Navegação – Mapa do site
Dossiê A pandemia de Covid-19 no Brasil

Pelos caminhos das águas: a mobilidade e evolução da COVID-19 no estado do Amazonas

Along waterways: mobility and evolution of COVID-19 in the State of Amazonas
Au long des voies navigables : mobilité et évolution du COVID-19 dans l'État d'Amazonas
Natacha Cíntia Regina Aleixo, João Cândido André da Silva Neto, Henrique dos Santos Pereira, Danilo Egle Santos Barbosa e Bruno Cordeiro Lorenzi

Resumos

O objetivo do trabalho foi analisar a mobilidade e a evolução da COVID-19 no estado do Amazonas, Brasil. Para isso, foram coletados dados dos casos confirmados da COVID-19 da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS/AM), tratados por técnica geoestatística do Inverso da Distância Ponderada (IDW) no software de geoprocessamento QGIS 3.4. Em conjunto, esses dados foram analisados estatisticamente com os fluxos dos barcos de linha no estado. Também foram representados cartograficamente a partir da pesquisa Regic do IBGE (REGIC, 2018) os deslocamentos para acesso aos serviços de saúde nos diferentes níveis de complexidade no estado. Os resultados apresentaram a associação da difusão e evolução dos casos da COVID-19 com o transporte fluvial pela mobilidade por barcos de linha, sendo “portas de entrada” para o vírus e interiorização dos casos da doença no estado. Portanto, a disseminação por contágio no Amazonas seguiu os caminhos das águas, pela mobilidade intermunicipal de pessoas e mercadorias no transporte fluvial e evolução rápida do aumento do número de casos nos municípios.

O objetivo do trabalho foi analisar a mobilidade e a evolução da COVID-19 no estado do Amazonas, Brasil. Foram mapeados os eixos de difusão da doença e analisados estatisticamente com o fluxo dos barcos de linha no estado. Os resultados apresentaram a associação da difusão e evolução dos casos de COVID-19 com o transporte fluvial do vírus pela mobilidade por barcos de linha, que contribuíram com a interiorização dos casos da doença no estado.

Topo da página

Entradas no índice

Index de mots-clés :

COVID-19, diffusion, rivières, Amazonas, Brésil.

Index by keywords :

COVID-19, diffusion, rivers, Amazonas, Brazil.

Índice geográfico :

Amazonas, Amazônia

Índice de palavras-chaves :

COVID-19, difusão, rios, Amazonas, Brasil.
Topo da página

Texto integral

1No Brasil, a produção do espaço como “acumulação desigual dos tempos” (SANTOS, 2008) relacionada ao período técnico-científico e informacional, materializou e aprofundou nos diferentes “Brasis” desigualdades sociais e territoriais. Com as contradições da “globalização perversa”, têm-se espaços luminosos ligados aos tempos rápidos com maior fluidez de mercadorias, pessoas e informação que modificam o cotidiano das pessoas e o entendimento das escalas. Por outro lado, têm-se as opacidades, relacionadas aos tempos lentos com deslocamentos menos velozes para circulação, precariedades no suporte técnico e amplas iniquidades socioespaciais. (SANTOS e SILVEIRA, 2001; SANTOS, 2008)

2As redes urbanas e as dinâmicas de mobilidade, influenciam na propagação das doenças transmissíveis e na evolução do número de casos, por exemplo, da COVID-19. (FIOCRUZ, 2020). Nos diferentes espaços, o acesso aos serviços de saúde, as condições de poder e financeira para prevenção e tratamento, e os distintos caminhos da disseminação do novo coronavírus (Sars-CoV-2) no território brasileiro, exigem pela complexidade do problema, a construção de pontes entre as várias ciências buscando a interdisciplinaridade, para construção de conhecimentos e compreensão inerente as múltiplas escalas e determinantes da pandemia da COVID-19.

3Neste sentido, pesquisadores do laboratório HIDROGEO integrados a Rede de Geógrafos para Saúde em conjunto com pesquisadores do projeto Atlas ODS Amazonas do Centro de Ciências do Ambiente, ambos da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), objetivaram discutir neste trabalho a mobilidade interurbana associada a difusão da COVID-19 no Amazonas.

4O trabalho se dividiu em três partes: na primeira discutimos aspectos teóricos associados as estruturas espaciais e eixos de difusão no estado. Na segunda parte, analisamos de forma sucinta a difusão em diferentes tempos e espaços. Na terceira parte, apresentamos como o novo coronavírus é transportado pelos eixos fluviais e acompanha a evolução da doença no Amazonas.

Aspectos socioespaciais e a difusão da doença

5O estado do Amazonas (Mapa 1) é o maior em extensão territorial do Brasil, com 1.559.148,890 km, apresenta fronteiras internacionais com a Colômbia, Peru e Venezuela e limites interestaduais com o estado do Pará, Roraima, Acre, Rondônia e Mato Grosso. Possui população total de 4.144.597 habitantes (IBGE, 2019) distribuídos por sessenta e dois municípios (62), sendo que a capital Manaus concentra 52,7% (2.182.763 hab., IBGE, 2019) da população total do estado.

Mapa 1. Localização dos municípios do Amazonas. Fonte: IBGE, 2010.

Mapa 1. Localização dos municípios do Amazonas. Fonte: IBGE, 2010.

Organização: ALEIXO e SILVA NETO, 2020.

6O principal modal de transporte das pessoas e mercadorias no estado é fluvial, sendo a navegação muitas vezes a única forma de transporte para mobilidade da população de muitas cidades, povos indígenas e comunidades tradicionais. São comumente utilizadas expressões como “os rios são nossas estradas”. Conforme Nogueira et al. (2011), as vias navegáveis podem ser estimadas em pelo menos 20.000 km. O tempo decorrido das viagens podem durar dias ou semanas de acordo com os percursos.

7O transporte rodoviário é reduzido no estado e utilizado principalmente em municípios da região metropolitana de Manaus e pelas ligações interestaduais por meio da BR-319 com o estado de Rondônia e BR-174 que conecta a capital do estado a Roraima.

8O transporte aéreo para passageiros e cargas não abrange todos os municípios, entretanto, é relevante para suprimir o tempo de viagem e longas distâncias, incluindo as cidades principais da hierarquia urbana e contribuindo para a mobilidade e fluidez. (SCHOR e OLIVEIRA, 2011)

9Podemos articular a presença de sistemas técnicos e objetos geográficos com a mobilidade das pessoas e a difusão das doenças. A difusão pode ser entendida como a propagação de um fenômeno no tempo e no espaço. Com relação as doenças transmissíveis podemos considerar dois tipos principais de difusão por expansão, a hierárquica e por contágio. Também ocorrem tipos de difusão por realocação que representa a mudança do fenômeno para nova (s) área (s) e a difusão híbrida que integra a expansão e realocação. (CATÃO, 2016)

10A difusão hierárquica é relacionada a posição da cidade na rede urbana e seu papel de centralidade, como por exemplo de uma metrópole que comanda a rede urbana. A hierarquia está aliada a oferta de serviços e produtos e a presença de infraestruturas como aeroportos, rodovias, portos que a conecta a outras cidades em várias escalas, desde a global até a local, possibilitando “saltar escalas”. Na difusão por contágio, a transmissão sofre influência da fricção do espaço, ou seja, uma cidade irradia a transmissão para outras no seu entorno. (CATÃO, 2016; FIOCRUZ, 2020; SPOSITO e GUIMARÃES, 2020).

Tempos e espaços da COVID-19 no Amazonas

  • 1 Os dados dos casos confirmados da COVID-19 no estado foram disponibilizados na plataforma da FVS/AM

11Conforme estudo de Aleixo e Silva Neto (2020), publicado no Boletim ODS Atlas Amazonas, desde o surgimento do primeiro caso confirmado1 no dia 13/03 até 26/05, a disseminação da COVID-19 se apresentou em tempos e espaços diferentes, conforme os mapas 2, 3, 4, 5, 6 e 7.

Mapa 2 Casos de Covid-19 no dia 13-3-2020

Mapa 2 Casos de Covid-19 no dia 13-3-2020

Mapa 3 Casos de Covid-19 no dia 28-3-2020

Mapa 3 Casos de Covid-19 no dia 28-3-2020

Mapa 4 Casos de Covid-19 no dia 12-4-2020

Mapa 4 Casos de Covid-19 no dia 12-4-2020

Mapa 5 Casos de Covid-19 no dia 28-4-2020

Mapa 5 Casos de Covid-19 no dia 28-4-2020

Mapa 6 Casos de Covid-19 no dia 13-5-2020

Mapa 6 Casos de Covid-19 no dia 13-5-2020

Mapa 7 Casos de Covid-19 no dia 26-5-2020

Mapa 7 Casos de Covid-19 no dia 26-5-2020

12Manaus apresentou o primeiro caso importado da COVID-19 no dia 13/03/2020 procedente de país europeu, o segundo município a apresentar casos da doença foi Parintins e no dia 28/03/2020 foi decretada a transmissão comunitária da doença em Manaus. Os casos evoluíram progressivamente no estado de forma distinta na capital e interior.

13Manaus é considerado o epicentro epidêmico no Amazonas. A função da capital no comando da rede urbana, com intenso fluxo de pessoas e mercadorias na rede, que circulam por aeroportos, rodovias e rios, contribuíram para expansão hierárquica da doença, para municípios importantes na rede urbana do estado como Parintins, Tabatinga e Tefé (SCHOR e OLIVEIRA, 2011).

14Destaques para as infraestruturas ligadas a fluidez no território como aeroportos, rodovias e portos, no processo de difusão da doença. Os aeroportos e portos nas cidades mencionadas possibilitaram que a doença “saltasse escalas” geográficas (SPOSITO e GUIMARÃES, 2020) que são representativas do processo de formato hierárquico e as rodovias para o processo por contágio, ambas as formas de difusão por expansão ocorrem de forma combinada no estado.

15Nos municípios da região metropolitana como Manacapuru, Iranduba, Itacoatiara, Novo Airão, Presidente Figueiredo, entre outros, a difusão por contágio, apresentou elevado aumento dos casos ao longo do tempo, ou seja, a conexão com a capital Manaus, os deslocamentos diários e semanais da população e o baixo isolamento e distanciamento social da população, foram fatores que contribuíram para difusão.

  • 2 Catraia (barco pequeno sem motor) Voadeira (barco pequeno com motor) Barcos de linha (capacidade ma (...)

16Entretanto, a difusão hierárquica e por contágio também ocorrem pelo principal modal de transporte no estado do Amazonas, o fluvial. Os tipos de embarcações2 podem favorecer a transmissão do vírus, devido a aglomeração e densidade de pessoas em curto espaço, bem como algumas lanchas “a jato” são climatizadas artificialmente e com ventilação natural restrita, potencializando a transmissão do vírus.

17Outros municípios vêm cooperando para a difusão por realocação da doença, em especial por via fluvial, no Médio e Alto Solimões, e no Sul do estado. O número de casos no estado vem se expandindo demonstrando no período atual uma difusão híbrida e combinada desses processos de difusão.

Eixos fluviais comandam a difusão

18A difusão da doença por via fluvial foi investigada por Pereira et al. (2020). Para verificar tal hipótese, o número de viagens e de passageiros partindo de Manaus com destino a cada um dos municípios durante o mês de abril (dados fornecidos pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados e Contratados do Estado do Amazonas-ARSEPAM) foram comparados (por análises de regressão multivariada múltipla linear) com o tempo até o surgimento do primeiro caso (em dias desde o primeiro caso no AM), o total de casos (dado divulgado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – VS/AM) e o índice de infecção populacional (casos por 10 mil habitantes) registrados até 18 de maio em cada município de destino.

19O indicador “número total de viagens" foi a variável que se mostrou melhor correlacionada com os padrões de difusão e progressão da doença nos municípios de destinos. Quanto menor o número de viagens, mais tempo decorreu entre o surgimento do primeiro caso diagnosticado no município (Gráfico 1).

Gráfico 1: Relação entre a intensidade de mobilidade fluvial padrão de interiorização da pandemia no estado do Amazonas.

Gráfico 1: Relação entre a intensidade de mobilidade fluvial padrão de interiorização da pandemia no estado do Amazonas.

Fonte de dados: ARSEPAM e FVS/AM. Elaborado por: PEREIRA, H.S.; BARBOSA, D.E.S.; SARAIVA, N., 2020.

20Em abril foram autorizadas 127 viagens, enquanto em maio esse número era de autorização até o dia 27. Pela inexistência de dados de período anterior à pandemia e a impossibilidade de estimar as viagens clandestinas, assume-se que a intensidade relativa do fluxo de viagens autorizadas em abril tenha seguindo padrão semelhante de meses anteriores.

21Esta conclusão é confirmada quando se correlaciona o fluxo de viagens com o número total de casos (r2 = 0,35 p = 0,0008) e o índice populacional de infecção (r2 = 0,33 p = 0,0004) para o dia 18 de maio. Essas observações sugerem que, como poderia ser previsto, um maior número de viagens partindo de Manaus pode aumentar a probabilidade de difusão da doença do epicentro da pandemia para outra região, assim como, provocar a inserção de mais indivíduos contaminados na cidade de destino, produzindo uma aceleração da progressão da pandemia naquela determinada população. Isso também explicaria a “precocidade” da difusão da pandemia e elevada taxa de incidência em municípios distantes de Manaus como Santo Antônio do Iça (881 km) e Tonantins (872 km). Também poderia explicar por que a difusão e a progressão da pandemia em outros municípios igualmente distantes, como Itamarati (985 km) ou mais próximos como São Sebastião do Uatumã (247 km) tenham sido mais lentas.

22A interiorização dos casos da doença, com a difusão em pequenas cidades, demanda estratégias de planejamento do Sistema Único de Saúde (SUS) para a garantia da equidade e universalidade dos serviços.

23No mapa 7, representativo dos casos acumulados até 26/05/2020, o estado apresentou 31.949 casos confirmados, com maior aumento nos municípios do interior. A capital possui 45,1% (14.402) dos casos confirmados e os municípios do interior 54,9% (17.547). Os únicos municípios sem casos confirmados da COVID-19, são Ipixuna e Envira localizados na região Sudoeste do estado.

24Esse cenário é preocupante, pois, os deslocamentos para acesso aos serviços de saúde, baseados na pesquisa na REGIC (2018), conforme o mapa 8, demonstraram que o Amazonas possui 90,3% dos municípios com dependência direta do serviço de alta complexidade em Manaus, sendo também uma das maiores médias (462 km) de deslocamento do território brasileiro para tratamento de saúde na rede de alta complexidade.

Mapa 8 Deslocamentos para serviços de saúde

Mapa 8 Deslocamentos para serviços de saúde

25Além disso, 47,8% dos municípios dependem também de Manaus para serviços de saúde de baixa e média complexidade, com média de deslocamentos de 418 km. A centralidade dos serviços na capital é um fator que aumenta o risco para pacientes de casos graves da doença.

26A ampla extensão territorial do estado e as distâncias a serem percorridas podem ser superiores a 1.000 km até a capital. Mesmo que as distâncias entre as cidades sejam menores em quilometragem, a principal via de transporte para o fluxo de pessoas das cidades é fluvial e a viagem pode durar cerca de dias ou semanas até a Manaus, o que potencialmente acarretará a letalidade dependendo da gravidade da doença.

27Portanto, além do reforço e fiscalização do isolamento social para reduzir a difusão da doença é necessário o suporte com ações governamentais conjuntas, no nível municipal, estadual e federal, com condições mínimas de recursos financeiros para população mais vulnerável, aumento de recursos humanos e físicos no serviços de saúde do SUS em seus diferentes níveis de complexidade, além do suporte no transporte mais rápido de pacientes graves do interior para capital.

Topo da página

Bibliografia

ALEIXO, N.C.R.; SILVA NETO, J.C.A. Cartografia dinâmica da COVID-19 no Amazonas. In.: Boletim ODS Atlas Amazonas. Especial n.6, maio de 2020. Disponível em: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5748

ALEIXO, N.C.R. SILVA NETO, J.C.; CATÃO, R.C. A difusão temporo-espacial da COVID-19 no estado do Amazonas. Revista Hygeia, Dossiê COVID-19, p.1-11, 2020. No prelo.

CATÃO, R.C. Expansão e consolidação do complexo patogênico do dengue no estado de São Paulo: difusão espacial e barreiras geográficas. 2016, 274f. Tese de doutorado em Geografia, UNESP: Presidente Prudente: 2016

FUNDAÇÃO OSVALDO CRUZ (FIOCRUZ). MonitoraCOVID-19: Nota Técnica 1, 2 de abril de 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Regiões de influência das cidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2018.

NOGUEIRA, A.R.B. et al. Atlas Amazonas: espaço geo-histórico e cultural. Editora Grafset, 2011.

PEREIRA, H.S.; BARBOSA, D.E.S.; SARAIVA, N. Mobilidade por barcos de linha e a difusão da pandemia de COVID-19 nos municípios do interior do Amazonas. Boletim ODS Atlas Amazonas. Especial n.7, maio de 2020. Disponível em: http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5749

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: Território e sociedade no início do século 21. Rio de Janeiro: Record, 2001.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo. São Paulo: EDUSP, 2008.

SCHOR, T.; OLIVEIRA, J.A. Reflexões metodológicas sobre o estudo da rede urbana no Amazonas e perspectivas para a análise das cidades na Amazônia brasileira. ACTA Geográfica, p.15-30, 2011.

SPOSITO, M.E.B; GUIMARÃES, R. B. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia. 26 mar. 2020. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-da-pandemia. Acesso em 15/04/2020.

Topo da página

Notas

1 Os dados dos casos confirmados da COVID-19 no estado foram disponibilizados na plataforma da FVS/AM.

2 Catraia (barco pequeno sem motor) Voadeira (barco pequeno com motor) Barcos de linha (capacidade maior no transporte de pessoas e cargas) Lanchas a “jato” (viagens mais “rápidas”)

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Mapa 1. Localização dos municípios do Amazonas. Fonte: IBGE, 2010.
Créditos Organização: ALEIXO e SILVA NETO, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-1.jpg
Ficheiro image/jpeg, 191k
Título Mapa 2 Casos de Covid-19 no dia 13-3-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-2.jpg
Ficheiro image/jpeg, 306k
Título Mapa 3 Casos de Covid-19 no dia 28-3-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-3.jpg
Ficheiro image/jpeg, 290k
Título Mapa 4 Casos de Covid-19 no dia 12-4-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-4.jpg
Ficheiro image/jpeg, 313k
Título Mapa 5 Casos de Covid-19 no dia 28-4-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-5.jpg
Ficheiro image/jpeg, 357k
Título Mapa 6 Casos de Covid-19 no dia 13-5-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-6.jpg
Ficheiro image/jpeg, 375k
Título Mapa 7 Casos de Covid-19 no dia 26-5-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-7.jpg
Ficheiro image/jpeg, 384k
Título Gráfico 1: Relação entre a intensidade de mobilidade fluvial padrão de interiorização da pandemia no estado do Amazonas.
Créditos Fonte de dados: ARSEPAM e FVS/AM. Elaborado por: PEREIRA, H.S.; BARBOSA, D.E.S.; SARAIVA, N., 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-8.jpg
Ficheiro image/jpeg, 126k
Título Mapa 8 Deslocamentos para serviços de saúde
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/30072/img-9.jpg
Ficheiro image/jpeg, 295k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Natacha Cíntia Regina Aleixo, João Cândido André da Silva Neto, Henrique dos Santos Pereira, Danilo Egle Santos Barbosa e Bruno Cordeiro Lorenzi, « Pelos caminhos das águas: a mobilidade e evolução da COVID-19 no estado do Amazonas », Confins [Online], 45 | 2020, posto online no dia 02 junho 2020, consultado o 12 agosto 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/30072 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.30072

Topo da página

Autores

Natacha Cíntia Regina Aleixo

Departamento de Geografia da UFAM, natachaaleixo@ufam.edu.br

Artigos do mesmo autor

João Cândido André da Silva Neto

Departamento de Geografia da UFAM, joaocandido@ufam.edu.br

Artigos do mesmo autor

Henrique dos Santos Pereira

Centro de Ciências do Ambiente da UFAM, henrique.pereira.ufam@gmail.com

Danilo Egle Santos Barbosa

Centro de Ciências do Ambiente da UFAM, daniloegle@gmail.com

Bruno Cordeiro Lorenzi

Centro de Ciências do Ambiente da UFAM, bclorenzi@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals