Navigation – Plan du site

AccueilNuméros49Serviços ecossistêmicos e sua imp...

Serviços ecossistêmicos e sua importância para a dinâmica e conservação do Pampa: uma análise da categoria familiar na fronteira Sant’Ana do Livramento/BR e Rivera/UY

Ecosystem services and its importance for the dynamics and conservation of the Pampa: an analysis of the family category in the border of Sant’Ana do Livramento/BR and Rivera/UY
Services écosystémiques et leur importance pour la dynamique et la conservation de la Pampa : une analyse de la catégorie familiale à la frontière Sant’Ana do Livramento/BR et Rivera/UY
Tatiane Almeida Netto et Roberto Verdum

Résumés

Le processus de mondialisation, depuis la fin du XXe siècle, a amené une nouvelle logique industrielle, guidant le secteur agricole de la Pampa avec la présence d'entreprises agro-industrielles transnationales, modifiant les structures économiques, sociales et culturelles, à l’échelle locale et régionale, augmentant les zones de conversion des champs herbacés en cultures: soja, maïs, riz et arbres exotiques. Dans ce contexte, l’article vise à exposer l'importance de l'agriculture familiale dans un processus de préservation et d'entretien des zones rurales indigènes, compte tenu des transformations sociales historiques, des interactions et des dynamiques agraires. La démarche méthodologique est basée par des instruments tels que la documentation géo-historique de la région, la recherche bibliographique, l'observation directe et les entretiens semi-structurés avec des informateurs qualifiés dans les aires protégées et autour de l'Aire de Protection Environnementale (APA) d'Ibirapuitã, au Brésil, et à Valle del Lunarejo, au Uruguay. A propos de cette démarche, on utilise la méthode dialectique et l'approche qualitative pour l'analyse des données. Cette étude considère l'importance de l'agriculture familiale pour la préservation et la conservation de la Pampa, ainsi que le maintien des services écosystémiques, la fourniture, la réglementation, la culture et le soutien au développement rural. En conséquence, l'adoption de nouvelles stratégies de reproduction sociale est mise en évidence, comme la multifonctionnalité orientée vers l'augmentation de la génération de produits coloniaux et le tourisme rural, qui sont les stratégies les plus adoptées aujourd'hui. Les pâturages indigènes restants (champs herbacés – campos) sont liés à l'élevage familial et ils appartiennent au sujet social qui les développent. Dans ce sense, il est nécessaire développer des politiques publiques de reconnaissance et de valorisation de ce champ et de cette pratique agricole, ainsi que valoriser l'écosystème de la Pampa.

Haut de page

Texte intégral

1O Pampa sempre esteve associado à produção da pecuária, principalmente vinculado à bovinocultura extensiva, devido as suas paisagens (planícies e coxilhas) e suas caraterísticas de ocupação histórica, entretanto o processo de globalização, desde final do século XX está acarretando uma nova lógica industrial, orientando um novo setor agrícola com a presença de empresas agroindustriais transnacionais. Inserem-se no espaço do Pampa um novo padrão técnico refuncionalizando e modificando as estruturas econômicas, sociais e culturais, até então vigentes (FERNANDÉZ e CARÁMBULA, 2012; SANTOS, 1998).

2Nesta linha, essa região está sendo visualizado pelo modelo produtivista como uma fronteira agrícola a ser desbravada, um espaço para o desenvolvimento de um modelo de agricultura vinculado a uma estrutura fordista e tecnológica, com pacotes difundidos e exigidos pelas empresas processadoras de alimentos, aumentando com isso as áreas de reconversão para lavouras, sejam de: soja, milho, arroz e árvores exóticas. Esse processo de reconversão proporciona a perda de potencial produtivo, reduzindo as áreas de campo nativo, causando prejuízos à biodiversidade, influindo no fluxo de serviços ecossistêmicos e, ainda, se submetendo a uma atividade agrícola dependente das oscilações de preços do mercado internacional e vulnerável aos riscos climáticos, com períodos de secas e inundações frequentes.

3A agricultura familiar desenvolvida é representada por agricultores familiares que têm na bovinocultura de corte sua principal atividade, não apresenta significativas modificações na sua forma de exploração, sendo a pecuária extensiva e dependente basicamente dos recursos naturais. Assim como a pecuária familiar, outras formas de produção primária familiar também são empreendidas neste território, formas estas, que estão sendo invisibilizadas/marginalizadas pela perspectiva imposta de um modelo de desenvolvimento agropecuário agroexportador, voltado principalmente as grandes empresas produtoras de commodities, particularmente oleaginosas.

4O manejo do campo nativo, prática dos pecuaristas familiares e representativo de seu modo de vida, proporciona a preservação da biodiversidade deste ecossistema. Utiliza-se de uma riqueza fitogenética oferecida pela natureza e sem custos para a sua produção, sendo esta uma grande vantagem do ponto de vista econômico; a produção de proteína animal, sem a intensificação dos sistemas de produção, apenas um manejo adequado deste campo nativo proporciona a produção social do pecuarista familiar (CARVALHO et al., 1998; NABINGER, 1998; NABINGER et al., 2009).

5Na medida em que o manejo no campo nativo trabalha na perspectiva da preservação da biodiversidade e compreende que esta prática vai além da pecuária, proporcionando serviços ecossistêmicos para a população, percebe-se um enfoque agroecológico em um manejo pastoril que propicie o convívio de uma atividade econômica rentável, com a conservação de um patrimônio ecológico e cultural para as atuais e futuras gerações.

6Na perspectiva agroecológica, temos um enfoque na agricultura mais relacionado ao meio e mais sensível socialmente, se busca a produção, mas também a sustentabilidade ecológica do sistema de produção, que vai muito mais além da unidade de base familiar, abrangendo a biodiversidade e o potencial produtivo dos ecossistemas.

7O recorte espacial desta pesquisa é relativo ao Município de Sant’Ana do Livramento, no Brasil e ao Departamento de Rivera no Uruguai. Tendo em vista que as transformações na dinâmica agrária no Pampa afetam os serviços ecossistêmicos, a pesquisa demanda um estudo de abordagem territorial para que se identifique a dialética existente entre os diversos atores sociais em disputa de poder, regidos pela nova ordem econômica de desenvolvimento agroindustrial.

8A partir da Avaliação Ecossistêmica do Milênio observa-se a existência de pesquisas voltadas ao entendimento dos serviços ecossistêmicos e frente a esta temática o objetivo do presente estudo é analisar a importância da pecuária familiar na contribuição dos serviços ecossistêmicos, em um processo de preservação e manutenção das áreas de campo nativo, considerando as transformações históricas sociais, as interações e as dinâmicas agrárias presentes na fronteira Brasil/Uruguai.

1.Metodologia

9Neste estudo se considera a pesquisa em sua natureza empírica como um estudo de caso, onde se investiga um fenômeno social contemporâneo dentro de seu contexto. Adotamos a abordagem metodológica de estudo de caso com intuito de explorar as análises que permitam detalhar o conhecimento e descrever os serviços ecossistêmicos resultantes dos sistemas produtivos dos agricultores familiares, presentes no espaço agrário da fronteira do município de Sant’Ana do Livramento/BR e Departamento de Rivera/UY.

10Segundo Yin (2010) um estudo de caso compreende “uma investigação empírica que investiga um fenômeno em profundidade e em seu contexto de vida real, especialmente quando os limites entre o fenômeno e o contexto não são claramente evidentes” (YIN, 2010, p. 39).

11Portanto, o estudo se caracteriza como exploratório, descritivo e explicativo, utilizando o método dialético e a abordagem qualitativa para a análise dos dados. O método dialético é abordado frente a uma visão do conjunto das dinâmicas agrárias presentes na fronteira Brasil/Uruguai, resultante das transformações históricas, políticas e sociais. E para avaliação dos Serviços Ecossistêmicos é imprescindível considerar todas as partes do sistema ecológico de interesse, avaliando os contextos sociais e políticos em que os serviços ecossistêmicos estão sendo investigados (WALLACE, 2007; FISHER, 2007).

12Elegeu-se a abordagem qualitativa por tratar de uma realidade social, trabalhando-se um universo de atitudes, de diversidade nas relações sociais, de conflitos e acordos a partir de uma realidade, onde para Minayo (2004), se faz importante a utilização de dois instrumentos para uma pesquisa de campo: a observação direta registrada em diário de campo, bem como o instrumento da entrevista.

13A categoria de análise utilizada é o território, o espaço usado definido por Santos (1998) fruto das relações econômicas e sociais e em constantes jogos de poder e disputas de espaços políticos, culturais e econômicos.

14Para responder ao objetivo do estudo adota-se a entrevista como instrumento de pesquisa para identificar as narrativas dos pecuaristas familiares frente às suas práticas diárias/modo de vida e a contribuição para os serviços ecossistêmicos. Os informantes qualificados foram indicados pelos técnicos da região, UDELAR e EMATER e, portanto, não se constitui em uma amostra estatística, mas em uma estimação de opiniões, mediante um conjunto qualificado de pessoas selecionadas para descrever as transformações no espaço na última década e a gestão dos recursos naturais na propriedade.

15Ao classificar os serviços ecossistêmicos (SE) busca-se contribuir com as decisões sobre a biodiversidade para a gestão de recursos naturais. Em síntese, a classificação dos SE deve considerar pelo menos três variáveis: (a) o tipo e as características do ecossistema; (b) o contexto espacial e temporal em que está inserido o ecossistema; (c) os tomadores de decisão que gerenciam esse ecossistema. Os serviços ecossistêmicos são resultados de interações complexas entre espécies e seu meio; padrões complexos de uso e utilização; e várias percepções dos beneficiários (WALLACE, 2007; FISHER, 2007).

16Para o desenvolvimento da pesquisa qualitativa se utilizam diversos instrumentos, tais como: revisão teórica, pesquisa de campo, coleta de dados em fontes primárias e secundárias. A metodologia que será empregada e os instrumentos mobilizados são constituídos em:

17- Revisão bibliográfica e documental referente aos serviços ecossistêmicos de campo nativo.

18- Pesquisa de campo sob a forma de entrevistas semiestruturadas com 6 (seis) informantes qualificados em áreas protegidas e no entorno da APA do Ibirapuitã/BR e no Valle del Lunarejo/UY e a observação sistematizada nas visitas a campo, na área empírica (fronteira Sant’Ana do Livramento/BR e Departamento de Rivera/UY). Na figura 1 observam-se a área de estudo da pesquisa e a indicação das áreas protegidas, denominadas: APA do Ibirapuitã/BR e Valle del Lunarejo/UY.

1.1 Área de estudo

19A área de estudo, fronteira Sant’Ana do Livramento/BR e Departamento de Rivera/UY, compreende a ecorregião denominada Savana Uruguaia (Uruguayan Savanna), uma das 867 unidades biogeográficas reconhecidas por Olson et al. (2001), correspondendo à metade sul do estado do Rio Grande do Sul (Brasil) e ao Uruguai, uma área aproximada de 363.000 km².

20A ecorregião Savana Uruguaia, corresponde a uma das ecorregiões terrestres definidas como um conjunto geograficamente distinto de espécies, comunidades naturais e condições ambientais, nas quais importantes processos ecológicos e evolutivos interagem (OLSON, 2001; DINERSTEIN et al, 1995). Morrone (2001) afirma que a ecorregião apresenta um estado crítico de conservação e está incluída em uma prioridade de conservação moderada e alta, possui algumas áreas preservadas e isoladas, devido à presença da pecuária.

21A categoria de agricultura familiar nos dois países em estudo, Brasil e Uruguai, são diferentes em termos de tamanho da unidade de produção, mas ambos mantêm a definição fundamentada na forma de produção que utilizam mão de obra familiar e gestão com a presença da família.

22Frente as modificações na dinâmica agrária, no período dos anos de 1980 a 1990 aumenta-se a área de pastagens artificiais em 32%, consequentemente, aumenta-se o uso de adubação química e das áreas em processo de erosão do solo (DINERSTEIN et al., 1995; MORRONE ,2001). Portanto, a área de estudo abarca duas unidades de conservação, a Área de Proteção Ambiental do Ibirapuitã (APA do Ibirapuitã) e a Paisagem Preservada Vale do Lunarejo (Valle del Lunarejo) que desenvolvem um importante papel na conservação da biodiversidade, programas de educação ambiental e manejo conservacionista das propriedades rurais.

23A Área de Proteção Ambiental do Ibirapuitã, criada em, 20/05/1992, está localizada na região sudoeste do Estado do Rio Grande do Sul (Figura 1), entre as coordenadas aproximadas 55°29'W a 55°53'W e 29°05'S a 30°51'S, totalizando 318.767,07 hectares. Deste total, 15,22% (485.181 km2) encontram-se no município de Alegrete, 12,22% (389,440 km2) em Quaraí, 56,81% (1.810,860 km2) em Sant'Ana do Livramento e 15,75% (502,190 km2) em Rosário do Sul. O perímetro da APA circunscreve a porção central superior da bacia hidrográfica do rio Ibirapuitã, da qual ocupa cerca de 47,4% da superfície. Seus limites chegam até a fronteira com o país vizinho Uruguai (Plano de Manejo APA Ibirapuitã, 1999). Os trabalhos de gestão da APA estão direcionados à proteção ambiental, à informação ambiental e ao regramento do uso de parte dos recursos naturais existentes nas propriedades rurais. A produção de pecuária extensiva sobre campo nativo predomina e é a área mais conservada da unidade de conservação.

24A Paisagem Preservada Valle del Lunarejo (Figura 1) ingressou no Sistema Nacional de Áreas Preservadas fins de 2009. Inclui 29.286 hectares de propriedade privada e do Instituto Nacional de Colonização. Em 2009 foi firmado o convênio entre o Ministério da Habitação, Ordenamento Territorial e Meio Ambiente (MVOTMA) e a Intendencia Departamental de Rivera que regulamenta as ações de gestão da área (Site Ministério de Turismo Uruguai, 2015). O Valle del Lunarejo é considerado, em seu Plano de Manejo (2015), uma área de desenvolvimento social e econômico que tem a economia sustentável baseada na pecuária, agricultura e turismo. Entre seus objetivos de gestão se identificam a conservação dos campos sobre basalto, mediante à implantação de boas práticas e manejo do campo nativo, e a contribuição ao desenvolvimento local, promovendo a diversificação produtiva e o turismo sustentável.

Figura 1 - Localização da área de estudo, fronteira do município de Sant’Ana do Livramento/BR e Departamento de Rivera/UY.

Figura 1 - Localização da área de estudo, fronteira do município de Sant’Ana do Livramento/BR e Departamento de Rivera/UY.

Fonte: NETTO, 2020.

2.Resultados e discussão

25As modificações na dinâmica agrária sobre o ecossistema do Pampa causam degradação dos elementos da natureza e redução da biodiversidade, com reflexos no bem-estar humano e na conciliação dos componentes econômicos, sociais e ambientais. A partir da Avaliação Ecossistêmica do Milênio, observa-se a existência de pesquisas voltadas ao entendimento dos serviços ecossistêmicos.

26A análise da paisagem das propriedades rurais in loco, identificando o uso do solo, a divisão em piquetes no campo, a presença de corredores de fauna, os refúgios para sombra e água, as áreas de conflito (por exemplo, com a silvicultura) e a presença de áreas protegidas por legislação (Valle del Lunarejo e APA do Ibirapuitã), juntamente com as entrevistas semiestruturadas, permitiram identificar os serviços ecossistêmicos realizados pelos pecuaristas familiares.

27Dentre os serviços ecossistêmicos foi possível identificar aqueles ditos de provisão, regulação e culturais. Os serviços de suporte não foram considerados, pois analisam o ciclo de vida de espécies migratórias e a diversidade biológica, que são riquíssimos no Pampa e que foram mencionados pelos informantes qualificados, entretanto, divergem de uma análise tendo como referência o conceito de território usado, no sentido da produção e do modo de vida.

28Esse resultado condiz com o estudo desenvolvido por Martinez et al. 2017 que apresentam a agricultura de base familiar da região sul do Rio Grande do Sul, com destaque na conservação e melhoria do solo, na manutenção da biodiversidade, na regulação das condições climáticas, no fornecimento de alimentos, na reprodução sociocultural, na conservação de áreas de preservação permanente e fragmentos de vegetação natural.

29Os serviços de provisão são identificados na própria produção que se caracteriza por bovinocultura associada à ovinocultura (Figura 2). Aqui cabe destacar o desenvolvimento econômico prioritário do Pampa, fundamentado na bovinocultura/ovinocultura de corte estruturadas de forma extensiva, com estrutura fundiária de médias e grandes propriedades e que se mantém predominantemente nesta lógica, até hoje, devido à racionalidade específica destes sujeitos que asseguram um padrão de vida satisfatório e sem risco, embasadas nas características geográficas da região e na sua formação cultural (ROCHA, 2000).

30Estudos apontam que a superfície campestre do Pampa tem diminuído 1% ao ano, sendo que existem localidades em que a substituição de campo por lavouras e árvores exóticas atinge até 10% ao ano. As áreas de campo nativo que permanecem intactas se apresentam, em muitas vezes, fragmentadas em manchas esparsas (BILENCA e MIÑARRO, 2004).

31Segundo as entrevistas, os pecuaristas familiares adotam a pecuária por tradição e por lucro, acreditam na rentabilidade da atividade e, portanto, adotam estratégias que visam aumentar a produtividade, observando ainda que continuam a adotar a pecuária como poupança frente aos riscos climáticos. Embora, reconheçam que em outros tempos, a ovinocultura já foi mais rentável, mas que atualmente, está em crescimento.

32Ao relacionar os serviços ambientais de provisão condicionados ao modo de produção do pecuarista familiar, frente ao seu modo de vida, pode-se apontar: a produção da carne ovina e bovina, o leite, e a produção do couro e da lã. Itens estes também apontados pelos produtores como benefícios positivos, vinculados à produção animal extensiva e gerados pelos ecossistemas locais para o bem-estar humano.

33Ademais, os produtores destacam o reduzido risco na atividade pecuária e na produção de forragem, que resultam em carne saborosa e de qualidade, com custo zero em ração. Portanto, contribuem na redução de áreas cultivadas com agricultura, preservando o campo nativo e relacionando diretamente aos serviços de provisão, na medida em que se condicionam à provisão de matéria-prima (couro, lã), alimentos (leite, carne) e água.

Figura 2- Serviços de provisão. A, C e D no Departamento de Rivera e B em Sant’Ana do Livramento.

Figura 2- Serviços de provisão. A, C e D no Departamento de Rivera e B em Sant’Ana do Livramento.

Fonte: Verdum e Netto, 2019.

34Em relação à provisão dos serviços ecossistêmicos hídricos identificamos as práticas de gestão ambiental, como o manejo de campo nativo nas atividades de ajuste da capacidade de carga animal como beneficiários dos recursos hídricos. A técnica de diferimento de potreiros se faz útil para formar reserva de forragem, proporcionando uma diversidade de espécies vegetais para os animais. Neste sentido, para os bovinos selecionarem ativamente o seu alimento, é preciso estimular a utilização de todas as espécies presentes, pois a seleção que eles fazem, condiciona radicalmente a composição de plantas no campo (Figura 3).

35Um dos entrevistados relata a importância de conhecer o campo para saber o real momento de inserir os animais no piquete. Também aponta que, antes colocava uma cabeça por hectare e agora coloca de três a quatro cabeças por hectare, identificando claramente as vantagens do campo nativo, que teria mais pastagem disponível ao gado. “É possível aumentar a produção, porque se aproveita melhor a pastagem e, ainda, se preserva o campo nativo”.

Figura 3- Propriedade rural no município de Sant’Ana do Livramento, em que se adota a técnica de diferimento, a divisão em piquetes.

Figura 3- Propriedade rural no município de Sant’Ana do Livramento, em que se adota a técnica de diferimento, a divisão em piquetes.

Fonte: Verdum e Netto, 2018.

36As chamadas tecnologias de processos adotadas nas propriedades são os devidos manejos de campo nativo, adotados pelos proprietários, e que independem de recursos financeiros, nas quais as técnicas de diferimento e o ajuste de carga animal contribuem para otimizar e conservar as pastagens nativas. Moojen (1991) assinala que o diferimento realizado em diferentes épocas do ano contribui para a promoção de distintas espécies na pastagem, garantindo assim, a diversidade florística do ambiente pastoril.

37Entretanto, se faz importante observar que os atributos hidrológicos são diretamente afetados pelos ecossistemas à medida que a água se move na paisagem. Ao afetar cada atributo, processos ecossistêmicos melhoram ou degradam o fornecimento de serviços hidrológicos, ou seja, em um ecossistema distinto, diferentes processos eco-hidrológicos podem ter efeitos concorrentes no mesmo atributo ou ter simultaneamente resultados positivos e negativos (BRAUMAM et al 2007).

38Assim, é fundamental considerar que a área de pesquisa se situa num corredor ecológico/biológico que interliga o sistema de Coxilha de Haedo, do Sul do Brasil e Uruguai, conectando espécies subtropicais de fauna e flora do sul, espécies estas muitas em extinção, segundo o Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção (ICMBio, 2018) e o Livro de Especies prioritarias para la conservación en Uruguay (2013), localizadas junto à APA do Ibirapuitã e ao Valle del Lunarejo Entre as espécies destacam-se em comum nos países, pelo grau de vulnerabilidade, a fauna composta pelo tamanduá-mirim (Tamandua tetradactyla); quati (Nasua nasua); lobo-guará (Chrysocyon brachyurus) e tuco-tuco (Ctenomys sp), assim como representantes da flora: Hippeastrum angustifolium, Annona emarginata (ariticum –mirim), Eryngium dorae (gravatá ou caraguatá), Butia odorata (Butiá), entre outros (RIO GRANDE DO SUL, 2014; SOUTULLO e MARTÍNEZ-LANFRANCO, 2013).

39No território Uruguaio o conceito de preservação de biodiversidade se associa ao conceito de preservação da paisagem, somando-se aos anos de interação das atividades humanas, fundamentalmente de uso pecuário extensivo e preservação do meio. Aos atributos da paisagem se somam importantes valores históricos e culturais, intimamente ligados às características da área de estudo.

40Nesse sentido, os moradores situados junto à APA do Ibirapuitã e ao Valle del Lunarejo, assim como em localidades próximas, possuem consciência ambiental e são instruídos para isso, por meio das ações de educação ambiental, incentivando a preservação de nascentes, matas ciliares, fauna e flora, com a presença de placas educativas, tanto no Brasil quanto no Uruguai, como pode ser observado na Figura 4.

Figura 4- Indicação de Placa de Proteção Ambiental na APA do Ibirapuitã.

Figura 4- Indicação de Placa de Proteção Ambiental na APA do Ibirapuitã.

Fonte: Verdum e Netto, 2019.

41Em ambos os países são ofertados programas de proteção de nascentes e vertedouros, assim como o financiamento de açudes para o abastecimento humano e a dessedentação animal. Todos os seis entrevistados relataram que em algum momento obtiveram acesso às políticas governamentais desta natureza e que em sua maioria são financiadas com recursos a fundo perdido de organismos estrangeiros (por exemplo, Banco Mundial).

42Ainda relacionado aos serviços de provisão, observou-se em uma propriedade rural, no Uruguai, a conversão de energia elétrica pela instalação de aquecedor solar (Figura 5). Em questionamento ao proprietário, ele afirmou ter investido nesta nova tecnologia para a preservação ambiental, instalando o aquecedor em 2015, e que, com isso, reduziria no futuro seus gastos com energia. Atualmente, na propriedade, residem o chefe da família e sua esposa, sendo que as duas filhas moram na cidade de Rivera para estudarem.

Figura 5- Serviço de provisão-produção de energia solar limpa.

Figura 5- Serviço de provisão-produção de energia solar limpa.

Fonte: Verdum e Netto, 2019.

43Relacionados aos serviços de regulação, podemos mencionar os serviços descritos com a prática da pecuária bovino/ovinocultura extensiva, entre eles: a regulação climática, a regulação hídrica, a purificação da água, a polinização, o controle de doenças e pragas.

44O serviço de regulação climática pode ser observado na prática, quando os pecuaristas realizam suas atividades cotidianas, tais como a promoção de microclimas para reduzir a variação da temperatura média, ao utilizarem a vegetação já existente e conduzindo, quando necessário, alguns ramos da vegetação nativa. Na prática são áreas de descanso para o gado. Em alguns locais chegam a introduzir os chamados “quebra-ventos”, geralmente, de vegetação exótica, utilizados como barreiras protetoras para a diminuição da velocidade dos ventos ou para impedir a formação de túneis de vento.

45Os serviços de regulação climática, por meio de quebra ventos e das áreas de sombrite introduzidas pelos pecuaristas familiares, observadas em todas as propriedades visitadas, têm como propósito: a manutenção da umidade do solo; o amadurecimento precoce das plantas; a redução do ataque de doenças e insetos prejudiciais nas plantações; o abrigo para pássaros e insetos benéficos (como inimigos naturais e abelhas); a proteção para os animais jovens, que são mais sensíveis às doenças respiratórias; a redução das quedas de temperatura em casas de fazenda, estábulos, galinheiros, pocilgas (chiqueiros) e lavouras; o aumento do rendimento de produção das plantas e animais (CONCEIÇÃO, 1996).

46As práticas de regularização hídrica e purificação da água estão relacionadas à preservação da mata ciliar e aos cuidados com a deposição dos resíduos sólidos oriundos das atividades corriqueiras nas propriedades; embora no Uruguai, ainda ocorra a sua queima, principalmente, devido aos problemas de logística no seu recolhimento. Em Sant’Ana do Livramento, os entrevistados disseram que esses resíduos são recolhidos quinzenalmente pela prefeitura municipal.

47Os entrevistados não utilizam agrotóxicos, herbicidas ou fertilizantes nos campos. Todos eles possuem apiários (Figura 6) que contribuem para o aumento das populações de insetos polinizadores e disponibilizam florada para as abelhas.

Figura 6- Serviços de Regulação por meio de polinização realizada pelas abelhas. Propriedade rural localizada no Departamento de Rivera/UY.

Figura 6- Serviços de Regulação por meio de polinização realizada pelas abelhas. Propriedade rural localizada no Departamento de Rivera/UY.

Fonte: Verdum e Netto, 2019.

48Em relação ao controle de doenças e pragas, avalia-se que os produtores rurais buscam manter os equilíbrios dinâmicos do ecossistema com as práticas associadas à pecuária, preservando a fauna e a flora nativa. Por exemplo, isto pode ser observado na criação do rebanho misto, ovino e bovino, utilizado por 100 % dos entrevistados, assim como a alternância de rebanhos (ovino, bovino, equino) entre pastagens e a disposição estratégica de alimentação suplementar, isto é, promovendo um uso mais intensivo de uma determinada parcela de pastoreio, que por sua vez pode ser variada espacial e temporalmente. Acrescenta-se, ainda, o melhoramento do campo nativo pela sobressemeadura de espécies forrageiras hibernais, a adubação de pastagens nativas e o isolamento temporário de parcelas de campo ou de ambientes vitais para a fauna, conforme aponta, também, Nabinger et al. 2006.

49Dentre os serviços culturais o qual a bibliografia condiz como o mais difícil de valorar de maneira instrumental, ou seja, a natureza sempre é associada ao intangível, ao não quantificável, às qualidades emocionais de difícil definição e especificação (STALHAMMAR e PEDERSEN, 2017). Na área de estudo, junto aos entrevistados, foi possível identificar os serviços ecossistêmicos culturais, tais como: a recreação e o ecoturismo, os estéticos, os de inspiração, os de senso de lugar e o de herança cultural. Andrade e Romeiro (2009) identificam que os serviços culturais se relacionam à capacidade dos ecossistemas contribuírem para a manutenção da saúde humana, fornecendo as oportunidades de reflexão, enriquecimento espiritual, desenvolvimento cognitivo, recreação e experiência estética, sendo estes todos ligados aos valores humanos, e por isso são de difícil avaliação. Somente um dos entrevistados não reconhece o território do Valle do Lunarejo como espaço de potencial turístico, ele acredita que a região tenha potencial cultural e histórico de produção pecuária, mas sem vínculo ao turismo.

50Os serviços de produtos turísticos são fornecidos por dois dos entrevistados, que possuem pousadas e piquetes para a contemplação da paisagem do Pampa, da comida típica, sendo que é no piquete onde se reconhece, precisamente, a valorização da cultura do gaúcho, a prática do trabalho do campo e a lida campeira nas representações das gineteadas.

51Os serviços culturais foram observados por todos os entrevistados nos itens de estéticos, inspiração, senso de lugar e herança cultural, quando remetem à sensação de paz e tranquilidade de vivência no Pampa, típico meio campestre (Figura 7). Em algumas observações de amigos e visitantes há aqueles que utilizam do lugar para as fotografias e inspirações de livros e telas, devido às suas belezas cênicas (VIEIRA, 2014). A herança cultural pode ser observada na tradição presente na produção pecuária, na lida diária e na reprodução de costumes tradicionais.

Figura 7- Serviços culturais relacionados aos itens estéticos. Figura A e C no Departamento de Rivera, e Figura B e D em Sant’Ana do Livramento/BR.

Figura 7- Serviços culturais relacionados aos itens estéticos. Figura A e C no Departamento de Rivera, e Figura B e D em Sant’Ana do Livramento/BR.

Fonte: Verdum e Netto, 2019.

52Entre os serviços culturais podem ser observados a vinculação com a gastronomia, as comidas típicas, os produtos coloniais (mel, queijo, bolachas e biscoitos artesanais, geleias, doces, compotas) que são elaborados nas propriedades e utilizados como estratégias de reprodução social para a contribuição da renda da família (Figura 8).

Figura 8- Serviços Culturais por meio da produção da gastronomia típica de produtos coloniais nas propriedades entrevistadas.

Figura 8- Serviços Culturais por meio da produção da gastronomia típica de produtos coloniais nas propriedades entrevistadas.

Figura A- produção de mel em propriedade familiar entrevistada no município de Sant’Ana do Livramento. Figura B (queijo artesanal) e C (compotas de geleias) Propriedade familiar entrevistada no Departamento de Rivera/UY.

Fonte: Verdum e Netto, 2019.

53Quando questionados sobre a manutenção da atividade extensiva da pecuária na região, os entrevistados acreditam que esta se mantenha com o tempo, embora tenham durante a entrevista, levantado questionamentos referentes à inversão no uso do solo, como no caso da silvicultura na região de Rivera, dos investimentos turísticos e de exploração da natureza, dos parques eólicos em Sant’Ana do Livramento. Inclusive, todos os entrevistados relataram fatos de esvaziamento da população rural, onde os vizinhos estão vendendo as propriedades, podendo ser resultante, tanto da sucessão familiar quanto de pressão do capital financeiro, associada a outras atividades produtivas que se desenvolvem gradativamente em todo o Pampa.

54A questão da sucessão familiar é uma reflexão recorrente na resposta dos entrevistados, todos eles manifestaram preocupação referente a oportunidades de que os jovens permaneçam no campo trabalhando com a produção animal. A pesquisa de Matte et al. (2015) já retratava esta realidade ao analisar a percepção de filhos de pecuaristas familiares que, ainda, permanecem no meio rural do município de Dom Pedrito, vizinho ao de Sant’Ana do Livramento, no Rio Grande do Sul. A análise das referidas autoras retrata a ausência dos filhos na administração dos negócios da propriedade, a desvalorização do produto pecuário e a baixa renda advinda desta atividade, como os principais empecilhos para que esses permaneçam no campo.

55Os entrevistados apontaram como prioritário para o futuro da produção animal em campo nativo, o controle de doença dos animais e a melhoria da rentabilidade econômica da atividade; embora nenhum deles tenha relatado que tal prática não cobria o sustento familiar. Cabe ressaltar que tal pesquisa não fez menção a custos e aos valores financeiros, somente à percepção dos entrevistados. Entretanto, cabe enfatizar que a produtividade na pecuária está relacionada à produção de forragem e ao campo nativo, devido à presença de espécies de ciclo estival. A produção de matéria seca é dependente de condições climáticas, sendo que na estação quente, aproximadamente 60 a 70 % do ano, os animais ganham mais peso e o produtor molda a curva de ganho ao longo do ano, pela adequação da lotação à disponibilidade de forragem (CARVALHO et al, 1998).

56As demais opções apontadas como prioritárias para o futuro da produção animal em campo nativo consideram a presença de organizações/instituições que apoiem a produção animal extensiva, o incentivo aos jovens para que permaneçam ligados à produção animal; o auxílio do governo para a manutenção da produção animal e o desenvolvimento do turismo vinculado à produção animal extensiva. Nesse sentido, se destaca o trabalho desenvolvido pela Allianza del Pastizal (2019), uma organização não governamental de iniciativa da Bird Life Internacional, que objetiva a conservação dos campos nativos, bem como a produção sustentável, preservando a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos por meio de um sistema de incentivos aos produtores rurais que realizam o manejo conservacionista de suas propriedades rurais, e que são membros integrantes da Allianza. Formam parte da Allianza os governos do Estado do Rio Grande do Sul (Brasil), as províncias argentinas de Santa Fé, Entre Rios e Formosa, os governos do Uruguai e Paraguai, que são responsáveis pelas articulações na obtenção de recursos para alimentar o sistema de incentivos.

57No Brasil, atualmente, os incentivos aos produtores são viabilizados pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO) e Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). No Rio Grande do Sul, até o ano de 2019, existiam 203 propriedades certificadas pela Allianza, que compreendem 115.000 hectares, propriedades que contribuem para a conservação da biodiversidade e do campo nativo. Para serem cadastradas e obterem o certificado, as propriedades rurais devem, ao menos, possuir 50% de campo nativo preservado, além de manejo.

58Em comum a todos os quatro países integrantes da Allianza del Pastizal, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguaiestá o selo de qualidade da carne – Allianza del Pastizal que é obtido por meio de certificação e de um conselho representativo, Consejo de Certificación de Carnes del Pastizal (CCCP). Em 2016, a Marfrig Global Foods lançou, em parceria com o Carrefour, produtos com o selo concedido pela Alianza del Pastizal, permitindo que os consumidores identifiquem e selecionem uma carne produzida de forma sustentável, que preserva os campos nativos e, ainda, as espécies de plantas e animais ameaçadas de extinção. Ademais, os produtos diferenciados com o selo Carnes del Pastizal favorecem a permanência das famílias rurais associadas aos sistemas pecuários tradicionais.

Considerações finais

59A partir dos objetivos, constatou-se que a percepção dos pecuaristas familiares, sobre os serviços ecossistêmicos atribuídos por sua prática e modo de vida peculiar referem-se, principalmente, as suas atividades produtivas, identificando os serviços ecossistêmicos de provisão, regulação e serviços culturais como aqueles que valorizam e sustentam as suas atividades produtivas.

60A pecuária familiar está fortemente vinculada à tradição e produção extensiva de pecuária composta por rebanho misto (ovino, bovino, equino), promovendo um uso mais intensivo de uma determinada área da pastagem, onde o ajuste da carga animal promove, tanto o aumento da produtividade quanto da diversidade de flora e fauna do campo, o que resulta no aumento da fixação de carbono, melhora nas condições do solo e na qualidade das águas.

61Entre os serviços de provisão destacam-se: a provisão de matéria-prima (couro, lã), os alimentos (leite, carne) e a provisão de água. Nos serviços de regulação se destacam: a regulação climática, a regulação hídrica, a purificação da água, a polinização, o controle de doenças e pragas. E ainda, nos serviços culturais, por meio das entrevistas se vinculam, sobretudo, a recreação e o ecoturismo na perspectiva dos aspectos estéticos, de inspiração, de identidade do lugar e de herança cultural, que ultrapassam os limites dos aspectos meramente financeiros.

62Por meio deste estudo, pondera-se que a pecuária familiar contribui com diversos serviços ecossistêmicos, na medida em que o pecuarista familiar realiza a sua prática produtiva, visualizando o campo como um ecossistema, compreende que a pecuária em campo nativo propicia à conservação e garante a sustentabilidade econômica e ambiental da propriedade, uma vez que ao conservar o campo nativo garante, também, a reserva de forragem para o gado, portanto a sua produtividade.

63A prática dos pecuaristas familiares no Pampa, ao adotarem o manejo do campo nativo proporciona a preservação da cultura local (gaúcha, campeira) e a biodiversidade do ecossistema associando as variáveis sociais para a viabilização em um sistema de produção. Nesse sentido, considera-se que a pecuária proporciona a preservação da biodiversidade, quando faz uso de manejo adequado, quando utiliza seus bens naturais de forma ambientalmente responsável e socialmente justa.

64Ao considerar que os pecuaristas familiares são os tomadores de decisão que gerenciam o ecossistema do campo nativo e que as transformações nas dinâmicas agrárias resultam neles interferências sociais e econômicas, manter políticas direcionadas à preservação desta categoria, garante a gestão de recursos naturais, pelas práticas por eles adotadas. A forma mais comumente evidenciada pelas instituições públicas, para aporte financeiro as propriedades, é o turismo rural, que cresce no Pampa, entretanto, deve-se atentar a uma forma de turismo compatível com os objetivos de conservação e qualificação das formas de produção agrícola na área de estudo.

65Considerando a presença de duas Unidades de Conservação (UCs) na área de estudo, situadas no espaço fronteiriço entre os dois países, estas deverão contribuir para a divulgação do manejo do campo nativo, fomentando à pesquisa científica para as áreas de conhecimento e estratégicas para aprimorar a gestão das unidades familiares. Portanto, a gestão dessas duas UCs deve priorizar as práticas de qualificação da biodiversidade, associada ao conceito de preservação da paisagem, considerando as atividades humanas de uso pecuário, como parte integrante da natureza e das relações sociais desse espaço geográfico.

Haut de page

Bibliographie

ALIANZA DEL PASTIZAL. Iniciativa de Conservación de los Pastizales Naturales del Cono Sur de Sudamérica. Site oficial Allianza del Pastizal, 2019. http://www.alianzadelpastizal.org>. Acesso em 09 de dez de 2019.

ANDRADE, D. C. ROMEIRO, A. R. Serviços ecossistêmicos e sua importância para o sistema econômico e o bem-estar humano. Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 155, fev. 2009.

BILENCA, D. MIÑARRO, F. Identificación de Áreas Valiosas de Pastizal (AVPs) em las Pampas y campos de Argentina, Uruguay y Sur de Brasil. Fundación Vida Silvestre Argentina. Buenos Aires. 2004. p. 353.

BRAUMAN, K. A.; DAILY, G. C.; DUARTE, T. K.; MOONEY, H. A. The nature and value of ecosystem services: an overview highlighting hydrologic services. Annual Review of Environment and Resources, v. 32, p. 67-98, 2007. https://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev.energy.32.031306.102758. Acesso em: 17 nov. 2019

CARVALHO, P. C. F.; MARASCHIN, G. E.; NABINGER, C. Potencial produtivo do campo nativo do Rio Grande do Sul. In: PATIÑO, H.O. (Ed.). Suplementação de ruminantes em pastejo. Anais..., Porto Alegre. 1998.

CONCEIÇÃO, M. A. F. Critérios para instalação de quebra-ventos. Comunicado Técnico, Jales, SP, 1996. p 1-2. FRANÇA, F. M. C.; OLIVEIRA, J. B. Quebra-ventos na propriedade agrícola. Cartilhas temáticas - tecnologias e práticas hidroambientais para convivência com o Semiárido, Fortaleza, CE, 2010, 21p. http://www.ebah.com.br/content/ABAAAAhMgAG/manual-agroflorestal-a-mata-atlantica?part=7

CNCFlora. Lista Vermelha da flora brasileira. Versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile. Acesso em 14 de janeiro 2020.

DINERSTEIN, E., OLSON, D. M., GRAHAM, D. J., WEBSTER, A. L., PRIMM, S. A., BOOKBINIDER, M. P., LEDEC, Y. G. Una evaluación del estado de conservación de las eco-regiones terrestres de América Latina y el Caribe. Banco Mundial y WWF, 1995. Washington.

FERNÁNDEZ, R.E.; CARÁMBULA, M. Territorios en disputa: la Producción Familiar en el este uruguayo. Pampa nº 8, 2012.

FISHER, B.; COSTANZA, R. TURNER, R. K.; MORLING P. Defining and classifying ecosystem services for decision making. CSERGE Working Paper EDM, No. 07-04, University of East Anglia, The Centre for Social and Economic Research on the Global Environment (CSERGE), Norwich. 2007.

ICMBio. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Volume I. 1ª edição. Brasília: MMA, 2018. 492 p.

MARTINEZ, E. A.; CASALINHO, H. D. LIMA, A. C. R. de; SCHWENGBER, J, E. Oferta de serviços ambientais a partir de diferentes agroecossistemas de base familiar no sul do Rio Grande do Sul. Agricultura Familiar: Pesquisa, Formação e Desenvolvimento, [S.l.], v. 11, n. 1, p. 71-86, jul. 2017. https://periodicos.ufpa.br/index.php/agriculturafamiliar/article/view/4678. Acesso em: 10 dez. 2019.

MATTE, A.; SPANEVELLO, R. M.; ANDREATTA, T. Perspectivas de sucessão em propriedades de pecuária familiar no município de Dom Pedrito – RS. HOLOS, [S.l.], v. 1, p. 144-159, fev. 2015. ISSN 1807-1600. http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/1964. Acesso em: 10 dez. 2019.

MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT (MEA). Ecosystems and Human Wellbeing: Synthesis. Island Press, Washington, DC. 2005.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 23ª edição. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

MOOJEN, E. L. Dinâmica e potencial produtivo de uma pastagem nativa do Rio Grande do Sul submetida a pressões de pastejo, épocas de diferimento e níveis de adubação. 1991. 172 f. Tese de doutorado em Zootecnia defendida em Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MORRONE, J. J. Panbiogeografía, componentes bióticos y zonas de transición. Revista Brasileira de Entomologia 48(2): 149-162, junho 2004.

NABINGER, C. et al. Produção Animal com base no Campo Nativo: Aplicações de Resultados de Pesquisa. In: PILLAR, V. de P., et al. [editores]. Campos Sulinos: conservação e uso sustentável da biodiversidade. Brasília, MMA, 2009, p. 175 – 197.

NABINGER, C. Princípios de manejo e produtividade de pastagens. In: Ciclo de palestras em produção e manejo de bovinos de corte, Anais..., Porto Alegre, ULBRA. 1998. p.54-107.

OLSON, D. M., DINERSTEIN, E., WIKRAMANAYAKE, E. D., BURGESS, N. D., POWELL, G. V. N., UNDERWOOD, E. C., D'AMICO, J. A., ITOUA, I., STRAND, H. E., MORRISON, J. C., LOUCKS, C. J., ALLNUTT, T. F., RICKETTS, T. H., KURA, Y., LAMOREUX, J. F., WETTENGEL, W. W., HEDAO, P., KASSEM, K. R. Terrestrial ecoregions of the world: a new map of life on Earth. Bioscience 51(11): 933-938. 2001.

RIO GRANDE DO SUL. Declara as espécies da flora nativa ameaçadas de extinção no Estado do RS. Decreto Estadual nº52.109. Rio Grande do Sul. 19/ dez/ 2014.

ROCHA, J. M. da, As raízes do declínio econômico da “Metade Sul” do Rio Grande do Sul – uma análise da racionalidade econômica dos agentes produtivos da região. In: Primeiras Jornadas de História Regional Comparada, 2000, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: FEE, 2000.

QUADROS, F. L. F. de, SOARES, E.M, OLIVEIRA, L. B. de, RIBEIRO, C. M. Cuidar e fazer diferente. In: PILLAR, V. de P. & LANGE, O. Os Campos do Sul. Rede Campos Sulinos. UFRGS,2015. Porto Alegre, 192p.

STALHAMMAR, S, PEDERSEN, E. Recreational cultural ecosystem services: How do people describe the value? Ecosystem Services. 2017. http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/. Acesso em: 10 dez. 2019.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.

SOUTULLO, A.C. C. MARTÍNEZ-LANFRANCO, J.A. Espécies prioritárias para la conservación em Uruguay. Vertebrados, moluscos continentales y plantas vasculares. SNAP/DINAMA/MVOTMA y DICYT /MEC, Montevideo. 2013. 222pp.

VIEIRA, L. de F dos S. A valoração da beleza cênica da paisagem do bioma Pampa do Rio Grande do Sul: proposição conceitual e metodológica. Tese de doutorado em Geografia, sob orientação de Roberto Verdum, defendida em 06-2014 em Porto Alegre, Programa de Pós-graduação em Geografia (POSGEA), IGEO, UFRGS.

URLhttps://lume.ufrgs.br/handle/10183/106341

WALLACE, K.J. Classification of ecosystem services: problems and solutions. Biological Conservation, v. 139, n. 3–4, p. 235–246, 2007.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 4. ed. 2010.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Localização da área de estudo, fronteira do município de Sant’Ana do Livramento/BR e Departamento de Rivera/UY.
Crédits Fonte: NETTO, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-1.png
Fichier image/png, 111k
Titre Figura 2- Serviços de provisão. A, C e D no Departamento de Rivera e B em Sant’Ana do Livramento.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-2.png
Fichier image/png, 318k
Titre Figura 3- Propriedade rural no município de Sant’Ana do Livramento, em que se adota a técnica de diferimento, a divisão em piquetes.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-3.png
Fichier image/png, 251k
Titre Figura 4- Indicação de Placa de Proteção Ambiental na APA do Ibirapuitã.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-4.png
Fichier image/png, 333k
Titre Figura 5- Serviço de provisão-produção de energia solar limpa.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-5.png
Fichier image/png, 352k
Titre Figura 6- Serviços de Regulação por meio de polinização realizada pelas abelhas. Propriedade rural localizada no Departamento de Rivera/UY.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-6.png
Fichier image/png, 372k
Titre Figura 7- Serviços culturais relacionados aos itens estéticos. Figura A e C no Departamento de Rivera, e Figura B e D em Sant’Ana do Livramento/BR.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-7.png
Fichier image/png, 349k
Titre Figura 8- Serviços Culturais por meio da produção da gastronomia típica de produtos coloniais nas propriedades entrevistadas.
Légende Figura A- produção de mel em propriedade familiar entrevistada no município de Sant’Ana do Livramento. Figura B (queijo artesanal) e C (compotas de geleias) Propriedade familiar entrevistada no Departamento de Rivera/UY.
Crédits Fonte: Verdum e Netto, 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/35708/img-8.png
Fichier image/png, 207k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Tatiane Almeida Netto et Roberto Verdum, « Serviços ecossistêmicos e sua importância para a dinâmica e conservação do Pampa: uma análise da categoria familiar na fronteira Sant’Ana do Livramento/BR e Rivera/UY »Confins [En ligne], 49 | 2021, mis en ligne le 19 mars 2021, consulté le 14 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/35708 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.35708

Haut de page

Auteurs

Tatiane Almeida Netto

Pós Doutoranda em Geografia (POSGEA), UFRGS : tatinetto@yahoo.com.br

Roberto Verdum

Departamento de Geografia, UFRGS: verdum@ufrgs.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search