Navigation – Plan du site

AccueilNuméros49A ocupação e o uso das terras no ...

A ocupação e o uso das terras no sistema hidrográfico do rio Arauá Sergipe/Brasil: Histórico, dinâmica e espacialização

L'occupation et l'usage des terres dans le système hydrologique du fleuve Arauá Sergipe/Brasil: Historique, dynamique et spatialisation
Land use and occupation in the Arauá river hydrographic system, Sergipe / Brazil: History, dynamics and spatialization
Bruna Leidiane Pereira Santana et Hélio Mário de Araújo

Résumés

L'aperçu de l'organisation spatiale à partir de l'utilisation et occupation des terres permet de mettre en évidence la relation société/nature, donnant priorité aux dynamique des aspects biophysiques et socioéconomiques. Le présent travail a choisi comme objectif analyser l'évolution de l'utilisation et occupation dans le système hydrologique du fleuve Arauá, dans le période de 2004 à 2014. La recherche a été matérialisée méthodologiquement avec recherche bibliographique, recherche et tabulation des données secondaires, travail sur le terrain et cartographie des classes de l'utilisation et occupation des terres. Pour comprendre l'actuelle configuration du paysage rapporté aux activités économiques ont l'historique d'occupation attelée aux aspects sociaux et caractéristiques pédoclimatiques. Le scénario établi avec ces étapes présente un standard de modifications dans l'espace rural, par les activités agricoles lié à l’avancement du niveau technologique utilisé dans la gestion du sol et dans l’amélioration génétique des semences utilisées dans l'agriculture. Les principaux changements dans l'usage des terres ont été avec l'expansion des cultures de maïs et du ananas, qui disposent tendance évolutive dans l'État de Sergipe. Dans le système hydrologique du fleuve Arauá, les cultures non permanentes traditionnelles comme le maïs et haricot, ainsi que l'agrumiculture, sur le période en évidence dénotent déclin dans le quantitatif de la production et sur la superficie plantée. Outre l’insertion de nouveaux types de cultures s'identifie lo progrès de la zone adaptée à l'agrumiculture et du pâturage sur les fragments de végétation native, qu'enregistre seulement 6,6% de l'extension territoriale.

Haut de page

Texte intégral

1A organização espacial resulta das interdependências definidas entre a paisagem natural e ação humana, materializada em sistemas produtivos que atuam na estruturação social, econômica e em processos que podem alterar a dinâmica dos componentes da biodiversidade e da geodiversidade. o grau de exploração e manejo estabelecidos nas atividades produtivas desenvolvidas no espaço rural são os fatores que condicionam as relações sociedade/natureza.

2No Brasil, a agricultura e a pecuária são as principais categorias de uso e ocupação das terras que dinamizam diferentes ecossistemas, paisagens e territórios. No nordeste brasileiro, a agricultura apresenta características heterogêneas quanto às culturas plantadas e o nível tecnológico empregado na produção agrícola, e sobretudo as limitações de ordem edafoclimáticas, pois

boa parte das atividades agrícolas na região se desenvolve sobre um ecossistema frágil, com limitações de ordem edafoclimáticas. Parte considerável da região convive historicamente com o problema da seca. Especificamente a região conhecida como Semiárido, que abrange a maior parte do sertão e do agreste nordestinos, se encontra nessa situação (Castro, 2012, p. 15).

3Assim como os demais estados nordestinos, Sergipe possui uma ampla diversidade na espacialização das suas atividades produtivas, com nuances que se alteram do litoral para o semiárido devido a influência dos aspectos climáticos, pedológicos e econômicos relacionados aos cenários nacionais internacionais. Sendo o menor estado brasileiro com um território de 21.962,10 km², o equivalente a 0,26% do território nacional e a 1,4% em relação à Região Nordeste, o território sergipano é dinamizado por atividades extrativistas, pecuária, culturas temporárias e permanentes. O presente trabalho objetivou analisar o atual panorama do uso e ocupação das terras do sistema hidrográfico do rio Arauá, considerando as relações entre os condicionantes edafoclimáticos e o processo histórico das atividades produtivas.

4Neste cenário, o sistema hidrográfico do rio Arauá localiza-se no território sul e centro-sul de Sergipe, drenando um total de 680 km², integra o complexo de sub-bacias que compõe a bacia hidrográfica do rio Piauí. Seu principal canal fluvial, o rio Arauá, possui aproximadamente 60 km de extensão (Mapa 1). 

Mapa 1 – Localização do sistema hidrográfico do rio Arauá/Sergipe

Mapa 1 – Localização do sistema hidrográfico do rio Arauá/Sergipe

Elaboração: Bruna Santana, 2018.

1. Materiais e procedimentos operacionais

5A investigação pertinente ao uso e ocupação das terras do sistema hidrográfico do rio Arauá, esteve alicerçada em quatro etapas básicas - levantamento bibliográfico e cartográficos, pesquisa e tabulação de dados secundários, trabalho de campo, mapeamento das classes de uso e ocupação das terras.

6O levantamento bibliográfico possibilitou a construção da base teórica, a constituição da narrativa histórica da ocupação e uso das terras e a caracterização biofísica da paisagem associado aos documentos cartográficos que conduziram os trabalhos de campo. Os documentos sobre o processo histórico referem-se a artigos, dissertações, teses e livros disponibilizados em repositórios institucionais.

7As principais informações secundárias referem-se aos dados da produção anual agrícola e agropecuária dos municípios que integram a área de estudo em 2004 e 2018, adquiridos no Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico (IBGE).

8Os dados climáticos de pluviosidade foram disponibilizados pela CEMESE (Centro de Meteorologia de Sergipe) e EMDAGRO (Empresa de Desenvolvimento agropecuário de Sergipe). A partir desses dados elaborou-se gráficos representativos da pluviosidade dos municípios de Umbaúba e Itabaianinha de 1980 - 2013. Os dados dos municípios de Pedrinhas e Boquim, foram obtidos no relatório de informações básicas da EMDAGRO do período de 2002-2008. Os demais municípios não possuem informações disponíveis.

9Os trabalhos de campo contribuíram na complementação dos dados secundários através da observação da paisagem e conversas informais com produtores rurais. As investigações de campo aconteceram em 5 (cinco) dias, sendo organizadas para abranger diferentes ambientes presente na área de estudo e seus respectivos usos e as técnicas de manejo.

10Durante os trabalhos de campo foram feitos registros fotográficos e as áreas visitadas tiveram sua localização marcada em GPS e identificada em mapas e imagens de satélite. Para observação de áreas de difícil acesso optou-se pela utilização de veículo área não tripulado (VANT).

11O vant usado em dois campos refere-se ao VANT Phantom 3 Standard, que pesa 1.280 g, embarcado com uma câmera de modelo Sony EXMOR ½.3 de 12 megapixels permitindo capturar imagens em cores reais de tamanho máximo de 4.000 por 3.000 pixels, nas bandas R, G e B (Red, Green e Blue), possui uma lente FOV (fieldofview) de 94° com 24mm de distância focal e f/2.8 de abertura de diafragma. Seus sensores de GPS possibilitaram a geolocalização do dispositivo em tempo real assim como a georreferenciar as fotografias capturadas.

12O mapa de uso e ocupação das terras do sistema hidrográfico do rio Arauá, foi elaborado a partir de uma imagem de satélite adquirida no Word Imagery do Global Mapper com resolução espacial de 2 metros. A imagem no formato TIFF, foi importada para ArcMap 10.1, seguindo o processo de recorte da imagem com base no shape de delimitação da área de interesse, com o objetivo de diminuir o tamanho do arquivo, otimizando o tratamento digital.

13O mapeamento das classes de uso e ocupação das terras ocorreu através da interpretação visual que permitiu a criação de polígonos salvos no formato shape. Os trabalhos de campo auxiliaram na interpretação da imagem de satélite e na checagem do resultado obtido. Durante os campos, os tipos de uso e ocupação foram registrados com GPS (sistema de posicionamento Global), os pontos marcados serviram de referência para verificação dos polígonos mapeados.

14A classificação do Manual Técnico de Uso e Terra do IBGE (2013) foi adotado no processo de mapeamento. A metodologia está estabelecida em três níveis hierárquicos que abrangem as áreas classificadas em Antrópicas, naturais e Água, nestas são definidas o tipo de cobertura - Não agrícolas, Agrícolas, Florestal, Campestre e Áreas descobertas. O terceiro nível representa as classes de uso que possui um amplo conjunto de unidade. Essas informações que especificam as formas de produção da mineração, dos cultivos, do extrativismo e da pecuária constituem o quarto nível de informação contemplado textualmente com as informações estatísticas do IBGE.

2. Panorama das características edafoclimáticas

15As características climáticas de determinado território condicionam os processos que atuam na evolução dos solos e nos aspectos dos seus atributos físicos, químicos e biológicos que refletem no padrão de uso e ocupação das terras. No espaço rural, a agricultura e a pecuária são as atividades produtivas de maior relevância e dependem da disponibilidade hídrica das precipitações pluviométricas, que têm seu padrão de ocorrência, a concentração e variabilidade das chuvas são comandados por fenômenos de escala global, regional e local, como por fatores como o relevo e cobertura vegetal.

16No nordeste brasileiro, a distribuição das chuvas está associada as mudanças na circulação atmosférica e na interação oceano-atmosfera no Pacífico e no Atlântico, destacando-se em grande escala os sistemas frontais e a zona de convergência intertropical (ZCIT). Em mesoescala as perturbações ondulatórias no campo dos ventos alísios, complexos convectivos e brisas marítima e terrestre e as circulações orográficas e pequenas células convectivas formando fenômenos da microescala (Molion; Bernardo, 2000). A manifestação destes fenômenos permite a ocorrência de oscilações espacial e temporal das chuvas no NEB, podendo resultar em eventos extremos como secas e enchentes.

17No estado de Sergipe, as características pluviométricas são influenciadas por fenômenos meteorológicos que intervém no Norte e Leste da região Nordeste. No que se refere a ZCIT, sua atuação no estado não ocorre durante todo o ano, somente nos meses mais chuvosos. No entanto, as precipitações no Estado estão reguladas, sobretudo pela Massa Equatorial do Atlântico Sul (MEAS) que atua mais no Noroeste, Massa Polar Atlântica (MPA) e Massa Tropical Atlântica (MTA) que intervém no restante da área.

18Assim, a divisão climática de Sergipe consiste em Litoral Úmido, Agreste e Semiárido. A precipitação pluviométrica decresce nesta ordem. O sistema hidrográfico do rio Arauá está situado entre o Litoral Úmido e o Agreste (CEMESE, 2009).

19A estação chuvosa ocorre entre os meses de abril e agosto e a estação seca de novembro a janeiro. Quanto as temperaturas, a média anual é de 25°C e temperatura mínima média de 20°C com um valor máximo médio de mais de 29°C. A evaporação apresenta valores acima de 1.000 mm/ano, que tendem a aumentar no verão, e umidade relativa (média anual de 80%).

20No clima Tropical subúmido referente ao Agreste, o volume das precipitações é de aproximadamente 1.000 mm/ano, menor que os valores do litoral, com a distribuição mensal semelhante. A temperatura segue o mesmo padrão do clima Tropical Úmido. No entanto, a evaporação é consideravelmente mais alta (quase 2.000 mm/ano) e a umidade média é mais baixa, aproximadamente 70%.

21Para a caracterização dos aspectos climáticos da área de estudo foram utilizados dados de temperatura e pluviosidade dos municípios de Itabaianinha, Boquim, Umbaúba e Pedrinhas, disponibilizados pelo Centro de Meteorologia do Estado de Sergipe (CEMESE) e pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Agropecuária (EMBRAPA).

22De acordo com os dados de precipitação e temperatura, o município de Itabaianinha enquadra-se na zona subúmida, com temperatura média anual de 24,2 °C e média anual pluviométrica de 1078, 24 mm. O gráfico referente ao período de 1980 a 2013 mostra que os menores índices pluviométricos se estenderam de setembro a março, com valores inferiores a 80 mm (Gráfico 1). Os anos mais chuvosos correspondem a 1985 – 1522,9 mm; 1988 – 1702,9 mm; 1989 – 2059,4 mm. Assim, os anos menos chuvosos foram 1983 – 640, 3 mm; 1993 – 634, 2 mm e 2012 – 742, 2 mm e coincidem com alguns anos de seca no Nordeste brasileiro.

Gráfico 1 – Precipitação pluviométrica no período de 1980 – 2013, Itabaianinha/SE

Gráfico 1 – Precipitação pluviométrica no período de 1980 – 2013, Itabaianinha/SE

Fonte: CEMESE, 2018

23A dinâmica da distribuição mensal das chuvas no município de Umbaúba diferencia-se daquela observada para Itabaianinha, mesmo os dois municípios apresentando características ambientais similares, em Umbaúba as precipitações são mais elevadas de março a setembro e a média do total acumulado para o período de 1980 a 2013 foi de 1.426,5 mm (Gráfico 2). Apesar do período de estiagem se prolongar pelos meses de outubro a fevereiro os índices de pluviosidade nos meses chuvosos foram maiores para Umbaúba em relação Itabaianinha: 1985 – 1797,2 mm; 1988 – 2089,9 mm; 1989 – 2191, 6 mm.

Gráfico 2 – Precipitação pluviométrica no período de 1980 – 2013, Umbaúba, SE

Gráfico 2 – Precipitação pluviométrica no período de 1980 – 2013, Umbaúba, SE

Fonte: CEMESE, 2018

24No município de Pedrinhas, entre 2002 e 2008 0 período chuvoso correspondeu aos meses de maio a agosto, enquanto os meses com deficiência hídrica foram outubro, novembro e dezembro (Gráfico 3). A temperatura média anual é de 24,1 °C e precipitação pluviométrica média de 995,8 mm. Para o intervalo analisado, alguns anos apresentaram índices pluviométricos inferiores a média anual. Em 2002 o total precipitado foi de 805,4 mm, em 2005 de 904,2 mm e em 2007 registrou 858,8 mm.

Gráfico 3 – Precipitação pluviométrica no período de 2002 a 2008, Pedrinhas/SE

Gráfico 3 – Precipitação pluviométrica no período de 2002 a 2008, Pedrinhas/SE

Fonte: EMDAGRO, 2009

25No município de Boquim, entre os anos de 2002 e 2008 a média acumulada de chuvas foi de 1.292,9. Os anos de 2008 e 2012 registraram os menores índices 917,7 e 1.034 mm, respectivamente. O período seco compreende os meses de outubro a fevereiro com precipitações mensais que geralmente estão abaixo de 100 mm, contudo, esses valores podem se exceder como ocorreu em janeiro de 2002 com 191,7 mm e 2004 com 204,2 mm. Os meses de dezembro apresentaram os menores volumes de chuvas, em 2004 os pluviômetros marcaram 0,0 mm (Gráfico 4).

Gráfico 4 – Precipitação pluviométrica no período de 2002 a 2008, Boquim/SE

Gráfico 4 – Precipitação pluviométrica no período de 2002 a 2008, Boquim/SE

Fonte: EMDAGRO, 2009

26O período úmido ocorre entre os meses de abril a setembro, quando os totais pluviométricos são mais elevados em relação aos demais meses do ano. A distribuição mensal das precipitações está acima de 100 mm e os maiores valores foram 306,7mm em junho de 2003, 328,1 em junho de 2006 e 661,6 em março de 2009.

27Esta atual distribuição pluviométrica no sistema hidrográfico do rio Arauá, atua sobre uma complexa estrutura pedogenética formada por Latossolos, Argissolos, Planossolos e Neossolos, originados pela integração de diferentes materiais de origem, topografia, declividade, tipos climáticos e cobertura vegetal.

28O padrão de uso e ocupação das terras na área de estudo apresenta estreita relação com as características dos solos e o volume das chuvas. Sobre os solos com alta evolução pedogenética, como os Argissolos e Latossolos, associado aos maiores índices pluviométricos prevalecem a agricultura permanente e temporária que integra o seu médio e baixo curso. No alto curso, as características dos Neossolos e Planossolos restringem a inserção das lavouras, considerando o baixo nível tecnológico utilizado, assim a pecuária extensiva é atividade produtiva de maior destaque (Mapa 2).

Mapa 2 – Pedologia do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Mapa 2 – Pedologia do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Elaboração: Bruna Santana, 2018.

29Neste contexto, torna-se importante evidenciar as propriedades dessas classes de solos a fim de contextualizá-las ao desenvolvimento das atividades produtivas. A classe de Latossolo presente no sistema hidrográfico do rio Arauá é o Latossolo Amarelo Distrófico e Álico, com horizonte A moderado, ou seja, que não se enquadra no conjunto das definições dos demais horizontes diagnósticos superficiais, e proeminente com saturação por bases (valor V) inferior a 65%. A textura média/argilosa caracteriza-o como solo de textura binária.

30Quanto as Argissolos, foram identificados os Argissolo Amarelo Distrófico, Argissolo Amarelo Distrófico e Álico, Argissolo Vermelho-Amarelo Distrófico e Álico, Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico, Argissolo Amarelo Latossólico Distrófico e Álicos, Argissolo Vermelho-Amarelo Distrófico fragipânico e Argissolo Amarelo com e sem fragipã (Jacomine et al., 1975).

31No Grupo Barreiras, composição litológica de sedimentos terrígenos (cascalhos, conglomerados, areias finas e grossas e níveis de argila), se desenvolveram Argissolo Amarelo Distrófico + Argissolo Amarelo Latossólico, ambos com textura média/argilosa, situados em relevo plano e suave ondulado. O Argissolo Amarelo Distrófico e Álico também ocorrem com o Argissolo Amarelo Latossólico apresentando as mesmas características texturais e de relevo, podendo evidenciar horizontes com ou sem fragipã.

32Quanto ao Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico, caracteriza-se como profundo e pouco profundo, exibindo textura média/argilosa a muito argilosa com fase não pedregosa e epipedregosa. A fase epipedregosa indica que o solo contém calhaus e/ou matacões na parte superficial e/ou nos perfis de até 40 cm de profundidade.

33O Argissolo Vermelho-Amarelo e Argissolo Amarelo, que integram esta relação, ambos Distróficos e Álicos não plínticos e plínticos possuem textura média/argilosa com fase não pedregosa e epipedregosa, situados em relevo suave ondulado e ondulado. O Argissolo Amarelo latossólico e não latossólico sem e com fragipã de textura média/argilosa ambos distróficos e Álicos, desenvolvidos em relevo plano e suave ondulado.

34No Complexo Granulítico, constituído pelas litologias ortognaisses charnoenderbíticos a charnoquíticos, gnaisses kinzigíticos, rochas calcissilicáticas, metanoritos e biotita gnaisses migmatizados (SANTOS et al., 1998), manifestam-se o Argissolo Vermelho-Amarelo Distrófico típico de textura média/argilosa, perfil A moderado associado a Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico típico com textura média/argilosa e Argissolo Amarelo Distrocoeso, ambos sobre suave ondulado e ondulado.

35Sobre este complexo litológico evoluíram também o Argissolo Vermelho-Amarelo Distrófico fragipânico e típico com textura média/argilosa, perfil A moderado e Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico fragipânico e típico com textura média/argilosa, presentes em relevo plano e suave ondulado. O caráter fragipã nos solos dificulta a penetração de raízes e de água.

36No Complexo Gnáissico-Migmatitíco, formado pelas litologias gnaisses migmatíticos com anfibolitos, ortognaisses migmatíticos granodiorítico e gnaisses graníticos augen, prevalecem o Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico típico com textura arenosa/média e média/argilosa, perfil A moderado suave ondulado, Argissolo Amarelo Distrófico típico, textura arenosa/média e média/argilosa + Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico típico com textura média/argilosa em relevo suave ondulado e ondulado.

37Além destes tem-se o Planossolo Háplico Eutrófico típico de textura arenosa/argilosa e média/argilosa com horizonte A moderado sobre relevo plano e suave ondulado. O Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico + Argissolo Amarelo Distrófico típico estão associados a estes solos.

3. Processo histórico e o atual uso e ocupação das terras

38A composição biofísica do sistema hidrográfico do rio Arauá, favorece o desenvolvimento de determinadas atividades produtivas, que dinamizam as condições sociais e econômicas dos diferentes grupos sociais que integram a população dos seus municípios. O uso das terras materializado atualmente pelas atividades agrícolas e pecuária extensiva, reconhecida desde o processo de povoamento das terras sergipanas no século XVI.

39De acordo com Antônio (2012), os primeiros povoamentos em Sergipe ocorreram em áreas próximas aos rios Piauí e Real. O movimento de povoamento, que se iniciou após 1590 com doação de sesmarias, tanto em terras da costa litorânea como naquelas banhadas pelos rios da região Sul da capitania. O contexto da ocupação e desenvolvimento das atividades econômicas estiveram vinculadas aos elementos da paisagem, com ênfase nas características climáticas e dos solos. Assim, a economia colonial foi definida pelas lavouras decana de açúcar destinadas aos engenhos no litoral e aos pastos e lavouras de abastecimento no sertão.

40Nas terras banhadas pelo rio Arauá, as povoações mais remotas identificadas no período colonial referem-se aos territórios situados nos municípios de Santa Luzia do Itanhy, Pedrinhas e Arauá. Segundo Silva (2016), a povoação que deu origem a Santa Luzia do Itanhy se constituiu quando as terras de Sergipe estavam no domínio da capitania hereditária da Bahia. A primeira investida dos portugueses na conquista do território se estabeleceu em 1575, com o processo de catequização de populações indígenas. Em 1594, a colonização é retomada com a cessão de terras aos participantes de expedições, como resultado surgem sesmarias ao longo do rio Real, do rio Piauí e de seus afluentes, como o rio Arauá. Neste período os solos foram ocupados por pecuária extensiva e produção de mandioca.

41No município de Arauá, a povoação e uso das terras se iniciaram com a doação de sesmarias de terras ao sul do rio Piauí, onde foram implantadas fazendas de gado, lavouras de cana-de-açúcar e engenhos. Contudo, é apenas no século XIX que os primeiros moradores se instalam no Arraial da Parida, nome referido ao município.

42A situação topográfica favoreceu o agrupamento demográfico, a feição morfológica de tabuleiro, situado entre os rios Arauá e Limoeiro deu origem a uma comunidade de influência sobre os senhores de engenho de áreas circunvizinhas (Freire, 1891). Esta dinâmica territorial se propagou nas terras do município de pedrinhas a partir de 1620, os rios Taquari e Carnaíba foram importantes cursos de água navegáveis, que viabilizaram a ocupação. Na área, a economia esteve alicerçada na produção de açúcar, com destaque para o Engenho Pedrinhas.

43Em Sergipe, até o século XVIII, a criação de gado foi a principal atividade produtiva, entretanto, a expansão do aproveitamento de seus derivados devido a instalação de novos engenhos de açúcar e áreas destinadas ao cultivo da cana de açúcar tornam-se prioridade. Neste processo, os criadores de gado tornaram-se também, donos de engenhos e lavradores.

44As mudanças no panorama econômico nas áreas que abrangem o sistema hidrográfico do rio Arauá são evidenciadas por Menezes (2015, p.31)

O cronista e naturalista de Antônio Muniz de Souza, nascido no final do século XVIII, na povoação de campos (Atual Tobias Barreto, na época termo da vila de Lagarto), registrou esse momento histórico de decadência da pecuária em Sergipe e capitanias vizinhas.

45Estas mudanças, de acordo com o autor resultam da modernização do Estado Português, fundamentado em princípios de um mercantilismo revitalizado para garantir a vida econômica do Reino calcado no estímulo à produção agrícola e do comércio.

46No século XIX, a produção açucareira continuou se expandindo no território sergipano, atrelada a cultura do algodão, que até 1850 esteve em ascensão. Em 1873, as importações e exportações do algodão foram reduzidas, e municípios como Itabaianinha ampliaram as lavouras de subsistência como feijão, milho, mandioca, fumo e batata. Ainda assim, no final do século XIX, a indústria do açúcar e a indústria têxtil tornaram-se as principais atividades econômicas de Sergipe.

47Nos anos 1920, a organização econômica e o cenário da produção agrícola dos municípios que compõem o sistema hidrográfico do rio Arauá, começaram a se modificar com a introdução das lavouras de laranja em Boquim. Em 1940, a expansão da citricultura ocorre sobre os solos dos municípios de Pedrinhas e Boquim, anteriormente ocupados com plantações de algodão e mandioca. Na década de 1980, o cultivo aumentou sua relevância para a economia dos municípios de Boquim, Riachão do Dantas, Pedrinhas, Arauá e Itabaianinha (EMATER/SE, 1986).

48O histórico de ocupação tem reflexos nos atuais tipos de uso e ocupação das terras na área de estudo. A distribuição das atividades agrícolas presentes no espaço rural continua apresentando estreita relação com as características climáticas, dos solos e do relevo, mas nos últimos anos observa-se o avanço no nível tecnológico utilizado no manejo do solo e no melhoramento genético de sementes utilizadas na agricultura, por exemplo. No entanto, são as condições de mercado que definem de fato os atuais usos das terras e as atividades produtivas que estabelecidas no território.

49Nesta perspectiva, foram identificadas na área agrícola culturas permanentes, culturas temporárias, e pastagem plantada e/ou natural e solo exposto. Nas áreas não agrícolas subdivide-se em área urbana e área de mineração. As áreas naturais são representadas por fragmentos de Floresta Estacional Semidecidual (Mapa 3).

Mapa 3 – Atual uso e ocupação das terras do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Mapa 3 – Atual uso e ocupação das terras do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Elaboração: Bruna Santana, 2018.

3.1 Áreas agrícolas

50As culturas permanentes são cultivadas sobre as superfícies subhorizontais, topos de colinas e em menor proporção nas suas vertentes que tornam a paisagem dos Tabuleiros Costeiros da área de estudo. O relevo plano e suave ondulado com presença de solos bem evoluídos como os Argissolos e os Latossolos são os fatores de maior influência na implantação das lavouras de laranja, tangerina, limão, banana, coco-da-baía, mamão e maracujá (Figuras 1 e 2).

Figura 1 – Cultivo de laranja em superfície subhorizontal no município de Arauá/SE

Figura 1 – Cultivo de laranja em superfície subhorizontal no município de Arauá/SE

Foto: Bruna Santana, 2018

Figura 2 – Cultivo de laranja em topo de espigão no município de Arauá/SE

Figura 2 – Cultivo de laranja em topo de espigão no município de Arauá/SE

Foto: Bruna Santana, 2018

51A produção de citrus representado pela laranja (Citrus sinensis), tangerina (C. reticulata Blanco) e limão (C. limonia) e (C. jambhiri), contempla os municípios de Itabaianinha, Boquim, Umbaúba, Pedrinhas, Riachão dos Dantas, Arauá e Santa Luzia do Itanhy. No entanto, a alta produtividade deste gênero deve-se a laranja que agrega mais valor ao Produto Interno Bruto dos municípios, com maior área plantada e quantidade produzida.

52Todavia, a partir da década de 1990, a citricultura sucede um processo de declínio. Nos últimos quatorze anos (2004-2018), a produção de laranja evidenciou um processo de redução em todos os municípios do sistema hidrográfico do rio Arauá (Tabela 1).

53Neste período, o principal produtor de laranja de Sergipe, Itabaianinha, apresentou um decréscimo de aproximadamente 40%. Enquanto Pedrinhas, o menor produtor da área de estudo, obteve uma queda na safra em mais de 50%. Para Martins et al., (2014), as dificuldades enfrentadas pela citricultura devem-se aos problemas fitossanitários, ao baixo nível tecnológico empregado nos pomares, a falta de investimento e a estreita base genética das plantas. Assim,

O declínio da citricultura sergipana começou em meados da década de 1990, quando fábricas de suco na cidade de Estância e Boquim foram fechadas. Além disso, o preço da tonelada da fruta baixou, e os produtores descapitalizados não tiveram como manter o manejo adequado dos pomares que sofrem com o ataque de pragas e doenças, comprometendo toda a safra (Silva et al, p. 19, 2009).

54Com o objetivo de renovar os pomares e impulsionar a produção da citricultura, o Governo do Estado de Sergipe, criou um Programa de Revitalização da Citricultura. As medidas adotadas no programa não tiveram os efeitos esperados em função de fatores como a constante diminuição dos índices pluviométricos ao longo dos anos, bem como aumento dos custos para o manejo.

Tabela 1 – Panorama da produção de laranja nos municípios do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Tabela 1 – Panorama da produção de laranja nos municípios do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.

55De modo geral, as características que marcam a citricultura na área de estudo consistem no predomínio das lavouras em pequenas e médias propriedades que empregam o sistema de monocultivo. A produção é destinada para atravessadores ou beneficiadoras locais. Nas pequenas propriedades, os cultivos de laranja, geralmente estão consorciados com outras culturas permanentes como tangerina, limão, mamão, maracujá, banana e coco-da-baía.

56Os dados do IBGE no período de 2004 e 2018, revelaram que estes cultivos, na sua maioria, tiveram redução na produção e na área plantada. No entanto, o município de Arauá apresentou aumento significativo nas lavouras de limão, tangerina, maracujá e coco-da-baía. Estes dois últimos também evidenciaram saldo positivo em Itabaianinha e Umbaúba (Tabela 2).

57No município de Riachão do Dantas, não ocorrem plantações de tangerina, limão e mamão. Em Pedrinhas, a produção de tangerina, maracujá, e limão é recente, não sendo registrada no ano de 2004, no município o cultivo com maior expressividade produtiva é a banana.

58Na prática do consórcio entre culturas ocorre também entre as lavouras permanentes e temporárias, como mandioca, feijão, amendoim, batata-doce e milho. Contudo ressalta-se que as lavouras de abacaxi, milho e mandioca encontra-se de forma individualizadas, em função da alta produtividade em relação as demais plantações.

59O abacaxi é a cultura mais recente do sistema produtivo da área de estudo. Os municípios de Riachão do Dantas e Arauá estão entre os maiores produtores da frutífera. De acordo com Silva el al (2019), o histórico da abacaxicultura em Sergipe é marcada pela produção com finalidade ao consumo familiar e comunitário. O período de plantio e colheita entre as décadas de 1980 e 1990, esteve condicionado as estações do ano com manejo caracterizado pelo trabalho braçal, artesanal e força animal.

60Os autores destacam ainda, que as ações da EMBRAPA (Emprese Brasileira de Pesquisa e Agropecuária) e do apoio financeiro do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), a partir de 2002, propiciou a ampliação das áreas agricultáveis e consequentemente da produção do abacaxi.

Tabela 2 – Produção das culturas permanentes dos municípios que integram o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Tabela 2 – Produção das culturas permanentes dos municípios que integram o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.

61No sistema hidrográfico do rio Arauá, verifica-se que apenas Arauá e Riachão do Dantas apresentam lavouras de abacaxizeiro desde 2004. Este último evidencia a maior área plantada com 850 ha em 2018, ultrapassando todos os outros municípios, que juntos totalizam apenas 28 ha, porém é notório a ascensão dos cultivos nos territórios com exceção de Pedrinhas que não possui registros de produção (Tabela 3).

62De modo geral, a produção dos cultivos tradicionais como a batata-doce, o amendoim, o feijão e a mandioca apresentaram significativa redução na área plantada e no quantitativo da produção entre 2004 e 2018. Na maioria dos municípios, a batata-doce e o feijão deixaram de ser cultivados. O declínio das produções pode estar associado a ascensão do milho, que atualmente apresenta o cultivo temporário de maior área plantada no sistema hidrográfico do rio Arauá.

63Prata (2013) destaca a evolução do milho em Sergipe, em 1975 a região do Centro-Sul Sergipano, onde situa-se a área de estudo, contribuiu com 37% da safra de milho estadual, a maior para o período. Em 1985, o território apresentou um quantitativo de 14%, assumindo o terceiro lugar da produção. Neste ciclo, o manejo da atividade caracterizou-se pelo baixo nível tecnológico, atribuído a falta de investimento nas lavouras, que prevaleciam em pequenas propriedades voltadas para a subsistência. Entre 1990 e 2000, a verificou-se um significativo crescimento na produção do milho, no entanto, a partir de 2006 se iniciou o processo de modernização, principalmente relacionados ao melhoramento de sementes.

64Para Oliveira (2011, p.50),

As transformações atualmente em curso no agronegócio do milho no Agreste e Centro-Sul de Sergipe obedecem aos requisitos do pacote tecnológico da agricultura moderna e estão baseadas na mecanização intensiva dos cultivos, no uso de insumos das indústrias agroquímica e biotecnológica e no aporte de grandes volumes de capital financeiro.

65Desta forma, verifica-se uma crescente ocupação das terras pelo milho que reflete na diminuição das áreas plantadas das culturas temporárias e permanentes como a citricultura. Na paisagem foi possível identificar que nos topos subhorizontais anteriormente ocupados pelos laranjais, o monocultivo do milho se especializa em grandes proporções (Figura 3).

Figura 3 – Plantação de milho sobre topo subhorizontal no município de Arauá/SE

Figura 3 – Plantação de milho sobre topo subhorizontal no município de Arauá/SE

Foto: Bruna Santana, 2019.

Tabela 3 – Produção das culturas temporárias dos municípios que integram o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Tabela 3 – Produção das culturas temporárias dos municípios que integram o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.

66As áreas agrícolas abrangem também as pastagens natural e/ou plantada que ocupam 57% do sistema hidrográfico. As espécies de gramíneas mais cultivadas pelos produtores referem-se a Braquiária (Brachiária decumbens) e Pangola (Digitaria decumbens), distribuídas de forma mais expressiva no município de Itabaianinha.

67A pecuária extensiva de diferentes rebanhos como ovinos, equinos, e bovinos está concentrada no alto curso do sistema em função de fatores naturais que dificultam a inserção da agricultura, como a declividade das feições morfológicas, a irregularidade pluviométrica e as características dos solos.

68Com bases nos dados do IBGE (2019), o rebanho de bovinos, o mais representativo nos municípios, apresentou crescimento positivo entre o período de 2004 e 2018. Contudo, apenas Umbaúba e Itabaianinha demonstram aumento significativo no número de cabeças do rebanho bovino (Tabela 4).

3.2 Áreas não agrícolas

69As áreas não agrícolas estão representadas pela atividade de mineração e pelas áreas urbanizadas. A extração mineral foi identificada no município de Itabaianinha em locais de contato com pastagem e fragmentos de vegetação original secundária. Esta atividade caracteriza-se pela retirada de material argiloso dos Argissolos, utilizado na produção de cerâmica vermelha – telhas e tijolos – em olarias de médio e pequeno porte, comumente instaladas nas propriedades que ocorrem o processo de extração.

70No município de Itabaianinha, a atividade se desenvolve nas proximidades da sede municipal e povoados circunvizinhos, constituindo um aglomerado de pontos de extração que se expande sobre a vegetação original e as margens dos canais de drenagem (Figura 4).

Figura 4 – Área de extração de argila nas proximidades de canal fluvial, Itabaianinha/SE

Figura 4 – Área de extração de argila nas proximidades de canal fluvial, Itabaianinha/SE

Foto: Bruna Santana, 2019.

71A áreas urbanas estão representadas pelas sedes municipais de Boquim, Pedrinhas, Arauá e Itabaianinha, bem como os povoados dos respectivos territórios.

Tabela 4 – Efetivo do rebanho nos municípios que compõem o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Tabela 4 – Efetivo do rebanho nos municípios que compõem o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE

Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.

3.3 Área Natural

72Esta cobertura dos solos, com apenas 6,6% da área de estudo, é atribuída às áreas com remanescente da Floresta Estacional Semidecidual, representada por pequenos fragmentos em distintos estágios de regeneração, resultado da intensa ocupação pelas atividades agrícolas, principalmente pelas culturas cíclicas e a agropecuária (Figura 5). Nos municípios de Itabaianinha e Riachão do Dantas, foram catalogadas espécies comuns como Byrsonimasericea, Cordiatrichotoma, Eschweileraovata, Manilkararufula, Syagruscoronata, Tapiriraguianensis, Thyrsodiumschomburgkianum e Xylopia frutescens (Prata et al., 2013).

Figura 5 – Fragmento de vegetação original, Arauá/SE

Figura 5 – Fragmento de vegetação original, Arauá/SE

Foto: Bruna Santana, 2019.

73Os ambientes colonizados por estas espécies caracterizam-se por um período de baixo volume das chuvas e elevadas temperaturas que repercute na deficiência hídrica dos solos. Para regularizar o balanço hídrico, o estrato arbóreo perde cerca de 20% a 50% das folhas (Afonso, 2010). As espécies de diferentes portes se propagam sobre solos com baixa fertilidade natural, Argissolos e Latossolos, ambos Amarelos e Vermelho-Amarelos, que presentes na área de estudo.

Conclusão

74Neste trabalho, foi analisada a atual condição do uso e ocupação das terras no sistema hidrográfico do rio Arauá, considerando suas características edafoclimáticas e econômicas. Os resultados demonstram que as atividades agrícolas mantêm a dinâmica socioeconômica dos municípios, no entanto nos últimos 14 (quartoze) anos ocorre uma progressiva substituição de cultivares, definindo a ascensão de produtos como o milho e o abacaxi e o declínio de produtos tradicionais como a laranja e o feijão. Neste cenário, pode-se inferir que existe um rearranjo espacial econômico.

75Deve-se pontuar, que a expansão do milho representa a transformação de um cultivo tradicional e familiar em uma commoditie, considerando seu crescimento em nível estadual, e sobretudo os investimentos tecnológicos empregados.

76As transformações atuais na paisagem rural da área de estudo, caracteriza-se pelo avanço tecnológico que permite superar deficiências pedológicas e climáticas, para atender demandas de escala nacional e internacional. Contudo, observa-se que o processo não ocorre de modo homogêneo.

Haut de page

Bibliographie

Antonio, E. M. M. A independência do solo que habitamos: poder, autonomia e cultura política na construção do império brasileiro, Sergipe (1750-1831). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

Castro, C. N. de. A agricultura no nordeste brasileiro: Oportunidades e limitações no Desenvolvimento. No. 1786. texto para Discussão, Instituto de pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2012.

Cidades, IBGE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/ . Acesso em: 10. set, 2019

da Silva, M. A. S., Martins, C., de Almeida, M. R. M., Galvao, D. D. O., Barros, I. D. Panorama da citricultura sergipana por meio de análise multivariada. Embrapa Tabuleiros Costeiros-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E), 2016.

Emater. Empresa de Assistência Técnica de Sergipe. Extensão rural: 21 anos de Região citrícola - 1965 a 1986. EMATER/SE

Freire, F. História de Sergipe (Vol. 7). Editora Vozes, 1977.

Ibge. Manual técnico de uso da terra. IBGE, 2006.

Ibge. Censo Agropecuário 2004. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/ . Acesso em: 10. set, 2019.

Ibge. Censo Agropecuário 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/ . Acesso em: 10. set, 2019.

Jacomine, P. K. T., Montenegro, J. O., Ribeiro, M. R., & Formiga, R. A.. Levantamento exploratório-reconhecimento de solos do Estado de Sergipe. Embrapa Solos-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E), 1975.

Martins, C. R., Teodoro, A. V., & de CARVALHO, H. W. L. Citricultura no Estado de Sergipe. Embrapa Clima Temperado-Artigo de divulgação na mídia (INFOTECA-E), 2014.

Menezes, W. O. Do gado à cana: a cultura açucareira na capitania de Sergipe d’El Rei (século XVIII). Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, n. 45.2, 2015.

Molion, L.C.B; Bernardo, S. O. Dinâmica das chuvas sobre o Nordeste do Brasil. In: Congresso Brasileiro de Meteorologia, 2000.

Prata, D. A. T. Determinantes da expansão da produção de milho em Sergipe. 2013.Dissertação de mestrado. (Mestrado em economia) – Universidade Federal de Sergipe.

Santos, R. A. D., Martins, A. A., Neves, J. P. D., Leal, R. A. Geologia e recursos minerais do estado de Sergipe, 1998.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 – Localização do sistema hidrográfico do rio Arauá/Sergipe
Crédits Elaboração: Bruna Santana, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-1.png
Fichier image/png, 235k
Titre Gráfico 1 – Precipitação pluviométrica no período de 1980 – 2013, Itabaianinha/SE
Crédits Fonte: CEMESE, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-2.png
Fichier image/png, 9,7k
Titre Gráfico 2 – Precipitação pluviométrica no período de 1980 – 2013, Umbaúba, SE
Crédits Fonte: CEMESE, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-3.png
Fichier image/png, 9,4k
Titre Gráfico 3 – Precipitação pluviométrica no período de 2002 a 2008, Pedrinhas/SE
Crédits Fonte: EMDAGRO, 2009
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-4.png
Fichier image/png, 8,7k
Titre Gráfico 4 – Precipitação pluviométrica no período de 2002 a 2008, Boquim/SE
Crédits Fonte: EMDAGRO, 2009
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-5.png
Fichier image/png, 7,0k
Titre Mapa 2 – Pedologia do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE
Crédits Elaboração: Bruna Santana, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 410k
Titre Mapa 3 – Atual uso e ocupação das terras do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE
Crédits Elaboração: Bruna Santana, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-7.png
Fichier image/png, 443k
Titre Figura 1 – Cultivo de laranja em superfície subhorizontal no município de Arauá/SE
Crédits Foto: Bruna Santana, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 480k
Titre Figura 2 – Cultivo de laranja em topo de espigão no município de Arauá/SE
Crédits Foto: Bruna Santana, 2018
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-9.png
Fichier image/png, 236k
Titre Tabela 1 – Panorama da produção de laranja nos municípios do sistema hidrográfico do rio Arauá/SE
Crédits Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-10.png
Fichier image/png, 133k
Titre Tabela 2 – Produção das culturas permanentes dos municípios que integram o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE
Crédits Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-11.png
Fichier image/png, 59k
Titre Figura 3 – Plantação de milho sobre topo subhorizontal no município de Arauá/SE
Crédits Foto: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-12.png
Fichier image/png, 173k
Titre Tabela 3 – Produção das culturas temporárias dos municípios que integram o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE
Crédits Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-13.png
Fichier image/png, 53k
Titre Figura 4 – Área de extração de argila nas proximidades de canal fluvial, Itabaianinha/SE
Crédits Foto: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-14.png
Fichier image/png, 843k
Titre Tabela 4 – Efetivo do rebanho nos municípios que compõem o sistema hidrográfico do rio Arauá/SE
Crédits Fonte: IBGE, 2019. Elaboração: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-15.png
Fichier image/png, 49k
Titre Figura 5 – Fragmento de vegetação original, Arauá/SE
Crédits Foto: Bruna Santana, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35161/img-16.png
Fichier image/png, 961k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Bruna Leidiane Pereira Santana et Hélio Mário de Araújo, « A ocupação e o uso das terras no sistema hidrográfico do rio Arauá Sergipe/Brasil: Histórico, dinâmica e espacialização »Confins [En ligne], 49 | 2021, mis en ligne le 12 mars 2021, consulté le 18 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/35161 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.35161

Haut de page

Auteurs

Bruna Leidiane Pereira Santana

Universidade Federal de Sergipe bruna.leydiane@gmail.com

Hélio Mário de Araújo

Universidade Federal de Sergipe heliomarioaraujo@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search