Navigation – Plan du site

Crédito Rural no Brasil: evolução e distribuição espacial (1969 – 2016)

Rural credit in Brazil: evolution and spatial distribution (1969 - 2016)
Crédit agricole au Brésil : évolution et répartition spatiale (1969-2016)
Silvio Braz de Sousa, Laerte Guimarães Ferreira Junior, Fausto Miziara et Hugo Arruda de Morais

Résumés

Le crédit agricole brésilien qui a été institutionnalisé par la Loi n° 4829/1965, loi à l´origine du Système National de Crédit Agricole (SNCR), finance depuis 1969 l´expansion de l´activité agricole brésilienne. L´obectif de cet articne consiste à analyser la répartition spatiale, sur le territoire brésilien, du crédit agricole entre 1969 et 2016, compte tenu du financement des deux activités suivantes: l´agriculture et l´élevage. Pour ce faire, des données en plusieurs formats ont été acquises auprès de la Banque Centrale du Brésil (Bacen) et la distribution spatiale du crédit agricole a été cartographiée et analysée. Est apparue l´existence d´une concentration spatiale de destination du crédit agricole au Brésil entre 1969 et 2016, bénéficiant les états de la Région Centre-Sud du pays, qui reçoivent toujours la majorité des ressources (depuis 1969 et chaque année, le Centre Sud est bénéficiaire de plus de 80% du crédit agricole). Pendant la décennie de 1980, on constate un accroissement de bénéfice du crédit dans la région Centre-Ouest (passant de 10,2% à ~33% entre 1980 et 1989 ), une telle augmentation étant à mettre en relation avec l´exploitation des Cerrados et l´avancée de la Frontière Agricole. Les états des régions Nord et Nordeste apparaissent comme les moindres bénéficiaires du crédit agricole au Brésil. Historiquement, ces mêmes états acquièrent d´avantage de crédits pour l´activité d´élevage au détriment de l´activité agricole. Les informations relatives au crédit agricole et à sa répartition spatiale montrent que la politique de planification territoriale du Brésil devrait envisager une répartition plus équitable des ressources sur l´ensemble du territoire.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Na década de 1960, durante o Regime Militar (1965 – 1985) não só o crédito rural foi institucionali (...)

1O crédito rural no Brasil é uma política pública criada no século XX e que modificou de forma profunda as relações no campo, influenciando na produtividade, na diversidade das atividades e na expansão das Fronteiras Agrícolas. Explorando a gênese do crédito rural, se tem a Carteira de Crédito Rural e Industrial (CREAI) do Branco do Brasil, criada em 1935, como a primeira iniciativa voltada a disponibilização de recursos para as atividades agrícolas. No entanto, foi em 1965, durante o regime militar, que houve o marco da institucionalização do crédito rural estatal, representado pela criação do Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR) por meio da Lei n° 4.829 sancionada em 05 de novembro de 1965 (FÜRSTENAU, 1987)1.

2Os objetivos do crédito rural são descritos no Art. 3° da Lei n° 4829/1965, os quais versam sobre a estimulação dos investimentos rurais, incentivar métodos racionais de produção (aumentando a produtividade e à melhoria do padrão de vida das populações e da conservação ambiental) e o fortalecimento econômico dos produtores rurais pequenos e médios. Os recursos financeiros são disponibilizados especificamente para o campo “sob a argumentação de que a dependência climática é risco adicional da atividade agropecuária quando comparada à indústria ou ao comércio” (BANCO DO BRASIL, 2004). Assim, esperava-se na década de 1970 que fosse possível distribuir crédito de forma equânime pelo território, e que contemplasse pequenos, médios e grandes produtores.

  • 2 “O BB e o BNDES constituem-se, ainda hoje, em dois dos principais agentes financeiros do setor públ (...)

3No entanto, mesmo a Lei n° 4829/1965 prevendo a atenção especial aos pequenos e médios produtores, a estrutura e o mercado privilegiaram nos primeiros anos a adesão dos grandes produtores, os quais eram majoritariamente beneficiados (LIMA FILHO, 1975; FÜRSTENAU, 1987). Ressalta-se a maior capacidade dos grandes produtores em modificar a paisagem, e em se modernizar para o aumento de produtividade, o que redefiniu novos padrões mínimos para lucratividade no setor agrícola. Dessa maneira, a junção entre o crédito rural (principalmente por intermédio do Banco do Brasil2), e as instituições estatais e de pesquisa, tais como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), modificaram rapidamente a realidade do campo brasileiro, privilegiando o agronegócio, a abertura de Fronteiras Agrícolas e a concentração de rendas e terras. Ademais, a lógica de liberação destes recursos promoveu também concentração espacial, principalmente no Sul e Sudeste do país.

4Quanto à finalidade, o crédito rural pode ser agrupado em três grandes grupos, são eles: 1) Custeio – quando atende as despesas do ciclo produtivo; 2) Investimento – quando é destinado a inversões de bens e serviços que gerem benefícios por mais de um ciclo produtivo; 3) Comercialização – quando atende as despesas de pós-produção. Além disso, o crédito rural também é classificado como agrícola ou pecuário no momento da assinatura dos contratos, o que permite disponibilizar esta informação sobre a atividade beneficiada em todos os recortes espaciais.

5Vários pesquisadores vêm ao longo do tempo analisando o crédito rural e sua dinâmica, como exemplos, pode-se citar Araújo (1983), Furstenau (1987), Leite (2001) e Gasques; Conceição (2001). Delgado (2001) informa que a criação do SNCR marcou o período de transição da crise agrária no início da década de 1960 para em conjunto com as iniciativas como a Política de Garantia de Preço Mínimos (PGPM), o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proago) e o desenvolvimento de Pesquisa e Extensão Rural para um novo período, marcado pelo incentivo a modernização da agricultura “o fortalecimento das estruturas fomentadoras da produtividade e funcionalidade do crescimento capitalista no setor” (DELGADO, 2001, pg. 165).

6Portanto, análises sobre o crédito rural são pertinentes no cenário nacional, bem como, podem contribuir para uma visão estratégica da atividade, principalmente no âmbito das iniciativas estatais que subsidiam projetos com vultuosos recursos.

7Neste sentido, o presente artigo tem o objetivo de analisar a distribuição espacial de crédito rural entre 1969 e 2016 no território brasileiro. Serão apresentados dados globais, isto é, das modalidades agrícola e pecuário, mesmo que em alguns momentos seja dispensada atenção específica a uma destas modalidades. Quanto aos objetivos específicos tem-se: 1) Apresentar a evolução do crédito rural e sua distribuição regional; 2) Mapear e analisar a distribuição espacial do crédito rural para as diferentes atividades agrícolas.

Procedimentos Metodológicos

8Os dados relativos ao crédito rural utilizados para explorar o financiamento da atividade pecuária no Brasil são do Banco Central do Brasil (Bacen), e são disponibilizados por meio de diversas fontes: 1) Matriz de Dados de Crédito Rural , para dados com recorte temporal entre os anos de 2013 e 2016); 2) Anuário de Crédito Rural do Bacen, para dados entre 1999 e 2012. Tais dados estão disponíveis para consulta na página do Bacen na internet (http://www.bcb.gov.br/​). Para os dados de crédito rural entre 1969 e 1999, foi necessário retirar em mídia eletrônica os relatórios anuais digitalizados (anuários) na sede do Bacen em Brasília.

9Se cabe ressaltar que a partir de 2013 a adoção da Matriz de Dados de Crédito Rural pelo Bacen permitiu maior capacidade de adquirir dados específicos sobre os investimentos realizados nas diferentes modalidades e finalidades.

10Os valores dos investimentos, precisaram passar por uma conversão e atualização de valores, visto que durante toda a série temporal, houve diversas mudanças de moeda no Brasil, para a atualização dos valores (cálculo dos valores constantes) foi adotado o IGP – DI/FGV para dezembro de 2016, definido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Para esse procedimento de conversão e atualização foi utilizado a Calculadora do Cidadão disponibilizada pelo Bacen e que pode ser acessada pelo link: https://www3.bcb.gov.br/​CALCIDADAO.

11A partir dos valores constantes, partiu-se para a análise dos dados buscando os recursos de periodização e diferentes escalas espaciais (divisão territorial). Para isso foram adotados dois planos, o primeiro adotando a perspectiva global dos valores, isto é, considerando os valores totais dos investimentos para as diferentes modalidades (agrícola e pecuária), analisando toda a série temporal e periodizando a oferta de crédito rural no Brasil. Em segundo momento, pelas possibilidades permitidas pela MDCR se desdobra para uma análise regional da distribuição de crédito rural, em um paralelo entre crédito agrícola e pecuário, explorando as diferentes modalidades nos estados brasileiros no quadriênio 2013 - 2016.

12Os dados foram tratados e utilizados para construção de gráficos e tabelas que deram subsídios a construção de mapas no ambiente de Sistemas de Informações Geográficas (SIG).

Crédito Rural: evolução e distribuição espacial regional

13A análise da série histórica (Figura 1 e tabela 1), com 47 anos de dados acerca da evolução do crédito rural do SNCR no Brasil (1969 – 2016), permite compreender como os investimentos foram aplicados ao longo do tempo e sua relação com a ocupação do espaço rural brasileiro. No que diz respeito ao crédito total, sem distinção da atividade, foi possível perceber a formação de três grandes períodos entre 1969 e 2016.

Figura 1: Evolução do Crédito Rural (1969 – 2016). ¹Valores constantes para dezembro de 2016. Fonte: Banco Central do Brasil.

Figura 1: Evolução do Crédito Rural (1969 – 2016). ¹Valores constantes para dezembro de 2016. Fonte: Banco Central do Brasil.

14No primeiro período, que compreende a década entre 1969 e 1979, houve aumento abrupto na oferta de crédito rural, com variações anuais positivas de até 45,8% em 1975 (Tabela 1). Foi registrado neste período, em valores constantes (dezembro/2016) o incremento de aproximadamente R$ 129 bilhões, um aumento total de 404%. Sabe-se que este período foi marcado pelo início da modernização da agricultura brasileira, expansão do cultivo de commodities e da fronteira agrícola brasileira, principalmente no bioma Cerrado (ANJOS, 2016).

Tabela 1: Oferta anual total de crédito rural (1969 – 2016)

Ano

Moeda

Valor nominal (R$)

Valor constante (R$)¹

Variação Anual (%)

1969

NCr$

6.489.096.000

41.699.295.196

-

1970

Cr$

9.247.980.000

49.754.746.085

19,3

1971

Cr$

12.869.711.000

57.549.896.276

15,7

1972

Cr$

18.668.785.000

71.151.788.152

23,6

1973

Cr$

30.333.919.000

100.608.307.946

41,4

1974

Cr$

48.272.761.000

124.416.623.731

23,7

1975

Cr$

89.997.117.000

181.403.188.408

45,8

1976

Cr$

130.226.160.000

185.847.120.968

2,4

1977

Cr$

165.858.671.000

165.919.837.590

-10,7

1978

Cr$

233.942.454.000

168.696.298.569

1,7

1979

Cr$

448.730.894.000

210.225.691.901

24,6

1980

Cr$

859.193.128.000

201.046.441.884

-4,4

1981

Cr$

1.564.090.171.000

174.380.698.257

-13,3

1982

Cr$

2.960.272.886.000

168.865.103.499

-3,2

1983

Cr$

5.687.785.916.000

127.471.089.772

-24,5

1984

Cr$

11.138.665.520.000

77.860.518.208

-38,9

1985

Cr$

51.705.203.320.010

111.029.986.380

42,6

1986

Cz$

186.780.085.648

165.565.262.043

49,1

1987

Cz$

478.278.934.444

130.515.430.068

-21,2

1988

Cz$

2.648.106.745.503

92.098.568.044

-29,4

1989

NCz$

34.335.066.599

84.101.975.274

-8,7

1990

Cr$

557.089.210.701

48.047.523.535

-42,9

1991

Cr$

2.958.342.825.718

49.571.411.591

3,2

1992

Cr$

35.799.339.489.152

54.963.912.500

10,9

1993

CR$

677.434.965.235

47.197.782.007

-14,1

1994

R$

8.921.742.735

76.872.475.347

62,9

1995

R$

6.962.631.500

38.153.719.100

-50,4

1996

R$

6.728.109.224

33.436.766.246

-12,4

1997

R$

11.148.717.018

51.516.525.963

54,1

1998

R$

11.605.043.941

51.871.460.828

0,7

1999

R$

12.117.643.164

47.822.082.505

-7,8

2000

R$

14.859.570.197

51.816.578.611

8,4

2001

R$

18.932.167.037

59.979.136.746

15,8

2002

R$

23.341.792.244

64.409.435.566

7,4

2003

R$

31.789.054.311

72.712.693.024

12,9

2004

R$

42.091.743.013

87.120.147.933

19,8

2005

R$

43.112.372.624

85.336.927.522

-2,0

2006

R$

45.460.995.377

88.192.073.068

3,3

2007

R$

52.728.569.911

97.138.806.006

10,1

2008

R$

66.128.422.438

109.457.203.808

12,7

2009

R$

74.096.178.017

121.300.590.128

10,8

2010

R$

82.371.758.565

126.890.179.636

4,6

2011

R$

93.563.090.746

133.233.796.391

5,0

2012

R$

114.413.715.641

153.057.558.577

14,9

2013

R$

139.663.701.834

176.652.341.050

15,4

2014

R$

164.578.079.612

198.120.632.731

12,2

2015

R$

154.225.628.356

172.973.358.126

-12,7

2016

R$

162.340.289.139

165.416.393.007

-4,4

¹ Valor corrigido pelo índice anual IGP – DI (FGV) para dezembro de 2016.

Fonte: Banco Central do Brasil.

15O segundo período, com recorte 1980 a 1996, representa retração dos valores investidos em crédito rural no país. Particularmente, entre 1980 e 1984 houve variação negativa de 63% do valor investido. Em 1985 e 1986 há de forma isolada o registro de taxas anuais positivas, com 42,6% e 49,1% respectivamente. Porém, o período de forte retração continua até 1996 quando se registra a menor oferta de crédito rural, representando em valores constantes (dezembro/2016) pouco mais de 31 bilhões de reais. Durante todo segundo período (1980-1996), a retração total na oferta de crédito rural foi de aproximadamente 87%.

16O terceiro período (1997 – 2014), que abrange 17 anos, se dá a partir de 1997, ano em que se inicia novamente o registro de variações anuais positivas na oferta do crédito rural. Com exceção dos anos de 1999 e 2005, em que se registrou pequenas variações negativas de 7,8% e 2,0%, todos os anos apresentaram variações positivas. Entre 1997 e 2014 houve incremento de R$ 136,7 bilhões em valores constantes (dezembro/2016), um aumento de 284% no montante ofertado, já que em 1997 o valor investido registrado foi de aproximadamente R$ 51,5 bilhões, e em 2014, ano de maior expressão em toda série história, registrou-se a oferta de R$ 198,1 bilhões (o maior valor desde a implantação do SNCR).

  • 3 O Plano Real é um plano de estabilização econômica implantado em julho de 1994. Teve o objetivo de (...)
  • 4 O Crescimento da China tem fator fundamental no desempenho econômico brasileiro. Segundo Acioly (20 (...)

17O aumento da oferta de crédito rural do terceiro período (1997 – 2014) é acompanhada pelo aumento das exportações brasileiras de produtos agrícolas, tais como a soja e carne bovina (Figura 2 e 3). Percebe-se aumento expressivo para os dois produtos a partir de 1996, impulsionadas pela estabilidade econômica promovida nos primeiros nos do plano real3 , e também pelo crescimento chinês4. Em 1997 já se registra a disparada no volume exportado de soja, salto de 387.000 toneladas para 50.530.261 de toneladas em 2016 (crescimento de 12.957 %). A carne bovina apresenta curva de elevação maior a partir de 2002, ano em que registrou a exportação de 637.496 toneladas de carne bovina, atingindo em 2016 o total de 1.351.027 toneladas (aumento de 111%).

Figura 2: Exportação brasileira de soja em grãos entre 1980 e 2016 em toneladas. Fonte: ANEC (2018).

Figura 2: Exportação brasileira de soja em grãos entre 1980 e 2016 em toneladas. Fonte: ANEC (2018).

Figura 3: Exportação brasileira de carne bovina entre 1996 e 2016.

Figura 3: Exportação brasileira de carne bovina entre 1996 e 2016.

Fonte: ABIEC (2018).

  • 5 A exportação de carne bovina também pode ser afetada por escândalos sanitários. Como foi o resultad (...)

18Em 2015, no entanto, há redução de 12,7% no montante disponibilizado para o crédito rural, em 2016 é novamente registrada uma redução de 4,4%. Tais reduções ocorrem justamente na eclosão da crise econômica e política brasileira recente, e pode enunciar o início de um quarto período na série história, no qual ocorrerá provavelmente retração do crédito rural ou sua volatilidade, por período curto de tempo, até a retomada da economia. Esta redução do crédito pode reforçar a queda nas exportações de produtos agrícolas brasileiros, como pode-se perceber na figura 2, a partir de 2015 houve redução das exportações de soja, bem como diminuição da receita de exportação de carne bovina5, concomitantemente a redução do crédito rural disponibilizado (Figura 3).

19No ponto de vista regional, a região Sudeste foi a que mais captou recurso do SNCR entre 1969 e 1975. Especificamente, em 1969 a região Sudeste recebeu aproximadamente 50% dos investimentos totais (Figura 4). Em 1975 a região Sul do país ultrapassou a região Sudeste em captação, e se matem até a atualidade como a região que mais mobiliza investimentos do SNCR, somando em 2016 38,4% dos investimentos totais no país (R$ 59.263.171.842,66). Destes 38,4% coletados pela região Sul em 2016, 32,5% estão concentrados no Paraná e no Rio Grande do Sul, com 17,7% e 14,7% respectivamente. Historicamente, para a região Sul o estado de Santa Catarina apresenta sempre menor participação na coleta de crédito rural em relação aos outros dois estados da região.

20A região Centro-Oeste do Brasil apresenta aumento em sua participação na captação de recursos entre 1969 e 2016. Em 1969 coletou apenas 7,18% do montante investido pelo SNCR, mantendo-se atrás da região Sudeste (49,4%), Sul (28,4%), e Nordeste (13,7%). Apenas a região Norte apresentou menor coleta de crédito que o Centro-Oeste, a qual registrou em 1969 1,33% de coleta em relação ao montante total disponibilizado. Porém, em 1985 a região Centro-Oeste ultrapassa o Nordeste em captação, ano em que registrou coleta de 16,26% do total disponibilizado pelo SNCR (Justamente quando havia redução massiva da oferta de crédito rural total) (Figura 4).

Figura 4: Percentual do crédito rural destinado para as diferentes regiões brasileiras (1969 – 2015)

Figura 4: Percentual do crédito rural destinado para as diferentes regiões brasileiras (1969 – 2015)

21Em ocorrências pontuais, nos anos de 1989 e 1993 a região Centro-Oeste ultrapassou a Sudeste em captação de valores, ocupando a segunda colocação no que diz respeito a coleta de investimentos, anos em que registrou 32,8% e 26,8% de captação em relação ao montante total. Por sua vez, 1989 e 1993 representam momentos em que há clara diminuição da participação relativa da região Sudeste na série história (1969 - 2016), com apenas 21,3% de participação em 1989, e 21,28% em 1993. Ainda observando a figura 4, pode-se inferir relação entre as regiões Centro-Oeste e Sudeste quanto a captação de investimentos, vê-se por exemplo, entre 2004 e 2014 (intervalo de dez anos) que à medida que os investimentos são direcionados ao Sudeste (crescente entre 2004 e 2007), reduziu-se a participação relativa da região Centro-Oeste, todavia, a partir do momento que investimentos relativos vão se reduzindo no Sudeste do país, recuperam força na região Centro-Oeste (2007 – 2014).

22Essa relação entre os investimentos captados na região Sudeste e Centro-Oeste, pode ser observada também para todo período da década de 1980 e início da década de 1990, enquanto o Sudeste caia paulatinamente em sua participação relativa na captação de investimentos, o Centro-Oeste, por sua vez, subiu sua participação relativa. Tal comportamento, pode ser interpretado pelas políticas públicas de incentivo à ocupação do Cerrado brasileiro, momento em que houve redução do montante disponibilizado para o crédito rural no Brasil, porém, com aumento expressivo da participação da região Centro-Oeste.

23Em fato, durante a década de 1970 e 1980 houve expressivo desmatamento do Cerrado brasileiro, chegando a alarmante taxa de anual de conversão de 1% (FERREIRA, 2009), tal ocupação se deu principalmente com incentivo do II Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), que identificou no Centro-Oeste área com grande potencialidade agrícola (BRASIL, 1974). Os dados mais recentes indicam que o Cerrado possui aproximadamente 54% da sua área ainda conservada com vegetação natural (BRASIL, 2015).

24A região Norte (região da fronteira agrícola amazônica), mesmo apresentando variações com tendência ascendente na captação de crédito, se constituiu, a que anualmente entre 1969 e 2016 menos participou da coleta relativa de investimentos. Registra-se participações anuais menores que 5% (Figura 4), com exceção no ano 2000 em que registrou 5,2% de captação do crédito total disponibilizado. Em consonância com as características gerais, há maior tendência de crescimento da participação na coleta a partir de 1994, quando iniciou uma etapa em que a região Norte passou a registrar anualmente participação relativa próxima ou maior que 3% dos investimentos totais. Portanto, mesmo com o desenvolvimento agrícola na região conhecida como Arco do Desmatamento da Amazônia, a região Norte não se tornou uma grande captadora relativa de recursos.

25Para explorar melhor a questão da região Norte, como a menor captadora de recursos do Brasil, em 1994 o valor total atualizado para julho de 2017 (por meio do IGP-DI) captado pela região Norte foi de R$ 1.270.094.020,32, por sua vez, em 2014, ápice da região Norte quanto a coleta absoluta de investimentos, foi registrado o montante de R$ 6.772.441.414,28, um aumento de ~ 403% na coleta de crédito rural total (Figura 5). A partir do ano 2000 há a predominância da atividade pecuária como destino dos investimentos na região Norte (em 2016 a atividade pecuária captou 68% dos investimentos totais). Em 2015, seguindo a tendência geral, houve queda na captação de crédito rural em todos os estados da região Norte, porém, em 2016 há retomada do crescimento, um padrão diferente dos dados gerais para o país, o qual registrou redução de 4,4% no montante total disponibilizado em 2016.

Figura 5: Oferta anual do crédito rural total na região Norte (1994 – 2016).

Figura 5: Oferta anual do crédito rural total na região Norte (1994 – 2016).

Valor corrigido pelo IGP - DI (FVG) para julho de 2017.

Crédito Rural e Atividades Agrícolas

26Contemplando a série histórica (1969 – 2016), percebe-se que entre 1979 e 1989, houve retração da participação relativa da pecuária na tomada de crédito rural (Figura 6). A participação da pecuária atingiu apenas 4,8% em 1989, ano em que a pecuária recebeu menor quantidade relativa de recursos em detrimento da atividade agrícola. Em 1994 a atividade pecuária representava apenas 11,6% dos valores liberados, em pequenas oscilações, a partir de 1994 as participações da atividade pecuária na tomada de crédito mantem ritmo positivo, atingindo em 2016, a soma de 31,7% do valor total de crédito liberado para o país.

27Cabe-se ressaltar que durante toda a década de 1980, época de retração da oferta de crédito rural total (Figura 1), observa-se aumento da destinação de crédito para a atividade agrícola, e como já comentado, aumento da participação relativa da região Centro-Oeste. Conclui-se que tais fatos, reforçam a ideia de que, na década de 1980, o crédito rural fomentou a expansão da fronteira agrícola e a ocupação das áreas de Cerrado da região Centro-Oeste do Brasil. Tem-se também o reforço da tese de fortalecimento da atividade pecuária a partir da estabilização da moeda (1994), em consonância com o aumento das exportações de produtos pecuários. Portanto, conclui-se que a partir de 1994, inicia-se um impulso para a pecuária brasileira, aumentando sistematicamente sua participação na coleta de crédito rural, contrapondo-se o período de 1969 a 1989, quando ocorreu a retração da captação de crédito pela atividade pecuária, em função do desenvolvimento agrícola.

Figura 6: Percentual do crédito rural para distintas atividades (1969 – 2016).

Figura 6: Percentual do crédito rural para distintas atividades (1969 – 2016).

Fonte: Banco Central do Brasil (2017).

28A distribuição de crédito por atividade para as unidades da federação mostra que há estados localizados principalmente nas regiões Norte e Nordeste do país que têm histórico sistemático de maior coleta de crédito para atividade pecuária (Quadro 1). Portanto, há de forma clara, tendências espaciais no processo de distribuição do crédito rural para a atividade pecuária no território brasileiro.

Quadro 1: Unidades da federação com maior investimento em pecuária e o período respectivo (1969 -2016)

Unidade da Federação

Período

Região

Pará

1972 a 1976; 1998 a 2016

Norte

Rondônia

1994, 1995; 2001 a 2016

Acre

2001 a 2016

Tocantins

2001 a 2003; 2007 a 2016

Roraima

1969 a 1987, 1990 a 1972, 1994 a 1997, 2006 a 2008, 2010 a 2016

Amapá

2005 a 2007

Amazonas

2013 a 2016

Rio Grande do Norte

2003 a 2016

Pernambuco

2013 a 2016

Nordeste

Ceará

2014 a 2016

Alagoas

2016

Bahia

1971 a 1976

Paraíba

2014 a 2016

Espírito Santo

1972 a 1976

Sudeste

Rio de Janeiro

2011 a 2016

Distrito Federal

1969 a 1976

Centro-Oeste

Fonte: Banco Central do Brasil (2017).

29O estado do Pará, por exemplo, no período entre 1998 e 2016 (18 anos) concentrou maiores investimentos na atividade pecuária em relação a atividade agrícola. Não por acaso, durante esse período o estado do Pará se consolidou com destaque nacional quanto a produção pecuária e rebanho bovino (em 1998 havia no estado do Pará 8.337.181 cabeças bovinas, em 2016 foi registrado 20.476.783, um crescimento de ~146%, o que faz do estado do Pará o 5° estado em número de bovinos do Brasil (IBGE, 2017)). Os estados de Rondônia, Acre, Tocantins e Roraima por sua vez apresentam períodos ininterruptos de maior captação de crédito para a atividade pecuária. O estado do Amazonas também apresenta entre 2013 e 2016 maior captação para a atividade pecuária. Por sua vez, na região Nordeste, o estado do Rio Grande do Norte é um exemplo, acumulando maiores investimentos para atividade pecuária entre 2003 e 2016 (13 anos), em 2016 o crédito para a atividade pecuária representou ~65% do total captado pelo estado potiguar, um montante de R$ 176.860.701,19.

30Em 2016, percebe-se que mesmo a região Norte tendo apresentado pouca participação relativa nos valores totais de crédito rural, seis dos sete estados que a compõe, receberam maiores investimentos para a atividade pecuária, representando 67,5% do total captado pela região (Figura 7 e 8). Para o Nordeste, cinco dos nove estados possuem maior captação de crédito para a atividade pecuária, no entanto, os investimentos em pecuária representam apenas 21% do total captado pela região (tal panorama para a região Nordeste, pode ter ligação com a diversidade de ambientes, a qual por exemplo, possui, extensas áreas captadoras de crédito agrícola na região de fronteira agrícola conhecida como MATOPIBA – área entre os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, conhecido pela rápida conversão de áreas naturais e apropriação para agricultura).

31Ainda no que diz respeito às regiões brasileiras, Centro-Oeste, Sul e Sudeste possuem todos estados com maior investimento na atividade agrícola em 2016, com exceção do estado do Rio de Janeiro, onde 72,5% do crédito total foi captado pela atividade pecuária.

32Analisando os últimos quatro anos da série disponível (2013 – 2016), percebe-se que os estados que possuem maiores captações para pecuária em detrimento das atividades agrícolas, são os que possuem menor participação no total ofertado para o país (Figura 8 e tabelas 2 e 3). Nordeste e Norte são regiões que captaram pequeno valor de crédito total, porém quanto a pecuária há expressivo destaque relativo.

Figura 7: Crédito rural por atividade para os estados do Brasil (2016).

Figura 7: Crédito rural por atividade para os estados do Brasil (2016).

Figura 8: Participação estadual total e crédito rural por atividade (2016)

Figura 8: Participação estadual total e crédito rural por atividade (2016)

33O estado do Paraná foi destino principal do crédito rural entre 2013, 2014, 2015 e 2016, ano em que recebeu R$ 27.390.910.359,79, participação que representou 17,4% do total (Figura 9). O estado paranaense em captação de crédito é seguido pelo Rio Grande do Sul (13,8%), São Paulo (14,1%) e Minas Gerais (11,7%), do total de crédito recebido por esses estados, 23%, 23,3%, 20,6% e 37,36% respectivamente foram destinados para a atividade pecuária em 2016 (Tabela 3 e Figura 11). Minas Gerais, Paraná e Goiás são principais estados captadores de recursos para a atividade pecuária em 2016 com 14%, 12,6% e 11,43% respectivamente (Figura 10). Portanto, Paraná e Minas Gerais são estados de destaque quanto a captação de crédito rural total e para atividade pecuária no Brasil.

Figura 9: Captação de crédito rural nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais).

Figura 9: Captação de crédito rural nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais).

Fonte: Banco Central do Brasil (2017).

Figura 10: Captação de crédito rural para atividade pecuária nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais).

Figura 10: Captação de crédito rural para atividade pecuária nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais).

Fonte: Banco Central do Brasil (2017).

Tabela 2: Valores totais disponibilizados pelo SNCR em 2013, 2014, 2015 e 2016

Estado

2013

2014

2015

2016

Participação em 2016 (%)

Paraná

22.195.473.226,48

26.332.734.865,66

27.398.927.706,97

27.390.910.359,79

17,4

Rio Grande do Sul

20.651.804.554,36

23.902.438.888,23

22.770.325.645,16

21.759.597.515,09

13,8

São Paulo

18.249.170.147,00

20.823.795.256,25

19.162.620.907,02

22.208.078.222,86

14,1

Minas Gerais

18.423.284.575,49

20.627.600.991,48

19.262.882.908,94

18.463.142.779,21

11,7

Mato Grosso

11.749.794.500,74

14.362.524.611,51

13.155.485.917,83

13.565.648.160,88

8,6

Goiás

11.232.632.744,67

13.813.733.511,14

13.272.430.607,56

13.862.820.191,03

8,8

Santa Catarina

9.073.797.316,77

10.834.820.031,23

9.093.891.176,48

11.342.731.920,60

7,2

Mato Grosso do Sul

7.096.261.512,32

8.155.147.837,42

7.794.536.913,83

8.063.078.444,81

5,1

Bahia

5.651.043.107,89

6.276.546.930,51

5.613.465.469,88

5.261.565.584,58

3,3

Tocantins

2.366.517.090,67

3.133.808.432,66

3.067.893.175,99

2.657.240.152,56

1,7

Espírito Santo

2.487.896.640,77

2.993.723.542,95

2.330.863.072,10

1.914.989.576,99

1,2

Maranhão

1.844.603.882,30

2.499.448.772,80

2.001.521.623,03

2.058.811.422,81

1,3

Rondônia

1.433.431.529,09

2.288.459.199,64

2.031.776.401,71

2.011.644.994,32

1,3

Pará

1.535.816.876,83

2.143.172.699,59

1.629.379.556,02

1.365.613.661,54

0,9

Piauí

1.253.677.931,31

1.480.974.522,26

1.426.446.574,32

1.253.959.718,65

0,8

Ceará

899.487.146,56

1.000.995.964,60

804.454.792,98

794.769.125,45

0,5

Pernambuco

836.391.492,36

931.646.716,92

787.306.638,12

781.322.150,20

0,5

Paraíba

431.502.823,40

449.318.221,57

442.198.475,95

486.343.712,79

0,3

Alagoas

487.826.418,43

427.972.615,62

365.084.611,97

451.266.120,48

0,3

Sergipe

370.793.100,54

445.694.251,46

411.474.082,20

403.906.517,20

0,3

Rio de Janeiro

325.556.233,61

452.200.965,02

376.376.307,16

298.668.884,85

0,2

Rio Grande do Norte

304.831.024,24

317.248.176,25

295.562.961,72

272.732.773,38

0,2

Acre

247.532.241,92

283.289.185,23

224.792.710,00

239.519.660,31

0,2

Distrito Federal

217.996.546,49

201.590.795,19

223.218.237,36

149.984.440,73

0,1

Amazonas

167.880.123,10

207.009.252,93

144.438.927,87

59.369.250,98

0,0

Roraima

104.760.589,42

169.709.070,14

110.507.243,82

142.401.416,78

0,1

Amapá

23.138.457,04

22.474.303,41

26.571.060,82

20.104.967,33

0,0

Total

139.662.901.833,80

164.578.079.611,67

154.224.433.706,81

157.280.221.726,20

100,0

Fonte: Banco Central do Brasil (2017)

Tabela 3: Valores captados pela atividade pecuária em 2013, 2014, 2015 e 2016

Estado

2013

2014

2015

2016

Participação em 2016 (%)

% em relação ao total (2016)

Minas Gerais

6.909.286.777,46

8.064.782.693,85

7.120.578.805,04

6.898.680.777,61

13,80

37,36

Paraná

4.783.321.976,71

5.759.614.290,83

6.819.822.914,15

6.321.550.766,21

12,64

23,08

Goiás

4.783.307.062,75

5.464.789.287,63

5.565.895.451,90

5.716.745.970,68

11,43

41,24

Rio Grande do Sul

4.521.289.949,01

5.530.331.870,06

5.236.631.551,72

5.073.985.968,34

10,15

23,32

Santa Catarina

4.607.105.152,10

5.564.404.227,19

4.180.558.557,10

4.479.411.424,91

8,96

39,49

São Paulo

3.659.388.761,92

4.650.112.429,69

3.776.532.168,95

4.585.792.540,53

9,17

20,65

Mato Grosso

3.673.798.145,20

4.250.271.052,38

4.119.814.618,73

4.100.828.730,41

8,20

30,23

Mato Grosso do Sul

3.064.248.308,36

3.569.214.856,44

3.081.635.767,59

3.095.664.250,60

6,19

38,39

Rondônia

1.188.145.862,45

1.933.893.547,00

1.697.196.830,70

1.708.394.133,70

3,42

84,93

Bahia

1.542.400.938,09

1.792.731.632,95

1.603.947.088,32

1.448.740.167,32

2,90

27,53

Tocantins

1.354.937.298,48

1.688.497.723,78

1.618.900.051,92

1.369.399.276,39

2,74

51,53

Pará

1.153.260.767,26

1.633.394.137,56

1.244.236.055,73

917.341.213,51

1,83

67,17

Maranhão

856.235.518,70

1.036.909.856,40

945.939.687,87

909.502.688,80

1,82

44,18

Espírito Santo

546.810.655,70

753.103.270,94

560.781.401,10

514.163.865,84

1,03

26,85

Ceará

405.809.591,58

611.610.168,66

565.981.295,68

514.815.099,06

1,03

64,78

Pernambuco

352.159.901,37

542.308.506,11

506.323.985,50

471.105.995,21

0,94

60,30

Piauí

210.367.081,68

290.828.774,69

340.562.891,96

353.804.695,36

0,71

28,21

Paraíba

173.336.931,79

254.603.192,16

290.802.747,69

333.108.888,88

0,67

68,49

Rio de Janeiro

223.845.770,24

294.292.598,51

243.678.757,18

216.711.375,11

0,43

72,56

Acre

206.327.680,37

246.758.877,89

197.045.442,32

210.541.782,51

0,42

87,90

Alagoas

144.551.673,88

213.005.307,07

200.804.602,10

241.125.766,72

0,48

53,43

Rio Grande do Norte

174.064.190,10

223.295.899,21

224.460.952,63

176.860.701,19

0,35

64,85

Sergipe

154.122.490,95

196.707.524,96

186.862.577,99

181.586.271,73

0,36

44,96

Roraima

82.055.999,84

128.752.613,24

76.134.808,86

93.404.670,27

0,19

65,59

Amazonas

90.219.816,80

133.677.323,01

82.512.825,36

47.475.791,84

0,09

79,97

Distrito Federal

34.507.462,28

26.790.702,29

70.480.290,57

20.938.714,37

0,04

13,96

Amapá

3.234.372,97

2.454.646,39

858.558,30

3.265.824,06

0,01

16,24

Total

44.898.140.138,04

54.857.137.010,89

50.558.980.686,96

50.004.947.351,16

100,00

-

Fonte: Banco Central do Brasil (2017)

34Em outro eixo, dez estados apresentaram captação maior que 60% para a atividade pecuária em 2016 (Tabela 3 e Figura 11), são eles, Acre (87,9%), Rondônia (85%), Amazonas (80%), Rio de Janeiro (72%), Paraíba (68,4%), Pará (67,1%), Roraima (65,5%), Rio Grande do Norte (64,8%), Ceará (64,7%) e Pernambuco (60,2%). Estes dez estados do Brasil com maior captação de créditos rurais na atividade pecuária captaram apenas R$ 6.362.850.411,02, o que representa 4,04% do total de crédito liberado pelo SNCR em 2016. Portanto, estados que tem como principal destino o setor pecuário em suas captações de crédito do SNCR, possuíam pouca participação na captação total de crédito rural e se localizam nas regiões Norte e Nordeste do país.

Figura 11: percentual de captação da atividade pecuária em relação ao total (2016).

Figura 11: percentual de captação da atividade pecuária em relação ao total (2016).

Fonte: Banco Central do Brasil (2017).

35Assim, mesmo os estados da região Norte e Nordeste apresentando captação relativa total menor em relação ao Centro-Oeste, Sul e Sudeste do país, estes estados possuem como destinação principal a atividade pecuária. Portanto, mesmo que a região Norte não tenha ao longo da expansão de sua da fronteira agrícola aumentado sua participação relativa na captação total, o crédito (valor absoluto crescente) tem papel na expansão da pecuária, representando destino majoritário do crédito e financiando a ocupação e desenvolvimento da atividade.

36Os valores destinados ao crédito rural agrícola, apresentam distribuição espacial em consonância com a distribuição do crédito rural total. Os estados do Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Mato Grosso se configuram os cinco estados com maior capitação de crédito rural em 2016 (Figura 12 e Tabela 4), justos eles captaram 71,2% do crédito rural para a atividade agrícola, portanto há uma intensa concentração espacial. Ressalta-se o estado de Minas Gerais, maior captador de credito para a atividade pecuária e, quarto maior captador de créditos para atividade agrícola (certamente em função principalmente do grande desenvolvimento agrícola no oeste baiano).

Tabela 4: Valores nominais captados pela atividade agrícola em 2013, 2014, 2015 e 2016.

Estado

2013

2014

2015

2016

Participação em 2016 (%)

% em relação ao total (2016)

Paraná

17.412.151.249,77

20.573.120.574,83

20.579.104.792,82

21.069.359.593,58

19,64

76,92

São Paulo

14.589.781.385,08

16.173.682.826,56

15.386.088.738,07

17.622.285.682,33

16,43

79,35

Rio Grande do Sul

16.130.514.605,35

18.372.107.018,17

17.533.694.093,44

16.685.611.546,75

15,55

76,68

Minas Gerais

11.513.997.798,03

12.562.818.297,63

12.142.304.103,90

11.564.462.001,60

10,78

62,64

Mato Grosso

8.075.996.355,54

10.112.253.559,13

9.035.671.299,10

9.464.819.430,47

8,82

69,77

Goiás

6.449.325.681,92

8.348.944.223,51

7.706.535.155,66

8.146.074.220,35

7,59

58,76

Santa Catarina

4.466.692.164,67

5.270.415.804,04

4.913.332.619,38

6.863.320.495,69

6,40

60,51

Mato Grosso do Sul

4.032.013.203,96

4.585.932.980,98

4.712.901.146,24

4.967.414.194,21

4,63

61,61

Bahia

4.108.642.169,80

4.483.815.297,56

4.009.518.381,56

3.812.825.417,26

3,55

72,47

Espírito Santo

1.941.085.985,07

2.240.620.272,01

1.770.081.671,00

1.400.825.711,15

1,31

73,15

Tocantins

1.011.579.792,19

1.445.310.708,88

1.448.993.124,07

1.287.840.876,17

1,20

48,47

Maranhão

988.368.363,60

1.462.538.916,40

1.055.581.935,16

1.149.308.734,01

1,07

55,82

Piauí

1.043.310.849,63

1.190.145.747,57

1.085.883.682,36

900.155.023,29

0,84

71,79

Pará

382.556.109,57

509.778.562,03

385.143.500,29

448.272.448,03

0,42

32,83

Pernambuco

484.231.590,99

389.338.210,81

280.982.652,62

310.216.154,99

0,29

39,70

Rondônia

245.285.666,64

354.565.652,64

334.579.571,01

303.250.860,62

0,28

15,07

Ceará

493.677.554,98

389.385.795,94

238.473.497,30

279.954.026,39

0,26

35,22

Sergipe

216.670.609,59

248.986.726,50

224.611.504,21

222.320.245,47

0,21

55,04

Alagoas

343.274.744,55

214.967.308,55

164.280.009,87

210.140.353,76

0,20

46,57

Paraíba

258.165.891,61

194.715.029,41

151.395.728,26

153.234.823,91

0,14

31,51

Distrito Federal

183.489.084,21

174.800.092,90

152.737.946,79

129.045.726,36

0,12

86,04

Rio Grande do Norte

130.766.834,14

93.952.277,04

71.102.009,09

95.872.072,19

0,09

35,15

Rio de Janeiro

101.710.463,37

157.908.366,51

132.697.549,98

81.957.509,74

0,08

27,44

Roraima

22.704.589,58

40.956.456,90

34.372.434,96

48.996.746,51

0,05

34,41

Acre

41.204.561,55

36.530.307,34

27.747.267,68

28.977.877,80

0,03

12,10

Amapá

19.904.084,07

20.019.657,02

25.712.502,52

16.839.143,27

0,02

83,76

Amazonas

77.660.306,30

73.331.929,92

61.926.102,51

11.893.459,14

0,01

20,03

Total

94.764.761.695,76

109.720.942.600,78

103.665.453.019,85

107.275.274.375,04

100,00

-

Figura 12: Captação de crédito rural para atividade agrícola nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais) – organizados por valor captado em 2016.

Figura 12: Captação de crédito rural para atividade agrícola nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais) – organizados por valor captado em 2016.

Fonte: Banco Central do Brasil (2017).

Considerações Finais

37O SNCR foi fundamental para o desenvolvimento agrícola do país, principalmente na década de 1980, quando financiou a expansão da fronteira agrícola nos Cerrados do Centro-Oeste. Ademais, na década de 1980, mesmo com menor liberação de recursos, houve o incremento progressivo da participação da região Centro-Oeste na captação de crédito rural.

38A maior participação na coleta de crédito na década de 1980 no Centro-Oeste brasileiro é marcada pela expansão do cultivo de grãos, nesta época considerando as capitações nacionais, os recursos para a pecuária assumiram historicamente a menor expressividade. No Brasil, em 1979 a pecuária captava 27% dos créditos totais, porém, em 1989 a participação da atividade pecuária se resumiu em apenas 4,8%. A pecuária, de fato, alavancou principalmente a partir de 1994, com sua consequente intensificação, aumentando sua participação na coletada de crédito e alcançando a participação de 31,8% em 2016 em relação ao valor total disponibilizado pelo SNCR (em valores normais pouco mais de R$ 50 bilhões). Acompanhando o crescimento da coleta relativa de crédito rural para a pecuária também ocorreu o aumento das exportações de carne bovina (cerca de 111%).

39Os estados da região Norte e Nordeste constituem os que menos captam crédito rural no Brasil. Porém, historicamente, a maioria dos estados destas duas regiões captam maior quantidade de créditos para a atividade pecuária em detrimento da atividade agrícola. Vários estados da região Norte e Nordeste apresentam captação maior para pecuária, tais como o Acre (87,9%), Rondônia (85%), Amazonas (80%), (72%), Paraíba (68,4%), Pará (67,1%), Roraima (65,5%), Rio Grande do Norte (64,8%), Ceará (64,7%) e Pernambuco (60,2%). Ao passo que os estados de Sul e Sudeste apresentam prioritariamente captações para as atividades agrícolas.

40Mesmo com a expansão da fronteira agrícola na região Norte do país aumento do rebanho bovino de 2.174% entre 1975 e 2016 (IBGE, 2017) concomitante a expansão das pastagens de 525% (IBGE, (2017); LAPIG, 2017) , e o desenvolvimento da pecuária no estado do Pará e em Rondônia, a participação relativa de captação da região Norte não cresceu significativamente, como ocorreu com o Centro-Oeste na década de 1980. Anualmente, a região Norte registra sempre participação menor ou igual a 5% na captação de crédito total. No entanto, o aumento da captação em valores absolutos da região Norte foi em torno de 365% entre 1994 e 2014, registrando em 2014 um montante de aproximadamente R$ 9,7 bilhões, dos quais 68% foi investido especificamente na atividade pecuária. Portanto, o crédito rural tem papel importante no desenvolvimento recente da pecuária na Região Norte.

41As análises indicam que assim como há concentração espacial das atividades agrícolas, há também concentração espacial dos recursos do SNCR na região Centro-Sul do país. Tais dados, mostram que as políticas de ordenamento territorial devem considerar a distribuição de crédito rural, visando, uma distribuição mais equânime dos recursos pelo território brasileiro. No entanto, chama-se atenção que o caminho agrícola do país, deve ser conduzida em paralelo a políticas de preservação ambiental, buscando não incentivar principalmente o desmatamento de novas áreas.

Haut de page

Bibliographie

ACIOLY, Luciana; PINTO, E. C.; CINTRA, M. A. M.. As relações bilaterais Brasil-China a ascensão da China no sistema mundial e os desafios para o Brasil. Comunicado Ipea n° 85), IPEA, DF, 2011.

ANJOS, Antônio Fernandes dos. A SOCIEDADE, O ESTADO E A CIÊNCIA NA APROPRIAÇÃO E NA DIFERENCIAÇÃO SOCIOESPACIAL DO CERRADO. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

ANEC - Associação Nacional dos Exportadores de Cereais. Exportações de Soja em Grão (1980 – 2016). Disponível em: <http://www.anec.com.br/>. Acesso em: 09.11.2018.

ABIEC - A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes. Estatísticas de Exportações. Disponível em: <http://www.abiec.com.br/>. Acesso em: 09.11.2018.

ARAÚJO, P.F.C. O Crédito Rural e Sua Distribuição no Brasil. Revista de Estudos Econômicos, São Paulo, v. 2, n. 13. p. 232-348, 1983.

Banco Central do Brasil (Bacen). Matriz de dados do Crédito Rural. Relatórios diversos. Disponível em: <https://www.bcb.gov.br/pt-br/#!/c/MICRRURAL/>.Acesso em: 09.11.2018.

BANCO DO BRASIL. Evolução histórica do crédito rural. Revista de Política Agrícola, Ano XIII - Nº 4 - Out./Nov./Dez. 2004.

Brasil. II Plano Nacional de Desenvolvimento (1975-79). Brasília: Imprensa Oficial, 1974. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1970-1979/anexo/ANL6151-74.PDF. Acesso em 09/11/2018.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Mapeamento do uso e cobertura do Cerrado: Projeto TerraClass Cerrado 2013/mma/sbf.Brasília:MMA, 2015. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/tccerrado/>. Acesso em 09/11/2018.

CORSI, F. L.. O Plano Real: um balanço crítico. Cadernos da F.F.C. (UNESP), Marília, v. 8, n.2, p. 13-27, 1999.

FERRARI FILHO, F.. O legado do Plano Real: uma estabilização sem crescimento econômico?. Análise Econômica (UFRGS), Porto Alegre, v. 19, n.35, p. 5-21, 2001.

DELGADO, G. C.. "Expansão e Modernização do Setor Agropecuário no Pós-Guerra:Um Estudo da Reflexão Agrária". Estudos Avançados, v. V.15, p. 157-172, 2001.

FERREIRA, Manuel Eduardo. MODELAGEM DA DINÂMICA DE PAISAGEM DO CERRADO. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2009.

FURSTENAU, V. A política de crédito rural na economia brasileira pós 1960. Ensaios FEE, Porto Alegre, V.8, n. 1, p. 139-54, 1987

GASQUES, J. G.; CONCEIÇÃO, J.C.P.R. Financiamento da agricultura: experiências e

propostas. In: GASQUES, J.G.; CONCEIÇÃO, J.C.P.R. Transformações da agriculturae políticas públicas. Brasília: Ipea, 2001a, p. 95-155.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Pecuária Municipal (PPM), 2017. Disponível em: < https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ppm>. Acesso em: 09/11/2018.

LAPIG – Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (UFG). Mapa Síntese das Pastagens do Brasil, 2017. Disponível em: < https://pastagem.org>. Acesso em 09/11/2018.

LEITE, S.P.. Análise do financiamento da política de crédito rural no Brasil (1980-1996). Estudos Sociedade e Agricultura (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 16, p. 129-163, 2001.

LIMA FILHO, A. de. Caracterização da oferta de crédito rural à pecuária de corte. São Paulo: IEA. 58 p. 1975.

Vidotto, C. A. Banco do Brasil: crise de uma empresa estatal do setor financeiro (1964-1992). Campinas: IE/UNICAMP, 1995. (Dissertação de Mestrado).

Haut de page

Notes

1 Na década de 1960, durante o Regime Militar (1965 – 1985) não só o crédito rural foi institucionalizado, porém, diversas políticas públicas voltadas para o mundo do campo foram criadas, entre elas, pode-se citar o Estatuto da Terra (Lei n° 4.505/1964) e a atualização do Código Florestal Brasileiro (Lei n° 4.771/1965).

2 “O BB e o BNDES constituem-se, ainda hoje, em dois dos principais agentes financeiros do setor público, responsáveis pelo repasse de financiamento para produtores rurais e agroindustriais. O BB, especialmente, chegou a deter 80% da oferta do sistema de crédito rural, durante alguns anos da década de 80 (VIDOTTO, 1995)”.

3 O Plano Real é um plano de estabilização econômica implantado em julho de 1994. Teve o objetivo de findar a crise inflacionária que se arrastava por mais de uma década no Brasil. Foi o único plano bem-sucedido da economia Brasileira, já que desde 1986 ocorriam tentativas de conter a inflação e controlar o câmbio (Plano Cruzado - 1986; Bresser - 1987; Verão - 1989; Collor - 1990). Ferrari Filho (2001) informa que um mês antes da aplicação do Plano Real, em junho de 1994, registrou-se inflação anual de 5.150%, ao passo que em dezembro 2000 a inflação dos últimos doze meses registrada foi de aproximadamente 10%. Corsi (1999) em uma análise crítica do Plano Real, indica que inicialmente o plano foi um sucesso, registrando um crescimento de 15,5% da indústria no primeiro semestre de 1995, a taxa de investimento subiu de 16,3% do PIB em 1994 para 18% em 1995, o consumo das classes mais baixas aumento, bem como os salários. No entanto, segundo o autor, a crise do México em 1995, bem como dos países asiáticos em 1997 enfraqueceu o Plano Real (que tem ancora cambial), o que provocou déficits comerciais. Ambos autores, Corsi (1999) e Ferrari Filho (2001) concordam que houve estabilização sem amplo crescimento econômico.

4 O Crescimento da China tem fator fundamental no desempenho econômico brasileiro. Segundo Acioly (2011) “As relações comerciais Brasil-China, entre 2000 e 2010, tiveram crescimento superior à elevação do comércio entre o Brasil e o mundo.”. Ademais, “Entre 2000 e 2010, as exportações brasileiras para a China elevaram-se de US$ 1,1 bilhão – 2% do total das exportações do Brasil – para US$ 30,8 bilhões – um aumento de 15% do total (ACIOLY, 2011).

5 A exportação de carne bovina também pode ser afetada por escândalos sanitários. Como foi o resultado da operação Carne Fraca deflagrada pela Polícia Federal do Brasil em março de 2017. A operação colocou em dúvida o agronegócio brasileiro em âmbito mundial, já que as maiores empresas como a JBS e a BRF eram suspeitas de adulterar carnes que eram comercializadas no mercado nacional e internacional. No período da eclosão da operação, diversos países romperam totalmente ou parcialmente as importações de carne brasileira. No dia 19 de março de 2017, em meio à crise, o presidente Michel Temer em ato político promoveu um jantar com embaixadores, ministros e representantes do setor agrário em uma churrascaria de Brasília.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Evolução do Crédito Rural (1969 – 2016). ¹Valores constantes para dezembro de 2016. Fonte: Banco Central do Brasil.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-1.png
Fichier image/png, 34k
Titre Figura 2: Exportação brasileira de soja em grãos entre 1980 e 2016 em toneladas. Fonte: ANEC (2018).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-2.png
Fichier image/png, 70k
Titre Figura 3: Exportação brasileira de carne bovina entre 1996 e 2016.
Crédits Fonte: ABIEC (2018).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-3.png
Fichier image/png, 65k
Titre Figura 4: Percentual do crédito rural destinado para as diferentes regiões brasileiras (1969 – 2015)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-4.png
Fichier image/png, 37k
Titre Figura 5: Oferta anual do crédito rural total na região Norte (1994 – 2016).
Légende Valor corrigido pelo IGP - DI (FVG) para julho de 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-5.png
Fichier image/png, 10k
Titre Figura 6: Percentual do crédito rural para distintas atividades (1969 – 2016).
Crédits Fonte: Banco Central do Brasil (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-6.png
Fichier image/png, 16k
Titre Figura 7: Crédito rural por atividade para os estados do Brasil (2016).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-7.png
Fichier image/png, 108k
Titre Figura 8: Participação estadual total e crédito rural por atividade (2016)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-8.png
Fichier image/png, 106k
Titre Figura 9: Captação de crédito rural nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais).
Crédits Fonte: Banco Central do Brasil (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-9.png
Fichier image/png, 18k
Titre Figura 10: Captação de crédito rural para atividade pecuária nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais).
Crédits Fonte: Banco Central do Brasil (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-10.png
Fichier image/png, 18k
Titre Figura 11: percentual de captação da atividade pecuária em relação ao total (2016).
Crédits Fonte: Banco Central do Brasil (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-11.png
Fichier image/png, 58k
Titre Figura 12: Captação de crédito rural para atividade agrícola nos estados brasileiros nos anos 2013, 2014, 2015 e 2016 (em bilhões de reais) – organizados por valor captado em 2016.
Crédits Fonte: Banco Central do Brasil (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/29836/img-12.png
Fichier image/png, 18k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Silvio Braz de Sousa, Laerte Guimarães Ferreira Junior, Fausto Miziara et Hugo Arruda de Morais, « Crédito Rural no Brasil: evolução e distribuição espacial (1969 – 2016) », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 30 mai 2020, consulté le 16 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/29836 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.29836

Haut de page

Auteurs

Silvio Braz de Sousa

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, sousasb@gmail.com

Articles du même auteur

Laerte Guimarães Ferreira Junior

Universidade Federal de Goiás (UFG, lapig.ufg@gmail.com

Fausto Miziara

Universidade Federal de Goiás (UFG, faustomiziara@uol.com.br

Hugo Arruda de Morais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, hugo.geografia@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals