Navigation – Plan du site

AccueilNuméros48Editorial do número 48

Editorial do número 48

Éditorial du numéro 48
Editorial of issue 48
Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Editorial du numéro 48 [fr]

Texte intégral

1Este número 48 é o último do ano de 2020, um ano excepcional em muitos aspectos, principalmente por causa da pandemia de Covid-19 que provocou – até o dia 24 de dezembro, quando estamos concluindo a diagramação - a morte de 1,7 milhão de pessoas em todo o mundo, incluindo cerca de 180.000 no Brasil e 62.000 na França.

  • 1 Agradecimentos a André Nagy, da Seade, que coletou e organizou os dados.

2A revista dedicou vários artigos em seus três últimos números, a partir do dossiê “A pandemia Covid-19 no Brasil”. O atual volume inclui um novo texto sobre cidade de Recife e publicamos a seguir dois mapas: o primeiro mostra o estado da disseminação dos casos e óbitos que causaram até o dia 15 de dezembro, o segundo traça a evolução da situação no mês anterior, de 15 de novembro a 15 de dezembro1.

Figura 1 Casos de Covid-19 e mortes por 100.000 habitantes até o 15 de dezembro de 2020

Figura 1 Casos de Covid-19 e mortes por 100.000 habitantes até o 15 de dezembro de 2020
  • 2 Natacha Cíntia Regina Aleixo, João Cândido André da Silva Neto, Henrique dos Santos Pereira, Danilo (...)

Em casos por 1.000 habitantes, a Amazônia continua sendo a mais afetada, pelos motivos explicados no artigo de Natacha Cíntia Regina Aleixo et al. “Pelos caminhos das águas: a mobilidade e evolução da COVID-19 no estado do Amazonas” da edição 452, mas o total de óbitos e sua proporção na população atingem fortemente as grandes cidades. Em contraste, são as áreas rurais da parte oeste da região Sul e do sertão do Nordeste (norte de Minas Gerais incluído) que são as mais poupadas e têm o menor contingente de mortes.

Figura 2 Evolução de casos Covid-19 entre 15 de novembro e 15 de dezembro de 2020

Figura 2 Evolução de casos Covid-19 entre 15 de novembro e 15 de dezembro de 2020

A evolução durante este mês continua preocupante, pois os municípios que tiveram queda de casos novos (em verde) mal são visíveis enquanto o Sudeste e mais ainda o Sul veem sua quantidade aumentar rapidamente.

3Outros artigos sobre o assunto estão em avaliação ou já aguardam publicação nos volumes de 2021, pois infelizmente a epidemia está longe de ser contida. Esperemos que a chegada das vacinas permita acabar ou pelo menos para controlá-la como outras doenças semelhantes ou mais graves.

  • 3 Eustógio Wanderley Correia Dantas, Maria Clelia Lustosa Costa e Carlos Lucas Sousa da Silva, « Fort (...)

4Os artigos desta edição começam com a análise de um caso local, o da cidade de Recife, a ser comparado com o de Fortaleza apresentado no número 453, “Novo coronavírus, velhas desigualdades: distribuição dos casos, óbitos e letalidade por SRAG decorrentes da covid-19 na Cidade do Recife”, por Jan Bitoun, Cristiana Coutinho Duarte, Anselmo César Vasconcelos Bezerra, Ana Cristina de Almeida Fernandes e Lucas Siqueira Santos

5Os seis artigos que seguem se dividem igualmente entre análises de situações vividas pela maioria dos brasileiros, habitantes das cidades ou do campo, e de casos de populações mais marginalizadas, no espaço ou na sociedade: estamos convictos de que nosso dever dos cientistas é não esquecer nem um nem outro, não excluir os marginalizados ou centrar-se exclusivamente neles, com o risco de deixar de fora a grande maioria dos cidadãos do país.

6O primeiro artigo, “Una geografia de la gentrificacion en el centro historico de Palma”, de Jesús Manuel González Pérez, não parece, a priori, preocupá-los, visto que se trata de um país estrangeiro, mas o processo que afeta a cidade principal das Ilhas Baleares atinge também os centros históricos brasileiros, com desastrosos efeitos sociais, a exemplo do bairro do Pelourinho, em Salvador.

7O segundo também é de interesse comparativo, desta vez no Brasil, onde desenvolvimentos semelhantes estão ocorrendo: “A precarização do habitar e a financeirização do habitat: análise sobre o Programa Minha Casa Minha Vida em Marabá (PA)”, de Marcus Vinicius Mariano de Souza e Dionel Barbosa Ferreira Júnior. O terceiro, “Dinâmica espacial da produção de mandioca no Paraná”, de Talita Pijus Ponce, Marina Ronchesel Ribeiro e Tiago Santos Telles, também pode ser comparado a dinâmicas semelhantes para outras produções e em outros Estados.

8Os três artigos seguintes abordam casos de populações e regiões marginais, ou mesmo marginalizadas, social e geograficamente: “Geografia e justiça ambiental: estudo da capacidade de suporte do Quilombo da Fazenda”, de Danilo Santos da Silva e João Osvaldo Rodrigues Nunes, “Territórios e identidades de ribeirinhos, vazanteiros pescadores do rio Araguaia em Araguatins, Tocantins”, de Eliseu Pereira de Brito e Matheus Miranda Shimasaki e “Territórios do desmatamento na Amazônia. Uma análise geográfica no Estado do Pará”, de René Poccard, Marcelo Thales, Jacqueline Carvalho e Marie Gabrielle Piketty.

9O artigo final faz parte de uma série de traduções para o português de artigos originalmente escritos em francês e que consideramos importante chamar a atenção dos leitores de língua portuguesa que não falam essa língua. Desta vez é um texto de Élisée Reclus, "Origens da Religião e da Moralidade", traduzido por Sergio Aparecido Nabarro.

10A rubrica “Síntese” é dedicada à uma pesquisa de Eliane Kuvasney sobre “Uso de mapas históricos no contexto de pesquisas sobre a cidade de São Paulo. Predominância dos mapas digitais e dos mapas autorreferenciais” e das homenagens a Armando Corrêa da Silva: Thiago Oliveira Neto relembra a importância deste grande geógrafo e publica uma carta inédita que dirigira a Milton Santos. O “Registro de pesquisa” é de Katia Canova “Urbanidade e Justiça Espacial na cidade de São Paulo: metodologia de análise e subsídio para tomada de decisão no planejamento urbano”.

11O dossiê temático trata de “Políticas públicas, redes técnicas e socioculturas no território em Goiás” e é apresentado no primeiro texto por suas coordenadoras, Sônia de Souza Mendonça Menezes e Maria Geralda de Almeida.

12A primeira das “Imagens Comentadas” dá um salto temporal de Elisée Reclus para os dias atuais, “De Élisée Reclus ao OpenStreetMap, o crescimento das cidades brasileiras de 1894 a 2020” e a segunda, “Imagens de mudança”, também mostra transformações, nas imagens da NASA, em um período de tempo mais curto. O terceiro pergunta "Onde estão os ricos? ", baseado em pesquisa da FGV Social. A quarta mostra “Dois grandes atlas”, no sentido mais literal do termo.

13Várias resenhas encerram a edição porque pensamos que os feriados de Natal e Ano Novo e as férias no Brasil seriam uma boa época para ler, principalmente em tempos de confinamento. Os livros recomendados são muito diversos pelo idioma (francês e português), pelas abordagens (científicas ou para o público mais geral) e temas: “Chercheurs d’or en Guyane” (Garimpeiros na Guyane), de François-Michel le Tourneau, “La saga do sucre - entre douceur et amertume” (A saga do açúcar - entre doçura e amargor), de Joseph Garnotel (por Mateus de Almeida Prado Sampaio), “Regiões de influência das cidades 2018. Um estudo para compreender a diversidades dos centros urbanos no Brasil” do IBGE, por Herlan Cássio de Alcantara Pacheco, “La santé au XXIe siècle à l’épreuve des crises” (A saúde no século 21 à prova de crises) de Emmanuel Vigneron, “Primeira circum-navegação brasileira” de Marli Cristina Scomazzon e Jeff Franco, “Cabinet de curiosités de l’histoire du monde” (Gabinete de curiosidades da história mundial) de Christian Grataloup e “Atlas critique de la Guyane” (Atlas Crítico da Guiana), sob a direção de Matthieu Noucher e Laurent Polidori.

14Boa leitura a todos

Haut de page

Notes

1 Agradecimentos a André Nagy, da Seade, que coletou e organizou os dados.

2 Natacha Cíntia Regina Aleixo, João Cândido André da Silva Neto, Henrique dos Santos Pereira, Danilo Egle Santos Barbosa e Bruno Cordeiro Lorenzi, « Pelos caminhos das águas: a mobilidade e evolução da COVID-19 no estado do Amazonas », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 02 juin 2020, consulté le 24 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/30072  ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.30072

3 Eustógio Wanderley Correia Dantas, Maria Clelia Lustosa Costa e Carlos Lucas Sousa da Silva, « Fortaleza, de uma contaminação derivada dos lugares turísticos à transformação dos espaços de moradia em territórios de adoecimento e de morte », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 01 juin 2020, consulté le 24 décembre 2020. URL : http://journals.openedition.org/confins/29971  ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.29971

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Casos de Covid-19 e mortes por 100.000 habitantes até o 15 de dezembro de 2020
Légende Em casos por 1.000 habitantes, a Amazônia continua sendo a mais afetada, pelos motivos explicados no artigo de Natacha Cíntia Regina Aleixo et al. “Pelos caminhos das águas: a mobilidade e evolução da COVID-19 no estado do Amazonas” da edição 452, mas o total de óbitos e sua proporção na população atingem fortemente as grandes cidades. Em contraste, são as áreas rurais da parte oeste da região Sul e do sertão do Nordeste (norte de Minas Gerais incluído) que são as mais poupadas e têm o menor contingente de mortes.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/34712/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 573k
Titre Figura 2 Evolução de casos Covid-19 entre 15 de novembro e 15 de dezembro de 2020
Légende A evolução durante este mês continua preocupante, pois os municípios que tiveram queda de casos novos (em verde) mal são visíveis enquanto o Sudeste e mais ainda o Sul veem sua quantidade aumentar rapidamente.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/34712/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 433k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 48 »Confins [En ligne], 48 | 2020, mis en ligne le 24 décembre 2020, consulté le 05 mars 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/34712 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.34712

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search