Navigation – Plan du site

AccueilNuméros49Dossiê geografia regional 2Revisitando o regionalismo como f...

Dossiê geografia regional 2

Revisitando o regionalismo como fundamento da questão regional

Revisiting regionalism as the foundation of the regional issue
Revisiter le régionalisme comme fondement de la question régionale
Iná Elias de Castro

Résumés

La proposition de ce texte est de revenir aux débats sur le régionalisme en prenant comme point de départ que toute idée de régionalisme est basée sur un schéma régional, qui dans le cas de l'ancien régionalisme est ancré dans l'idée bien élaborée d'une question régionale, et qu'il n'y a pas de consensus sur la signification et l'opérabilité du concept. Brièvement, deux axes sont empruntés autour desquels se fondent aujourd'hui les discussions et les controverses sur le régionalisme en tant que problème : le « vieux » et le « nouveau » régionalisme. Sur ces axes seront repris ici la discussion sur les conditions nécessaires au régionalisme en tant que concept et en tant que stratégie d'action et la recherche de ses caractéristiques actuelles face aux possibilités de nouveaux enjeux sociaux, politiques et économiques qui s'imposent aux échelles infranationales et supranationales. Alors que l'idée du vieux régionalisme se nourrit du point de vue de la région en tant que question, c'est-à-dire en tant que délimitation spatiale incluant des problèmes ou même des conflits culturels, politiques ou économiques à l'échelle infranationale; le nouveau régionalisme, au contraire, se qualifie par le débat sur la région comme une découpage spatial des innovations et du potentiel économique, se posant aussi à l'échelle supranationale. L’objectif de ce texte est de discuter le régionalisme en tant que problème à différentes échelles et conjonctures, il est divisé en deux parties: dans la première, le débat sur ce qu'on peut aujourd'hui appeler le « vieux » régionalisme et les quelques points autour de ses fondements et justifications. La deuxième partie présente les caractéristiques et les idées centrales du soi-disant « nouveau régionalisme ».

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Versão ampliada da originalmente apresentada no I SINGER/ IETU/UNIFESSPA, na Mesa Redonda: A questã (...)

1Não há temas ultrapassados no debate acadêmico e a falta de reflexão com questões aparentemente superadas é quase sempre enganosa, na medida em que a realidade não obedece necessariamente às idiossincrasias dos pesquisadores1. Apesar de novos problemas com frequência adquirirem visibilidade, não há como ignorar aqueles recorrentes, ou mesmo resilientes pela sua importância. É nessa perspectiva que os problemas conceituais e metodológicos relativos à região e ao regionalismo se inserem. Quaisquer que sejam as definições ou os pontos de partida teóricos a região, seja como recorte espacial de uma realidade econômica ou política ou como construção cultural e intelectual da sociedade, está presente pela necessidade de delimitar operacionalmente territórios para controle estratégico e para gestão. Este território, lembrando Raffestin (1993, p. 144) sobre a diferença em relação ao espaço, “é a prisão que os homens constroem para si”, portanto, socialmente reconhecido porque definido institucionalmente. Ou seja, é delimitado como campo de operação para o poder político e para o econômico, bem como para o poder simbólico elaborado progressivamente pelos atores sociais como base do regionalismo. Grosso modo, região e regionalismo são realidades e conceitos inescapáveis e têm desafiado todos os enunciados que pretendiam reduzir um ou outro ao ostracismo ou mesmo à sua negação. Fenômenos podem sempre ser analisados com os dados e as evidências de um novo tempo.

  • 2 As aspas não serão mais utilizadas ao longo do texto.

2O debate e as controvérsias sobre a região na geografia fazem parte da própria essência da disciplina e não será retomado aqui. O regionalismo, por sua vez, mereceu menos atenção, embora não tenha sido ignorado e tenha voltado à pauta no âmbito da polêmica sobre o novo regionalismo (Keating, 2011; Jonas, 2012). A proposta neste texto é revisitar as discussões sobre o regionalismo tomando como ponto de partida que toda ideia de regionalismo tem por base um recorte regional, que no caso do velho regionalismo ancora-se na bem elaborada ideia de uma questão regional (Castro, 1992), e que não há consenso sobre o significado e a operacionalidade do conceito. De modo muito resumido tomamos dois eixos em torno dos quais se assentam na atualidade as discussões e controvérsias sobre o regionalismo como problema: o “velho” e o “novo”2 regionalismo.

3Nesses eixos serão aqui retomadas: a discussão das condições necessárias ao regionalismo como conceito e como ambiente de ação e a investigação sobre as suas características atuais frente às possibilidades das novas questões sociais, políticas e econômicas que se impõem em escalas subnacionais e supranacionais. Enquanto a ideia do velho regionalismo se nutre da perspectiva da região como questão, ou seja, como recorte espacial continente de problema ou mesmo de conflitos de ordem cultural, político ou econômico na escala subnacional; o novo regionalismo, ao contrário, se qualifica para o debate da região como recorte espacial de inovações e potencialidades econômicas, também na escala supranacional. No primeiro caso, o ponto de partida do conceito é o regionalismo como expressão concreta da territorialidade da cultura, base do discurso da identidade regional, em interação com a economia e a política e revela algumas condições das disputas regionais e das relações entre as diferentes escalas em que a vida social está organizada no território nacional, sendo considerada a política o espaço institucional para o enfrentamento das diferenças e da disputa de interesses ancorados no território regional. No segundo, o regionalismo define um espaço adequado à integração econômica em múltiplas escalas. Em ambos os casos, a disputa de interesses se faz na sociedade e o aparato estatal interposto por ela regula os seus termos.

4A perspectiva de voltar ao tema do regionalismo estimulou o retorno a algumas reflexões e a oportunidade de repensar questões já trabalhadas (Castro, 1992, 1994, 2014) para retomá-las em outros contextos locais, nacionais ou globais. Neste sentido, o objetivo deste trabalho é discutir o regionalismo como problema em diferentes escalas e conjunturas. O texto está dividido em duas partes: na primeira recupero o debate sobre o que hoje pode ser chamado de velho regionalismo e os termos do debate em torno dos seus fundamentos e justificativas. Na segunda parte são apresentadas as características e o debate em torno do chamado novo regionalismo.

Velho regionalismo e os termos do debate

5O regionalismo é uma forma de ideologia política que se fundamenta na identidade regional. Esta, segundo Rotelli (2004, p. 1084) se manifesta como uma atitude de “excessivo interesse e amor pela própria região”, exacerbado no processo histórico de formação do Estado Nacional quando se organizou a “tendência política dos que são favoráveis às autonomias regionais”. A disputa política para a submissão das autoridades locais na consolidação do poder central foi a estratégia necessária para a formação de uma estrutura centralizada de poder sobre o território nacional que, consequentemente, se contrapunha aos poderes dispersos pelos territórios regionais. Assim, mesmo se existe uma base cultural nessa identidade que inclui idioma, religião e um passado comum, a luta política frente ao poder do Estado é a razão da mobilização da sociedade local na defesa de seus interesses, na maioria das vezes, econômicos. Embora a identidade regional resulte de um processo histórico de valorização dos localismos, em alguns casos bem longo (Putnam, 1996; Fawcett, 2004; Newton, 2006; Desideri, 2014), o regionalismo vai além e supõe uma luta por autonomias regionais ou mesmo por emancipação. É, portanto, no confronto entre forças políticas regionais e aquelas nacionais que o regionalismo se configura. Trata-se, em outras palavras, da tensão entre centralização e descentralização do poder de gestão na formação dos Estados nacionais, em muitos países, ainda não completamente resolvida.

6Na Inglaterra, por exemplo, Knöbl (2011) analisa como o chamado “nacionalismo imperial” disfarçou as tensões na sociedade britânica, reveladas quando os nacionalismos irlandês, gaulês e escocês começaram a emergir, em fins dos anos 1960, exigindo o aprofundamento do processo de devolution que significa a transferência de poder e de recursos do governo nacional para o local. No caso inglês, este processo significa a divisão de poderes (administrativo, judicial ou legislativo) entre o governo central e instituições subnacionais e representa uma importante estratégia do poder central para lidar com diferenças territoriais de cultura e as demandas políticas a elas associadas (Painter, 2009).

7Não há, portanto, regionalismo sem um substrato regional e sem disputa de poder, embora nem toda região tenha ambição emancipatória e o processo histórico de formação da região, qualquer que seja o seu recorte, revele que esta é uma escala espacial que confere visibilidade e sentido a um território socialmente construído. Mas, esse processo tendeu a se fortalecer frente aos impulsos unificadores presentes na história da formação dos Estados nacionais a partir de decisões com base em racionalidades econômicas e culturais, o que permite deduzir que identidades regionais se expressam sob diferentes formas de representação simbólica e ideologia. Os critérios de reconhecimento e delimitação da região, no entanto não são simples e nem destituídos de polêmica, mas é possível indicar que a região é um território reconhecido por seus habitantes através dos símbolos identitários mais variados. Nem todo o território é objeto de uma identidade regional, o que não quer dizer que não existam territórios reconhecidos como tal. Enquanto representação da realidade, a região faz parte do imaginário social, mas ela é também um espaço de disputa e de poder, base para essa representação que é apropriada e reelaborada, tanto pela classe dominante como por outros grupos que se mobilizam para defender seus interesses ancorados naquele território particular. Ambos constroem, a partir dele, um conjunto de ideias e conceitos que são reassimilados coletivamente como identidade e que alimentam o caudal das lutas regionalistas (Castro, 1994, 1997; Putnam, 1996).

8Essa identidade, elaborada com um fim específico a partir do substrato regional e incorporada ao imaginário social, constitui uma dimensão do regionalismo, que se manifesta como consciência regional. Lembramos mais uma vez que a história da formação e consolidação dos Estados Nacionais é a própria história dos conflitos regionais, e das maneiras mais ou menos violentas ou sutis de colocá-los sob o controle de um poder centralizado. A persistência das clivagens regionais faz pensar nos recursos que têm sido utilizados para expressar politicamente as diferenças, valorizando-as como questões regionais.

9O regionalismo é aqui entendido como a mobilização política de grupos dominantes numa região em defesa de interesses específicos frente a grupos dominantes de outras regiões ou ao próprio Estado. O que reforça, portanto, o seu caráter de ideologia política que tem por base interesses constituídos e organizados no território regional. Muitos regionalismos se colocam como porta vozes de questões regionais, mas eles podem ser apenas expressões de interesses regionais, o que não deixa de ser legítimo. Não se deve, portanto, confundir interesses de segmentos sociais regionalizados, mesmo que em regiões historicamente periféricas, com questões regionais. Estas são reconhecidas quando o movimento regionalista tem sucesso na aceitação pela agenda política nacional da tese da região como um problema - social, étnico, cultural ou econômico - que deve resolvido pelo conjunto da nação (Castro, 1992).

  • 3 No sentido gramisciano do termo.

10Ainda nessa perspectiva, a organização política do território nacional pode ser percebida também em dois níveis: aquele da administração pública, representada politicamente pelo poder central, através dos instrumentos de intervenção no espaço e aquele que resulta dos interesses que se organizam em locais específicos e que se confronta com a tendência homogeneizadora do poder central do Estado. No primeiro, respaldado pela sociedade política3, ou seja, a estrutura de poder do Estado, configura-se uma divisão do espaço que é funcional à administração territorial das decisões sobre políticas públicas que operam através de instituições de nível local e regional. No segundo, constituído pela fragmentação territorial da sociedade civil, os interesses locais, particulares, confrontam-se, muitas vezes, com aqueles ditos da maioria, ou seja, nacionais. Em situações de normalidade institucional, a sociedade civil se vale das instituições no recorte territorial e utiliza os seus canais para fazer chegar suas reivindicações aos centros de decisão sobre as alocações políticas, que podem ser tanto leis como investimentos econômicos ou sociais.

11Em outras palavras, como as relações de poder entre as escalas local e central nem sempre são tranquilas, as tensões que surgem são, quase sempre, absorvidas pelo sistema político. Em muitos países o federalismo é a estratégia político-administrativa para controlar e reduzir os conflitos territoriais, o que nem sempre tem impedido que as articulações entre política e território se configurem como regionalismos conflituosos como na Espanha, Itália, Bélgica, Inglaterra etc., fundados no confronto entre os interesses particulares de uma sociedade civil territorializada e os interesses gerais (em tese) da sociedade política que controla a estrutura do poder central do Estado.

12Deve ser esclarecido que federalismo e regionalismo são faces da mesma realidade político territorial, podendo mascarar-se mutuamente. No Brasil, o limite das unidades federadas - estados e também os municípios - é um forte marco na instituição dos regionalismos, embora seja a dimensão do federalismo a única considerada na análise dos conflitos do poder local com o central. Há fortes evidências de que no país os regionalismos encontram-se subsumidos no federalismo, com dificuldades para emergirem como tal. A tradição centralizadora da história do país e as alianças dos grupos políticos estaduais e regionais com o poder central têm constituído forte obstáculo à visibilidade das especificidades criadas, ao longo da história, pelas fronteiras estaduais. Afinal, as fronteiras federadas são também fronteiras de territórios civis diferenciados.

13Com relação aos recursos que têm sido utilizados para expressar politicamente as clivagens regionais, como já foi dito, os mais eficientes encontram-se no sistema representativo que permite incorporar os interesses particulares (no caso locais ou regionais) à agenda política nacional, tratando-os como gerais. É neste sentido que todas as formas de regionalismos buscam expressão e visibilidade no sistema político. É a partir dele que suas demandas são encaminhadas. Como já foi dito antes, federalismo e regionalismo não são necessariamente excludentes, mas, ao contrário, reforçam-se e dão legitimidade às estratégias políticas regionais. Na realidade, o sistema representativo nas democracias modernas encontra-se organizado para que demandas sociais, muitas territorializadas, componham a agenda política. Pensar a sociedade sem pensar o seu território é, no mínimo, ingênuo.

14O regionalismo como ideologia política de base regional é inescapável dos termos associados à construção de uma questão regional. Uma região torna-se questão quando sua inserção na organização política e econômica nacional é conflituosa, por demandas étnicas ou culturais, ou quando a reorganização da economia nacional se impõe sobre uma economia regional, desestruturando-a ou, em alguns casos fortalecendo aquelas mais ricas. Portanto, nem toda disparidade regional resulta em uma questão regional, e as regiões que constituem questões não são obrigatoriamente as regiões mais pobres. A Catalunha e o País Basco na Espanha são exemplos dessa situação, enquanto a Escócia e o País de Gales encontram-se no primeiro caso.

15No Brasil, historicamente, a utilização corrente do conceito refere-se à Região Nordeste (Figura 1) e tem sido reivindicado no discurso político regional sobre a pobreza e a exclusão (Castro, 1992). Neste caso, trata-se de ressaltar o componente de responsabilidade política da nação para com as regiões que constituem a questão que se quer dar visibilidade, pois esta é, necessariamente, uma responsabilidade do Estado. Um problema regional, seja econômico ou social, ao contrário, é responsabilidade da administração regional. Em outras palavras, o status de questão desloca a sua solução para um nível político mais alto, isto é, o conjunto da nação. Mais recentemente, desde a emergência do meio ambiente como questão nas últimas décadas do Século XX, não apenas local ou nacional, mas global, a Amazônia brasileira define o enquadramento de uma questão regional que transcende a escala nacional e torna-se possivelmente um caso interessante de superposição do velho e do novo regionalismo Nogueira (2000). Tomando emprestado o insight de Hettne e Söderbaum (1998, p 5) sobre a dinâmica do novo regionalismo, podemos sugerir que se trata de um processo que pode ser descrito em termos de “níveis crescentes de 'região', isto é, o processo pelo qual uma região geográfica é transformada de um objeto passivo para um sujeito com capacidade de articular os interesses da região emergente”.

Figura 1 – Imagem da literatura de cordel do Nordeste.

Figura 1 – Imagem da literatura de cordel do Nordeste.

Fonte: Limaverde, Rafael, 2015.

16Sintetizando esta parte, nas décadas de 70 e 80 do século XX o regionalismo, muito mais discutido na sociologia e na ciência política, era entendido como um movimento político de base regional, com caráter reivindicatório frente ao Estado nacional (Castro, 1992). Se recuarmos um pouco mais temos na geografia política a definição de Jean Gottmann (1952) que via o regionalismo como a tendência de um setor do espaço habitado a se individualizar e, desde que ele tome uma forma política, o regionalismo transforma as regiões em Estados ou outras unidades administrativas (Figura 2). Ou seja, o conceito era fundado na identidade regional – a individualidade da região que Gottmann percebia – e na mobilização política. Esta podia ser de caráter reivindicatório e reforçava a importância do recorte regional no debate político nacional ou separatista, o que reforçava, no limite, a busca pela soberania na formação de um novo Estado-Nação como solução para os conflitos de interesses de base territorial.

Figura 2 – Capa do livro Régionalisme: au bon temps des paysans en Bretagne.

Figura 2 – Capa do livro Régionalisme: au bon temps des paysans en Bretagne.

Fonte: Jigourel, Thierry, 2009.

17O regionalismo requer, portanto, um recorte territorial (a região), a identidade que atribui uma imagem e um valor simbólico a esse território e um fator desencadeador de mobilização política. Este pode ser étnico, religioso, linguístico ou econômico e a mobilização se faz, originalmente, a partir das reivindicações das regiões perdedoras, isto é, aquelas que se viam marginalizadas ou prejudicadas frente à centralização do Estado ao privilegiar outras regiões com mais políticas públicas; neste caso, os movimentos regionalistas são contestatórios e o debate se dá em torno de políticas regionais compensatórias, no caso da economia, ou de maior integração das minorias, no caso da cultura, ou mesmo de mais autonomia decisória e financeira daquelas mais ricas. O Estado central tem sido o interlocutor fundamental do movimento; sendo na alteridade frente ao nacional que os termos dos discursos e das reivindicações regionalistas são definidos. Trata-se de reivindicar mais recursos, mais autonomia e mais justiça territorial distributiva. A desigualdade territorial se coloca como questão que fundamentava o conflito entre o poder central e as regiões perdedoras: na divisão do “bolo” nacional ou na capacidade de fazer ouvir outras vozes fora do centro do poder. Mas também as regiões ricas se colocam como questão na relação que consideram desvantajosa frente à diferença entre o que contribuem em riqueza para o poder central e a proporção justa de retorno em políticas públicas adequadas. Exemplo bem evidente nesta última é a Catalunha (Figura 3).

Figura 3 – Muro com inscrições em catalão.

Figura 3 – Muro com inscrições em catalão.

Fonte: Blog Listen and Learn, 2014.

18O movimento regionalista, portanto, se confronta diretamente com o aparato institucional do Estado e será tanto mais forte quanto mais forem reconhecidas as injustiças espaciais e as condições do Estado Nacional para atendê-lo. Em síntese, o tema do velho regionalismo se impôs mais às comunidades acadêmicas dos países europeus, cujos territórios foram, em sua longa história, palco de disputas identitárias fortemente ancoradas em signos culturais e são tanto mais visíveis quanto mais à cultura se somem disputas políticas e econômicas.

Da globalização ao novo regionalismo

19A partir da década de 80 do século XX, a pressão para as reformas necessárias ao processo de integração da Europa fortaleceu a descentralização e os governos regionais. Nesse processo, o cenário político, diferiu das formas anteriores de descentralização, que eram essencialmente de natureza administrativa e de natureza governamental, configurando um novo regionalismo que estava sendo defendido no contexto da dinâmica da integração europeia. Nesta dinâmica, a competitividade regional em múltiplas escalas estabeleceu novos arranjos nas solidariedades econômicas, fazendo refluir aquelas culturais do passado. Mas, as mudanças também estavam ocorrendo na economia e nos mercados, que estavam cada vez mais se abrindo e se globalizando (Desideri, 2014, p. 45).

20Enquanto o velho regionalismo baseou-se na busca de uma identidade cultural/regional como alteridade e como fundamento de lutas políticas por emancipação frente à centralização do Estado nacional ou por mais justiça territorial, o novo regionalismo reivindica a valorização de espaços regionais como espaços de produção e de geração de riquezas no contexto da globalização e das políticas de revalorização das escalas locais promovidas pelo Banco Mundial.

21Na perspectiva econômica, os acordos comerciais e a formação de blocos regionais são condições importantes para a emergência de espaços regionais integrados por fluxos de capitais e de mercadorias. Reis, Azevedo e Lélis (2014) focam no número de Acordos Preferenciais de Comércio (APC) notificados à Organização Mundial de Comércio (OMC) nas últimas décadas como indicador de um novo regionalismo em países com diferentes níveis de desenvolvimento. Na perspectiva da geografia econômica e da economia regional, o novo regionalismo é a expressão dos territórios organizados pelos fluxos de capital, de mercadorias e de gestão a partir das cidades globais (Figura 4).

Figura 4 – O novo regionalismo

Figura 4 – O novo regionalismo

Fonte: https://www.educabras.com/​media/​aula_files/​aula%20geografia/​comercio%20exterior-peq.jpg

22Neste sentido, se o velho regionalismo foi a resposta às injunções de um tempo político de controle territorial necessário à competição regional na Europa, o novo regionalismo é a resposta a um novo tempo, este agora de competição capitalista globalizada e da emergência de novas territorialidades mobilizadas por atores econômicos e políticos atuando em múltiplas escalas. O que não quer dizer que a competição econômica não estivesse presente no período anterior, mas esta se dava muito mais fortemente na escala subnacional, nem tampouco que o novo regionalismo prescinda da regulação e gestão do Estado sobre o território. Mas os novos regionalismos que inventam espaços regionais revalorizados pela governança e integração com instituições supra estatais e multi-escalares têm impacto importante sobre os espaços regionais, tanto no centro como na periferia do sistema internacional.

23Para Hettne e Söderbaum (1998, p. 1), compreender o regionalismo hoje requer perceber que se trata de um fenômeno qualitativamente novo. “O 'novo regionalismo' refere-se (pois) a um fenômeno, ainda em formação, que começou a surgir em meados da década de 1980”. Para os autores, apesar da tendência renovada e do sentimento de ser algo já conhecido, o contexto e o conteúdo do regionalismo mudaram. A onda recente do novo regionalismo deve ser relacionada às transformações correntes do sistema global, associadas ou causadas por transformações estruturais frequentemente inter-relacionadas, sendo a mais importante o reordenamento da economia política global em três grandes blocos: União Européia (UE), Área de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) e Ásia-Pacífico, todos baseados em diferentes formas de capitalismo. Ainda para os autores, a erosão do sistema de Estado-nação e o crescimento da interdependência econômica, social e política e do transnacionalismo que desencadearam novos padrões de interação entre governos e atores não estatais são fatores explicativos do processo. Neste sentido, o novo regionalismo é um fenômeno verdadeiramente mundial, que está ocorrendo em mais áreas do mundo do que nunca (Hettne e Söderbaum, 1998, p. 5). Embora os autores tenham seguido a corrente que enxergava nessas inovações o enfraquecimento do Estado Nação, os anos seguintes mostraram que mesmo o sistema econômico global também precisa da regulação nos espaços nacionais.

24Considerar a aceleração da competitividade globalizada a partir das últimas décadas do século XX e as questões que surgem nos novos ambientes global e nacional conforma outro paradigma para análise. Também a integração entre territórios produtivos em diversas partes do mundo e o avanço tecnológico que possibilita comunicação e transações financeiras em tempo real permite integrar economias locais entre si, inclusive fora da tríade Europa, Ásia e América do Norte. Além disso, os processos de descentralização político e financeiro ajudam a fortalecer esta forma de integração.

25Ward e Jonas (2002) discutem a noção de regionalismo competitivo que ganhou importância no pensamento político global dominante e chamam a atenção para as evidências de que o regionalismo continua a assumir formas nacionalmente específicas. Eles apontam como a política territorial e as estruturas territoriais estatais foram muitas vezes consideradas de importância secundária para a análise de novas supostas estruturas de governança regionalista. Nessa abordagem, a valorização da região é, em grande parte, apoiada em evidências empíricas que oferecem perspectivas sobre a reterritorialização da economia capitalista e confirma o ressurgimento das regiões e a “abordagem global-regional'' na análise da geografia econômica. Em sua revisão do tema, os autores observam que o surgimento do novo regionalismo parece coincidir com o ressurgimento de outra forma territorial, a da cidade-região. Para eles, o interesse no debate sobre cidades-regiões ressurgentes está relacionado às suas implicações para a geografia política das cidades, para as áreas metropolitanas e para as regiões e, por sua vez, para a sua relação com políticas nacionais de desenvolvimento. Evidentemente, o novo regionalismo e as idéias relacionadas à cidade criativa influenciaram as arenas de política territorial em todo o mundo. Mas os autores ressalvam que a ênfase na competição e custos de transação da nova geografia econômica ignora o papel das relações sociais de produção, consumo e reprodução na produção e manutenção de aglomerações urbano-regionais e seus interesses. No texto, há ainda a crítica à interpretação neo-Smithiana do regionalismo focado na cidade como sintomático da ideia do ator racional no espaço econômico. E concluem que o regionalismo da cidade competitiva é mais bem entendido como uma luta contínua pelo controle do espaço, em vez de uma nova forma emergente de competição e desenvolvimento territorial capitalista (Ward e Jonas, 2002, p. 2120).

26Na vertente da geografia crítica, Keating (2008) chama a atenção para necessidade refletir sobre como as abordagens relacionais de local e região que podem lançar luz sobre o Estado e a política territorial. Para o autor, um exame superficial das literaturas de desenvolvimento regional revelaria que as questões de territorialidade e política territorial do Estado geralmente eram secundárias nos discursos de globalização, de competição e de desenvolvimento econômico. Podem-se encontrar muitas afirmações de que regiões (e cidades-regiões) estão se tornando mais competitivas, eficientes ou resistentes do que o Estado-Nação. Contudo, para o autor, tais afirmações são frequentemente feitas na ausência de qualquer discussão crítica sobre o papel do poder central e da política territorial e chama a atenção para a existência de diversas escolas de pensamento do novo regionalismo como: pensamento neo-regionalista nas relações internacionais, na política comercial, no funcionamento da política cidade-regional e administração pública na escala subnacional (Keating, 2008, 266).

27Peacock e Steiner (2004) apontam que é crucial entender o novo regionalismo como um processo complexo de mudança que ocorre simultaneamente nos vários níveis de análise: o nível do sistema global; o nível das relações inter-regionais; a estrutura interna da região (incluindo os Estados-Nação, grupos étnicos subnacionais e microrregiões transnacionais). Para os autores não é possível afirmar quais dos níveis dominam, porque os processos nos vários níveis interagem e sua importância relativa difere de uma região e período para outro. Grande parte do debate contemporâneo gira em torno da intrigante relação entre globalismo e regionalismo. Ou seja, trata-se, como já dito anteriormente, de um processo de regionalização que ocorre nos termos das transações econômics globais.

28Os novos regionalismos podem ser vistos, portanto, como espaços de disputa para o capital que circula globalmente e, como toda injunção econômica, certamente tendem a ser menos resilientes que aqueles do velho regionalismo. Talvez o termo de regionalismo não seja necessariamente adequado, uma vez que se trata um novo ordenamento de espaços produtivos mais competitivos em escala global buscando estabelecer um discurso que se propõe a reunir forças locais em torno de um novo objetivo comum entre capital internacional e interesses de atores locais. As próximas décadas poderão revelar a força desse novo tipo de ordenamento e do discurso que lhe confere legitimidade.

Considerações finais

29A ideia da questão regional, como proposta no título, é evidenciada nos discursos e ações para fortalecer o conjunto de símbolos e imagens que fortalecem a importância do recorte regional e a identificação que a sociedade deve ter com este espaço. A região emerge, pois, dessas ações como continente de valores a serem preservados e defendidos contra algum tipo de ameaça externa. Sendo espaço de vida, a ideia de que o que é bom para a região é bom para seus habitantes é o mote subsumido na defesa dos interesses regionais. A questão é, portanto, sempre uma construção que objetivamente reverte para a disputa política como fator de adesão ao que seria uma causa comum. Esta pode ser econômica, cultural ou política.

30Neste sentido, apesar do aparecimento do chamado novo regionalismo, espaço das regiões econômicas, reivindicado pelas políticas de integração econômica como imperativo da competição global, os espaços dos velhos regionalismos não desapareceram. Estes continuam vivos e convivem e/ou competem com aqueles novos espaços regionais. Este é um campo ainda aberto à investigação e controvérsias. Portanto, a tarefa para a pesquisa é identificar essas diversas modalidades e compreender sua dinâmica atual.

31As pesquisas e discussões sobre o tema ainda se concentram preferencialmente nos países europeus, onde as identidades regionais são mais consolidadas e mobilizadas politicamente. O que não quer dizer que não haja movimentos regionalistas fora da Europa ou que este seja um tema de interesse apenas europeu.

32No Brasil, a tradição centralista da colônia e do Império, que não foi revertida com o federalismo de difícil gestão na República, evidencia o paradoxo da importância das discussões sobre a região e a pouca atenção ao tema do regionalismo. Apesar da existência de identidades regionais, o regionalismo tem sido mais estudado na literatura e na ciência política do que na geografia. Na ciência política, onde o tema foi mais trabalhado, os espaços dos regionalismos são muitas vezes tratados nos limites das unidades da federação e sua disputa política com o poder central. Na geografia brasileira a atenção dada às regiões e aos estudos de regionalização é bem maior do que aquela que é dada aos regionalismos, exceção às discussões sobre a Região Nordeste e mais recentemente à Amazônia. Este é, portanto um campo ainda aberto à geografia política brasileira.

Haut de page

Bibliographie

Referências

Castro, I. E., O mito da necessidade. Discurso e prática do regionalismo nordestino. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 247 p., 1992.

Castro, I. E., "Imaginário político e território: natureza, regionalismo e representação" In Castro, I. E., Correa, R. L., Gomes, P. C. C. (org) Explorações Geográficas. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1997.

Castro, I. E., “Visibilidade da região e do regionalismo. A escala brasileira em questão” In Lavinas, L., Carleial, L., Nabuco, M.R. (org.), Integração, região e regionalismo. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1997.

Fawcett, L., “Exploring regional domains: a comparative history of regionalism”, International Affairs 80, 3, p. 429-446, 2004.

Desideri, C., “A Short History of Regionalism in Italy since the Republican Constitution. Italian Regionalism and Its Evolution” In: Mangiameli, S. (edit), Italian Regionalism: Between Unitary Traditions and Federal Processes Investigating Italy’s Form of State. Springer, National Research Council, Roma, Pp: 35-65, 2014.

Gottmann, J., La politique des États et leurs géographie. Paris, Armand Colin, 1952.

Hettne, B., Söderbaum, F., “The New Regionalism Approach”, Politeia, v.17, n.3, 1998.

Knöbl, W., “Nacionalismo e religião na Grã-Bretanha do século XX”,  Tensões Mundiais, v. 8 n.14, p.19-52, 2011.

Mangiameli, S., (edit), Italian Regionalism: Between Unitary Traditions and Federal Processes Investigating Italy’s Form of State. International Publishing Switzerland, Springer, 2014.

Newton, D., North-East England, 1569–1625 Governance, Culture and Identity, Newcastle, The Boydell Press, 2006.

Nogueira, R., “Amazônia e questão regional: um regionalismo sufocado”, Somanlu, v.1, n.1, 2000.

Putnam, R. D., Comunidade de democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro, FGV, 1996.

Painter, J., “Devolution” In Gregory, D. e al. (org), The dictionary of human geography. 5ed., Wiley-Blackwell, 2009.

Peacock, J., Steiner N., “Regionalism in the Age of Globalism” In (edit) Hönnighausen, L., Frey, M., Concepts of Regionalism, vol.1, 2004.

Raffestin, C., Por uma geografia do poder. São Paulo, Ática, 1993.

Reis, M.; Azevedo, A.; Lélis, M., “Os Efeitos do Novo Regionalismo sobre o Comércio”, Estudos Econômicos, São Paulo, vol. 44, n.2, p. 351-381, abr.-jun. 2014.

Rotelli, Ettore, “Regonalismo”, In Bobbio, Norberto et al., Dicionário de Política, 5a ed. Editora UNB, p.1084-1087, 2004.

Ward, K.; Jonas, A., “Competitive city-regionalism as a politics of space: a critical reinterpretation of the new regionalism”, Environment and Planning A, volume 36, p. 2119 - 2139, 2004.

Haut de page

Notes

1 Versão ampliada da originalmente apresentada no I SINGER/ IETU/UNIFESSPA, na Mesa Redonda: A questão regional e perspectivas de análise em Geografia: contribuições teórico-metodológicas. 26/04/1019.

2 As aspas não serão mais utilizadas ao longo do texto.

3 No sentido gramisciano do termo.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Imagem da literatura de cordel do Nordeste.
Crédits Fonte: Limaverde, Rafael, 2015.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35256/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 53k
Titre Figura 2 – Capa do livro Régionalisme: au bon temps des paysans en Bretagne.
Crédits Fonte: Jigourel, Thierry, 2009.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35256/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 3 – Muro com inscrições em catalão.
Crédits Fonte: Blog Listen and Learn, 2014.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35256/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 187k
Titre Figura 4 – O novo regionalismo
Crédits Fonte: https://www.educabras.com/​media/​aula_files/​aula%20geografia/​comercio%20exterior-peq.jpg
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35256/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 119k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Iná Elias de Castro, « Revisitando o regionalismo como fundamento da questão regional »Confins [En ligne], 49 | 2021, mis en ligne le 15 mars 2021, consulté le 20 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/35256 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.35256

Haut de page

Auteur

Iná Elias de Castro

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), inacastro@uol.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search