Navigation – Plan du site

AccueilNuméros47Imagens comentadasRio Ibicuí: “rio de areia” durant...

Imagens comentadas

Rio Ibicuí: “rio de areia” durante a estiagem 2019-2020, na confluência com o rio Uruguai, Brasil

L’Ibicuí : la « rivière de sable » en période d’étiage 2019-2020, à sa confluence avec le fleuve Uruguay, Brésil
Ibicuí River: “river of sand” during the 2019-2020 drought, at the confluence with the Uruguay River, Brazil
Sidnei Luís Bohn Gass, François Laurent, Roberto Verdum et Dieison Morozoli da Silva

Résumés

Au cours de l'été 2019-2020, l’État du Rio Grande do Sul a été affecté par un étiage sévère, obligeant 365 municipalités (les trois quarts de celles de l’État) à déclarer une situation d'urgence. L'objectif de l’étude est d'analyser un ensemble d'images, montrant les formes hydromorphologiques de sédimentation dans la zone de confluence de l’Ibicuí avec l’Uruguay, visibles en raison de l’étiage. Des images satellites de différentes périodes ont été utilisées pour montrer la dynamique hydrologique qui s’est manifestée dans la région. L'analyse des images nous permet de considérer que la dynamique du paysage de la zone sélectionnée, influencée par sa topographie aplanie, est sous la forte dépendance d’événements météorologiques, associés à la variabilité du climat subtropical au sud du Brésil.

Haut de page

Texte intégral

1O Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, se caracteriza por diferentes conjuntos climáticos subtropicais. Em sua gênese, recebem influência dos sistemas polar, tropical continental e marítimo, além dos condicionantes do relevo, com precipitações oriundas, em grande parte, de sistemas frontais, que podem variar de 1200 a 2000 mm ao ano, mas com distribuição irregular (Rossato, 2011). Tais características climáticas, associadas às dinâmicas sazonais de circulação atmosférica, podem provocar períodos de grandes acumulados de chuva ou de estiagens prolongadas.

2Em cursos d’água como o rio Ibicuí, que possui uma alta carga sólida composta de sedimentos arenosos, em especial na sua porção inferior, nos períodos de estiagem, afloram os bancos de areia, evidenciando o processo de transporte de sedimentos. Neste sentido, o objetivo do presente estudo é apresentar a análise de um conjunto de imagens, evidenciando as formações hidro-morfológicas de sedimentação na área da foz do rio Ibicuí, Figura 1.

Figura 1 – Localização da área de análise, bacia hidrográfica do rio Ibicuí.

Figura 1 – Localização da área de análise, bacia hidrográfica do rio Ibicuí.

Fonte: elaborado pelos autores a partir de IBGE (2017).

3No período de fevereiro a abril de 2020, uma forte seca atingiu o estado do Rio Grande do Sul o que provocou um período de estiagem com amplitude anormal. A observação da Figura 2 evidencia que a seca do verão 2019-20, na fronteira oeste do Rio Grande do Sul, foi de três meses no final do verão, seguida por um período de chuvas elevadas, que atingiu a marca de quase três vezes a normal observada para o mês de maio. Chuvas estas associadas à entrada da primeira frente fria polar no ano de 2020, na região sul do Brasil, sendo que este volume de precipitação pode ser enquadrado estatisticamente como possível de ocorrer, considerando as séries históricas para os meses de abril e maio, no sudoeste do Rio Grande do Sul.

4De acordo com os dados da plataforma do Sistema Integrado de Informações Sobre Desastres (MDR, 2020), até o dia 12/06/2020, 365 municípios dos 497 do total do estado, estavam com decretos ativos de situação de emergência, em função da estiagem. O mapa da Figura 3, apresenta esses municípios, sendo que o primeiro decreto a ser validado por esse sistema é datado de 23/12/2019 e o último de 25/05/2020.

Figura 2 – Pluviometria para o período de julho de 2019 a junho de 2020, na estação A809 do INMET, localizada em Uruguaiana, RS

Figura 2 – Pluviometria para o período de julho de 2019 a junho de 2020, na estação A809 do INMET, localizada em Uruguaiana, RS

Fonte: elaborado pelos autores a partir de INMET (2020).

Figura 3 – Municípios com decretos ativos de situação de emergência, em função da estiagem, por data de consulta, no Rio Grande do Sul

Figura 3 – Municípios com decretos ativos de situação de emergência, em função da estiagem, por data de consulta, no Rio Grande do Sul

Fonte: elaborado pelos autores a partir de MDR (2020) e IBGE (2017).

5Para a geração do mapa da Figura 3, que tem por objetivo apresentar a abrangência da estiagem no período em questão, foram realizadas seis consultas ao banco de dados, como pode ser verificado na legenda. Este conjunto de consultas, que gerou uma representação em cores diferentes dos municípios incluídos a cada consulta, demonstra o processo de evolução da situação da estiagem no Rio Grande do Sul, no período entre 29/03 e 12/06/2020.

6Vários aspectos podem ser explorados a partir da temática em voga e das representações que podem ser geradas a partir dela. Contudo, para além do abastecimento público de água e dos efeitos negativos à produção agropecuária, visto que esta é uma das principais matrizes econômicas do Estado, a dinâmica hidrológica, perceptível nos cursos hídricos, chama atenção, pelo dinamismo que impõe à paisagem ao longo do tempo.

7Em outros períodos, a mesma região foi atingida por enchentes, como ressaltou Gass (2016). Este fenômeno muda totalmente a paisagem, contrapondo-se ao período de estiagem em questão, isto é, entre 2019 e 2020.

8Na Fronteira Oeste, junto a foz do rio Ibicuí, há elementos hidro-morfológicos que merecem destaque, os quais serão analisados a partir de um conjunto de imagens. A análise estará direcionada para a área identificada no mapa da Figura 1, próximo a foz do rio Ibicuí, na confluência do rio Uruguai. Cabe destacar, que a bacia hidrográfica do rio Ibicuí, representada nesta figura, conta com uma área de 47.041 km², o que representa 16,7% da área do Estado, e faz parte da região hidrográfica do rio Uruguai. As litologias que compõem a bacia do rio Ibicuí são, essencialmente, sedimentares, drenando constantemente os materiais detríticos oriundos das formações do Triássico e do Jurássico. Apenas a porção oeste da bacia está coberta de derrames de basalto, andesito e riodacito do Cretáceo (Formação Serra Geral). A abundância de areia no leito do rio explica seu nome de origem Guarani que significa “rio de areia”.

9A área delimitada para a análise, está inserida na Várzea do Rio Ibicuí, a qual foi definida no Projeto RS Biodiversidade, como uma área de interesse para análise do potencial de sua biodiversidade, uma vez que nesta região não há nenhuma unidade de conservação efetiva, que considere os elementos próprios deste ecossistema. Neste sentido, foi realizado estudo denominado de Avaliação Ecológico Rápida, com o objetivo de produzir informações para o planejamento da conservação em diferentes escalas (Rio Grande do Sul, 2016; RSBiodiversidade, 2014). Posteriormente, Nascimento (2019) e Gass et al. (2019), tratando da Várzea do Rio Ibicuí no contexto da conservação da biodiversidade, identificaram que, em boa medida, esta área é utilizada para as atividades agropecuárias, mas, é preciso um olhar mais atento para o fato de há uma estreita ligação com a dinâmica hidrológica, sendo necessárias medidas para a sua conservação. Tal enfoque pode ser reiterado quando analisadas as imagens das Figuras 4, 5 e 6, nas quais é possível perceber as dinâmicas sazonais dos rios, Ibicuí e Uruguai, que ocorrem na área em questão.

10Nas figuras mencionadas, são apresentadas imagens do instrumento imageador OLI do satélite Landsat 8, com 30 metros de resolução espacial, em composição colorida 654 em RGB (bandas do infravermelho médio, infravermelho próximo e vermelho, respectivamente) da área em análise para três períodos distintos:

  1. a Figura 4, do dia 08/06/2016, representa uma situação hidrológica normal, de acordo com a análise realizada por Azevedo (2019), em que os cursos d’água estariam em seu leito normal;

  2. a Figura 5, do dia 11/06/2017, representa, de acordo com a análise de Azevedo (2019), o pico máximo da enchente ocorrida no período, quando foi observada na estação de monitoramento instalada no porto da cidade de Itaqui, RS (ANA, 2019), na cota de 13,18 m acima do nível normal;

  3. a Figura 6, do dia 02/05/2020, representa o espaço de interesse em período de estiagem.

11Por sua vez, a Figura 7, apresenta um modelo digital de superfície, gerado a partir dos dados da missão Shuttle Radar Topography Mission, processados pelo projeto TopoData (Valeriano, 2005) do INPE com 30 m de resolução espacial, representando as diferenças altimétricas e a rugosidade do terreno.

Figura 4 – Imagem de satélite do dia 08/06/2016

Figura 4 – Imagem de satélite do dia 08/06/2016

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016, órbita-ponto 224-080.

Figura 5 – Imagem de satélite do dia 11/06/2017

Figura 5 – Imagem de satélite do dia 11/06/2017

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 11/07/2017, órbita-ponto 224-080.

Figura 6 – Imagem de satélite do dia 02/05/2020

Figura 6 – Imagem de satélite do dia 02/05/2020

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.

Figura 7 – Modelo Digital de Superfície

Figura 7 – Modelo Digital de Superfície

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagens SRTM processadas pelo projeto TopoData (Valeriano, 2005) do INPE.

12Considerando os dados altimétricos da Figura 7, é possível perceber que, em comparação com a Figura 5, as áreas atingidas pela enchente de junho 2017, se localizam em altitudes inferiores a 60 metros. Estas áreas estão vinculadas aos cursos d’água e a sua planície de inundação, o que é perceptível ao se analisar a Figura 4, na qual a mata ciliar também está associada aos espaços com altitudes inferiores a 60 metros. Os points bars aparecem claramente na Figura 5, isolados entre a planície do leito maior e o leito menor. Essa posição relativamente protegida e a menor umidade geram uma vegetação natural diferenciada, composta pela mata ciliar, com vegetação arbustiva e arbórea.

13Por sua vez, comparando-se as Figuras 4 e 6, é possível identificar, ao longo do leito do rio Ibicuí, a presença de depósitos de areia (manchas brancas), em especial nas margens deposicionais do canal. O período de estiagem ocorrido de fevereiro a abril de 2020, deixou visíveis diversas feições não perceptíveis em outros períodos, em especial, àquelas identificadas com as letras A, B, C e D, na Figura 6.

14Nas Figura 8, 9, 11 e 12, são apresentados os comparativos entre as imagens do leito normal e da estiagem para os pontos selecionados. No ponto A, representado na Figura 8, é possível perceber a manutenção do fluxo de água apenas no leito principal do rio Ibicuí, na extremidade sul da imagem, praticamente interrompendo a conexão com um antigo meandro e da área úmida da planície de inundação. A considerar como sendo maior o fluxo de água no canal principal, os sedimentos vão sendo depositados e consolidados, essencialmente, nas porções convexas dos meandros, causando seu assoreamento.

Figura 8 – Detalhamento do ponto A

Figura 8 – Detalhamento do ponto A

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.

15Na figura 9, é representado o ponto B, no qual há a ponte na BR-472, com um comprimento de 1.624 m. Observa-se que uma pequena parte do canal principal mantém seu fluxo, sendo que a margem convexa deposicional é potencializada pela presença dos pilares de sustentação da ponte. Na Figura 10, são apresentadas fotografias em diferentes períodos de vazante e cheia do rio Ibicuí junto à ponte na BR-472, demonstrando essa dinâmica hidro-sedimentar.

Figura 9 – Detalhamento do ponto B

Figura 9 – Detalhamento do ponto B

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.

Figura 10 – Fotografias da ponte sobre o rio Ibicuí, na BR-472, em períodos de enchente (A) e estiagem (B)

Figura 10 – Fotografias da ponte sobre o rio Ibicuí, na BR-472, em períodos de enchente (A) e estiagem (B)

Fonte: fotografia A, M&G Agro, de 27/12/2015, e, fotografia B, EletroSul, de 05/04/2020.

16Por sua vez, no ponto C, representado pela Figura 11, localizado na foz do rio Ibicuí, na confluência com o rio Uruguai, a estiagem permite evidenciar o barramento natural, com grande processo de deposição de sedimentos arenosos, provocado pelo fluxo de água mais intenso do rio Uruguai, que retém e provoca a deposição de boa parte destes sedimentos, formando a barra. Como a declividade do rio Ibicuí é muito baixa próximo a sua foz, a deposição dos sedimentos é perceptível a uma distância maior, pois em períodos de aumento de fluxo do rio Uruguai, provocado pelas chuvas nos trechos a montante, faz com que o rio Ibicuí deposite parte dos sedimentos antes da foz, o que gera parte das ilhas identificadas na imagem da Figura 11.

Figura 11 – Detalhamento do ponto C

Figura 11 – Detalhamento do ponto C

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.

17No ponto D, representado pela Figura 12, localizado junto à ilha, a jusante da foz do rio Ibicuí, no rio Uruguai, ocorre a deposição de sedimentos arenosos oriundos daquele curso d’água, visto que é o primeiro afluente do rio Uruguai que traz uma alta carga sedimentar com este padrão. Até este ponto, o rio Uruguai percorre terrenos Mesozóico-cretáceos da Formação Serra Geral, e passa a receber influência cada vez maior dos depósitos relacionados às barreiras holocênicas (CPRM, 2006).

18Nesta área se percebe, ainda, um esgotamento do leito secundário da margem esquerda do rio Uruguai, mantendo uma pequena quantidade de água em seu leito. O mesmo efeito ocorre com a área de saturação, entre o leito secundário e o leito principal do rio Uruguai, na qual se percebe a redução da umidade em função da coloração mais opaca dos tons de verde. Por sua vez, o reservatório localizado na porção sudeste da imagem, teve sua área reduzida, inclusive, com ausência da vegetação aquática na imagem do dia 02/05/2020.

Figura 12 – Detalhamento do ponto D

Figura 12 – Detalhamento do ponto D

Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.

19Por fim, a análise das imagens permite considerar que a dinâmica da paisagem da área selecionada, influenciada pela sua topografia plana, sofre interferências significativas em função dos eventos atmosféricos, associados às variações típicas do clima subtropical na região sul do país, em especial, da precipitação em diferentes volumes, intra e interanuais.

20Além disso, mesmo em períodos de extrema estiagem, como o exemplificado acima, destaca-se que do ponto de vista hidro-geológico, há que se considerar que a bacia hidrográfica do rio Ibicuí, recebe suas águas de contribuição subterrânea do Sistema Aquífero Guarani, em especial nas regiões em que este aflora, na porção leste da bacia, permitindo que, mesmo em períodos de estiagem prolongada, haja fluxo permanente de água em diversos dos seus afluentes e, consequentemente, no seu canal principal.

Haut de page

Bibliographie

ANA. Estação hidrometeorológica 75900000. Agência Nacional de Águas, 2019. Disponível em http://saladesituacao.rs.gov.br/api/station/ana/sheet/75900000 Acesso em: mai. 2020.

Azevedo, M. N. de Determinação da área efetivamente inundada durante o evento extremo de 2017, no município de Itaqui, RS, através de técnicas de sensoriamento remoto. Itaqui, RS. Trabalho de conclusão de curso. Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura. UNIPAMPA, 2019.

CPRM. Mapa geológico do estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CPRM, 2006. Mapa. Escala 1:750.000. Disponível em http://www.cprm.gov.br/publique/media/geologia_basica/cartografia_regional/mapa_rio_grande_sul.pdf Acesso em: jun. 2020.

Gass, S. L. B. Enchente na fronteira oeste do Rio Grande do Sul em dezembro de 2015: subsídios para uma agenda de pesquisa aplicada, Confins [Online], 25 | 2015. DOI : https://doi.org/10.4000/confins.10638 Acesso em: jun. 2020.

Gass, S. L. B.; Nascimento, V. E. S.; Verdum, R.; Laurent, F. A várzea do rio Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brasil, no contexto da conservação da biodiversidade. In: 3º Encontro Internacional do CEGOT, 2019, Coimbra. Territorial Cohesion: 2030 Agenda for sustainable development. Coimbra: CEGOT, 2019. p. 134-135.

IBGE. Base cartográfica vetorial contínua do Brasil em escala 1:250.000, versão 2017. Disponível em http://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/bases_cartograficas_continuas/bc250/versao2017/ Acesso em: abr. 2020.

INMET. Estações automáticas – gráficos. Brasília: Instituto Nacional de Meteorologia, 2020. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=home/page&page=rede_estacoes_auto_graf Acesso em: jun. 2020.

MDR. Sistema Integrado de Informações Sobre Desastres. 2020. Disponível em https://s2id.mi.gov.br/paginas/index.xhtml Acesso em: mai. 2020.

Nascimento, V. E. S. Aplicação de um método de determinação do potencial de uso agropecuário na Várzea do Rio Ibicuí, Rio Grande do Sul, Brasil. Itaqui, RS. Trabalho de conclusão de curso. Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura. UNIPAMPA, 2019.

Rio Grande do Sul. Projeto RS Biodiversidade. 2016. Disponível em: https://www.sema.rs.gov.br/projeto-rs-biodiversidade Acesso em: jun. 2020.

Rossato, M. S. Os climas do Rio Grande do Sul: variabilidade, tendências e tipologias. Porto Alegre, RS. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geografia. UFRGS, 2011. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/32620 Acesso em: jul. 2020.

RSBiodiversidade. Avaliação Ecológica Rápida Várzea do Ibicuí. Porto Alegre: SEMA, 2014. Disponível em: https://www.sema.rs.gov.br/upload/arquivos/201708/23141413-aer-rsbio-ibicui.pdf Acesso em: jun. 2020.

Valeriano, M. M. Modelo digital de variáveis morfométricas com dados SRTM para o território nacional: o projeto TOPODATA. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005, Goiânia, GO. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005. p. 1-8.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Localização da área de análise, bacia hidrográfica do rio Ibicuí.
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de IBGE (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Figura 2 – Pluviometria para o período de julho de 2019 a junho de 2020, na estação A809 do INMET, localizada em Uruguaiana, RS
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de INMET (2020).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 34k
Titre Figura 3 – Municípios com decretos ativos de situação de emergência, em função da estiagem, por data de consulta, no Rio Grande do Sul
Légende Fonte: elaborado pelos autores a partir de MDR (2020) e IBGE (2017).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 277k
Titre Figura 4 – Imagem de satélite do dia 08/06/2016
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 186k
Titre Figura 5 – Imagem de satélite do dia 11/06/2017
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 11/07/2017, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 185k
Titre Figura 6 – Imagem de satélite do dia 02/05/2020
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 230k
Titre Figura 7 – Modelo Digital de Superfície
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagens SRTM processadas pelo projeto TopoData (Valeriano, 2005) do INPE.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 153k
Titre Figura 8 – Detalhamento do ponto A
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Titre Figura 9 – Detalhamento do ponto B
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figura 10 – Fotografias da ponte sobre o rio Ibicuí, na BR-472, em períodos de enchente (A) e estiagem (B)
Crédits Fonte: fotografia A, M&G Agro, de 27/12/2015, e, fotografia B, EletroSul, de 05/04/2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 151k
Titre Figura 11 – Detalhamento do ponto C
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Figura 12 – Detalhamento do ponto D
Crédits Fonte: elaborado pelos autores a partir de imagem do sensor OLI do satélite Landsat-8, em composição colorida 654, de 08/06/2016 e 02/05/2020, órbita-ponto 224-080.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/31893/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sidnei Luís Bohn Gass, François Laurent, Roberto Verdum et Dieison Morozoli da Silva, « Rio Ibicuí: “rio de areia” durante a estiagem 2019-2020, na confluência com o rio Uruguai, Brasil », Confins [En ligne], 47 | 2020, mis en ligne le 20 octobre 2020, consulté le 02 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/31893 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.31893

Haut de page

Auteurs

Sidnei Luís Bohn Gass

Professor na Universidade Federal do Pampa, UNIPAMPA, Campus Itaqui, RS

Articles du même auteur

François Laurent

Laboratoire Espace Société, Professor da Le Mans Université – França

Articles du même auteur

Roberto Verdum

Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Articles du même auteur

Dieison Morozoli da Silva

Discente do curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura da Universidade Federal do Pampa, Campus Itaqui

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search