Navigation – Plan du site
Dossiê A pandemia de Covid-19 no Brasil

Como o coronavírus viaja pelo Brasil, três casos exemplares

Comment le coronavirus parcourt le Brésil, trois cas exemplaires
How the coronavirus travels through Brazil, three exemplary cases
Confins

Entrées d’index

Index géographique :

Paraná, Amazonas, Fortaleza

Índice de palavras-chaves :

Covid-19, transportes, contágio, Paraná, Amazonas, Fortaleza
Haut de page

Texte intégral

1A pandemia de Covid-19 é, antes de qualquer outra consideração, um drama de imensas proporções pela morte de centenas de milhares de pessoas, pelos danos na saúde física e mental de milhões de outras, pelas perdas causadas na economia de muitos países e famílias pelo mundo. Mas ela é também a ocasião de observar as reações das sociedades – ela revela ao mesmo tempo o que elas têm de melhor e de pior – e a maneira como ela se difundiu do seu foco inicial de Wuhan, na China, para os cantos mais remotos do planeta.

2É neste contexto que publicamos três textos de colegas do Sul, do Norte e do Nordeste, que dão respostas diferentes à mesma pergunta, como o vírus consegue se difundir tão rapidamente em um país tão grande como o Brasil? Sabemos que ele não tem autonomia: não sendo um ser vivo, ele depende inteiramente do organismo que ele parasita, multiplicando-se às suas custas, às vezes a ponto de matá-lo.

3A resposta é simples: ele passa de uma pessoa para outra pelas gotículas emitidas por espirros, tosse ou fala e viaja seguindo seus “hospedeiros” involuntários e se desloca com eles. Portanto, é a maneira como os seres humanos se movem que é a chave para a disseminação do vírus e, no caso do Brasil, os modos de movimento são diferentes.

4Os três textos que seguem mostram situações contrastadas em pontos extremos do Brasil. No Sul, o grupo do Observatório do Litoral do Paraná mostra que a difusão do vírus segue as rodovias e destaca dois eixos cruciais, as BR101 e BR386, ao longo dos quais aparecem muitos grupos de pacientes do Covid19.

5No Amazonas colegas do Atlas ODS Amazonas apresentam elementos para explicar a situação difícil do estado: em um pouco mais de mês, de 19 de abril a 31 de maio, ele passou de 2.044 para 41.378 casos confirmados de Covid-19 e de 182 para 2.052 mortes relatadas como causadas pela doença. Sua participação no total nacional aumentou de 5,3% para 8% dos casos, enquanto a sua população representa apenas 2% da população do país (população oficial 2019 estimada pelo IBGE).

6Como explicar essa rápida e tão grave progressão em uma região tão escassamente povoada quanto a Amazônia Ocidental? Neste texto e em outros publicados no Boletim do Atlas eles explicam que são os barcos que percorrem o rio Amazonas e seus afluentes que permitem a propagação do vírus: embora a população seja pouco numerosa, ela é muito concentrada ao longo dos rios e viaja em barcos onde a promiscuidade favorece muito o contágio.

7Em Fortaleza, uma das cidades mais atingidas pela epidemia, os colegas da UFC mostram como a doença, “derivada dos lugares turísticos” se multiplicou na cidade, levando “à transformação dos espaços de moradia em territórios de adoecimento e de morte”. O recurso à imagem animada – uma inovação na revista – é extremamente útil para poder acompanhar a difusão do vírus, dia por dia.

8As figuras que seguem foram elaboradas para pôr os três casos e mostrar que revelam, em contextos diferentes, como a pandemia se concentra nas grandes cidades, mas também aproveita as principais modalidades de transporte para se difundir seguindo eixos preferenciais. O mapa superpõe as infraestruturas de dois desses modos – rodovias e hidrovias – com o número confirmado de casos Covid-19 (em números absolutos e por 1.000 habitantes), na data do 26 de maio de 2020. As fronteiras dos Estados foram omitidas, principalmente porque o vírus os ignora e sobrecarregariam desnecessariamente o mapa. Nele se percebe claramente que os casos mais numerosos se situam nas grandes cidades onde a concentração da população favorece o contágio, especialmente Fortaleza, que tem infelizmente um número de casos proporcionalmente mais alto que outras metrópoles de população mais numerosa.

9Fora das grandes cidades, os clusters mais significativos estão ligados aos modos de transporte, no Sul, Sudeste Nordeste e Centro-Oeste as rodovias, no Norte as hidrovias. Em ambos casos estudados, os clusters são localizados ao longo dos eixos preferenciais de um dos modais de transporte e ausentes do outro, as rodovias amazônicas não agregam casos de Covid-19, nem as hidrovias do Sudeste.

10Neste panorama nacional, os três casos apresentados são realmente exemplares, as três equipes identificaram casos realmente excepcionais: Fortaleza chama atenção pelo tamanho do símbolo proporcional ao número de casos e na legenda, os focos detectados pelos colegas do Paraná são bem visíveis e não têm equivalentes em outras regiões, e o Amazonas se destaca pelo número de doentes por 1.000 habitantes sem equivalente no país (exceto o Amapá). E um deles tomou uma iniciativa linguística interessante. Dado o modo oportunista de disseminação do vírus, que aproveita todos os meios de transporte (lembramos que ele chegou de avião da Ásia e da Europa até os aeroportos brasileiros, entre outros o de Manaus) Ricardo Monteiro sugeriu alterar o nome do coronavírus e rebatizá-lo "caronavírus".

Figura 1 Hidrovias, rodovias e casos de Covid-19 no Brasil

Figura 1 Hidrovias, rodovias e casos de Covid-19 no Brasil

11As figuras 2 e 3 confirmam a relevância dos três casos, a urgência de controlar esses focos de contágio e apontam para outras regiões

12as três equipes conseguiram identificar casos realmente excepcionais

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Hidrovias, rodovias e casos de Covid-19 no Brasil
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28436/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 526k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28436/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 383k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/28436/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 384k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Como o coronavírus viaja pelo Brasil, três casos exemplares », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 02 juin 2020, consulté le 15 août 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/28436 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.28436

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals