Navigation – Plan du site

AccueilNuméros48HomenagemArmando Corrêa da Silva

Homenagem

Armando Corrêa da Silva

Armando Corrêa da Silva
Armando Corrêa da Silva
Thiago Oliveira Neto

Résumés

Hommage à Armando Corrêa da Silva, avec facsimile et transcription d’une lettre adressée par lui à Milton Santos

Haut de page

Texte intégral

1Os textos escritos pelos pesquisadores ao longo do século XX possuem uma riqueza enorme a respeito de ideias, descobertas e reflexões. Estes escritos estão, em sua maioria, armazenados em bibliotecas e em salas de professores. Em alguns casos, os escritos antigos encontram-se amontoados dentro de caixas e vão se perdendo com o passar dos anos, seja pelas ações de fungos, traças e cupins que atacam os papéis, ou pelo descarte que vai sendo realizado, pois o significado atribuído por uma geração não é o mesmo por outra, sendo mais do que necessário preservar a memória de uma ciência e dos integrantes que contribuíram com a ciência.

2Nesse sentido, fazemos um destaque para a geografia, que ao longo do século XX, teve uma diversidade de produções e de intelectuais engajados que foram fundamentais para a inserção de novos temas de investigação. 

3Um dos autores brasileiros que teve uma larga produção de textos foi o cientista social e geógrafo Armando Corrêa da Silva que, entre 1967 e 2000, escreveu mais de 100 textos, alguns publicados com ampla circulação, outros com pouquíssima circulação e também muitos escritos não publicados e que estão bastante dispersos no Brasil. 

O acervo

4O laboratório de Geografia Política-GEOPO da Universidade de São Paulo-USP possui um acervo de textos originais e outros que tiveram pouca divulgação que foram escritos por Armando Corrêa da Silva entre as décadas de 1970 até o final dos anos de 1990. 

5Uma parte desse acervo foi digitalizado no segundo semestre de 2019, para fins de expor no evento anual do Enanpege. Nos escritos inicialmente digitalizados, encontrava-se poemas, cartas, reflexões e ideias redigidos em folhas de guardanapos, que apesar de frágil, mantém-se conservados com quase 40 anos. Sabemos bem que alguns textos têm mais de 30 anos, pois Armando escrevia os textos e no final colocava a data e o local. 

6No ano de 2020, apesar da suspensão das atividades em decorrência da pandemia de Covid-19, iniciamos por meio da Comissão de Gestão do laboratório de Geografia política-GeoPo (composta pelos discentes de pós-graduação vinculados ao laboratório) um longo e trabalhoso processo de digitalização de vários textos, bem como a organização de uma biblioteca virtual com escritos publicados e inéditos. Tal empreitada se justifica pela necessidade de divulgar as ideias, reflexões e apontamentos de um autor pouco lido e compreendido e que teve uma importância substancial dentro da geografia brasileira.

7Dentre os diversos textos digitalizados e identificados, encontramos uma carta escrita por Armando para Milton Santos, que além de conter uma parte de um diálogo, nota-se uma proposta de livro com sumário estruturado. 

8A publicação dessa carta consiste em uma das tarefas realizadas pelo grupo que está organizando a Biblioteca Armando Corrêa da Silva (http://geopo.fflch.usp.br/​biblioteca-armando-correa-da-silva ), que busca deixar armazenado em ambiente virtual as diversas obras desse importante geógrafo, que também foi pianista, poeta, professor e pesquisador.

O Novo Cosmos

Figura 1 Fac-símile da carta

Figura 1 Fac-símile da carta

Biblioteca Armando Corrêa da Silva (http://geopo.fflch.usp.br/​biblioteca-armando-correa-da-silva

9Armando Corrêa da Silva

10Para Milton Santos

11Gostaria de iniciar este texto – homenagem, com uma parafrase de uma afirmação de um homem do século XIX, cuja coêrencia e honestidade de propósitos marcou uma época, Marx. Em A Ideologia Alemã ele afirma num rodapé o seguinte: “só conheço uma ciência, a ciência da história”.

12Agora, ao final do século XX, outro homem, não menos corajoso, pôde afirmar: “só conheço uma ciência, a ciência do espaço” Modestamente, no entanto, sua consigna foi limitada a uma disciplina da qual tornou-se um epígono.

13A frase: “a geografia é viúva do espaço” foi apenas uma descoberta inicial que lançou numa aventura, cuja dimensão só o futuro proximo ou remoto poderá avaliar em toda sua inteireza e complexidade.

14Basta dizer que uma de suas contribuições mais significativas foi tomar a geografia (“a mais atrasada das ciências”) e arremessá-la nos dilemas da modernidade, enfrentando a polêmica da mudança cultural dos anos 60 e 70.

15Estas considerações iniciais são feitas com referência ao livro “Por uma Geografia Nova”, no qual advoga para a geografia uma nova postura, indicada no subtítulo: “Da crítica da geografia à geografia crítica”. Como avaliar essa contribuição?

16Para mim, oriundo das ciências sociais, foi como assistir, ainda parafraseando Marx, ter visto “um relâmpago num céu azul”.

17No entanto, a inércia do estabelecido, levou muito tempo para que Milton começasse a ser compreendido, tarefa que ainda não terminou e é um horizonte ainda por ser ultrapassado. Sua obra, que é vasta, onde as ideias novas advêm com rapidez e frequência, é já considerável, tornando difícil aquela avaliação.

18Pessoalmente, gosto muito do “Pensamento o Presente do Homem”.

19É um momento alto de seu trabalho, talvez um breve instante em seu intenso sabor, um momento de lucidez, paz e tranquilidade. Mas, mesmo um grande pensador não está livre de confrontos com a contribuição de outros autores.

20Quero dizer que a obra de Milton tem lacunas, não a menor que apontei, mas certos ângulos de percepção da realidade espacial que podem ter-lhe escapado, apesar da abrangência de seu olhar.

21Refiro-me, em primeiro lugar, à questão que torna-se para mim “um tour de force” ou seja, o fato da geografia não ter ainda dado conta da questão da subjetividade, questão essa levantada principalmente pela pós- vanguarda, para utilizar uma expressão de Habermas.

22Em segundo lugar, a geografia como ciência social de Milton encontre dificuldades para enfrentar o problema de natureza.

23Ele tenta a solução no seu conceito de meio técnico científico informacional.

24Esse é um ponto forte em sua argumentação.

25Mas, a informação não é sem a comunicação.

26E, é esta que, na “alta modernidade” como quer Giddens, pode abrir caminho para uma dimensão maior para a geografia.

27Refiro-me ao conceito relacional de Leibniz, revalorizado por Harvey.

28Neste caso, torna-se importante, mesmo para uma geografia como ciência social, a ação comunicativa de Habermas.

29É que, por este caminho põe-se a ideia de uma ideologia do cotidiano.

30Quero dizer que, na perspectiva do 3° milênio, mesmo que o espaço (os corpos) seja finito (Einstein) ou que não exista sem os corpos (Leibniz) coloca-se o quadro que o telescópio Hubble está, no momento em que escrevo, desvendando, do que há dentro dos corpos celestes. O vazio?

31Um dia, estes assuntos, que já estas sendo estudados pela astronomia avançada, tornar-se-ão parte das incertezas e dúvidas do cotidiano.

32Que Milton não tome estas observações como críticas ao seu saber e conhecimento.

33Quero afirmar que a crise atual do pensamento crítico não contesta certas teses básicas de Milton.

34Neste texto homenagem não quero deixar de registrar alguma crise de que fui testemunho.

  • 1 Professor do Departamento de Geografia da USP (NdR)

35Por exemplo: estava eu dirigindo uma coleção de geografia para a editora Hucitec, quando o colega Nelson De La Corte1 falou-me de Milton, que volta, em 1976 ou 1977, retornado ao Brasil.

36Foi na casa de Jaime Pinsky, juntamente com Flavio George Adevaldo, que apresentei Milton aos editores.

37Milton abriu sua pasta de couro e tirou dela um manuscrito.

38Estava indeciso quanto ao título. Mais tarde, na editora propôs “Por uma geografia nova”. Nessa época, eu recém-vindo de uma passagem difícil pelo marxismo-leninismo, e conhecendo a história da geografia na Itália, além de conhecer a polêmica peninsular na época do facismo (Mussolini possuía o jornal Nuova Ordine e Gramsci, para se lhe o opor, propôs o Ordine Nuove) propus a outra sugestão de Milton Santos “Por uma Geografia Nova”, para diferenciá-la de “New Geography” que então fazia sucesso no Brasil.

39Não sei se exagerei a minha apreensão com as consequências dessa escolha. O fato é que isso foi entendido por muitas pessoas, nos idos de 1978.

40Florestan Fernandes foi um dos que compreendem a escolha dessa alternativa.

41Hoje, passados muitos anos, o problema torna-se menor e é preciso diferenciar a questão adjetiva (geografia crítica não é uma geografia, mas uma postura diante de geografia) de questão substantiva, revelada na continuidade da obra de Milton, ou seja o consenso de que a geografia é uma ciência do espaço.

42------

43O que escrevi acima o fiz num primeiro impulso e isto nem sempre é bom.

44Quero retomar o tema do início e o título destes escritos.

45Falar dos títulos e homenagem que Milton tem recebido, apenas, mas ele fez justiça.

46Talvez num ponto a destacar em sua obra, onde a intuição desempenhe um papel não pequeno, não deve fazer esquecer sua contribuição para a teoria.

47Talvez, uma de suas mais brilhantes afirmações, que por si só o enobrece no campo intelectual é quando diz: “o espaço é uma acumulação desigual de tempos”. Uma síntese feliz ao nível da genialidade.

48No entanto, Milton sabe das dificuldades de aplicação dessa tese científica-filosófica. Não me refiro às interpretações simplistas de seu significado.

49Na realidade, essa ideia, que já está presente no “Por uma geografia nova” abre a geografia para enfrentamento de muitas questões que as novas gerações de geógrafos estão tendo que levar em conta.

50Ele pode ser entendido na dimensão de superfície do tema, ou no conceito mais recente de Milton do que denomina “mundo”, ao mesmo tempo uma realidade e uma metáfora, pois pode já falar no “mundo” do cotidiano no lugar pequeno como os pontos de encontro, onde se exerce uma geografia solidaria.

51É esta, aqui, nesta mesa de um modesto bar de Vila Madalena que frequento há mais de 10 anos, que vem a inspiração para escrever estas palavras que exprimem muita admiração pelo negro, baiano e geógrafo, não obstante, um homem universal.

52A controvérsia modernidade x pós-modernidade e a geografia.

53I – O mito da globalização – mundialização.

541. Dois exemplos

55a) Milton Santos

56b) Renato Ortiz.

572. Consumo e sociabilidade.

58a) a estratégia empresarial.

59b) Os pontos de encontro.

60c) O novo perfil social.

613. A crise da teoria.

62a) Perversidade ou lógica?

63b) O pensamento crítico engajado.

64c) Os novos “ideólogos”.

65d) O real hiper-real.

66II – O não muito admirável mundo novo.

  1. “Exército de reserva e excluídos.

  2. A crise dos modelos “neo-liberais”.

  3. A posição de David Harvey.

  4. A alternativa de Habermas.

  5. Guattari e a subjetividade.

  6. Lyotard e o pós-moderno.

  1. A problemática da mudança cultural.

  2. Anti-historicismo.

  3. Meta-narrativa e história de vida.

67III – A sociedade global.

  1. Os equívocos de Octávio Ianni.

  2. A realidade do “Terceiro Mundo”

  1. O caso do Brasil.

  2. A nova realidade africana

  3. Os “tigres asiáticos” e seu destino.

  4. A oposição “sem saída”.

  1. Operários, camponeses e funcionários.

  2. Subjetividade e objetividade.

  1. O “presente perpetuo” de Jameson

  2. A “alta modernidade de Giddens.

68IV – Os destinos do marxismo.

  1. Espaço e tempo.

  1. Determinação e indeterminação.

  1. Classes e população.

  1. As “minorias”.

  1. Luta de classe e conflitos funcionais.

  2. Resistência sem proposta.

  1. A internacionalização das ações e relações sociais.

  2. A importância do psicossocial.

  1. Identidade e pluralismo.

69V – A Geografia diante do impasse filosófico.

  1. Rorty e a subjetividade – objetividade.

  2. Fim do espaço, fim do tempo.

  3. A “sensação” do novo.

  1. O moderno pós-moderno.

  2. A tradição e suas perspectivas.

  1. A esquizofrenia como sintoma da rebelião do inconsciente.

  2. Memória e imaginário.

  1. Por uma geografia radical e intransigente.

Haut de page

Notes

1 Professor do Departamento de Geografia da USP (NdR)

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Fac-símile da carta
Crédits Biblioteca Armando Corrêa da Silva (http://geopo.fflch.usp.br/​biblioteca-armando-correa-da-silva
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/33792/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 634k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Thiago Oliveira Neto, « Armando Corrêa da Silva »Confins [En ligne], 48 | 2020, mis en ligne le 30 décembre 2020, consulté le 25 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/33792 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.33792

Haut de page

Auteur

Thiago Oliveira Neto

Doutorando na USP, thiagoton91@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search