Navigation – Plan du site

Custo da legalidade na extração madeireira no estado de Mato Grosso: implantação de manejos florestais

Cost of legality in loggin in the state of Mato Grosso: implementation of forest management
Coût de la légalité de l'exploitation forestière dans l'État du Mato Grosso: mise en œuvre de la gestion forestière
Alessandra Maria Filippin dos Passos, Wylmor Constantino Tives Dalfovo et Michele Jackeline Andressa Rosa

Résumés

La gestion forestière est une alternative à l'extraction durable des forêts. Le but de cet article est de démontrer une analyse financière pour la mise en œuvre de la gestion forestière dans l'État du Mato Grosso. Méthodologiquement, des outils financiers ont été utilisés, tels que: NPV (Net Present Value), IRR (Internal Rate of Return), PAYBACK, en plus d'une enquête sur les coûts (fixes et variables). Pour cela, une recherche de terrain et une revue bibliographique ont été réalisées, toutes deux soigneusement élaborées, impliquant des coûts liés à la mise en œuvre de la gestion forestière. Les résultats montrent que les coûts de mise en œuvre de la gestion forestière d'une superficie de 917,88 hectares dans le Mato Grosso représentent 6,95% du total des revenus tirés de la commercialisation du bois extrait, avec des coûts estimés à 1 257 R $. 974,47 et des revenus de R $ 18 091 564,41. Plus de 30 ans d'UPA à 100% (unité de production annuelle), dont la valeur annuelle était de 603 052,15 R $, ce qui a nécessité un peu plus de deux ans pour que les revenus égalent les coûts de mise en œuvre démontrant que la gestion forestière est une alternative rentable et contribue en même temps à réduire la déforestation et l'exploitation forestière illégale. Les résultats des indicateurs financiers ont montré que le TRI était de 48%, ce taux est considéré comme élevé selon la littérature économique. En ce qui concerne la VAN, compte tenu des flux de trésorerie au taux de 10%, elle s'est traduite par un montant de 4 392 413,52 R $, considéré comme positif pour l'investissement.

Haut de page

Texte intégral

1No decorrer das últimas décadas, a Amazônia vem sofrendo impactos ambientais pelo avanço da ocupação de suas áreas, especialmente em função do agronegócio e da pecuária, causando mudanças no uso da terra, resultando, assim, em aumento do desmatamento e aumento da queima de biomassa em florestas nativas e áreas de pastagem (SISENANDO et al., 2012).

2A exploração madeireira de origem ilegal, também é considerada um determinante para o aumento do desmatamento na região amazônica. Sua exploração, processamento e beneficiamento tornaram-se importantes atividades no contexto econômico, juntamente com a extração de minério e com a produção da pecuária, correspondendo a importante parcela de impacto sobre a floresta amazônica (VERÍSSIMO et al., 2006).

3O segmento madeireiro exerce um papel de grande relevância na cadeia produtiva do setor florestal e no suprimento de uma enorme rede de pequenos e grandes varejistas especializados neste âmbito, diversos produtos são ofertados, dando, assim destaque ao setor de móveis que mais gera receitas nesta área de produção. O setor madeireiro gerou cerca de 400 mil empregos (diretos e indiretos), correspondendo a 5% da população economicamente ativa da região, gerando uma receita bruta no setor de aproximadamente U$$ 2,3 bilhões (HUMMEL, 2010). No Estado de Mato Grosso, o ramo madeireiro contribuiu efetivamente para o crescimento e desenvolvimento socioeconômico do estado chegando ao nível do país. Esta atividade destaca-se por ser um segmento de grande representatividade na economia do país, na geração de renda, tributos, divisas, empregos diretos e indiretos, e atualmente de preservação do meio ambiente (BALLOU, 2002).

4No que se refere a extração legal, a madeira é considerada um produto nobre e renovável, sendo que sua extração é responsável por promover a sustentabilidade através do bom planejamento do manejo das florestas. O setor de base florestal extraiu aproximadamente 13 milhões de m³ de toras das florestas brasileiras, alimentando o setor de processamento da madeira para gerar aproximadamente R$ 8 bilhões em receitas anuais (JUVENAL e MATOS, 2002).

5Dada a representatividade do setor, todo o potencial produtivo da exploração madeireira vem sendo ameaçado principalmente pelas atividades ilegais que levam ao desmatamento de origem ilegal. Segundo Dieter (2009), o desmatamento está nivelado com a extração madeireira ilegal, sendo essa considerada atrativa devido aos seus custos reduzidos e elevada rentabilidade, o que abre espaço para uma associação com a corrupção. Este tipo de atividade é incompatível com a exploração bem-planejada e sustentável, principalmente com aquela implantada via manejos florestais, uma vez que a extração ilegal induz perdas de receitas do governo e deterioração ascendente de valores ambientais.

6Diante deste aspecto, leva-se em conta que a implantação de planos de manejos florestais como forma legalizada de extração contribui de forma positiva para a proteção dos recursos florestais, abrindo, dessa forma, espaço para a exploração sustentável. Segundo dados do SIMLAN (2018), houve no Estado de Mato Grosso no período de 2000 a 2014 um total de 2.174 manejos florestais implantados, o que reforçou, deste modo, o compromisso do estado com a legalização da extração florestal.

7Em vista disso, o monitoramento da ilegalidade é necessário para apontar a existência da atividade não legalizada na extração de madeira em nível de estado absorvendo suas causas e seus impactos, servindo como apoio e fortalecimento do setor florestal legal, tendendo a seu desenvolvimento e transparência nas práticas de manejo (SILGUEIRO et al, 2013).

8De acordo com o potencial produtivo do estado de Mato Grosso que faz parte da Amazônia Legal e apresenta área considerável de floresta em pé, propício à aplicação de políticas que visem às atividades sustentáveis, o setor de base florestal é importante tanto em escala estadual, quanto nacional. Mato Grosso é um dos estados centrais em relação ao fornecimento de madeira nativa, pois em 2017 movimentou mais de 1,5 milhão de reais, em que as áreas de manejos florestais autorizados somaram cerca de 3 milhões de hectares e mais de 5 milhões de produção madeireira em m³ (CIPEM; PCI, 2018).

9Em relação aos potenciais para exploração legal madeireira em Mato Grosso através dos manejos florestais, são práticas que se evidenciam como uma das principais formas de exploração madeireira que leva em consideração os limites das florestas e visa o desenvolvimento socioeconômico da região.

10Haja visto que a extração ilegal é um dos grandes problemas nos estados da Amazônia brasileira e não obstante no estado de Mato Grosso, havendo possibilidades legais de extração via manejos florestais. Neste sentido, este artigo objetiva levantar o custo da legalização da exploração madeireira no Estado de Mato Grosso com a implantação de manejos florestais sustentáveis priorizando a extração legalizada, visando, desta forma, reduzir o desmatamento ilegal. Este artigo divide-se em tópicos contendo introdução, fundamentação teórica, metodologia, resultados, considerações finais, além das referências bibliográficas.

O contexto do desmatamento no estado de mato grosso

11Os elevados níveis de desmatamento na Amazônia são fatores preocupantes em âmbito internacional. O Brasil possui desafios peculiares para a implantação de manejos florestais, devido as suas florestas estarem em terras onde há grande pressão para a expansão agrícola (VIANA, 2002). Historicamente, o desmatamento vem sendo contínuo desde o início do processo de colonização da região amazônica. Este agravou-se a partir da indução do estado pela ocupação do chamado vazio demográfico através dos programas de inserção, abertura de estradas, incentivos a infraestrutura e projetos de colonização (DINIZ, 2009).

12Um aspecto importante relacionado ao desmatamento é a implantação de atividades produtivas. De forma específica, a implantação da pecuária e os ganhos relacionados a essa atividade, além das vantagens concedidas, tais como os incentivos fiscais e especulação fundiária contribuíram para acentuar os índices de desmatamento. Outro fator associado ao desmatamento é a valorização espontânea do território movida pela maximização dos resultados com a exploração dos recursos naturais, levando o desmatamento nos últimos trinta anos a ser gradativo, não só no que se refere ao aceleramento das áreas desmatadas e degradadas como também no número de propriedades (DINIZ, 2009).

13Outro aspecto refere-se à melhoria da infraestrutura de transporte, principalmente com os incentivos gerados pelo Governo Federal para consolidar a colonização e o desenvolvimento da região amazônica, facilitando o desenvolvimento das atividades econômicas de forma mais intensivas, destacando-se os projetos dirigidos a agricultura, a pecuária e a extração de madeira extensiva (KIRBY, et al, 2006).

14Com o aumento do desmatamento em cerca de 300 mil quilômetros quadrados em 1980, para 430 mil quilômetros quadrados em 1990, os setores desenvolveram-se, sendo que em 80% das áreas desmatadas há o predomínio da criação bovina no sistema de pastagem extensivo e a exploração da madeira por parte do setor madeireiro, ambos considerados como determinantes para a degradação ambiental na região amazônica (LEMOS & SILVA, 2011).

15Nesse sentido, a figura 1 demonstra em uma série histórica do período de 2000-2017 do desmatamento anual no estado de Mato Grosso, sendo o ano de 2004 o mais relevante.

Figura 1- Indicadores de desmatamento no Estado de Mato Grosso no período de 2000-2018.

Figura 1- Indicadores de desmatamento no Estado de Mato Grosso no período de 2000-2018.

Elaborado pelos autores através de dados do PRODES/INPE (2017)

16Mesmo apresentando uma tendência de queda em relação ao desmatamento, nota-se ainda indicadores relevantes sobre as áreas desmatadas no estado. No acumulado desses 18 anos, o desmatamento em Mato Grosso foi de 74.008 km² (INPE, 2018). Ainda segundo dados levantados pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite – PRODES, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE, o estado de Mato Grosso foi responsável por 20% de todo o desmatamento identificado na Amazônia Legal (ICV, 2017).

17Para o ICV (2017), os municípios localizados na região Noroeste do estado apresentaram 33% dos totais desmatados, dentre estes, destaca-se o município de Colniza o mais representativo quanto ao desmatamento com cerca de 41%. Conforme tabela abaixo.

Tabela 1 – Desmatamento em km² em 11 municípios de Mato Grosso em 2017.

Município

Área em km²

Colniza

174,7

Aripuanã

92

Nova Maringá

49

Nova Bandeirantes

48,9

Gaúcha do Norte

48,2

Marcelândia

47,7

União do Sul

45,9

Cotriguaçu

45,2

Nova Ubiratã

43,5

Paranaíta

40,9

Feliz Natal

40,6

Elaborado pelos autores através de dados do ICV, (2017).

18Assim, para efeito de visualização das áreas na qual estão distribuídas espacialmente os índices de desmatamento, a figura 2 destaca os municípios na região Noroeste e Leste do Estado de Mato Grosso que mais contribuíram entre os anos de 2016 e 2017 no que se refere ao desmatamento.

Figura 2- Distribuição do desmatamento por município em km² de agosto de 2016 a julho de 2017 (dados do Prodes/Inpe).

Figura 2- Distribuição do desmatamento por município em km² de agosto de 2016 a julho de 2017 (dados do Prodes/Inpe).

ICV, (2017)

19Neste aspecto, os índices de desmatamento difundidos no estado estão relacionados aos índices de ilegalidade na exploração madeireira, de forma que o comércio, o transporte e a exploração estão envolvidos a fraudes e a crimes ambientais que vem contribuindo com conflitos econômicos e sociais na região. A ilegalidade do setor madeireiro, além de estar envolta ao desmatamento, dificulta a exploração sustentável através dos manejos florestais, por ser mais atrativa, prejudicando as boas práticas sustentáveis. Desta forma, o próximo tópico abordará as questões referentes a extração ilegal no Estado de Mato Grosso.

A extração ilegal madeireira em Mato Grosso

20A exploração da madeira de cunho ilegal inclui todos os processos relacionados desde a colheita, o transporte, até o comércio da madeira. Um vínculo com a ilegalidade é quando os direitos de utilização são concebidos de forma fraudulenta através de processos corruptos, por exemplo, quando a extração é feita sem autorização governamental ou em áreas protegidas. As práticas ilegais também ocorrem no processo de transporte e processamento da madeira, onde a transformação da madeira viola leis, partindo da falsificação de documentos, bem como, da inadimplência com impostos e tributos. (HIRSCHBERGER, 2007).

21As discussões internacionais para os déficits em certificações em relação a extração madeireira, foram pautadas por meio de controle estatal aprimorado. Este conceito promoveu a expansão de novas iniciativas legais, as quais se fazem primordialmente visando a asseguração e verificação do cumprimento das leis referentes a extração legal, implantando iniciativas relacionadas ao comércio com vistas às práticas legais e certificações de origem dos produtos comercializados internacionalmente (STONE, 2012).

22As florestas vêm sendo ameaçadas principalmente pelas ações exploratórias antrópicas. O comportamento ilegal, em relação a extração florestal madeireira, envolve problemas como lavagem de dinheiro e atos de violência, assim sendo, a concentração de renda permanece apenas com alguns indivíduos e denigre a imagem do setor florestal em muitos países. Segundo dados do The World Bank (2002), globalmente a perda em relação a atividade ilegal no setor madeireiro foi estimada em US $ 10 a 15 bilhões por ano. No que se refere as ações do governo brasileiro em coibir tal fato, essas atuações têm sido realizadas lentamente contra a exploração da madeira ilegal, nas quais a ilegalidade, a corrupção e a fraude permanecem amplas no setor florestal. Isso deve-se a coordenação ineficientes, recursos limitados e falta de incentivos a exploração legal (WELLESLEY, 2014).

23As empresas madeireiras que atuam legalmente acabam sendo prejudicadas com a concorrência desleal em relação as ilegais. Com as elevadas exigências impostas pelo mercado interno e de exportação referente à garantia de legalidade, a produção de madeira nativa está perdendo espaço para a madeira oriunda de reflorestamentos comerciais e para outras fontes de matérias alternativas, tais como o ferro e o alumínio. Deste modo, o monitoramento da ilegalidade é necessário para apontar a existência da extração fraudulenta de madeira nos estados da Amazônia, suas causas e seus impactos, servindo como apoio e fortalecimento do setor florestal legal de forma a desenvolve-lo (SILGUEIRO et al, 2015).

24O Estado de Mato Grosso possui elevada representação em relação a produção de madeira tropical amazônica. No ano de 2009, produziu aproximadamente 1,8 milhões de m³ de madeira em toras, gerando 12.217 empregos diretos na indústria madeireira e 6.407 em áreas de extração no estado (PEREIRA et al., 2010). Porém, essa representatividade do setor está ligada a atividade ilegal. Segundo mapeamentos realizados pelo ICV para o período entre agosto de 2011 a julho de 2012, a ilegalidade na exploração florestal no período foi de 46%, aumentando 31% no mesmo período para os anos de 2012/2013.

Figura 3- Exploração florestal legal e ilegal no Estado de Mato Grosso 2012/2013

Figura 3- Exploração florestal legal e ilegal no Estado de Mato Grosso 2012/2013

ICV (2015).

25Em relação a ilegalidade nos municípios mato-grossenses, foram dez municípios que exploraram áreas ilegalmente, representando 74% do total de exploração ilegal, conforme demonstrado na figura 4. O ICV também realizou o mapeamento das extrações legais e ilegais no período 2014 até 2016, sendo que 59% da área de exploração madeireira teve origem legal e 41% foi de origem ilegal. Se tratando da ilegalidade, a análise no período demonstrou uma redução comparando-se ao período de 2012/2013, pois neste período o total de extração ilegal chegou a 45%.

26Um dos fatores relevantes em relação a exploração madeireira é que os produtores que agem de acordo com a legalidade na produção, processamento, transporte e comercialização de madeira não estão encontrando mercado para o seu produto devido à discrepância de preços em relação a madeira extraída de forma ilegal. A produção ilegal sonega vários produtos e possui custos reduzidos por não adequarem às técnicas de manejo e operação (RICK, 2013).

27Nesse sentido, evidencia-se a importância das questões que norteiam a legalidade na extração madeireira é representativa como atividade econômica na exploração florestal, principalmente relacionadas aos manejos florestais, inseridos no Código Florestal e pautados em políticas ambientais que fomentam tais práticas.

Os manejos florestais sustentáveis

28Segundo o Ministério do Meio Ambiente (2016), o manejo florestal sustentável é a administração da floresta visando obter benefícios econômicos, sociais e ambientais, levando em consideração as limitações dos ecossistemas, ou seja, manejar determinadas áreas e extrair as espécies contidas de forma consciente, agindo de acordo com as ordenações de um manejo, pensando no futuro da área e das espécies que ainda não estão aptas a serem extraídas. Dentre os objetivos de um manejo florestal pensar em reduzir os níveis de extração ilegal, bem como, apontar como estratégia a redução de queimadas, direcionando os processos de substituição da agropecuária e a intensificação da produção, reduzindo as taxas de conversão e eliminar o uso do fogo como instrumento para o manejo dos pastos (VIERGEVER E THIEL, 2006).

29A importância dos manejos florestais é evidenciada ao buscar o desenvolvimento sustentável, incluindo maiores investimentos em pesquisas, em estudos de melhorias e progressos relacionados aos aspectos econômicos, sociais e ambientais de exploração. Logo, partindo do ponto de vista econômico à Amazônia brasileira tem papel fundamental na produção de artefatos de madeira, sendo destinados à exportação e ao consumo no mercado interno, agregando valor aos produtos regionais. Assim, gerando desenvolvimento social, econômico e melhoria nas condições de vida para a população residente na região. Levando em consideração que uma exploração baseada nos conceitos de sustentabilidade admitirá melhor aproveitamento dos recursos madeireiros em curto e longo prazo registrando de fato as árvores que são aptas a serem retiradas, amplia-se assim a utilização da biodiversidade sem afetá-la negativamente (GARRIDO FILHA, 2002).

30Entretanto, analisando que os manejos são economicamente viáveis, há muitas barreiras para a implantação, principalmente na região amazônica, como: a difusão incipiente das técnicas de manejo aos usuários da floresta, maiores lucros rentáveis da agropecuária em curto prazo comparado com as práticas de manejo, a falta de comando e a fiscalização na exploração de madeira não manejada tornando, assim, a prática ilegal lucrativa em curto prazo. Outro aspecto é dado pela periculosidade nas disputas de posse de terras florestais. Para superar esses empecilhos há necessidade de uma política florestal que inclua planejamento da ocupação de terras públicas na Amazônia, com controle eficiente da exploração madeireira, incentivos econômicos na prática de manejo e extensão florestal (BARRETO et al., 1998).

31Observando que a prática de manejo é viável economicamente, com o objetivo de preservar e extrair de forma adequada os recursos florestais, programas concretos de manejos vêm sendo implantados em várias partes do mundo, assim, dando espaço para a exploração sustentável. Essas políticas são promovidas por algumas organizações tanto nacionais quanto internacionais, governamentais e não-governamentais, associações, algumas comunidades e por empresas privadas, buscando desenvolvimento sustentável. Em uma visão mais direta de manejo florestal, como política de médio e longo prazo, há a necessidade de que o desenvolvimento setorial se apoie na orientação e coordenação de metas atinentes ao manejo de uso das florestas nativas e plantadas (COUTO e ALVES, 2003).

32Para as práticas de manejo serem de fato autorizadas, as concessões florestais são de extrema importância, uma vez que sua função é de aprovar o manejo para a exploração de produtos a partir da floresta, sendo estes madeireiros ou não. Essa licitação deliberará o concessionário com base em melhores preços, menor impacto ao meio ambiente, maior benefício socioeconômico, maior eficiência e agregação de valor para a região. Essas concessões preparam os mecanismos de atualização de preços dos produtos e serviços explorados da floresta, as quais apresentam prazos que podem chegar até 40 anos, dependendo do manejo implantado (AZEVEDO e TOCANTINS, 2006).

33Os manejos florestais são considerados uma das principais formas de combate a extração ilegal de madeira e exploração sustentável dos recursos florestais, deste modo, há a necessidade de conhecer o processo e analisar os custos envoltos na implantação de um plano de manejo florestal no Estado de Mato Grosso. Referente a tal fato, foi realizada uma análise de custos da exploração legal a partir da implantação de um plano de manejo florestal e rentabilidade, foram selecionadas as variáveis contidas em cada fase de exploração de um manejo com base na literatura segundo os autores Barreto (1998), Bishoff (2013), Garrido Filha (2002).

Metodologia

34A metodologia empregada na pesquisa foi uma análise financeira de viabilidade econômica, em um plano de manejo florestal sustentável implantado no município de Nova Canaã do Norte -MT. Independente da região e/ou município, os procedimentos para a implantação dos planos de manejos florestais são padronizados e seguem as normas estabelecidas pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Estado de Mato Grosso –SEMA.

35Dada a problemática da ilegalidade no setor madeireiro, a região Noroeste do Estado de Mato Grosso apresenta as maiores concentrações referente a exploração ilegal e aos índices de desmatamento. A região é caracterizada por possuir difícil acesso em relação ao monitoramento e ações por parte de órgãos fiscalizadores.

36Para analisar a viabilidade na implantação de um plano de manejo florestal sustentável em Mato Grosso, foram utilizadas ferramentas de análise financeira e realizado um levantamento de todos os custos para a implantação do plano de manejo na área determinada. Foram selecionadas variáveis como custos salariais e encargos trabalhistas, custos das atividades pré-exploratórias, custos das atividades exploratórias, custos de elaboração do plano de manejo, custos do censo florestal e a demonstração das espécies exploradas. Desta forma, a figura 7 demonstra a delimitação da área total, manejada e aprovada para a constituição do plano de manejo florestal.

Figura 4- Localização da área aprovada de um plano de manejo

Figura 4- Localização da área aprovada de um plano de manejo

SEMA-MT (2016).

37A figura demonstra o inventário das árvores em um plano de área que estão aptas ao corte, árvores que portam sementes, árvores proibidas ao corte e árvores remanescentes, conforme estabelecido na legenda.

Figura 5 - Identificação das árvores localizadas na área do plano de manejo

Figura 5 - Identificação das árvores localizadas na área do plano de manejo

SEMA-MT (2016).

38As árvores que podem ser manejadas são aquelas que possuem DAP (Diâmetro da altura do peito) superior a 30 cm e que não estejam localizadas nas áreas de preservação permanente, conforme apresentado, são aquelas que ainda não estão prontas para o abate, estas serão deixadas para um próximo ciclo de corte. Outro ponto importante é o direcionamento na derrubada da árvore, para facilitar o arraste e evitar danos as outras árvores. Quando as copas das árvores são bem distribuídas é possível direcionar o corte das que serão extraídas sem prejudicar as demais, facilitando a retirada das árvores por arraste.

39Após a verificação do inventário florestal, o próximo passo é a identificação do custo, do gerenciamento e do manejo, ou seja, desde sua concepção até a extração das espécies. No que se refere a área, as tabelas 2 a 7 demonstram o detalhamento de todos os custos de implantação para o plano de manejo florestal mencionado anteriormente.

Indicadores de viabilidade econômica

40Para análise dos dados foram utilizados os métodos de análise de investimentos para calcular a viabilidade econômica do plano de manejo considerando o total de 30 anos de exploração. Para efeito, foram utilizadas as observações e métodos desenvolvidos por Bischoff (2013):

Payback

41É tempo necessário para que as entradas de caixa do projeto se igualem ao valor investido. O critério do Payback determina que se o prazo de recuperação do projeto for inferior ao prazo máximo estabelecido, o projeto deverá ser aceito, caso contrário, o projeto deverá ser rejeitado. O Payback é representado pela seguinte fórmula:

42O valor negativo no período 0 representa o capital investido no início do projeto e os demais valores positivos representam o retorno líquido no final de cada ano.

Valor presente líquido - VPL

43O valor presente líquido é o que leva em conta o valor do dinheiro no tempo. É necessário se definir uma taxa de desconto, que deverá refletir o custo de oportunidade do projeto. Dado pela fórmula:

44O critério adotado do método VPL (Valor Presente Líquido) estabelece que se o VPL encontrado for maior que zero (VPL>0), o projeto é aceito, pois isso significa que todo o capital investido será recuperado, acrescido da remuneração pela taxa mínima de atratividade definida gerando um lucro extra. Se o VPL for menor que zero (VPL<0), o projeto é inviável, e gerará um prejuízo. O VPL se torna indiferente quando for igual a zero, (VPL=0).

Taxa interna de retorno - TIR

45A taxa interna de retorno é a taxa “i” se iguala as entradas de caixa ao valor a ser investido em um projeto). A taxa interna de retorno representa o valor do custo de capital que torna o VPL nulo, sendo uma taxa que remunera o valor investido no projeto. Para ser aceita, esta deve ser superior ao custo de capital. Sendo representada pela fórmula:

46Na seção a seguir apresenta resultados e discussões da pesquisa, da viabilidade da implantação de um plano de manejo florestal em Mato Grosso.

Resultados e discussão

47Nessa sessão serão apresentados os resultados e discussões da pesquisa, mostrando a custo da legalidade da exploração florestal sustentável através de um plano de um plano de manejo florestal em Mato Grosso.

Viabilidade econômica da implantação de um plano de manejo florestal em Mato Grosso

48Os manejos florestais são tidos como uma das principais formas de exploração legal de madeira, levando em consideração benefícios econômicos, sociais e ambientais (CARVALHO et al., 2014). Os principais objetivos do manejo florestal, além de reduzirem os níveis de extração ilegal, atuam como estratégia para a redução das queimadas, o direcionamento dos processos de substituição da agropecuária e a intensificação da produção nas áreas já desmatadas e disponíveis para esse fim, reduzindo as taxas de conversão e eliminação do uso do fogo como instrumento para o manejo dos pastos (THIEL & VIERGEVER, 2006).

49Diante dos benefícios oriundos da implantação dos manejos florestais, principalmente em Mato Grosso, estado que ainda possui boa parte de seu território com áreas aptas a serem manejadas. Foi selecionada uma área de um plano de manejo florestal implantado contemplando a realidade da região Noroeste do Estado de Mato Grosso. A área total delimitada para a implantação do plano manejo foi de 2.157,56 hectares, com área aprovada de exploração de 917,88 hectares (área manejada), excluindo as áreas de preservação permanente.

50Assim, na Tabela 2, calcularam-se os valores mensais e anuais dos salários dos trabalhadores, seus encargos trabalhistas, e o salário do engenheiro florestal responsável pelo manejo que foi cotado em R$ 200,00 por hectare, obtendo assim um valor total de R$ 183.576,00.

Tabela 2- Custos salariais e encargos na implantação de um manejo florestal no Estado de Mato Grosso.

Salários

Valor mensal

Valor anual

Engenheiro Florestal

200,00/há

183.576,00

Funcionários Mensais (Abertura de Picadas)

1.800,00

5.400,00

Funcionários Mensais (Censo Florestal)

3.745,00

11.235,00

Funcionário Encarregado

3.160,00

9.480,00

Funcionários Mensais (Ajudante Geral)

Cozinheira

1.140,00

13.680,00

Auxiliar de cozinha

880,00

10.560,00

Ajudante de abertura de trilhas

3.250,00

39.000,00

Subtotal

203.871,00

272.931,00

Encargos Trabalhistas

Valor mensal

Valor anual

PIS-1,65 %

1.274,00

1.274,00

COFINS-7,6%

5.880,00

5.880,00

IR- 27,5 %

2.940,00

2.940,00

CSLL- 9%

1.960,00

1.960,00

ISS

1.960,00

1.960,00

FGTS- 8%

882,96

882,96

INSS- 9%

382,37

382,37

BC Impostos

4.255,38

4.255,38

IRPJ- 27,5%

6.644,25

6.644,25

CSOC-

3.785,20

3.785,20

GPS-BC-

1.706,24

1.706,24

ISS sob 002

5.880,00

5.880,00

Subtotal

37.550,40

37.550,40

TOTAL

241.421,40

310.481,40

Fonte: Elaborado pelos autores, (2016).

51Todos os trabalhadores foram remunerados pelo tempo exercido de trabalho. Os funcionários mensais utilizados na abertura de picadas, trabalharam 3 meses, totalizando um valor de R$ 5.400,00. Os responsáveis pelo censo florestal receberam R$ 11.235,00 e o funcionário encarregado pelo manejo florestal obteve um total de R$ 9.480,00.

52O custo com o salário do engenheiro florestal é destacado como o mais expressivo, quando comparado com os outros custos salariais, sendo que este custa 67,25% do total orçado dos custos salariais.

Tabela 3- Custos das atividades pré-exploratórias de um manejo florestal no Estado de Mato Grosso.

Atividades pré-exploratória

Valor mensal

Valor total/ anual

Taxas do IBAMA3 (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis)

-

8.524,00

Corte de Cipós4

202,51

185.873,88

Taxa de Acompanhamento5

704,18

2.112,54

TOTAL

196.510,42

Elaborado pelos autores, (2016).

53Observa-se na Tabela 3 os custos da fase pré-exploratória do manejo, ou seja, as taxas de vistorias cobradas pelo IBAMA que totalizaram R$ 8.524,58, e as taxas relacionadas ao corte de cipós com valor de R$ 202,51 por hectare, gerando em 917,88 hectares o valor de R$ 185.873,88. A taxa de acompanhamento foi cobrada mensalmente perfazendo R$ 2.112,54. Assim, as taxas do IBAMA e a taxa de acompanhamento representam 4,39% e 1%, respectivamente.

Tabela 4- Custos Exploratórios na implantação de um manejo florestal no Estado de Mato Grosso

Custos Exploratórios

Valor por hectare

Valor total

Manutenção de estradas principais

7,87

7.223,72

Estradas secundárias

1,53

1.407,36

Valor da abertura de estradas

32,76

30.069,75

Abertura de picadas

40,26

36.898,78

Manutenção dos Pátios

1,49

1.367,64

Manutenção da Sede

-

28.500,00

Manutenção dos veículos

-

26.989,20

Deslocamentos

2,96

2.716,92

Esplanadas6

9,21

8.453,67

Arraste

42,19

38.725,36

Derrubada

14,07

12.914,57

Combustíveis

-

32.698,44

Alimentação

-

30.000,00

Plaquetas e materiais

-

4.732,62

TOTAL: 262.698,03

Fonte: Elaborado pelos autores, (2016).

54Os custos exploratórios do manejo foram divididos em: manutenção de estradas principais e secundárias, abertura de estradas, de picadas, pátios, deslocamentos, explanadas, além do arraste e derrubada das árvores. Os custos com combustíveis, alimentação, materiais, manutenção da sede e manutenção dos veículos foram de R$ 262.698,03 conforme Tabela 4.

55Dentre os custos destacados, a fase do arraste das árvores extraídas é considerada a mais dispendiosa, representando 14,74% em relação ao total dos custos exploratórios. Os custos com combustíveis também são significativos devido o transporte dos produtos explorados, representando 12,48%. A abertura de estradas e picadas representam um total de 11,45% e 14% em referência ao custo total das operações exploratórias.

Tabela 5- Custos de Elaboração do plano de manejo Florestal no Estado de Mato Grosso.

Elaboração do plano de manejo Florestal

Valor por hectare

Valor total

Confecção de Mapas7

220,00

201.933,60

Inventário Amostral8

75,00

68.841,00

TOTAL 270.774,60

Elaborado pelos autores, (2016).

56A Tabela 5 mostra que os custos de elaboração do plano de manejo Florestal foram divididos na etapa de confecção de mapas e inventário amostral, sendo de R$ 220,00 e R$ 75,00, respectivamente, por hectare. Logo, multiplicado pela área total a ser manejada de 917,88 hectares, os custos para estas fases foram de R$ 270.774,60. A confecção dos mapas representou 75% relacionado ao total de elaboração do plano de manejo florestal, já o inventário amostral que estima as espécies florestais, representou com relação ao custo total de elaboração do Plano de Manejo 25%.

Tabela 6- Custo do Censo Florestal de um manejo florestal no Estado de Mato Grosso.

Censo Florestal

Valor por hectare

Valor total

Demarcação das Unidades de Trabalho (picadas)

13,41

12.308,77

Abertura de picadas

106,15

97.432,96

Mensuração, avaliação e mapeamento das picadas9

117,41

107.768,29

TOTAL 217.510,02

Elaborado pelos autores, (2016).

57A Tabela 6 mostra que as fases do Censo Florestal também foram calculadas por hectare, sendo a demarcação das unidades de trabalho R$13,41; a abertura de picadas R$ 106,15 e a mensuração, avaliação e mapeamento por R$ 117,41, estes foram multiplicados pela área a ser manejada, totalizando os custos para essas fases de R$ 217.510,02.

58Os custos da fase de avaliação de mapeamento representaram 49% relacionados com o valor total dos custos do Censo Florestal. A fase de demarcação das unidades de trabalho representou apenas 5% relacionada aos custos totais do Censo Florestal. Desta maneira, somando todos os valores relacionados com as fases do manejo florestal, o valor total foi de R$1.257.947,47.

59A partir dos custos de todas as fases para implantação de um manejo florestal, a seguir são apresentadas as espécies existentes nesse manejo por hectare e metros cúbicos, contando o primeiro ano da UPA 100%, as espécies estimadas são as que estarão aptas para serem exploradas ao longo de 30 anos. A tabela 7 apresenta as receitas provenientes da área de 917.88 hectares, que foi manejada contendo cada uma das espécies extraídas do manejo florestal.

Tabela 7- Espécies exploradas, preço de venda e valor total a partir da extração

Nome Científico

Nome Popular

Total em hectares

Preço em R$

Valor total em R$

Tabebuia serratifolia (Valh) Nichols.

Ipê

0,5559

494,2417

1.720,00

850.095,72

Stercullia speciosa

Mandiocão

0,0894

79,5338

725,00

57.662,00

Cabralea canjenara (Vell.) Mart. Subsp. Canjenara

Cajarana

0,1014

90,2084

725,00

65.401,09

Qualea albiflora

Cambará

8,2673

7350,3598

725,00

5.329.010,86

Couma macrocarpa

Leiteiro

0,1163

103,4507

844,00

87.312,3908

Simarouba amara

Marupá

0,9748

866,742

844,00

731.530,248

Jacaranda copaia

Caroba

0,2019

179,5261

725,00

130.156,423

Brosimum angustofolium Ducke

Inharé

0,3349

297,7856

725,00

215.894,56

Hymenolobium heterocarpum Ducke

Angelim-Pedra

1,4871

1322,206

960,00

1.269.317,76

Hymenaea courbaril L.

Jatobá

0,6996

622,0354

1270,00

789.984,958

Bombax pentaphyllum

Paineira

0,1349

120,0132

725,00

87.009,57

Micropholis venulosa

Catanudo

0,0964

85,7615

725,00

62.177,0875

Dialium guianense (Aubl) Sandwith

Roxinho

0,1998

177,7239

844,00

149.998,972

Alexa grandiflora Ducke

Melancieira

0,5753

511,4916

725,00

370.831,41

Parkia pendula (Willd.) Benth. ex Walp.

Angelim-saia

0,2165

192,4948

725,00

139.558,73

Aspidosperma album (Vahl) R. Benoist ex Pichon

Peróba-d’água

0,1214

108,013

844,00

91.162,972

Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth.

Sucupira-amarela

0,3922

348,6994

960,00

334.751,424

Scizolobium excelsum Vogel

Pinho-cuiabano

1,9223

1709,134

725,00

1.239.122,15

Apuleia moralis

Garapeira

0,9515

845,9964

960,00

812.156,544

Dipteryx odorata

Champanhe

0,3136

278,8586

1270,00

354.150,422

Vochysia quianensis

Cambará Rosa

0,3621

321,9766

1100,00

354.174,26

Mezilaurus itauba

Itaúba

0,2033

180,7654

1270,00

229.572,058

Trattinnckia burseraefolia (Mart.) Willd.

Amescla

1,3794

1226,4832

825,00

1.011.848,64

Erisma uncinatum

Cedrinho

1,2828

1140,5502

725,00

826.898,895

Anacardium giganteum Hanck ex Engl.

Cajueiro

0,3336

296,6342

725,00

215.059,795

Enterolobium contortisilliquum (Vell.) Morong

Tamboril

0,7207

640,7922

725,00

464.574,345

Protium heptaphyllum

Mescla aroeira

0,5052

449,2249

725,00

325.688,053

Ocotea spixiana (Nees) Mez

Canelão

0,0849

75,5178

725,00

54.750,405

Sclerolobium paniculatum Vogel

Tachi

1,4717

1308,4729

725,00

948.642,853

Cedrelinga catenaeformis Ducke

Cedro-amazonense

0,4743

421,6978

725,00

305.730,905

Aspidosperma polyneuron Mull. Arg.

Peróba-rosa

0,2194

195,1447

960,00

187.338,912

TOTAL DA RECEITA 18.091.564,41

Elaborado pelos autores, (2016).

60A tabela 7 foi elaborada de acordo com as espécies contidas no manejo (hectare e m3), sendo que o preço de pauta é dado pela SEMA-MT (Secretaria de Estado de Meio Ambiente) para a comercialização de cada espécie e a partir de então o valor total da receita obtida pelas espécies comercializadas. Para o tempo de retorno no que se refere as receitas partindo do investimento necessário para o manejo, calculou-se o Payback simples do investimento inicial: PB= Investimento Inicial/ Ganho no período; PB= 1.257.947,47/603.052,15= 2,08.

61Constatou-se que foram necessários pouco mais de dois anos para que as receitas se igualassem aos custos. A Taxa Interna de Retorno (TIR) é a taxa utilizada para igualar o valor de um investimento com os seus possíveis valores futuros, resultando em 48%, este valor é considerado uma taxa elevada levando em conta os investimentos no manejo florestal.

62O Valor Presente Líquido (VPL) se dá pela diferença entre o valor das entradas dos fluxos de caixa do projeto e o investimento inicial. Considerando o desconto dos fluxos de caixa a uma taxa de 10%, obteve-se um valor de R$ 4.392.413,52, quantia esta positiva ao investimento realizado. Observa-se que a receita foi de R$ 18.091.564,41 ao longo de 30 anos de exploração do manejo devendo obter uma receita anual de R$ 603.052,15, sendo que seriam necessários aproximadamente 2 anos para o equilíbrio de investimento, assim, demonstra-se ser viável do ponto de vista econômico e ambiental a implantação do manejo florestal.

63Quais as diferenças entre custos e receitas a partir da extração considerada ilegal? Foi elaborado dois cenários em que o extrator ilegal foi autuado e outro em que ele não recebeu nenhuma autuação. Tendo em vista sua autuação por parte do IBAMA/PF, o valor da autuação é aplicado conforme o decreto 6.514/2008 do Ministério do Meio Ambiente - MMA por parte dos órgãos de comando e controle (IBAMA). O valor estabelecido para a autuação é conforme a gravidade da extração/danos, tendo valores fixados entre R$ 5.000,00 e R$ 50.000.000,00, sendo que estes valores são posteriormente, corrigidos por indicadores financeiros de acordo com a legislação brasileira. Os valores mencionados referem-se à aplicação de uma autuação simples e não impedem a aplicação cumulativa de outras sanções, que resultou em R$ 4.589.400,00, de acordo com a área analisada.

Tabela 8- Os custos para extração de madeira ilegal no Estado de Mato Grosso

Custos com infraestrutura

Valor/há

Valor Total

Abertura de Estradas

32,76

30.069,75

Derrubada

14,07

12.914,57

Arraste

42,19

38.725,36

Deslocamento

2,96

2.716,92

Combustíveis

-

12.000,00

Alimentação

-

30.000,00

TOTAL PARCIAL

126.426,60

Autuação pelo desmatamento e extração ilegal

5.000,00

4.589.400,00

TOTAL 4.715.826,60

Elaborado pelos autores, (2016).

64Considerando o cenário em que o extrator não fosse autuado, o custo da atividade de extração ilegal seria de R$ 126.426,60, valor estimado a partir dos custos operacionais da extração da madeira retirada ilegalmente, conforme a tabela 8. Em termos comparativos, o valor destacado corresponde a 10.05 % em relação aos custos legais da extração, demonstrando que a atividade ilegal é mais atrativa, não havendo preocupação por parte dos extratores em relação aos riscos ambientais e as autuações.

Considerações finais

65Conforme demonstrado no estudo, a extração de madeira ilegal é ainda um grave problema socioambiental a ser resolvido. Entretanto, como forma de auxiliar no controle e combate deste meio, a implantação de planos de manejos florestais é evidenciada como meio forma legal de exploração das florestas no território brasileiro, não sendo diferente para o estado. Mato Grosso, apresentou historicamente elevadas taxas de desmatamento, contudo, com esforços em relação a implantação de políticas de comando e controle, procura, desse modo, reduzir os níveis de desmatamento e de extração ilegal no qual insere-se os planos de manejos florestais, tornando mais eficiente o controle por parte dos órgãos fiscalizadores.

66Com este estudo, alcançou-se o objetivo geral, constatando que o custo para a implantação de um plano de manejo florestal visado em reduzir a extração madeireira ilegal no Estado de Mato Grosso foi de R$ 1.257.947,47, sendo que os custos com salários e encargos trabalhistas foram considerados mais onerosos, resultando em R$ 310.481,40.

67Logo, levando em conta as espécies extraídas em hectares/m3, condicionadas com os preços de venda conforme a pauta de preços estabelecida pela SEMA-MT, de acordo com cada espécie madeireira, o valor da receita gerada com a extração manejada em 917,88 hectares seria de R$ 18.091.564,41. Considerando 30 anos de extração, o valor anual gerado da receita seria de R$ 603.052,15, sendo, portanto, necessários pouco mais de 2 anos para se apresentar um equilíbrio entre custos e receitas.

68Se tratando da análise de investimentos realizada no estudo obteve-se o resultado de que foram necessários pouco mais de dois anos para que as receitas se igualassem aos custos, a TIR que é a taxa utilizada para igualar o valor de um investimento com os seus possíveis valores futuros, resultando em 48%, valor este meditado como uma taxa elevada, tendo em vista os investimentos no manejo florestal. O VPL vide o desconto dos fluxos de caixa a uma taxa de 10%, alcançou um valor de R$ 4.392.413,52, positivo ao investimento realizado. Deste modo, a receita foi de R$ 18.091.564,41 ao longo de 30 anos de exploração do manejo, devendo obter uma receita anual de R$ 603.052,15.

69Em relação a extração madeireira ilegal, os custos levantados foram de R$ 4.715.826,60, sendo incluídos neste valor as autuações relacionadas ao desmatamento e a extração ilegal (processo de fiscalização), demonstrando que o custo ilegal é 3,75 vezes maior que o custo legal. Entretanto, os custos ilegais sem as autuações (quando o indivíduo não é autuado ou pego em infração) demonstrou ser muito irrisório em relação ao custo legal, representando 10,05%. Para o extrator ilegal, o custo da extração madeireira seria de R$ 126.426,60, no qual o valor apresentado não demonstra as possíveis autuações em que o extrator estaria passível de receber.

70A partir dos resultados apresentados, observa-se que como principal meio de combater a extração de madeira ilegal no estado, a implantação de manejos se mostrou viável em aspectos econômicos. Devido a fatores burocráticos, a implantação de manejos florestais tem algumas limitações, no entanto, caberia aos órgãos fiscalizadores e ao estado intensificar os incentivos, medidas e políticas que visem a extração sustentável dos recursos florestais, como uma maior implantação de planos de manejo em toda a Amazônia Legal, tendo em vista diminuir o desmatamento e a extração ilegal nos estados.

Haut de page

Bibliographie

AZEVEDO T., TOCANTINS, M.A.  Instrumentos econômicos da nova proposta para a gestão de florestas públicas no Brasil.  Megadiversidade, Vol 2, n°1–2, 2006.

BALLOU, R. H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: planejamento, organização e logística empresarial. Porto Alegre: Bookman, 2002.

BARRETO, P. Custos e benefícios do manejo florestal para produção de madeira na Amazônia Oriental. Imazon, 1998.

BISHOFF, L. Análise de Projetos de investimentos/ teorias e questões comentadas. Rio de Janeiro: Edição Ferreira, 2013.

CARVALHO, T. S.; MAGALHÃES, A. S.; DOMINGUE, E. P. Desmatamento e a contribuição econômica da floresta na Amazônia. ANPEC - Associação Nacional dos Centros de Pós-graduação em Economia, 2014.

COUTO, E.P.; ALVES, A.M.S. O manejo florestal no Brasil. In: XLII CONGRESSO
BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOIOLOGIA RURAL. Cuiabá. Anais... Cuiabá,
2004,15p.

DIETER, M. ANALYSIS OF TRADE IN ILLEGALLY HARVESTED TIMBER: Accounting for trade via third party countries. Forest Policy and Economics 11.8, p. 600-607, 2009.

DINIZ, M. B., OLIVEIRA JUNIOR, J. N., TROMPIERI NETO, N. CAUSAS DO DESMATAMENTO DA AMAZÔNIA: uma aplicação do teste de causalidade de Granger acerca das principais fontes de desmatamento nos municípios da Amazônia Legal brasileira. Nova Economia, 19.1, p. 121-151, 2009.

GARRIDO FILHA, I. MANEJO FLORESTAL: questões econômico-financeiras e ambientais. Estudos Avançados, São Paulo, 16.45 p. 91-106, 2002.

HIRSCHBERGER, P. Die Wälder der Welt – Ein Zustandsbericht. WWF Switzerland, March, 2007.

HUMMEL, A. C., ALVES, M. D. S., PEREIRA, D., VERÍSSIMO, A., & SANTOS, D. A atividade madeireira na Amazônia Brasileira: produção, receita e mercados. Belém: Imazon, 2010.

IBAMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/>. Acesso em outubro de 2016.

ICV - Instituto Centro de Vida. Disponível em:<http://www.icv.org.br/>. Acesso em outubro de 2016.

INPE - Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais. Monitoramento da floresta amazônica brasileira por satélite: Projeto Prodes. São José dos Campos: Inpe, 1979. Disponível em: <http://www.obt.inpe.br/OBT/assuntos/programas/amazonia/prodes> Acesso em agosto de 2018.

JUVENAL, T. L., MATTOS, R. L. G. O setor florestal no Brasil e a importância do reflorestamento. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 16, p. 3-29, 2002.

KIRBY, K. R., LAURANCE, W. F., ALBERNAZ, A. K., SCHROTH, G., FEARNSIDE, P. M., BERGEN, S., DA COSTA, C. The future of deforestation in the Brazilian Amazon. Futures, 38(4), p. 432-453, 2006.

LEMOS, A. L. F.; SILVA, J. A. DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL: evolução, causas, monitoramento e possibilidades de mitigação através do Fundo Amazônia. Floresta e Ambiente 18.1, p. 98-108, 2011.

MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/>. Acesso em setembro de 2016.

PEREIRA, D., SANTOS, D., VEDOVETO, M., GUIMARÃES, J., & VERÍSSIMO, A. (2010). Fatos Florestais. Imazon, Belém, PA.

SEMA-MT - Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Disponível em: <http://www.sema.mt.gov.br/>. Acesso em outubro de 2016.

SILGUEIRO, V., THUAULT, A., MICOL, L., ABAD, R. Mapeamento da ilegalidade na exploração madeireira entre agosto de 2012 e julho de 2013. Transparência Florestal Mato Grosso, 4 (5), 1–12, 2015. Disponível em: <http://www.icv.org.br/site/wp-content/
uploads/2015/05/transparencia_florestal_mapeamento_ilegalidade_madeireira.pdf>. Acesso em julho de 2015.

SIMLAM - Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental. Disponível em: <https://monitoramento.sema.mt.gov.br/simlam/> Acesso em julho de 2018.

SISENANDO, H. A., DE MEDEIROS, S. R. B., ARTAXO, P., SALDIVA, P. H., & DE SOUZA HACON, S. Micronucleus frequency in children exposed to biomass burning in the Brazilian Legal Amazon region: a control case study. BMC Oral Health, 12(1), 6. THE WORLD BANK. Revised forest strategy. Washington, DC, USA, 2012.

THIEL, H., VIERGEVER, M. Giants don’t leap: Verification in Brazil’s process towards sustainable forestry. VERIFOR Country Case Study No. 5. Overseas Development Institute, London, 2006.

VERÍSSIMO, A., SOUZA JR., C., CELENTANO, D., SALOMÃO, R., PEREIRA, D., BALIEIRO, C. Áreas para produção florestal manejada: Detalhamento do Macrozoneamento Ecológico Econômico do Estado do Pará. Belém, 2006.

VIANA, V. M. An analysis of needs, challenges and opportunities for natural forest management and small-scale plantation forestry. A component of IIED’s collaborative research project Instruments for sustainable private sector forestry. University of São Paulo (USP), 2002.

WELLESLEY. L. Exploração Florestal Ilegal e Comércio Conexo: a resposta no Brasil. The Royal Institute International Affairs, Londres-UK, 2014, vol. 1, pág. 1-37.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1- Indicadores de desmatamento no Estado de Mato Grosso no período de 2000-2018.
Crédits Elaborado pelos autores através de dados do PRODES/INPE (2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-1.png
Fichier image/png, 12k
Titre Figura 2- Distribuição do desmatamento por município em km² de agosto de 2016 a julho de 2017 (dados do Prodes/Inpe).
Crédits ICV, (2017)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-2.png
Fichier image/png, 168k
Titre Figura 3- Exploração florestal legal e ilegal no Estado de Mato Grosso 2012/2013
Crédits ICV (2015).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-3.png
Fichier image/png, 472k
Titre Figura 4- Localização da área aprovada de um plano de manejo
Crédits SEMA-MT (2016).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-4.png
Fichier image/png, 467k
Titre Figura 5 - Identificação das árvores localizadas na área do plano de manejo
Crédits SEMA-MT (2016).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-6.png
Fichier image/png, 2,5k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-7.png
Fichier image/png, 2,2k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29756/img-8.png
Fichier image/png, 2,1k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Alessandra Maria Filippin dos Passos, Wylmor Constantino Tives Dalfovo et Michele Jackeline Andressa Rosa, « Custo da legalidade na extração madeireira no estado de Mato Grosso: implantação de manejos florestais », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 29 mai 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/29756 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.29756

Haut de page

Auteurs

Alessandra Maria Filippin dos Passos

UNEMAT – Campus de Sinop/MT; E-mail: alessandraflppn@gmail.com

Wylmor Constantino Tives Dalfovo

UNEMAT – Campus de Sinop/MT; E-mail: wylmor.dalfovo@unemat.br

Articles du même auteur

Michele Jackeline Andressa Rosa

UNEMAT - Campus de Sinop/MT; E-mail: michele.rosa@unemat.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals