Navigation – Plan du site
Síntese

Os aspectos originais da geografia da França

Les caractères originaux de la géographie de la France
The original features of the geography of France
Jean-Robert Pitte
Traduction de Guilherme Duarte (UFRGS); revisado por Patrícia Reuillard (UFRGS).
Cet article est une traduction de :
Les caractères originaux de la géographie de la France

Résumés

La France est une nation, une construction culturelle et politique qui a agrégé des territoires divers autour du noyau de l’Île-de-France sur une durée d’un millénaire. Elle a toujours été partagée entre forces centrifuges et forces centripètes, entre le souci de respecter la diversité régionale et la centralisation étatique et géographique dont Paris est le puissant symbole. L’ouverture sur trois mers et océans et sa position de finisterre européen, de même que son héritage romain et chrétien, ont fait de la France un pays extraverti, ouvert à de multiples influences extérieures et désireux de rayonner en Europe et dans le monde.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

France, Nation, centralisation, État, Paris

Index by keywords :

France, Nation, centralization, State, Paris

Índice de palavras-chaves :

França, Nação, centralização, Estado, Paris
Haut de page

Texte intégral

  • 1 Discurso feito em 4 de novembro de 2019, no Instituto de França, Academia das Ciências Morais e Pol (...)

1Ponto mais oriental do continente europeu, a França construiu-se ao longo de um milênio como nação, como Estado, como um espaço geográfico unificado1. Nada estava escrito com antecedência, nenhum traço de sua configuração física a predispôs a nascer e a perdurar em seu perímetro e organização atuais. Sua geografia resulta de escolhas culturais incorporadas em um projeto geopolítico. Ela chegou a um ponto de sua história em que finalmente está em paz com seus vizinhos, mas também em que, talvez em parte por esse motivo, sua coesão interna está enfraquecida e seus habitantes têm menos confiança em si mesmos. Para se recuperar e inventar um novo desejo de conviver na diversidade compartilhada em seu território, de continuar a inspirar sem arrogância a Europa e o mundo, os franceses devem mostrar imaginação. Pensar melhor sobre como se formaram enquanto nação e como organizaram seu espaço de vida pode dar-lhes um novo impulso e encorajá-los a superar seus medos atuais, o da globalização e o de um colapso ambiental planetário. Para fazer isso, eles devem superar os impasses do individualismo frenético e do fascínio pelo consumo de bens materiais. Um país só pode florescer se for animado por um ideal coletivo alimentado pela generosidade e pelo otimismo a toda prova. É também a condição de uma demografia dinâmica sem a qual ele deixa de ser inventivo, afunda-se no tédio e depois se entrega às suas piores inclinações.

Ambientes criados e evolutivos

  • 2 Alphonse de Chateaubriand, Voyage au Mont-Blanc et réflexions sur les paysages de montagne, Paris, (...)

2Como em qualquer geografia, não há nenhum aspecto permanente do território francês, nem determinismo físico, mas apenas escolhas humanas mais ou menos racionais, mais ou menos duradouras. Seus climas mudaram constantemente, às vezes de forma rápida, como acontece no momento. Seus relevos e sua própria rede hidrográfica, mais estáveis na aparência, só valem pela maneira como foram considerados e valorizados. Mesmo que o Maciço Central ou o rio Ródano não tenham mudado de lugar ao longo da história, seus papeis variaram bastante, ora ponto cego e fronteira, ora articulação e espaço de contato ou cobiça. Não esqueçamos que o próprio conceito de Maciço Central é uma invenção dos geógrafos do período da Terceira República francesa (1870-1940) que, por razões geopolíticas, exaltaram seu papel de reservatório, irrigando grande parte do país, e de centro exportador de emigrantes, cobrindo a França de cafés típicos com venda de lenha e carvão e, assim, ajudando a forjar a unidade nacional com mais facilidade do que o Grande Exército de Napoleão ou as trincheiras da Grande Guerra. Mais altas montanhas da Europa, os Alpes nunca constituíram realmente uma fronteira. Sua travessia pelas tropas e elefantes de Aníbal em 218 a.C. durou apenas 25 dias; ocorre hoje em poucas horas, o que não acontece nos Pirineus, exceto em suas extremidades, porque essa necessidade nunca se impôs na relação franco-ibérica. A cadeia alpina foi durante muito tempo uma área de trabalho exaustiva e pouco rentável, como Chateaubriand escreveu sobre o Mont Blanc, que não o comovia muito em 18082, mas o profeta foi Jean-Jacques Rousseau, e hoje as pastagens nas montanhas são tão frequentadas no inverno e no verão quanto o metrô parisiense no horário de pico.

3Os três mares que banham as costas do país foram explorados desde a Antiguidade como grandes janelas abertas para o mundo. Isso não é regra na superfície da Terra: China, Índia ou mesmo os impérios ameríndios maias e astecas, ainda que amplamente abertos aos oceanos, têm histórias marítimas que não se comparam às dos países europeus banhados pelo Atlântico, Mar do Norte e Mediterrâneo, principalmente à França, motivados pelo desejo de transmitir. O litoral era estimado outrora apenas em função de suas possibilidades portuárias, em geral localizadas nos estuários. O próprio mar atraía apenas marinheiros profissionais (pescadores, comerciantes, forças navais). Tornou-se tão atraente que um décimo da população vive em cidades costeiras e mais de 20% no verão.

4O Vale do Loire foi por muito tempo considerado o mais emblemático meio da França, seu berço, seu conservatório linguístico — uma região sem sotaque, diz Jacques Puisais sobre sua pronúncia e seus vinhos — seu jardim e seu arquétipo paisagístico, seu paraíso inspirador dos poetas. Certamente deve sua reputação ao clima, poupado de todo excesso, mas principalmente à escolha pelos reis da França e sua corte e ao trabalho colossal de domínio de um rio caprichoso, outrora estudado por Roger Dion em sua tese sobre geografia regional, defendida em 1934. O resto é apenas literatura e está tudo bem assim.

  • 3 N. de trad.: Exaltação da região de La Beauce, que fica entre os rios Sena e Loire, conhecida por s (...)

5Os bons e belos campos da França foram, por muito tempo, as únicas planícies cultiváveis que eram os celeiros de trigo do país: planaltos da bacia de Paris, planície norte, Limagne, Alsácia, vales do rio Saône e rio Garona. O escritor Charles Péguy ainda podia cantar o oceano de trigo em 1913 em seu poema Présentation de la Beauce à Notre-Dame de Chartres3. Hoje, embora ainda sejam essenciais para nossa economia, esses espaços abertos atraem mais rodovias, linhas de trem-bala e promotores de turbinas eólicas do que poetas. A maior parte do campo, onde muitos viveram do suor de seu rosto durante séculos, está agora desertada, para desespero dos últimos agricultores, em menor número do que os moradores secundários, que não conseguem suportar o canto dos galos, o som dos sinos e o cheiro de estrume, mas gostariam que as paisagens fossem bem preservadas para seu prazer estético. As únicas exceções são os vinhedos e as áreas de denominação de origem protegida, onde as pessoas vivem bastante bem e os altos preços dos terrenos desencorajam os forasteiros. Quanto às florestas, que ocupam 30% do território, foram por muito tempo áreas de pastagem, também fornecedoras de madeira e caça. Elas se tornaram locais de recreação onde silvicultores e caçadores não são mais bem-vindos, apesar da escassez da indústria madeireira e da invasão de javalis e veados.

6Finalmente, as cidades viram seus atrativos se deslocarem. Por muito tempo insalubres, seus centros degradados eram considerados feios. Aqueles que podiam pagar, como em quase todo o mundo, escolhiam viver nos arredores arborizados e arejados. Até os pobres sonhavam, nos anos 1930, em morar em uma pequena casa cercada por um jardim e, nos anos 1960, com uma moradia em um novíssimo conjunto residencial popular. Hoje, os centros urbanos foram restaurados, a poluição diminuiu e eles se tornaram gentrificados ou elitizados: basta caminhar pelas ruas que cercam nosso palácio do Instituto ou o Marais, que quase foi arrasado após a guerra se André Malraux não o tivesse classificado como um “setor protegido”. Os subúrbios populares, pelo contrário, especialmente as 195 zonas prioritárias a serem urbanizadas, criadas a partir de 1958, de acordo com os princípios sectários da Carta de Atenas de Le Corbusier, acumulam todas as desvantagens e se tornaram espaços de desemprego, insegurança e de repulsa.

7Assim, em um século, o olhar lançado sobre os meios franceses e, portanto, sua atratividade se inverteram amplamente. Um pouco de bom senso político evitaria as consequências absurdas dessa reviravolta tão brutal quanto impensada. Não lamentaremos a suspensão da DATAR (Delegação de Planejamento Territorial e Ação Regional), fundada em 1963 e grande responsável por essa situação.

8Os historiadores Jules Michelet ou Fernand Braudel acreditavam, de maneira um tanto ingênua, que uma das características da geografia da França era a variedade excepcional de seus ambientes: uso propositadamente a palavra ambiente que designa a cumplicidade milenar entre um meio físico, diversas atividades humanas em longo prazo, em suma, percepções paisagísticas e gostos estéticos que variam de uma geração à outra. Na realidade, a França é um resumo das latitudes médias da Europa, mas sua diversidade não é de forma alguma maior do que a do resto do planeta. Essa crença é uma retórica imaginada pela elite para afirmar um tipo de superioridade que seria a riqueza abundante da França em todas as áreas: paisagens, climas, produções, belas-artes, queijos, culinária, vinhos etc. Embora Paris e o Estado tenham trabalhado com todas as suas forças para homogeneizar e até padronizar o país, essa diversidade proclamada com orgulho se revela uma espécie de antídoto, mesmo que às vezes provenha do pensamento mágico e do voluntarismo. Como prova disso, a campanha realizada e gerida pelo Estado francês junto à UNESCO para a inclusão na lista do patrimônio mundial, em 2015, das 1.247 regiões vitícolas da Borgonha, localmente chamada de climats, sortimento cintilante que foi reconhecido como tendo “valor universal”. Felizmente, o fato é admitido por todos os amantes dos grandes vinhos dessa região, dos quais apenas uma pequena proporção é consumida na França!

  • 4 Descartes, Discours de la méthode, [1637], texto organizado por Victor Cousin, Levrault, 1824, tome (...)
  • 5 Sagesse, 9, 2-3.
  • 6 Hermann de Keyserling, Analyse spectrale de l’Europe (1928), Paris, éd. Gonthier, 1965, p. 38.

9Herdeiros de civilizações judaico-cristãs e, em maior parte, mediterrâneas até recentemente, os franceses nunca veneraram a “natureza” no sentido que hoje é dado pelos proponentes da ecologia integral, que busca suas raízes nas mitologias dos povos do norte. Eles há muito atuam como “mestres e possuidores da natureza”, como Descartes4 escreveu, de acordo com a mensagem da Bíblia5: “Vós formastes o homem para ser o senhor de todas as vossas criaturas, governar o mundo na santidade e na justiça” Se a França é uma das pátrias dos direitos humanos, não é do direito dos animais, plantas, água e rochas. Esta é, no entanto, uma corrente de pensamento que está avançando, como na maioria dos países do mundo e em organizações internacionais que implementam a ideia de “contrato natural” que curiosamente seduziu nosso colega da Academia Francesa, o falecido Michel Serres. Hermann de Keyserling, aristocrata báltico-alemão, imerso na cultura francesa, admirava essa liberdade em relação ao meio ambiente6: “[...] o francês é essencialmente um jardineiro e no mais alto grau. [...] a França é essencialmente em todos os aspectos a natureza cultivada, o que é precisamente um jardim.” Os parques nacionais, santuários de uma vida supostamente selvagem, nunca tentaram muito a França, que prefere os “Parques Naturais Regionais”, laboratórios de harmonia entre diversas atividades humanas, incluindo industrial, e o ambiente de vida. Sua filosofia merece ser generalizada para todo o território e para todo o planeta.

A Nação França

  • 7 Yves Lacoste, Vive la nation. Destin d’une idée géopolitique, Paris, Fayard, 1998; Frédéric Encel e (...)

10A França é acima de tudo uma ideia, um sentimento nacional mais ou menos bem compartilhado por seus habitantes, ao longo de uma história que conheceu vicissitudes, entusiasmos, desânimos, dramas como guerras civis ou invasões. Nestes tempos, devemos reler o texto esclarecedor da famosa conferência proferida pelo escritor Ernest Renan na Sorbonne, em 11 de março de 1881, tão procedente do ponto de vista da história quanto da geografia: “Uma nação é uma alma, um princípio espiritual [...]. O homem não é escravo de sua raça, idioma, religião, do curso dos rios nem da direção das cadeias de montanhas. Uma grande agregação de homens, sã de espírito e calorosa no coração, cria uma consciência moral chamada nação [...]. Nações não são algo eterno. Elas começaram, elas vão acabar. […] Uma nação […] supõe um passado; no entanto, pode ser resumida no presente por um fato tangível: o consentimento, o desejo claramente expresso de continuar vivendo juntos.” É preocupante ver muitos de nossos compatriotas se afastarem desse programa, desrespeitarem a democracia representativa e se recusarem a permitir que o Estado exerça algumas de suas missões soberanas, tais como: manter a ordem e garantir a segurança de todos, administrar rigorosamente as finanças públicas, garantir que todos possam receber uma educação que lhes permita encontrar um emprego e que trabalho, esforço e mérito sejam dignamente remunerados. Estes são sinais de que o espírito de nação que fez a geografia da França encontra-se amortecido7.

  • 8 Paris, Fayard, 2019

11De onde vinha esse sentimento tão forte, que está desaparecendo hoje e que foi o cimento do território francês durante pelo menos mil anos? Nascida no coração da bacia parisiense, dentro e ao redor da planície fértil da França, a dinastia capetiana gradualmente constituiu um novelo de territórios. É a herdeira do espírito romano que se une a valores fortes de povos diversos, uma ideia que Carlos Magno conseguiu reviver brevemente no final do século VIII. Um desses valores é o cristianismo. É dele que vem essa antiga recusa do direito ao sangue em favor de um direito do solo condicionado por uma adesão total à nação. E como o cientista político Jérôme Fourquet mostra em sua recente obra L'archipel français8, que descreve a atomização da França, é por causa do recente abandono do catolicismo, inclusive em suas transformações sociológicas, que a nação não faz mais os franceses sonharem. A fusão da ideia romana e da ideia cristã se encarnou por muito tempo na pessoa do rei, coroado em Reims, cujo prestígio foi reforçado após a canonização de São Luís em 1297. Ela sofreu sobressaltos em cada crise dinástica, mas sobreviveu até recentemente, tendo a República assumido plenamente a ideia de nação e assumido os valores cristãos de liberdade, igualdade, fraternidade, cujo significado a sociedade está a caminho de deturpar muito mais rapidamente do que nos dois séculos que se seguiram à Revolução Francesa.

  • 9 N. de trad.: rebelião de alguns príncipes e nobres contra o poder do Rei
  • 10 Jean-François Gravier, Paris et le désert français, Paris, Le Portulan, 1947.
  • 11 Pierre de Vaissière, Gentilshommes campagnards dans l’ancienne France, Paris, 1904, Reprint Genève, (...)
  • 12 Jean d’Ormesson, Au plaisir de Dieu, Paris, Gallimard, 1974, p. 23.

12Foi na Île-de-France que nasceu, na Idade Média, o símbolo mais deslumbrante da jovem nação que se constrói, a chamada arte francesa, a das catedrais, que os intelectuais do Iluminismo qualificarão com condescendente escárnio de gótico, mas que fascinou tanto o Ocidente que será imitado até a Suécia, Polônia, Inglaterra, Castela ou Sicília. Ao longo dos séculos, os capetianos procuraram controlar totalmente o acesso aos mares próximos, o Canal da Mancha e o Atlântico, depois o Mediterrâneo, para depois atacar as terras do Império. A linha Reno-Jura-Alpes, erroneamente chamada de “fronteira natural”, só foi totalmente estabelecida entre o final do século XVII e a segunda metade do século XIX. A fronteira norte fica próxima à capital, porque as altas densidades populacionais das planícies ao norte e as liberdades urbanas recém obtidas tornaram as conquistas reais e napoleônicas difíceis e temporárias. Ao longo do caminho, a França quase desapareceu durante a Guerra dos Cem Anos, sob pressão da Inglaterra e da Borgonha, depois quase se desmanchou durante as Guerras da Religião ou a Fronde9. Foram esses problemas que acentuaram a vontade centralizadora do poder real e o fortalecimento da ideia nacional. Os Bourbon, inspirados ou apoiados por seus grandes servidores, como Sully, Richelieu, Mazarin ou Colbert e muitos outros, optaram pelo enfraquecimento de instituições provinciais, como Estados e parlamentos. Os impérios, monarquias, repúblicas que se sucederam desde a Revolução nunca questionaram essa escolha, muito pelo contrário. A França se viu assim unificada sob o domínio de Paris, que influenciou uma área cada vez mais vasta da Europa Ocidental e do mundo, mas gradualmente criou um vácuo circundante, secando a província de sua elite e criando o deserto francês10. Darei apenas um sintoma que, por si só, resume uma das facetas do mal francês: Dos 148 aristocratas pensionistas do rei e vivendo perto dele em 1520, seu número aumentou para 14 mil com Luís XVI, sem contar os pensionistas dos príncipes11. Jean d'Ormesson, nascido neste ambiente, descreve-o muito bem12: Poder-se-ia pensar, na França, que o dinheiro não existia. Obviamente, não existia porque o tínhamos. Mas ninguém jamais teria coragem de falar sobre isso. Nem, é claro, de ganhá-lo. O dinheiro, como o câncer, a tuberculose, as doenças venéreas, era objeto de um tratamento que consistia primeiro em mergulhá-lo no nada. A imagem do mundo que esse silêncio nos trazia era um pouco obscura, mas bastante encantadora.” Esse adjetivo “encantador” é engraçado, mas indica uma diferença na percepção do dinheiro na sociedade francesa, o que explica a força do sentimento de frustração daqueles que não o têm e que a crise conhecida como “coletes amarelos”, no outono de 2018, bem destacou. É lamentável que Luís XIV tenha desistido de aplicar o projeto de dízimos reais que Vauban lhe havia proposto e que teria colocado a França em trilhos econômicos e sociais muito mais seguros e justos. A política mercantilista colbertista que continua a ser ensinada e praticada nos altos escalões do nosso país tem suas virtudes, mas também muitas desvantagens. Talvez devêssemos associá-la um pouco à política vaubanista...

  • 13 Alain Peyrefitte, Le mal français, Paris, Plon, 1976, p. 103.

13Esta é não apenas uma das causas da Revolução Francesa, mas também do atraso no campo agrícola e industrial em comparação com a Inglaterra, onde a maioria dos landlords permanece até hoje em suas terras. O general De Gaulle confidenciou a Alain Peyrefitte que ele não compartilhava seu ponto de vista sobre as consequências muito negativas do êxodo da nobreza para Paris. Ele admirava todas as decisões tomadas por Luís XIV para dar mais dignidade à função real, centralizar e fortalecer a grandeza da França13. Acrescentemos outra decisão infeliz do Rei Sol: a revogação do Edito de Nantes em 1685, que expulsou mais de 200 mil cidadãos da elite do país, que colocaram seus talentos a serviço de vários países do norte da Europa ou de além-mar, apesar dos avisos do indubitavelmente clarividente Vauban a seu soberano.

14Não é por acaso que a principal resistência à Revolução Francesa veio das regiões rurais do Oeste, onde um clero humilde e beato e pequenos nobres pouco abastados em suas propriedades rurais continuavam acompanhando de perto as populações que lhes eram devotas. Ainda é uma das regiões da França onde mais empresas são criadas e onde a taxa de desemprego é a mais baixa (7,2% na região Pays de la Loire). A situação francesa é bastante comparável nesse aspecto à da Rússia czarista que, por não ter sido capaz de se reformar a tempo e em profundidade, caiu numa sangrenta revolução liderada por hábeis ideólogos, seguida por três quartos de século de totalitarismo.

  • 14 Referência ao movimento contra a privatização de um dos maiores aeroportos da França, o de Paris, p (...)

15Será difícil desfazer a hipercentralização francesa, mesmo que tal projeto possa algum dia surgir. Basicamente, a descentralização nunca foi realmente desejada pela elite político-administrativa cujo jacobinismo é mantido em algumas incubadoras onde são formados os futuros altos funcionários. É costume vilipendiar o que é desdenhosamente chamado de “mil-folhas territorial”, negar o princípio da subsidiariedade e continuar a acreditar que o Estado tem um papel essencial a desempenhar em todos os setores da vida do país. Além de suas missões estatais, ele pretende administrar melhor a educação, a cultura, a saúde e também a produção de energia, parte da indústria ou certos serviços como transporte. Gasta 57% da riqueza nacional nisso (44% de taxas obrigatórias), um recorde entre os países da OCDE. O debate sobre a privatização da empresa Aéroports de Paris14 é considerado surreal por todos os países da OCDE, mas muitos franceses não se chocam, seja seu alinhamento político de esquerda ou direita.

16Muitos acreditam que apenas o dinheiro público é limpo, eficiente e justo, enquanto o dinheiro privado é eminentemente suspeito. Eles esperam tudo de um Estado no qual não confiam, entretanto, como tem demonstrado há tanto tempo a contestação aos governos, sejam eles quem forem, às vezes violenta, que se tornou um tipo de esporte nacional. Em um país que orgulhosamente estampa a democracia no peito, é uma forma aguda de irresponsabilidade e uma inversão de sua tradição católica que, por sua vez, nos convida a acreditar em Deus e a ter infinita confiança nele, já que ele quer apenas o bem da humanidade, mas propõe que ela mereça o paraíso, sem qualquer predestinação. Imaginem a revolta provocada pela retomada, pelo presidente da República Francesa, da famosa frase de Kennedy em seu discurso inaugural de 20 de janeiro de 1961: “Não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer pelo seu país”?

  • 15 Chateaubriand, Mémoires d’outre-tombe (1848), Paris, Garnier, 1910, tome 4, p. 85. Agradeço a Rémy (...)
  • 16 Entrevista para L’Opinion, 4-5 outubro de 2019, acerca da obra Le délicieux malheur français, Paris (...)

17Muitos acreditam que é melhor redistribuir renda e se aproximar da igualdade perfeita, cujo sucesso conhecemos no bloco soviético, na China maoísta ou na Coreia do Norte. Como escreve Chateaubriand15, “os franceses […] não gostam de liberdade; a igualdade por si só é o seu ídolo. Mas igualdade e despotismo têm conexões secretas.” Denis Olivennes afirma16 que “Temos um dos sistemas mais igualitários do mundo e, no entanto, todos têm a sensação de viver em um regime de injustiça.” Hoje, a diferença entre igualdade de renda e igualdade de oportunidades escapa à grande parte dos franceses, inclusive entre acadêmicos e na classe política, todos os partidos juntos.

18O que resulta dessa rotina é que a academia não valoriza a empresa e, além disso, o próprio ato de empreender. É uma faceta recorrente do mal francês. Além disso, mesmo supondo que um governo consiga estabelecer a igualdade de renda com que muitos franceses sonham, ainda assim não teria alcançado igualdade de conhecimento e cultura e, portanto, de possibilidades que, por sua vez, só podem ser obtidas por uma escola exigente, ideia que não funciona bem desde Jules Ferry. A França é cada vez mais uma exceção global a esse respeito.

Paris, grandeza e drama da França

19O modelo centralizado francês é único na Europa. Para garantir sua eficiência e sustentabilidade, o Estado imaginou, na escala da França, instituições e uma organização territorial tão centrípeta quanto as do Império Romano. Isso resultou em um crescimento contínuo de Paris e Île-de-France, especialmente a partir do século XVI, a ponto de torná-la uma metrópole de 12 milhões de habitantes, ou seja, mais de 18% da população francesa. Até mesmo Londres tem apenas 13,5% da população do Reino Unido. Moscou, em um país altamente centralizado, possui apenas 8% da população da Rússia e Madri, 6,8% da população espanhola. Apenas 4,5% dos alemães vivem em Berlim e 4% dos italianos, em Roma. Para encontrar situações comparáveis ou mais exacerbadas, deve-se procurar em outros continentes: na Cidade do México vivem 16% dos mexicanos e, entre os grandes países, apenas o Japão excede a França, com 30% da população concentrada em Tóquio.

20Prefeito de Bordeaux, Montaigne já escrevera: “Paris está no meu coração desde a minha infância. Sou francês apenas por esta grande cidade [...] incomparável em variedade, a glória da França e um dos ornamentos mais nobres do mundo.” Esse texto está gravado no pedestal de sua estátua, na frente da Sorbonne. Essa metrópole serviu muito à influência política, cultural e econômica de um país que possui apenas 0,8% dos habitantes do planeta. Nosso ex-colega Michelet escreveu vigorosamente em seu Tableau de la France de 1833, uma introdução ao romance nacional que alimentou o patriotismo de muitas gerações de franceses e que hoje é ridicularizado por uma certa escola histórica: “[...] o centro se conhece [...] pensa, inova na ciência, na política; transforma tudo o que recebe. Ele bebe a vida crua, e ela é transfigurada. As províncias se espelham nele; nele se amam e se admiram de uma forma superior; elas mal se reconhecem.” E o bretão Ernest Renan declarou em seu discurso de recepção na Academia Francesa, em 3 de abril de 1879: “Paris, este centro incomparável, onde toda a emoção, todo despertar, o mundo, ciência, arte, literatura, política, pensamentos elevados e instintos populares, o heroísmo do bem se encontram e se cruzam, e, às vezes, a febre do mal.” Hoje, a Île-de-France representa um terço do PIB da França metropolitana, 25% da criação de empresas, 56% do tráfego aéreo de passageiros, 32% das reservas de hotel, 27% dos estudantes do ensino superior. Destino admirável o desta capital cuja inventividade permanece viva e sem a qual a França não seria a sétima potência econômica do mundo mesmo estando na 20ª posição por sua população, mas a que preço para o interior, especialmente o espaço rural!

  • 17 N. de trad.: Representantes do poder central no interior, nomeados por ele, que não devem ser confu (...)

21Desde a Renascença, o governo central organizou a rede de rotas de comunicação em forma de estrela em torno de Paris. Às rotas dos correios e a malha de canais sucederam a rede ferroviária, em particular recentemente a dos trens-bala, a rodoviária e aérea. Qualquer ligação transversal na França é uma aventura que exige tempo. Os governadores provinciais nomeados pelo rei foram sucedidos pelos préfets17, só um pouco menos poderosos do que no início da Quinta República (1958-), apesar da descentralização iniciada em 1982.

  • 18 N. de trad.: As eleições municipais franceses ocorrem, em geral, em março. Neste ano, o primeiro tu (...)

22Apesar de seus oponentes, o mil-folhas territorial está profundamente enraizado nas mentalidades e na geografia da França. Todos os escalões resistem da melhor maneira possível. Persistem os 34.968 municípios, herdados da rede de paróquias e castelanias estabelecidos há cerca de mil anos. Eles representam mais de meio milhão de funcionários eleitos, quase voluntários, ligados ao bem comum, e é lamentável que metade dos atuais prefeitos não deseje concorrer às próximas eleições municipais18 por causa da burocracia que os esmaga e apesar do apego que seus concidadãos têm por eles. Os franceses também amam seus departamentos. Eles datam da Revolução, mas sucederam às divisões administrativas do Antigo Regime e a episcopados bastante próximos em sua configuração espacial. Alguns são até mutações dos territórios das tribos gaulesas e das cidades galo-romanas: a Dordonha, anteriormente Périgord e bispado de Périgueux, é a antiga cidade das tribos de Petrocórios; a Ardèche que sucedeu ao Vivarais é a antiga cidade dos Helvii. As regiões, por outro lado, especialmente em sua configuração atual, que remonta a 2015, são tecnocráticas e seu agrupamento respondeu a preocupações políticas que desprezaram qualquer sentimento de pertencimento de seus habitantes, exceto a Normandia, a Bretanha, a Île-de-France, a Córsega e os territórios ultramarinos. O Tribunal de Contas revelou recentemente, como era fácil prever, que a operação aumentou os custos operacionais em vez de reduzi-los. As regiões só seriam uma real vantagem se tivessem as mesmas prerrogativas que os Länder alemães, o que está longe de ser o caso e até mesmo considerado pelo Estado.

O papel da França na construção europeia e no mundo

23Juntamente com os espanhóis e portugueses, os franceses são sem dúvida o povo europeu mais extrovertido, aquele que mais desenvolveu o espírito de missão e que está convencido de que tem algo a dizer e transmitir ao mundo. No contexto de sua fé cristã, sob o ímpeto de seus príncipes e sua elite, a França, desde a Idade Média, procura construir um modelo político, social e cultural exportável. Possuiu um dos maiores impérios coloniais, do qual mantém alguns departamentos e territórios ultramarinos distribuídos em todas as latitudes e que a torna a segunda zona econômica exclusiva do mundo, logo atrás dos Estados Unidos: 8% dos ZEE globais para 0,45% da área terrestre. Alguns anos após a independência da maioria de suas ex-colônias, ela criou a Organização Internacional da Francofonia, em 1970, à qual agora aderem 88 países e cujos homólogos de língua portuguesa e árabe são muito mais modestos. Com 163 embaixadas, a rede diplomática francesa é a terceira maior do mundo, ficando logo atrás dos Estados Unidos e da China e muito à frente do Reino Unido e da Alemanha. Ela é complementada pelos Institutos Franceses, Alianças Francesas e 13 institutos de pesquisa no exterior.

24Depois de Carlos Magno, a ideia de uma Europa Ocidental dominada pela França surgiu novamente durante a Renascença. Desde as Guerras Italianas até Napoleão III, os soberanos franceses tentarão se expandir em todas as direções por vários meios pacíficos ou militares. A extensão máxima no continente europeu foi alcançada por um curto período de tempo sob Napoleão I. O século XX foi marcado por outra tentativa de união europeia pela força: a de Hitler que, se não tivesse falhado, teria incluído um núcleo duro, a Alemanha e periferias mais ou menos submissas. A tentativa soviética de expandir para o oeste foi contida graças à aliança dos países da Europa Ocidental com os Estados Unidos. As zonas tampões dos satélites da Europa Central foram destruídas na última década do século XX, e o plano para uma Grande Rússia comunista que unisse a Europa à Ásia e fosse do Atlântico ao Pacífico também falhou.

25Foi a OTAN e a proteção militar dos Estados Unidos que trouxeram prosperidade e paz à Europa Ocidental durante a Guerra Fria e, portanto, a construção progressiva da União Europeia. Isso começou, sob a liderança dos franceses Jean Monnet e Robert Schuman, pelo desenvolvimento da cooperação econômica em torno de dois produtos estratégicos, carvão e aço, depois pela sincera reconciliação do velho casal infernal composto pela França e Alemanha. Se a França, desde o início, desempenhou um papel determinante nessa construção geopolítica, isso se deve, em grande parte, ao cansaço e até à aversão pelas guerras que a opuseram aos componentes do Sacro Império e depois à Alemanha, quase sem interrupção, desde o final do século XV. Elas causaram milhões de mortes de ambos os lados. Essa Europa, que inicialmente era exclusivamente econômica, perdeu muita energia ao imaginar uma Política Agrícola Comum (PAC) que absorveu por décadas grande parte de seu orçamento. Ela criou uma moeda comum, o Euro. Esperemos que ela avance no caminho de uma maior harmonia nos campos social, político e militar. A França contribui com 16 bilhões de Euros para o orçamento da União, atrás da Alemanha (20 bilhões) e à frente da Itália (10 bilhões). Ela recupera, na forma de subsídios, a parte principal de sua contribuição, isto é, 13,5 bilhões de Euros, o que está longe de ser o caso da Alemanha, que recebe apenas 11. É enorme o desequilíbrio entre subsídios e contribuições para a riqueza nacional e europeia nas regiões ultramarinas. O afastamento faz com que a metrópole e o território europeu sejam considerados como relativamente abstratos e que ninguém tenha a menor dúvida quanto à legitimidade dessa situação de assistência.

26Minhas caras colegas, meus caros colegas, senhoras e senhores, lá fora é outono. Os franceses e os príncipes que têm tanta dificuldade em governá-los parecem cansados de sua história e geografia, que não sabem mais dirigir de maneira esclarecida. Modas e ideias pré-concebidas substituem o pensamento e o espírito crítico, e nossos contemporâneos costumam se contentar em estar na moda esquecendo, como Gustave Thibon disse, que “é uma ambição de uma folha morta”. Nossa companhia, assim como as outras quatro que habitam esta casa, vestidas de verde primavera, têm a missão de ajudar nosso país a recuperar o entusiasmo de sua juventude, a tomar as rédeas de seu destino e a ajustar seu ambiente de vida de modo que seja mais uma vez uma terra amada onde a vida é boa, que é a própria definição que os geógrafos dão à palavra território. Se voltasse entre nós, nosso colega, associado estrangeiro da Académie des Inscriptions et Belles Lettres, Thomas Jefferson, transbordando de carinho pelo nosso país e que conhecia sua geografia tão bem, ainda poderia dizer: “Qualquer homem tem duas pátrias, a dele e também a França”.

Haut de page

Notes

1 Discurso feito em 4 de novembro de 2019, no Instituto de França, Academia das Ciências Morais e Políticas por ocasião da reunião pública anual da Academia no salão solene. Publicado em 5 de novembro de 2019 pela Société de Géographie, Les géographes lisent le monde,https://socgeo.com/2019/11/05/les-caracteres-originaux-de-la-geographie-de-la-france-par-jean-robert-pitte/

2 Alphonse de Chateaubriand, Voyage au Mont-Blanc et réflexions sur les paysages de montagne, Paris, Mercure de France, 1808. Réédition, Rezé, Séquences, 1992.

3 N. de trad.: Exaltação da região de La Beauce, que fica entre os rios Sena e Loire, conhecida por sua grande fertilidade e produção agrícola.

4 Descartes, Discours de la méthode, [1637], texto organizado por Victor Cousin, Levrault, 1824, tome I, 6e partie.

5 Sagesse, 9, 2-3.

6 Hermann de Keyserling, Analyse spectrale de l’Europe (1928), Paris, éd. Gonthier, 1965, p. 38.

7 Yves Lacoste, Vive la nation. Destin d’une idée géopolitique, Paris, Fayard, 1998; Frédéric Encel et Yves Lacoste, Géopolitique de la nation France, Paris, PUF, 2016.

8 Paris, Fayard, 2019

9 N. de trad.: rebelião de alguns príncipes e nobres contra o poder do Rei

10 Jean-François Gravier, Paris et le désert français, Paris, Le Portulan, 1947.

11 Pierre de Vaissière, Gentilshommes campagnards dans l’ancienne France, Paris, 1904, Reprint Genève, Slatkine-Megariotis, 1975, p. 13.

12 Jean d’Ormesson, Au plaisir de Dieu, Paris, Gallimard, 1974, p. 23.

13 Alain Peyrefitte, Le mal français, Paris, Plon, 1976, p. 103.

14 Referência ao movimento contra a privatização de um dos maiores aeroportos da França, o de Paris, proposta pelo presidente Emmanuel Macron, que causou grande revolta de partidos de ambas as esferas políticas e grande mobilização popular contrária.

15 Chateaubriand, Mémoires d’outre-tombe (1848), Paris, Garnier, 1910, tome 4, p. 85. Agradeço a Rémy Hême de Lacotte por ter chamado minha atenção para essa passagem.

16 Entrevista para L’Opinion, 4-5 outubro de 2019, acerca da obra Le délicieux malheur français, Paris, Albin Michel, 2019

17 N. de trad.: Representantes do poder central no interior, nomeados por ele, que não devem ser confundidos com os maires, prefeitos dos municípios, eleitos pelos cidadãos.

18 N. de trad.: As eleições municipais franceses ocorrem, em geral, em março. Neste ano, o primeiro turno se deu em 15 de março e o segundo foi adiado, em razão da pandemia do coronavírus. Prevê-se a data de 28 de junho para isso.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Jean-Robert Pitte, « Os aspectos originais da geografia da França », Confins [En ligne], 44 | 2020, mis en ligne le 29 juin 2020, consulté le 10 juillet 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/31591 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.31591

Haut de page

Auteur

Jean-Robert Pitte

Président de la Société de Géographie, Secrétaire Perpétuel de l’Académie des Sciences Morales et Politiques, jean-robert.pitte@wanadoo.fr

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals