Navigation – Plan du site

AccueilNuméros49Segregação socioambiental: estudo...

Segregação socioambiental: estudo de caso no bairro colôniaventura/Tefé-AM a partir de uma perspectiva geográfica

Socio-environmental segregation: case study in the neighborhood Colônia Ventura/Tefé-AM from a geographical perspective
Ségrégation socio-environnementale: étude de cas dans le quartier Colônia Ventura / Tefé-AM dans une perspective géographique.
Antonio Jucivan Martins Bruce et Eubia Andréa Rodrigues

Résumés

Le processus d'urbanisation a déclenché des conflits et des contradictions qui s'observent dans le concret de ce qui constitue la ville, qui selon Spósito «est le lieu de concentration et d'effervescence de la vie sociale, économique, politique et culturelle» (2008, p.13). C'est dans ce contexte que Tefé émerge comme une ville qui s'est structurée et construite avec ces caractéristiques, comme un espace fragmenté, articulé et inégal (CORRÊA, 1995) qui a favorisé un problème de ségrégation socio-environnementale, identifié dans le quartier de Colônia Ventura, car les habitants souffrent d'étiquettes discriminatoires (galions, potheads, toxicomanes, voleurs, etc.) de la part de résidents extérieurs. Dans cette perspective, la recherche a été développée, en mettant l'accent sur la manière dont l'homme s'installe sur le territoire pour produire et reproduire son espace est née avec la nécessité d'identifier les éléments qui guident l'occupation du quartier pour comprendre les souhaits des habitants, compte tenu du temps. création, puisqu'elle est la plus récente de la ville de Tefé (2000). Pour cette raison, la recherche a été menée afin de montrer et de collaborer avec les pouvoirs publics ainsi que les organismes compétents les problèmes identifiés. En ce sens, les résultats visent à refléter et à dynamiser le thème en question, afin de promouvoir des politiques publiques avec justice sociale et environnementale pour les habitants du quartier de Colônia Ventura.

Haut de page

Texte intégral

1O presente artigo trata da segregação socioambiental, tendo como objeto de estudo o bairro Colônia Ventura na cidade de Tefé-Am. Foi possível identificar os aspectos sociais e ambientais que configuram o local como um expediente segregado, que da ênfase aos conflitos e contradições sintetizados no ambiente urbano, ou melhor, na cidade que está em constantes transformações, uma vez que as pessoas de outros lugares migram para Tefé e se estabelecem de acordo com que o ambiente urbanístico os ordena como diz Milton Santos, “na ordem do possível” (Santos, 1988). Sendo assim, indivíduos que detêm uma alta renda per capta buscam os melhores lugares na cidade, comparando com os que sobrevivem com uma baixa renda que acabam se direcionando para as zonas segregadas ou periféricas da cidade, ou seja, bairros com infraestrutura precária, acarretando inúmeros problemas que configuram o lugar como um expediente central de exclusão.

2O bairro em análise sofre com o recente processo de urbanização sintetizado na cidade de Tefé-AM, onde os moradores sofrem com os rótulos discriminatórios de moradores externos ao referido. Os rótulos relacionam-se as situações marginalizadas que os moradores enfrentam como: galerosos, maconheiros, ladrões, etc. Essa discriminação é consequência da forma de ocupação do bairro e das pessoas que ali se estabeleceram, sendo originária das comunidades rurais ribeirinhas e de outros municípios, além de ser uma área de refúgio dos bandidos que atormentam os bairros mais centrais e antigos.

3Essas características permitem que os moradores dos outros bairros tenham uma visão preconceituosa em relação aos moradores do bairro em questão, uma vez que sua população é formada por pessoas de baixa renda, sendo a maioria, pescadores, agricultores e alguns funcionários públicos, com graves problemas sociais, elevando o índice de conflitos

4O processo de urbanização tem promovido uma intensa ocupação nas cidades favorecendo uma complexidade e antagonismo, que segundo Spósito, “é o lugar de concentração da vida social, econômica, político e cultural” (2008, p. 13). É partindo desta descrição que pensamos Tefé como uma cidade que se estruturou e se edificou a partir das experiências de vários atores, responsáveis pela transformação do espaço urbano, que concordando com Leonardo Benevolo (1983) a cidade diferencia- se da aldeia, da vila e/ou comunidade, porque é mais dinâmica e se transforma mais rapidamente.

5A pesquisa se fez necessária para a compreensão da produção de um espaço diferente e desigual, pois alguns bairros da cidade de Tefé como: São João, Fonte Boa, Juruá entre outros, também foram formados por pessoas migraram das comunidades rurais e municípios vizinhos, porém não foram rotulados da mesma forma que o bairro Colônia Ventura. Sendo necessário identificar os elementos que caracterizam negativamente os moradores do bairro Colônia Ventura, procurando então diagnosticar o porquê de carregar esta imagem, onde foi possível realizar um trabalho de conscientização e sensibilização para lutar a favor de melhorias e políticas públicas efetivas que proporcionem o desenvolvimento do lugar, sobre tudo o direito a cidade (Lefebvre, 2001), considerando que os moradores sofrem constantemente o descaso da injustiça social e ambiental sintetizados no ambiente em que residem.

6Para a obtenção dos resultados, foram necessárias metodologias que viabilizassem a coleta de dados, e sobre tudo para uma breve reflexão na luta a favor de melhoria e qualidade de vida para os moradores do bairro Colônia Ventura. O método utilizado para a pesquisa foi o empírico, uma vez que a pesquisa foi realizada como proposta de perceber quais os reais motivos que levam as pessoas a terem uma imagem negativa do lugar, onde se fez primeiramente à observação da área de estudo/pesquisa, e posteriormente foi realizada revisão bibliográfica e pesquisa de campo.

Contextualizando o espaço urbano de Tefé

7Com o processo de urbanização ocorrido no Brasil, houve um grande aumento no índice de pessoas que migram das zonas rurais para as cidades, em busca de novas perspectivas de vida. Isto é percebível na Amazônia, principalmente, a partir da década de 1960, com a implantação das políticas desenvolvimentistas, com destaque a implementação de rodovias e da Zona Franca de Manaus, fortalecido pelo pólo industrial, caso particular do Amazonas. Neste momento inicial, as pessoas do interior (vilas, cidades, comunidades ribeirinhas, comunidades indígenas), viram Manaus como a “Cidade onde tudo se junta” parafraseando Soja (2006) sob Los Angeles (EUA), uma área de atração em decorrência de sua funcionalidade proporcionando novas perspectivas.

8Desta forma, surge a metrópole regional de Manaus, classificação urbana elaborada pelo REGIC (IBGE 2007), pois se torna uma cidade de influência agregando desde Boa Vista (RR), Tabatinga, no extremo Oeste e, Parintins, no extremo Leste, caracterizando-a com o nó” (Castells, 2001) principal da rede urbana do Amazonas. Neste processo, outras cidades foram se fortalecendo economicamente, seja em produção ou comercialização, na rede.

9Surge Tefé como um grande entreposto comercial na região oeste de Médio Solimões, característica que marca a atuação da cidade desde o primeiro período de colonização da Amazônia (Rodrigues, 2011). Não só atividade comercial fortaleceu sua funcionalidade na rede, mas também, as variáveis institucionais que se instalaram agregando valores e serviços, e servindo de atrativos para as pessoas das cidades vizinhas e comunidades rurais (Carlos, 2008). Portanto, as pessoas não precisam se deslocar até Manaus, para utilização de serviços como: bancários, educação, saúde, comunicação e etc.

10Tefé torna-se um lugar de atração, recebendo migrantes dos mais diversos lugares, seja interestadual como inter-regional, sendo que o segundo proporcionou um aumento considerável da população. Isto ocorreu em conseqüência da instalação da 17ª abrigada de infantaria de Selva (1993), Batalhão vindo do Sul do Brasil, ocupando extensões de terras para a construção de toda infraestrutura para abrigar o contingente populacional transferido (Queiroz, 2017). As terras que poderiam ser ocupadas por pessoas das comunidades rurais e cidades vizinhas foram doadas para as Forças Armadas Brasileira. As pessoas que migraram para Tefé, da zona rural, comunidades ribeirinhas e municípios vizinhos, procuraram os lugares mais difíceis de estabelecerem moradias, ocupando encostas de morros, o lago, propriedades privadas, transformando-os em bairros, sem nenhuma infraestrutura. Ou seja, percebe-se a ausência de políticas urbanas, além da prática de gerir política habitacional, saneamento básico e transporte, a ausência de políticas públicas gera uma descaracterização socioambiental do espaço produzido.

11A responsabilidade territorial caracteriza a cidade de Tefé como um nó importante na rede urbana do Médio Solimões, se tornando um ponto de atração para as demais cidades ao seu entorno (Rodrigues, 2011). Assim, a cidade de Tefé começou a se expandir espacialmente e demograficamente, com uma grande carência de infraestrutura proporcionando o aparecimento de bairros pobres com graves problemas sociais e ambientais. Problemas sociais que, na maioria das vezes, levam a exclusão, além dos problemas ambientais como deslizamento, acúmulo de lixo, poluição e inundação provocados pelo assoreamento dos rios, lagos e igarapés que muitas vezes ocasionam a proliferação de doenças no período da cheia.

12Esses fatores contribuem bastante para a segregação urbana, que segundo Pena (2015) isso é conseqüência da má distribuição de renda no espaço e da falta de planejamento urbano que proporcione políticas de controle ao crescimento desordenado das cidades. Todos esses problemas contribuem para uma visão negativa do bairro, principalmente de quem o vê de fora, ocasionando uma segregação.

13Dentro dessas perspectivas surge bairro Colônia Ventura, precisamente em 2000, sendo uma área recentemente ocupada resultado de um padrão de expansão de áreas planejadas a partir do Programa do Governo Federal, Minha Casa Minha Vida, tem vivido um rápido processo de urbanização, tendo como consequência à produção de um espaço desigual e desarticulado em função da apropriação indevida de pessoas que não tinham onde se estabelecer em outros lugares da cidade. Para uma breve reflexão sobre essas novas formas de produções do espaço urbano, Lefebvre argumenta que:

Novas produções capazes de explicitar o mundo moderno: o espaço, urbano, o cotidiano. Essas novas produções marcam o sentido e as possibilidades criadas na história por uma determinada sociedade no seio das quais as contradições e os conflitos se manifestam, pois estas novas produções se confraternizam como permanências (Lefebvre, 2001, p.28).

14Sendo assim é possível considerar que o bairro Colônia Ventura se configura como uma nova redefinição da expansão territorial e populacional da cidade de Tefé, agregando então sua explosão da extensão das periferias dando forma a um novo arranjo espacial. Esse novo espaço concebido é habitado por moradores que vivem em situação de pobreza e que também sofre com o descaso da falta de infraestrutura e saneamento básico por parte dos órgãos competentes (Município-Estado) que não oferecem assistência necessária para que os moradores possam viver em melhores condições de vida com moradia digna para todos os indivíduos que ocupam o local (Santos, 1988).

15O município de Tefé localiza-se na margem esquerda do rio Solimões, na região denominada Médio Solimões no interior do estado do Amazonas. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas, 2010), tem uma população estimada em 50.069 hab. Sendo na zona urbana 43,7 mil e na zona rural 16,8 mil. Sua área territorial abrange cerca de 23.704 km², possui uma distância de Manaus de 525 km, em linha reta.

16Foi elevada à categoria de cidade na resolução nº 44 de 15 de junho de 1855, para entendermos a sua estruturação urbana, considerando que no Brasil os aspectos políticos administrativos que definem cidade. Limita-se territorialmente ao norte com o município de Alvarães e Maraã, ao Sul com o de Tapauá, a Oeste com o de Carauari e a Leste com o município de Coari, a cidade de Tefé localiza-se as margens do Lago com o mesmo nome (mapa 1).

17No caso do bairro Colônia Ventura, está sitiado ao Sudeste da cidade às margens do Igarapé do Xidarini (Mapa 2), e faz fronteira como bairro do Abial através do furo conhecido como Radiobrás. Aproximadamente há 28 anos, o bairro era caracterizado como Vila Colônia Venturo, agregando alguns moradores que se estabeleciam pelas redondezas locais. De acordo com o IBGE (2016) a população era de 2.000 habitantes, e que segundo o presidente do bairro, cresceu de forma desordenada e rápida, chegando aproximadamente a 9.252 habitantes (Pesquisa de campo, 2019).

Mapa 1: Localização de Tefé no Amazonas

Mapa 1: Localização de Tefé no Amazonas

Fonte: 2020, Gonçalves e Rodrigues

Mapa 2: Mapa Urbano da Cidade de Tefé

Mapa 2: Mapa Urbano da Cidade de Tefé

18Em entrevista com uma das primeiras moradoras no bairro, de 45 anos de idade, relatou a antiga vila como propriedade privada, salientando que:

Este espaço onde é atualmente o bairro Colônia Ventura, era predominado por muitas castanheiras, e que nós morávamos aqui pelas redondezas perto do igarapé do Xidarini numa pequena porção de terra que até hoje é do meu pai. O lugar onde tinha muitas castanheiras (hoje atualmente o bairro Colônia Ventura) pertencia ao cidadão Paulo de Oliveira, onde a empresa “Vila Engenharia” comprou toda a área para construir o conjunto Residencial Castanheira. (Moradora, 2019).

19O bairro surgiu no dia 12 de março de 2000, mas foi reconhecido somente por vias públicas em 14 de novembro de 2014 através das vias (ruas) a qual constituía o local tal como: Jatobá, Açaí, Castanheiras, Bacuri, Buriti, que são ruas ainda não pavimentadas e que foram construídas nas referências estabelecidas pela comunidade, conforme o ofício 014/14 da associação dos moradores do local, sendo que por essas vias o local já poderia ser reconhecido como parte referencial da cidade Tefé. Sendo assim, Carlos (2008) sintetiza que as ruas são como um elemento capaz de desvendar a logística transformadora, ou melhor, a experiência do lugar, pois é nela que podemos identificar o cotidiano, as contradições, os conflitos e a dinâmica social do lugar vivido pelos moradores, que por sua vez perfazem seus espaços expressando seus sentimentos e antagonismos fundamentados na questão do pertencimento.

20O processo de urbanização ocorreu de forma desordenada e rápida, tendo em vista que as pessoas que moram no bairro são originárias de cidades como Uarini, Maraã, Fonte Boa e Jutaí ou pessoas vindas das comunidades rurais como: Porto Praia, Tarara de Santa Tereza, Curumitá, Santo Isidoro, Anamã, Copeá entres outras que se deslocaram de seus lugares para a cidade em busca de melhores condições de vida.

21Dentro desse contexto, podemos sintetizar o processo de urbanização na Amazônia que segundo Browder J. E. e Goldefrey. J, (1997) propõe que esse fenômeno está ligado aos recentes povoamentos nas cidades amazônicas relacionados aos aspectos sociais, políticos, econômicos, de migração e mobilidade da população que nos levam a entender que o povoamento na Amazônia é complexo e múltiplo. Em suma, compreendemos que o fenômeno urbano se deu nos anos de 1970 intensificado a partir das implementações governamentais do Governo Federal, também conhecidos como “projetos desenvolvimentistas da região norte” como: SUDAM, Zona Franca de Manaus, Infraestrutura viária, Programa de mineração e Programa de colonização que foram fatores importantes para o processo de ocupação da Amazônia brasileira e que serviram de incentivo para o seu desenvolvimento econômico.

22No bairro em questão, o fenômeno urbano se deu a partir da implementação das políticas habitacionais do governo federal (PMMV) que atraiu pessoas de diversos lugares, tendo em vista que o local onde estava sendo construídas as casas que serviam como um expediente central de exclusão.

23É importante ressaltar que o bairro Colônia Ventura é dividido em três (03) partes, sendo eles Colônia 01, Colônia 02 e Residencial Castanheira. A Colônia 01 é compreendia por somente uma rua, pois esta abriga moradias localizadas as margens do igarapé do Xidarini, moradias essas sendo sua maioria de casas de madeiras e palafitas que correm os riscos de sofrerem com os fatores ambientais como: erosão ocasionadas tanto pelas dinâmicas dos rios quanto pela intensidade chuvosa. Na Colônia 02, o seu povoamento é mais complexo, sua ocupação é em área plana, suas vias públicas algumas são pavimentadas e esta tem uma intensa ligação com o Bairro do Abial. O processo de formação social da Colônia 01 e 02 são pretéritos, pois seu povoamento é antigo desde 1991 quando grande parte do bairro era somente “Mata Bruta” e cerrada, onde começava a chegar às primeiras pessoas oriundas de comunidades ribeirinhas/indígenas para fundar a vila Colônia Ventura, como chamada por seus moradores.

24Em 2013, começava então a construção das habitações do governo federal que no ano seguinte (2014) fez com que a antiga Vila Colônia Ventura fosse levada a categoria de bairro através do decreto 014/14. Foi então que nesse terceiro momento surgiu o Residencial Castanheira com 28 ruas, agregando um conjunto de casas padronizadas, de alvenarias que seriam ocupadas por pessoas de baixa renda que também estavam cadastradas no programa para receberem as casas como um objeto legal de uso.

25No entanto, em 2018 essa terceira divisão sofreu com o processo de invasão de pessoas oriundas do interior e de outras cidades que segundo relato dos moradores, as pessoas que ocuparam as casas do conjunto habitacional, vinculado ao projeto do governo Federal também conhecido como “Minha Casa Minha Vida”, caracterizou como uma ocupação irregular, uma vez, que as casas do programa ainda não estavam prontas para serem entregue para os seus verdadeiros donos, e que as pessoas foram ocupando de forma desordenada, ilegal e violenta. Os próprios moradores relataram que eles resolveram ocupar essas casas porque os ladrões e usuários de drogas estavam furtando os materiais das casas para venderem ou trocarem por entorpecentes.

26Com a ocupação das casas e de terras pelas redondezas do bairro, os moradores vêm sofrendo com os rótulos discriminatórios dados por pessoas que não moram no referido local, rótulos esses que fazem com que os moradores sejam pessoas segregadas. Ou melhor, excluídas da sociedade pelo fato de estes não obterem as políticas públicas urbanas necessárias para o desenvolvimento do lugar como: ruas pavimentadas, posto de saúde, fossas sépticas, ligação hidráulica para que esses moradores tenham água encanada. Também é importante ressaltar os problemas enfatizando a venda de drogas e a taxa de criminalidades como: ameaças de mortes, lesão corporal, furtos e entres outros, que são fatores sociais que contribuem bastante para descrição preconceituosa do lugar em questão.

27O bairro vem sendo urbanizado de forma desordenada, porém vem sendo transformado na medida em que seus moradores realizam seus desejos de acordo com suas necessidades. Segundo Reginensi (2005, p.31), a ação direta do homem na natureza realiza grandes modificações na paisagem e muita das vezes um dos motivos dessa ação é para atender suas necessidades básicas, como por exemplo: moradia, trabalho ou até mesmo outras demandas que causa modificação no espaço por parte do homem e tem como conseqüência os problemas ambientais, como deslizamentos, produção de lixo, destino do lixo no igarapé Xidarini.

Metodologia

28Assim, foram seguidos os planos metodológicos para coleta de dados que subsidiaram a pesquisa, foram realizadas conversas informais diretamente com os moradores que sofrem o descaso da falta de políticas públicas. Sendo assim, o principal objetivo dessa atividade, foi entender os anseios dos moradores do bairro Colônia Ventura através de um diálogo simples e formal.

29Para identificarmos os elementos que norteiam o que consideramos como segregação, foi possível realizar com alguns moradores um diálogo formal, além da aplicação de questionários. A conversa foi realizada com 30 moradores no qual alguns ficaram intimidados em falar sobre algumas questões, como: Existem moradores que ocuparam as casas do governo federal, mas que não são cadastrados no programa para receber a casa como um objeto legal de moradia?

30A pesquisa foi fundamentada no método empírico, uma vez que foi realizada como proposta de perceber quais os reais motivos que levam as pessoas a terem um olhar preconceituoso sobre os moradores do bairro em questão. A mesma apresenta caráter quali-quantitativo, pois foi necessário formular tabelas e descrevê-la posteriormente para entendermos o processo de (re)produção desse espaço considerado segregado.

31Foi realizado levantamento bibliográfico e, posteriormente, partirmos para pesquisa de campo para fazer análise e entrevistas com os moradores externo e do próprio bairro. Assim, a pesquisa se desenvolveu em três etapas sendo elas: Levantamento bibliográfico, observação e trabalho de campo.

32Na primeira etapa, realizamos levantamento bibliográfico sobre segregação sócio- ambiental como foco de análise, onde foi possível visitar a literatura da geografia buscando bases teóricas em autores como: Eliseu Savério Spósito/ Manuel Castells/ Ana Fani Carlos, nos ajudaram a entender alguns conceitos sobre conceito de cidade, além de também destacarem os tipos de métodos de pesquisas mais usuais, dos dados que levantam e da forma de como organizam esses dados. Nesse primeiro momento, também foi realizado um levantamento bibliográfico e documental acerca da história e criação do bairro Colônia Ventura analisando o histórico sócio- econômico do bairro com ênfase nas atividades urbanas.

33Na segunda etapa foi realizada observação, utilizamos como conceito da geografia a categoria “paisagem” que nos permitiu a descrever os elementos socioambientais que perfazem o bairro em questão. A observação da paisagem sobre configuração urbana do local nos levou a entender como ocorre o processo de produção do espaço através das relações humanas, e essas com o ambiente no qual estão inseridos. Nesse segundo momento, foi possível destacar as relações de trabalho, a divisão social do trabalho no qual foi uma peça fundamental para compreendermos o porquê que o bairro carrega consigo essa visão preconceituosa. Dentro dessa perspectiva, foi possível caracterizar os indivíduos responsáveis pela produção e mobilização desse espaço tal como: os catraieiros, pescadores, agricultores, motoqueiros, vendedores de peixes e churrascos entre outros, onde para ter acesso ao mesmo é necessário o transporte de catraia/canoa.

34Com a utilização das catraias realizou-se uma análise em torno do bairro para descrever os elementos socioambientais tal como, a vegetação cerrada que cerca o bairro, os deslizamentos de terras (erosão) e predomínio de casas de palafitas precárias que sofrem com as diferentes ações das sazonalidades do rio.

35Na terceira etapa, foram entrevistas e diagnósticos através de conversa formal com os moradores do bairro Colônia Ventura para entendermos seus anseios. Visitamos os moradores, que por sua vez prestaram contribuições através de informações sobre o cotidiano e realidade vivida pelos mesmos. Em seguida, elaboramos um questionário com a proposta de caracterizar a dinâmica populacional e os problemas socioambientais presentes no bairro.

36Na última atividade da terceira etapa foi possível buscarmos reconhecimento nas fontes históricas vivas que ainda habita no bairro. Nesta atividade procuramos valorizar histórias de alguns personagens importantes que foram responsáveis no processo criação do bairro bem como os primeiros moradores. Para tanto, vimos que as contribuições das pessoas que moram no local se fizeram importante tal como seus relatos, suas experiências vividas no cotidiano, das lutas pelo direito de morar no espaço urbano, nos fez refletir que as políticas de desenvolvimento devem ser pensadas no sentido de valorizar a cultura e o costume das pessoas/ indivíduos que moram no lugar.

37Empiricamente, identificamos os reais motivos que levam as pessoas a obter uma visão preconceituosa do bairro em questão. Nosso objetivo maior é prestar colaboração a sociedade civil e ao poder público mostrando que o lugar precisa ser visto com um olhar reflexivo, pois só através de políticas públicas e de planejamento urbano temos a construção de um lugar de vida melhor com justiça social e ambiental para todos os moradores do bairro Colônia Ventura.

Resultados

38Durante a pesquisa foi possível considerar as problemáticas socioambientais urbanas que concordando com Alves (2006) define esse termo como uma má distribuição populacional no espaço de grupos sociais muito pobres (miseráveis) com vários problemas sociais e que sofrem com a vulnerabilidade ambiental pelo fato de residirem em áreas de riscos e degradadas sem nenhum planejamento urbano, sendo assim combinação desses dois fatores que caracterizam o bairro em questão como um lugar segregado que concordando com Maricato (1996) ressalta que a valorização imobiliária é característica da segregação, tal como a carência habitacional, uma vez que esse conceito é conseqüência do “valor de uso” da cidade pelos grandes exploradores (capitalistas) que se apropriam do espaço para obterem renda e lucro com a produção do espaço (Figura 01).

Figura 01: Bairro Colônia Ventura

Figura 01: Bairro Colônia Ventura

Legenda: 1: Conjunto Residencial Castanheira/ 2: Moradias em volta do bairro

Fonte: Bruce, 2019

39Foi possível considerar que o bairro Colônia Ventura se apresenta de forma heterogênea no contexto de infraestrutura urbana. Na Figura 01, mostra que as casas do Programa Minha Casa Minha Vida apresentam uma estrutura única, levando em consideração que estas são uma iniciativa do Governo Federal. Entretanto, não existe nenhum tipo de pavimentação em suas vias, sendo a mobilidade urbana interrompida durante o período de chuvas.

40Na Figura 02, mostra uma estrutura já consolidada, uma vez que existe pavimentação em algumas ruas. As casas as margens das ruas, são resultados de intenso processo de ocupação ou invasão de terras desocupadas, na qual estas foram invadidas para indivíduos que não tinham onde se fixar em outros bairros.

41Quando foi realizada a conversa, alguns moradores reclamaram que existem pessoas que tem residências fixas em outros bairros de Tefé e que ocupam as casa do conjunto habitacional Minha Casa Minha Vida, que poderiam ser habitada por pessoas que realmente não tem onde morar.

42Outro fator percebido foi à violência existente no bairro como os furtos que ocorrem diariamente cometidos por jovens viciados que atuam durante a noite, principalmente no final de semana quando alguns moradores deixam suas moradias para irem as Igrejas ou em festas. Moradores relatam que, quando saem de suas casas para trabalhar é necessário deixar uma pessoa morando em suas residências para cuidar de seus bens materiais, caso contrário, outras pessoas que não tem onde morar invadem as casas com o intuito de se abrigar e fixar.

43Vários moradores relataram que o processo de ocupação das casas do programa do Governo Federal foi de forma ilegal, uma vez que esses ocupantes não obtinham nenhuma autorização para habitar nessas moradias. No entanto, esses moradores reclamam com a falta de água na maioria das casas, sendo que estes são contemplados com a água da chuva para satisfazerem suas necessidades básicas, não existe encanamento hidráulico em todas as residências. Outro fator importante também que os moradores mencionaram, foi à falta de luz elétrica nos postes das ruas, ao anoitecer o “escuro” é o principal motivo para os ladrões agirem nas ruas furtando as pessoas que estão chegando de seus serviços tal como: estudantes, trabalhadores e outros.

44Foi possível observar que os moradores do bairro Colônia Ventura exercem a “centralidade de poder” no território onde estes se estabeleceram, levando em consideração os assentamentos humanos, uma vez que os indivíduos (moradores) comercializam venda de produtos em suas próprias residências, originando então relações entre homens-homens, e desses com a natureza dando ênfase na produção do espaço que segundo.

45Os moradores reclamam com a falta de estrutura adequada em relação aos esgotos exposto a céu aberto, que em certas ocasiões, são o alvo de “pragas” que posteriormente terá como conseqüência proliferação de doenças que podem prejudicar a saúde dos moradores que estão sujeitos a esse tipo de estrutura básica do local. É importante ressaltar que não existem fossas sépticas que possam armazenar os dejetos e são destinados e depositados nos rios, lagos e igarapés, isso tem como conseqüência a poluição do meio ambiente e, sobretudo a destruição dos recursos naturais, uma vez, que esses podem suprir e satisfazer as necessidades básicas de pessoas que dependem do uso da natureza para sobreviver.

46Percebe-se a urbanização através dos fixos e fluxos que estão presentes na paisagem urbana, neste caso representado pela construção da escola municipal para que os moradores pudessem obter uma educação básica de qualidade. Dessa forma, as pessoas que se estabeleceram no bairro são muitos gratos, não precisam mais se deslocar para outros bairros para terem acesso à escola. É possível mencionar que os moradores demonstram seus anseios através de histórias contadas de seus cotidianos, e que estes sofrem os descasos tanto sociais quanto ambientais, sendo que esses moradores vêm para a cidade de Tefé para obterem uma vida melhor, porém, se deparam com essas realidades sintetizadas no ambiente urbano.

47Para melhor entendimento sobre a segregação socioambiental na área de estudo, a pesquisa teve dois direcionamentos, sendo que o primeiro foi discorrer sobre os fatores sociais e o segundo sobre os fatores ambientais, além de apresentar características do por que o bairro Colônia Ventura carrega essa visão preconceituosa dadas por pessoas que não moram no referido local.

Fatores sociais

48Dentre os principais fatores sociais que norteiam o bairro Colônia Ventura, a criminalidade é um dos fatores que mais caracteriza o local, como foi constatado não há ronda policial para que os moradores de “bem” possam obter uma segurança eficaz.

49Com base nos dados coletados, entre os anos de 2018 até maio de 2019, e com entrevistas feitas aos moradores foi possível fazer um diagnóstico dos índices de criminalidade. A tabela 1 a mostra os dados referente ao balanço de 2018 e 2019, sendo que anterior a este período, os dados só revelavam um crescimento, considerando que o mesmo estava se estruturando.

Tabela 1- Índice de criminalidade identificado no bairro Colônia Ventura entre 2018 até maio de 2019

Fonte: Entrevistas com os moradores do bairro /2019. Org. Bruce


50Com base nos dados exposto na tabela 1, os moradores relatam que esse índice de criminalidade em 2018 se apresentou elevado em decorrência da invasão que ocorreu no conjunto Residência Castanheira que pertence ao programa “Minha Casa Minha Vida”. Porém, houve uma pequena redução na taxa de criminalidade durante o ano de 2019, em virtude da própria sociedade civil que se organizou pressionando o poder público para que também a polícia começasse a agir com o intuito de proteger. Desta forma, pode-se observar a falta de políticas públicas pra o desenvolvimento do lugar, onde esta ausência causa o sentimento de desconforto dessas pessoas que sofrem com a espera por algo melhor e com a ausência de políticas públicas por parte do poder público, e que em contrapartida a falta desta é algo prejudicial para os moradores.

51É neste contexto que o bairro Colônia Ventura é considerado como um lugar segregado, pois não há nenhum planejamento urbano que proporcione uma qualidade de vida melhor para os moradores do lugar, sendo que os representantes públicos (prefeito e vereadores) só comparecem no bairro em tempo de eleição. Quando foi perguntado aos moradores externos e do próprio bairro sobre o porquê o bairro é considerado um lugar segregado, esses relatam que o bairro é um verdadeiro esconderijo de “piratas dos rios” que procuram o local como refúgio e também são responsáveis por comercializarem venda de drogas no local.

52Também é importante mencionar a dinâmica populacional do lugar, sendo que a maioria da população é formada por aposentados, pequenos comerciantes, pessoas que não trabalham e que só dependem do auxílio do Bolsa Família, alguns funcionários públicos, e moradores autônomos trabalham com pequenas atividades como vendedores de peixes, de açaí, de churrasco, agricultores, catraieiros etc. São essas pessoas que são responsáveis por estimular o potencial econômico. Foi possível identificar que o mesmo exibe um grande contingente de pessoas desempregadas, onde a maioria consegue somente sobreviver com o auxílio fornecido pelo governo. Moradores relatam que alguns jovens e adultos que não obtém a escolaridade completa, vão para o centro da cidade em busca de emprego, e que muitas vezes não encontram e acabam se direcionando para porto da cidade para trabalharem como carregadores de mercadorias pelo fato de não obterem qualificação profissional ou até mesmo por não terem nenhuma opção de emprego no bairro ou na cidade de Tefé.

53A infraestrutura é precária ou inexistente, que contribui para que o lugar seja visto de forma preconceituosa. As ruas do conjunto Residencial Castanheira não apresentam nenhuma pavimentação. A água que esses moradores consomem é distribuída de forma desigual para a população, muitos moradores que não têm acesso à água encanada e acabam pagando um valor de aproximadamente 20 reais para outras pessoas do mesmo local lhes fornecem água por um curto período de tempo. A ligação elétrica nas casas se apresenta de forma arriscada e perigosa, segundo alguns correm risco de acidentes a qualquer momento em suas casas, sendo que a forma desorganizada no processo de ocupação do lugar gerou vários problemas sociais que levou a própria população a sofrer as conseqüências.

Fatores ambientais

54Os problemas ambientais surgem na medida em que a população do bairro cresce e se estabelece no lugar sem nenhum conhecimento ou previsão de suas ações sobre a natureza. Sendo assim, pode-se ressaltar que, a apropriação da natureza de maneira inadequada pode ocasionar vários problemas no ambiente que de certa forma prejudicará indivíduos que residem em áreas de riscos ou degradadas.

55O bairro apresenta diversos problemas ambientais. Primeiramente, foi identificado o acúmulo de lixo às margens das ruas e atrás das moradias uma vez que não ocorre com freqüência a coleta de lixo pela carroça que percorre nas ruas do bairro, principalmente no conjunto Residencial Castanheira, onde não há pavimentação de suas vias e por isso acaba se tornando difícil a entrada da “carrocinha” para coleta de lixo. Porém na Colônia 1 e 2 essa coleta é realizada de forma regular e eficaz, sendo que a carroça passa na Colônia 1 e 2 para realizar a coleta do lixo, áreas em que apresentam mais facilidade para esse tipo de serviço, porém, no Residencial Castanheira não ocorre o mesmo processo devido à vulnerabilidade das ruas que não são asfaltadas, uma vez quando chove torna-se de difícil acesso. Quando não há coleta de lixo os moradores acabam jogando seus lixos nas ruas e até mesmo atrás de suas casas (Igarapés e Lago). Moradores do Residencial Castanheira relatam que quando não chove o solo fica muito seco e grau de poeira que se manifesta na atmosfera quando venta é muito prejudicial para a saúde desses indivíduos devido à poluição do ar.

56Outro problema identificado, foi a ausência de fossas sépticas nas moradias do bairro, foi possível confirmar através da pesquisa que há poucas residências que detém esse tipo de depósito, todos os dejetos são jogados nos esgotos e direcionados para o igarapé Xidarini onde habita diversas espécies de peixes e que consequentemente esse ambiente natural está sendo destruído com a poluição do lago em decorrência da ação humana.

57No período de cheia, muitas moradias localizadas as margens do igarapé Xidarini ficam submersas, onde nesse tipo de alteração no ambiente pode levar os próprios moradores a correrem risco de vida. No entanto, relatam que em tempo de seca a mobilidade urbana se torna muito difícil pela distância que esses enfrentam para chegarem ao centro da cidade tendo que percorrer uma enorme praia, sem falar que no período das secas as casas nessas áreas ficam em condições carentes, pois o cerrado e o volume da mata predominam nesses locais fazendo com que os moradores corram o risco de serem atacados por animais peçonhentos.

58Durante o período da cheia o risco de vida se torna pior, o nível das águas atinge as moradias chegando a inundar. O perigo assola pais de famílias que muitas vezes deixam seus filhos em casa para irem trabalhar e procurar o sustento, temendo de um dia quando chegarem a suas casas e ouvir uma notícia de ter acontecido algo com seus filhos como: afogamentos ou de ter sido atacado por animais perigosos oriundos da água do rio. Moradores reclamam com a falta de resposta que muitos desses problemas ambientais que eles enfrentam precisam de resposta por parte do poder público juntamente com os órgãos competentes, que muitas vezes demoram a dar essas respostas para a população.

Considerações Finais

59Portanto, cabe concluir que foram alcançados todos os objetivos propostos durante a pesquisa, considerando que essa atividade foi à única forma de verificarmos os anseios dos moradores do bairro Colônia Ventura. Sendo assim, foi notável perceber que este lugar precisa ser visto com bons olhos pelos pelas autoridades competentes com o intuito de se ter uma boa referência do mesmo.

60O estudo de casos que fazem com que o bairro em questão seja um lugar periférico foi de suma importância para entendermos a segregação socioambiental e seus causados na natureza e na sociedade. É importante ressaltar, que esses fatores sintetizados no ambiente urbano acabam destruindo a referência do lugar e a elevação do grau de conflitos entre moradores internos e externos dando ênfase na produção e reprodução do espaço. O processo de desigualdade social está presente no bairro Colônia Ventura, onde muitas pessoas sofrem com a vulnerabilidade socioambiental, pois como foi possível constatar que o lugar não possui saneamento básico, e sofre com a falta de políticas públicas que visem o desenvolvimento do mesmo.

61A qualidade de vida e a questão ambiental são de suma importância para o desenvolvimento do bairro e do bem estar dos moradores. Por esse motivo, a pesquisa foi realizada com o intuito de mostrar e colaborar para o poder público juntamente com os órgãos competentes os problemas identificados no bairro Colônia Ventura. Neste sentido, objetiva-se com os resultados do presente trabalho a reflexão e instigação do tema em questão, com o intuito de promover políticas públicas com justiça social e ambiental para os moradores.

Haut de page

Bibliographie

Alves, H, P. da F. Vulnerabilidade socioambiental na metrópole de São Paulo: uma análise sócio demográfica das situações de sobreposição espacial e de problemas sociais e ambientais. Revista Brasileira de Estudos Populacionais. São Paulo, 2006;

Benevolo, Leonardo. História da Cidade. São Paulo: Perspectiva, 1983;

Bowder, John. O; Godfrey, Brian. J. Cidades da Floresta: urbanização, desenvolvimento e globalização na Amazônia Brasileira. Manaus: EDUA, 1997;

Carlos, Ana Fani Alessandri. A (re), produção do espaço urbano. São Paulo: editora da Universidade de São Paulo, 2008;

Castells, Manuel. A sociedade em rede. 5º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001;

Corrêa, Roberto Lobato. Espaço urbano. 3ª Edição, Série Princípios- nº 174. Editora Atica- São Paulo, 1995;

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Regiões de Influência das Cidades- 2007 (REGIC). Rio de Janeiro: IBGE, 2007;

Lefebre, Henri. O direito à Cidade/ Henri Lefebre. Tradução. Rubéns Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001;

Pena, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”, Ed: Brasil escola; Rio de Janeiro, 2015;

Queiroz, Kristian Oliveira de. A dinâmica dos agentes da globalização na região de Tefé no amazonas - integração relativizada. Revista Geográfica Acadêmica. Vol.11; n.2. p.124-142. 2017 a;

Queiroz, Kristian Oliveira de. Integração e globalização relativizada – uma leitura a partir de Tefé no Amazonas. Manaus: UEA Edições, 2017 b;

Rebello, Adorea (org) Contribuições teórico-Metodológico da Geografia Física/ Adorea Rebello (org.). - Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2010;

Reginensi, Catarine. Habitação, participação e sustentabilidade. In: Gomes, Maria de Fátima Cabral Marques e PELEGRINO, Ana Izabel de Carvalho (orgs.). Política de Habitação popular e trabalho social. Rio de Janeiro: DP&A, 2005;

Rodrigues, E. A. Rede urbana do Amazonas: Tefé como cidade média de responsabilidade territorial na calha do Médio Solimões. Dissertação de mestrado em Geografia – Manaus: Universidade Federal do Amazonas, Departamento de Geografia, 2011;

Santos, Milton. Metamorfose do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. Hucitec- São Paulo, 1988;

Sposito, Eliseu Savério. Redes e Cidades. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1: Localização de Tefé no Amazonas
Crédits Fonte: 2020, Gonçalves e Rodrigues
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/36021/img-1.png
Fichier image/png, 48k
Titre Mapa 2: Mapa Urbano da Cidade de Tefé
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/36021/img-2.png
Fichier image/png, 182k
Titre Figura 01: Bairro Colônia Ventura
Légende Legenda: 1: Conjunto Residencial Castanheira/ 2: Moradias em volta do bairro
Crédits Fonte: Bruce, 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/36021/img-3.png
Fichier image/png, 199k
Crédits Fonte: Entrevistas com os moradores do bairro /2019. Org. Bruce
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/36021/img-5.png
Fichier image/png, 12k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Antonio Jucivan Martins Bruce et Eubia Andréa Rodrigues, « Segregação socioambiental: estudo de caso no bairro colôniaventura/Tefé-AM a partir de uma perspectiva geográfica »Confins [En ligne], 49 | 2021, mis en ligne le 24 mars 2021, consulté le 20 juin 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/36021 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.36021

Haut de page

Auteurs

Antonio Jucivan Martins Bruce

Graduando de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), martinsbruce9@gmail.com,

Eubia Andréa Rodrigues

Professora de Geografia da Universidade do Estado do Amazonas, Centro de Estudos Superiores de Tefé (CEST), eandrea@uea.edu.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search