Navigation – Plan du site

AccueilNuméros47Mobilidade espacial da população:...

Mobilidade espacial da população: Análise do fluxo de estudantes de nível superior nos centros regionais no interior de Minas Gerais

Population spatial mobility: Analysis of the flow of university students in regional centers of Minas Gerais state (Brazil)
Mobilité spatiale de la population: analyse des flux d'étudiants universitaires dans les centres régionaux de Minas Gerais (Brésil)
Carlos Lobo, Rafael Santiago Soares et Paulo Fernando Braga Carvalho

Résumés

L'analyse des mouvements spatiaux de la population est récurrente dans les sciences démographiques, cependant sa manifestation au niveau régional mérite une attention particulière. Certaines questions liées à la mobilité spatiale de la population motivée par les études et/ou le travail devraient être plus largement traitées : au sein d’un État, les municipalités qui ont reçu un investissement plus important pour le développement de leur enseignement supérieur ont-elles attiré un plus grand nombre de populations résidentes ou "itinérantes" ? Quelles sont les dynamiques de mobilité à des fins d'études et de travail associées à ces centres régionaux ? Compte tenu de cette problématique, ce travail vise à analyser la mobilité de la population dans les cinq principaux centres régionaux en regard de l'offre d'enseignement supérieur à l'intérieur de l'État du Minas Gerais, en se basant sur l’hypothèse que l'évaluation des différents flux de population (migration et déplacement pendulaire) est en mesure de caractériser la capacité des centres régionaux à attirer des étudiants. Pour répondre à ces questions, cinq indicateurs basés sur des ratios et des proportions ont été calculés à partir des données de migration pendulaire et de migration du recensement de 2010 d’une part, d’autre part les résultats ont été représentés de manière cartographique pour l'analyse spatiale des flux. Les résultats montrent que les centres régionaux exercent une force de centralité en attirant des migrants et des navetteurs en raison d'études dans l'enseignement supérieur, et que la proximité des centres régionaux favorise le mouvement pendulaire.

Haut de page

Texte intégral

1A reflexão sobre os significados e efeitos da mobilidade espacial da população, como salientaram Pacheco e Patarra (1997), passaram por uma significativa alteração após análise da realidade dos países de industrialização tardia. A dinâmica de acumulação de capital, a herança histórica e a estrutura social devem ser consideradas chaves ao entendimento acerca da mobilidade espacial da população e da força de trabalho para a indústria em expansão ou como resposta às situações de estagnação frente à concentração crescente dos polos dinâmicos. Se o modo como são organizados os elementos do espaço pode ser visto como um resultado histórico da atuação dos atores sociais, os fluxos de informação, capitais e pessoas, por exemplo, permitem e alimentam o dinamismo das formas e funções dos aspectos que compõem e caracterizam o espaço.

2A fluidez é uma das características marcantes que constitui o espaço geográfico e, por conseguinte, da organização regional. (SANTOS, 1996). Os fluxos são particularmente relevantes aos estudos regionais sobre as formas de mobilidade da população, que se manifestam e se materializam no tempo e espaço e não devem ser consideradas apenas como resultado de uma realidade e/ou condição econômica momentânea. Os movimentos da população induzem outros tipos de fluxos, como investimento, tecnologia, experiência profissional etc., os quais possuem suas manifestações espaciais próprias. Ainda que a análise dos movimentos espaciais da população, incluindo as próprias migrações, seja recorrente na ciência demográfica, são escassos os trabalhos que se dedicam aos efeitos dos deslocamentos espaciais da força de trabalho brasileira, sobretudo pela sua manifestação no âmbito regional. Compreender a realidade regional envolve a investigação de relações entre as diversas formas mobilidade humana, privilegiando as combinações e diferenciações que se manifestam no espaço. É exatamente essa espacialidade que confere uma particularidade a essa pesquisa.

3As mudanças nos padrões de distribuição espacial da população e alterações das áreas de polarização de centralidades são indicadores das reestruturações na organização do espaço regional. Nas últimas décadas do século passado, os deslocamentos espaciais da população em Minas Gerais assumiram um papel especialmente relevante. Ainda que Belo Horizonte tivesse mantido sua prevalência como centro polarizador regional e continuasse atraindo expressivos contingentes de população, procedentes principalmente do interior do estado, havia sinais de dispersão espacial da população e das atividades econômicas, ainda que limitado a área de influência da capital ou pelo poder de atração de determinadas centralidades. Como demonstraram Matos (1995), Brito (1997), Lobo et al. (2008), por exemplo, mesmo que essa dispersão tenha se manifestado inicialmente pelo crescimento da emigração em direção à periferia imediata, as evidências observadas nas últimas décadas sugerem sua extensão para o interior de Minas Gerais, fortalecendo alguns centros regionais.

4Para Matos (2005), a instalação dos equipamentos educativos em localidades fora dos grandes centros metropolitanos ratifica a hipótese da desconcentração espacial seletiva, especialmente no tocante à contribuição significativa da melhora das infraestruturas das cidades intermediárias para a densificação da rede urbana brasileira. Dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) do Ministério da Educação (MEC) indicam que, entre 2000 e 2010 ocorreu um crescimento bruto de 136,08% no número de alunos matriculados no ensino superior. No estado de Minas Gerais, nesse mesmo período, o incremento foi de 179,19%. Torna-se necessário, nesse sentido, para além dos efeitos específicos no próprio sistema de educação superior, incluindo os impactos inerentes no desenvolvimento humano e social regional/local, avaliar em que medida essa expansão do ensino superior tem reflexos na mobilidade espacial da população, seja pelos tradicionais fluxos migratórios ou pela mobilidade pendular intermunicipal em cada uma das regiões do estado de Minas Gerais.

5Algumas questões relacionadas a essa mobilidade espacial da população carecem, contudo, de informações mais precisas e detalhadas, tais como: os municípios que receberam maior investimento na expansão do ensino superior no estado têm atraído um maior número de população migrante ou “itinerante”? Quais são as dinâmicas de mobilidade para fins de estudo e trabalho associadas a estes centros regionais? Considerando tais questões, esse trabalho tem como principal objetivo analisar os efeitos a mobilidade populacional para os cinco principais centros regionais decorrente do fluxo de estudantes do ensino superior no interior do estado de Minas Gerais. Parte-se do suposto que a avaliação de diferentes fluxos populacionais (migração e pendularidade) para fins de estudo é capaz de expressar a capacidade de polarização dos centros regionais, permitindo identificar centralidades e interações na conformação da rede de cidades, bem como de sua área de influência.

Mobilidade geográfica e reestruturações regionais

6A integração econômica ano nível global impõe a reinvenção dos sentidos de continuidade e contiguidade espaciais como premissas para superação dos desafios interpretativos. Essa realidade social faz com que os estudos regionais passem a dar proeminência na consideração da mobilidade geográfica. As análises das interações espaciais e dos fluxos entre os lugares já apresentam elementos que dão novos sentidos ao conceito de região. O processo de reestruturação produtiva provoca o desencadeamento de lutas competitivas pelo controle das forças que moldam a sociedade, implicando fluxo e transição, ofensividade e defensividade por parte dos agentes sociais, e uma mescla de mudança e continuidade, como afirma Soja (1993). Diante desse quadro, foram apresentadas novas interpretações, agregando outros elementos ao debate sobre a composição do conceito de região e dos métodos de análise. Há pelo menos dois eixos complementares que norteiam a renovação do debate: a importância do movimento e da fluidez na estruturação do espaço, bem como a redefinição da noção de continuidade e contiguidade espacial. Analisando detidamente a circulação do capital e a funcionalidade desse processo na reprodução capitalista, Harvey (2005) conceitua o espaço como uma barreira a ser superada pela mobilidade dos fluxos econômicos. Harvey parte de um paradoxo entre a mobilidade do capital e a imobilização materializada no espaço. O capital e o Estado viabilizariam uma série de infraestruturas físicas e sociais, permitindo, assim, maior capacidade de investimentos e a consequente circulação de capitais. Entretanto, em outro momento, toda essa estruturação é, em parte, relegada pela própria dinâmica de circulação do capital, que busca dominar novos espaços para a reprodução econômica.

7Nesse antagonismo, a “mobilidade geográfica do capital requer infraestruturas espaciais fixas e seguras para funcionar efetivamente” (HARVEY, 2005, p. 148). Esse espaço organizado, ou nas palavras do autor, a coerência regional estruturada, conteria as formas e as tecnologias de produção, os padrões estruturados de consumo, a mão-de-obra e os processos sociais de reprodução, bem como as infraestruturas físicas e sociais. Toda essa organização espacial que em um momento atende como capital fixo para os agentes sociais com domínio econômico, em outro se torna um empecilho a implementação de novas lógicas de reprodução e acumulação privada da riqueza. Por outro ângulo analítico, na defesa de uma Geografia que enfatize o aspecto dinâmico do espaço, Moreira (2007) destaca o papel do movimento e da fluidez na estruturação das regiões. Para esse autor a Geografia deveria se ater mais ao movimento da distribuição do que a localização dos processos. Moreira se baseia na obra de Brunhes (1962) para defender uma leitura geográfica na categoria do movimento. Brunhes tinha como pressuposto o espaço composto por cheios e vazios. Essa metáfora é utilizada para demonstrar a alternância de reorganização do espaço, ou seja, como certas parcelas do espaço se tornam uma centralidade em um dado momento e em outro perdem poder de atratividade e concentração. Moreira também dialoga com Castells (2000), segundo o qual haveria uma dialética entre o espaço de fluxos e o espaço de lugares, que, em uma sociedade em rede, organizaria o tempo. Haveria, portanto, a constituição de uma nova forma espacial: o espaço de fluxos em uma oposição dialética ao espaço de lugares.

8Com base nas proposições de Castells, Moreira afirma que a mobilidade territorial seria a grande marca de definição da sociedade em rede. As redes foram ao longo da história traços marcantes da organização do espaço como, por exemplo, estradas, redes de trocas comerciais, dentre outras. Contudo, no mundo contemporâneo o próprio espaço estaria estruturado em rede. Essas constatações foram basilares para que Moreira (2007) expusesse o conceito de região-rede. O conceito de região-rede é uma asserção que converge a mudança do padrão de continuidade e contiguidade das regiões. Nessa perspectiva, Haesbaert (2014) sugere a existência de uma regionalização global, composta por coesões/articulações em espaços descontínuos. Espaço fragmentados, mas extremamente articulados entre si, comporiam redes regionais na escala global, mas também em outras escalas. Os estudos relacionados à região devem ser pautados com base nas dinâmicas de diferenciação, coesão/(des)articulação, fragmentação/exclusão e mobilidade e fixação. Nessa acepção, articulações regionais podem se caracterizadas não necessariamente com base na continuidade e contiguidade espaciais, mas unindo lógicas reticulares e zonais. Assumir essas categorias nas análises regionais é tanto um desafio como um pressuposto necessário. O desafio posto é pensar a região como uma dimensão que integre/aglutine diferenças em um mundo em permanente transformação. Faz parte dessa tarefa a investigação da multiplicidade de centralidades e hierarquias sobrepostas nos arranjos constituintes das regiões. Está em questão a superação de uma visão organicista e a inclusão de uma perspectiva relacional, favorecendo a leitura do entrecruzamento das interações espaciais.

9Entre outras análises possíveis, os fluxos populacionais colocam em evidência as articulações dos lugares e têm permitido a avaliação de processos de reestruturações regionais. A mobilidade espacial populacional compreende a capacidade do sujeito se mover pelo espaço, envolvendo a migração – considerada como mudança da localidade de residência – e os fluxos diários, comumente apresentado como mobilidade pendular. Os fatores que determinam a decisão de deslocamento são complexos e variados e seus efeitos são diversos (WUNSH; TERMOTE, 1978). A relação entre a polarização exercida por centros regionais, os diferentes tipos de mobilidade e as direções desses movimentos populacionais são utilizadas como indicadores de interações espaciais.

  • 1 Publicado originalmente em 1998

10A variável população sintetiza o tamanho econômico das localidades e expressa aspectos das relações socioculturais. Fluxos populacionais entre as localidades são pré-requisitos para a formação de redes geográficas (MATOS, 2005). Deslocamentos como a migração indicam concentração e dispersão de atividades econômicas e, além disso, refletem processos sociais mais amplos, que extrapolam os aspectos estruturais econômicos (LOBO, 2009). Diversas são as referências sobre a avaliação das reestruturações regionais a partir da mobilidade espacial da população. O menor crescimento relativo da população nos municípios das sedes das metrópoles brasileiras em relação às periferias, nas últimas décadas do Século XX, foram as bases de fundamentação para autores como Baeninger (1999) e Pacheco e Patarra (1997) indicarem o processo de desconcentração metropolitana em curso nas principais aglomerações urbanas do país. Em Minas Gerais, Carvalho et al. (2000)1 afirmam, com base nos dados do Censo Demográfico de 1991, que as regiões Sul/Sudoeste e Triângulo Mineiro, além da Central Mineira, tornaram-se áreas de atração de migrantes. Essa dinâmica de polarização exercida pelas duas primeiras mesorregiões mencionadas, faz com que Matos (1998) identifiquem o fortalecimento de centros regionais no interior do estado. As transformações na dinâmica dos fluxos populacionais expressam a redefinição da polarização dos centros e, por conseguinte, a transformação da organização regional. A pluralidade dos descolamentos é uma manifestação de novas dinâmicas regionais que, não necessariamente, perpassam os núcleos metropolitanos (OJIMA; MARANDOLA, 2012).

11A mobilidade da população entre as localidades do interior dos estados brasileiros está associada a redistribuição espacial das atividades produtivas e de serviços, assim como a outros aspectos ligados à qualidade de vida. Ao apresentar os fatores que induzem a migração, Ravenstein (1980) indica as facilidades educacionais como uma das causas do deslocamento populacional. Barbosa et al. (2015) consideram os equipamentos educativos como fatores de atratividade econômica, capazes de influenciar decisões de deslocamentos e a fixação de migrantes. Ainda segundo os autores, instituições educacionais que ofertam o ensino técnico e superior podem induzir novas economias de aglomeração. Considerando pesquisas que procuraram captar a percepção acerca de fatores de atração populacional em cidades médias realizadas, Barbosa et al. reafirmam o papel de atratividade exercida por instituições educacionais e acrescentam que essas escolas: “atuam no processo de desconcentração demográfica dos grandes centros, à medida que possibilitam a qualificação profissional (BARBOSA et al., 2015, p. 80).

12A interpretação dos deslocamentos populacionais pode contribuir para a avaliação da expansão do ensino superior. Da mobilidade espacial da população é possível compreender as áreas de influência de centralidades na oferta da educação. Aliás, os fluxos populacionais estão diretamente relacionados com a ação dos agentes sociais. A análise desses deslocamentos pode revelar particularidades da atuação do Estado, de Instituições privadas de ensino superior, bem como de outros agentes que estejam vinculados diretamente ou indiretamente com a oferta da educação.

Recortes/unidades espaciais de análise, base de dados e procedimentos metodológicos

13A adoção de procedimentos que permitam identificar a interação entre centros regionais torna-se um desafio complexo. Soma-se a essa dificuldade as múltiplas dimensões do ato de regionalizar. A identificação de coesões regionais pode ser um instrumento analítico, da qual o pesquisador se apropria para consecução dos seus objetivos. Todavia, também contribui para a realização das práticas de diferentes agentes sociais (ao considerar a região como um fato concreto); e funciona como um instrumento de intervenção, por exemplo, de execução de políticas públicas; e como um processo teórico-prático, no qual sua construção se dá na imbricação entre a realidade vivida e a abstração teórica, contribuindo diretamente para o avanço do conhecimento geográfico (HAESBAERT, 2014). Os procedimentos de regionalização devem incorporar a multiplicidade funcional dos centros propulsores das interações regionais. Ao discutir a complexificação funcional das redes urbanas e da constituição das regiões, Corrêa (2006) afirma a impossibilidade de uma classificação de centros urbanos com base em suas funções centrais. As especializações produtivas produziram centros com diferentes centralidades e áreas de influência em torno tipos de indústria ou prestação serviço. Nesse sentido, são identificados centros que gravitam em torno de indústrias como metalúrgica ou maquinário agrícola, dentre outras, e serviços como lazer/turismo e a oferta da educação superior (CORRÊA, 2006).

14A transformação da organização regional enseja a problematização das massas e dos fluxos, das concentrações e das dispersões, que são características básicas das redes urbanas. As mudanças socioeconômicas e, porque não mencionar, as modificações na oferta da educação superior podem alterar as tendências de concentração e dispersão espacial no interior das regiões influência de cada centro. Nesse contexto, não basta somente a classificação das cidades em torno de hierarquias, mas o aprofundamento analítico da interação entre os centros regionais e as relações sociais provenientes dessa produção e organização do espaço regional. Com base nesses pressupostos teórico-conceituais foram adotados os procedimentos metodológicos que permitiram analisar as interações regionais induzidas pelo crescimento da oferta da educação superior. O volume de vagas e cursos e a capacidade de atração e absorção de estudantes de nível superior podem indicar o nível de influência regional de cada centro, dado a complexidade inerente a esse tipo de serviço. A reestruturação do sistema de ensino no Brasil também traz elementos e aspectos adicionais à análise do papel dos centros regionais, incluindo a abrangência espacial de sua rede de influência.

  • 2 Sobre o processo recente de expansão do ensino superior no Brasil, ver, dentre outros, Sampaio (201 (...)

15A recente expansão e interiorização do ensino superior promoveu mudanças locacionais das Instituições de Ensino Superior – IES2. Os centros urbanos absorveram e reproduziram esse processo, modificando os níveis de centralidade dos lugares na oferta da educação superior. Em trabalho anterior, Soares e Lobo (2018), ao analisar os padrões espaciais da oferta de ensino superior, propuseram a criação do Índice de Centralidade Regional – ICR, aplicado para os municípios do interior do estado de Minas Gerais. A interpretação dos níveis de centralidade na oferta do ensino superior gerou, como resultado parcial, uma hierarquia dos municípios. Este índice é composto por quatro dimensões: 1ª) número de matrículas; 2ª) números de cursos; 3ª) capacidade de absorção de pessoas com ensino médio completo do próprio município; e 4ª) capacidade de absorção de pessoas de outros municípios. Os cinco principais centros regionais, discriminados no primeiro nível hierárquico, identificados foram: Uberlândia, Juiz de Fora, Uberaba, Viçosa e Montes Claros (Figura 1).

Figura 1. Hierarquia dos municípios definida pelo Índice de Centralidade Regional na oferta do ensino superior (ICR) no interior do estado de Minas Gerais

Figura 1. Hierarquia dos municípios definida pelo Índice de Centralidade Regional na oferta do ensino superior (ICR) no interior do estado de Minas Gerais

Fonte: Soares e Lobo (2018).

16Com base nessa hierarquia, foram analisados os dados dos fluxos populacionais motivados por estudo no ensino superior para os cinco centros regionais identificados anteriormente, conforme caminho metodológico apresentado na sequência. Para análise da relação entre migrantes e pendulares foram propostos três indicadores principais, a Distância Média Ponderada (DMP), que estima a distância linear entre os pontos que representam cartograficamente a sede dos municípios e a sede do respectivo centro regional, ponderado pelo volume de migrantes ou pendulares, identificado pelo chamado vetor de migração ou de mobilidade pendular (Equação 1), ou pelas razões que comparam os volumes de migração e pendularidade (total e de estudantes), conforme descrito pelas equações 2 e 3.

17Nesse caso, quanto maior o valor de RMPj, maior o peso da migração, quando comparada a pendularidade, na mobilidade populacional com destino ao centro regional j.

18O valor de RMEj torna-se o maior quanto mais intenso for o peso da migração com destino ao centro regional j para estudo no ensino superior.

19É preciso salientar, contudo, algumas ressalvas necessárias a interpretação dos indicadores utilizados, inclusive pelos limites referentes ao de conceito de migrante e da pendularidade, captado pelas variáveis utilizadas no censo demográfico de 2010. No caso da migração identifica-se apenas o último movimento migratório, em considerar possíveis etapas intermediárias, bem como o momento exato da mudança de endereço. Ressalta-se, ainda, os limites decorrentes do recorte temporal analisado. Trata-se de um retrato momentâneo, ainda que reflitam um momento relevante do procedo de redistribuição da população no território nacional.

20Outro aspecto diz respeito a unidade especial utilizada, que envolve as unidades político administrativas municipais. Ademais, as diferenças intrarregionais observadas no estado de Minas Gerais pedem uma abordagem diferenciada na análise dos dados de fluxos, em especial, dos pendulares. São observados municípios com áreas que variam de 3,6 km2, em Santa Cruz de Minas, localizado no Sul do estado, a 10.727 km2, em João Pinheiro, localizado na região Noroeste e, ainda, densidades demográficas que variam de 1,3 a 7.589,3 habitantes por quilômetro quadrado. Os dados de fluxos populacionais motivados por estudo no ensino superior são disponibilizados apenas na escala municipal, não sendo possível identificar se os fluxos têm como destino a sede municipal ou algum de seus distritos ou regiões administrativas, o que, mais uma vez, pode provocar diferenças significativas na avaliação das distâncias percorridas pelos pendulares. Assim, os pendulares dos municípios das regiões Norte e Oeste do estado tendem a percorrer maiores distâncias que aqueles da região Sul. Como consequência, as dimensões dos municípios podem funcionar como fatores de atrito para a mobilidade, provocando diferenças quanto às atratividades dos centros regionais.

Relação entre migração e pendularidade para fins de estudo no ensino superior: algumas evidências empíricas

21 A avaliação dos fluxos espaciais da população é capaz de expressar a capacidade de atração dos centros regionais, seja pela ação do mercado de trabalho ou das instituições de ensino. O poder de atratividade pode ser identificado por dois tipos de movimentos: a migração que, neste caso, que envolve a mudança do local de residência; ou pela chamada mobilidade pendular, que envolve apenas os deslocamentos regulares (predominantemente diários). O estabelecimento de indicadores que relacionem ambos os fluxos, pode indicar não apenas a capacidade de polarização por categoria de mobilidade, mas a rede de influência de cada um dos centros regionais analisados.

22Ao comparar o padrão de distribuição espacial da pendularidade e migração de estudantes do ensino superior (graduação, formação sequencial, mestrado e doutorado) no interior de Minas Gerais nota-se algumas semelhanças e diferenças quando confrontadas as redes de cada um dos cinco centros regionais analisados. Enquanto os nexos de pendularidade e migração de Uberlândia e de Montes Claros são altamente concentrados em suas respectivas mesorregiões, nos casos de Juiz de Fora, Uberaba e Viçosa o fluxo inter-regional ganha mais relevância (Figura 2). Do total de pessoas que realizam a pendularidade para Uberlândia e Montes Claros, respectivamente, 91,96% e 89,53% residem nas próprias mesorregiões onde estão localizados esses centros regionais. Em relação à migrantes matriculados no ensino superior, Uberlândia apresenta 70,23% de pessoas residentes na região do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e Montes Claros e 75,43% no Norte de Minas. Por sua vez Uberaba, possui similaridade quando o quesito são os migrantes, possuindo 75,89% destes estudantes residindo em localidades do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. A distinção é a pendularidade, pois apenas 65,03% desse grupo são oriundas dessa mesorregião.

Figura 2. Mobilidade populacional para estudo: mobilidade pendular e migrantes no ensino superior para os Centros Regionais de Minas Gerais, 2010

Figura 2. Mobilidade populacional para estudo: mobilidade pendular e migrantes no ensino superior para os Centros Regionais de Minas Gerais, 2010

Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE).

23Nos deslocamentos pendulares os volumes são maiores para Viçosa e Juiz de Fora. Para esse último o peso demográfico é fator explicativo. Contudo, o caso de Viçosa chama bastante atenção, dado tratar-se de um município de pequeno porte populacional, mas que tem uma forte função regional associada ao setor educacional. Cabe ainda mencionar que Viçosa é o centro regional que contêm maior mobilidade pendular relativa procedente de outras regiões, perfazendo 38,55% do total.

24Os dados apresentados na Tabela 1, permitem confirmar a distinção os padrões espaciais dos vetores de migração e mobilidade pendular, diretamente associados ao tipo de movimento (migração ou pendularidade) e ao número/tamanho dos municípios de cada uma das regiões de influência dos respectivos centros regionais. Como esperado, os fluxos de migração envolvem distâncias maiores, mais limitado no caso da pendularidade, dadas as dificuldades adicionais para os deslocamentos regulares, especialmente os diários.

25Contudo, quando comparados os vetores de deslocamento em nas regiões de influência de cada centro, algumas diferenças podem ser observadas. Enquanto na rede de Uberlândia e Uberaba a interação migratória e pendular é menos frequente, em Juiz de Fora e Viçosa esses números são mais expressivos. Em relação à distância, os deslocamentos pendulares para Montes Claros e Uberaba envolvem valores maiores. Isso é particularmente esperado para o caso de Montes Claros, em que prevalecem municípios com territórios maiores. Já no que se refere a migração, os vetores mais distantes dizem respeito aos vetores para Montes Claros e Uberlândia. Por outro lado, a migração para Viçosa envolve distâncias menores, ainda que com compreenda uma interação relativamente alta.

Tabela 1. Número de Vetores e Distância Média Ponderada (DMP) da migração e da pendularidade para fins de estudo no ensino superior para os Centros Regionais de Minas Gerais, 2010

Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE).

26Ao comparar o volume de pessoas que realizaram mobilidade pendular e migração para os cinco centros regionais, pelo menos dois aspectos devem ser destacados: 1º) embora o poder de atração de migrantes seja maior que o de pendularidade no fluxo populacional geral, quando especificada a finalidade para estudo no ensino superior a migração torna-se proporcionalmente menos relevante que a mobilidade pendular; 2º) a razão de pendularidade pela migração geral é de aproximadamente 0,5, o que significa que para cada migrante há um fluxo pendular regular de duas pessoas para esses centros regionais (Tabela 2).

27Não obstante essas observações mais gerais, existem, contudo, particularidades em cada um desses centros. Uma primeira observação diz respeito aos volumes totais de migrantes e pendulares, bem como aqueles que frequentam o ensino superior. De modo geral, há uma relação direta com o tamanho demográfico de cada centro regional, de modo que Uberlândia, Juiz de Fora e Montes Claros se destacam com os maiores volumes, tanto de migrantes, como de pendulares. Chama atenção, contudo, o caso de Viçosa, cujos percentuais são mais elevados quando observados os fluxos associados aos estudantes de ensino superior. Uberaba e Viçosa são os que possuem maior proporção de migrantes estudantes, com 18,8% e 15,0% do total de migrantes, respectivamente. Porém, quando o fluxo analisado é o da pendularidade as proporções são mais significativamente maiores. De toda a população que realiza pendularidade para Viçosa, 67,6% é para fins de estudo no ensino superior e em Montes Claros, 60,3%. Juiz de Fora é a única localidade com menos de 50%, mas, ainda assim, com expressiva proporção de 42,5%.

Tabela 2. Migração e pendularidade, total e de estudantes no ensino superior, para os Centros Regionais de Minas Gerais, 2010

Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE).

28As razões entre migração e pendularidade (RM), sugerem que o movimento migratório é superior à pendularidade com destino aos centros regionais. Para cada pendular que chega a Uberlândia, aproximadamente, quatro migrantes optam por esse destino, enquanto para Juiz de Fora, Uberaba e Montes Claros a razão é de, aproximadamente, dois migrantes para cada pendular. Viçosa é o único centro regional que recebe mais pendulares que migrantes, fenômeno que será reforçado adiante. Os resultados da razão de migração de estudantes de ensino superior (RMe) sugerem a prevalência da mobilidade pendular, tendo em vista que todas as razões são menores que a unidade. Viçosa se destaca com a menor razão (0,20), particularidade que reforça a afirmação popular que classifica esse município como “cidade universitária”. Assim, o referido centro regional absorve em menor intensidade estudantes (ou futuros estudantes) para o estabelecimento de moradia definitiva.

29A representação cartográfica da distribuição espacial das Razões de Mobilidade de estudantes do ensino superior (RMe’s), ao comparar o fluxo de migração e pendularidade, calculadas para cada município mineiro, permite evidenciar as diferenças de polarização regional exercida por cada um desses centros. Uberlândia, por exemplo, manifesta o peso de sua centralidade na mesorregião em que está inserido, neste caso, o Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. A distribuição espacial se estende, destacadamente, para a região Noroeste, que possui oito localidades com RMe maior que 1 e, em menor intensidade, para outras regiões do estado.

30Os padrões espaciais de Uberlândia e Uberaba são similares (Figura 3). Para os municípios que estão mais próximos de Uberlândia e que possuem interação com Uberaba prevalece mais intensamente a migração em detrimento da mobilidade. Esse contexto, de dois municípios polarizadores na oferta do ensino superior e que estão na mesma mesorregião, sugere que a pendularidade é mais frequente para municípios mais próximos dos centros regionais e que quanto maior a distância mais o fator migração assume importância.

31Em relação aos fluxos para Uberaba, há 50 municípios com RMe maior que 1, destacando-se o Sul/Sudoeste de Minas com oito ocorrências. Comumente associado aos deslocamentos pendulares, os eixos viários também exercem influência sobre a a migração regional. Ao longo do eixo da BR-354, que liga o Noroeste ao Sul/Sudoeste de Minas, há localidades com RMe maior que 1 tanto para Uberlândia quanto para Uberaba. O entroncamento dessa rodovia com a BR-050 também favorece a disseminação da influência para o Noroeste e com a BR-262, que induz a conexão com os municípios do Sul/Sudoeste de Minas.

Figura 3. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para os centros regionais Uberlândia e Uberaba, Minas Gerais – 2010

Figura 3. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para os centros regionais Uberlândia e Uberaba, Minas Gerais – 2010

Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010 – dados da mostra (IBGE).

32No Triângulo Mineiro, os municípios possuem área média de 1372 Km². Essa característica territorial pode influir no volume e proporção dos dois modos de mobilidade populacional de estudantes. Enquanto em Uberlândia e Uberaba menos de 50% das localidades apresenta RME menor que 0,01, em Juiz de Fora e Viçosa essa proporção ultrapassa 70% (Figura 4). Na Zona da Mata a área média das localidades é de 251 Km². Com efeito, esse fator facilita os deslocamentos periódicos de estudantes, resultando em um menor RMe em Juiz de Fora e em Viçosa. Fica caracterizado a influência de Juiz de Fora e de Viçosa sobre o Sul/Sudoeste de Minas. Nessa região está a maior quantidade de localidades com superioridade da migração em relação à pendularidade de estudantes. Essa polarização está intimamente associada a integração facilitada pelas BR’s 267 e 383, que ligam a Zona da Mata à BR-381 no Sul/Sudoeste de Minas.

33A Figura 5 coloca em evidência, novamente, a maior intensidade de polarização de Montes Claros sobre sua própria mesorregião. Na rede de Montes Claros, menos de 50% das localidades apresentam RMe menor que 0,01. Assim como Uberlândia e Uberaba, a maior área média dos municípios do Norte de Minas, 1443 Km², pode induzir uma maior proporcionalidade da migração quando comparado com os dois centros regionais da Zona da Mata. Especificamente no Norte de Minas, prevalecem razões menores que 1, ou seja, com predominância da pendularidade. Nessa região, em oitenta cinco localidades, apenas em onze há um RMe maior que 1. Merece destaque, ainda, a importância de Montes Claros para os municípios do Jequitinhonha, sendo essa mesorregião a única que contém duas localidades com RMe maior que 1. Ressalta-se que a integração desse centro regional com localidades do Jequitinhonha e do extremo norte de Minas Gerais é favorecida pela ligação da BR-135.

Figura 4. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para os centros regionais Juiz de Fora e Viçosa, Minas Gerais – 2010

Figura 4. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para os centros regionais Juiz de Fora e Viçosa, Minas Gerais – 2010

Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010 – dados da amostra (IBGE).

Figura 5. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para o centro regional Montes Claros, Minas Gerais – 2010

Figura 5. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para o centro regional Montes Claros, Minas Gerais – 2010

Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE)

34O padrão de distribuição espacial das interações entre os municípios de origem dos migrantes matriculados e das pessoas que realizam mobilidade para fins de estudo, ambos na educação superior, não difere significativamente de um centro regional para outro. A análise dos dados de centros regionais evidenciou o fato de que, ao realizar a mobilidade para fins de estudo, as pessoas optam por municípios mais próximos, mas estão mais dispostas à migração quando a distância é maior. Nesse caso, as dimensões das áreas dos municípios nas mesorregiões, bem como a abrangência da infraestrutura de transporte regional, induzem diferenças proporcionais no tipo de atração de estudantes.

Considerações finais

35Ao analisar os fluxos populacionais para os principais centros regionais do interior de Minas Gerais, nota-se a amplitude demográfica e espacial do poder de atração exercido pelo setor educacional superior. A compreensão da magnitude e das principais características desses fluxos contribuiu para o entendimento das interações espaciais dos centros regionais na oferta do ensino superior, incluindo a expansão da rede de influência no conjunto do território mineiro. A Mobilidade pendular e migração para fins de estudo confirmam os níveis de centralidade e permitem, ainda, a identificação das áreas de maior ou menor influência dessas localidades.

36A análise da mobilidade populacional permitiu identificar aspectos da organização dos espaços regionais de Minas Gerais. Conforme apresentado na primeira parte desse artigo, com base nas contribuições de Harvey (2005), Moreira (2007) e Haesbaert (2014), o movimento e a fluidez constituem elementos centrais nos processos de reestruturação regional. As análises das redes de migração e pendularidade favorecem o entendimento da mudança da estruturação dos arranjos regionais. Apesar de as transformações socioeconômicas alterarem os padrões de continuidade e contiguidade, os resultados acerca da migração e pendularidade colocam em evidência que a proximidade entre as localidades ainda é fator preponderante nas interações espaciais. Essa característica fica ainda mais destacada na mobilidade pendular, sendo que a migração é uma opção para os estudantes que estão mais distantes dos centros regionais analisados.

37Destaca-se também a importante inversão dos volumes: o total de pessoas migrantes é maior do que aqueles que realizam a mobilidade pendular, no entanto, quando interpretados especificamente os casos relacionados à oferta da educação superior, a pendularidade é prevalecente em detrimento da migração. Com a expansão e interiorização dessa modalidade de ensino, novos tipos de interações e estruturações intra-regionais surgem em todo o estado de Minas Gerais, nos quais a pendularidade pode constituir uma variável chave.

38Os resultados ratificam ainda a alcunha de Viçosa como uma “cidade universitária”. O maior espectro de sua polarização e o menor peso demográfico, dentre os centros regionais estudados, permitem a constatação de que a oferta da educação superior exerce um papel estruturante nesse município. Assim como Viçosa, Juiz de Fora também possui uma área de polarização bastante significativa. Uberlândia e Montes Claros concentram, em grande parte, suas influências nas próprias mesorregiões onde estão localizados. Acerca de Uberaba, ressalta-se que grande parte da pendularidade é oriunda de outras mesorregiões, constituindo uma particularidade desse centro regional.

39Cabe ressalvar, contudo, que a área de influência das capitais regionais analisadas, não raro, se estende para além dos limites do estado (o que foge ao escopo desse trabalho). Como exemplos mais notórios tem-se os casos de Uberlândia, Juiz de Fora e Montes Claros que recebem estudantes de vários municípios, especialmente dos estados limítrofes.

40Todas as interações espaciais identificadas são elementos da organização regional de Minas Gerais, intensificados pela expansão do ensino superior. As regiões mineiras ganham novos atributos, novas redes de mobilidade populacional que indicam os padrões de organização regional do estado. O aprofundamento das pesquisas sobre a expansão da educação superior, nesse sentido, incorpora a dimensão das regiões-rede. Os desdobramentos de tais pesquisas, incluindo a interpretação de outros níveis dos centros regionais, contribui para a reavaliação de aspectos teórico-conceituais dos estudos regionais e das políticas públicas de expansão e financiamento da educação superior no Brasil e em Minas Gerais.

Haut de page

Bibliographie

BARBOSA, A. M.; MATOS, R. e LOBO, C. Cidades médias e atração de migrantes qualificados. Geosul, Florianópolis, v. 30, n. 60, p 69-88, jul./dez. 2015.

BRITO, F. O Mobilidade espacial e expansão urbana: o caso da Região Metropolitana de Belo Horizonte. In: X Encontro de Estudos Populacionais, 10, 1997, Brasília. Anais... Brasília: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 1997. v. 2, p. 771-788.

BRUNHES, J. Geografia Humana. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura (edição abreviada), 1962.

CARVALHO, J.A.M.; BRITO, F.; RIBEIRO, J.; RIGOTTI, J. Minas Gerais, uma nova região de atração populacional?. In: PAIVA C.A.; LIBBY D.C. (Org.). 20 anos do seminário sobre a Economia Mineira – 1982-2002: coletânea de trabalhos, 1982- 2002. Belo Horizonte: UFMG/Face/Cedeplar, 2002. v. 3, p. 239-262.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000, 3º edição.

CORRÊA, R. L. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

LOBO, C. Dispersão espacial da população nas Regiões de Influência das principais metrópoles brasileiras. Belo Horizonte (Tese de Doutorado). Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

MATOS, R. (Org.). Espacialidades em rede: população, urbanização e migração no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: C/Arte, 2005.

MATOS, R. Questões teóricas acerca dos processos de concentração e desconcentração da população no espaço. Revista Brasileira de Estudos Populacionais. São Paulo, p. 35-58, 1995.

MOREIRA, R. Da região à rede ao lugar: a nova realidade e o novo olhar geográfico sobre o mundo. Etc, Espaço, tempo e crítica. Niterói: Universidade Federal Fluminense. n. 13, v. 1. 2007, p. 55-70.

OJIMA, R.; MARANDOLA JUNIOR, E. Mobilidade populacional e um novo significado para as cidades. In.: Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. Rio de Janeiro: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ANPUR, v. 14, n. 2, 2012, p. 103-116.

PACHECO, C. A.; PATARRA, N. Movimentos migratórios anos 80: novos padrões? In: PATARRA, N. (org.) Migração, condições de vida e dinâmica urbana. Campinas/SP: UNICAMP, 1997.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

SOARES, R. S.; LOBO, C. Centralidades regionais em Minas Gerais: uma proposta com base na oferta do ensino superior. In: XXI Encontro de Estudos Populacionais, 2018, Poços de Caldas. Anais... Poços de Caldas: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2018. v. 1, p. 01-19.

SOJA, E. W. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1993.

WUNSCH, G.; TERMOTE, M. G. Introduction to demographic analysis: principles and methods. New York: Plenum Press, 1978.

Haut de page

Notes

1 Publicado originalmente em 1998

2 Sobre o processo recente de expansão do ensino superior no Brasil, ver, dentre outros, Sampaio (2014).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Hierarquia dos municípios definida pelo Índice de Centralidade Regional na oferta do ensino superior (ICR) no interior do estado de Minas Gerais
Crédits Fonte: Soares e Lobo (2018).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-1.png
Fichier image/png, 150k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-3.png
Fichier image/png, 57k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-5.png
Fichier image/png, 34k
Titre Figura 2. Mobilidade populacional para estudo: mobilidade pendular e migrantes no ensino superior para os Centros Regionais de Minas Gerais, 2010
Crédits Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 669k
Crédits Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-8.png
Fichier image/png, 9,7k
Crédits Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-10.png
Fichier image/png, 26k
Titre Figura 3. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para os centros regionais Uberlândia e Uberaba, Minas Gerais – 2010
Crédits Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010 – dados da mostra (IBGE).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 191k
Titre Figura 4. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para os centros regionais Juiz de Fora e Viçosa, Minas Gerais – 2010
Crédits Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010 – dados da amostra (IBGE).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 206k
Titre Figura 5. Razão Migração/Pendularidade nos deslocamentos para o centro regional Montes Claros, Minas Gerais – 2010
Crédits Fonte: Elaborado com base nos dados do Censo Demográfico de 2010, dados da amostra (IBGE)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/32982/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 115k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Carlos Lobo, Rafael Santiago Soares et Paulo Fernando Braga Carvalho, « Mobilidade espacial da população: Análise do fluxo de estudantes de nível superior nos centros regionais no interior de Minas Gerais », Confins [En ligne], 47 | 2020, mis en ligne le 27 septembre 2020, consulté le 04 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/32982 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.32982

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search