Navigation – Plan du site

AccueilNuméros47Mudanças climáticas e impactos só...

Mudanças climáticas e impactos sócio-territoriais dos desastres glaciais na Cordilheira Branca, Peru

Changements climatiques et impacts sociaux-territoriaux des désastres glaciaires dans la Cordillière Blanche, Pérou
Climate change and socio-territorial impacts of glacier-related disasters in Cordillera Blanca, Peru
Anderson Ribeiro de Figueiredo, Jefferson Cardia Simões, Álvaro Luiz Heidrich et Rualdo Menegat

Résumés

Cet article discute l’historique de désastres naturels dans la Cordillière Blanche, au Pérou, durant la période 1970-2011. L’étude a analysé des données générales sur les désastres dans cet intervalle de temps et de manière plus ample les désastres glaciaires entre 1725 et 2010 d.C. Historiquement, la région fut affectée par une série de désastres glaciaires qui ont provoqué la mort de 26 mille personnes. Cet article examine ainsi l’impact de ces désastres glaciaires, en considérant qu’ils déclenchent des processus de déterritorialisation et de reterritorialisation dans la région. Les stratégies méthodologiques suivantes ont été adoptées : travail sur le terrain ; entretiens semi-structurés réalisés avec des survivants des désastres glaciaires et avec des gestionnaires environnementaux ; révision de la littérature relative à ce thème. Il est suggéré que le changement climatique augmente le risque de désastres glaciaires. À partir de ces récits, il a été possible de constater que la déterritorialisation agit sur le quotidien des habitants, entraîne la cassure de relations et de liens avec le lieu. De plus, les désastres glaciaires provoquent un processus abrupt de déterritorialisation, et par conséquence, une reterritorialisation qui se développera plus lentement, ouvrant un intense espace de discussions entre les différents acteurs impliqués, éveillant des conflits sociales.

Haut de page

Texte intégral

1Habitar regiões periglaciais envolve experiência bastante singular nas relações com o meio, pois se a disponibilidade de água pode ser grande, também são muitos os perigos encontrados nesses ambientes: rompimento de dique de lagoas glaciais, e demais perigos associados às geleiras nos Andes e Himalaia; jökulhlaup na Islândia; riscos costeiros na Groenlândia, etc. (Reynolds, 1992; Carey et al., 2015).

2Na região andina, a retração das geleiras nas últimas décadas, intensificada pelas mudanças climáticas, torna o cenário mais preocupante em relação aos desastres glaciais, já que essa redução do gelo tem aumentado o número de lagoas glaciais e também o volume daquelas preexistentes, fatores que aumentam o risco de desastres glaciais (Figueiredo, 2017; Figueiredo et al., 2019). A Agência Nacional de Água (ANA, 2014) do Peru estima que 27% da área de superfície glacierizada da Cordilheira Branca foi perdida em 33 anos (1970 a 2003).

3Embora o processo civilizatório andino tenha requerido a construção de um sistema cognitivo sui generis para habitar a região, o etnoconhecimento, a sociedade pós-colonial enfrenta problemas com os recorrentes desastres na região (Menegat, 2006; Figueiredo, 2017). Neste sentido, o presente artigo reporta-se à investigação em curso sobre o histórico de desastres no Peru e, especialmente, na região da Cordilheira Branca (Figura 1). Diante da reincidência de eventos catastróficos se faz relevante uma análise geográfica sobre o tema. Como a organização do espaço/território é afetada pelos desastres glaciais? Quais são as implicações desses desastres nos processos de territorialização-desterritorialização-reterritorialização (TDR)? O objetivo deste artigo é investigar os impactos dos desastres glaciais sob as populações que habitam a região da Cordilheira Branca.

4Com esse intuito o que segue traz primeiramente um esboço sobre os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, seguido de duas análises: (a) sobre as dinâmicas locais e regionais dos desastres associados ao degelo; e (b) sobre as implicações para os assentamentos humanos, as quais, no período mais recente têm se revelado em nítido processo de desterritorialização-reterritorialização. Em nossas considerações, acrescemos aos destaques principais que revelam a importância das relações entre ambiente e sociedades, apontamentos que indicam compromissos de natureza científica e política que possam municiar a gestão ambiental e territorial.

Figura 1. Mapa da Cordilheira Branca e do Callejón de Huaylas, Peru.

Figura 1. Mapa da Cordilheira Branca e do Callejón de Huaylas, Peru.

Fonte: cartografia de Figueiredo et al.; imagem base de Esri .

Metodologia

5 Como em qualquer prática de pesquisa, a metodologia requer adaptação a seu foco. Na presente situação a análise em relato implica na articulação de procedimentos adequados para averiguar os processos socioambientais causadores e as próprias dinâmicas dos desastres, assim como também sobre os impactos e implicações que têm afetado os assentamentos humanos. Pelo fato de se tratar de um problema propriamente geográfico, e não apenas de um cenário geográfico, os procedimentos para a captura de dados buscam atender a necessidade de analisar e tecer considerações para esse âmbito integral em que atitudes e dinâmicas de distintas ordens se entrelaçam.

  • 1 No Peru, a entidade responsável pela construção de um banco de dados sobre desastres é a Organizaçã (...)

6Além disso, considerou-se a contextualização desses desastres por meio da literatura com uma abordagem física (Ericksen, Plafker & Concha, 1970; Evans et al., 2009; INDECI, 2013) e também com uma abordagem humana (Oliver-Smith, 1979; Carey, 2010, 2014; León, 2016a, 2016b). O cenário de desastres no Peru, com ênfase na região da Cordilheira Branca, foi considerado a partir dos dados disponibilizados por meio do software Desinventar Information Management System (DesInventar) Server, versão 9.2.11. O referido software foi desenvolvido pela Secretaria das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres (United Nations International Strategy for Disaster Reduction – UNISDR, 2005), em parceria com várias universidades e instituições públicas e privadas.1 Esses dados permitiram a análise do conteúdo e da dimensão de desastres que ocorreram no país e na região em questão.

7A análise dos impactos dos desastres glaciais sob as populações que habitam o Callejón de Huaylas foi realizada a partir das informações trazidas de 20 entrevistas semiestruturadas e de observação direta durante trabalho de campo realizado no mês de agosto de 2016, janeiro e fevereiro de 2018 e junho e julho de 2019. Neste artigo prioriza-se referência à três entrevistas, por expressarem a compreensão coletiva e, dadas as limitações do artigo, as demais informações de entrevista foram absorvidas no conjunto das observações de campo. Além disso, contribuições importantes foram alcançadas de literatura existente sobre o tema (Ericksen, Plafker & Concha, 1970; Oliver-Smith, 1979; Carey 2010, 2014; Carey et al., 2015). Relativamente à coleta de dados empíricos, importa dar ênfase que se trata de abordagem qualitativa, ou seja, aquela que dá atenção ao uso da linguagem, para dela extrair subjetividades e significados contidos nas falas ou textos escritos (Heidrich, 2016). Deste modo, mais do que a averiguação de regularidades de um processo geral, que neste caso se busca por meio dos registros já publicados, interessa-nos trabalhar com os efeitos particulares das situações variantes do problema em estudo, as conexões mais diretas entre os fatos e as percepções sobre os mesmos e explanações mais casuais (Cloke et. al., 2004).

8Seguindo esta orientação a pesquisa priorizou entrevistar pessoas que tiveram participação política e cultural engajada no cenário socioambiental da área de estudo. Além disso, foram entrevistadas sete pessoas que sobreviveram ao desastre de 31 de maio de 1970. A prática da entrevista difere da simples aplicação de um questionário. Mesmo com o uso de perguntas-guia, dá-se margem para a conversa se estabelecer e derivar para temas enfatizados pelo entrevistado e que apenas ela enlaça alguma relação antes não prevista pelo traçado da pesquisa. A conversa se estende muitas vezes e, posteriormente nos dá possiblidades de selecionar trechos de conversa como unidades de significação (Michelat, 1982) ou núcleos discursivos e associá-los a nossos termos de pesquisa, conceitos ou formulações.

9Em suma, as seguintes estratégias metodológicas foram adotadas nesta investigação: revisão da literatura existente sobre o tema; levantamento de dados no software Desinventar; trabalho de campo; entrevistas semiestruturadas realizadas com sobreviventes dos desastres glaciais e com gestores ambientais.

Histórico de desastres no Peru e na Cordilheira Branca

10O histórico de desastres ocorridos no Peru, de acordo com a base de dados do software DesInventar (UNISDR, 2005), é apresentado na Tabela 1. Nela, estão relacionados os tipos de desastres, a ocorrência e o número de óbitos associados a eles entre 1970 e 2011.

11Os dados demonstram que os incidentes de maior ocorrência no território peruano são as inundações (16%), as chuvas (10%) e as corridas de lama e detritos (9%). Contudo, os desastres que provocaram os maiores números de óbitos entre as populações peruanas foram os oriundos de corrida de lama e detritos (44%) e de terremotos (32%). Os desastres causaram cerca de 46 mil mortes que afligiram a população peruana em um período de 41 anos (1970 a 2011).

Tabela 1. Número de desastres naturais e de óbitos no Peru entre 1970 e 2011.

Tipos de Desastres

Número de incidentes

Número de óbitos

Absoluto

%

Absoluto

%

Chuva

2.220

10

-

-

Colapso estrutural

878

4

-

-

Corrida de lama e detritos

1.951

9

20.792

44

Deslizamento

1.282

6

892

2

Epidemia

1.467

7

3.258

7

Incêndio

1.662

8

936

2

Inundação

3.350

16

906

2

Poluição

1.355

6

-

-

Terremoto

1.115

5

14.845

32

Outros

6.306

29

5.332

11

TOTAL

21.586

100

46.961

100

Fonte: dados da UNISDR (2005), tabela elaborada por Figueiredo et al..

  • 2 Para mensurar os dados de desastres existentes na Cordilheira Branca, foram selecionados 50 dos 166 (...)

12A ocorrência de desastres, e as mortes relacionadas a eles, na região da Cordilheira Branca no mesmo período (1970 a 2011)2 são apresentadas na Tabela 2. Os dados mostram que do total de 46 mil óbitos devido a desastres no território peruano, 32 mil (70%) acometeram a população do Departamento de Ancash, 28 mil (61%) dessas desolaram os habitantes da região da Cordilheira Branca, de acordo com a Tabela 2.

13Os incidentes mais frequentes na região da Cordilheira Branca são as corridas de lama e detritos (19%), os deslizamentos (12%) e as inundações (11%). No entanto, os desastres que causaram maior número de óbitos foram as corridas de lama e detritos e terremotos, juntos causaram aproximadamente 28 mil mortes, ou seja, cerca de 98% dos óbitos causados por desastres naturais nessa região.

14O elevado número de mortes na região da Cordilheira Branca durante o período da investigação pode ser atribuído ao forte terremoto, que foi seguido por avalanchas de gelo e detritos com origem no nevado Huascarán, ocorridas no dia 31 de maio de 1970. Esse desastre teve grande dimensão, pois afetou 41 dos 50 distritos que estão na região da Cordilheira Branca (UNISDR, 2005). O desastre de 1970 foi um dos mais graves desastres naturais registrados no mundo e o maior, até então, na história do Peru.

Tabela 2. Número de desastres naturais e de óbitos na região da Cordilheira Branca entre 1970 e 2011.

Tipos de Desastres

Número de incidentes

Número de óbitos

Absoluto

%

Absoluto

%

Acidente

38

5

69

0

Avalancha

34

5

52

0

Chuva

69

9

3

0

Corrida de lama e detritos

144

19

18.033

63

Deslizamento

92

12

209

1

Epidemia

49

7

91

0

Inundação

83

11

11

0

Terremoto

54

7

10.192

35

Outros

177

24

65

0

TOTAL

740

100

28.725

100

Fonte: dados da UNISDR (2005). Tabela elaborada por Figueiredo et al..

15O sismo afetou 65 mil km², deixou mortas cerca de 70 mil pessoas, além de 50 mil lesões corporais, e destruiu cerca de 80% da região – 186 mil edificações (Ericksen, Plafker & Concha, 1970). O tremor inicial foi de magnitude 7,7 na escala Richter. Seu epicentro estava situado no oceano Pacífico, a 25 km ao oeste da cidade portuária de Chimbote, a noroeste do departamento de Ancash. Seu hipocentro estava situado a 56 km de profundidade. Foram registrados 37 abalos menores, ou seja, réplicas (Ibid.).

16O terremoto ocorreu em um cinturão sísmico bem definido que acompanha o arco Peru-Chile por 7 mil km entre a Venezuela e o sul do Chile. George Ericksen et al. (1970) afirmaram que o desastre está geneticamente associado a zona de subducção da placa de Nazca sob a Sul-Americana. A área de dano estrutural compreende a costa entre Trujillo até as proximidades de Las Zorras. Em direção ao interior do continente, alcançou as proximidades do rio Marañon a 120 km da costa peruana. Estima-se que as intensidades máximas ocorreram entre Casma e Chimbote (VII a VIII na escala de Mercalli modificada – MM) e que as menores intensidades atingiram o vale do Santa (máximo de VII MM) na região entre o norte de Huaraz e Huallanca (Ibid.). As principais áreas afetadas, incluem a região da costa peruana, entre Las Zorras ao sul e Trujillo ao norte, e o vale do Santa, entre Huallanca ao norte e Huaraz ao sul.

17George Ericksen et al. (1970) estimaram que 90% das construções existentes no vale do Santa, ao sul de Huallanca, a uma distância de 130 km, foram danificadas ou completamente destruídas. As cidades e comunidades mais afetadas no vale do Santa, segundo o relatório do United States Geological Survey – USGS (Ibid.), foram as de Huaraz (com cerca de 90% da cidade destruída), Caraz (com 70 a 80% da cidade destruída), Ranrahirca (povoado situado no caminho da avalancha de gelo e detritos) e, principalmente, o povoado de Yungay.

18A comunidade de Yungay foi soterrada pela avalancha de gelo e detritos de 1970, que teve origem no nevado Huascarán. Podemos ter uma noção da dimensão dessa tragédia por meio dos registros fotográficos ilustrados na figura 2 e figura 3.

Figura 2. Povoado de Yungay antes (2A) e depois do terremoto e da avalancha de gelo e detritos de maio de 1970 (2B).

Figura 2. Povoado de Yungay antes (2A) e depois do terremoto e da avalancha de gelo e detritos de maio de 1970 (2B).

Fonte: adaptado de Evans et al., 2009.

Figura 3. Fotografia da avalancha de gelo e detritos de maio de 1970 que arrasou o povoado de Yungay.

Figura 3. Fotografia da avalancha de gelo e detritos de maio de 1970 que arrasou o povoado de Yungay.

Fonte: Fotografia de Plafker, 1970.

  • 3 A contagem do número de mortos varia de acordo com as fontes. Segundo Mark Carey (2010), a catástro (...)

19A fotografia aérea oblíqua da região de Yungay e Ranrahirca após o evento catastrófico de maio de 1970 é apresentada na Figura 4. Esses povoados estavam situados à jusante dos nevados Huandoy e Huascarán. Segundo o PREDES, o desastre provocado pela aluvião deixou cerca de 18 mil mortos no povoado de Yungay3. Os leques de aluvião em Yungay e em Ranrahirca tinham uma largura máxima de aproximadamente 1,5 e 2,5 km, respectivamente.

Figura 4. Fotografia aérea obliqua da aluvião na região do nevado Huascarán em 1970.

Figura 4. Fotografia aérea obliqua da aluvião na região do nevado Huascarán em 1970.

Fonte: adaptado de Hastenrath, 1998.

20O histórico de desastres naturais no Peru demonstra a necessidade de trabalhos que se empenhem em compreender os seus efeitos sob as populações que habitam as margens das geleiras da Cordilheira Branca, como é o caso do povoado de Yungay. Para uma análise mais apurada, recorremos às pesquisas do historiador Mark Carey (2010, 2014) e do climatologista Stefan Hastenrath (1998). Os autores registraram os eventos relacionados às geleiras que acometeram as populações que habitam a região da Cordilheira Branca (Quadro 1).

Quadro 1. Histórico de desastres relacionados às geleiras, Cordilheira Branca, entre 1702 e 2010.

Data

Tipo de desastres

Origem

Localidade / Danos

04 Mar 1702

Inundação*

Huaraz; d.i.u. *

06 Jan 1725

Avalancha/Corrida de lama

Huandoy

Ancash destruída; 1500 mortos

10 Fev 1869

Corrida de lama

Monterey; d.i.u.; 11 mortos

24 Jun 1883

Rajucolta

Macashca d.i.u; muitos mortos

22 Jan 1917

Avalancha

Huascarán Norte

Ranrahirca, Shacsha; s.d.r.

13 Mar 1932

Corrida de lama

Solteracocha

Bolognesi; s.d.r.

20 Jan 1938

Artesa

Carhuaz; Quebrada Ulta danificada

1938

Magistral

Conchucos; d.i.u.

13 Dez 1941

Palcacocha (Cojup)

Huaraz; 5 mil óbitos

17 Jan 1945

Ayhuiñaraju, Carhuacocha

Chavín; ruinas destruídas; 500 mortos

20 Out 1950

Jankarurish, Los Cedros

hidroelétrica destruída; 200 mortos

16 Jul 1951

Artesoncocha

drenagem da Lag. Parón; s.d.r.

28 Out 1951

Artesoncocha

drenagem da Lag. Parón; s.d.r.

06 Nov 1952

Miluacocha

Quebrada Ishinka; d.i.a.

18 Jun 1954

Tullparaju

Obra de segurança danificada

08 Dez 1959

Tullparaju

Obra de segurança danificada

10 Jan 1962

Avalancha

Huascarán

Ranrahirca; 4 mil mortos

19 Dez 1965

Corrida de lama

Tumarina

Quebrada Carhuascancha; 10 mortos

31 Mai 1970

Avalancha

Huascarán

Yungay; 15 mil mortos

21 Dez 1979

Corrida de lama

Canyon Paccharuri

Vicos; d.i.a.; d.r.v.

14 Fev 1981

Sarapococha

Cajatambo; d.r.v.

31 Ago 1982

Miluacocha

Carhuaz; d.r.v.

16 Dez 1987

Avalancha

Huascarán

Yungay; d.i.a.; d.r.v.

20 Jan 1989

Huascarán

Yungay; d.i.a.; d.r.v.

Jan 1997

Corrida de lama

Pacliascocha

Carhuaz; d.r.v.

20 Mai 1997

Artizón Baja

Huaylas; d.r.v.

2002

Transbordamento

lagoa Safuna

Pomabamba; d.i.a.

19 Mar 2003

lagoa Palcacocha

dique artificial danificado

16 Out 2003

Avalancha

Hualcán

Carhuaz; 9 mortos (hieleros)

11 Abr 2010

Avalancha/Corrida de lama

lagoa 513

Carhuaz; d.r.v.

Legenda: d.i.a. – danos na infraestrutura agrária; d.i.u. – danos na infraestrutura urbana; d.r.v. – danos na rede viária; s.d.r. – sem danos registrados

Fonte: Carey (2010; 2014) e (*) Hastenrath (1998).

21Os dados demonstram que são recorrentes aluviões e avalanchas de gelo na região de estudo, sobretudo, no Callejón de Huaylas. De acordo com os autores, nos 30 desastres relacionados no Quadro 1, morreram mais de 26 mil pessoas. No período de 1930 a 2010 ocorreram pelo menos 2 desastres por década, atingindo a marca de 4 eventos na década de 1980 e entre 2000 e 2010, e 6 eventos na década de 1950. Os eventos mais impactantes foram os de 1941 e 1970.

  • 4 Termo conhecido em inglês como Glacial Lake Outburst Flood – GLOF.

22Além disso, sugerimos que as mudanças climáticas aumentam o risco de desastres glaciais. Isso se deve ao fato de que a acelerada retração das geleiras da Cordilheira Branca nas últimas décadas “implica, entre outros fatores, a formação de lagoas glaciais – devido ao bloqueio da água do degelo por morainas frontais – e o aumento do volume das lagoas pré-existentes” (Figueiredo et al., 2019, p. 3). Essa dinâmica associada à terremotos pode causar o rompimento de diques de lagoas glaciais, provocando um fluxo de detritos, água, neve e gelo com alto poder destrutivo: as inundações por transbordamento de lagoa glacial.4

Desterritorialização e reterritorialização: impactos dos desastres glaciais

Como buscando reencontrarme conmigo mismo y dar sosiego a mi alma afectada por la penosa tragedia del 70, mis visitas al Campo Santo de Yungay los sábados en la mañana se hicieron rutinarias; allí, en medio de la soledad que nos envuelve, voy, como se dice, de un lado a otro de aquel inmenso cementerio sin tumbas, reviviendo a cada paso la ciudad donde vi la primera luz y transcurrieron, lo que vendría a ser los veintidós años más felices de mi existencia; veo desfilar una a una las imágenes transparentes de mis padres a quienes jamás pude decir adiós, de familiares, de amigos y personas que de pronto: la ciudad y su gente, se esfumaron como por maléfico sortilegio o encanto.

Javier León, 2016b.

23O professor Javier León (2016b), presidente da Casa de Cultura de Yungay e morador da cidade de Yungay – antes e depois do desastre de 1970 – relatou as perdas de uma cidade e de seus habitantes. A partir do relato do professor León, podemos compreender que as perdas ocasionadas por um desastre glacial ultrapassam em muito os valores econômicos. A desterritorialização implica também em perdas materiais e, portanto, econômicas. No entanto, esse processo significa também a ocorrência de perdas imateriais, de “la ciudad y su gente”, como relatou León. Deriva do desastre ambiental, dos aluviões intensificados pelas mudanças climáticas nos Andes, o fato de não se ter mais o território, seja no sentido objetivo da materialidade da superfície habitada, como de todo o conjunto simbólico que o configura, sentido que implica no estabelecimento das relações cotidianas, de como se organiza a vida junto com os outros.

À medida que a identidade e os imaginários correspondem a práticas que afetam algum sentido da permanência dos outros grupos, vai se vendo a imbricação que elas possuem com a localização, a extensão da presença e os usos associados. Se for possível ver cada um desses aspectos como a ligação de um grupo com o lugar, um vínculo, o conjunto deles expressa uma territorialidade própria. (Heidrich, 2017, p. 35).

24Podemos falar de 4 tipos de desterritorialização: (1) aquela que envolve o afastamento das condições físicas que impedem a continuação da reprodução da vida do grupo (uma catástrofe, desastre, aniquilação territorial por efeito de guerras); (2) a que envolve conflitos sociais e políticos que acarretam em limitação, disputa ou confinamento territorial e muitas vezes implicam em conflito com outros grupos; (3) aquela que aniquila ou altera as condições de reprodução social por efeito de mudança do meio, que implicam em inovações técnicas e econômicas; (4) as que envolvem perda de referências culturais, de valores simbólicos do lugar, devido a alteração de significados, seja pela instauração de hegemonias ideológicas, pela consolidação de supremacias populacionais, mudanças materiais que eliminam ou reconfiguram marcos referenciais e destituam imaginários culturais e o sentido de lugar (Relph, 1976; Haesbaerth, 2005; Oliveira, 2012). Muitas vezes, um e outro tipo podem estar relacionados em termos práticos. No caso das comunidades envolvidas na região da Cordilheira Branca (Quadro 1 e relatos), nota-se que elas estão envolvidas nos tipos 1, 3 e 4, pois dizem respeito às perdas materiais, do aniquilamento por inteiro de seus territórios, paisagem e lugar. Afetam as condições básicas de reprodução da vida, biológica e social, da organização econômica e das imaterialidades, dos valores e relações com suas tradições e vivência cultural.

25Portanto, reconhecemos que são perdas de relações pessoais e espaciais, ou seja, que resultam na afetação da existência da pessoa, na quebra de relações e de vínculos com o lugar. Javier León e Isidro Ochoa (guia do Campo Santo de Yungay e sobrevivente do desastre de 1970) relataram, emotivos, que perderam familiares e amigos devido ao desastre. A ocupação de um lugar, seu uso e as percepções e imaginários a eles relacionados são formadores de um conjunto-contexto socioespacial pertinente a sua apropriação. “Trazem consigo o sentido de território inventado, vinculado ao grupo praticante por estabelecerem diálogo e tensão com as externalidades” (Heidrich, 2017, p. 32).

26Se compreendemos a desterritorialização como “o movimento pelo qual se abandona [ou se afasta] o território”, a reterritorialização como “o movimento de construção do território” (Haesbaert & Bruce, 2002, p. 14). Esses movimentos estão associados. Não há um sem o outro. Mas, os termos e condições para a reconstrução ou retomada em geral diferem das originais. No caso dos processos de des(re)territorialização provocados pelos desastres glaciais, ambos os movimentos são inexoráveis quando as cidades estão no caminho de aluviões, sendo que a desterritorialização ocorre de forma abrupta e a reterritorialização se desenvolve como um processo lento, onde se abre um campo de disputas entre os diferentes atores envolvidos.

27A dinâmica territorialização-desterritorialização-reterritorialização (TDR) refere-se também a mudança do meio. O meio, tanto o natural que dá base para a organização primária da sociedade como ao que é carregado de mudança técnica (Santos, 1996; Heidrich, 2010), estabelece processos que alteram as relações dos grupos com seu espaço, que podem desacomodar, criar envolvimento com os eventos marcantes e causar dificuldades de adaptação ao novo. Mesmo assim, com uma nova condição geográfica instaurada, uma nova territorialidade, pode não ser a de uma acomodação equivalente com o que se vivia, gerando-se situações impactantes em termos psicossociais, comunitários e socioeconômicos. Como observou Claude Raffestin em comentário sobre situação similar, estabelece-se uma crise de relações com a territorialidade anterior (1987). Para Bonnemaison e Cambrézy (1996), trata-se de uma descontextualização, que não significa recomposição territorial ligada a novos princípios, mas uma contradição com efeito anômico entre princípios coexistentes e contraditórios de territorialização.

28O aluvião que acometeu as populações do vale do Santa em maio de 1970 teve inúmeros desdobramentos, de acordo com os diferentes grupos sociais da região de Yungay. De acordo com o antropólogo Oliver-Smith (1979), e o relato do professor Javier León, houve distintos momentos após o desastre de 1970.

29Num primeiro momento, há uma grande sensação de consternação entre a população atingida, que é seguida por um curto período onde se tem uma ampla difusão de solidariedade e cooperação (Oliver-Smith, 1979). Nesse sentido, Oliver-Smith registrou que o senso de solidariedade “atravessava as classes e as linhas étnicas, prevaleceu como Índio e Mestizo, classe baixa e alta, colaborando nos esforços coletivos para obter as necessidades imediatas” (p. 45). Javier León permaneceu durante dias no acampamento Cuzpunta e também reconheceu um período de fraternidade após o desastre. León relatou:

Tivemos sorte porque as pessoas do campo foram muito fraternas. Los campesinos vendo que estávamos no acampamento, traziam coisas de suas chácaras, de suas hortas, um pouco de batata, um pouco de milho, verdura, o que tinham eles levavam. Então houve muita solidariedade. (Relato de entrevista de Javier León, obtido em trabalho de campo em agosto de 2016).

  • 5 Karen Spalding (2016) elaborou uma discussão com o intuito de averiguar como muitos grupos indígena (...)

30Contudo, após uma autoridade local mandar abater animais de um proprietário, sem a sua permissão, iniciou-se um confronto violento que marcou o fim do período de solidariedade pós-impacto (Oliver-Smith, 1979). Além disso, de acordo com o relato de León, o fato de que dias após o desastre começaram a chegar ajuda e recursos (nacionais e internacionais) para a região implicou em disputas entre os grupos existentes à época (índios, mestiços e criollos)5. Neste sentido, Javier León afirmou que

Muita gente não recorda as coisas boas, não lembravam que a gente do campo veio e apoiou. Quando chega a ajuda de fora, os daqui, os da cidade dizem: “Que coisa querem os índios aqui, eles que voltem para sua chacra”. Eles estavam ali, no momento em que mais se necessitou eles estiveram ao lado, mas quando chega uma ajuda melhor, “voltem a sua chácara, os índios que voltem a sua chácara”. (Relato de entrevista de Javier León, obtido em trabalho de campo em agosto de 2016).

31Assim, deu-se início a distinções entre os sobreviventes do desastre. As classes média e alta (mestiços e criollos), na ânsia por recompor-se novamente e adquirir apenas para si os recursos vindos, começaram a aviltar os campesinos, os índios (à época, tidos como a classe baixa), argumentando que as etnias originárias “nunca tiveram nada a princípio, então por que eles deveriam obter ajuda agora?” (Oliver-Smith, 1979, p. 46). Dessa maneira, o desastre colocou em evidência as disputas ocasionadas pelas distinções entre classes e entre etnias na área de Yungay, fazendo aparecer o segundo tipo de desterritorialização, quando estão envolvidos conflitos sociais, em que um grupo não assimila o reconhecimento do outro em condição de vínculo equivalente ao seu ou em suposta vantagem.

[A] partir do momento que o indivíduo e a coletividade reafirmam cotidianamente no lugar em que vive sua identidade, então, a renúncia deste lugar, no qual os vínculos afetivos, memória de vivências e histórias se construiu, implicam não apenas na perda de referências do contexto, mas da própria constituição de identidades, em saber quem é e quais são os papéis que se pode desempenhar enquanto referências no exercício de uma sociabilidade. A situação [equivalente a] de refúgio apresenta-se ao indivíduo, como uma forma de violência velada, gerada pela fragmentação e desvalorização do indivíduo enquanto pessoa humana, através da ruptura com o seu conforto da relação em que era reconhecido enquanto cidadão, ou seja, enquanto sujeito portador de direitos e deveres cujo papel social era reconhecido por ele e pela comunidade a qual pertencia. (Costa, 2009, p. 238).

32O que decorreu, contudo, não se expressou por uma dinâmica linear ou isonômica. O antropólogo Oliver-Smith afirmou que a reabilitação da nova cidade de Yungay, muito próxima da antiga cidade sepultada pelo aluvião de 1970 “foi um importante fator no rápido ressurgimento de uma forte identidade comunitária” (Oliver-Smith, 1979, p. 48).

33Grande parte do movimento de reterritorialização de Yungay se deu próxima à área da antiga cidade atingida. Todavia, houve migrações de grupos, principalmente para Lima e El Paraíso, mas também para cidades como Trujillo, Chimbote, entre outras áreas urbanas (León, 2016a). No distrito de San Juan de Lurigancho, em Lima, por exemplo, assentaram-se 45 famílias yungaínas, que neste lugar mantiveram e recriaram seus costumes (León, 2016a).

34Mark Carey (2010) constatou um forte vínculo existente entre desastres e economia na região da Cordilheira Branca. O referido autor postulou o conceito de “economia dos desastres”, que pode ser definido como:

[...] o uso da catástrofe para promover e empoderar uma gama de interesses de desenvolvimento econômico; esse desenvolvimento pode ser seguido tanto de desastres como de programas de prevenção de desastres e pode ser privado ou estatal, planejado ou não intencional, neoliberal ou de outra vertente. (Carey, 2010, p. 12).

  • 6 Por motivos de anonimato, optou-se pela não identificação dos campesinos e das comunidades campesin (...)

35Portanto, depreende-se que os desastres originam desdobramentos que vão além das inúmeras mortes provocadas pelas corridas de lama, avalanchas de gelo e detritos e inundações, que assolam os habitantes do vale do Santa. Esses desastres também suscitam práticas de dominação/apropriação do espaço andino por parte do Estado e de empresas privadas. Os desastres, ou a ideia dos desastres, tem implicações nas dinâmicas de organização do espaço/território. Durante o trabalho de campo em junho de 2019 não se podia ter acesso à Lagoa Parón (de formação glacial próxima ao Nevado Huandoy), pois de acordo com os relatos de campesinos de uma Comunidad Campesina6 próxima ela estava fechada por causa de um estado alerta para desastres emitido pelo governo. Contudo, os campesinos contestam tal estado de alerta, sugerindo que a empresa hidroelétrica Hidroandina necessita deste manancial para a geração de energia em época de seca. Os campesinos afirmaram que a empresa faz acordos com autoridades locais e regionais, conseguindo assim que as autoridades organizem a gestão territorial viabilizando suas atividades mediante a emissão do referido alerta. Expressam a segurança do seu etnoconhecimento, relatam que conhecem as lagoas glaciais da região como a “palma da mão” e que a lagoa Parón não estaria em um nível preocupante. A proibição do acesso à referida lagoa é um problema para algumas comunidades campesinas, a medida que impedem o seu trabalho com atividades turísticas.

Desterritorialização e geossímbolos

36As marcas deixadas por uma desterritorialização são tanto materiais quanto imateriais. No caso específico, a antiga cidade de Yungay, sepultada pelo aluvião de 1970, deu lugar ao que é denominado, atualmente, como Campo Santo de Yungay. O lugar é visitado por muitos yungaínos, que passeiam e sentam-se ao pé das palmeiras para conversar e usufruir a bela paisagem do Nevado Huascarán. Também recebe muitos turistas, que desejam conhecer as marcas deixadas no lugar onde aconteceu o desastre glacial que deixou mais de 18 mil pessoas mortas. Javier León (2016a) destacou a importância que tem para os yungaínos o Campo Santo de Yungay, que representa a memória de uma cidade, de pessoas que nela viveram, de relações que se perderam. O referido autor escreveu que

El Campo Santo de Yungay, viene a constituir el patrimonio de mayor significación espiritual para Yungay y para los yungaínos, especialmente para los sobrevivientes de la tragedia del 31 de mayo de 1970, que sí tuvimos la suerte de conocer, vivir y disfrutar de aquella señorial ciudad. (León, 2016a, p. 108).

37Assim, percebemos que o Campo Santo de Yungay (Figura 5) adquiriu certo valor cultural, um sentido de pertencimento pelos yungaínos e, portanto, podemos considera-lo como um “espaço-símbolo”. Como um geossímbolo, “um lugar, um itinerário, uma extensão que, por razões religiosas, políticas ou culturais, aos olhos de certas pessoas e grupos étnicos assume uma dimensão simbólica que os fortalece em sua identidade” (Bonnemaison, 2002, p. 109). Certos objetos, lugares ou paisagens singulares funcionam como marcadores, nos quais as identidades costumam estar apoiadas, referenciadas, assinaladas por sua localização no espaço em que se vive junto com os outros. O Campo Santo de Yungay, por se constituir em marcador sagrado (Henrique, 2004), lugar de peregrinação compõe o território vivido, faz parte da sua natureza multidimensional (Raffestin, 1993 [1980]). Ele se soma à composição territorial constituída por assentamentos, locais de trabalho, paisagens, locais emblemáticos, sagrados, marcos memoriais, caminhos e percursos que unem a materialidade da vida aos imaginários que constituem o saber de si coletivamente e do lugar como uma coesão.

Figura 5. Geossímbolo: Campo Santo de Yungay, ao fundo o nevado Huascarán.

Figura 5. Geossímbolo: Campo Santo de Yungay, ao fundo o nevado Huascarán.

Fonte: Fotografia de Figueiredo et al..

Considerações Finais

38A partir do presente texto podemos considerar que se fazem necessárias análises geográficas sobre os desastres que acometem as populações peruanas de modo geral e, de modo específico, os habitantes da região da Cordilheira Branca. Os desastres que causaram quantidade expressiva de óbitos estão relacionados às corridas de lama e detritos e aos terremotos, tanto em escala nacional, como em escala regional (Cordilheira Branca). Além disso, os desastres na região da Cordilheira Branca são os mais expressivos na escala nacional.

39Por meio dos relatos foi possível constatar que a desterritorialização implica na afetação da existência da pessoa humana, na quebra de relações e de vínculos com o lugar. Além disso, cabe destacar que de acordo com a intensidade desse processo, ele pode vir a integrar a identidade do grupo afetado, formando marcadores identitários, como no caso do Campo Santo de Yungay. Os desastres glaciais implicam um processo de desterritorialização que ocorre de forma abrupta e uma reterritorialização que se desenvolve como um processo lento, onde se abre um campo de disputas entre os diferentes atores envolvidos, despertando conflitos entre classes sociais e etnias.

40As principais estratégias desenvolvidas por gestores ambientais da Cordilheira Branca para a prevenção de desastres glaciais estão relacionadas às obras ou ferramentas de engenharia, como construções de diques e canais de descargas em lagoas glaciais e o uso de sifões para drenagem das lagoas (Carey, 2010; Carey et al., 2015; Figueiredo et al., 2019). Essas estratégias de curto e médio prazo exigem a injeção de recursos para a elaboração e manutenção das obras. Ainda que apresentem limitações, as obras de engenharia peruanas apresentam histórico mais eficiente na prevenção de desastres glaciais se comparadas às da região do Himalaia (Carey et al., 2015). Além disso, Mark Carey et al. (2015) consideraram que a dificuldade no engajamento das populações locais, conflitos políticos e a manipulação dos meios de comunicação na região do Himalaia são um obstáculo às estratégias de redução de desastres.

41Como a sociocriosfera andina apresenta alta intensidade geodinâmica, as estratégias de redução de desastres deveriam ser revistas periodicamente. A antiga cidade de Yungay que foi soterrada pelo aluvião de 1970, por exemplo, foi reconstruída numa área próxima à do desastre, mas em uma região considerada segura em relação à desastres glaciais. Apesar disso, com o crescimento da cidade, atualmente existem setores que se encontram dentro de áreas de alto risco, outrora afetadas pelo desastre de 1970.

42Por fim, não menos importante, cabe registrar que por ser o problema de natureza essencialmente geográfica, não segmentado, ele cruza, intersecta causas e implicações dos diferentes ordenamentos (ou determinações), climáticos, geomorfológicos, sociopolíticos, culturais. Não propriamente como as originais interrelações de fatores humanos e físicos a comporem um quadro regional, mas muito mais, dado que o avanço técnico científico-informacional carrega-nos para a realidade de um meio pertinente a suas mudanças (Santos, 1994), pela compreensão de que as dinâmicas presentes estão relacionadas com atitudes ao alcance de possíveis decisões.

Agradecimentos

43Projeto apoiado com recursos do processo 573720/2008-8 – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), por meio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera, pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul – FAPERGS (processo 17/2551-0000518-0) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001.

Haut de page

Bibliographie

ANA – Autoridad Nacional del Agua. Inventario Nacional de Glaciares y Lagunas. Peru: ANA, 2014.

Bonnemaison, J.; Cambrézy, L. “Le lien territorial: entre frontières ET identités”. In: Géographie et Cultures, Paris: L’Harmattan, n. 20, p. 7-18, 1996.

Bonnemaison, J. “Viagem em torno do território”. In: Corrêa, R.L.; Rosendahl, Z. (orgs.). Geografia cultural: um século (3). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2002. pp. 83–132.

Carey, M. In the shadow of melting glaciers: climate change and Andean society. New York: Oxford University Press, 2010.

Carey, M. Glaciares, cambio climático y desastres naturales: ciencia y sociedad en el Perú. Trad. Jorge Bayona. Lima: IFEA/IEP, 2014.

Carey, M.; McDowell, G.; Huggel, C.; Jackson, J.; Portocarrero, C.; Reynolds, J.M.; Vicuña, L. “Integrated approaches to adaptation and disaster risk reduction in dynamic socio-cryospheric systems”. In: Haeberli, W.; Whiteman, C. & Shroder Jr, J.F. (eds.). Snow and ice-related hazards, risks, and disasters. Amsterdam: Elsevier, 2015. pp. 219-261.

Cloke, P. et al. Practising human geography. London: Sage publications, 2004.

Costa, C. S. “Refugiados ambientais no contexto das mudanças climáticas e do direito internacional”. In: Valencio, N.; Siena, M.; Marchezini, V.; Gonçalves, J. C. (Orgs.). Sociologia dos desastres – construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: RiMa Editora, 2009. pp. 236-250.

Ericksen, G.E.; Plafker, G. & Concha, J.F. Preliminary report on the geologic events associated with the may 31, 1970, Peru earthquake. Washington: U.S. Geological Survey, Circular 639, 1970.

Evans, S.G. et al. “A re-examination of the mechanism and human impact of catastrophic mass flows originating on Nevado Huascarán, Cordillera Blanca, Peru in 1962 and 1970”. Engineering Geology, v. 108, n. 1-2, p. 96-118, 2009.

Figueiredo, A.R. A Sociocriosfera nos Andes Centrais: percepções, adaptações e impactos dos desastres glaciais no Callejón de Huaylas, Peru. Porto Alegre, 2017. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia) – Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/156775>. Acesso em: 30 Out 2017.

Figueiredo, A.R.; Simões, J.C.; Menegat, R.; Strauss, S.; Rodrigues, B.B. Percepções e adaptações às mudanças climáticas na Cordilheira Branca, Peru. Sociedade & Natureza, v. 31, p. 1–25, 2019.

Haesbaert, R. “Migração e desterritorialização”. In: Povoa Neto, H.; Ferreira, A. P. (Orgs.). Cruzando Fronteiras disciplinares. Rio de Janeiro: Revan, 2005. pp. 35-56.

Haesbaert, R. & Bruce, G. “A desterritorialização na obra de Deleuze e Guattari”. GEOgraphia (UFF), Niterói, v. 4, n. 7, p. 722, 2002.

Hastenrath, S.T. Cordillera Blanca on Landsat imagery and Quelccaya ice cap. In: Willians Jr., Ferrigno, J.G. (eds.). Satellite Image Atlas of Glaciers of the World: South America. US Geol. Survey Professional Paper, n. 1386-I-5, 1998. pp. 58-79.

Heidrich, A. L. “Espaço e multiterritorialidade entre territórios”. In: Pereira, S. R.; Souza, E. B. C.; Costa; B. P. (Orgs.) Teorias e práticas territoriais: análises espaço-temporais.1ª ed.. São Paulo: Expressão Popular, 2010, p. 25-35.

Heidrich, A.L. “Método e metodologias na pesquisa das geografias com cultura e sociedade”. In: Heidrich, A.L. & Pires, C.L.Z. (Orgs.). Abordagens e práticas da pesquisa qualitativa em Geografia e saberes sobre espaço e cultura. Porto Alegre: Editora Letra 1, 2016. pp. 15–33.

Heidrich, A. L. “Vínculos territoriais- discussão teórico-metodológica para o estudo das Territorialidades locais.” GEOgraphia (UFF), Niterói, v.19, p.29-40, 2017.

Henrique, I. C. “A materialidade do simbólico: marcadores territoriais, marcadores identitários angolanos (1880-1950)”. In: Textos de História. Vol. 12, n. 1/2, 2004. pp. 9-41.

INDECI (Instituto Nacional de Defensa Civil). Emergencias más impactantes ocurridas en el Perú 1970-2002. In: INDECI. Compendio Estadístico del INDECI 2012 en la preparación, respuesta y rehabilitación ante emergencias y desastres / Perú. Lima: INDECI, 2013. pp. 495-612.

León, J.E.L. 31 de mayo de 1970, fin y principio de un pueblo eterno, Yungay. Caraz: Ediciones “El Inca”, 2016a.

León, J.E.L. Yungay, Testimonio de la Dama de los Abanicos. Caraz: Ediciones “El Inca”, 2016b.

Menegat, R. A matriz do lugar na interpretação das cidades Incas de Machu Picchu e Ollantaytambo: um estudo de ecologia de paisagem e a reconstrução dos processos civilizatórios. Porto Alegre, 2006. Tese (Doutorado em Biociências) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Michelat, G. Sobre a utilização da entrevista não-diretiva em sociologia. In: THIOLLENT, M. (Org.). Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis, p. 191-211, 1982.

Oliveira, L. “O sentido de lugar”. In: Marandola Jr., E.; Holzer, W.; Oliveira, L. (Orgs.) Qual o espaço do lugar?. São Paulo: Perspectiva, 2012. pp. 3-16.

Oliver-Smith, A. “Post disaster consensus and conflict in a traditional society: the 1970 avalanche of Yungay, Peru”. Mass Emergencies, v. 4, p. 39–52, 1979.

Rabatel, A. et. al. “Current state of glaciers in the tropical Andes: a multi-century perspective on glacier evolution and climate change”. The Cryosphere, v. 7, p. 81–102, 2013.

Raffestin, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993 [1980].

Raffestin, C. “Réperés por une theorie de la territorialité humaine”, In: Cahier Groupe Reseaux, n. 7, 1987. pp. 2-22.

Relph, E. Place and placelessness. Londres: Pion, 1976.

Reynolds, J.M. “The identification and mitigation of glacier-related hazards: examples from the Cordillera Blanca, Peru”. In: McCall, G.J.H.; Laming, D.J.C.; Scott, S.C. (Eds.). Geohazards: Natural and Man-made. Londres: Chapman & Hall, 1992. pp. 143–157.

Santos, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

Silva, J.M. “Análise do discurso e pesquisa qualitativa em Geografia”. In: Ramires, J.C.L.; Pessoa, V.L.S. (orgs.). Geografia e pesquisa qualitativa: nas trilhas da investigação. Uberlândia: Assis, 2009. pp. 91–122.

Spalding, K. De índio a campesino: cambios en la estructura social del Perú colonial. 2 ed. Lima: IEP, 2016.

UNISDR (United Nations International Strategy for Disaster Reduction). DesInventar Server version 9.2.11, 2005. Disponível em: <http://www.desinventar.net/download.html>. Acesso em: 20 de Jan de 2016.

Haut de page

Notes

1 No Peru, a entidade responsável pela construção de um banco de dados sobre desastres é a Organização Não Governamental (ONG) Centro de Estudios y Prevención de Desastres (PREDES). Os dados disponibilizados referem-se ao período 1970–2011.

2 Para mensurar os dados de desastres existentes na Cordilheira Branca, foram selecionados 50 dos 166 distritos do Departamento de Ancash que estão na região que compreende os 14 sistemas de geleiras que fazem parte da Cordilheira Branca ou estão próximos a eles.

3 A contagem do número de mortos varia de acordo com as fontes. Segundo Mark Carey (2010), a catástrofe de 1970 deixou mais de 15 mil mortos no povoado de Yungay. Já no contexto geral, isto é, de todos os departamentos peruanos afetados pelo terremoto do dia 31 de maio de 1970, o Instituto Nacional de Defensa Civil do Peru (INDECI, 2013) registrou ao todo, 50 mil pessoas mortas.

4 Termo conhecido em inglês como Glacial Lake Outburst Flood – GLOF.

5 Karen Spalding (2016) elaborou uma discussão com o intuito de averiguar como muitos grupos indígenas passaram a ser considerados como campesinos no Peru.

6 Por motivos de anonimato, optou-se pela não identificação dos campesinos e das comunidades campesinas.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Mapa da Cordilheira Branca e do Callejón de Huaylas, Peru.
Crédits Fonte: cartografia de Figueiredo et al.; imagem base de Esri .
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/33198/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 564k
Titre Figura 2. Povoado de Yungay antes (2A) e depois do terremoto e da avalancha de gelo e detritos de maio de 1970 (2B).
Crédits Fonte: adaptado de Evans et al., 2009.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/33198/img-2.png
Fichier image/png, 1,1M
Titre Figura 3. Fotografia da avalancha de gelo e detritos de maio de 1970 que arrasou o povoado de Yungay.
Crédits Fonte: Fotografia de Plafker, 1970.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/33198/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre Figura 4. Fotografia aérea obliqua da aluvião na região do nevado Huascarán em 1970.
Crédits Fonte: adaptado de Hastenrath, 1998.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/33198/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Figura 5. Geossímbolo: Campo Santo de Yungay, ao fundo o nevado Huascarán.
Crédits Fonte: Fotografia de Figueiredo et al..
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/33198/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 173k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Anderson Ribeiro de Figueiredo, Jefferson Cardia Simões, Álvaro Luiz Heidrich et Rualdo Menegat, « Mudanças climáticas e impactos sócio-territoriais dos desastres glaciais na Cordilheira Branca, Peru », Confins [En ligne], 47 | 2020, mis en ligne le 29 septembre 2020, consulté le 01 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/33198 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.33198

Haut de page

Auteurs

Anderson Ribeiro de Figueiredo

Centro Polar e Climático, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFRGS.Email: anderson.figueiredo@ufrgs.br

Jefferson Cardia Simões

Centro Polar e Climático, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFRGS. Climate Change Institute, University of Maine. Email: jefferson.simoes@ufrgs.br

Álvaro Luiz Heidrich

Programa de Pós-Graduação em Geografia, UFRGS.Email: alvaro.heidrich@ufrgs.br

Rualdo Menegat

Departmento de Paleontologia e Estratigrafia, Instituto de Geociências, UFRGS. Email: rualdo.menegat@ufrgs.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search