Navigation – Plan du site

Formas de relevo da bacia hidrográfica do Rio Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brasil: Obtidas por classificação topográfica automatizada

Landforms of the hydrographic basin of the Ibicuí river, Rio Grande do Sul, Brazil: Obtained by automated topographic classification
Formes de relief dans le bassin de la rivière Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brésil : Obtenues par classification topographique automatisée.
Romario Trentin et Luís Eduardo de Souza Robaina

Résumés

Les classifications automatisées renforcent l'utilisation des outils GIS pour les études géomorphologiques, car elles rationalisent le traitement de l'information et permettent une quantification rapide des résultats et avec moins de subjectivité. Le présent travail avait pour objectif d'établir la définition des unités de formes de reliefs, à l'aide des éléments de geomorphons générés par la classification topographique automatisée, pour le bassin de la rivière Ibicuí, à l'ouest de l'état de Rio Grande do Sul. Pour l’élaboration des travaux, des données radar SRTM ont été utilisées, avec une résolution spatiale de 90 mètres. La génération des éléments de geomorphos a été réalisée en environnement virtuel sur le site << http://sil.uc.edu/geom/app >>. L’interprétation visuelle dans l’environnement GIS et la reconnaissance du terrain ont permis de déterminer 12 unités de relief, dénommées: Unité Ibicuí-Uruguay formée de large zones avec un élément plat; Unité de Plaine Inondable caractérisée par l'élément plat associé aux affluents de la rivière Ibicuí; Unité Collines d'altitude avec larges pentes et altitudes supérieures à 200 m; Unité de Bord Volcanique formant des reliefs disséqués avec des vallées et des crêtes; Unité de Bord Sédimentaire défini par les épaules et les élévations secondaires associées au relief des éléments plats; Unité Cacequi formée par un relief ondulant marqué par de larges pentes et des zones de formes excavées et de vallées courtes; Unité Santa Maria de reliefs ondulés lisses et d’élévations isolées; Unité cours supérieur d'Ibirapuitã, constituant les zones situées en amont du fleuves Ibirapuitã et Ibirapuitã Chico; Unité de la Serra do Caverá composée d'un relief de collines et de morrotes; Unité Taquarembó caractérisée par des pentes au sommet étroit et allongé avec un substrat composé de roches granitiques; Unité Santa Maria Chico formant des pentes à larges bases avec rebondissements d'affleurements métamorphiques et rocheux; Unité Alegrete avec des formes plates associées à des bosses entre le milieu et le haut de la pente qui marque les affleurements de blocs et de dalles.. Les unités déterminées marquent des différences d'aspects physiographiques observés sur le terrain et présentant une représentation géomorphologique.

Haut de page

Texte intégral

1O relevo, em suas mais diversas formas, reflete a atuação dos processos endógenos associados a rebaixamentos e soerguimentos de origem tectomagmática e isostáticos e da atuação dos processos exógenos controlados por agentes geológicos como rios, geleiras e o vento, influenciados pelas mudanças climáticas do Quaternário com variações do nível dos oceanos. Estes elementos desenvolvem a esculturação e modelagem do relevo, que constantemente é modificado, caracterizando um sistema aberto onde há entrada e saída de energia.

2De acordo com Soares & Fiori (1978), os elementos fundamentais na análise do relevo denotam-se nas rupturas de declive e na estrutura do relevo que examinadas de forma combinada, permitem definir e caracterizar diferentes zonas homólogas.

3Baseado na curvatura das vertentes Troeh (1965) classificou quatro principais tipos: as coletoras de água, com plano de curvatura convergente e as distribuidoras de água, com plano de curvatura divergente. Sob o aspecto do perfil de curvatura, as vertentes convexas são as que facilitam o desenvolvimento do rastejamento e as côncavas as que favorecem a lavagem pela água das chuvas. Huggett (1975) estabeleceu a combinação de formas de vertentes relacionando a curvatura vista em perfil e em plano, propondo nove padrões de vertentes. Nessas os fluxos da água e sua distribuição promovem diferenças na atuação dos processos superficiais.

4Os métodos de classificação atuais possibilitam a subdivisão das Formas em Elementos do relevo, que são um conjunto de parcelas de um tipo de relevo relativamente homogênea em relação a diferentes atributos obtidos do modelo digital do terreno (MDT) como a forma (curvaturas de perfil e de plano), inclinação (declividade), orientação ou exposição (aspecto ou radiação solar) e posicionamento na paisagem (MACMILLAN E SHARY, 2009).

5Diversos autores (ARGENTO, 1994; BOTELHO, 1999; XAVIER DA SILVA, 2005) apontam para a crescente utilização de Sistemas de Informação Geográfica (SIGs) nos estudos de relevo e nas questões ambientais.

6Os atributos derivados de MDT são compreendidos, aqui, como atributos topográficos (MOORE et al, 1991; WILSON & GALLANT, 2000; SILVEIRA et al., 2012; SILVEIRA et al., 2013), porém, na literatura, aparecem sob outras designações, como variáveis morfométricas (SHARY el al., 2002), variáveis geomorfométricas (BISPO et al., 2009), atributos do terreno (PENNOCK, 2003; CÁTEN, 2009), atributos geomorfométricos (SCHMIDT & DIKAU, 1989), atributo do relevo (IPPOLITI et al., 2005; SIRTOLI et al., 2008).

7Iwahashi & Pike (2007) apresentam um método de classificação topográfica automatizada sem supervisão com base em três variáveis morfométricas: declividades, convexidade das encostas e textura superficial. Vasconcelos et al. (2012) utilizam para a classificação uma árvore de decisão dos dados de altitude e de declividade, com a subdivisão de classes pelo classificador espectral Spectral Angle Mapper (SAM). Tinós et al. (2014) classifica padrões de formas semelhantes do relevo no planalto de Poços de Caldas/MG e Silveira e Silveira (2015), na região central da Serra do Mar Paranaense.

8Jasiewicz & Stepinski (2013) modificam ferramentas utilizadas na classificação textural e aplicam para análise de formas de relevo. Utilizam o conceito de “Local Ternary Patterns” (LTP) (LIAO, 2010) para identificar elementos do relevo, denominados de geomorphons por analogia ao textons (JULESZ, 1981). Textons referem-se a micro-estruturas fundamentais em uma imagem e, assim, constituem os elementos básicos de percepção visual (JULESZ, 1984), enquanto, geomorphons são micro-estruturas fundamentais do relevo. Dessa forma, mapas de formas de relevo podem ser trabalhados como algoritmos e através dos algoritmos médios pode-se, através de técnicas computacionais, auto classificar e mapear elementos das formas de relevo. As unidades de relevo podem ser expressas por um número de diferentes geomorphons, que são definidos com os 10 mais comuns elementos: flat, peak, ridge, shoulder, spur, slope, hollow, footslope, valley e pit.

9Utilizando a mesma proposta metodológica Robaina et al. (2016) definiu uma compartimentos geomorfológicos no Rio Grande do Sul e Robaina et al. (2017) em para o estado do Tocantins. Silveira et al. (2018) avaliaram a distribuição dos geomorphons nas subunidades morfoesculturais cartografadas no Mapeamento Geomorfológico do Estado do Paraná.

10Neste trabalho, têm-se como objetivo estabelecer uma análise das principais unidades de relevo da Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí (BHRI), localizado na região oeste do Rio Grande de Sul (RS), com base no predomínio e na relação dos elementos de relevo definidos como geomorphons.

11A bacia do Rio Ibicuí abrange importantes rios da região oeste do Rio Grande do Sul, drenando parcial ou totalmente a área de 30 municípios, sendo o Rio Ibicuí o maior afluente da Bacia do Rio Uruguai, dentro do território brasileiro. A BHRI está localizada (Figura 1) entre as coordenadas de latitude sul 29º01’ e 31º20’ e entre as longitudes oeste 56º47’ e 53º29’, englobando a área total ou parcial de 30 municípios.

Figura 1 – Mapa do de localização da BHRI, Rio Grande do Sul.

Figura 1 – Mapa do de localização da BHRI, Rio Grande do Sul.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

12A área da bacia é de 46.602,58 km², o perímetro de 1.268,76 km e o canal principal apresenta uma extensão de 1.302 km, desde a nascente do Rio Santa Maria até a foz quando o Rio Ibicuí deságua no rio Uruguai. Robaina et al. (2010) estabeleceram uma divisão geomorfológica da Bacia do Ibicuí, composta pela Depressão Periférica, Planalto da Serra Geral e a porção SW do Escudo sul-riograndense.

13Além desses, a área vem sendo alvo de pesquisas e trabalhos científicos de mapeamento temático da paisagem, como de Verdum (1997, 2005), De Nardin e Robaina et al. (2010), Trentin et al. (2012; 2013), Trentin & Robaina (2012), Sccoti et al. (2013) e Menezes et al. (2011; 2013).

Metodologia

14As bases cartográficas utilizadas para definir os limites da área de interesse da pesquisa e os processamentos dos atributos morfométricos, foi o Modelo Digital de Elevação originado da missão Shuttle Radar Topography Mission (SRTM), com resolução espacial de 3 arc-second (90 metros).

15A metodologia aplicada na definição dos geomorphons deste trabalho é baseada na proposta de Jasiewicz & Stepinski (2013), que analisa a similaridade textural do MDE, que apresenta variação para mais ou para menos dos níveis de cinza entre células vizinhas, considerando um nível específico (célula central). Se maior “1”, se menor “-1” se igual “0”. Isso é transferido para valores de elevação do terreno de maior, menor ou igual (Figura 2). Conforme os autores para caracterizar a superfície do relevo não basta a diferença de altura, mas a distância e o ângulo de direção dos pontos vizinhos em relação a célula central (ângulos Zenith e Nadir). Para esse cálculo, perfis são traçados para as principais direções a partir da célula central “lookup distance” L extraídos do Modelo Digital de Elevação.

16Um ângulo de elevação é um ângulo entre o plano horizontal e a linha que liga a célula central com o ponto no perfil. Em uma elevação com ângulo negativo o ponto no perfil é mais baixo que o central. Para cada perfil é calculado o ângulo de elevação DSL, com D e L demonstrando a dependência da direção (D) e da distância (L).

17O ângulo Zenith do perfil é definido por DϕL=900 − DβL, onde DβL é o ângulo máximo de elevação DSL. O ângulo nadir do perfil é definido como DψL= 90o−DδL, onde DδL é o ângulo mínimo de elevação DSL. Assim, o ângulo Zenith é um ângulo entre o Zenith e a “line-of-sight”, e o ângulo nadir é um ângulo entre o nadir e uma hipotética “line-of-sight” que resulta da reflexão do perfil da elevação em relação ao plano horizontal. Ambos são positivos e definidos entre 0º a 180º.

18Para a realização do processamento do MDE e geração dos geomorphons, utilizou-se a aplicação online, disponibilizada no endereço eletrônico << http://sil.uc.edu/​geom/​app>>. Além do conjunto de dados raster foi inserido dois valores escalares, livres, como parâmetros. Os dois parâmetros livres são lookup L (distância em metros ou unidades de células) e threshold t (nivelamento em graus). Para os parâmetros livres aplicou-se valor de L igual a 20 pixeis (1.800 metros) e graus t igual a 2º.

Figura 2. Principais Geomorphons reconhecidos na análise do Relevo.

Figura 2. Principais Geomorphons reconhecidos na análise do Relevo.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. Modificado de Jasiewicz & Stepinski (2013).

19Os tipos de elementos do relevo e sua combinação permitiu estabelecer um agrupamento manual dos principais elementos, conforme sua distribuição espacial. Estes agrupamentos foram validados através de trabalhos de campo, realizados seguindo caminhos e vias, presentes na bacia, com auxílio de equipamento de posicionamento, que permitiram a identificação de atributos e peculiaridades do substrato e das formas de relevo. Foram fotografadas as diferentes unidades caracterizando os principais elementos presentes.

Distribuição das unidades de relevo a partir dos Elementos de Geomorphons

20A distribuição percentual dos elementos de geomorphons da referida bacia hidrográfica está apresentada na figura 3 e o mapa da figura 4 mostra a distribuição espacial dos geomorphons, representando os 10 elementos, conforme resultado do processamento digital do MDE.

Figura 3 – Distribuição do percentual dos elementos de Geomorphons na Bacia do Rio Ibicuí.

Figura 3 – Distribuição do percentual dos elementos de Geomorphons na Bacia do Rio Ibicuí.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

21A predominância dos elementos de áreas planas (flat), caracteriza um relevo pouco movimentado na bacia hidrográfica, em especial, na sua porção sul, compondo a bacia do rio Santa Maria, e na porção Oeste, no baixo curso do rio Ibicuí.

22As áreas onde os elementos de cristas (ridges) e vales (valleys) são muito significativos e marcam condições de relevo movimentado estão representadas por uma associação de morros e morrotes que formam um lineamento de direção nordeste, que divide as bacias do rio Santa Maria e do rio Ibirapuitã, na região conhecida como Serra do Caverá, e na passagem das colinas da Depressão Periférica para o Planalto da Serra Geral, formando um conjunto de elevações de direção leste-oeste que constituem o rebordo do Planalto.

Figura 4 – Distribuição espacial dos elementos de geomorphons na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí, oeste do estado do Rio Grande do Sul

Figura 4 – Distribuição espacial dos elementos de geomorphons na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí, oeste do estado do Rio Grande do Sul

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

23Para exemplificar como os elementos se distribuem no relevo apresenta-se na figura 5 os elementos geomorphons presentes na área do rebordo do Planalto (5a) onde elementos de vale (valley), ressalto (shouder), crista (ridge) e pico (peak) marcam a forte dissecação, formando os morros e morrotes, e que passam para um relevo suave definido pelos elementos de plano (flat) e base de encosta (footslope) observados no extremo superior e inferior da imagem. Na figura 5(b) observa-se a área de planície de inundação do rio Santa Maria com predominância do elemento plano (flat) e a ocorrência das colinas suaves identificadas por elementos de encostas (slope) amplas e base de encosta (footslope).

24Com base na predominância e na relação entre os elementos de relevo dividiu-se a bacia em doze unidades de relevo, como pode ser visto no mapa da figura 6. A tabela 1 apresenta a área e percentual de cada unidade de relevo definida para a BHRI. A figura 7 apresenta a distribuição percentual dos elementos de geomorphons em cada unidade de relevo definida.

Figura 5. Distribuição dos elementos no relevo presentes na área do rebordo do Planalto (5a) marcando forte dissecação e na área de planície de inundação do rio Santa Maria (5b).

Figura 5. Distribuição dos elementos no relevo presentes na área do rebordo do Planalto (5a) marcando forte dissecação e na área de planície de inundação do rio Santa Maria (5b).

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

Figura 06 – Unidades de relevo definidos para a BHRI.

Figura 06 – Unidades de relevo definidos para a BHRI.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

Tabela 1 – Distribuição da porcentagem dos elementos do relevo

Unidade

Área em km²

Porcentagem

Unidade01

7.311,65

15,51

Unidade02

2.952,63

6,26

Unidade03

3.571,67

7,58

Unidade04

3.399,80

7,21

Unidade05

2.872,53

6,09

Unidade06

3.120,56

6,62

Unidade07

10.003,31

21,22

Unidade08

2.501,94

5,31

Unidade09

1.718,04

3,64

Unidade10

575,61

1,22

Unidade11

1.576,76

3,34

Unidade12

7.537,38

15,99

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

Figura 07 – Porcentagem dos Elementos de Geomorphons em cada Unidade de relevo da BHRI

Figura 07 – Porcentagem dos Elementos de Geomorphons em cada Unidade de relevo da BHRI

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.

Unidade Ibicuí-Uruguai (U01)

25Esta unidade é composta, predominantemente, por geomorphons definidos como áreas planas (flat) e vale (valley), observado na figura 08. Ocorre no oeste da bacia do Rio Ibicuí, no baixo curso, junto a foz no rio Uruguai, ocupando uma área de 7.311,65 km², o que representa 15,51% da área total da BHRI.

26Corresponde a uma ampla área da região geomorfológica do Planalto da Campanha, composto por rochas vulcânicas que variam de basaltos a andesitos-basaltos (WILDNER et al, 2006) e solos rasos, comumente hidromórficos. O uso é de pecuária e atividade agrícola com arroz, mais próximo ao rio Uruguai.

Figura 08 – Fotografia aérea obliqua da unidade 01, próxima à foz do Rio Ibicui onde percebe-se às amplas áreas com elemento plano (flat) da planície do rio Ibicuí, com lavouras de arroz e o elemento vale (valley) associado ao canal fluvial.

Figura 08 – Fotografia aérea obliqua da unidade 01, próxima à foz do Rio Ibicui onde percebe-se às amplas áreas com elemento plano (flat) da planície do rio Ibicuí, com lavouras de arroz e o elemento vale (valley) associado ao canal fluvial.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 26/09/2018

Unidade Planície de Inundação (U02)

27Esta unidade está representada por geomorphons de áreas planas (flat) que formam uma faixa de terras ao longo do rio Santa Maria (Figura 09) até sua confluência com o rio Ibicuí, seguindo para montante em direção ao baixo curso do rio Ibicuí-mirim e rio Toropi. No baixo curso do rio Toropi forma uma ampla planície representada pelo elemento plano (flat), com rebaixamentos por erosão marcadas por elemento escavado (hollow) que pode ser visto na figura 09.

28Estas áreas são constituídas por sedimentos recentes de transbordamento, solos hidromórficos e uso para atividade de rizicultura. Ocupa uma área de 2.952,63 km², que representa 6,26% da área total da BHRI.

Figura 09 – Fotografia da planície de inundação do Rio Santa Maria, com uso agrícola, com elemento plano (flat) e um rebaixamento marcado pelo elemento escavado (hollow).

Figura 09 – Fotografia da planície de inundação do Rio Santa Maria, com uso agrícola, com elemento plano (flat) e um rebaixamento marcado pelo elemento escavado (hollow).

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 26/02/2018

Unidade de Colinas de Altitude (U03)

29Esta unidade forma o alto curso dos rios que compõem os afluentes da margem direita do rio Ibicuí, representando as maiores altitudes da bacia e constituindo uma parte da região geomorfológica do Planalto das Missões (ROBAINA, et al., 2010).

30Este compartimento está representado por elemento plano (flat) associadas a elementos de encosta (slope) com amplas bases (footslope) e ocorrência de rebaixamento (hollow) na meia encosta superior. Esses rebaixamentos podem estar associados as observações de Guareschi & Nummer (2014) que indicam a presença de um número considerável de cabeceiras de drenagens com diferentes propriedades morfológicas, algumas concavidades rasas, quase fechadas com formato arredondado, ou alongado, com diversas ramificações, outras mais amplas e entalhadas com forma circular em anfiteatro, ou depressões fechadas formando pequenas lagoas. Na maioria dos casos encontram-se conectadas diretamente a um canal hidrográfico constituindo-se nas nascentes dos rios de primeira ordem (Figura 10). Ocupa uma área de 3.571,67 km², o que representa 7,58% da área total da BHRI.

Figura 10 – Área das colina de altitude com presença de nascente na forma de açude formando elemento escavado (hollow) na base da encosta (footslope).

Figura 10 – Área das colina de altitude com presença de nascente na forma de açude formando elemento escavado (hollow) na base da encosta (footslope).

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 18/07/2018

Unidade do Rebordo vulcânico (U04)

31Os elementos formadores desta unidade são, predominantemente, encostas(slope) com bases amplas (footslope), vales (valley) encaixados e cristas secundárias (spur) (Figura 11). Esta unidade ocupa uma área de 3.399,80 km², o que representa 7,21% da área total da BHRI.

32Forma uma faixa Oeste-Leste, na margem direita do rio Ibicuí, dividindo regiões representadas pelo Planalto das Missões e Depressão Periférica, compondo a maior parte do Modelado Rebordo do Planalto (ROBAINA et al. 2010).

Figura 11 – Área do rebordo do planalto com elementos de encosta (slope) íngremes e cristas secundárias (spur) marcando o relevo.

Figura 11 – Área do rebordo do planalto com elementos de encosta (slope) íngremes e cristas secundárias (spur) marcando o relevo.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 21/04/2018

Unidade do Rebordo Sedimentar (U05)

33Esta unidade se caracteriza por elementos de relevo (geomorphons) representados por encostas (slope), ressaltos (shouder) e elevações secundárias (spur), associados a afloramentos de rocha que formam cornijas na meia-encosta (Figura 12). Associação de elementos de formas planas, rebaixamentos e cavidades são mais comuns que a unidade anterior. Esta unidade ocupa uma área de 2.872,53 km², o que representa 6,09% da área total da BHRI.

34Forma áreas do que foi definido como Modelado de Rebordo do Planalto e dos Patamares Residuais em arenitos (ROBAINA et al, 2010).

Figura 12 – Morrotes de arenito associados ao rebordo sedimentar na BHRI, onde o elemento ressalto (shouder) caracteriza degraus formados por blocos e lajes de rocha e elemento escavado (hollow) caracteriza erosões lineares.

Figura 12 – Morrotes de arenito associados ao rebordo sedimentar na BHRI, onde o elemento ressalto (shouder) caracteriza degraus formados por blocos e lajes de rocha e elemento escavado (hollow) caracteriza erosões lineares.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 13/09/2018

Unidade Cacequi (U06)

35Representam áreas dissecadas formando encostas (slope) com bases amplas, topo (ridge) constituído por elevações alongadas com extensões secundárias (spur). A área ocupada por esta unidade é de 3.120,56 km², o que representa 6,62% da área total da BHRI. Os elementos de rebaixamentos (hollow) e cavidades são importantes e estão associados ao elevado número de ravinas e voçorocas encontradas na região (Figura 13).

36O substrato é de rochas sedimentares areníticas e geomorfologicamente ocorrem na Depressão Periférica, no modelado de Colinas em rochas friáveis (ROBAINA et al, 2010).

Figura 13 – Colinas amplas da unidade 06 com elementos de vale (valley) largos e rebaixamentos (hollow) na meia encosta.

Figura 13 – Colinas amplas da unidade 06 com elementos de vale (valley) largos e rebaixamentos (hollow) na meia encosta.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 15/03/2018

Unidade Santa Maria (U07)

37Este compartimento está representado por elementos plano (flat) associado a elevações isoladas caracterizadas por encostas inclinadas (slope) e com bases amplas (footslope), mostrados na figura 14.

38Ocupa uma área de 10.003,31 km², o que representa 21,22% da área total da BHRI, constituindo os principais elementos de relevo da região geomorfológica da Depressão Periférica (ROBAINA et al., 2010), sobre substrato de rochas sedimentares da Bacia do Paraná.

Figura 14 – Morrote isolado em áreas de colinas da Unidade Santa Maria identificado os principais elementos do relevo.

Figura 14 – Morrote isolado em áreas de colinas da Unidade Santa Maria identificado os principais elementos do relevo.

Org.: Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 30/05/2018

Unidade Alto Curso do Ibirapuitã (U08)

39Os elementos de geomorphons predominantes nesta unidade são os elementos de encostas (slope) com bases amplas e vales (valley) abertos. Ocorrem ressaltos e elevações secundárias nos topos das encostas e na meia encosta são importantes as formas de rebaixamentos e cavidades (hollow) (Figura 15).

40Esta unidade ocupa uma área de 2.501,94 km², o que representa 5,31% da área total da BHRI, ocupando áreas nas cabeceiras do alto curso dos rios Ibirapuitã e Ibirapuitã Chico, na região do Planalto da Campanha com rochas vulcânicas do tipo Andesitos-basaltos (WILDNER et al, 2006).

Figura 15 – Nascentes do Rio Ibirapuitã mostrando elementos de encosta (slope) e vale (valley) amplos.

Figura 15 – Nascentes do Rio Ibirapuitã mostrando elementos de encosta (slope) e vale (valley) amplos.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 28/02/2018

Unidade Serra do Caverá (U09)

41Esta unidade ocorre como um alinhamento de morros e morrotes de direção NE que divide as bacias dos rios Santa Maria e Ibirapuitã. Os elementos de geomorphons estão representados por encostas (slope) com bases amplas, topos (ridge) alongados com extensões secundárias (spur) e ressaltos (shouder).

42Constitui a passagem do Planalto da Campanha para a Depressão Periférica. Esta unidade ocupa uma área de 1.718,04 km², o que representa 3,64% da área total da BHRI. A figura 16 mostra uma visão geral das áreas elevadas da Serra do Caverá, com os principais elementos de relevo.

Figura 16 – Área denominada Serra do Caverá formada por um relevo de morros e morrotes com elementos de encosta (slope) e crista (ridge) bem definidos associados a elemento plano (flat).

Figura 16 – Área denominada Serra do Caverá formada por um relevo de morros e morrotes com elementos de encosta (slope) e crista (ridge) bem definidos associados a elemento plano (flat).

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 28/03/2018

Unidade Taquarembó (U10)

43A unidade Taquarembó está caracterizado por encostas (slope) e cristas (ridge) alongadas que se associam a ressaltos (shoulder) e cristas laterais (spur) e escavados (hollow), elementos observados na figura 17.

44Esta unidade ocupa uma área de 575,61 km², o que representa 1,22% da área total da BHRI.

45A drenagem está encaixada em fraturas e se desenvolve, predominantemente, em vales abertos. Está representada na porção SW do Escudo sul-rio-grandense com substrato composto por rochas graníticas de textura fina a média.

Figura 17 – Colinas onduladas na Unidade Taquarembó com elementos do relevo (geomorphons) indicados

Figura 17 – Colinas onduladas na Unidade Taquarembó com elementos do relevo (geomorphons) indicados

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 31/05/2018

Unidade Santa Maria Chico (U11)

46Os elementos de geomorphons predominantes nesta unidade são as encostas (slope) com bases amplas, observados na figura 18. Os ressaltos (shoulder) e elevações secundárias (spur), estão associados a ocorrência de afloramentos de rocha. Esta unidade ocupa uma área de 1.576,76 km², o que representa 3,34% da área total da BHRI.

47Constituem o Cinturão Vila Nova, do Escudo sul rio-grandense composto por metamórficas associados a intrusões graníticas e rochas hipabissais (WILDNER, et al, 2006).

Figura 18 – Colinas da Unidade Santa Maria Chico com encosta ampla (slope).

Figura 18 – Colinas da Unidade Santa Maria Chico com encosta ampla (slope).

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 30/05/2018

Unidade Alegrete (U12)

48Este compartimento está representado por formas planas (flat) associadas a elementos de base de encosta (footslope) amplas e a presença de ressaltos (shouder) entre o meio e o topo da encosta que marcam afloramentos de blocos e lajeados de rocha, figura 19. Esta unidade ocupa uma área de 7.537,38 km², o que representa 15,99% da área total da BHRI.

49Compartimento que ocorre na região S-SW no médio curso da bacia do rio Ibirapuitã associado ao Planalto da Campanha (IBGE, 1986), formado por rochas vulcânicas intermediárias.

Figura 19 – Áreas planas (flat) associada a colinas amplas marcadas por forma de encosta (slope) amplas e base de encosta (footslope) na Unidade Alegrete.

Figura 19 – Áreas planas (flat) associada a colinas amplas marcadas por forma de encosta (slope) amplas e base de encosta (footslope) na Unidade Alegrete.

Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 28/03/2018

Considerações Finais

50O desenvolvimento de geotecnologias associadas a análise ambiental proporciona a incorporação de procedimentos e técnicas que auxiliem na análise do relevo, através de modelagens e interpretações de modelos digitais de elevação.

51Dessa forma, o trabalho estabeleceu um zoneamento em 12 unidades de relevo caracterizadas por elementos de geomorphons. Estes elementos foram obtidos através da realização do processamento do MDE com aplicação online, disponibilizada no endereço eletrônico << http://sil.uc.edu/​geom/​app>>.

52A compartimentação de unidades de relevo obtidas com a metodologia proposta se mostrou uma técnica bastante eficiente na delimitação de diferentes unidades da Bacia Hidrográfica do rio Ibicuí, pois, apresentou uma significativa correspondência com as unidades reconhecidas geomorfologicamente nos trabalhos de campo.

Haut de page

Bibliographie

ARGENTO, M. S. F. Mapeamento Geomorfológico. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B (Org.). Geomor­fologia uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

BISPO, P. C.; VALERIANO, M. M.; KUPLICH, T. M. Variáveis geomorfométricas locais e sua relação com a vegetação da região do interflúvio Madeira-Purus (AM-RO). Acta Amazônica, v. 39, n. 01, p-81-90, 2009.

BOTELHO, R. G. M. Planejamento ambiental em Microbacias hidrográficas. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S. d.; BOTELHO, R. G. M. Erosão e conservação dos solos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

DE NARDIN, D,; ROBAINA, L. E. S. Zoneamento Geoambiental no Oeste do Rio Grande do Sul: um Estudo em Bacias Hidrográficas em Processo de Arenização.In: 7º Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e Geoambiental. Maringá: Anais, 2010.

GUARESCHI, V. e NUMMER, A. Depressões fechadas e cabeceiras de drenagem na bacia hidrográfica do arroio lajeado Taquarembó - Planalto Meridional do RS. Revista Geonorte, Edição Especial 4, v.10, n.1, p.107 - 112, 2014.

HUGGETT, R.J. Soil landscape systems: A model of soil genesis. Geoderma, Amsterdan, v. 13, p. 1-22, 1975.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapas municipais. Disponível em: << http://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais/bases-cartograficas/mapas-municipais>>. Ano: 2010. Acesso em fevereiro de 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Projeto RADAMBRASIL. Levantamento de recursos naturais (Folha SH.22 Porto Alegre e parte das Folhas SH.21 Uruguaiana e SI.22 Lagoa Mirim). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro, CD-ROM. 1986.

IPPOLITI, G. A.; COSTA, L.M.; SCHAEFER, C. E.G. R.; FERNANDES FILHO, E. I.; GAGGERO, M. R.; SOUZA, E. Análise digital do terreno: ferramenta na identificação de pedoformas em microbacias na região de “Mar de Morros” (MG). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.29, p.269-276, 2005.

IWAHASHI, J. e PIKE, R. J. Automated classifications of topography from DEMs by an unsupervised nested-means algorithm and a three-part geometric signature. Geomorphology 86. 2007. Pag. 409–440.

JASIEWICZ, J. e STEPINSKI, T. F. Example-Based Retrieval of Alike Land-Cover Scenes From NLCD2006 Database, IEEE Geoscience and Remote Sensing Letters 10(1). 2013, pp. 155-159.

JULESZ, B. A brief outline of the texton theory of human vision. Trends in Neuroscience, 1984, 7, 41–45.

JULESZ, B. Textons, the elements of texture perception, and their interactions. Nature,1981 vol. 290 (5802) pp. 91.

LIAO, W.-H., 2010. Region Description Using Extended Local Ternary Patterns. 2010. 20th International Conference on Pattern Recognition, pp. 1003–1006.

MACMILLAN, R. A. e SHARY, P. A., Chapter 9 Landforms and landform elements in geomorphometry. In: HENGL, T. e REUTER, H. I. (eds), Geomorphometry-Concepts, Software, Applications. Developments in Soil Science, vol. 33, Elsevier, Amsterdam, 2009. Pag. 227-254.

MENEZES, D. J.; ROBAINA, L. E. S.; TRENTIN, R. ; SCCOTII, A. A. V. . Zoneamento geoambiental do município de São Pedro do Sul - RS. Geografias Online (UFMG), v. 7, p. 68-80, 2011.

MENEZES, D. J.; TRENTIN, R.; ROBAINA, L. E. S.; SCCOTI, A. A. V. Compartimentação geomorfológica do município de São Pedro do Sul/RS. Boletim Gaúcho de Geografia, v. 40, p. 268-279, 2013.

MOORE, I.D., GRAYSON, R.B., LADSON, A. R. Digital terrain modeling: A review of Hydrological, geomorphological and biological applications. Hydrological Processes, v. 5, p. 3-30, 1991.

PENNOCK, D. J. Terrain attributes, landform segmentation, and soil redistribution. Soil and Tillage Re­search 69 (1–2), 15–26, 2003.

ROBAINA, L. E. S.; TRENTIN, R.; ALVES, F. S SCCOTI, A. A. V. (Orgs.) Série Atlas Municipais: Atlas Geoambiental de Manoel Viana/RS. Bagé: EDIURCAMP, 2014. 93p. 1DVD.

ROBAINA, L.E.S.; TRENTIN, R.; BAZZAN, T.; RECKZIEGEL, E.W.; VERDUM, R.; DE NARDIN, D. Compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brasil: proposta de classificação. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.11, n.2, p.11-23, 2010

ROBAINA, L.E.S.; TRENTIN, R.; DE NARDIN, D. BAZZAN, T.; Atlas Geoambiental de São Borja. Santa Maria: UFSM/LAGEOLAM, 2007. 59p.

SCHMIDT, J., DIKAU, R. Extracting geomorphometric attributes and objects from digital elevation models — semantics, methods, future needs. In: Dikau, R., Saurer, H. (Eds.), GIS for Earth Surface Systems — Analysis and Modelling of the Natural Environment. Schweizbart’sche Verlagsbuchhandlung, pp. 153–173, 1999.

SCCOTI, A. A. V.; Robaina, L.E. S ; TRENTIN, R. . Compartimentação do relevo no município de Manoel Viana - RS. Ciência e Natura, v. 35, p. 64-70, 2013.

SHARY, P.A., SHARAYA, L.S., MITUSOV, A.V. Fundamental quantitative methods of land surface analysis. Geoderma 107 (1–2), 1–32, 2002.

SHUTTLE RADAR TOPOGRAPHY MISSION (SRTM). U.S. Releases Enhanced Shuttle Land Elevation Data. Disponível em :<< http://www2.jpl.nasa.gov/srtm/ >>. Acesso em fevereiro de 2015.

SILVEIRA, C. T. OKA-FIORI, C.; SANTOS, L. J. C; SIRTOLI, A. E.; SILVA. Pedometria apoiada em atributos topográficos com operações de tabulação cruzada por álgebra de mapas. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.13, n.2, p.125-137, 2012.

SILVEIRA, C. T. OKA-FIORI, C.; SANTOS, L. J. C; SIRTOLI, A. E.; SILVA, C. R.; BOTELHO, M. F. Soil prediction using artificial neural networks and topographic attributes. Revista Geoderma 195-196, p. 165–172, 2013.

SILVEIRA, C. T.; SILVEIRA, R.M.P.; TRENTIN, R.; ROBAINA, L.E.S. Classificação automatizada de elementos de Relevo no estado do Paraná (Brasil) por meio da aplicação da proposta dos Geomorphons. Rev. Bras. Geomorfol. (Online), São Paulo, v.19, n.1, (Jan-Mar) p.33-57, 2018.

SIRTOLI, A. E.; SILVEIRA, C. T.; MONTOVANI, L. E.; SIRTOLI, A. R. A.; OKA-FIORI, C. Atributos do relevo derivados de modelo digital de elevação e suas relações com solos. Scientia agraria, v.9, n.3, p.317-329, 2008.

SOARES, P. C.; FIORI, A. P. Lógica e sistemática na análise e interpretação de Fotografias aéreas em geologia. Boletim Geográfico, v. 36, n. 258/259, p. 35 – 59, 1978

TRENTIN, R.; ROBAINA, L. E. S. Unidades geoambientais na bacia hidrográfica do rio Itu - oeste do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista do Departamento de Geografia (USP), p. 267-287, 2012.

TRENTIN, R.; ROBAINA, L. E. S.; SCCOTI, A. A. V. Mapeamento geomorfológico do município de Manoel Viana- Oeste do Rio Grande do Sul- Brasil. Geociências (São Paulo. Online),v. 32, p. 333-345, 2013.

TRENTIN, R.; SANTOS, L. J. C.; ROBAINA, L. E. S. Compartimentação Geomorfológica da Bacia Hidrográfica do Rio Itu Oeste do Rio Grande do Sul - Brasil. Sociedade & natureza (UFU. Online), v. 24, p. 127-142, 2012.

TROEH, F. R. Landform equations fitted to contour maps. American Journal Science, v. 263, p. 616-627, 1965.

UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY (USGS). USGS Global Visualization Viewer. Disponível em :<< https://lpdaac.usgs.gov/data_access/glovis >>. Acesso em fevereiro de 2015.

VERDUM, R. Approche Géographique des “Déserts” Dans les Communes de São Francisco de Assis et Manuel Viana, Etat du Rio Grande do Sul, Bresil. Université de Toulouse Le Mirail – UFR de Géographie/ Aménagement: Toulouse, 1997. 211 p. Tese de Doutorado.

VERDUM, R. Os geógrafos frente às dinâmicas sócio-ambientais no Brasil. Revista do Departamento de Geografia, n. 16, p.91-94, 2005.

WILSON, J. P.; GALLANT, J. C. Digital terrain analysis, chapter 1. In: WILSON, J. P.; GALLANT, J. C. (Eds.). Terrain analysis: principles and applications. New York: John Wiley & Sons, p.1-27, 2000.

WILDNER, W; RAMGRAG, G. E.; LOPES R. C.; IGLESIAS, C. M. F. Mapa Geológico do Estado do Rio Grande do Sul. Escala 1:750000. CPRM, Serviço Geológico do Brasil. Porto Alegre, RS. 2006.

XAVIER DA SILVA, J. Geomorfologia e Geoprocessamento. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. da. Geomorfologia uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Mapa do de localização da BHRI, Rio Grande do Sul.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 251k
Titre Figura 2. Principais Geomorphons reconhecidos na análise do Relevo.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. Modificado de Jasiewicz & Stepinski (2013).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 74k
Titre Figura 3 – Distribuição do percentual dos elementos de Geomorphons na Bacia do Rio Ibicuí.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-3.png
Fichier image/png, 13k
Titre Figura 4 – Distribuição espacial dos elementos de geomorphons na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí, oeste do estado do Rio Grande do Sul
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 780k
Titre Figura 5. Distribuição dos elementos no relevo presentes na área do rebordo do Planalto (5a) marcando forte dissecação e na área de planície de inundação do rio Santa Maria (5b).
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 199k
Titre Figura 06 – Unidades de relevo definidos para a BHRI.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 504k
Titre Figura 07 – Porcentagem dos Elementos de Geomorphons em cada Unidade de relevo da BHRI
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-7.png
Fichier image/png, 16k
Titre Figura 08 – Fotografia aérea obliqua da unidade 01, próxima à foz do Rio Ibicui onde percebe-se às amplas áreas com elemento plano (flat) da planície do rio Ibicuí, com lavouras de arroz e o elemento vale (valley) associado ao canal fluvial.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 26/09/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 142k
Titre Figura 09 – Fotografia da planície de inundação do Rio Santa Maria, com uso agrícola, com elemento plano (flat) e um rebaixamento marcado pelo elemento escavado (hollow).
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 26/02/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 165k
Titre Figura 10 – Área das colina de altitude com presença de nascente na forma de açude formando elemento escavado (hollow) na base da encosta (footslope).
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 18/07/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 166k
Titre Figura 11 – Área do rebordo do planalto com elementos de encosta (slope) íngremes e cristas secundárias (spur) marcando o relevo.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 21/04/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 341k
Titre Figura 12 – Morrotes de arenito associados ao rebordo sedimentar na BHRI, onde o elemento ressalto (shouder) caracteriza degraus formados por blocos e lajes de rocha e elemento escavado (hollow) caracteriza erosões lineares.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 13/09/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura 13 – Colinas amplas da unidade 06 com elementos de vale (valley) largos e rebaixamentos (hollow) na meia encosta.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 15/03/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 154k
Titre Figura 14 – Morrote isolado em áreas de colinas da Unidade Santa Maria identificado os principais elementos do relevo.
Crédits Org.: Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 30/05/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 95k
Titre Figura 15 – Nascentes do Rio Ibirapuitã mostrando elementos de encosta (slope) e vale (valley) amplos.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 28/02/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 182k
Titre Figura 16 – Área denominada Serra do Caverá formada por um relevo de morros e morrotes com elementos de encosta (slope) e crista (ridge) bem definidos associados a elemento plano (flat).
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 28/03/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 174k
Titre Figura 17 – Colinas onduladas na Unidade Taquarembó com elementos do relevo (geomorphons) indicados
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 31/05/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Figura 18 – Colinas da Unidade Santa Maria Chico com encosta ampla (slope).
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 30/05/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Titre Figura 19 – Áreas planas (flat) associada a colinas amplas marcadas por forma de encosta (slope) amplas e base de encosta (footslope) na Unidade Alegrete.
Crédits Org.: Trentin, R; Robaina, L.E.S. 28/03/2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29381/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 387k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Romario Trentin et Luís Eduardo de Souza Robaina, « Formas de relevo da bacia hidrográfica do Rio Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brasil: Obtidas por classificação topográfica automatizada », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 28 mai 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/29381 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.29381

Haut de page

Auteurs

Romario Trentin

Universidade Federal de Santa Maria – romario.trentin@gmail.com

Luís Eduardo de Souza Robaina

Universidade Federal de Santa Maria – lesrobaina@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals