexificar a história da geografia para além das escolas nacionais, do etapismo teleológico e da canonização de autores, idéias e conceitos (vide KEIGHREN, ABRAHAMSSON, DELLA DORA 2012). Isto requer convocar uma equipe ampla e com diferentes expertises — porém convergentes em torno da historicidade da geografia, ressalte-se — como forma de tentar alcançar o quanto possível a polissemia da Revista Brasileira de Geografia. Em outras palavras, trata-se de tentar compreender como a geografia atravessou a vários e distintos governos e orientações epistemológicas publicando ininterruptamente mais de duzentas edições em um intervalo entre 1939 a 1996. A concordarmos com as teses de Benedict Anderson associando a emergência dos jornais impressos à edificação de identidades nacionais a partir do século XIX (ANDERSON, 2008 [1983]), tomaremos a Revista Brasileira de Geografia como uma das principais fontes responsáveis pela criação, estímulo e divulgação de uma identidade à ciência geográfica e ao território brasileiro no século XX.

10Justifica-se, portanto, reconhecê-la como um meio para se pensar os papéis sociais, políticos e científicos da geografia na construção do Brasil no século passado. Eis o sentido do nosso projeto: admiti-la como um arquivo vivo e aberto à inspeção sobre o Brasil. Isto implica, inclusive, em repensar a própria maneira como geralmente lemos o campo da história da geografia: não como um domínio blindado, abstrato e disponível apenas a intelectuais multilíngues alienados do tempo presente, mas como uma perspectiva privilegiada que se dispõe a voltar ao passado para entender mudanças e rupturas estruturantes da realidade atual. Há que se desnaturalizar a imagem que temos da produção geográfica ibgeana e substituí-la por uma abordagem capaz de problematizá-la como documento histórico e como objeto da ciência, tal como nos ensinou a historiografia dos Annales de Marc Bloch, Lucien Febvre e Fernand Braudel (BLOCH, 2001 [1949]; FEBVRE, 1920; 1992 [1933], 1992 [1941]; BRAUDEL, 2005 [1969]). Um dos efeitos desta postura sugere assimilarmos o Brasil não apenas como receptor de conhecimento, mas como um dos principais produtores de geografia no Ocidente. Mutatis mutandis, é a isto o que Ferretti se referiu em sua elegante crítica ao monolinguismo e ao unilateralismo recorrentes nos conceituados centros de geografia na Europa e nos Estados Unidos. Afinal, já passou da hora de olharmos para “outras tradições geográficas” [other geographical traditions] provenientes do Sul Global (FERRETTI, 2019).

11Outra justifica reside no fato de que embora tenha sido o mais importante veículo de divulgação da geografia praticada no país durante todo o século vinte, a RBG não foi estudada a contento. Se o IBGE já possui trabalhos de reconhecido fôlego (PENHA, 1993; ALMEIDA, 2000; TERRA BRASILIS, 2014; SENRA, 2017 [2016]) e a despeito do incremento vivido pela história da geografia no país desde os anos noventa, tanto o Boletim Geográfico quanto a RBG vêm recebendo tímida atenção comparada aos seus impactos sobre o desenvolvimento da ciência geográfica no Brasil (DAOU, 2001; ANGOTTI-SALGUEIRO 2005; CAMARGO, 2009; BARCELOS, 2010; RIBEIRO, 2015; AQUINO, 2016; OLIVEIRA, 2017; CÉSAR & PINTO, 2018). Faz-se necessário, portanto, a valorização e a recuperação críticas do seu acervo. Não se trata, porém, de resgatá-lo em nome da construção de uma memória nacional reificada e apologética, mas, sim, de perceber que, sempre aberto à inspeção e não algo pronto ou ultrapassado, reconstituir o passado à luz de novos ângulos significa atualizá-lo. Afinal, uma leitura em torno de um campo científico não se encerra apenas no exame daquilo que foi ou está incluído em sua agenda hegemônica de pesquisas; ela deve incorporar os aspectos que não puderam ser “conciliados” e, com efeito, foram excluídos e deslocados segundo determinados padrões mantidos pelos discursos hegemônicos.

12Como uma maneira de escapar de armadilhas tais como o enfoque cronológico, o engessamento dado pela escala nacional e a sucessão artificial de correntes de pensamento, o objetivo principal dessa investigação é o de transportar para o presente o legado da Revista Brasileira de Geografia examinando-o através de quatro temáticas:

13(i) redes transnacionais e circulação do conhecimento: entre traduções e tradições (a cargo de Guilherme Ribeiro e Leonardo Arantes);

14(ii) escalas da urbanização: a megalópole Rio-São Paulo — a cargo de André Santos da Rocha e Marcio Rufino;

15(iii) geopolítica da questão ambiental: perspectivas brasileiras — a cargo de Leandro Dias de Oliveira;

16(iv) movimentos, ativismos e lutas sociais: outras agendas — a cargo de Tatiana Tramontani Ramos e Glauco Bruce Rodrigues.

17Tomar os temas acima como elementos simultaneamente constituintes e problematizadores da história do pensamento geográfico nos permitirá reconstituir com nitidez estruturas e linhas de força, supressões e rupturas que, em conjunto, transparecerão as práticas de leitura, de escrita e de intervenção da Revista Brasileira de Geografia. Ao final, teremos mais clareza também sobre a posição do Brasil como um dos nós no interior da história global da circulação do conhecimento geográfico.

18Dentre os objetivos específicos estão os de promover levantamentos quantitativos e esboçar uma periodização dos temas elencados visando traçar perfis da revista; identificar os principais conceitos, métodos e idéias mobilizados pelos temas em questão em seus respectivos contextos referentes à história da geografia; e avaliar a contribuição do periódico supracitado no entendimento da realidade e da geografia brasileiras no século vinte.

Figura 2: Embarcações modernas na Amazônia desenhadas por Percy Lau na reconhecida Seção “Tipos e Aspectos do Brasil”

Fonte: RBG, 1942, vol.4, n.2, p.386.

Questões de método

19A história da geografia tem sofrido modificações substanciais desde os anos noventa do século passado. Se não há espaço suficiente para efetuarmos tal balanço, talvez seja válido destacarmos ao menos três aspectos.

20Típica de trabalhos tão célebres publicados na Espanha (CAPEL, 1981), na França (CLAVAL, 1998) e no Brasil (GOMES, 1996), a ênfase panorâmica cedeu lugar a pesquisas tópicas, contextuais e documentais inspiradas, de um lado, pelos resultados obtidos por Vincent Berdoulay em La formation de l’école française de géographie (BERDOULAY, 1995 [1981]) e, do outro, pelas originais reflexões sobre epistemologia e sociologia da ciência elaboradas por Michel Foucault e Pierre Bourdieu. Para além de uma história das idéias geográficas, Berdoulay aprofundou a dimensão social desta história ao aproximá-la de uma rede de cientistas, universidades, editoras e opinião pública em nome da defesa da integridade do território e do imperialismo franceses durante a Terceira República (1845-1918). Por sua vez, Foucault e Bourdieu examinaram a ciência como um campo de conflitos, o que significou ponderar como instituições, revistas e intelectuais não só incluem, mas também excluem conceitos, métodos e temas em nome da manutenção de estruturas de poder, influência, publicações, concessões, prêmios etc. Ao escavarem as faces sociopolíticas da ciência, eles questionaram um dos mais importantes tabus do pensamento moderno: a imparcialidade dos pesquisadores e a neutralidade do conhecimento. Não seria demais afirmar que nosso entendimento sobre a ciência nunca mais foi o mesmo depois deles (FOUCAULT, 2004 [1971]; BOURDIEU, 1976).

21O segundo aspecto diz respeito às possibilidades abertas desde a publicação de Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente por Edward Said em 1978. Ao engendrar o conceito de “geografias imaginárias”, Said potencializou o fato de que conquistas materiais estão umbilicalmente ligadas a dominações simbólico-discursivas e, neste contexto, a geografia assume papel nuclear. Ela não é apenas instrumento de reconhecimento territorial, mas uma ciência que forja uma determinada concepção de território. É assim que somos povoados por formas, imagens e representações e não somente por realidades supostamente objetivas (SAID, 2007 [1978]). Na esteira do Orientalismo, não é coincidência alguma que o projeto vigente de constestação à ciência moderna eurocêntrica levado a cabo pelo pensamento descolonial promova uma espécie de “contra-geografia”, pois de Walter Mignolo a Gloria Anzaldúa e passando por Gayatri Spivak a Boaventura de Sousa Santos, conceitos como “epistemologia territorial”, “geopolítica do conhecimento”, “pensamento crítico de fronteira”, “lugar de fala”, “políticas de tradução”, “desperdício de experiências” e “monocultura do conhecimento” recaem exatamente sobre o fato de que a geografia tem sido cúmplice de uma epistemologia unívoca e redutora da diversidade do mundo (MIGNOLO, 2003 [2000]; ANZÁLDUA, 1987; SPIVAK, 2010 [1985], 2000 [1993]; SANTOS & MENESES, 2008; SANTOS, 2007 [2000]).

22O último aspecto remete-nos ao spatial turn o qual, tendo à frente as proeminentes reflexões do filósofo francês Henri Lefebvre ao redor da revolução urbana, do direito à cidade e, sobretudo, da produção do espaço como elemento crucial da reprodução do capitalismo nos anos sessenta e setenta (LEFEBVRE, 2001 [1968], 1996 [1970], 2008 [1972], 2000 [1974]), penetrou, de diferentes formas e com adaptações, nos mais variados domínios científicos tais como a sociologia estruturacionista proposta por Anthony Giddens (GIDDENS, 2009 [1984]), a renovação da teoria da geografia e dos estudos urbanos praticada por David Harvey, Milton Santos, Neil Smith e Edward Soja entre o final dos anos setenta e final dos anos oitenta (HARVEY, 1973, 1992 [1989]; SANTOS, 1978; SMITH, 1988 [1984]; SOJA, 1993 [1989]) e os science studies, para quem o lugar de um discurso, de um laboratório, um museu ou de um periódico são indissociáveis de seus conteúdos (OPHIR & SAPHIN, 1991; LIVINGSTONE, 2003, 2005; SECORD, 2004).

23Apropriando-se livremente das contribuições acima mencionadas, pensamos que o papel da história da geografia muitas vezes tem sido o de canonizar geógrafos, fixar correntes e identificar “conflitos”, muitas vezes, superficiais. Logo, tal história carece ser reexaminada, pois a trama consagrada até então tem se limitado a ser a história das idéias e de categorias geográficas no sentido da “teoria teórica”. Alterar esta conjuntura quer dizer frisar a constituição político-discursiva dos conceitos e da história da geografia, e não contentar-se com um enfoque contemplativo dos mesmos. É forçoso concebê-la não em termos de sucessão de “paradigmas”, mas como campo privilegiado para o entendimento das formas pelas quais as sociedades desenvolveram seu modus operandi espacial, extraindo tanto as visões de mundo que engendraram tal configuração quanto os embates dela resultantes. Partimos do princípio de que a história da geografia é uma poderosa janela interpretativa através da qual podemos apreender as motivações e os interesses que impeliram as sociedades rumo à confecção de cartas, levantamentos topográficos, mapeamento de recursos, tratados fronteiriços, divisões administrativas, registros paisagísticos, delimitações regionais. Ela é um modo particular de inquirir agentes, instituições e sociedades a respeito das razões que os levaram a erigir e a difundir a geografia tal como a conhecemos. Outra de suas funções reside na análise da relação entre o discurso e a prática situados em seu contexto histórico. Todo saber contém, em si, o germe de uma prática que, ora o discurso a revela, ora a oculta. É a esse jogo de luz e de sombra que cabe descortinar (ver RIBEIRO, 2012, 2015).

24Em termos operacionais, gostaríamos de ressaltar a importância de Bruno Latour e seu conceito de “centros de cálculo”. Guardadas as devidas proporções, parece que seu método agrega os referentes sócio-políticos da ciência, a necessidade de ultrapassar seu perfil eurocêntrico e etnocêntrico e a judiciosa consideração sobre o papel do lugar na produção científica como um todo. Ao deslocar a centralidade do conhecimento em prol dos processos constituintes de sua aquisição, Latour privilegia não uma inexistente superioridade dos cientistas sobre os demais, mas, sim, põe em prática um exame de como os saberes foram coletados em diferentes partes do mundo graças a diferentes sujeitos porém reunidos em alguns poucos laboratórios, museus, jardins botânicos e universidades na Europa Ocidental e nos Estados Unidos. Eis os “centros de cálculo”. Assim, informações sobre espaços e regiões, animais e plantas, relevos e hidrografias, indígenas e seus costumes recolhidas por europeus em um lento movimento histórico de interlocução com populações nativas tornam-se Cartografia, Biologia, Geografia e Antropologia e nomes como os de Mercator, Darwin, Humboldt e Lévi-Strauss entram para o panteão da ciência como descobridores, inovadores, gênios. Por outro lado, em uma nítida hierarquização, pouco a pouco surgem gêneros de saberes ditos locais rotulados como Etnocartografia, Etnobiologia, Etnogeografia, Etnoantropologia... (LATOUR, 2011 [1987]).

25Em síntese, Latour nos convida a pensar a ciência em termos de movimento, circulação e, principalmente, de redes. Geograficamente, portanto.

Nota

26Esse projeto foi contemplado pelo edital Faperj “Apoio a Grupos Emergentes de Pesquisa no Estado do Rio de Janeiro” em 2019 sob a coordenação de Guilherme Ribeiro (PPGGEO/UFRRJ)

Haut de page

Bibliographie

ALMEIDA, Roberto S. de. A Geografia e os geógrafos do IBGE no período 1938-1998. Tese do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (2000).

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. Reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras (2008 [1983]). Tradução de Denise Bottman.

ANGOTTI-SALGUEIRO, Heliana (org.). Pierre Monbeig e a Geografia Humana brasileira: a dinâmica da transformação. Bauru: Edusc (2006).

ANGOTTI-SALGUEIRO, Heliana. A construção de representações nacionais: os desenhos de Percy Lau na Revista Brasileira de Geografia e outras “visões iconográficas” do Brasil moderno. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v.13. n.2. p. 21-72. jul.-dez. (2005).

ANTUNES, Charles da França. A Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB) - origens, idéias e transformações: notas de uma história. Niterói: Tese de Doutorado, PPGEO, UFF (2008).

ANZÁLDUA, Gloria. Borderlands/La Frontera. The New Mestiza. 4th edition. San Francisco: Aunt Lute Books (1987).

AQUINO, Alexandre O de. Contribuições da Revista Brasileira de Geografia e do Departamento de Geografia da USP à ciência geográfica 1939-1956. Dissertação em geografia, USP (2016)

BARCELOS, Samira. A geografia urbana na Revista Brasileira de Geografia (1939-1995). Dissertação em Geografia, UFRJ (2010).

BERDOULAY, Vincent. La formation de l’école française de géographie. Paris: Éditions du CTHS (1995 [1981]).

BLOCH, Marc. Apologia da História ou O Ofício de Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor (2001 [1949]). Tradução: André Telles.

BOURDIEU, Pierre. Le champ scientifique. Actes de la recherche en sciences sociales, 2-2-3 (1976).

BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva (2005 [1969]). Tradução de J. Guinburg e Tereza Cristina Silveira da Mota.

CAMARGO, Alexandre de P. R. A Revista Brasileira de Geografia e a organização do campo geográfico no Brasil (1939-1980). Revista Brasileira de História da Ciência, v. 2 (2009).

CAPEL, Horacio. Filosofía e ciencia en la geografía contemporánea. Barcelona: Barcanova (1981).

CAPES. Documento de área: Geografia (2013). Disponível em http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacaotrienal/Docs_de_area/Geografia_doc_area_e_comiss%C3§A3o_21out.pdf

CARDOSO, Luciene Pereira Carris. O lugar da geografia brasileira: a Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro entre 1883 e 1945. São Paulo: Annablume (2013).

CÉSAR, T., & PINTO, V. Relações de gênero e a Revista Brasileira de Geografia: expressões da tradição geográfica nacional (1939-2005). GEOUSP, 22(2) (2018).

CLAVAL, Paul. Histoire de la géographie française de 1870 à nos jours. Paris: Nathan (1998).

DAOU, Ana Maria. Tipos e aspectos do Brasil: imagens e imagem do Brasil por meio da iconografia de Percy Lau. In: ROSENDAHL, Zeny; CORREA, Roberto L. (Org.). Paisagem, imaginário e espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, pp. 136-162 (2001).

DAVIES, Archie. Unwrapping the OXO Cube: Josué de Castro and the Intellectual History of Metabolism. Annals of the American Association of Geographers, vol. 109, issue 3 (2019).

ESCOLAR, Marcelo. Crítica do discurso geográfico. São Paulo: Hucitec (1993). Tradução de Shirley Morales Gonçalves.

FEBVRE, Lucien. “L’histoire dans un monde en ruines”. Revue de Synthèse Historique, n. 88, fév. (1920).

FEBVRE, Lucien. “De 1892 à 1933. Examen de conscience d’une histoire et d’un historien”. In: FEBVRE, Lucien. Combats pour l’histoire. Paris: Armand Colin (1992 [1933])

FEBVRE, Lucien. “Vivre l’histoire. Propos d’initiation”. In: FEBVRE, Lucien. Combats pour l’histoire. Paris: Armand Colin (1992 [1941]).

FERRETTI, Federico. Rediscovering other geographical traditions. Geography Compass, e12421 (2019).

FERRETTI, Federico, VIOTTO PEDROSA, Breno. Inventing critical development: A Brazilian geographer and his Northern networks. Transactions of the Institute of British Geographers, 43 (4) (2018).

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola (2004 [1971]). Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes (2009 [1984]). Tradução de Álvaro Cabral.

GOMES, Paulo César da Costa. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil (1996).

GUIMARÃES, Manoel Salgado. Nação e civilização nos trópicos. O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o projeto de uma história nacional. Estudos Históricos (FGV), n.1 (1988).

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola (1992 [1989]). Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves.

HARVEY, David. Social justice and the city. Londres: Edward Arnold (1973)

KEIGHREN, Innes M, ABRAHAMSSON, Christian, DELLA DORA, Veronica. On canonical geographies. Dialogues in Human Geography, vol 2, 3 (2012).

LATOUR, Bruno. Ciência em ação. Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. 2ª ed. São Paulo: Editora Unesp (2011 [1987]).

LEFEBVRE, Jean-Paul. Les professeurs Français des missions universitaires au Brésil (1934-1944). Cahiers du Brésil Contemporain, n.12, pp. 1-10 (1990).

LEFEBVRE, Henri. La production de l’espace. 4ème éd. Paris: Anthropos (2000 [1974]).

LEFEBVRE, Henri. Espaço e Política. Belo Horizonte: Editora UFMG (2008 [1972]). Tradução de Margarida Maria de Andrade e Sergio Martins.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora da UFMG. (1996 [1970]). Tradução de Sergio Martins.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro (2001 [1968]). Tradução de Rubens Eduardo Farias.

LIVINGSTONE, David. Science, text and space: thoughts on the geography of reading. Transactions of the Institute of British Geographers, 30 (2005).

LIVINGSTONE, David. Putting science in its place. Chicago: University of Chicago Press (2003).

MACHADO, Lia Osorio. Origens do pensamento geográfico no Brasil: meio tropical, espaços vazios e a idéia de ordem (1870-1930). In: CASTRO, Iná E. de, GOMES, Paulo C. da C., CORRÊA, Roberto L. (orgs.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil (2008 [1995]).

MACHADO, Monica Sampaio. A construção da geografia universitária no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Apicuri (2009).

MAIA, João Marcelo Ehlert. A terra como invenção: o espaço no pensamento social brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (2008).

MELGAÇO, Lucas. Thinking Outside the Bubble of the Global North: Introducing Milton Santos and “The Active Role of Geography”. Antipode, 49 (4) (2017).

MICELI, Sergio (org). História das Ciências Sociais no Brasil – vol. 1. São Paulo: Vértice/IDESP (1989).

MIGNOLO, Walter D. Histórias Locais/Projetos Globais: Colonialidade, Saberes Subalternos e Pensamento Liminar. Belo Horizonte: Editora da UFMG (2003 [2000]). Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira.

MORAES, Antônio Carlos Robert. Território e história no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Hucitec/Annablume (2005 [2004]).

MOREIRA, Ruy (org.). Geografia: teoria e crítica. O saber posto em questão. Petrópolis: Vozes (1978).

MURARI, Luciana. Natureza e cultura no Brasil (1870-1922). São Paulo: Alameda (2009).

NEVES, Lúcia M. Bastos P. A vida política. In: SILVA, Alberto da Costa e. (Org.). Crise Colonial e Independendência, 1808-1830. 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva/Fundación Mapfre (2011).

OLIVEIRA, Tomas P. P. de. Desbravar, mapear e integrar os sertões: discursos geográficos sobre o Nordeste brasileiro (1939-1964). Tese de Doutorado, UFRJ, Programa de Pós-Graduação em Geografia (2017).

OPHIR, Adi, SHAPIN, Steven. The place of knowledge. A methodological survey. Science in context 4, 1 (1991).

PENHA, Eli Alves. A criação do IBGE no contexto da centralização política do Estado Novo. Rio de Janeiro: IBGE, Documentos para Disseminação - Memória Institucional (1993).

QUIJANO, Aníbal. Coloniality of Power, Eurocentrism, and Latin America. Nepantla: Views from South, 1, n. 3 (2000).

RIBEIRO, Mária Bruna Pereira. A mudança da capital em debate nos artigos da Revista Brasileira de Geografia e do Boletim Geográfico (1938-1964). Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade Federal de Uberlândia (2015a).

RIBEIRO, Guilherme. De volta para o futuro. Um método para a geografia humana segundo Paul Vidal de la Blache. Terra Brasilis (Nova Série), 12 (2019).

RIBEIRO, Guilherme. Geografia, fronteira do mundo. Ensaio sobre política, epistemologia e história da geografia. Geographia (UFF), n.34 (2015).

RIBEIRO, Guilherme. Narrativas em conflito: considerações sobre o campo história do pensamento geográfico. Geografia (Rio Claro), v.37, n.2 (2012).

ROBIC, Marie-Claire. A criação dos Annales de Géographie: estratégia universitária e geografia humana. Continentes. Revista de Geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 3 (2013 [1993]). Tradução de Guilherme Ribeiro e Lara D’Assunção dos Santos.

ROCHA, Genylton O. R. O Papel do Imperial Colégio de Pedro II no Processo de Institucionalzação da geografia escolar no Brasil. In: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros, João Pessoa-PB (2002).

SAID, Edward W. Orientalismo. O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Cia. das Letras (2007 [1978]). Tradução de Rosaura Eichenberg.

SANTOS, Milton (org.). Novos rumos da geografia brasileira. São Paulo: Hucitec (1982).

SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (orgs). Epistemologias do Sul. 6ª ed. São Paulo: Cortez (2010 [2008]).

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 6ª ed. São Paulo: Cortez (2007 [2000]).

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova. São Paulo: Hucitec (1978).

SECORD, James. Knowledge in transit. Isis, 95 (2004).

SENRA, Nelson de Castro. Tradição & renovação: uma síntese da história do IBGE. Rio de Janeiro: IBGE, Centro de Documentação e Disseminação de Informações (2017 [2016]).

SMITH, Neil. Desenvolvimento Desigual: natureza, capital e a produção de espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil (1988 [1984]). Trad. Eduardo de Almeida Navarro.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças. Cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras (1993).

SOJA, Edward. Geografias Pós-Modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor (1993 [1989]). Tradução: Vera Ribeiro. Revisão técnica: Bertha Becker.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guilherme Ribeiro, André Santos da Rocha, Leandro Dias de Oliveira, Marcio Rufino Silva, Tatiana Tramontani Ramos, Glauco Bruce Rodrigues et Leonardo Arantes, « Centro de cálculo, redes de circulação e história da geografia: o caso da Revista Brasileira de Geografia do IBGE (1939-1996) », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 28 mai 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/28356 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.28356

Haut de page

Auteurs

Guilherme Ribeiro

Laboratório Política, Epistemologia e História da Geografia, PPGGEO/UFRRJ. Email : geofilos@msn.com

Articles du même auteur

André Santos da Rocha

Laboratório de Geografia Econômica e Política, PPGGEO/UFRRJ. Email: asrgeo@gmail.com

Articles du même auteur

Leandro Dias de Oliveira

Laboratório de Geografia Econômica e Política, PPGGEO/UFRRJ. Email : ldiasufrrj@gmail.com

Articles du même auteur

Marcio Rufino Silva

Grupo de Pesquisa Para uma crítica à economia política do espaço, PPGGEO/UFRRJ. Email : marciorufis@gmail.com

Tatiana Tramontani Ramos

Núcleo de Estudos sobre Território e Conflitos Sociais, PPG/UFF-Campos dos Goytacazes. Email: tatiana_tramontani@id.uff.br

Glauco Bruce Rodrigues

Núcleo de Estudos sobre Território e Conflitos Sociais, PPG/UFF-Campos dos Goytacazes. Email: glauco_bruce@id.uff.br

Leonardo Arantes

grupo de pesquisa de História da Geografia, UERJ-FFP. Email: arantesleonardo@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals