Navigation – Plan du site

AccueilNuméros49ResenhasCapítulos de geografia histórica ...

Resenhas

Capítulos de geografia histórica de Fortaleza

Chapitres de géographie historique de Fortaleza
Chapters of historical geography of Fortaleza
Confins
Référence(s) :

Maria Clélia Lustosa Costa, Capítulos de geografia histórica de Fortaleza, 2017, Imprensa Universitária da Universidade Federal do Ceará, ISBN: 978-85-7485-274-4

Texte intégral

1A introdução do livro indica as orientações principais do livro “as transformações do espaço urbano ocorridas a partir da metade do século XIX na cidade de Fortaleza [...] a partir do discurso médico- higienista [...] num contexto internacional de hegemonia do discurso médico que pregava a higienização e a sanitarização das cidades” Ele sintetiza os resultados de uma tese de doutorado em Géographie, aménagement, urbanisme, com título « Le discours hygiéniste et la mise en ordre de l’espace urbain de Fortaleza, au Brésil ». iniciada na Université de Paris IV – Sorbonne, sob orientação do Prof. Paul Claval e defendida na Université de Paris III

Introdução

2“Este livro analisa as transformações do espaço urbano ocorridas a partir da metade do século XIX na cidade de Fortaleza – capital do estado do Ceará, no nordeste brasileiro – a partir do discurso médico- higienista. Estas transformações se inserem num contexto internacional de hegemonia do discurso médico que pregava a higienização e a sanitarização das cidades. Essas ideias tiveram papel fundamental no processo de formação e ordenação do espaço urbano em Fortaleza, mas também em muitas outras cidades do Brasil e do mundo. Para compreender e explicar a constelação de ideias e práticas foi preciso estudar o papel do médico na elaboração de uma nova forma de pensar a cidade a partir da higiene e da saúde e a aplicação e adaptação dos modelos de higienização e urbanização europeus – principalmente franceses – em Fortaleza, arrolando as ações reativas e preventivas do Estado durante as secas e as epidemias; as políticas de prevenção contra as doenças e as campanhas contra as epidemias.

3A geografia histórica e cultural tem contribuído para compreender o papel das ideias e do impacto das mudanças de mentalidade para a geração de novas configurações territoriais e paisagens geográficas. A difusão de teorias médicas, de hábitos, de valores entre a população e os governantes teve efeitos significativos na ordenação das cidades brasileiras, em especial na cidade de Fortaleza. Ao longo do século XIX, as teorias médicas sobre a origem das doenças influenciaram normas e regulamentos de controle do comportamento da população e do espaço urbano. O discurso médico é um dispositivo organizador e disciplinador da sociedade e do espaço urbano. A cidade é representada como o principal foco produtor e disseminador de epidemias. Os médicos elaboram normas disciplinadoras de edificações pú- blicas (cemitérios, hospitais, matadouros...), traçados de ruas, parques e jardins, aterro de pântanos, canalização de riachos, construção de redes de água e esgoto, buscando manter a salubridade da cidade. Controlado o espaço público, o médico que alcança poder político na sociedade entra no espaço privado do cidadão, ditando regras de comportamento individual e familiar, e de uso de suas habitações, bem como de normas de construção. Tratados de Higiene Pública sugerem normas de construção, repercutindo nos Códigos de Posturas, legislações e nas práticas administrativas. Uma nova concepção de cidade emerge e um novo espaço urbano se estrutura com base no discurso médico neo-hipocrático dominante no século XIX.

4No primeiro capítulo, são feitas reflexões sobre a nova concepção de cidade que emerge e de um novo espaço urbano que se estrutura com base no discurso médico neo-hipocrático dominante no século XIX. Os médicos, fundamentados em teorias que localizam a doença no meio ambiente, elaboram um discurso que se propõe a medicalizar o espaço e a sociedade, influenciando as práticas e as políticas urbanas. Tratados de Higiene Pública sugerem normas de construção, repercutindo nos Códigos de Posturas e legislações.

5No segundo capítulo são analisados os Códigos de Posturas e outras leis, disciplinando a cidade e suas edificações. A ampliação da malha urbana vai sendo orientada pelas plantas de expansão e pelos Códigos de Posturas. Estes se modificavam em função das novas ideias que são difundidas no mundo ocidental, marcadas pelas teorias médicas e urbanas e pelo contexto social, político, econômico, e também de ordem natural, como os longos períodos de secas. A análise dos Códigos de Posturas da cidade de Fortaleza demonstra a força deste discurso no disciplinamento do modo de vida da população, na organização do espaço urbano e na normatização das edificações.

6No terceiro capítulo, demonstro como, a exemplo do que se fez em Paris e no Rio de Janeiro, as políticas de higienização e medicalização foram aplicadas em Fortaleza. Para entender como foi feita a adaptação dessas teses à realidade de Fortaleza, descrevo as características da cidade, consequentes de sua localização no semiárido nordestino. Ressalto a influência das constantes secas no interior do Ceará que, empurrando a população do interior para a capital, contribuíam para os súbitos picos de adensamento populacional da cidade. A ausência de uma infraestrutura urbana, as consequentes epidemias e altas taxas de mortalidade que esses ajuntamentos provocavam agravavam as condições de higiene e saúde da capital. As autoridades buscaram no discurso e nas práticas higienistas novas formas de gerir e organizar o espaço urbano, tal como demonstram os relatórios dos presidentes de província, dos inspetores de Higiene Pública, dos artigos em revistas acadêmicas, livros e outros documentos do período analisados nesse capítulo. A história de Fortaleza é contada, ressaltando-se as mudanças na paisagem da cidade através do olhar do visitante e do administrador, principalmente a partir da hegemonia urbana da capital no contexto da província.

7O quarto capítulo trata da expansão da malha urbana, orientada, de certa forma, pelas plantas contratadas a “urbanistas” pela administração pública e pela implantação de infraestrutura e serviços. A cidade cresce acompanhando as linhas do bonde, favorecendo o surgimento de vários bairros.

8No quinto capítulo, analiso o processo de urbanização da sociedade fortalezense a partir de quatro aspectos: urbanização como resultado do crescimento da população; urbanização como modo de vida; urbanização como disciplinamento da sociedade e do espaço; e urbanização como processo civilizatório. Este capítulo explica como a modernização, em geral, e os problemas de higiene, em particular, conduziram a uma urbanização rápida da população, uma mudança de comportamento e a imposição de uma disciplina mais rigorosa, permitindo avançar no « caminho da civilização ».

9O sexto capítulo apresenta as ideias e práticas médicas e as ações administrativas adotadas durante a seca de 1877/79 em Fortaleza. A seca de 77, como passou à história, foi acompanhada de uma epidemia de varíola e do aumento da migração da população sertaneja para a capital, sem rede de serviços públicos organizada e capaz de atender a população de retirantes que vinha se alojar nos arredores e nas ruas e praças de Fortaleza. Descreve a ação da administração municipal para implementar as recomendações de seu corpo médico baseadas nos modernos princípios da higienização do espaço urbano e da população com base nas teorias médicas que influenciaram nas práticas de reorganização urbana em uma situação de calamidade. A cidade é gerida por uma municipalidade que já interiorizara certo número de atitudes modernas, mas continuava sob o império de uma concepção miasmática. O afluxo de migrantes multiplica por seis sua população, que são alojados em abarracamentos situados, principalmente, a sota-vento fora da área construída. Os abarracamentos, que foram chamados de «campos de concentração », eram espaços de amontoamento da população em período de exceção, nos longos períodos de estiagem acompanhados pelas epidemias e miséria, desestruturando, assim, o espaço urbano de Fortaleza.”

Sumário

10Introdução

11A cidade e o pensamento médico

12Uma nova leitura sobre a cidade

13A concepção ecológica e geográfica da doença

14Higienismo e as práticas intervencionistas na cidade

15Códigos de posturas e outras leis disciplinando a cidade e suas edificações

16Código de posturas de 1835 e outras leis disciplinando a cidade

17Código de posturas de 1865

18Código de posturas de 1870

19Código de posturas em 1879 e a privatização do serviço de

20limpeza pública

21Código Sanitário de 1918: a institucionalização do

22discurso higienista

23Afrânio Peixoto: a adoção de modelos e normas europeias

24no Brasil

25Fortaleza: transformações no espaço urbano

26A natureza e a ocupação do território

27Sítio urbano: aspecto da vila no começo do século XIX

28O tenente-coronel de engenharia Silva Paulet e o disciplinamento da vila

29A hegemonia urbana de Fortaleza e o governo de Alencar

30A Fortaleza de Boticário Ferreira (1843-1859)

31Plantas que orientaram a expansão da cidade

32Fortaleza, final do século XIX

33Serviços públicos e a expansão da malha urbana

34As concessões para exploração dos serviços públicos e a expansão da malha urbana.

35Transportes

36Telefonia

37Fornecimento de água das fontes do Benfica

38Iluminação pública e privada

39Dos bondes puxados a burros, aos ônibus

40Fortaleza na virada do século

41Fortaleza ultrapassa o núcleo central: nascem os bairros

42Urbanização da sociedade fortalezense

43Urbanização – crescimento da população

44Urbanização – mudança de comportamento

45Urbanização – sinônimo de disciplinamento

46Urbanização – sinônimo de civilização

47Abarracamentos: gestão do ambiente urbano nos períodos de secas e epidemias

48O cenário: a Fortaleza salubre do século XIX

49Seca 1877-1879, desestruturação urbana e práticas médicas

50A epidemia de varíola em Fortaleza

51Considerações finais

52Bibliografia

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Capítulos de geografia histórica de Fortaleza »Confins [En ligne], 49 | 2021, mis en ligne le 20 mars 2021, consulté le 18 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/35916 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.35916

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search