Navigation – Plan du site

AccueilNuméros50ResenhasMaritimidade nos trópicos

Resenhas

Maritimidade nos trópicos

Maritimité sous les tropiques
Maritimity in the tropics
Confins
Référence(s) :

Eustógio Wanderley Correia Dantas, Maritimidade nos trópicos, Fortaleza, Edições UFC, 2019, (coleção estudos geográficos) - 3ª edição, 151 p, Isbn: 978-85-7282-761-4

Notes de la rédaction

Reproduzimos a seguir o prefácio da terceira edição desta obra que já se tornou uma referência.

Texte intégral

1“Morrer na praia”, expressão muito popular em português, lembra o triste destino de um marinheiro que, após nadar muito tempo para sobreviver ao naufrágio do seu navio, morreu de exaustão ao chegar à praia. Por analogia, a expressão descreve a situação de quem se lança numa tarefa complicada e – quando o mais difícil já foi feito – vê tudo desmoronar no último momento. Significa então, na linguagem cotidiana, falhar na hora de atingir o objetivo final, desistir ou não conseguir completar uma tarefa. O livro de Eustógio Wanderley Correia Dantas, “Maritimidade nos trópicos” constrói movimento no sentido contrário. Assim, atinge plenamente seu objetivo após um esforço prolongado e contínuo, a “nascer na praia” e daí zarpa para o alto mar, onde alarga seus horizontes ao infinito.

2O seu ponto de partida é o movimento a levar os habitantes do Ceará, e mais especificamente de Fortaleza, a olhar para o mar, a se aproximar das praias para frequentá-las e até fixar aí suas residências. Trata-se, portanto, não de “morrer na praia”, mas de “morar na praia” e vis-à-vis análise a mostrar como “a transformação dos modos de vida ocidentais leva[ou] os brasileiros a descobrir o mar”.

3Ao fazê-lo, aproxima-se da perfeita ilustração do que Oswald de Andrade chamou de “antropofagia brasileira”. No seu Manifesto antropófago (1928), ele defendia não a rejeição de culturas estrangeiras (especialmente as culturas europeias), mas, ao contrário, sua apropriação, sua absorção, sua assimilação. Para atingir este objetivo, propunha aos brasileiros que se inspirassem na maneira como os “índios” que povoavam o litoral do (futuro) Brasil acolheram os europeus que os “descobriram”: comendo-os, para assimilar seus conhecimentos, sua força e seus poderes. Na mesma linha de raciocínio, Eustógio Dantas prova, de maneira muito convincente, que “a valorização das zonas de praia em Fortaleza não resulta de uma simples transferência” ligada à “admiração pelo modo de vida ocidental, inclusive suas práticas de lazer”, mas a um processo mais complexo e sutil. Nestes termos, ouso acrescentar, e posto ele ser modesto demais para fazê-lo, tece uma premissa pautada em uma análise regional em várias escalas, a permitir “releitura de arcabouço teórico metodológico empregado na análise urbana”.

4O ponto de partida e uma constatação irrefutável, feita nas primeiras linhas da introdução “o mar e o marítimo tomam corpo e denotam, na atualidade, um verdadeiro fenômeno de sociedade”. De fato, a maritimidade contempla muitos aspectos, desde a reconfiguração de cidades inteiras até complexos jogos de atores, mas a sua origem é, em boa parte, uma mudança da maneira de encarar a beleza, um “novo padrão estético, de homens e mulheres com corpos esbeltos e bronzeados”. Esta mudança de perspectiva (para não usar o termo “mudança de paradigma”, muitas vezes usado abusivamente) começou na Europa e, em seguida, gradualmente se espalhou pelo mundo.

5O objetivo de Eustógio Dantas é de entender “como as práticas marítimas modernas, gestadas inicialmente no Ocidente, rebatem nos Trópicos, denotando desdobramentos representativos de filtragem estabelecida pelo lugar”, ou seja, de mostrar ser “o desejo pelo mar no Brasil de padrões próximos, e não idênticos, ao da invenção da praia no Ocidente”. Para atingir tal intento, a escolha de abordagem é claramente enunciada: “nesta perspectiva adota-se a abordagem cultural, no sentido de compreender modificação da relação dos homens com o mar nos trópicos”.

6Enfoque plenamente justificado, já adotado pela obra reconhecida unanimemente como a referência fundamental, o livro de Alain Corbin (1988), Le territoire du vide: L’Occident et le désir ou rivage (1750-1840). A filiação desta origem até o Brasil, como o reconhece Eustógio Dantas, foi retraçada por Paulo Linhares (1992) em Cidade de água e sal: por uma antropologia do Litoral do Nordeste sem cana e sem açúcar : foi um movimento que começou na França (em Deauville, Biarritz, e Trouville), na Bélgica, e depois na América do Sul, no Chile (Viña del Mar), no Uruguai (Ponta del Leste) e, por fim, no Brasil, no Rio de Janeiro (Leme, Copacabana, Ipanema). Porém, argumenta Eustógio Dantas, “Linhares não percebe que os novos costumes não são adotados passivamente e não se dão da mesma maneira em todas as comunidades litorâneas”. A chegada desta mudança cultural “não representa simples transferência dos costumes ocidentais para os trópicos, pois ela acaba suscitando um quadro diferente daquele que lhe serviu de matriz”.

7É neste ponto que o livro traz uma inovação a propulsá-lo do campo histórico-cultural para assumir uma dimensão plenamente geográfica, ao mostrar com todo rigor científico o rebatimento da mudança originada na Europa sobre o Nordeste. O mais curioso é que o impacto territorial também passa por uma transformação cultural, já que se dá devido implementação de uma “política de desenvolvimento do turismo, cujo desdobramento resulta de modificação do imaginário social da região”, o que leva a conclusão inequívoca de que “tal fenômeno ressignifica a região Nordeste”.

8De fato, há questionamento da própria visão de toda a região: Eustógio Dantas mostra que para os grupos dominantes na região “a) não é mais possível considerar visão trágica do semiárido. O domínio deste meio, através da tecnologia, o torna um recurso inestimável para uma exploração rentável e sustentável; b) é impraticável pensar política de desenvolvimento no Estado baseada somente na escala nacional. A crise do Estado Central no Brasil abre espaço para o fortalecimento do Estado Local, que pode estabelecer vínculos com a escala internacional, notadamente como parceiro de organismos e empreendedores internacionais; c) é impossível consubstanciar políticas de desenvolvimento sem a participação do setor privado”.

9Os elos da cadeia dedutiva encontram-se umbilicalmente ligados uns aos outros: a “valorização dos espaços litorâneos, principalmente das metrópoles [passa] tanto pelas ações do Estado como da iniciativa privada”, o divisor de águas sendo o programa Prodetur-NE I, que se caracterizava pela “captação de recursos, voltados, principalmente, à dotação de infraestrutura de suas áreas estratégicas (reforma de aeroportos, construção de vias litorâneas e obras de saneamento)”.

10Da passagem da abordagem cultural à análise de políticas públicas, Eustógio Dantas adota, logicamente, a uma abordagem de geografia política, posto o programa “se caracteriza como instrumento de propaganda devidamente explorada pela nova elite política para desenvolver [...] um símbolo de sucesso e viabilidade do novo governo”. O raciocino – impecável – longe de ser mecanicista, não deixa de reconhecer que a aplicação do plano teve altos e baixos, encontrou obstáculos devidos ao aparecimento de variáveis inesperadas, como “i. a chegada de outros atores [...] especificamente os vilegiaturistas [...] ii. de investimentos provenientes do estrangeiro[...] iv. a eclosão de movimentos de resistência das populações tradicionais, principalmente os pescadores artesanais”.

11Em seguida, com nova ampliação da perspectiva, a conduzí-lo das praias de Fortaleza, no estado do Ceará, para a de todo o Nordeste, o autor chega à escala nacional, traçando um paralelo entre o caso do Rio de Janeiro, “cuja imagem da praia é associada à da cidade” com o de Fortaleza, “cidade na qual a aproximação da sociedade em relação ao mar não é seguida de uma redefinição [...] da imagem da cidade”, mostrando que “o imaginário social cearense, até meados dos anos 1980, ainda se encontra fortemente articulado ao semiárido, impossibilitando transformação da cidade litorânea-interiorana em litorânea-marítima”, antes de ser invertido, ou melhor literalmente reorientado (como uma bússola que abruptamente começaria a indicar o sul), no caso do Leste – a direção do mar – e não mais para o Oeste e o sertão.

12Finalmente, alçando voo ainda mais alto, Eustógio Dantas chega na escala internacional, usando, para pôr o caso cearense e nordestino em perspectiva, o “contraponto [de] estudos desenvolvidos em áreas afins no mundo (França, Espanha)”. Para ele, “com seu sucesso, a Espanha representa modelo de desenvolvimento do turismo segundo política de marketing turística.” e “este sucesso a torna paradigma maior das políticas de desenvolvimento do turismo nos países em via de desenvolvimento, inclusive na América Latina”. Provavelmente a ideia de “modelo” deveria ser revisada após a publicação de muitos estudos que denunciaram a “Marbelização” ou a “Balearização” dos litorais espanhóis (termos pejorativos derivados do ocorrido com Marbella, Andaluzia e as Ilhas Baleares), a sua artificialização pela urbanização maciça e rápida, realizada em marcha forçada, para apoiar o desenvolvimento turístico.

13Sem satisfazer-se com essa comparação bilateral de termo a termo, que já é esclarecedora – e perturbadora – o autor inscreve o caso brasileiro em uma tipologia global: “a primeira dinâmica enquadra-se perfeitamente no que ocorre nas Antilhas, local onde a valorização dos espaços turísticos resulta de demanda externa: o estabelecimento de um fluxo turístico internacional produzido desde os anos 1960 com o advento do turismo de massa nos países desenvolvidos [...] a segunda dinâmica é representativa do México, país no qual o desenvolvimento do turismo está ligado concomitantemente a fluxos de caráter externo e interno). A terceira dinâmica pode ser representada pelo Brasil, país no qual, diferentemente do ocorrido nos países inscritos na primeira e segunda dinâmicas, não são pensadas políticas públicas nacionais referentes às potencialidades turísticas”.

14Como podemos ver, o livro de Eustógio Dantas (hoje já na terceira edição), longe de “morrer na praia”, soube fazer dela o seu ponto de partida para ganhar impulso e navegar em direção aos vastos horizontes do alto mar. Vamos torcer que as ondas formadas pelo seu impacto nas praias de Fortaleza continuem a viajar pelo mundo por muito tempo.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Maritimidade nos trópicos  »Confins [En ligne], 50 | 2021, mis en ligne le 02 juin 2021, consulté le 28 octobre 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/36560 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.36560

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search