Navigation – Plan du site

AccueilNuméros50ResenhasGeógrafos franceses e a Segunda G...

Resenhas

Geógrafos franceses e a Segunda Guerra Mundial

Les géographes français et la Seconde Guerre mondiale
French geographers and the Second World War
Confins
Référence(s) :

Géographes français en Seconde Guerre mondiale, édité par Nicolas Ginsburger, Marie-Claire Robic et Jean-Louis Tissier, collection Territoires en mouvements, Éditions de la Sorbonne, Paris, 2021, 446 pages, ISBN-13 979-10-351-0623-2

Texte intégral

  • 1 Assim chamada porque esta cidade era a sede do governo favorável à colaboração com a Alemanha. Foi (...)
  • 2 Concurso de recrutamento de professores do ensino médio

1Na sua apresentação do livro os seus editores mostram que ideais falsas ainda circulam sobre a situação da geografia na época. Eles a abrem com a constatação que o mais conhecido slogan da “Revolução Nacional”, “A terra não mente”, “por muito tempo levou a crer que uma certa geografia francesa tinha encontrado um terreno favorável no regime de Vichy1, como parecia mostrar sua decisão de criar a graduação e a agrégation2 de geografia. Porém, se alguns deles estiveram de fato próximos das estruturas resultantes da derrota francesa, pela ideologia, pelo autoritarismo institucional e tecnocrático ou mesmo pelo oportunismo, outros – sem dúvida mais numerosos – foram opositores mais ou menos declarados e empenhados e até, para alguns, ardentes combatentes da resistência ou vítimas da violência extrema da Segunda Guerra Mundial. Muitas vezes esquecidas hoje, os seus percursos, testemunhando a sua recusa em aceitar as ideias e políticas do ocupante e do Estado francês, merecem ser mais conhecidos e compreendidos.

2Esses casos individuais corporificam, em sua diversidade, cada um a seu modo, uma disciplina que era na época muito mais rica e ativa do que geralmente se pensa, onde ruralismo e regionalismo coexistiam com correntes dinâmicas de pensamento desenvolvendo lógicas de espacialidade e globalidade estranhas a pensamento dominante em Vichy ou ao nazismo, onde as ideias mais polêmicas (como “geopolítica” ou “espaço vital”) foram discutidas ou mesmo desconstruídas. Circulações e reflexões paradoxalmente favorecidas pelo conflito levaram a outros lugares e exílios interiores e exteriores, portadores de uma fecunda modernidade para a segunda metade do século XX.

3O novo olhar que os autores reunidos neste volume jogam sobre este período da geografia francesa, e sobre seus representantes na Europa e no mundo, permite considerá-lo de forma equilibrada, retificar a "lenda negra" e desenhar a verdadeiras linhas de força nestes "anos de tormenta", via o estudo detalhado dos itinerários pessoais e coletivos e do recurso a numerosos arquivos e fontes”.

4Na introdução, os três editores retraçam sua gênese e detalham sua organização. “Este trabalho faz parte de um movimento triplo. Em primeiro lugar, é a manifestação de um esforço de reflexão coletiva ocorrido há alguns anos em Paris: o grupo de pesquisa EHGO (Epistemologia e história da geografia) da UMR Géographie-cités organizou dois dias de estudos sobre geografia e geógrafos franceses entre 1939 e 1945, um dedicado ao período de Vichy (outubro de 2009), o outro mais, geralmente na Segunda Guerra Mundial (outubro de 2010).

5As contribuições neste volume são versões parcialmente atualizadas dos artigos apresentados nessas conferências. Mas trata-se também aqui de completar este panorama com um esforço especial de publicação de documentos, de forma a disponibilizar novos materiais para aprofundar a investigação e a reflexão, com a ambição determinada de uma renovação profunda do conhecimento por meio de estudos originais e fontes não publicadas.

6Isso testemunha da vitalidade atual da história da geografia: assim como o estudo da geografia dos séculos XVIII e XIX, em particular a geografia colonial, este volume combina várias gerações de autores de diversas origens, historiadores e geógrafos, franceses e estrangeiros, pesquisadores confirmados e recém-doutores, no mesmo movimento de mudança de olhar e de regresso a um período crucial, relativamente conhecido do ponto de vista do testemunho, mas sobre o qual se trata de ajudar a regenerar o conhecimento. Os documentos de arquivo e os testemunhos que estes autores conseguiram recolher permitem o acesso a relatos em primeira mão de experiências, que o uso extensivo das fontes e a sua interpretação colocam em perspectiva, para evitar os efeitos da memória e da filtragem.

7Trata-se, portanto, de repensar a configuração do período e o que a Segunda Guerra Mundial fez à geografia francesa da época. Assim, o estudo das condições de inserção universitária dos geógrafos, locais ou regionais, revela diferenças segundo os lugares, e o estabelecimento de uma espacialidade da geografia universitária em tempo de guerra, que não é a mesma dos anos 1930, pois "as temporalidades da guerra transformaram as formas de circulação entre as áreas urbanas e rurais da mesma forma que afetaram as hierarquias entre os centros urbanos" (Schlagdenhofen, Le Gac e Virgili, 2017, p. 19).

8Este é o ponto central da primeira parte, dedicada às várias formas de "geografia sob restrição, em zonas livres e ocupadas" e de continuar a exercer sua vida e seu olhar erudito, apesar das dificuldades da situação. No entanto, o contexto de guerra não foi um obstáculo para todos, e pode até ter sido um acelerador de carreiras ou de trabalho individual ou coletivo, em particular por causa de uma dinâmica mais ou menos favorecida pelo Estado francês.

9A segunda parte do trabalho trata de vários casos aparentemente "próximos de Vichy", com ou sem razão, e cujo grau de envolvimento nas opções intelectuais ou modalidades de ação do regime Pétain é estudado. A situação é menos difícil e mais complexa quando os geógrafos não estão na França, mas em todo o mundo, e a terceira parte deste volume considera os casos, até agora muito pouco explorados, de geógrafos expatriados ou exilados, fora do território francês ou do continente europeu, de maneira mais ou menos voluntária. A guerra também foi, para eles uma experiência do mundo, na fronteira das disciplinas e das comunidades nacionais, em outros lugares, em terras desconhecidas e questões emergentes, abrindo novos horizontes, tendo que acomodar uma tradição Vidaliana ainda poderosa.

10Por fim, a quarta parte da obra, completando a primeira, evoca personalidades de geógrafos marcadas pela violência do contexto bélico, em postura de combate e resistência, em oposição à presença da força ocupante e às opções ideológicas das forças antirrepublicanas”.

11Obviamente, os leitores brasileiros estarão particularmente interessados ​​no capítulo “Pierre Monbeig no Brasil durante a guerra. Pensar em outro lugar na geografia humana, na interciência e na democracia”, de Heliana Angotti-Salgueiro, mas também deveriam estar no restante do livro, dadas as antigas e estreitas ligações entre a geografia francesa e a brasileira.

Haut de page

Notes

1 Assim chamada porque esta cidade era a sede do governo favorável à colaboração com a Alemanha. Foi escolhida por se situar em zona não ocupada e por, como estância hidrotermal, possuir um grande número de hotéis onde instalar os ministérios e seus funcionários.

2 Concurso de recrutamento de professores do ensino médio

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Geógrafos franceses e a Segunda Guerra Mundial »Confins [En ligne], 50 | 2021, mis en ligne le 01 juin 2021, consulté le 28 octobre 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/36550 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.36550

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search