Navigation – Plan du site

AccueilNuméros50China, Brasil e Piauí:nova region...

China, Brasil e Piauí:nova regionalização no “cerrado piauiense” em face da dinâmica da geopolítica contemporânea (2008 – 2019)1

Chine, Brésil et Piauí: nouvelle régionalisation du sud-ouest du Piaui face à la dynamique de la géopolitique contemporainne (2008-2019)
China, Brazil and Piauí:new regionalization of southwest Piaui facing the dynamics of contemporary geopolitics (2008-2019)
Raimundo Jucier Sousa de Assis

Résumés

L'article analyse les échanges commerciaux entre le Brésil et la Chine, intensifiés après la dépression économique de 2008, et son réflexe dans la géopolitique contemporaine du sud-ouest de l'Etat du Piauí, au nord-est du Brésil. Pour effectuer cette analyse, on a interprété trois accords bilatéraux, signés entre les deux pays: le Plan d'action commune (2010-2014); Plan de coopération décennal entre le Brésil et la Chine (2012-2020) et le deuxième Plan d'action commune (2015-2021). Ensuite, les données statistiques sur les exportations et importations entre la Chine et le Brésil ont été traitées, mettant en évidence les analyses sur le sud-ouest de Piauí (2008-2019). Les données ont été collectées depuis la plateforme du Ministère de l'économie. Parmi les résultats, on peut souligner, à partir d'une carte thématique, les six Municipalités du sud-ouest du Piauí qui forment une nouvelle régionalisation, organisée par la pénétration du pouvoir de l'économie chinoise dans le territoire du Brésil, résultat des alliances inter-étatiques et des échanges commerciaux après la crise de 2008.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

géopolitique, Brésil, Chine, Piauí.

Index by keywords:

geopolitics, Brazil, Chine, Piauí.

Index géographique :

China, Piauí

Índice de palavras-chaves:

geopolítica. Brasil. China. Piauí.
Haut de page

Texte intégral

  • 1
  • 1
  • 1
  • 1

1Em tempos de explosão da Covid-19, além dos acontecimentos catastróficos do empilhamento de cadáveres, tornam-se evidentes as influências da geopolítica chinesa sobre o mundo e, em particular, o Brasil. A reação da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) em defesa das relações comerciais do Brasil com a China, após a polêmica denúncia de Eduardo Bolsonaro sobre a ocultação da origem do coronavírus pelos chineses, tornou clara a ideia de que o sentimento nacional dos parlamentares apontam para evitar, além dos prejuízos à vida humana, o caos nas relações bilaterais2. Entre os inúmeros fatos, as ações do Consórcio do Nordeste, ao buscar uma relação dos governadores da região diretamente com a China, expressam que a procura por aparelhos para o combate da pandemia é uma sólida afirmação da importância industrial da China com a sociedade brasileira3. O receio de grande parte dos representantes políticos e dos possuidores de capital no Brasil é que a China corte as importações de commodities do País, como carne, soja, petróleo e, na contramão do que vem ocorrendo, evite o acesso do Brasil aos produtos industrializados e demais materiais resultados da alta tecnologia4.

2Sob a cortina de fumaça das matérias de jornais, todos esses acontecimentos chamam atenção, por envolverem, em primeiro lugar, um prévio conflito diplomático passível de afastar o Brasil da China, mesmo que Charles Tang, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, tenha dito que os chineses “ainda tem boa vontade com o Brasil”.(Lyra, 2020). Em segundo, a reprimarização da economia brasileira, acelerada desde a virada para o século XXI, precisamente desde a crise de 2008, tem uma clara relação com a ascensão da geopolítica chinesa. A China atua no Território brasileiro numa mão dupla: desindustrializando-o, ao sobrepor-se como a nova “oficina do mundo” capaz de abastecer a terra com produtos industriais baratos; e reprimarizando-o, ao se mostrar como a principal economia que demanda commodities em quantidade elevada. Como bem arrematou Pierre Salama, as commodities com destino ao mercado asiático e produzidas com “[...] tecnologia de ponta compensam os déficits da indústria de transformação e permitem obter um saldo positivo da balança comercial.” (Salama, 2012, p. 30).

3Esse processo de conexão orgânica com a China permite-nos analisar como o ordenamento do espaço geográfico no sudoeste do Piauí, desde a detecção de um arranjo regional vinculado à produção de commodities para exportação (Alves, 2009; Elias e Pequeno, 2006), nos serve de evidência particular para revelar como a produção hegemônica da geografia do País está associada a acumulação e tendência congênita da sobreacumulação de excedentes de capital, transformando-se em um laboratório para a investigação dos alinhamentos e conflitos geopolíticos entre os Estados e das dinâmicas produtivas das economias de ambos os países (Harvey, 2001). O estudo da incorporação do sudoeste do Piauí é um modo de demonstrar como a influência do poder chinês que penetra o Brasil, com base nas alianças interestatais e do comércio exterior, faz parte das reconfigurações do espaço mundial e das resoluções históricas encontradas pelos agentes políticos e econômicos após a crise de 2008. Assim, estuda-se a manutenção desse fragmento do espaço piauiense, especializado como exportador de produtos primários e importador de bens de alta tecnologia, como uma nova regionalização produzida pela geopolítica atual entre um centro industrializado e uma periferia que se reprimariza após a última depressão global (Assis, 2017).

4Para chegarmos a essa hipótese, além do detalhamento bibliográfico sobre as posições que a China e o Brasil assumem atualmente no mercado mundial, outros dois procedimentos metodológicos foram centrais: primeiro, foram levantados e interpretados três acordos bilaterais assinados entre o Brasil e a China: o Plano de Ação Conjunta (2010 – 2014), o Plano Decenal de Cooperação entre Brasil e China (2012 – 2020) e o segundo Plano de Ação Conjunta (2015-2021). Esses materiais nos possibilitam especificar como o Estado brasileiro intermedeia as aproximações geopolíticas com a China e que interesses se justapõem com o desenvolvimento brasileiro após a crise 2008. Em seguida, foram tabulados e produzidos gráficos com os dados estatísticos de exportação e importação das relações entre a China, o Brasil e o sudoeste do Piauí, de 2008 a 2018, ambos investigados com suporte na plataforma do Ministério da Economia (COMEX STAT), de 2008 a 2019. Com esteio nessas estatísticas, foi possível interpretar qual era o padrão das exportações e importações gerais entre a China e o Piauí, e como o sudoeste do Piauí representa um processo particular da dinâmica da economia nacional anexada à penetração da geopolítica chinesa no País. E, por fim, as estatísticas também nos permitiram mapear os municípios que participam diretamente das trocas comerciais com a China e representar cartograficamente a configuração regional particular do sudoeste do Piauí, produzida e anexada, após a crise de 2008, sob a dinâmica da geopolítica chinesa.

A China no tabuleiro geopolítico, após 2008

5A China do início do século XXI, como destaca Wladimir Pomar, é um país consciente de que é o novo centro industrial do Mundo e que, igualmente aos outros centros de produtos manufaturados do passado, precisa criar estratégias para sobreviver às contradições internas e as crises e os percalços que possam surgir nos mercados exteriores para o excedente capital e produtos industriais chineses. Além disso, o projeto de crescer próximo de 10% ao ano denota uma demasiada pressão sobre as matérias-primas e os estoques de capital, o que situa a necessidade de desacelerar de 2% a 5% do crescimento econômico. Isto é, um conjunto de medidas anticrise já vinha sendo planejado e tomado, antes mesmo da crise de 2008. Tais estratégias passavam, segundo o autor, pela “[...] elevação da renda da população, do estímulo ao consumo interno e da diversificação dos investimentos, de modo a transformar seu mercado interno no principal indutor do seu desenvolvimento, e mantendo sua competitividade internacional”. (Pomar, 2003, p. 161).

6Desse modo, a crise de 2008 depara uma nova potência industrial e financeira em crescimento, que tenta controlar o excedente de produtos industriais pelo desenvolvimento do mercado interno e que, ao mesmo tempo, necessita da expansão geográfica para realizar os investimentos lucrativos, exportando capital no formato de mercadorias, tecnologias e finanças. Mesmo com o plano de ter como base o consumo do mercado interno, a crise de 2008 exibiu uma nova potência que somente conseguiu manter as taxas de crescimento econômico com esteio nas exportações dos produtos manufaturados e dos investimentos diretos no estrangeiro. Essa nova realidade do poder mundial se representou com o aumento da sua participação no PIB Global, mesmo ante a recessão financeira de 2008. Em termos de números, Acioly, Costa e Macedo Cintra revelam que a China passou de 3,7%, em 2000, para 9,3%, em 2010, na participação do PIB Global (em dólares). “Inclusive a participação da economia chinesa ultrapassou a do Japão (8,7%) em 2010, tornando-se a segunda economia do mundo”. (2011, p. 4-5).

  • 1

7No entendimento de Kissinger (2011, p. 480), “[...] esse período contínuo de robusto crescimento chinês” reflete como a ascensão da China está aliada com as relações geopolíticas e geoestratégicas ocorrentes com os Estados Unidos. As parcerias sino-estadunidenses vão desde as relações comerciais até apoios diplomáticos, estes ocorridos após o ataque terrorista ao complexo empresarial World Trade Center e as guerras contra o Iraque e o Afeganistão. O apoio diplomático também desviou, assim, as forças militares estadunidenses das suas tradicionais áreas de influências para o Oriente Médio e dos conflitos voltados ao controle do petróleo. Abriu, nesse redirecionamento regional de poder, outros territórios para o excedente de capital da China que, articulado com o Estado chinês, foi assumindo o papel central em muitos assuntos mundiais e continentais impulsionados pela força financeira e industrial. Dez anos após a crise subprime que abalou o mundo, a China saltou no seu PIB de 4,5 trilhões, em 2008, para 13,6 trilhões, em 2018, consolidou superávits comerciais com os Estados Unidos e os países da União Europeia, e reordenou seus interesses nas potências emergentes do Sul, expandindo geograficamente suas influências para outros territórios na Ásia, na África e na América Latina, como o Brasil5.

8O PIB, como assinala Stuenkel (2018, p. 74), “[...] não é uma medição ideal ou completa do poder de um país, mas ainda é o melhor substituto ou representante isolado ao discutirmos deslocamento do poder”. Como uma potência que vinha se constituindo a longo prazo, foi revelado que o excedente de capital financeiro da China tornou os chineses, além da “oficina do mundo”, o segundo dos maiores credores dos demais países até 2018. “Seus empréstimos diretos e créditos comerciais passaram de quase zero em 1998 para mais de US$ 1,6 trilhão em 2018, cifra que equivale a 2% do PIB mundial”, como relata Cristina Orgaz (2018). No mesmo ano, já havia assinalado Morán, esse crescimento da taxa de lucros vem dos “superávits comerciais” conquistado com base na posição que a China tem no abastecimento do Mundo com produtos industriais, sobretudo, para os EUA (Morán, 2018). O défice comercial dos EUA com os asiáticos já ultrapassa os 400 bilhões, sendo a expressão “guerra comercial” utilizada pelo ataque de tarifas ianques (de US$ 250 bilhões em produtos chineses) e com os revides de taxas chinesas para as mercadorias exportadas pelos EUA (US$ 110 bilhões) (Palumbo e Costa, 2019).

9Além dos superávits que a China tem extraído das relações comerciais com os EUA, impende exprimir que a continuidade do crescimento econômico e, assim, do “deslocamento do poder” para a China, está vinculado ao “efeito” que a potência chinesa causa em outras regiões, como a América Latina. O “efeito-China” se refere ao dinamismo da economia no espaço latino ocasionado pelas trocas comerciais e os investimentos diretos chineses, em destaque no setor de energias, infraestruturas, entre outros, acelerados e intensificados como saídas de curto e a médio prazos para a crise de 2008. A depressão apressou a busca da China por novos territórios nas periferias do capitalismo, sobretudo nas “economias emergentes”, para a exportação do seu capital, na medida em que as “economias maduras” não conseguiram ampliar as frentes de absorção do excedente chinês. Esse processo, no entanto, induz a desindustrialização dos países com parques industriais que abastecem os mercados locais e regionais, no instante em que se cria uma concorrência desigual decorrente da alta produtividade da indústria chinesa (Salama, 2012). Dessa maneira, cabe até o momento à América Latina e, assim, ao Brasil, a reprimarização da pauta do comércio exterior, participando na produção e exportação de commodities e servindo seu território como nova fronteira para a absorção dos excedentes de capitais chineses no formato de manufaturas, tecnologias, infraestruturas e finanças (Cunha, Léslis e Bichara, 2012).

A reprimarização do Brasil sob a ascensão da geopolítica chinesa

10O Brasil, como um dos territórios mais antigos da América Latina anexado aos Estados Unidos como área de influência (ASSIS, 2017) experimenta novas relações geopolíticas e geoeconômicas com a China, desde a virada para o século XXI, tomando novos rumos com a crise de 2008. Em grande parte, essa nova fase de fortalecimento e maturidade da relação bilateral se dá pela janela de oportunidade aberta pelo modelo de desenvolvimento vigente na China, apresentado como uma das poucas saídas para o crescimento e estabilidade da balança comercial brasileira após a última depressão global. A necessidade da China em renovar suas matérias-primas de maneira sucessiva, além da demanda por alimentos em quantidades sempre crescentes, proporciona um movimento de reconfiguração do Brasil para expandir seus saldos nas exportações com suporte no abastecimento do mercado asiático. Afinal, como mostram alguns analistas, este período após a crise de 2008 se conformou em um “milagrinho brasileiro, com médias de crescimento econômico com mais de um e meio ponto percentual superior às décadas anteriores”. (Carvalho, 2018, p. 13).

11Diferente das grandes tensões geopolíticas e das consideráveis crises nos centros industriais, como a de 1929 e as duas guerras mundiais, que fortaleceram o modelo de substituição de importações do Brasil, a de 2008, até o momento, cristaliza um caminho contrário para o país. A metamorfose das periferias do capitalismo tem como nova face o processo de “desindustrialização precoce” e de “reprimarização da economia”, como chamou Pierre Salama (2012). Esse redesenho das economias nacionais periféricas, baseadas na exploração dos recursos naturais, é uma manifestação da força das economias asiáticas nos países com grandes reservatórios territoriais nas margens do capitalismo industrial de alta produtividade. Tal, porém, não nos permite resumir que as relações e os interesses dos países da periferia do capitalismo com a China estejam limitados a isso, pois existem desejos de que esses países se enriqueçam tecnologica e cientificamente nessa aproximação geopolítica, além de tornar diversificados os setores e pautas de exportação.

12Nesse sentido, os acordos bilaterais são fontes valiosas para inquirição, sobretudo, quando articulados com os dados do comércio exterior. Esses documentos oficiais, como o Plano Nacional de Ação Conjunta (2010-2014-2021) e o Plano Decenal de Cooperação (2012-2021), estão entre as principais evidências da produção dos arranjos institucionais e da composição da divisão territorial do trabalho entre o Brasil e a China após a crise de 2008. O levantamento e a análise desses documentos oficiais, entre esses dois países, nos permitem apreender as principais dinâmicas e os mais importantes projetos que legitimam e atuam entre o Brasil e a China. O Brasil, claramente, penetra a órbita chinesa como um país produtor de commodities e consumidor de produtos industrializados no atual redesenho da geopolítica do capitalismo. E, transpondo esse fato, como um Estado que pretende ampliar seu desenvolvimento interno e seu mercado externo pela diversificação dos setores econômicos conectados à geopolítica chinesa (Assis e Silva, 2020).

13Com efeito, esses acordos não negam o intento do Brasil de exportar produtos de “maiores valores agregados” e de evoluir na produção da alta tecnologia, da ciência e da inovação. Pelo contrário, a aproximação geopolítica com a China também é vista como uma possibilidade de desenvolvimento de técnicas nas áreas de biotecnologias, tecnologias de produção agrícolas, biocombustíveis, ou mesmo em estudos conjuntos em recursos de germoplasma de plantas e animais de alta qualidade (Assis e Silva, 2020). O destaque, entretanto, está nas áreas vinculadas às produções de commodities como focos das geoestratégias de relações entre os dois países. Para o Brasil, ampliam-se as permanências da exportação com base no setor primário. E, para a China, o Brasil é incorporado como um espaço novo de investimento nas áreas de processamento e armazenamento de alimentos e nos investimentos em infraestrutura de transporte e logística de produtos agrícolas, como ferrovias, rodovias, expansão de portos, aeroportos, energia e controles especulativos ligados aos mercados imobiliários, sendo destaque o desdobre dos investimentos de 547 milhões, em 2007, para 8 bilhões, em 2018 (Cebec, 2018).

14Sobre o crescimento da relação comercial entre Brasil e China, Debora Santos e Marianne Oliveira (2014) afirmam que, após a crise de 2008, ocorreram os principais avanços em relação ao mercado mundial entre os dois países, culminando na transformação da China, em 2009, no principal comprador das exportações brasileiras. Desde então, o Brasil tem se especializado, cada vez mais, no mercado de produtos de “menor valor agregado”, com destaque para a venda de soja, petróleo, carne, minério de ferro, pastas de papel, madeiras e celulose, entre outros (Figura 01).

Figura 01: Pauta de exportação do Brasil para a China (2008 a 2019)

Figura 01: Pauta de exportação do Brasil para a China (2008 a 2019)

Fonte: Elaborada com suporte nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

15Nesta figura, visualizamos as cinco pautas em que a China está à frente na demanda e no consumo, comprovando-se o foco da economia brasileira no que diz respeito à produção de commodities para exportação. Segundo Santos e Oliveira, “[...] o Brasil tornou-se em menos de 20 anos um fornecedor de produtos de baixo valor agregado, enquanto importa uma quantidade cada vez maior de bens tecnológicos provenientes da China.” (2014, p. 7). Ao verificar a pauta de importação (Figura 02), sobra clara, nas trocas estabelecidas após 2008, a relação “assimétrica” entre um centro industrial de produtos tecnológicos-manufaturados e um exportador de produtos primários e reservatório território importante para a ascensão da geopolítica chinesa no Globo. De efeito, é válido dizer-se que, até então, se reproduziu um padrão típico “de relacionamento do tipo Norte-Sul” que o Brasil já vivera, baseado na divisão “[...] na produção e exportação de alimentos, minérios e energia, in natura ou com baixos níveis de processamento industrial”. (Cunha, Léslis e Bichara, 2012, p. 212).

Figura 02 - Pautas de importação do Brasil com relação à China (2008 a 2019)

Figura 02 - Pautas de importação do Brasil com relação à China (2008 a 2019)

Fonte: Elaborada com suporte nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

16Nota-se que o Brasil importa produtos tecnológicos da China, como máquinas e aparelhos elétricos e mecânicos; embarcações e estruturas flutuantes; produtos químicos e orgânicos; veículos automóveis e suas partes. Esse processo mostra nossa “fragilidade” em investimentos potenciais em indústrias locais, sobretudo da terceira revolução industrial, que possibilitem produzir e competir no mercado mundial com esses produtos de maior valor agregado. A terceira revolução industrial, como aponta Robert Kurz (2015, p. 40-41), conduz a um processo de redução de indústrias na periferia do capitalismo, resultado da falta de pujança anterior da economia, quando os países não conseguiram com sua produção de excedente o reequipamento da microeletrônica, ficando aquém dos padrões da lógica de competição instaladas pelos centros das corporações mundiais (EUA/América do Norte, União Europeia e Japão/Sudoeste Asiático) após a crise de 2008, forçando, assim, os territórios a se inserirem no mercado mundial sob o ordenamento desses três centros da geopolítica contemporânea.

17As possibilidades de crescimento econômico, no entanto, articulado com a reprimarização, se fizeram as pautas dominantes, ao analisar, em especial, a balança comercial entre Brasil e China. O destaque tem sido para o superávit brasileiro, em todo o período após a crise de 2008, sendo a produção e a exportação da soja o carro-chefe desse montante positivo. “Com as controvérsias comerciais envolvendo taxação sobre a soja norte-americana, houve maior demanda pelo produto brasileiro, o que primariza ainda mais a pauta de exportação”. (Lima, Jank e Malan, 2019, p. 9). Por intermédio da apreciação desses dados, entendem-se a solidez e a interdependência das relações de troca entre Brasil e China, tendo o Brasil exportado, de 2008 a 2019, 485,8 bilhões, e importado, no mesmo período, 354,6 bilhões, tendo o superávit de 131,2 bilhões, o que representa a importância que a China tem para os rendimentos do Estado brasileiro atualmente e, em contrapartida, o Brasil passa a ser também um novo território que realiza um destino do excedente de capital chinês (Figura 03).

Figura 03 - Exportação e Importação do Brasil em relação à China (2008-2019)

Figura 03 - Exportação e Importação do Brasil em relação à China (2008-2019)

Fonte: Elaborada com amparo nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

18A visualização das pautas de exportação e importação é de suma importância para a análise do redesenho da economia no Brasil interligada com a dinâmica da geopolítica contemporânea, sobretudo, dos conflitos entre EUA e China. O Brasil, como assinalam Cunha, Lélis e Bichara, precisa ser lido no “espelho da China”, ou seja, “[...] o dinamismo da economia brasileira tem ocorrido em um ambiente externo de mudanças estruturais provocadas, principalmente, pela ascensão chinesa” (2012, p. 210) e, assim, “[...] o desempenho da economia brasileira, especialmente no que se refere ao comércio internacional, pode ser percebido como refletindo, de forma inversa, o que acontece na China”. (2012, p. 211). Está em evidência, após a crise de 2008, é que o Brasil se transforma, de modo ampliado, em um dos principais territórios de reserva de recursos e produtor de commodities da América Latina para o abastecimento da China e, ainda mais, um consumidor de produtos industrializados e das tecnologias provindas da indústria chinesa. Esse processo constitui dinâmicas territoriais e regionais distintas para cada país e, no caso do Brasil, sua expressão mais forte está na intensificação territorial e na expansão geográfica das dinâmicas produtivas do agronegócio no interior do País, como é o caso da nova região produtiva no sudoeste do Piauí (Elias e Pequeno, 2006; Elias, 2015).

O sudoeste do território do Piauí na dinâmica da geopolítica chinesa

19Atualmente, a unidade federativa do Piauí tem suas relações internacionais, principalmente, com os três grandes centros da economia mundial, como os países que compõem o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, em destaque os Estados Unidos; países da União Europeia, como a França, a Espanha, a Alemanha; e com os núcleos asiáticos, como o Japão e a China. Esse processo revela-se com o mapeamento dos principais destinos dos produtos exportados do Piauí no comércio exterior. No período de recorte da nossa análise, da crise de 2008 ao ano de 2019, a China tem se configurado como o maior parceiro comercial da unidade federativa do Piauí, seguida dos Estados Unidos e da França. Grande parte do valor total exportado para esses países é referente aos produtos primários, principalmente os advindos do agronegócio e da mineração, como veremos mais à frente (Figura 04).

Figura 04 - Destino das exportações do Piauí (2008 a 2019)

Figura 04 - Destino das exportações do Piauí (2008 a 2019)

Fonte: Elaborada com esteio nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

  • 1

20O território do Piauí não foge à regra do que ocorre no interior do espaço agrário brasileiro. Como fração do Estado nacional, o Piauí é incorporado à expansão do processo geral de reprimarização da economia, sobretudo, com a penetração da geopolítica chinesa em seu território, demandando commodities. Entre os produtos exportados do Piauí para a China, destacam-se a soja, a cera vegetal e o algodão não cordado nem penteado (Figura 05). Já constatamos em outro texto que as pautas de exportações não advêm nem do mesmo arranjo regional, tampouco possuem a mesma importância econômica para o Estado sob exame. Para o primeiro ponto, levando em conta a divisão do Estado em 12 territórios do desenvolvimento6, cabe dizer que suas pautas de exportações se distribuem e se justapõem, grosso modo, assim: a soja e o algodão vem dos territórios denominados como Tabuleiro do Alto Parnaíba e da Chapada das Mangabeiras, enquanto a cera vegetal vem dos territórios de Carnaubais, Vale do Rio Guaribas, da Planície Litorânea, dos Cocais e do Entre Rios. Para o segundo ponto, é indiscutível o destaque que a soja tem na inserção do Piauí na geopolítica chinesa (Nascimento e Assis, 2019).

Figura 05 - Pauta de exportações do Piauí para a China após 2008

Figura 05 - Pauta de exportações do Piauí para a China após 2008

Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

21Ao analisar a pauta de importação dos produtos industriais chineses pelo Piauí, também conferimos uma sincronia com a pauta do Brasil, sendo destaque no território piauiense a compra de máquinas, de aparelhos e de materiais elétricos; de máquinas e instrumentos mecânicos e suas partes; de ferro fundido, ferro e de aço; de adubos (fertilizantes); e de veículos automóveis e suas partes (Figura 06).

Figura 06 - Pauta de importação do Piauí para a China após 2008

Fonte: Elaborada com suporte nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

22Quando se examina a Balança Comercial do Piauí com a China, constata-se que o Estado tem encontrado na China a maneira mais lucrativa de se incorporar ao mercado mundial. Como visto na Figura 04, as demais trocas comerciais com a Alemanha, a França, a Espanha, o Japão e os EUA são frágeis e com baixo volume permanente. A China é o país que dinamiza a economia do Piauí, tendo o Estado exportado, de 2008 a 2019, 1,7 bilhão, e importado, no mesmo período, 908 milhões, acumulando um superávit de 868,1 milhões (Figura 07).

Figura 07 – Balança Comercial do Piauí com a China após 2008

Figura 07 – Balança Comercial do Piauí com a China após 2008

Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

  • 1

23Cabe observar que o crescimento das exportações do Piauí, praticamente, se confunde com o que foi exibido na Figura 05, de intensificação da produção e da exportação de soja para a China. A soja é produzida, em grande parcela, nos territórios do desenvolvimento nomeados como Tabuleiro do Alto Parnaíba e da Chapada das Mangabeiras, precisamente, no interior da região que compreende ao bioma do cerrado, localizado no sudoeste do território do Estado. O recorte geográfico do chamado “cerrado piauiense” faz parte do conjunto de fronteiras dos territórios estaduais componentes do MATOPIBA7, uma recente delimitação territorial e nova fronteira agrícola no Brasil. Essa região foi recortada com supedâneo em alguns critérios: “[...] o primeiro critério dessa delimitação geográfica teve como base as áreas de cerrados dos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia” (Miranda, Magalhães e Carvalho, 2014, p. 9).

24O MATOPIBA conforma a tentativa de institucionalizar uma parcela dos cerrados do Norte-Nordeste do território brasileiro, visto como um reservatório de insumos para a expansão geográfica da produção de commodities com base na alta tecnologia. Essa delimitação territorial reúne um total de 337 municípios e 73 milhões de hectares, além de “[...] 324.326 estabelecimentos agrícolas que ocupam uma área de 33.929.100 ha, além de 46 unidades de conservação (8.334.679 ha), 35 terras indígenas (4.157.189 ha) e 781 assentamentos de reforma agrária e áreas quilombolas (3.033.085 ha) num total de 13.967.920 ha de áreas legalmente atribuídas”. (Miranda, Magalhães e Carvalho, 2014, p. 10).

25O sudoeste do Piauí, em termos particulares, constitui um fragmento dessa nova fronteira agrícola, com quatro microregiões e 8,2 milhões de hectares totais, tudo isso numa área composta por 33 territórios municipais (Miranda, Magalhães e Carvalho, 2014). O que nos interessa aqui, especificamente, é compreensão de que a demanda da China por commodities é força motriz para a incorporação geográfica dessa parcela do sudoeste do Piauí na participação direta com a exportação de alimentos e matérias-primas para o mercado chinês. Ao mesmo tempo, entende-se como essa nova aliança abre, concomitantemente, para a China, as possibilidades de um novo espaço consumidor para os excedentes de produtos industrializados chineses. Dentre os 33 territórios municipais inseridos no sudoeste do Piauí, como parte do MATOPIBA, o que temos evidenciado, até o momento, é a forte inserção de seis deles nas trocas comerciais com a China -Baixa Grande do Ribeira, Uruçuí, Bom Jesus, Monte Alegre do Piauí, Corrente e Santa Filomena (Figura 08).

Figura 08: Municípios piauienses incorporados nas trocas comerciais com a China

Figura 08: Municípios piauienses incorporados nas trocas comerciais com a China

Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

26Em termos naturais, os territórios desses municípios fazem parte dos espaços que possuem as frações dos platôs planos (Alves, 2009), ou chapadões do alto médio Parnaíba (Lima, 2016), com topos planos e levemente inclinados, variando de 800m a 300m, cobertos com árvores com cerrados piauienses com troncos tortuosos e distantes. Esses fatores são essenciais para a origem da expansão do agronegócio, igualmente aos baixos preços da terra, abundância de terras públicas e terras ocupadas por comunidades tradicionais que passam a ser disputadas na lógica do mercado imobiliário (Alves, 2009; Elias, 2015; Pitta, Boechat, Mendonça, 2017). Ainda sobre a natureza local, são limitantes apenas os solos que, mesmo profundos e arenosos, são quimicamente ácidos, com concentrações de ferro e alumínio (Peixiho e Scapel, 2009). Além das possibilidades de correções do solo, no entanto, com base na técnica e na ciência, o clima do tipo tropical, com chuvas de verão, principalmente, de novembro a março, com máximas anuais em torno dos 30°C (Lima, 2016), torna-se outro indutor importante para a agricultura moderna, participando do abastecimento dos cursos d’águas superficiais, como os rios Parnaíba, Uruçuí Preto, Gurgueia, entre outros, e dois grande aquíferos - Cabeças e Serra Grande. Segundo Feitosa e Demétrio, (2012), as estimativas indicam que o aquífero Cabeças possui capacidade de reserva em torno de 310 bi/m³, revelando também “[...] a possibilidade da extração de uma descarga do Cabeças, em bombeamento contínuo, da ordem de 20.000 m3/h, sustentável durante 300 anos, utilizando a disponibilidade já instalada (poços existentes)”. (Ibidem, p. 4).

27A apropriação dessa natureza remete às últimas três décadas e tem como os principais agentes, internos e externos, o Estado, as empresas nacionais (sobretudo de imigrantes do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais e outros) e as corporações transnacionais, como Bunge e Cargill, num exemplo. Essas firmas atuam juntamente com empresas nacionais e os poderes políticos locais (municípios e estados) que articulam essa particularidade do território e da economia realizada no Piauí em escalas nacional e internacional (Alves, 2006; Elias, 2015). Nos últimos tempos, no que se refere à montagem de infraestrutura nessa nova região produtiva, é imobilizada por esses agentes uma paisagem geográfica do capitalismo necessária para a acumulação, como o armazenamento para grãos. “O Piauí participa hoje com 11,5% do total da capacidade do Matopiba, com 99 instalações armazenadoras, com 60,6% da capacidade localizada na microrregião do alto parnaíba piauiense”. (Pereira, Castro e Procinato, 2018, p. 70). Nesse recorte do Piauí, ainda constam, atualmente, três aeroportos públicos e 15 privados, oito portos fluviais, a Rodovia Transcerrado, a ligação com a Ferrovia Transnordestina e o seu o “porto seco” (em construção), ligando o destino final, em Eliseu Martins-PI, aos portos nos litorais do Ceará e de Pernambuco (Pereira, Castro e Procinato, 2018).

28Os territórios municipais (Baixa Grande do Ribeira, Uruçuí, Bom Jesus, Monte Alegre do Piauí, Corrente e Santa Filomena) identificados na inserção das trocas com a China, expressam a intensificação e a expansão geográfica que caracterizam o sudoeste do território do Piauí como uma nova região produtiva de commodities. Para o caso particular do “cerrado piauiense”, é a principal região produtiva da Unidade federativa, contribuindo com o abastecendo do mercado chinês, sobretudo, com soja e outros produtos como algodão não cordado nem penteado e óleo de soja (Figura 09).

Figura 09 – Exportações do Sudoeste Piauiense para a China de 2008 a 2019

Figura 09 – Exportações do Sudoeste Piauiense para a China de 2008 a 2019

Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

29Ao analisar a pauta importadora de produtos chineses, destaca-se a permanência da importação de adubos (fertilizantes); máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos e suas partes; e as máquinas, aparelhos e materiais elétricos e suas partes - compras centralizadas nos Municípios de Bom Jesus, Uruçuí e Santa Filomena (Figura 10).

Figura 10 – Importações do Sudoeste Piauienses desde a China (2008 a 2018)

Figura 10 – Importações do Sudoeste Piauienses desde a China (2008 a 2018)

Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

30Nesta ilustração, destacamos as pautas de importações, desde a China, de produtos vinculados à fertilização da terra e demais produtos químicos que também acompanham a própria dinâmica da produção e da exportação do agronegócio. Faz-se necessário perceber que o agronegócio cria uma dinâmica de importação de produtos de “alto valor agregado”, com vínculo à correção de uma das principais deficiências naturais (os solos ácidos) e ainda absorve um conjunto de máquinas e instrumentos mecânicos-elétricos ligados a intensificação e expansão geográfica da região. Quando, porém, se analisa a “balança comercial” do Sudoeste do Piauí com a China, nota-se que, de 2008 a 2019, foi exportado o volume de 956,5 milhões, e importados, no mesmo período, apenas 151,6 milhões, tendo o Sudoeste do Piauí um superávit de 804,8 milhões.

Figura 10 – Importações do Sudoeste Piauienses, desde a China (2008 a 2018)

Figura 10 – Importações do Sudoeste Piauienses, desde a China (2008 a 2018)

Fonte: Elaborada com dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.

31A modalidade de delimitação, no momento, dos seis municípios do sudoeste do Piauí, que participam das exportações e das importações, é uma das iniciais maneiras que podemos identificar uma nova regionalização de onde vem grande parcela da produção da soja do Estado e, assim, a principal porta aberta para a penetração do “efeito-China” numa parcela do Brasil exportadora de commodities e importadora de produtos industrializados, uma fração dos impactos da tentativa de crescimento econômico baseado na reprimarização da pauta exportadora vinculada a permanência e ampliação das relações bilaterais com a China.

Considerações de remate

32Numa sociedade global que tem o excedente de capital como base do crescimento da taxa de lucros, o estudo baseado na abordagem geopolítica sobre o sudoeste do território do Piauí abre para pensarmos como em períodos marcados, sobretudo, por crises (momentos de desvalorização, quando não há modalidades lucrativas de absorção dos excedentes de capital, sendo aqui a crise de 2008 nosso ponto de partida), redefinem-se as relações dos centros com as periferias. Entre as consequências dessas reconfigurações globais estão as dinâmicas dos mercados internos e externos, as novas partilhas do Planeta e as influências externas que ordenam os territórios dos países para atender a divisão internacional do trabalho no comércio exterior. A paciência para acompanhar esse processo torna-se vital, sobretudo, em fenômenos recentes, como a depressão de 2008 e o papel que a China operacionaliza na geopolítica mundial. Aqui nos interessa, centralmente, destacar as mudanças que as relações com a China podem trazer para a economia, a política e os territórios periféricos da América Latina e, assim, o Brasil e seus arranjos regionais que participam diretamente das trocas assimétricas no mercado mundial com os chineses.

33Dessa maneira, investigar a realidade do território brasileiro com esteio nesse redesenho da geopolítica contemporânea, em especial, depois da depressão de 2008, é uma tarefa de investigação a longo prazo sobre a importância do comércio exterior chinês para o crescimento econômico associado às dinâmicas dos espaços regionais no Brasil. E, ainda mais, é um exercício de interpretação sobre as implicações políticas que as relações econômicas bilaterais Brasil-China trazem para cada unidade federativa acoplada na lógica da dinâmica da acumulação de uma grande potência. No caso específico do Piauí, verificamos ser a dinâmica da geopolítica chinesa aquela que se tornou a principal força de anexação sobre a incorporação do “cerrado piauiense”. Essa particularidade, claramente, é ordenada como uma nova região ligada às exportações de commodities, em destaque a soja, atendendo ao objetivo reprimarizador de continuar abastecendo o Mundo com alimentos e matérias-primas.

34Igualmente a Rogério Haesbaert (2015, p. 9), estamos convictos de que os “cerrados nordestinos”, em específico para nossa análise, o “piauiense”, se encontram “[...] inseridos em uma das maiores fronteiras contemporâneas (...) cujo papel geopolítico será crescente diante da relevância da questão da ‘segurança alimentar’ no futuro”.

Haut de page

Bibliographie

Acioly l., Costa Pinto e., Macedo Cintra M. As relações bilaterais Brasil-China: a ascensão da China no sistema mundial e os desafios para o Brasil. São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada / Ipea, 2011.

Alves V E L. « Novas dinâmicas socioespaciais introduzidas pelo agronegócio nos cerrados da Bahia, Maranhão, Piauí e Tocantins » Adão Bernardes J., Brandão Filho J. B. (Org). A territorialidade do capital: geografia da soja II. Rio de Janeiro: Arquimedes Edições, 2009, p. 151-175.

Assis R. J. S. A Iminência da Subordinação aos Estados Unidos: a afirmação do Brasil como periferia do capitalismo na exposição universal de Chicago. 2017. Tese (Doutorado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017.

Assis R. J. S., Silva O. F. A. « A reprimarização no Brasil sob a ascensão da geopolítica chinesa no comércio exterior (2008 – 2018) ». Brazilian journal of development. Curitiba, v. 6, n. 3, p. 12121-12139, 2020.

Assis R. J. S. « EUA, China e o Sul/Sudoeste do Piauí: a construção de um projeto de pesquisa ». In Nunes R. B. Experiências, realidades e contextos da educação do campo no sul do Piauí. Curitiba: Editora CRV, 2017, pp. 99-112.

Brasil. Plano de ação conjunta entre o governo da República Federativa do Brasil e o governo da República Popular da China, 2015-2021. Brasília: Governo Federal, 2015.

Brasil. Plano de ação conjunta entre o governo da República Federativa do Brasil e o governo da República Popular da China, 2010-2014. Brasília: Governo Federal, 2010.

Brasil. Plano Decenal de Cooperação entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China. Brasília: Governo Federal, 2011.

Carvalho L. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 2018.

Elias D., Pequeno R. (Org). Difusão do agronegócio e novas dinâmicas socioespaciais. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2006.

Cunha A. M., Lelis M. T., Bichara J. S. «O Brasil no espelho da China: tendências para o período pós-crise financeira global». Revista Economia Contemporânea. 2012, vol.16, n.2, p.208-236.

Elias D. «Reestruturação produtiva da agropecuária e as novas regionalizações no Brasil». in Alves V. E. L. (org). Modernização e regionalização nos cerrados do centro-norte do Brasil: oeste da Bahia, sul do Maranhão e do Piauí e leste de Tocantins. Rio de Janeiro: editora consequência, 2015, pp. 25-44.

Feitosa, F. A. C., Feitosa, E. C., Demétrio J. G. A. «O Vale do Gurguéia – uma zona estratégica de produção de água subterrânea». In. XVII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas . Mato Grosso do Sul/Bonito, pp.1-10 2012.

Figueredo, E. S., Espindola G. M., Silva A. J., Pereira M. L. C. « A inserção do capital transnacional e a expropriação de recursos naturais locais: uma análise do agronegócio no sudoeste do Piauí ». Geosul. Florianópolis, v. 34, n. 71, p. 665-686, 2019.

Haesbaert R. « Prefácio ». In Alves V. E. L (Org). Modernização e regionalização nos cerrados do centro-norte do Brasil: oeste da Bahia, sul do Maranhão e do Piauí e leste de Tocantins. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

Harvey, David. «The geopolitics of capitalismo». In: Spaces of capital: towards a critical geography. New York: Routledge, 2001, p. 312-344.

Kissinger H. Sobre a China. Tradução de Cássio de Arantes Leite. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

Kurz R. Poder mundial e dinheiro mundial: crônicas do capitalismo em declínio. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

Lima I. M. M. F., « Elementos naturais da paisagem do Piauí ». In: Araújo J. L. L. Altas escolar do Piauí: espaço geo-histórico e cultural. João Pessoa: Grafset, 2016.

Lima J. A. G., Jank M., Malan P. O agronegócio brasileiro no mundo. Conselho Brasileiro de Relações Internacionais – CEBRI. Breaking News #27: Rio de Janeiro, 2019.

Lyra O. « A China ainda tem boa vontade com o Brasil ». A tarde. Brasil, 11 de maio de 2020. Disponível em http://atarde.uol.com.br/economia/noticias/2127148-a-china-ainda-tem-boa-vontade-com-o-brasil-diz-charles-tang

Morán D. M. 136: el plan de China en América Latina, 2018.

Miranda E. E., Magalhães L. A., Carvalho C. A. Desenvolvimento territorial estratégico para região do Matopiba. Brasília: Embrapa, 2014.

Nascimento F. M. B., Assis, R. J. S. de. « O Piauí no comércio exterior: as localizações geográficas e as demandas por commodities da China como aspectos centrais da inserção no mercado mundial (2008 a 2018) ». In: Anais do III Seminário de Ensino, Pesquisa e Extensão do curso de Geografia. Teresina: Universidade Federal do Piauí, 2019.

Orgaz C. « Qual é o tamanho da dívida do Brasil e vizinhos com a China, e o que isso significa ». BBC news. Brasil, 7 de dezembro de 2019. Disponível em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-50581569

Palumbo D., Costa A. N. da. « Guerra comercial: 5 gráficos para entender a disputa entre EUA e China ». BBC news. Brasil, 13 de maio de 2019. Disponível em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-48228954.

Peixiho D. M., Scopel I. « A territorialização da agricultura moderna no Piauí ». In: Bernardes J. A., Brandão Filho J. B. Geografia da soja II: A territorialidade do capital. Rio de Janeiro. Arquimedes, 2009.

Pereira C. N., Castro C. N. de., Porcinato G. L. Dinâmica econômica, infraestrutura e logística no matopiba. Brasília: Ipea, 2018.

Pitta F. T., Boechat C. A., Mendonça M. L. « A produção do espaço na região do MATOPIBA: violência, transnacionais imobiliárias agrícolas e capital fictício ». Estudos Internacionais. Belo Horizonte, ISSN 2317-773X, v.5 n.2, 2017, p.155 – 179.

Pomar W. A Revolução Chinesa. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

Salama P. « China-Brasil : industrialização e desindustrialização precoce ». Cadernos do Desenvolvimento. Rio de Janeiro, v. 7, n. 10, p. 229-251, jan.-jun. 2012.

Santos D. A. N. dos; Oliveira M. C. « Relações Econômicas entre Brasil e China no Período de 2008 a 2013 ». In: Anais do IV Semana do Economista e IV Encontro de Egressos. Ilhéus/ BA: Universidade Estadual de Santa Cruz, 2014.

Stuenkel O. O Mundo pós-ocidental: potências emergentes e a nova ordem global. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

Haut de page

Notes

1

Agradecemos ao CNPq pela bolsa de Iniciação Científica e pelos custeios para a realização do projeto de pesquisa A China e a incorporação do sudoeste do Piauí na geopolítica contemporânea (2008 – 2020). Aos estudantes Marcos Ferreira (2016-2017), Fábio Nascimento (2018-2019), Osmar da Silva (2018-2020), Larissa do Carmo (2019-2020), Pedro Henrique (2019-2020) e Elayne Figueredo (2019 – 2020) pelas contribuições nas atividades técnicas e investigações do Diretório de Pesquisa Geopolítica Contemporânea e Ordenamentos Territoriais, sediado na Universidade Federal do Piauí.

2

MOREIRA, Alceu. Nota oficial. Frente Parlamentar Agropecuária (FPA). Brasília – DF, 19 de março de 2020. Disponível em https://agencia.fpagropecuaria.org.br/2020/03/19/nota-oficial-relacao-brasil-e-china/

3

Consórcio Nordeste solicita material para tratar Covid-19 à China. Diário de Pernambuco. 21 de março de 2020. Disponível em https://www.diariodepernambuco.com.br/noticia/politica/2020/03/consorcio-nordeste-solicita-material-para-tratar-covid-19-a-china.html

4

SÁ, Nelson de. China começa a frear importações do Brasil. Folha de São Paulo. São Paulo – SP, 31 de março de 2020. Disponível em https://www1.folha.uol.com.br/colunas/nelsondesa/2020/03/china-comeca-a-frear-importacoes-do-brasil.shtml. Ver também: OLIVEIRA, Bruna. Coronavírus: Fornecedor chinês cancela compra de 600 respiradores feita pelo Consórcio Nordeste. Disponível em https://jc.ne10.uol.com.br/brasil/2020/04/5604821-coronavirus--fornecedor-chines-cancela-compra-de 600-respiradores-feita-pela-regiao-nordeste.html

5

Os dados do PIB da China estão disponíveis no site https://data.worldbank.org/?locations=BR-CN

6

O mapa dos 12 Territórios de Desenvolvimento do Piauí está no documento PDES-PI 2050, elaborado pela Secretária do Planejamento do Estado do Piauí (SEPLAN-PI): Planície Litorânea, Cocais, Carnaubais, Entre Rios, Vale do Sambito, Vale do Guaribas, Vale do Rio Itaim, Vale do Canindé, Serra da Capivara, Tabuleiros do Alto Parnaíba, Vale dos Rios Piauí e Itaueira e Chapada das Mangabeiras.

7

MATOPIBA é um acrônimo reunindo as iniciais dos “estados brasileiros do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Ficou assim conhecida em reportagens da mídia e projetos do governo “(...) O governo tornou oficial a região do MATOPIBA por meio do Decreto no. 8.447, que instituiu o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do MATOPIBA e o seu Comitê Gestor articulando os referidos estados e diversos ministérios”. (Pitta, Boechat; Mendonça, 2017, p. 156)

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 01: Pauta de exportação do Brasil para a China (2008 a 2019)
Crédits Fonte: Elaborada com suporte nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-1.png
Fichier image/png, 42k
Titre Figura 02 - Pautas de importação do Brasil com relação à China (2008 a 2019)
Crédits Fonte: Elaborada com suporte nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-2.png
Fichier image/png, 47k
Titre Figura 03 - Exportação e Importação do Brasil em relação à China (2008-2019)
Crédits Fonte: Elaborada com amparo nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-3.png
Fichier image/png, 12k
Titre Figura 04 - Destino das exportações do Piauí (2008 a 2019)
Crédits Fonte: Elaborada com esteio nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-4.png
Fichier image/png, 25k
Titre Figura 05 - Pauta de exportações do Piauí para a China após 2008
Crédits Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-5.png
Fichier image/png, 14k
Crédits Fonte: Elaborada com suporte nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-6.png
Fichier image/png, 38k
Titre Figura 07 – Balança Comercial do Piauí com a China após 2008
Crédits Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-7.png
Fichier image/png, 24k
Titre Figura 08: Municípios piauienses incorporados nas trocas comerciais com a China
Crédits Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-8.png
Fichier image/png, 184k
Titre Figura 09 – Exportações do Sudoeste Piauiense para a China de 2008 a 2019
Crédits Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-9.png
Fichier image/png, 14k
Titre Figura 10 – Importações do Sudoeste Piauienses desde a China (2008 a 2018)
Crédits Fonte: Elaborada com base nos dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-10.png
Fichier image/png, 26k
Titre Figura 10 – Importações do Sudoeste Piauienses, desde a China (2008 a 2018)
Crédits Fonte: Elaborada com dados do Ministério da Economia (COMEX STAT), 2008 a 2019.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37414/img-11.png
Fichier image/png, 14k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Raimundo Jucier Sousa de Assis, « China, Brasil e Piauí:nova regionalização no “cerrado piauiense” em face da dinâmica da geopolítica contemporânea (2008 – 2019) »Confins [En ligne], 50 | 2021, mis en ligne le 12 juin 2021, consulté le 28 octobre 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/37414 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.37414

Haut de page

Auteur

Raimundo Jucier Sousa de Assis

Professor do Curso de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política / Universidade Federal do Piauí – UFPI, raimundojucier@ufpi.edu.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search