Navegação – Mapa do site

InícioNuméros49Dossiê geografia regional 2Geografia Regional: notas introdu...

Dossiê geografia regional 2

Geografia Regional: notas introdutórias

Géographie régionale: notes introductives
Regional Geography: introductory notes
Eudes Leopoldo

Texto integral

  • 1 Soja, Edward, “Beyond Postmetropolis”, Urban Geography, n. 32, 2011, p. 451-469.

1Em um de seus últimos trabalhos, Edward Soja (2011, p. 451)1, um dos mestres da Geografia contemporânea mundial, apresentava sua tese da urbanização regional e defendia categoricamente que emergiam com força total três desdobramentos chaves para a interpretação da produção do espaço no século XXI: 1) “a redescoberta da poderosa força gerativa das cidades”; 2) “a difusão transdisciplinar das perspectivas espaciais críticas” e 3) “o ressurgimento do interesse por regiões e regionalismo”. Para a terceira, Soja (2011, p. 453) esclarecia que

A crescente relevância do pensamento espacial não somente esteve articulada a uma renovada atenção às questões urbanas, mas também estimulava e, ao mesmo tempo, era estimulada pelo ressurgimento do interesse por regiões e regionalismo. [...]. Estas novas abordagens regionais não são uma alternativa para um foco nas cidades, mas constroem em nossa compreensão do processo de urbanização e da metrópole moderna metamórfica uma dimensão regional poderosa e mais explícita, a ponto de agora podermos falar de um processo de urbanização regional que vem reconfigurando radicalmente a estrutura metropolitana existente.

2Em suas palavras, fica claro um evidente retorno do debate regional que emerge na ordem do dia no âmbito não só da Geografia, mas das ciências sociais e humanas em geral. Após a virada espacial, em que o espaço prevaleceu sobre o tempo, permitindo a compreensão mais acabada sobre a simultaneidade, para além da sucessão, no entanto, preservando-a; agora estamos vivendo uma virada regional, no qual a diferença na simultaneidade ganha relevo na interpretação das metamorfoses espaciais em curso no século XXI. A Geografia brasileira nos últimos dois decênios do novo milênio vem redescobrindo este caminho ao verificar o quanto a região é central na análise e explicação do mundo contemporâneo.

3No entanto, verifica-se que não se trata de mera transposição da centralidade que o conceito de região e o temário regional tinham e continuam tendo em outras perspectivas críticas de Geografia, especialmente no mundo anglófono desde a década de 1990, mas de uma nova plataforma teórico-metodológica própria construída pela Geografia brasileira e latino-americana, sem desconsiderar as contribuições eurocêntricas. A concepção crítica e esclarecida de região no Brasil e na América Latina ganhou outros contornos a partir de nossa própria realidade e suas peculiaridades.

4O I SINGER – Simpósio Nacional de Geografia Regional, realizado em 2019 na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, foi construído a partir desse movimento do pensamento. Este segundo volume do dossiê de Geografia Regional, que é produto do mencionado evento, conta com artigos mais voltados para pensar a Amazônia como uma região complexa e diversa, sendo principiado por um debate teórico-conceitual fundamental sobre o regionalismo. Assim, completamos a publicação das principais discussões e temas que perpassaram este primeiro simpósio nacional dedicado ao temário regional, que cada vez mais difunde-se pelo pensamento geográfico brasileiro e latino-americano.

O Movimento do Pensamento

5No artigo “Revisitando o regionalismo como fundamento da questão regional”, Iná Elias de Castro desenvolve perspectivas sobre o velho e o novo regionalismo, elucidando o passado e o presente das significações que este conceito ganhou, calcados em realidades distintas. A compreensão escalar de que a ideia de velho regionalismo opera em espaços subnacionais e a de novo regionalismo também se mobiliza no domínio supranacional permite elucidar a lógica geográfica de ambas as perspectivas. No primeiro, converge um sentido mais político e vinculado às identidades regionais; no segundo, atua o domínio mais do econômico e atrelado aos fluxos de capitais. A autora lança luz sobre a compreensão de ambos os regionalismos, especialmente trazendo uma contribuição importante ao indicar a Amazônia como objeto interessante de superposição ou simultaneidade do velho e do novo regionalismo.

6No artigo seguinte, Maurílio Monteiro e Regiane Paracampos apresentam, em “Expansão geográfica, fronteira e regionalização: a região de Carajás”, a efetividade da fronteira amazônica, constituindo-se como manifestação de ajustes espaço-temporais a partir da reconfiguração do espaço, do capital e das relações de trabalho. O propósito central é revelar a natureza e os limites da chamada Região de Carajás, que se projeta com outros contornos para além das denominadas Região Sudeste (no nível mais da regionalização normativa e político-administrativa) ou Região do Sul e Sudeste do Pará (na concepção fundada nas históricas lutas pela terra que tecem uma questão regional chave). A Região de Carajás é trazida à tona com sua espessura histórica e geográfica, evidenciando os meandros da constituição de sua configuração territorial. Trata-se de uma contribuição original à regionalização da fronteira na Amazônia.

7Maria Goretti da Costa Tavares, no artigo “Turismo e políticas públicas na Amazônia brasileira”, desdobra uma série de questões sobre as políticas públicas de turismo adotadas no âmbito da Amazônia e do Pará, evidenciando o quanto elas são deletérias de um processo de exploração e espoliação das comunidades amazônidas. Algumas evidências interessantes são a perspectiva dos polos ancorando políticas de turismo, colocando certas cidades como centralidades turísticas em detrimento de outros lugares, e o emprego de modelos externos à realidade amazônica, como o da Espanha, sublinhando as lógicas e estratégias em jogo. No entanto, a autora traz desdobramentos relevantes que poderiam qualificar a atividade e corroborar com o processo de desenvolvimento da região.

8“A natureza e a região na Amazônia: zoneamento ecológico-econômico e políticas de desenvolvimento regional”, de autoria de Anna Carolina de Abreu Coêlho, Rafael Gonçalves Gumiero, Sergio Moreno Redón e Andréa Regina de Britto Costa Lopes, demonstra o entrelaçamento entre a questão regional e a questão ambiental e como isso é traduzido em termos de planejamento, muitas das vezes de modo separado ou com pouco diálogo entre as políticas. Verifica-se que o que há é na verdade uma relação muito estreita entre o zoneamento ecológico-econômico e as políticas de desenvolvimento regional muito mais com os interesses do capital do que com as demandas da sociedade regional amazônida. Os autores costuram uma análise instigante sobre as concepções espaço-temporais da Amazônia, desde seus primeiros intelectuais, chegando nas compreensões normativas dadas pelo zoneamento ecológico-econômico e as políticas de desenvolvimento regional, trazendo formas de captura da Amazônia e de seu dito vazio seja no plano teórico-conceitual seja no domínio político-administrativo.

9A tese de que a produção social do espaço urbano de Belém foi viabilizada a partir da desestruturação do setor industrial urbano-regional até então existente, cujo produto é certa lacuna da acumulação de tipo urbano-industrial característica de outras regiões brasileiras, que atrela fortemente a metrópole à uma organização ancorada no setor terciário da emergente economia metropolitana, é tratada no artigo “Ajuste espacial e urbanização desigual: involução industrial e metropolização terciária em Belém” de Tiago Veloso dos Santos. Fica claro as particularidades da metropolização regional amazônica, especialmente vinculadas ao terciário e ao desenvolvimento da infraestrutura, no movimento de implosão-explosão de Belém.

10O artigo “‘Nossa energia tem um Norte’: propostas e (des) encontros no planejamento energético na Amazônia Oriental”, de autoria de Andrey Minin Martin, aborda a produção energética como uma das bases da exploração das potencialidades da Amazônia, desdobrando-se em diversos territórios e narrativas sobre a região. O debate de fundo do trabalho é pensar as transformações que ocorreram entre o processo de planejamento a partir de pesquisa documental e a “ausência” de estruturação do setor energético na Amazônia Oriental, problematizando o papel dos órgãos governamentais, a estreita relação entre esfera política e tecnologias, a instrumentalização da natureza e a nacionalização da produção energética em detrimento das necessidades regionais.

11Muitos ricos questionamentos ficam após a leitura dos artigos desse dossiê. Em que medida a Amazônia insere-se no velho regionalismo e no novo regionalismo, mobilizando-se enquanto questão regional e, ao mesmo tempo, uma espacialidade diferencial das variadas escalas do processo de acumulação do capital? Quais as suas regionalizações internas, quais as suas fronteiras? Amazônia, Norte, Amazônia Oriental, Região de Carajás, os polos de turismo do Pará, região de integração do Xingu, o que essas regionalizações sugerem? Como repensar o conceito de regionalização a partir da realidade da Amazônia, inclusive a ideia mesma de região? Como a Amazônia, em sua particularidade e universalidade, para além do discurso do vazio, potencializa-se como laboratório dos velhos e novos fantasmas da civilização e que caminhos possíveis são encontrados em sua diversidade? As perguntas que ficam são para continuar animando o debate e o espírito crítico nesse ressurgimento do interesse pelas regiões e regionalismo, para lembrar mais uma vez a premissa de Edward Soja! Temos muito a construir e os dois volumes do dossiê de Geografia Regional, frutos do I SINGER – Simpósio Nacional de Geografia Regional, apontam múltiplas frentes importantes de pesquisa.

12Encerro com os agradecimentos aos mestres da nova Geografia regional brasileira e latino-americana, Sandra Lencioni e Rogério Haesbaert; aos editores da revista Confins, que contribuem fortemente para difundir o temário regional a partir do olhar geográfico com seriedade, dedicação e paixão à nossa querida ciência, Hervé Théry e Neli Aparecida de Mello-Théry; e aos intelectuais da fronteira na Amazônia, que propuseram regionalizações de nossa espacialidade diferencial, Maurílio de Abreu Monteiro e Airton dos Reis Pereira. Muito obrigado!

13Boa leitura!

Topo da página

Notas

1 Soja, Edward, “Beyond Postmetropolis”, Urban Geography, n. 32, 2011, p. 451-469.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Eudes Leopoldo, «Geografia Regional: notas introdutórias»Confins [Online], 49 | 2021, posto online no dia 15 março 2021, consultado o 30 julho 2021. URL: http://journals.openedition.org/confins/35241; DOI: https://doi.org/10.4000/confins.35241

Topo da página

Autor

Eudes Leopoldo

Professor da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, (FCH/IETU/PDTSA/PPGPAM/UNIFESSPA), eudesleopoldo@gmail.com

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Topo da página
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Journal supported by the Institut des Sciences Humaines et Sociales (CNRS)
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search