Navigation – Plan du site

AccueilNuméros47ResenhasEuropa em questão: estagnação ou ...

Resenhas

Europa em questão: estagnação ou refundação

L'Europe en question : enlisement et refondation
Europe in question: stagnation and refoundation
José Borzacchiello da Silva
Référence(s) :

Paul Claval, 2020, L'Europe en question. Enlisement et refondation, éditions Tertium, Figeac, , https://www.7switch.com/fr/ebook/9782490430024/l-europe-en-question

Texte intégral

  • 1 Professor da Université de Paris IV-Sorbonne. Suas obras têm sido referência mundial no estudo da g (...)

1Paul Claval1 continua inquieto e cada vez mais arguto e perspicaz na sua produção científica. Esse professor admirável é uma fonte permanente de conhecimentos novos que alimenta um rico intercâmbio com a comunidade em geral e, especialmente a dos geógrafos com textos e livros que conduzem à reflexão e análise do mundo em diferentes perspectivas, principalmente o contemporâneo. Paul Claval parece incansável, seus livros sempre focam temas fundados em pesquisas que inovam em suas bases teóricas. Os assuntos por ele estudados ganham corpo e vigor e são justificados por sua formidável bagagem histórica e precisão geográfica. Seus textos são agradáveis de serem lidos, pois reúnem conhecimento novo, linguagem fluente e escrita de qualidade – um verdadeiro intelectual.

2Seu novo livro “Europa em questão: Estagnação ou refundação” (L'Europe en question. Enlisement ou refondation) editado pela Tertium-Editions, lançado em maio de 2020, em Paris, é um primor de conteúdo necessário à compreensão do momento tão conturbado atravessado pelo velho continente Europeu. A obra é composta por Introdução, 10 capítulos e Conclusão que fecha o livro sugerindo a Refundação da Europa.

3Discute o Brexit, expressão que significa "British exit" ou processo de saída do Reino Unido da União Européia.

4Adianto que o livro foi lançado em maio tendo sido encaminhado para a editora antes do caos provocado pelo COVID 19 no continente europeu.

5Na Introdução Claval faz uma síntese do livro recuperando a história a partir da primeira e segunda Revolução Industrial e fala da Terceira com as características dos avanços tecnológicos. A seqüência dos capítulos é bem encadeada o que permite acompanhar o raciocínio do autor que inicia discutindo a situação européia confrontando a realidade e a utopia do ideal de uma Europa unificada.

6O sonho de se criar os Estados Unidos da Europa após um século da ambição de Victor Hugo, e a condição de ser campo de batalha no enfrentamento de duas guerras mundiais na primeira metade do Século XX, revelam a dinâmica espacial européia. As duas Guerras fragilizaram o velho continente e, além disso, como afirma Paul Claval, seu declínio nasce de suas divisões.

7Os capítulos iniciais do livro exploram a condição europeia a partir do confronto de idéias entre a realidade e a utopia. Essa ambiência de mortes, desolação e destruição marca o naufrágio da Europa dos Estados.

8Diante dos graves problemas atravessados, Paul Claval cita Leparmentier que questiona a situação da Europa perguntando se ela é mortal. A interrogação fica no ar.

9É muito interessante a abordagem intergeracional. Afirma que os jovens que não vivenciaram os contextos das duas grandes guerras têm postura diferente em relação a paz.

10O vasto conhecimento do autor se expressa em textos curtos e concisos capazes de recuperar o movimento histórico europeu e explicitam em que ela se diferencia dos outros continentes. A trama espacial vai se instituindo no tempo e nesse trajeto a Europa se transforma estabelecendo rotas entre vários pontos de seu território. Os anos do pós-guerra e o início da construção da Europa merece destaque pois está centrado nas origens da Europa contemporânea iniciada no pós Segunda Guerra. Com muita propriedade são abordadas as manobras políticas em torno de recursos naturais e a gênese dos entendimentos e acordos que avançariam até a formação da União Européia. A tessitura dessa trama é detalhada na discussão da origem da Comunidade Econômica Européia. Nessa passagem do livro, ressurge com vigor o sonho da utopia. É a Europa no meio do caminho em busca da construção de sua união.

11Numa recuperação histórica afirma que os novos descobrimentos elegeram portos que se firmaram em detrimento de outros permitindo que a Europa adquirisse uma escala planetária e firmasse seu domínio num mundo em expansão. As divergências religiosas advindas com a Reforma não impediram novas rotas e ramificações comerciais através dos mares e rios em busca de novos mercados fornecedores de matérias primas e consumidores dos produtos manufaturados. Uma seqüência de leituras esclarecedoras da Europa é posta com muita clareza o que torna o livro atraente e necessário. Na passagem onde Claval coloca que a Europa é feita de uma justaposição de estados rivais, afirma, entretanto, que a similitude de seus princípios lhe garante certa unidade e assegura àqueles que se abrem para o Atlântico uma expansão colonial fácil ao contrário daquelas formações políticas menos performáticas. Mostra o vigor de cidades como Lisboa e Sevilha que funcionavam como centros distribuidores das mercadorias vindas das colônias.

12A narrativa tempo espacial ganha corpo e o texto flui na análise dos processos explicativos das condições do aprofundamento e alargamento da União Europeia. Claval chega ao cerne do livro que revela as experiências vividas pelos diferentes povos com a sensação do alcance da Utopia da União de todas as comunidades da Europa. Anuncia um novo contexto conjuntural afirmando que a Europa vive um ambiente intelectual em mudança. Com perspicácia e astúcia Claval discute esse momento de grandes transformações decorrentes da modernidade ocidental e põe em questão os conflitos e as lutas por liderança. É o momento da emergência de novas centralidades políticas e econômicas.

13O livro tem densidade, especialmente quando seu autor transpõe o mundo da materialidade e ingressa no universo das crenças e das ideologias criadas ao lado do cristianismo numa difusão que afirma o pensamento ocidental. Fala da exportação da fé e também da concepção da Razão, das artes e dos saberes novos que os europeus desenvolveram especialmente a cartografia, muito preciosa para conceber o espaço e sua administração e favorecer a navegação.

14Na discussão em torno da utopia de fazer da Europa um mundo de gente livre e feliz o autor evoca os teóricos do contrato social, especialmente Rousseau que na conjuntura contida na espessura da civilização condena a invenção da propriedade dizendo que ela perverteu o homem.

15Por volta de 1900, o ciclo da primeira revolução industrial terminou no oeste e no centro do continente. Com muita lucidez o texto de Claval induz o leitor à compreesão dos efeitos nefastos das Guerras. A amargura para anunciar os entraves da conquista da utopia no sonho de se construir uma Europa unida e feliz. Ao contrário, o estatuto da propriedade acirra a competição.

16O sonho de Victor Hugo e dos liberais de 1848, porém, não se concretiza: o Estado-nação não trouxe a felicidade e a liberdade esperadas. Claval questiona: Por quê?

17A ambição liberal e universalista da utopia iluminista foi substituída pela de uma progressão realizada no quadro do Estado-nação.

18A guerra destrói o continente. A perda de vidas é colossal - 10 milhões de mortos, três vezes mais feridos, muitos dos quais permanecem incapacitados - aos quais se somam os 10 milhões que a gripe espanhola causou em 1918. O autor nomina acertadamente esse capítulo de naufrágio escancarando o lado perverso da guerra com suas nefastas consequências.

19O livro vai se tornando mais denso e o interesse na leitura cresce. Análises e interpretações que pareciam banais considerando a farta literatura sobre as duas grandes guerra mundiais, tema explorado, inclusive, em filmes com diferentes matizes ideológicos, adquirem novos significados na leitura crítica de Claval. Os fatos aparecem como que revestidos de algo inovador que prende a atenção do leitor. E o texto vai avançando, aborda as lutas pela independência, as lutas sociais e a utopia socialista. Revela a dificuldade de Portugal e Espanha se moldarem com feições de estados mais modernos, fala da Itália que malgrado os avanços alcançados pelas lutas sociais, carrega o fardo das desigualdades quando se compara as condições de vida entre os italianos do Norte e os do Sul do país.

20A síntese histórica contendo toda dinâmica espacial européia é recuperada, com destaque para o intervalo entre as duas grandes guerras. Claval mostra o que viria a ser a Guerra Fria pós Segunda Guerra Mundial quando confronta os acontecimentos da década de 1930 que se firmam com novas visões da utopia ocidental: o conceito socialista corporificado pela União Soviética e aquele implementado pelos Estados Unidos do New Deal em particular. Afirma que a perspectiva que inspirou uma Europa democrática das nações no século 19 é momentaneamente esquecida. A propaganda soviética convence uma fração considerável da população ocidental de que o paraíso na terra já existe na URSS. Por outro lado, o New Deal lançado pelo presidente Franklin D. Roosevelt promete realizar o velho sonho da sociedade da abundância.

21A Segunda Guerra maltratou muito a Europa. A hegemonia americana se completa pelo Plano Marshall e a URSS ocupa as áreas onde seus exércitos atuaram. O sonho de uma Europa única ressurge com força. Foram muitas as negociações sobre o pagamento da dívida contraída o que deu origem a organismos que permanecem até a atualidade, agora de alcance universal como é o caso da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - O.C.D.E.

22Explicar a situação da Europa no pós guerra não é tarefa fácil. Claval mostra o complicado tabuleiro político que põe Inglaterra e Alemanha de um lado e Estados Unidos e União Soviética de outro. No entanto, não é assim tão simples, implica compreender o que significa limitar o poderio bélico alemão e discutir diferentes contextos que compreende a antiga Tchecoeslaváquia, a Hungria e outros países.

23Com um texto vigoroso o autor coloca que a motivação animadora dos criadores da Europa depois de 1945 é a convicção de que a aventura europeia se extraviou pelo jogo dos egoísmos nacionais: estes conduziram a um perigoso programa de dominação imperial; eles exaltaram o militarismo.

24É nesse contexto que surge a Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN quando esses criadores de uma Europa unificada sentiram-se encorajados a irem mais longe depois do golpe de Praga de 1948.

25O coroamento do novo mapa do mundo aparece e encontra a Europa num novo ambiente económico e social. Essa conjuntura anuncia as diferentes crises que abalaram o equilíbrio da União Européia. Claval atribui o sugestivo título de Dificuldades, ameaças e rachaduras. O caráter competitivo vai ficando mais evidente. No décimo capítulo intitulado “Uma crise de governança. A Europa e a opinião pública” discute o contexto atual da União Européia que se fragmenta em diferentes movimentos de soberania, com Brexit que resultou na saída da Inglaterra e a emergência de movimentos populares com forte poder de pressão. Nas Conclusões Paul Claval discute todo o contexto de crise, mas permanece fiel a Utopia, põe em cheque a estagnação e propõe a refundação da Europa.

Haut de page

Notes

1 Professor da Université de Paris IV-Sorbonne. Suas obras têm sido referência mundial no estudo da geografia. Foi agraciado com o prêmio Vautrin Lud em 1996

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

José Borzacchiello da Silva, « Europa em questão: estagnação ou refundação », Confins [En ligne], 47 | 2020, mis en ligne le 24 septembre 2020, consulté le 01 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/31968 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.31968

Haut de page

Auteur

José Borzacchiello da Silva

Professor dos Programas de Pós Graduação em Geografia da UFC e da PUC-Rio

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search