Navigation – Plan du site
Resenhas

Uma nova ecologia política da energia?

Análise do documentário “Planet of the Humans” (2019)
Une nouvelle écologie politique de l'énergie? Analyse du documentaire “Planet of the Humans” (2019)
A new political ecology of energy? Analysis of the documentary “Planet of the Humans” (2019)
Leandro Dias de Oliveira
Référence(s) :

Planet of the Humans. Direção: Jeff Gibbs. Produção: Michael Moore, Jeff Gibbs e Ozzie Zehner. Estados Unidos: Rumble Media, 2019 (100 min).

Texte intégral

1Estamos conversando da velha economia do petróleo tentando manter-se agora através de outra matéria-prima, o “planeta verde”. A única razão pela qual o milho e a soja foram plantados para biocombustíveis neste país é pelos subsídios os tornarem rentáveis. Eu acho que a grande crise do nosso tempo é que nossas mentes foram manipuladas para dar poder às ilusões. Passamos a medir o crescimento, não em termos de como a vida é enriquecida, mas em termos de como a vida é destruída. Vandana Shiva (Planet of the Humans, 2019)

  • 1 Física e escritora ambientalista e feminista indiana, cuja obra é referência atual nos estudos ambi (...)
  • 2 “Your honesty is refreshing!” – são estas as palavras de Jeff Gibbs ao final da explanação de Vanda (...)
  • 3 Bióloga marinha norte-americana, é autora de Primavera Silenciosa (Silent Spring, 1962), livro que (...)

2Após cerca de 70 minutos de documentário, Jeff Gibbs, escritor, diretor e coprodutor do filme, encontra nas palavras aqui tornadas epígrafe, proferidas em entrevista por Vandana Shiva1 enquanto participava de um protesto nos Estados Unidos contra o uso dos combustíveis fósseis, um alento de “honestidade refrescante”2 em meio a uma imensidão de malícia e desconhecimento. Aliás, são duas mulheres – Vandana Shiva, em entrevista, e Rachel Carson3, por meio de citações – que oferecem ao telespectador o contraste com as sistemáticas tergiversações, explicações parciais e abordagens falseadas sobre a transição energética em curso da energia fossilista para uma matriz sustentável.

3Planet of the Humans é um documentário que interessa diretamente a todo pesquisador que se dedica a estudar a questão ambiental contemporânea. Para o autor desta análise, crítico das hipocrisias constituídas sob o manto do desenvolvimento sustentável desde a formulação (World Conservation Strategy, 1980), definição (Our Common Future, 1987) e celebração do termo (Agenda 21, 1992), mesmo com previsíveis imperfeições, trata-se de um filme importante por profanar a verdadeira fortaleza conceitual construída em torno da ideia de energia verde-renovável-sustentável. Se é ponto-pacífico que a atual civilização baseada num fossilismo-fordismo globalizado (Altvater, 1995; Porto-Gonçalves, 2002) apresenta factíveis limites futuros, pode-se questionar se os caminhos atualmente seguidos para a transição energética são, verdadeira e ambientalmente, profícuos.

4Junto a Jeff Gibbs, os demais produtores são Ozzie Zehner, pesquisador visitante da Northwestern University e autor de Green Illusions: The Dirty Secrets of Clean Energy and the Future of Environmentalism (Nebraska, Estados Unidos: University of Nebraska Press, 2012), e o documentarista norte-americano Michael Moore, que junto a Gibbs produziu “Tiros em Columbine” (Bowling for Columbine, 2002) e “Fahrenheit 11 de Setembro” (Fahrenheit 9/11, 2004), todos documentários com caráter provocativo a respeito do modelo político-econômico dos Estados Unidos. Apesar de lançado em 31 de julho de 2019 no Traverse City Film Festival – evento cofundado por Moore em 2005 e com características anti-establishment –, o filme chegou somente ao grande o público em 21 de abril de 2020 por meio da plataforma YouTube, onde atingiu em apenas um mês a expressiva marca de mais de 8 milhões de visualizações, considerando somente a versão original em língua inglesa.

5O lançamento na plataforma, de forma gratuita, ocorreu em 21 de abril deliberadamente por ser véspera do Dia da Terra, em sua 50.ª edição. Isto fica explicado na película: o Dia da Terra, uma espécie de dia sagrado e festivalizado do meio ambiente, financiado na edição de 2019 pelas empresas gigantes (e não necessariamente ecologicamente corretas) Toyota, Citibank e Caterpillar, revela que a fusão do capitalismo com o ambientalismo estaria completa. Trata-se de um evento-marca, desde a primeira e histórica edição realizada em 22 de abril de 1970, quando mais de 300 mil americanos participaram, tornando-a para muitos a maior manifestação ambientalista da história (Camargo, 2005; Costa, 2002). Desde sua edição inaugural, o Dia da Terra se consolidou como num potente evento que recebe grandes e diversificados investimentos.

6A tese central de Planet of the Humans é que a construção da nova matriz energética verde-sustentável não rompe com o modelo civilizatório industrial, consumista, de grande descarte e destruidor das riquezas naturais vistas como recursos e mercadorias. Isto ocorre porque esta transição: [1] é peremptoriamente tecnológica, pois renova-se a fé na capacidade redentora da técnica (Habermas, 1983; Porto-Gonçalves, 2002) e, portanto, alimenta-se a crença naquilo que é grande contribuinte do atual estágio de degradação ambiental do planeta; [2] está sendo realizada pelas mesmas grandes corporações que produzem energias com base fóssil (petróleo, carvão, gás natural, urânio, etc.); [3] está estruturada na mesma base das fontes não-renováveis, pois das hélices dos moinhos de vento às redes de fiação para distribuição de energia, usa-se matéria-prima extraída por meio de severos impactos ambientais; e, por fim, [4] é fruto de interesses eminentemente, quando não exclusivamente, econômicos. Como tudo isso é eclipsado pela robusta ideia de “proteção da natureza”, naquilo que denominamos de ideologia do desenvolvimento sustentável (Oliveira, 2005, 2019a, entre outros), todo o investimento na maquinaria industrial é celebrado como uma ação virtuosa de reversão das mazelas ecológicas.

7Assim, uma análise de Planet of the Humans se justifica por representar um oportuno exercício de economia política da energia, um campo de estudo cada vez mais dominante das relações humano-ambientais na geografia contemporânea (WALKER, 2011 [2005]). A perspectiva da ecologia política é fundamental para abordar as questões suscitadas no documentário, pois além de estudar como a política energética é convencionalmente feita (Bridge et. al., 2018), permite pensar num “perfil metabólico” de um país ou região a partir da contabilidade de fluxos de material e energia (Porto, Martínez-Alier, 2007). A ecologia política, segundo Bridge et. al. (2018), oferece uma avaliação empírica do acesso a serviços de energia, a participação social na tomada de decisões sobre o tema e a subsequente alocação dos custos ambientais e sociais da mesma; além disto, agrega as histórias e geografias dos estoques e fluxos de energia na vulnerabilidade das comunidades. Baseado nos escritos de Gustav Cederlöf (2015) sobre o assunto, entendemos que é justamente este o campo de debate do documentário: tratar da substituição do material fossilizado por fontes renováveis sem negligenciar a ecologia política do sistema energético, que opera hegemonicamente por meio de uma racionalidade histórica e geográfica de eletrificação combinada a interesses de corporações dos sistemas energéticos. Afinal, a transição para fontes mais limpas de energia é problemática, pois envolve disputas desde segurança climática e energética até a viabilidade econômica, e causa uma série de impactos sociais e ambientais (Van der Horst, Evans, 2010).

8Assim, se a ideia é confrontar “realidade” e “ideologia”, “fato” e “propaganda”, os eventos ambientalistas se tornam potente matéria-prima para revelar a tese do diretor do documentário. Não há espaço para tons de ironia ou provocação de risos na plateia, artifício comum em documentários da mesma equipe como “Roger e eu” (Roger & Me, 1989), “SiCKO: SOS Saúde” (SiCKO, 2007) ou “Capitalismo: uma história de amor” (Capitalism: A Love Story, 2009): as perguntas são diretas, claras e sérias. Na filmagem do Festival de Energia Solar, em Green Mountain, que deveria ser alimentado integralmente por esta fonte de energia, é explicado por depoimentos e imagens como a ocorrência da chuva obriga os organizadores a usarem geradores movidos à biodiesel e, posteriormente, energia elétrica comum. Em outra parte, num protesto contra energias fósseis – o mesmo em que estava presente Vandana Shiva –, a discrepância interpretativa entre os participantes comuns e os grandes empresários presentes sobre o uso da biomassa se torna explícita para o telespectador por meio de perguntas e respostas incisivas.

9Minha experiência pessoal, neste sentido, corrobora com as impressões do documentarista a respeito de muitos eventos ambientais, especialmente no que se refere ao meu intenso acompanhamento da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20), particularmente da Cúpula dos Povos da Rio+20 por Justiça Social e Ambiental, no Aterro do Flamengo. A Cúpula dos Povos foi organizada pelo Comitê Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio+20 (CFSC), entidade formalmente criada em janeiro de 2011 durante o Fórum Social Mundial de Dakar (Senegal). A Cúpula dos Povos recebeu patrocínio da Caixa Econômica Federal e foi financiada desde a convocação inicial pela Ford Foundation, Fundação Friedrich Ebert (FES), Oxfam, Fundação Heinrich Böll e EED (Evangelischer Entwicklungsdienst). Reunindo coletivos e redes da sociedade civil brasileira e mundial, a Cúpula promoveu importantes debates e criou uma atmosfera rica de resistência política, mas não conseguiu fazer com que suas demandas fossem levadas em consideração pelas delegações presentes no Riocentro. Junto à militância de ambientalistas, havia desde vendas de lotes em condomínios residenciais em áreas verdes da região metropolitana fluminense até um stand de uma Organização Não-Governamental internacional movida a energia solar, que, mediante uma falha operacional, precisou ser substituída por um gerador à gasolina. No Parque dos Atletas, localizado defronte ao Riocentro, pude visitar os espaços de grandes empresas como joalherias, indústrias de refrigerantes e alimentação, grandes montadoras de automóveis, bancos, petroleiras etc., que apresentavam seus produtos e projetos ambientais. Assim como em “Planet of the Humans”, havia um automóvel movido a energia verde, caro, sofisticado e experimental, produzido por uma fabricante gigante do setor. A tônica do filme é essa: revelar as contradições da transição energética em curso.

10A construção da usina Ivanpah Solar Eletric Generating System, com investimentos bilionários das empresas Google, NRG Energy e BrightSource Energy, merece destaque. Ocupando 12 km² no deserto de Mojave, próximo à divisa dos estados da Califórnia e Nevada, com 347 mil espelhos voltados para o sol e capacidade para gerar 342 megawatts de eletricidade – algo suficiente para abastecer mais de 140 mil casas –, trata-se de importante usina onde a luz solar gerada é concentrada em torres espalhadas pela planta. A inauguração da usina contou com a presença do então governador da Califórnia, Arnold Schwarzenegger, e foi mundialmente abordada como um gigantesco avanço na produção de energias alternativas.

  • 4 “Is it possible for machines made by industrial civilization can save us from industrial civilizati (...)

11A princípio, não é unicamente realizado o julgamento da quantidade da produção de energia mesmo numa usina desta envergadura: a questão é que vidro, ferro, alumínio e todos os outros materiais que alimentaram a cadeia produtiva das engrenagens da planta não são matérias-primas renováveis e fazem parte da potente indústria de extração mineral de grandes impactos ambientais. São, afinal, máquinas produzidas pela civilização industrial para confrontar a civilização industrial4! Além disso, o colapso da usina, mostrada em detalhe no filme pela quebra dos painéis e espelhos solares, de pequena durabilidade, junto a intermitência e instabilidade da produção de eletricidade pelas constantes quedas de fornecimento e a dificuldade de fazer backup de energia são somadas ao uso de carga básica nuclear ou carbonífera para revelar as contradições do modelo. Neste mesmo sentido, vislumbra-se o sacrifício dos desertos e de sua rica flora e fauna, considerados descartáveis, em minha opinião, porque tais espaços são preenchidos de natureza menos valorizada que uma floresta.

  • 5 Consultar: Rapier, Robert. There's No Stopping the Oil Sands Train. Investing Daily, 19 de novembro (...)
  • 6 Consultar: U.S. Departamento f State, New Keystone XL Pipeline Application, https://www.state.gov/k (...)
  • 7 Consultar: Brady, Heather. 4 Key Impacts of the Keystone XL and Dakota Access Pipelines: The contro (...)
  • 8 Sobre a questão, consultar a série de enfrentamentos jurídicos disponível em: https://www.narf.org/ (...)

12Ao contrário do sacrifício dos desertos, os parques eólicos, na realidade dos Estados Unidos, ocupam áreas verdes, prioritariamente nas encostas das montanhas. Há, segundo exposto no filme, uma explosão de parques eólicos construídos pelas mesmas empresas de energia nuclear e carbonífera. O parque eólico visitado pelo documentarista apresenta gigantescas turbinas 147 metros e 363 toneladas para capacitação de energia. Cada peça exige 732 metros de concreto na base e 16 toneladas de fibra de vidro e resina. Durante o filme, uma área em Green Mountain, no estado de Vermont, nos Estados Unidos, estava sendo limpa para instalação de 21 turbinas para construção de uma usina eólica. A Green Mountain Power, responsável pela obra, pertence à Gaz Metro, que por sua vez é propriedade da Enbridge, grande empresa do Canadá que constrói oleodutos, gasodutos e utilitários e outras estruturas energéticas. Junto a Power Sands, companhia de estruturas minerais e com gigantes parceiros empresarias, deseja construir o Oil Pipeline XL – XL é exportação ilimitada5 – que ligará a Bacia Sedimentar do Oeste do Canadá, em Alberta, às refinarias em Illinois e Texas e os espaços de armazenamento de petróleo e de distribuição de oleodutos em Cushing, Oklahoma6. A mesma fração do capital que financia a construção de um parque eólico é responsável pelo investimento numa monumental obra, de grande diapasão geopolítico, geoeconômico e geoestratégico com base na produção moderno-fossilista, e que afeta o meio ambiente7 e até mesmo as comunidades indígenas8 da região.

13A implantação de parques eólicos no Brasil já mereceu uma cuidadosa análise que revelou as contradições sociais do processo. Mariana Traldi, em sua tese intitulada “Acumulação por despossessão: a privatização dos ventos para a produção de energia eólica no semiárido brasileiro”, defendida na UNICAMP em 2019, demonstrou o violento processo de implantação de parques eólicos no interior do semiárido brasileiro, implicando numa verdadeira apropriação privada do vento e destacando o papel desempenhado pela propriedade da terra e a relação estabelecida entre os seus proprietários e das empresas de geração eólica a partir dos contratos de arrendamento eólico. Numa composição societária de empresas cujos proprietários são fundos de pensão e de investimento de atuação global e por meio de um processo de green grabbing – apropriação de terras e recursos para fins ambientais –, nota-se que, à revelia das nossas simples impressões iniciais, vento não somente se estoca, mas se privatiza e se usurpa.

14A biomassa recebe especial na narrativa de Planet of the Humans. Como biomassa é um termo genérico que engloba diversos materiais para combustão orgânica – lenha, cana-de-açúcar, serragem, restos de papel e de papelão, galhos secos de árvore etc. –, a sua produção e utilização também requerem análises mais complexas. Afinal, segundo as problematizações do filme, um simples incinerador de resíduos sólidos diversos pode ser chamado de usina de biomassa. Assim, quando o documentarista visita a McNeil Biomass Power Plant, em Burligton, Vermont, ele logo demonstra que há um verdadeiro circuito violento de extração e queima de árvores. Somente nesta empresa são queimados 400.000 toneladas de árvores por ano e 30 m3 de madeira por hora; para seu pleno funcionamento é necessário que ocorra a queima de gás natural; por fim, seriam necessárias dez plantas de mesmo porte para substituir em capacidade de produção de energia uma usina de carvão comum.

  • 9 Consultar: Zeller Jr., Tom. A city goes renewable, but raises questions about impact of biomass pow (...)

15“Ser renovável não é o mesmo que ser limpo e sem carbono”, já nos alertou a ecologista da Nova Inglaterra Mary Booth9, tratando justamente do caso de Burlington, Vermont, cidade movida inteiramente pela tecnologia renovável a base de usinas de queima de madeira. A queima da madeira produz impactos desde o corte indiscriminado de florestas até a emissão de gases poluentes na atmosfera. As usinas de etanol, também citadas no filme, além de utilizarem formas carboníferas de alimentação da sua própria maquinaria, estão baseadas nas grandes produções monocultoras de países periféricos, como o Brasil. E, como bem sabemos, a produção baseada em monocultura exportadora é incapaz de proporcionar qualquer mudança estrutural na realidade socioambiental, sendo responsável por promoção de mais miséria, através das injustiças no campo devido à estrutura agrária brasileira com base no latifúndio e do esgotamento do solo pelo seu empobrecimento nutricional. Portanto, o que se observa é a constituição de um verdadeiro álibi ambiental no mercado contemporâneo da energia, que tem ampliado os subsídios junto aos governos e atraído grandes investidores.

16Por conseguinte, mais importante que o anúncio do então presidente norte-americano Barack Obama de realizar investimentos de trilhões de dólares no meio ambiente – 100 bilhões somente em energia verde! –, são destacados no filme os gigantescos aportes de multibilionários como Richard Branson, do Virgin Group (empresa que atua do setor da música ao da aviação) e Vinod Khosla, da Sun Microsystems e da Khosla Ventures. De forma esperada, Al Gore, importante político norte-americano (vice-presidente de Bill Clinton entre 1993 e 2001 e candidato a presidente em 2000), ativista ecológico, escritor, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2007 e vencedor do Prêmio Oscar pelo documentário sobre mudanças climáticas “Uma Verdade Inconveniente” (An Inconvenient Truth, 2006), é duramente questionado no filme, seja pela promiscuidade entre suas ações políticas e investimentos empresariais, seja pelo flagra de seu lobby junto às autoridades governamentais para obtenção de apoio para a ampliação da produção de etanol a partir da cana-de-açúcar do Brasil. Além do impacto na dilatação dos limites da agropecuária e obliteração das riquezas da fauna e flora amazônica, o movimento da fronteira agrícola leva consigo o signo da expulsão e morte em áreas indígenas numa violenta forma de acumulação primitiva extemporânea. As duras imagens expostas no filme mostrando os indivíduos da tribo amazônica guarani-kaowá sendo expulsos de suas terras não surpreendem o telespectador que vive num país onde um Ministro de Estado afirma, de forma agressiva e contundente, que odeia o termo “povos indígenas”.

17Assim, alguns argumentos se mostram sólidos neste debate. A mesma fração de capital que financia a produção energia alternativa é a das grandes corporações de energia fóssil e, consequentemente, as engrenagens do processo permanecem fincadas num modelo extrativo violento e impactante. Para se produzir energia solar, eólica ou mesmo a controversa biomassa, toda a infraestrutura física, o ferramental empregado e os encadeamentos de distribuição e logística são compostos de silício, polímeros, prata, cobalto, grafite [carbono], ferro, carvão, níquel, cobre, concreto, lítio, lata, cádmio, chumbo, disprósio, cloro, petróleo e muitos outros elementos cuja extração e produção é causadora de grandes impactos ambientais. O hexafluoreto de enxofre, um gás sintético utilizado como isolante e extintor de arco elétrico, é, segundo o filme, 23.000 vezes mais poluente que o gás carbônico (CO2).

18A opção pela energia verde está assim plenamente alinhada com a reestruturação territorial-produtiva em curso. A renovação do parque tecnológico-industrial com engenharia ecologicamente correta, em parte subsidiada por diferentes esferas públicas, fornece ainda mais subsídios para uma renovação técnica fundamental para as indústrias neste início de século. Da mesma maneira, o investimento em fontes alternativas de energia, em um horizonte de renovação na alimentação da tecnologia existente, permite explorar justamente a possibilidade de se produzir natureza em larga escala. Por fim, consolida-se um verdadeiro controle de territórios, cada vez mais geopolitizados e espacialmente fluídos, incorporados por meio da ideologia do desenvolvimento sustentável, transformando de forma estatutária a natureza em mercadoria e etiquetando-a segundo as necessidades do capital (Smith, 1988).

  • 10 Consultar: Bradshaw, Peter. Planet of the Humans review – contrarian eco-doc from the Michael Moore (...)

19Planet of the Humans gerou críticas, reações, notas explicativas, questionamentos técnicos, científicos, provocações e várias acusações de desserviço. Peter Bradshaw, crítico de cinema do jornal inglês The Guardian, acerta quando aponta que Jeff Gibbs não tem nenhuma lição ou moral clara, além de oferecer uma crítica feroz à preponderância econômica das ações ambientais10. Todavia, é notório que estão presentes leituras muito rápidas, quando não injustas, sobre os benefícios de certas conversões para energias renováveis, que merecem esclarecimentos: [1] as renovações técnicas têm ampliado a durabilidade de equipamentos, a capacidade de geração energética e o potencial de armazenamento e estocagem; [2] ainda que lenta, a conversão para combustíveis não-fósseis é certamente bem-vinda, seja em qualquer cenário que se projete para o futuro; [3] o tratamento do tema “crescimento populacional” é pessimamente tratado no filme, correndo-se o risco – onipresente na questão ambiental contemporânea – de apelarmos ao (neo)malthusianismo, uma fórmula interpretativa pobre e improfícua da realidade e historicamente nefasta por culpabilizar as populações mais pobres e periferizadas pelos problemas globais; [4] se Vandana Shiva é uma intérprete brilhante da questão ambiental contemporânea, é injusto restringir as lideranças ambientais atuais a nomes como Al Gore e Robert F. Kennedy Jr., muito mais próximos a um certo tipo de empresariamento ambiental.

  • 11 Consultar: Harvey, Dennis. ‘Planet of the Humans’: Film Review. Variety, New York, USA, Apr 21, 202 (...)
  • 12 Consultar: Monbiot, George. How did Michael Moore become a hero to climate deniers and the far righ (...)

20Numa crítica muito dura, que começa por apontar que o documentário é desarrumado e desanimado, Dennis Harvey, da revista norte-americana de entretenimento Variety, lembra que o caminho para a construção de opção verdadeira de matriz energética verde deve envolver alguns compromissos e o sucesso em degraus gradualmente crescentes11, pois, obviamente, uma transição desta musculatura é lenta e gradativa. Se Bradshaw considerou bom o documentário na sua crítica publicada no The Guardian, duas semanas depois, no mesmo jornal, George Monbiot destacou que Michael Moore se tornou “um herói dos negadores do clima e da extrema direita”, uma vez que há no documentário uma leitura de que o ambientalismo é uma farsa egoísta, causadora de imensos danos ao mundo e enriquecedora de determinados e privilegiados grupos12. De fato, este é um julgamento que comungo, na condição de pesquisador crítico aos pressupostos da conjugação entre economia neoliberal e conservação ecológica, e tenho que concordar com a crítica de George Monbiot principalmente por vivermos em tempos de grande retrocesso ambiental. Afinal, no Brasil, em meio à barbárie que envolve queimadas, afrouxamento de leis, estrangulamento institucional e desestruturação massiva da agenda e política ambiental, o capitalismo racionalizado sob os moldes do desenvolvimento sustentável, mesmo combinando os pressupostos conservacionistas com ensinamentos de gestão de negócios, se revela uma alternativa muito mais progressista.

21No Brasil de hoje, os defensores do desenvolvimento ilimitado-avassalador promovem a ideia da natureza como obstáculo ao progresso e saúdam a poluição atmosférica, a construção de rodovias em áreas verdes, o aquecimento global, os agrotóxicos em geral e a dissolução das reservas indígenas. A vinculação do Serviço Florestal Brasileiro e da Agência Nacional de Águas ao Ministério da Agricultura, a extinção da Secretaria de Mudanças Climáticas, a interrupção no reconhecimento de novas terras indígenas e de terras quilombolas e o congelamento da criação de novas unidades de conservação, com o constante enfraquecimento do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) revelam, entre muitos outros exemplos, os recentes retrocessos na política governamental brasileira atual (Mello-Théry, 2019). Esta irracionalidade econômico-ambiental tem como importante refúgio a soberania, que neste caso, à revelia dos povos tradicionais, respalda a destruição da floresta e o fausto do agronegócio, com a sojicultora, a extração desenfreada de madeiras e a formação de áreas de pastagens para pecuária extensiva em solo amazônico. Neste cenário, é de se esperar que o desenvolvimento sustentável se fortaleça como concepção avante garde e se reabilite como fórmula de proteção da natureza (OLIVEIRA, 2019b).

  • 13 Além de diretor, Frank Capra era engenheiro químico formado em 1918 no Troop Polytechnic Institute, (...)

22A polêmica levantada referente ao tratamento destinado ao Aquecimento Global é injusta: logo no início do documentário é apresentado um trecho do famoso filme “The Unchained Goddess” (1958), realizado no âmbito da série de especiais para a televisão norte-americana “A Bell System Science Series” e sob responsabilidade do diretor de cinema Frank Capra13. Este filme, há mais de sessenta anos, já destacava os riscos ambientais das mudanças climáticas provocadas pelo homem. Não se trata de afirmar que os problemas de poluição estão revertidos ou em declínio – o filme realmente apresenta uma visão referenciada nas nações economicamente centrais do mundo, onde em grande parte os níveis de poluição têm sido minorado –, mas de compreender que, após a publicação e massificação de trabalhos como Silent Spring (1962) ou The Limits of Growth (Limites do Crescimento, 1973 [1971]), a realização de encontros de largo espectro geopolítico como a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano (Estocolmo, Suécia, 1972) e a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio de Janeiro, Brasil, 1992), se atualmente despejamos muito mais poluentes na atmosfera, não é por incerteza científica ou ausência de informação.

  • 14 350.org recebeu o nome de 350 partes por milhão, que é a concentração segura de dióxido de carbono (...)
  • 15 Consultar: McKibben, Bill. Response: Planet of the Humans Documentary, April 22, 2020. Disponível e (...)

23Isto explica porque o julgamento das organizações ambientalistas é tão austero por parte de Jeff Gibbs. Com grandes redes e investimentos, não é mais permitida a propagação de ilusões confortáveis por parte dos movimentos ecológicos globais, nem tolerável a hipocrisia e promiscuidade das relações entre grandes corporações e organizações não-governamentais ambientalistas. Empresas como Coca-Cola, McDonalds, Goldman Sachs, Chevron, Exxon Mobil, Monsanto, a colossal russa Gazprom, a gigante na extração de florestas Viva são apresentadas como financiadoras de projetos, de produtos e de organizações ambientais. Já The Nature Conservacy, Natural Resources Defense Council (NRDC), Union of Concerned Scientists, Dogwood Alliance e Sierra Club são relacionadas como organizações ambientalistas que recebem proventos de empresas ambientalmente condenáveis. O Sierra Club, por exemplo, uma das mais importantes e influentes organizações ambientalistas do mundo (Diegues, 1996), cofundada em 1898 pelo preservacionista John Muir – responsável direto pela criação do Parque Nacional Yosemite –, é relacionada ao lucro verde por receber financiamentos de vendedores bilionários de riquezas florestais. A 350.org, cofundada em 2008 por Bill McKibben para construir um movimento climático global14, divulgou uma dura carta repudiando as imprecisões de Planet of the Humans: ao contrário do que o filme assevera, a organização não apoia a queima de biomassa e indica jamais ter recebido dinheiro de corporações empresarias. McKibben, importante autor na divulgação dos estudos sobre aquecimento global, afirma estar acostumado a ofensivas da indústria de combustíveis fósseis e ameaças de morte de extremistas de direita, mas pondera ser doloroso ser atacado por quem se considera ambientalista15.

  • 16 “How long do you think we humans have?”­.

24“Quanto tempo vocês acham que nós humanos temos?”16 – eis a questão com que se inicia o documentário. Esta pergunta não possui resposta passível de ser considerada gabarito, destacadamente num momento de tamanha vulnerabilidade humana mediante a pandemia da COVID-19 (Farias, 2020). Exercícios críticos como o proposto em Planet of the Humans, mesmo que passíveis de muitos questionamentos, são fundamentais para a análise da ecologia política compromissada com a justiça social e ambiental (Acselrad, Mello, Bezerra, 2009; Turner, 2013). E nestes tempos de mudança e incerteza, debater as mudanças energéticas se consolida como um importante exercício que concilia diversidade de saberes e ação científica, planejamento e resiliência socioambiental.

Post-Scriptum

  • 17 Consultar: Watts, Jonathan. Michael Moore film Planet of the Humans removed from YouTube. The Guard (...)

25Em 26 de maio de 2020, o YouTube retirou Planet of the Humans de sua plataforma, em resposta a uma reivindicação de violação de direitos autorais feita por incluir um clipe a permissão do seu proprietário, Toby Smith, que não aprovava o filme. Jeff Gibbs, em comunicado, afirma que não há absolutamente nenhuma violação de direitos autorais no documentário e que o mau uso da lei de direitos autorais é um ataque ao filme que abriu uma conversa séria sobre as relações indecorosas entre o movimento ambientalista global, Wall Street e os chamados "capitalistas verdes"17. As tensões desta controversa aula de ecologia política da energia do tempo presente permanecem.

Haut de page

Bibliographie

Acselrad, H.; Mello, C. C. A.; Bezerra, G. das N. O que é Justiça Ambiental? Rio de Janeiro: Editora Garamond, 160 p., 2009.

Altvater, E. O preço da riqueza: Pilhagem ambiental e a nova (des)ordem mundial. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 335 p., 1995.

Bridge, G.; Barca, S.; Özkaynak, B.; Turhan, E.; Wyeth, R. “Towards a Political Ecology of EU Energy Policy”. In: Foulds, C.; Robison, R. (Eds.). Advancing Energy Policy: Lessons on the integration of Social Sciences and Humanities. Cham, Switzerland: Palgrave Macmillan, p. 1-11, 2018.

Camargo, A. L. B. Desenvolvimento Sustentável: Dimensões e Desafios. 2. ed. Campinas, SP: Editora Papirus, 160 p., 2005.

Carson, R. Silent Spring. Boston, EUA: Houghton Mifflin Harcourt Company, 400 p., 1962.

Cederlöf, G. “Thermodynamics revisited: the political ecology of energy systems in historical perspective”. In: Bryant, R. L. The International Handbook of Political Ecology. Cheltenham. United Kingdom; Massachussets, USA: Edward Elgar Publishing, 2015, pp. 646–658.

Costa, E. A. “O Discurso do Desenvolvimento Sustentável a serviço do Capitalismo Mundial”. Anais do ENG – Encontro Nacional de Geógrafos, XIII, 2002. João Pessoa, PB: Universidade Federal da Paraíba, 2002. 1 CD-ROM.

Diegues, A. C. O Mito Moderno da Natureza Intocada. São Paulo: HUCITEC, 1996.

Farias, H. S. “O avanço da Covid-19 e o isolamento social como estratégia para redução da vulnerabilidade”. Espaço e Economia: Revista Brasileira de Geografia Econômica, ano 9, n.º 17, Rio de Janeiro, p. 1-19, abril de 2020. Disponível em: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/11357. Acesso em: 26 de maio de 2020.

Habermas, J. “Técnica e ciência enquanto ‘ideologia’”. In: Benjamin. Habermas. Horkheimer. Adorno. Seleção de Textos. São Paulo: Abril Cultural, 1983, pp. 313-343.

Meadows, D. H.; Meadows, D. L.; Randers, J.; Behrens III, W. W. Limites do Crescimento: Um relatório para o projeto do Clube de Roma sobre o dilema da humanidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 200 p.,1973 (1971).

Mello-Théry, N. A. de. “Perspectivas ambientais 2019: retrocessos na política governamental”. Confins: Revista Franco-Brasileira de Geografia, Edição 501, pp.1-14, 2019. Disponível em: http://journals.openedition.org/confins/21182. Acesso em: 26 de maio de 2020.

Oliveira, L. D. “A Ideologia do Desenvolvimento Sustentável: Notas para Reflexão. Revista Tamoios, Rio de Janeiro, UERJ-FFP, v. I, n. 2, p. 33-38, 2005.

Oliveira, L. D. Geopolítica ambiental: a construção ideológica do desenvolvimento sustentável (1945-1992). Rio de Janeiro: Autografia, 323 p. 2019a.

Oliveira, L. D. “Desenvolvimento ilimitado? A questão ambiental contemporânea sob a ótica da geografia econômica”. In: Oliveira, Floriano José Godinho de; Oliveira, L. D.; Tunes, R. H.; Pessanha, R. M. (Orgs.). Espaço e economia: geografia econômica e a economia política. Rio de Janeiro: Consequência, 2019b, p. 219-244.

Porto, M. F.; Martínez-Alier, J. “Ecologia política, economia ecológica e saúde coletiva: interfaces para a sustentabilidade do desenvolvimento e para a promoção da saúde”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, supl. 4, pp. S503-S512, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2007001600011&lng=en&nrm=iso . Acesso em 25 de maio de 2020.

Porto-Gonçalves, C. W. A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 250 p., 2006.

Smith, N. Desenvolvimento Desigual: Natureza, Capital e a Produção do Espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 461 p., 1988.

Traldi, M. Acumulação por despossessão: a privatização dos ventos para a produção de energia eólica no semiárido brasileiro. (378 p.). Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, São Paulo, 2019.

Turner, M. D. “Political ecology I: An aliance with resilience?” Progress in Human Geography, Vol 38, Issue 4, p. 616-623, 2014. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0309132513502770?casa_token=GMJxxwIWmkEAAAAA%3AWwn_oy5Ks423Y9PdoNlo6_vM4ZN-eME_useisGoU4SgWbJP4Bx1hYDLqdBI8NjOYT9zNwazTo2f_3ls#. Acesso em: 26 de maio de 2020.

Van der Horst, D.; Evans, J. “Carbon Claims and Energy Landscapes: Exploring the Political Ecology of Biomass”. Landscape Research, 35:2, p. 173-193, 2010. DOI: 10.1080/01426390903564879.

Walker, P. A. “Ecologia política: onde está a ecologia?”. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 23, Editora UFPR, p. 83-93, jan./jun. 2011 (2005). Disponível em: https://revistas.ufpr.br/made/article/download/19697/14458. Acesso em 25 de maio de 2020.

Zehner, O. Green Illusions: The Dirty Secrets of Clean Energy and the Future of Environmentalism. Nebraska, Estados Unidos, University of Nebraska Press, 464 p., 2012.

Documentos Consultados:

Conservation of Nature and Natural Resources (IUCN), United Nations Environment Programme (UNEP) and the World Wildlife Fund (WWF). World Conservation Strategy: Living Resource Conservation for Sustainable Development. Switzerland, IUCN-UNEP-WWF, 1980. Disponível em: https://portals.iucn.org/library/efiles/documents/WCS-004.pdf. Acesso em: 24 de maio de 2020.

World Commission on Environment and Development. Our Common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/content/documents/5987our-common-future.pdf. Acesso em: 24 de maio de 2020.

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Agenda 21. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 1996.

Páginas Eletrônicas Consultadas:

Brady, H. “4 Key Impacts of the Keystone XL and Dakota Access Pipelines: The controversial projects may affect animals, climate, and people. Here’s how”, National Geographic, January, 25, 2017. Disponível em: https://www.nationalgeographic.com/news/2017/01/impact-keystone-dakota-access-pipeline-environment-global-warming-oil-health/. Acesso em: 22 de maio de 2020.

Bradshaw, P. “Planet of the Humans review – contrarian eco-doc from the Michael Moore stable”, The Guardian, London, United Kingdom, Apr 21, 2020. Disponível em: https://www.theguardian.com/film/2020/apr/22/planet-of-the-humans-review-environment-michael-moore-jeff-gibbs. Acesso em: 21 de maio de 2020.

Harvey, D. “‘Planet of the Humans’: Film Review”, Variety, New York, USA, Apr 21, 2020. Disponível em: https://variety.com/2020/film/reviews/planet-of-the-humans-film-review-1234586660/. Acesso em: 21 de maio de 2020.

McKibben, B. “How did McKibben, Bill. Response: Planet of the Humans Documentary”, April 22, 2020. Disponível em: https://350.org/response-planet-of-the-humans-documentary/. Acesso: em 26 de maio de 2020.

Monbiot, G. “Michael Moore become a hero to climate deniers and the far right?”, The Guardian, London, United Kingdom, 7 May 2020. Disponível em: https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/may/07/michael-moore-far-right-climate-crisis-deniers-film-environment-falsehoods. Acesso em: 21 de maio de 2020.

Rapier, R. “There's No Stopping the Oil Sands Train”, Investing Daily, 19 de novembro de 2013. Disponível em: https://www.investingdaily.com/18811/theres-no-stopping-the-oil-sands-train. Acesso em: 22 de maio de 2020.

Sweet, C. “The $2.2 Billion Bird-Scorching Solar Project: At California's Ivanpah Plant, Mirrors Produce Heat and Electricity – And Kill Wildlife”, The Wall Street Journal. Feb. 12, 2014. Disponível em: https://www.wsj.com/articles/the-22-billion-birdscorching-solar-project-1392254023?tesla=y. Acesso em: 22 de maio de 2020.

Watts, J. “Michael Moore film Planet of the Humans removed from YouTube”, The Guardian, London, United Kingdom, 26 May 2020 https://www.theguardian.com/film/2020/may/26/michael-moore-film-planet-of-the-humans-removed-from-youtube#maincontent. Acesso em: 26 de maio de 2020.

Zeller Jr., T. “A city goes renewable, but raises questions about impact of biomass power [Burlington, Vermont, is now powered entirely on renewable technology, but critics point to wood-burning plant]”, Al Jazeera America, April 20, 2015. Disponível em: http://america.aljazeera.com/articles/2015/4/20/a-city-goes-renewable-but-raises-questions-about-impact-of-biomass-power.html. Acesso em: 23 de maio de 2020.

Páginas Eletrônicas Institucionais Consultadas:

350.org, https://350.org.

Dogwood Alliance, www.dogwoodalliance.org.

Embridge INC., https://www.enbridge.com.

GazMétro GNL Liquefied Natural Gas, https://www.gnl.gazmetro.com/en.

Green Mountain Energy Company, https://www.greenmountainenergy.com.

Ivanpah Solar Electric Generating System (ISEGS) / BrightSource, http://www.brightsourceenergy.com/ivanpah-solar-project#.XsrL2TpKjIU.

McNeil Generating Station, Burlington Electric Department, https://www.burlingtonelectric.com/more-mcneil.

Native American Rights Fund (NARF), https://www.narf.org.

Natural Resources Defense Council, https://www.nrdc.org.

PowerSands, https://www.power-sands.com.

Sierra Club, https://www.sierraclub.org/.

The Nature Conservacy, https://www.nature.org/en-us.

Traverse City Film Festival, https://www.traversecityfilmfest.org.

Union of Concerned Scientists, https://www.ucsusa.org.

U.S. Departamento f State, New Keystone XL Pipeline Application, https://www.state.gov/keystone-pipeline-xl.

Virgin, https://www.virgin.com.

Filmografia Citada:

Capitalismo: uma história de amor [Capitalism: A Love Story]. Direção: Michael Moore. Produção: Anne Moore e Michael Moore. Estados Unidos: Dog Eat Dog Films, The Weinstein Company e Overture Films, 2009 (127 min).

Fahrenheit 11 de Setembro. [Fahrenheit 9/11]. Direção: Michael Moore. Produção: Michael Moore, Jim Czarnecki e Kathleen Glynn. Coprodução: Kurt Engfehr e Jeff Gibbs. Estados Unidos: Lions Gate Films / IFC Films, 2004 (122 min).

Roger e eu [Roger & Me]. Direção: Michael Moore. Estados Unidos: Dog Eat Dog Films, 1989 (91 min).

SiCKO: SOS Saúde [SiCKO]. Direção: Michael Moore. Produção: Michael Moore e Meghan O'Hara. Estados Unidos: Dog Eat Dog Films, Lionsgate e The Weinstein Company, 2007 (123 min).

The Unchained Goddess. Direção: Richard Carlson e William T. Hurtz. Produção: Frank Capra, Joseph Sistrom , Shamus Culhane. Estados Unidos: Frank Capra Productions, Shamus Culhane Productions, National Broadcasting Company (NBC) e Image Entertainment, 1958 (110 min).

Tiros em Columbine [Bowling for Columbine]. Direção: Michael Moore. Estados Unidos: LW – Microservice, 2002 (120 minutos).

Uma Verdade Incoveniente [An Inconvenient Truth]. Direção: Davis Guggenheim. Escrito e estrelado por Al Gore. Estados Unidos: Lawrence Bender Productions, Paramount Classics, 2006.

Haut de page

Notes

1 Física e escritora ambientalista e feminista indiana, cuja obra é referência atual nos estudos ambientalistas e feministas.

2 “Your honesty is refreshing!” – são estas as palavras de Jeff Gibbs ao final da explanação de Vandana Shiva rejeitando a forma como tem sido efetivada a opção por biomassa.

3 Bióloga marinha norte-americana, é autora de Primavera Silenciosa (Silent Spring, 1962), livro que aborda de forma pioneira os impactos ambientais dos pesticidas e se tornou seminal para a consciência ambiental moderna.

4 “Is it possible for machines made by industrial civilization can save us from industrial civilization?” – é a indagação de Jeff Gibbs perante uma imponente turbina de energia eólica.

5 Consultar: Rapier, Robert. There's No Stopping the Oil Sands Train. Investing Daily, 19 de novembro de 2013. Disponível em: https://www.investingdaily.com/18811/theres-no-stopping-the-oil-sands-train/. Acesso em: 22 de maio de 2020.

6 Consultar: U.S. Departamento f State, New Keystone XL Pipeline Application, https://www.state.gov/keystone-pipeline-xl/. Acesso em: 22 de maio de 2020.

7 Consultar: Brady, Heather. 4 Key Impacts of the Keystone XL and Dakota Access Pipelines: The controversial projects may affect animals, climate, and people. Here’s how. National Geographic, January, 25, 2017. Disponível em: https://www.nationalgeographic.com/news/2017/01/impact-keystone-dakota-access-pipeline-environment-global-warming-oil-health. Acesso em: 22 de maio de 2020.

8 Sobre a questão, consultar a série de enfrentamentos jurídicos disponível em: https://www.narf.org/cases/keystone. Acesso em: 24 de maio de 2020.

9 Consultar: Zeller Jr., Tom. A city goes renewable, but raises questions about impact of biomass power [Burlington, Vermont, is now powered entirely on renewable technology, but critics point to wood-burning plant]. Al Jazeera America, April 20, 2015. Disponível em: http://america.aljazeera.com/articles/2015/4/20/a-city-goes-renewable-but-raises-questions-about-impact-of-biomass-power.html. Acesso em: 23 de maio de 2020.

10 Consultar: Bradshaw, Peter. Planet of the Humans review – contrarian eco-doc from the Michael Moore stable. The Guardian, London, United Kingdom, Apr 21, 2020. Disponível em: https://www.theguardian.com/film/2020/apr/22/planet-of-the-humans-review-environment-michael-moore-jeff-gibbs . Acesso em: 21 de maio de 2020.

11 Consultar: Harvey, Dennis. ‘Planet of the Humans’: Film Review. Variety, New York, USA, Apr 21, 2020. Disponível em: https://variety.com/2020/film/reviews/planet-of-the-humans-film-review-1234586660/. Acesso em: 21 de maio de 2020.

12 Consultar: Monbiot, George. How did Michael Moore become a hero to climate deniers and the far right? The Guardian, London, United Kingdom, 7 May 2020. Disponível em: https://www.theguardian.com/commentisfree/2020/may/07/michael-moore-far-right-climate-crisis-deniers-film-environment-falsehoods. Acesso em: 21 de maio de 2020.

13 Além de diretor, Frank Capra era engenheiro químico formado em 1918 no Troop Polytechnic Institute, instituição que pouco depois, em 1920, se tornaria a California Institute of Technology (Caltech), prestigiosa universidade localizada em Pasadena, Califórnia, Estados Unidos.

14 350.org recebeu o nome de 350 partes por milhão, que é a concentração segura de dióxido de carbono na atmosfera.

15 Consultar: McKibben, Bill. Response: Planet of the Humans Documentary, April 22, 2020. Disponível em: https://350.org/response-planet-of-the-humans-documentary/. Acesso: em 26 de maio de 2020.

16 “How long do you think we humans have?”­.

17 Consultar: Watts, Jonathan. Michael Moore film Planet of the Humans removed from YouTube. The Guardian, London, United Kingdom, 26 May 2020 https://www.theguardian.com/film/2020/may/26/michael-moore-film-planet-of-the-humans-removed-from-youtube#maincontent. Acesso em: 26 de maio de 2020.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Leandro Dias de Oliveira, « Uma nova ecologia política da energia? », Confins [En ligne], 46 | 2020, mis en ligne le 28 juin 2020, consulté le 15 août 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/31201

Haut de page

Auteur

Leandro Dias de Oliveira

Professor do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, ldiasufrrj@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals