Navigation – Plan du site

Mapeamento de vulnerabilidade socioespacial: Análise espacial integrada entre vulnerabilidade social e suscetibilidade a inundações em bacia hidrográfica urbanizada de São Paulo/SP.

Socio-spatial vulnerability mapping: integrated analysis between social vulnerability and flooding susceptibility in an urbanized hydrographic basin of São Paulo
Cartographie de la vulnérabilité socio-spatiale : analyse intégrée entre vulnérabilité sociale et susceptibilité aux inondations dans un bassin versant urbanisé de Sao Paulo
Iury Tadashi Hirota Simas et Cleide Rodrigues

Résumés

La ville de Sao Paulo étant historiquement vulnérable au risque d’inondation, auquel s’ajoute une demande actuelle de proposition méthodologique intégrée de diverses variables que cette question englobe, il a été développé une typologie pour classifier les lieux vulnérables selon méthodologies de nature diverse et complémentaire. Avec l'objectif d'analyser conjointement les aspects physiques et sociaux qui définissent le risque aux inondations, cette typologie est basée d’une part, sur l’adaptation et l’application d’un indice « paulista » de vulnérabilité sociale, et d’autre part, sur l’application de la cartographie rétrospective de la morphologie originale des plaines alluviales et ses sous-systèmes. Il a été choisi le bassin versant de la rivière Aricanduva comme zone d’étude, étant donné que cette zone possède un historique d’aléas qui ont perturbé la mobilité urbaine ainsi que des endommagements aux biens des habitants, surtout pendant les saisons des pluies 2009-2010. D’abord, les susceptibilités spatiales ont été cartographié, prenant en compte les événements d’inondation précédant et les interprétations de la géomorphologie du lieu étudié. En associant le niveaux des secteurs de recensement, la vulnérabilité sociale des habitants et son emplacement par rapport aux compartiments de la plaine alluviale, un indice unifié a été obtenu. En effet, cet indice a été utilisé pour l’élaboration d’une classification de la vulnérabilité socio-spatiale. Par conséquent, les emplacements prioritaires pour les actions préventives, l’amélioration urbaine et la surveillance ont été cartographiés, identifiés et classées. Il a été également possible vérifier la corrélation entre les zones de plus forte vulnérabilité socio-spatiale et les zones touchées par les inondations dans la période d’étude. On considère que de tels résultats impliquent des informations intelligibles pour les décideurs, composées de données jusqu'ici reliées de manière théorique et rarement cartographique.

Haut de page

Texte intégral

1A metrópole paulistana apresenta uma história de urbanização conflituosa com as tendências originais dos sistemas geomorfológicos nos quais está inserida. As enchentes, decorrentes de inundações, são exemplos de episódios desorganizadores dos fluxos urbanos que tornam evidentes os problemas cumulativos do seu modelo de urbanização. Seus impactos são recorrentes e comumente colocados como consequência única e exclusiva de fenômenos de ordem natural ou, de forma diametralmente oposta, por consequência apenas da “ação do homem”. Se por um lado são evidentes os equívocos presentes no senso comum sobre o tema, são raros os estudos com uma abordagem científica sistêmica, em linguagem unificada e que considerem simultaneamente fatores que definem a suscetibilidade espacial e a vulnerabilidade social dos grupos expostos aos impactos destes episódios. Já no âmbito internacional, a questão do combate aos riscos por inundações passou por um período de mudança de paradigma visando a minimização da exposição e vulnerabilidade. Dessa forma, os mapeamentos de zonas propensas à inundação e com risco relativo a seus efeitos, têm recebido grande prioridade em diversos programas de mitigação na atualidade (ALCANTARA-AYALA, 2010). Esta demanda tem comprovado a importância dos sistemas de informação geográfica como ferramentas vitais no delineamento de áreas suscetíveis e na combinação desta informação a índices de exposição e vulnerabilidade.

2Tendo em vista o problema em questão e as possibilidades metodológicas de integração mencionadas, foi desenvolvido estudo sobre a bacia do Rio Aricanduva, na Zona Leste de São Paulo. Trata-se de bacia hidrográfica densamente urbanizada que engloba áreas de população socioeconomicamente desprivilegiada e com recorrência histórica de inundações que levaram a impactos severos. Esses impactos são sentidos por toda a população quando se manifestam através da desorganização dos fluxos urbanos, com o impedimento do tráfego e circulação de mercadorias, mas tem consequências mais severas aos grupos sociais mais sensíveis quando manifestos na forma de danos às estruturas de casas, perdas de bens, veiculação de doenças e, eventualmente, mortes.

3Para que as inundações, fenômenos naturais, constituam-se em episódios potencialmente impactantes, é necessário que exista tanto a suscetibilidade (possibilidade física), como a vulnerabilidade social (elementos em risco). Dessa forma, propõe-se o estabelecimento de um índice único que vincula ambos os fatores de acordo com sua correlação espacial. Assim, a partir da reconstituição dos limites originais de compartimentos do sistema planície fluvial, empregando parte da metodologia da cartografia geomorfológica retrospectiva e antropogênica (RODRIGUES, 2004, 2005 e 2015), e a sistematização de um índice de vulnerabilidade social, que combina fatores demográficos e econômicos em nível de setores censitários, foi possível compor uma carta de vulnerabilidade socioespacial da área. O objetivo é que tal produção cartográfica represente, com uma escala de valores unificada e categorizada, quais localidades concentram as potencialidades do sistema físico e da ocupação por população com as condições socioeconômicas mais vulneráveis à ocorrência de impactos originários desses eventos de inundações. Para tanto, foi realizada, de maneira associada, uma extensiva busca por ocorrências deste tipo de impactos e de eventos em veículos de notícias (sobretudo jornais de alta circulação) e nas bases de dados do Centro de Gerenciamento de Emergências de São Paulo (CGESP) e Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), durante a temporada mais chuvosa da última década (2009/2010) permitindo confirmar onde e quando estes episódios ocorreram.

4Uma vez confrontados os resultados deste cruzamento de variáveis com os eventos de inundação confirmados, foi identificada correlação entre os locais impactados e áreas identificadas na carta como de vulnerabilidade socioespacial, no mínimo, média-alta. Isto dá indicações sobre o potencial de aplicação desta metodologia de sistematização de informações de diferentes dimensões para uma avaliação pragmática que vise direcionar recursos e esforços para aumento de resiliência e mitigação de impactos futuros em áreas prioritárias.

Concepção teórica da metodologia.

5No caso dos sistemas fluviais na cidade de São Paulo, encontramos uma ampla variedade de fatores físicos e sociais a serem contemplados na análise de fenômenos como as inundações quando estas se efetivam como episódios que impactam a população. Do ponto de vista operacional, é reconhecida a necessidade de propostas que permitam a leitura integrada dessas variáveis que possuem origens e dimensões diversas a partir de uma única linguagem. Portanto, a presente metodologia estabelece suas bases em referências que demonstram como esses elementos são apresentados em estudos de diferentes temáticas, especificamente: vulnerabilidade social e econômica (estrutura familiar, faixas etárias, renda familiar), e suscetibilidade ambiental e geomorfologia urbana (compartimentação, morfologias originais, delimitação de subsistemas das planícies fluviais).

6Do ponto de vista geomorfológico, muito particularmente através da antropogeomorfologia e da cartografia geomorfológica retrospectiva, a urbanização é compreendida como processo ou modalidade de intervenção antrópica que, entre outros efeitos, promove a diminuição de áreas de dissipação de energia e de estocagem temporária de pulsos de inundação extremos (DOUGLAS, 1983). Tal perspectiva tem grande relevância, tendo em vista que, durante todo o processo da urbanização, morfologias importantes do ambiente natural (ou pré-intervenção) que provêm das dinâmicas hidrológicas de atenuação de inundações, têm estas funcionalidades originais amplamente ignoradas e suprimidas enquanto a cidade se desenvolve (PARKINSON e MARK, 2005). O que se aplica ao caso das planícies de inundação da metrópole paulistana, como apontam Rodrigues (2015), Rodrigues et al. (2014), Luz (2014), Moroz-Caccia Gouveia (2010). Estes estudos demonstraram que 99% das enchentes, especialmente as registradas na década de 2000, em diferentes bacias do Alto Tietê, localizaram-se em antigas planícies de inundação e ao longo dos eixos de afluentes, bem como apontam que as mudanças vem ocorrendo no sentido de diminuir a área total suscetível ao processo e de aumentar o número de ocorrências pontuais, mas de persistirem valores similares quanto às frequências, cotas atingidas e duração do evento.

7Considerado isso, o fenômeno das inundações no meio urbano deveria ser interpretado considerando o fato de que todo curso d’água possui um período de vazões de maior magnitude, que podem refletir em cheias no próprio canal, ou em extravasamento do canal e inundação de suas planícies. Em planícies fluviais meândricas e rios de maior ordem, considera-se que o intervalo de recorrência esperado é de um ou mais eventos de inundação ao longo de um ano hidrológico. No caso de rios de canais únicos e meândricos, há uma extensa planície formada ao longo de processos geomórficos centenários e milenares, planície essa amortecedora das vazões de pico e, consequentemente, existirá uma área suscetível a ser ocupada pela água durante as maiores vazões. Dessa forma, é muito reconhecido o processo em que a inundação se torna um perigo, percebido como uma falha do processo de produção do espaço urbano, das formas históricas de apropriação, das politicas, ações urbanísticas, intervenções da engenharia e de um conjunto de instrumentais técnicos inadequados. É muito comum a transgressão legal das áreas suscetíveis, inclusive por parte do Estado (conforme demonstrado e argumentado por Seabra, 1987, e Rodrigues, 2015).

8Por este estudo situar-se nessa interface interdisciplinar, compreende-se a enchente como ocorrência caracterizada enquanto episódio, isto é, pressupõe interação com uma organização social que expõe certos grupos e produz riscos, enquanto a inundação é entendida como um evento, um processo hidrogeomorfológico existente mesmo em condições pré-perturbação (RODRIGUES, 2015). Esta conceituação é baseada no conhecimento geomorfológico, embora não tenha sido plenamente absorvida nos meios técnicos.

9A existência de um risco é sempre referente a um dado grupo ou indivíduo vulnerável, tornando-o um elemento essencialmente social (VEYRET, 2001). Por sua vez, a vulnerabilidade, enquanto uma propensão a sofrer danos, se articula em escalas de tempo e espaço que lhe são próprias de acordo com a natureza e organização dos elementos em risco, sua posição (em relação ao sistema planície fluvial, por exemplo) e o período de análise (antes, durante, após um desastre, ou períodos mais/menos chuvosos) (D’ERCOLE, 1994). O termo “vulnerabilidade” pode apresentar conotações diversas, dependendo da orientação e perspectiva analítica da pesquisa. Aqui, considera-se como uma condição social, medida de resistência ou resiliência aos riscos que possui, inegavelmente, dimensão econômica.

10Resumidamente, entende-se que a suscetibilidade espacial e a vulnerabilidade socioeconômica interagem para produzir um risco potencial. Este potencial é moderado ou fortalecido pelo “filtro geográfico”, que envolve a relação destes dois grandes fatores através das condições de local, situação, proximidade (CUTTER et al, 2003). Assim, para analisar estas relações complexas e pelo fato de que a vulnerabilidade é essencialmente definida por características de ordem social e econômica de indivíduos ou grupos que vivem em um espaço desigualmente constituído e apropriado (SANTA’ANNA NETO, 2011), privilegiou-se neste estudo o conceito de vulnerabilidade socioespacial. Considerado isso, para esta proposta metodológica de mapeamento entende-se que os produtos (mapas) não são a concretização do estudo, mas base de compreensão das relações espaciais, sintetizadas através dos compartimentos, permitindo abordagens de interesse geográfico. Isto, pois, em geomorfologia, o relacionamento entre diferentes elementos também se baseia, por exemplo, em posição e hierarquia, o que torna a combinação de fatos, e não apenas seu somatório, o resultado interessante à análise.

Área de Estudo.

Figura 1- Localização da Bacia Hidrográfica do Aricanduva, área de aplicação da metodologia, em destaque.

Figura 1- Localização da Bacia Hidrográfica do Aricanduva, área de aplicação da metodologia, em destaque.

Elaboração do autor. Base cartográfica: IBGE.

11A bacia hidrográfica do Aricanduva (BHA) possui uma área de drenagem de cerca de 102,5 km², orientando-se na direção geral SSE a NNW (Figura 1). A sua área de drenagem engloba 11 distritos de 4 subprefeituras diferentes que, em sua maior parte, desde 1980 têm apresentado índices de crescimento demográfico negativos mas ainda totalizando aproximadamente 1,5 milhões de habitantes. O fato de apresentar áreas com altíssima densidade populacional, novas áreas de expansão, bem como a presença de grandes vias marginais instaladas permitem apontar esta bacia como altamente representativa do contexto metropolitano. Igualmente, a região que circuncreve possui histórico de impactos provocados por inundações, persistentes mesmo após sucessivas intervenções hidráulicas como a retificação e aprofundamento do canal, instalação de piscinões e ações de desassoreamento.

12As áreas da média e baixa bacia (região mais próxima à foz no rio Tietê) foram as primeiras a serem ocupadas e podem ser consideradas como já totalmente urbanizadas, com grande concentração de estabelecimentos comerciais e perfil população de classe média e média-baixa. Já nos trechos superiores da bacia, em sua extremidade sudeste, encontram-se áreas não totalmente urbanizadas mas em acelerado processo de ocupação, tanto sobre as planícies de inundação como em diversos setores dos sistemas de vertente. Nesta região da bacia, ainda existem áreas com matas remanescentes que estão sendo apropriadas por população de baixa renda, em geral por meio de autoconstrução. Destaca-se a atual concentração de aglomerados subnormais, caracterizados como ocupações irregulares para fins de habitação (favelas), próximos aos rios secundários da bacia nas áreas de cabeceiras. Da mesma forma há ocupações bastante próximas do canal do Rio Aricanduva, onde os habitantes convivem diretamente com algumas áreas destinadas ao controle de cheias (Foto 1). O perfil socioeconômico da população residente nestas áreas mais recentemente ocupadas é predominantemente baixo, condição essa que se soma a uma condição sanitária deficiente. Trata-se de características da composição de um quadro social e ambiental bastante desfavorável, que potencialmente sustenta a vulnerabilidade e susceptibilidade dos moradores às inundações.

Foto 1 - Exemplo de ocupação consolidada sobre estrutura do vertedouro do piscinão Aricanduva I, no Iguatemi.

Foto 1 - Exemplo de ocupação consolidada sobre estrutura do vertedouro do piscinão Aricanduva I, no Iguatemi.

Foto do autor. Data: 14/10/2016.

Mapeamento da suscetibilidade espacial e eventos de inundação e alagamentos.

13Apoiando-se no que foi apontado no Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental Várzea do Rio Tietê (2013), o mapeamento da morfologia original das planícies fluviais, via cartografia geomorfológica retrospectiva, é instrumento indispensável para a interpretação das tendências de processos correspondentes às fases pré-urbanização. A partir dele é possível identificar as formas antropogênicas que se sucederam, criando padrões de morfologia complexa, que é, por sua vez, a combinação física de ambos os quadros. A cartografia geomorfológica retrospectiva viabiliza essas análises e sínteses de maior complexidade do meio físico, fornecendo critérios para delimitar áreas homogêneas quanto à sua suscetibilidade espacial a diferentes processos do meio físico, incluindo inundações (RODRIGUES 2004, 2010, MOROZ-CACCIA GOUVEIA, 2010, LUZ, 2014).

14Nesse estudo, a reconstituição foi realizada apenas quanto à morfologia original, percorrendo parte da metodologia acima descrita, mas relacionando essas tendências teóricas a eventos de inundações constatados. Estes foram levantados a partir de veículos de mídia (impressa e digital, através de busca por palavras-chave) e pela base de consulta da CET, tomando como recorte temporal os meses de Novembro de 2009 até Março de 2010, período identificado como de intensa pluviosidade através da análise da série histórica dos postos pluviométricos instalados na região (SIMAS et al., 2015). Esse emprego mais simplificado e restritamente direcionado pôde ser utilizado em função dos resultados obtidos por Berges (2012), Rodrigues et al (2014), Veneziani (2014), e Simas & Rodrigues (2016), que identificaram que 99% dos eventos de inundação mapeados ocorreram no interior dos limites das próprias planícies de inundação e não atingiam sequer os terraços pré-urbanos de origem fluvial. Assim, no estudo aqui apresentado foram identificados e utilizados os limites das planícies fluviais originais da bacia do Aricanduva e seus diferentes subcompartimentos, interpretando-os como bons limites para um primeiro nível de discriminação física de suscetibilidade espacial às inundações. A partir disso, esses conteúdos foram interpretados enquanto informações especializadas sobre a suscetibilidade ao processo inundação, em uma escala compatível com o mapeamento de vulnerabilidade social.

15A obtenção e interpretação das fontes de informações primárias foi conduzida a partir de metodologia desenvolvida por Rodrigues (1997, 1999, 2004, 2010), para avaliações das mudanças em sistemas físicos, particularmente hidrogeomorfológicos, decorrentes da ação antrópica (sobretudo pela urbanização). Com base nisso, o mapa da morfologia original das planícies fluviais da Bacia Hidrográfica do Aricanduva foi desenvolvido com especial enfoque para a compartimentação dos subsistemas que a compõem e que são de especial interesse na investigação empreendida sobre eventos de inundação. Especificamente, o mapeamento buscou representar os compartimentos: planície de inundação, terraços (níveis 1, 2 e antrópicos), e backswamps (bacias de decantação), seguindo os procedimentos para restituição morfológica conforme resumido na Figura 2.

Figura 2 - Procedimentos do mapeamento da morfologia original.

Figura 2 - Procedimentos do mapeamento da morfologia original.

Fonte: LUZ (2014).

16Adotou-se a escala de 1:25.000 que, além de enquadrar-se no objetivo do estudo, foi compatível com o material cartográfico e aerofotográfico existente e consultado. Foram utilizadas as bases cartográficas (topográfica e de ortofotos) da Emplasa (2010). A fotointerpretação foi realizada com a técnica de estereoscopia analógica. As aerofotos utilizadas são do levantamento aerofotográfico do Estado de São Paulo de 1962 na escala de 1:25.000, executado por Aerofoto Natividade S/A sob contrato com o Instituto Agronômico de Campinas (IAC), obtidas no Acervo de Fotografias Aéreas (AFA) do Departamento de Geografia da USP. Uma vez definida a utilização de fotografia aéreas do ano de 1962, reconhece-se que a área já se encontrava antropizada. No entanto, conforme afirma Moroz-Caccia Gouveia (2010), isto não impede a identificação de evidências da morfologia original, tais como trechos de terraços fluviais, backswamps e limites de planície de inundação, que por sua vez permitem diversas inferências. A interpretação dos elementos da morfologia originais foi realizada tomando base em uma adaptação dos elementos de legendas apresentadas em Luz & Rodrigues (2015).

17Foi realizado georreferenciamento dos overlays (produtos da restituição estereoscópica) por meio de pontos notáveis que puderam ser identificados tanto nas fotografias aéreas quanto na base cartográfica (Ortofotos da RMSP disponibilizadas pela Emplasa para o ano de 2010). Primando-se pela precisão da informação gerada, foi assumido como aceitável um erro quadrático acumulado de até 3.0 para cada overlay georreferenciado (conforme estabelecido por IBGE, 2017).

18Já o levantamento de notícias em jornais e registros do CGESP sobre inundações e alagamentos ocorridos na área foi realizado sobre um período amostral, definido como a temporada mais chuvosa da ultima década (novembro de 2009 a março de 2010). As ocorrências constatadas desta forma, e que possuíam informações detalhadas o suficiente para isso, foram cartografadas e serviram para serem correlacionados à reconstituição dos limites originais da planície de inundação, corroborando os achados de Rodrigues et al (2014).

Mapeamento da vulnerabilidade social.

19O mapeamento da vulnerabilidade social requereu, primeiramente, a sistematização de um índice que pudesse ser correlacionado com as informações relativas à suscetibilidade espacial de inundações.

20A sistematização do índice seguiu os princípios apresentados no desenvolvimento do Social Vulnerability Index, apresentado por Cutter et al (2003), em que dados socioeconômicos e demográficos usados em nível desagregado (aqui, por setores censitários) são analisados através de um método analítico de fatores, de modo que centenas de variáveis são reduzidas a um pequeno conjunto de fatores independentes que representem a maior porcentagem da variância. Em outras palavras, isto torna possível selecionar as variáveis (e combinações destas) que são mais determinantes à definição de perfis de vulnerabilidade na área estudada. Os fatores preponderantes apontados por Cutter et al (2003) são relativos à renda, estrutura do local de moradia e perfil da população (gênero, faixa etária, etc.). Estes fatores são colocados em um modelo aditivo para computar a pontuação de sumário (o índice propriamente dito), adotado sem assumir aprioristicamente a importância relativa de cada fator para a soma total. Deste modo, cada fator é visto como tendo igual contribuição à vulnerabilidade geral e são escalonados de modo que valores positivos indiquem maiores níveis de vulnerabilidade e valores negativos diminuam a vulnerabilidade geral. Destaca-se que as variáveis que compõem o índice podem ser associadas de forma aditiva simples e sem ponderação contanto que normalizadas ou convertidas em um score, e selecionadas a partir de análise fatorial. Conforme conclui Cutter et al (2003) fatores assim construídos são consistentes com a literatura sobre riscos mais ampla, e índices desenvolvidos com este método explicam 76% da variância estatística em diferentes áreas de estudo.

21Para cálculo deste índice sobre os dados dos setores censitários compreendidos dentro da bacia estudada, foram utilizadas as mesmas variáveis de SEADE (2010), para a constituição do Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (IPVS). Este índice possui como primeiro pressuposto o fato de que há múltiplas dimensões da pobreza que definem uma condição de vulnerabilidade, sendo necessário agregar indicadores de renda, escolaridade e ciclo de vida familiar. As variáveis selecionadas foram analisadas por análise fatorial, que apontou que 73% da variabilidade total das variáveis utilizadas no IPVS podem ser explicadas pela combinação linear das mesmas entre fatores de ordem socioeconômica e demográfica. Então, a partir da definição dos fatores são gerados scores fatoriais, que representam médias ponderadas das variáveis originais, em uma escala com média 0 e variância 1. É interessante notar que a análise aponta uma relação inversamente proporcional entre o score de vulnerabilidade resultante e a variável “% de pessoas responsáveis entre 10 e 29 anos”. Isso é coerente, pois, dadas as especificidades dos fenômenos e dos elementos em risco, a vulnerabilidade avaliada não diz respeito exclusivamente ao risco de vida, mas pauta-se nos recursos acumulados (ou falta destes) por indivíduos ou grupos em simultâneo às oportunidades acessíveis para empregá-los. (SEADE, 2010). As variáveis empregadas (Quadro 1), possuem valores obtidos no censo de 2010.

Quadro 1 - Variáveis sistematizadas para o índice de vulnerabilidade social empregado no mapeamento de acordo com os scores fatoriais.

Variáveis originais

Fatores

Socio econômico

Demográfico

Renda domiciliar per capita

0,3

0,13

% de domicílios com renda domiciliar per capita de até ½ salário mínimo

-0,23

0

Rendimento médio da mulher responsável pelo domicilio

0,28

0,12

% de pessoas responsáveis pelo domicilio alfabetizadas

0,25

0,08

% de domicílios com renda domiciliar per capita de até ¼ de salário mínimo

-0,2

0,01

% de pessoas responsáveis de 10 a 29 anos

0,11

0,35

% de mulheres responsáveis de 10 a 29 anos

0,15

0,37

Idade média das pessoas responsáveis

-0,07

-0,32

% de crianças de 0 a 5 anos de idade.

-0,08

0,15

Em destaque a correlação da variável que a enquadra em um fator. Exemplo: renda domiciliar per capita varia positivamente com relação à % de pessoas responsáveis pelo domicílio alfabetizadas, combinação melhor relacionada do que com qualquer componente do fator demográfico.

Fonte: SEADE, 2010.

22Com estes valores, grupos de vulnerabilidade social foram criados com um agrupamento realizado pelo cruzamento dos fatores socioeconômicos, divido em três classes finais (rendimento alto, médio e baixo), com os fatores demográficos, que definiu duas classes (famílias adultas/idosas e famílias jovens), em ambos os casos classificados estatisticamente por quebras naturais. Estes grupos foram então cruzados com a informação (do tipo booleana) de que o setor censitário constitui um aglomerado subnormal ou não. Esta inclusão se deu de forma aditiva simples para explicitar a influência das características do local de residência nas variações em relação a oportunidades econômicas e sociais, que podem significar barreira na realização de práticas mitigatórias, bem como acesso a serviços e bens (SEADE, 2010).

23Assim, os sete grupos definidos pela metodologia do IPVS (SEADE, 2010) são:

24Grupo 1 – Baixíssima Vulnerabilidade: setores em melhor situação socioeconômica (muito alta), com os responsáveis pelo domicílio possuindo os mais elevados níveis de renda e escolaridade. Neste grupo os chefes de família tendem a ser mais velhos;

25Grupo 2 – Vulnerabilidade Muito Baixa: abrange os setores censitários que se classificam em segundo lugar na dimensão socioeconômica (média ou alta). Nessas áreas concentram-se, em sua maioria, famílias com maior média de idade;

26Grupo 3 – Vulnerabilidade Baixa: setores com níveis altos ou médios da dimensão socioeconômica e predominam famílias jovens e adultas;

27Grupo 4 – Vulnerabilidade Média: Setores que apresentam níveis médios na dimensão socioeconômica, é predominantemente jovem (com menos de 30 anos) e há presença de crianças pequenas;

28Grupo 5 – Vulnerabilidade Alta: engloba os setores censitários que possuem as piores condições na dimensão socioeconômica (baixa), estando entre os dois grupos em que os chefes de domicílios apresentam, em média, os níveis mais baixos de renda e escolaridade. Concentra famílias mais velhas, com menor presença de crianças pequenas;

29Grupo 6 – Vulnerabilidade Muito Alta: Setores com renda da faixa mais baixa e com grande concentração de famílias jovens. A combinação entre chefes jovens, com baixos níveis de renda e de escolaridade, e presença significativa de crianças pequenas permite inferir ser este o grupo de maior vulnerabilidade à pobreza.

30Grupo 7 – Vulnerabilidade Altíssima: Características de composição do quadro social e econômico da população idêntico ao identificado para o Grupo 6, somado à habitação, necessariamente, em aglomerados subnormais.

31Com os grupos resultantes da aplicação deste índice de vulnerabilidade social, foi realizado então cruzamento com as informações espaciais dos compartimentos das planícies fluviais da bacia do Aricanduva. Desta forma, o mapeamento resultante baseia-se na hipótese de que a categoria “Vulnerabilidade Socioespacial” pode captar e traduzir os efeitos da sobreposição espacial e interação entre os problemas destas duas dimensões.

32O cruzamento entre as informações espaciais foi operado baseando-se novamente no princípio apresentado por Cutter et al (2013) de método aditivo. Assim, os compartimentos da planície fluvial representaram valores inteiros, atribuídos de acordo com sua aptidão e probabilidade natural de receber inundações. Estes valores (1 ou 2) foram adicionados aos valores finais (1 a 7) encontrados com a aplicação do índice de vulnerabilidade social. Desta forma, por exemplo, um setor com vulnerabilidade social muito alta localizado em um terraço de primeiro nível possui uma vulnerabilidade socioespacial menor do que aquela de um setor com vulnerabilidade social alta e localizado em planície de inundação. Da mesma forma, o cruzamento destas informações espaciais permite a fragmentação de um setor censitário, caso diferentes áreas deste localizem-se em distintos compartimentos de planície fluvial. Então, somente no caso de coincidência de moradias onde habitam pessoas do grupo classificado como de vulnerabilidade social muito alta, que caracterizam aglomerado subnormal, e dentro de uma planície de inundação, será identificado o mais alto nível de vulnerabilidade socioespacial possível (nível 9). Ainda, justifica a escolha por esta forma de integração dos componentes do índice, a premissa de que um mapeamento que pretende comunicar uma relação hierárquica, um menor número de classes permite uma melhor interpretação.

33Por fim, com vistas a uma validação dos resultados encontrados, o mapeamento com classificação da vulnerabilidade socioespacial para a área de estudo foi confrontado o mapeamento resultante com os mapas de vulnerabilidade social da SEADE de 2000 e 2010. As localidades com classificação de vulnerabilidade mais alta foram também comparadas com a localização de eventos de enchentes registrados entre 2009 e 2010, de modo a condizer com o período dos dados censitários empregados. Com as informações referentes a estes eventos levantadas junto a jornais e sistemas de monitoramento, foi possível observar relações entre a espacialização do fenômeno e seus impactos com a suscetibilidade espacial e a vulnerabilidade social de forma integrada.

Resultados

34A carta de morfologias originais elaborada para a Bacia Hidrográfica do Aricanduva apresenta os compartimentos do sistema planície fluvial relevantes, que permitiram a observação de susceptibilidade espacial a inundações. As planícies fluviais na bacia somam um total de 13,12 Km², o que corresponde a 12,8% da área total da bacia, tendo como menor subsistema (em área) os backswamps, que somam 0,075 Km².

35As planícies de inundação desta bacia possuem uma área somada de 10,04 Km² e largura média de 420 metros ao longo do curso principal. Esta largura varia consideravelmente entre diferentes trechos da bacia, atingindo uma largura máxima de 1300 metros. É notável o estreitamento que existe próximo de onde o rio Aricanduva (setor médio) encontra-se com o córrego Caguaçú, da mesma forma que são evidenciadas planícies desta mesma configuração alveolar, de menor área, nos setores mais altos. Em diversos trechos do terço mais baixo da bacia o limite entre o subsistema planície de inundação com o sistema vertente se dá diretamente e através de ruptura de declividade bastante evidente, mais frequentemente ao longo da margem direita do curso principal.

36Os níveis terraceados identificados na bacia são exclusivamente de primeiro nível, somando uma área de 1,41 Km² a 2,99 Km², quando considerada a área dos locais onde foram identificados os terraços antrópicos descontínuos, e representam, em média, uma elevação de 2 metros em relação às altitudes médias da planície de inundação, com máximos de até 3 metros no setor mais baixo da bacia. Devido a data das fotografias aéreas utilizadas, os terraços antrópicos também foram identificados e representados de forma diferenciada dos demais. Isso se deu por evidenciarem graus de intervenções avançadas que impossibilitaram a confirmação das características morfológicas originais daqueles locais, isto é, se seriam estas de um subsistema de terraço ou de planície de inundação. Desta forma, foram enquadrados na categoria de terraço justamente por conta da clara descontinuidade provocada na topografia da planície em que estão inseridos.

37Estas características morfométricas foram especialmente interessantes de se ter em conta, uma vez que todos os episódios de enchentes registrados no período 2009/2010 foram identificados em áreas que correspondem às planícies de inundação. Isso permite supor que em nenhum evento o limite entre planície de inundação e terraços foi superado pelo nível das águas (2 metros). Os demais episódios impactantes registrados, exclusivamente nas áreas que correspondem ao subsistema terraço ocorreram a partir de manchas de alagamentos aparentemente provocadas provocados por problemas relacionados à microdrenagem urbana, observáveis apenas em escala de detalhe da morfologia antropogênica.

38Na carta de Vulnerabilidade Social da bacia do Aricanduva, fica evidente, em primeiro momento, a forte concentração dos grupos de maior vulnerabilidade no setor médio-alto da bacia (Mapa 2). Particularmente, os setores mais ao sul dos distritos de São Matheus e São Rafael se destacam pela forte presença dos grupos 6 e 7. No sentido oposto, a menor vulnerabilidade social é encontrada nas áreas que correspondem à baixa bacia, ou leste do Tatuapé, Penha, Vila Carrão e Vila Matilde. O que deve ser diferenciado nesta carta são as áreas de baixa vulnerabilidade social identificadas na alta bacia. Estas correspondem, na realidade, a setores censitários e propriedades muito grandes (para os padrões da cidade de São Paulo) nas áreas menos habitadas da área estudada. Ali se encontram fragmentos ainda relativamente preservados de vegetação e, em alguns locais, desenvolvem-se atividades produtivas análogas às encontradas em zonas rurais.

Mapa 1 - Morfologias fluviais originais e rios da Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva.

Mapa 1 - Morfologias fluviais originais e rios da Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva.

Autoria própria

Mapa 2 - Vulnerabilidade social na Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva.

Mapa 2 - Vulnerabilidade social na Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva.

Autoria própria

39Com a concepção da carta de vulnerabilidade socioespacial (Mapa 3), é notável a concentração de grupos das classes mais altas de vulnerabilidade (grupos 7, 8 e 9) no terço mais alto da bacia e próximo ao Parque do Carmo. No entanto, é reforçada de maneira decisiva a importância do compartimento planície de inundação na identificação das localidades de alta e altíssima vulnerabilidade socioespacial, que também se estendem à média e baixa bacia. Há considerável correlação entre os locais onde foram identificadas as inundações e locais de vulnerabilidade acima da média. Já no sentido oposto, a menor vulnerabilidade socioespacial se concentra na região que corresponde ao Tatuapé e setores de topos no extremo sudoeste da bacia. Entre as informações que devem ser destacadas, há 20 locais que foram identificados como aqueles da classe mais alta de vulnerabilidade socioespacial possível, isto é, onde há moradias que configuram conglomerados subnormais, com habitantes de alta vulnerabilidade, e alta suscetibilidade a inundações. Estes locais concentram-se entre os distritos de São Rafael, São Matheus e Iguatemi. (Quadro 2).

Quadro 2 - Áreas de vulnerabilidade socioespacial relativa a inundações classificadas como altíssima e dentro de planícies de inundação (grupo de vulnerabilidade socioespacial 9).

Local/referência

Bairro

Distrito

Entre a rua Sebastião Razali e Av Aguiar da Beira

Vila Antonieta

Aricanduva

Ao longo das ruas Casa da Boa Vista e Carlo Maderna

Pq Savoi City

Cidade Líder

Próximo ao cruzamento da Av Olga Fadel Abarca e Av dos Latinos

Jd Sta Terezinha

Cidade Líder

Próximo ao n° 1073 da R. Joaquim Meira de Siqueira

Jd Nsa Sra do Carmo

Cidade Líder

Cruzamento das ruas Oronzo Mastrosa, Embitiba e Estrada do Carmo

Jd São Gonçalo

Iguatemi

Entre início da rua Chaime e acesso à Estrada do Carmo

Jd São Gonçalo

Iguatemi

Entre início das ruas Tamandiba e Menino Deus

Jd São Gonçalo

Iguatemi

Entre a Estrada Saturnino Pereira e R. José Pinto

Sta Etelvina

Iguatemi

Ao longo da Rua Emile Zola

Jd 9 de Julho

São Matheus

Início da R. Vila Boa da Goiás

Jd 9 de Julho

São Matheus

Entre os n°s 400 e 550 da Av. Riacho dos Machados

Jd. Tietê

São Matheus

Ao longo de rua sem nome paralela à R. Lupércio de Souza Cortez

Jd. São João

São Rafael

Ao longo da margem esquerda do córrego Caguaçu, paralelo à R. Frutos de Maio, altura do n° 196.

Vila Bela

São Rafael

Ao longo da margem esquerda do córrego Caguaçu, paralelo à R. Frutos de Maio, altura do n° 500.

Vila Bela

São Rafael

Entre o final da R. Dom Benito Feijó e a Tv. Felix Peixoto

Promorar Rio Claro

São Rafael

Ocupações entre Avenida Sapopemba, R. Cinira Polônio e Av. Vice-presidente José de Alencar

Promorar Rio Claro

São Rafael

Avenida Sapopemba, entre números 22.200 e 25.500

Jd Adutora

São Rafael

Início da Rua dos Banqueiros.

Vila Bancária

Sapopemba

R. Heley Lopes Meirelles, próximo à foz do Aricanduva

Vila Moreira

Tatuapé

Próximo ao n°114 da R. João Galdino Coelho

Vila Matilde

Vila Matilde

Autoria própria

Mapa 3 - Carta de Vulnerabilidade Socioespacial a inundações na bacia hidrográfica do Rio Aricanduva e localidades atingidas na temporada chuvosa 2009/2010.

Mapa 3 - Carta de Vulnerabilidade Socioespacial a inundações na bacia hidrográfica do Rio Aricanduva e localidades atingidas na temporada chuvosa 2009/2010.

Autoria própria

40Destaca-se esta relação de localidades, entre os resultados presentes neste estudo, como de especial importância aos serviços de assistência social, saúde pública ou defesa civil que tenham como objetivo aumento da resiliência ou mitigação dos efeitos de eventos adversos. Trata-se de uma indicação pontual de locais com alta probabilidade de ocorrência de episódios de enchentes com danos severos, dada a condição socioeconômica dos moradores destes locais e a natural propensão à ocorrência de inundações onde estão assentados. A carta permite visualizar, ainda, que todos os episódios de enchentes atingiram locais com vulnerabilidade socioespacial classificada, no mínimo, como média-alta. Em termos quantitativos, dos 0,85 Km² comprovadamente atingidos por inundações entre 2009/2010, 74% correspondem a áreas com população do grupo de vulnerabilidade 6 ou superior. A excessão à regra fica por conta de localidade próxima à marginal do Aricanduva, no Carrão, com setores de vulnerabilidade média-baixa. Tal localidade também registra grande quantidade de alagamentos, o que pode ser atribuído ao constante monitoramento da CET neste trecho crítico. Dentre os locais do grupo de maior gravidade (grupo 9), três deles foram afetados por inundações com ocorrência constatada, registrando, em todos os casos, grandes perdas materiais aos moradores, desabrigados e interdição completa de trânsito na região afetada. Vale ressaltar que a não comprovação de ocorrências nestes locais de altíssima vulnerabilidade, entre os anos enfocados, não significa que efetivamente nenhum episódio tenha ocorrido. Isto, pois, tratam-se de locais na periferia cuja população possui limitado acesso aos meios de comunicação, transporte e socorro, levando à consideração de que ocorrências nestas áreas potencialmente acabam por não serem noticiadas ou mesmo registradas.

Conclusões

41A sistematização proposta permitiu a integração de variáveis socioeconômicas, demográficas e aquelas referentes às tendências hidrodinâmicas do meio físico em um único índice classificável. Isto atende a uma demanda existente para meios que possibilitem a análise geográfica dos fatores que definem os riscos às inundações. Não obstante, a forma de associação dos dados para obtenção do índice permite adaptações de acordo com as características populacionais e físicas da área de aplicação. Isto é, uma vez que o espectro no qual é baseada a classificação final da vulnerabilidade socioespacial é ajustável em razão dos fatores julgados como mais relevantes, é possível extrapolação da aplicação desta mesma metodologia para outros locais.

42Como limitação deve ser destacada a necessidade de dados socioeconômicos e demográficos básicos, neste momento disponíveis apenas de forma estimativa, para observação da vulnerabilidade em um cenário atual, indispensavel à mensuração de medidas de intervenção sobre o risco. Igualmente deve-se considerar a limitação da escala de mapeamento ao semi-detalhe dada a forma de espacialização dos dados em setores censitários. Aumentando-se a escala, ao nível de quadras e lotes, seria possível uma análise ainda mais refinada quanto às ocorrências pontuais e sua relação com a morfologia antropogênica, em que se incluem obras hidráulicas e arruamentos. Por ter demonstrado correlação com os locais com ocorrências confirmadas de impactos de inundação, e por possibilitar uma listagem dos locais com maior criticidade a partir de um parâmetro unificado, julga-se a cartografia resultante como relevante ao direcionamento de atenção e esforços que visam a redução dos riscos e ações preventivas por parte de políticas públicas.

Haut de page

Bibliographie

Alcantara-Ayala, I. « Geomorphology and disaster prevention ». In: Alcantara-Ayala, I. Goudie, A. S. (Org.) Geomorphological Hazard and Disaster prevention. New York: Cambridge University Press, 2010. pp. 269-278.

Berges, B. Geomorfologia Urbana Histórica aplicada à análise das inundações na bacia hidrográfica do Córrego da Mooca – São Paulo/SP. São Paulo, 2013. Dissertação de Mestrado (Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Centro de Gerenciamento de Emergências de São Paulo - CGESP. « Eventos de alagamentos ». Disponível em: <http://www.cgesp.org/v3/alagamentos.jsp> Acesso em 08/11/2014.

Cutter, S. L., Boruff, B. J., Shirley, W. L. « Social Vulnerability to Environmental Hazards ». Social Science Quaterly, vol. 84, n. 2, p. 242-261, 2003.

D’Ercolle, R. « Les vulnérabilités des sociétés et des espaces urbanisés : concepts, typologie, modes d’analyse. » Revue de Géographie Alpine, Grenoble, n .4, p. 87-96, 1994.

Douglas, I. The Urban Environment. London: Edward Arnold, 1983.

Empresa Paulista de Planejamento – EMPLASA. « Projeto Mapeia São Paulo ». Ortofotos de recobrimento do Estado de São Paulo, escala 1:10.000. 2010.

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados– SEADE. « Índice Paulista de Vulnerabilidade Social ». São Paulo: São Paulo: Secretaria Estadual de Desenvolvimento e Planejamento Regional, 2010.

Governo do Estado de São Paulo. « Plano de manejo da APA Várzea do Rio Tietê ». Obra em 5 volumes. São Paulo: Secretaria Estadual do Meio Ambiente, 2013.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. « Resultados do censo 2010 : Aglomerados subnormais. » Disponível em : < http://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html >. Acesso em 08/07/2014.

__________________________________________. Avaliação da qualidade de dados Geoespaciais. Rio de Janeiro: IBGE, Diretoria de Geociências, Coordenação de Cartografia, coll. « Manuais Técnicos em Geociências», n. 13, 2017.

Luz, R. A. Mudanças geomorfológicas na planície fluvial do Rio Pinheiros, São Paulo (SP), ao longo do processo de urbanização. São Paulo, 2014. Tese de doutorado (Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Luz, R. A., Rodrigues, C. « Anthropogenic changes in urbanised hydromorphological systems in a humid tropical environment : River Pinheiros, Sao Paulo, Brazil ». Zeitschrift für Geomorphologie, Stuttgart, Vol. 59, Suppl. 2, p. 109-135, 2015.

Moroz – Caccia Gouveia, I. C. Da originalidade do sitio urbano de São Paulo às formas antrópicas: aplicação da abordagem da Geografia Antropogênica na Bacia Hidrográfica do Rio Tamanduateí, na Região Metropolitana de São Paulo. São Paulo, 2010. Tese de doutorado (Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Parkinson, J.; Mark, O. Urban Stormwater Management in Developing Countries. London: IWA Publishing, 2005.

Rodrigues, C. Geomorfologia aplicada: Avaliação de experiências e de instrumentos de planejamento físico-territorial e ambiental brasileiros. São Paulo, 1997. Tese de doutorado (Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

___________. On antropogeomorphology. In: Regional Conference on Geomorphology, Rio de Janeiro, 1999.

___________. « A urbanização da metrópole sob a perspectiva da geomorfologia: Tributo às leituras geográficas». In. : Carlos, A. F. A. ; Oliveira, A. U. de . (Org.) Geografias de São Paulo: Representação e crise da metrópole. Obra em 2v. São Paulo: Contexto, 2004. p. 89-115.

___________. « Avaliação do impacto humano da urbanização em sistemas hidrogeomorfológicos. Desenvolvimento e aplicação de metodologia na grande São Paulo ». Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 20, p. 111-125, 2010.

____________. « Atributos ambientais no ordenamento territorial urbano: o exemplo das planícies fluviais na metrópole de São Paulo ». GEOUSP (Online), São Paulo, v. 19, n. 2, p. 324-347, 2015.

Rodrigues, C., Moroz-Caccia Gouveia, I. C., Luz, R. A., Veneziani, Y., Santana, C. L. « Retrospective geomorphological mapping and the historical approach for evaluation of losses of hydrological functions in urbanized meandering fluvial systems of São Paulo, Brazil ». Abstracts of 2014 HEX – Hydrological Extreme Events in History and Pre-historic times. Department of Geography, University of Bonn, p. 28, 2014.

Sant’Anna Neto, J. L. « O clima urbano como construção social: da vulnerabilidade polissêmica das cidades enfermas ao sofisma utópico das cidades saudáveis ». Revista brasileira de climatologia, ano 7, vol. 8, p. 45-59, 2011.

Seabra, O. C. L. Os meandros dos rios nos meandros do poder: o processo de valorização dos rios e das várzeas do Tietê e do Pinheiros na cidade de São Paulo. São Paulo, 1987. Tese de doutorado (Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Simas, I. T. H., Rodrigues, C., Sant’Anna Neto, J. L. « Inondations dans la métropole de Sao Paulo: Analyse détaillée des évènements pluvieux ». Annales du XXVIIIe Colloque de l’Association Internationale de Climatologie, Liège, 2015.

Simas, I. T. H., Rodrigues, C. « Flood hazards analysis based on changes of hydrodynamic processes in fluvial systems of São Paulo, Brazil ». Geophysical Research Abstracts, Göttingen, vol. 18, 2016.

Veneziani, Y. A abordagem da geomorfologia antropogênica e de modelagens hidrológica e hidráulica na bacia do Córrego Três Pontes (SP) para determinação de picos de vazão e da vulnerabilidade a inundações. São Paulo, 2014. Dissertação de Mestrado (Geografia Física) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Veyret, Y. Os riscos: o homem como agressor e vitima do meio ambiente. São Paulo, Contexto, 2001.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1- Localização da Bacia Hidrográfica do Aricanduva, área de aplicação da metodologia, em destaque.
Crédits Elaboração do autor. Base cartográfica: IBGE.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29408/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 182k
Titre Foto 1 - Exemplo de ocupação consolidada sobre estrutura do vertedouro do piscinão Aricanduva I, no Iguatemi.
Crédits Foto do autor. Data: 14/10/2016.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29408/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 280k
Titre Figura 2 - Procedimentos do mapeamento da morfologia original.
Crédits Fonte: LUZ (2014).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29408/img-3.png
Fichier image/png, 37k
Titre Mapa 1 - Morfologias fluviais originais e rios da Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva.
Crédits Autoria própria
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29408/img-4.png
Fichier image/png, 615k
Titre Mapa 2 - Vulnerabilidade social na Bacia Hidrográfica do Rio Aricanduva.
Crédits Autoria própria
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29408/img-5.png
Fichier image/png, 500k
Titre Mapa 3 - Carta de Vulnerabilidade Socioespacial a inundações na bacia hidrográfica do Rio Aricanduva e localidades atingidas na temporada chuvosa 2009/2010.
Crédits Autoria própria
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29408/img-6.png
Fichier image/png, 635k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Iury Tadashi Hirota Simas et Cleide Rodrigues, « Mapeamento de vulnerabilidade socioespacial: Análise espacial integrada entre vulnerabilidade social e suscetibilidade a inundações em bacia hidrográfica urbanizada de São Paulo/SP. », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 28 mai 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/29408 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.29408

Haut de page

Auteurs

Iury Tadashi Hirota Simas

Universidade de São Paulo, iurysimas@usp.br

Cleide Rodrigues

Universidade de São Paulo, cleidrig@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals