Navigation – Plan du site

AccueilNuméros50DossiêA utilização do xadrez como recur...

Dossiê

A utilização do xadrez como recurso metodológico para o ensino da geografia política na Educação básica: uma experiência do projeto “Residência Pedagógica” em Caicó/RN/Brasil

L’utilisation du jeu d’échecs en tant que ressource méthodologique pour l’enseignement de la géographie politique dans l’Éducation de base : une expérience du projet “Residência Pedagógica” à Caicó/RN, Brésil
The use of chess as a methodological resource for the teaching of political geography in Basic Education: the experience of the project "Pedagogical Residence" in Caicó / RN / Brazil.
Iapony Rodrigues Galvão et Fábio Márcio de Azevedo

Résumés

La Géographie enseignée en classe a possédé un caractère descriptif durant une grande période de son parcours scolaire, celle-ci cherchait à faire accumuler en nombre excessif d’informations, ce qui ne produisait pas une réflexion critique sur les objets d’étude de la Géographie comme l’Espace et le Territoire. Selon les Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), l’enseignant doit utiliser des ressources didactiques qui motivent les élèves en construisant une pensée critique et réflexive. Une bonne suggestion pour que les leçons soient plus dynamiques et motivantes, c’est l’utilisation du jeu d’échecs en tant que ressource méthodologique, car tel élément ludique engendre, en plus d’une pratique d’enseignement différenciée de celle employée habituellement, de nouvelles possibilités de réflexion et concentration chez les élèves dans diverses activités quotidiennes en classe. Ainsi, les échecs peuvent être considérés un élément de promotion d’un large développement cognitif chez l’apprenant en facilitant le processus d’enseignement-apprentissage. Pour l’enseignement de Géographie, les échecs ont l’importante fonction de, à partir de ses atributs et règles pour son fonctionnement, aider les élèves dans la compréhension des objets d’étude de la géographie comme l’Espace et le Territoire, des contenus rapportés à la Géographie Politique. De cette manière, cette recherche, réalisée dans la licence en Géographie du Centre d’Enseignement Supérieur du Seridó, attachée à l’Université Fédérale du Rio Grande do Norte, à partir des interventions pédagogiques du programme “Residência Pedagógica” (Résidence Pédagogique) à l’école de l’état Professor Antônio Aladim de Araújo, à Caicó/RN, a démontré que l’utilisation cohérente de tel élément ludique a aidé non seulement dans l’enseignement de Géographie, mais aussi dans d’autres matières scolaires du programme d’enseignement, parce qu’il a élargi les possibilités de concentration des élèves dans les séances d’autres matières, ce qui a produit des progressions dans leur performance et dans leur apprentissage.

Haut de page

Texte intégral

1A ciência geográfica e a sua proposta de ensino possuíram, em boa parte de sua trajetória, um caráter descritivo e alienante, conforme afirma Cavalcanti (1998). Nesta perspectiva de ensino, em geral intitulada como “tradicional”, se buscava muito mais abordar um número excessivo de informações, não gerando, portanto, uma reflexão crítica sobre objetos de estudo da Geografia, como o espaço e o território.

2Para a efetivação dessa reflexão, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), o professor, ao utilizar recursos didáticos que estimulem os alunos, como aulas práticas, utilização de maquetes, fotografias aéreas, imagens de satélite, recursos lúdicos, entre outros, evitando utilizar apenas os recursos “tradicionais” (quadro e giz), leva ao estimulo de uma compreensão mais ampla do mundo, construindo um pensamento crítico e reflexivo, a partir de aulas mais dinâmicas e estimulantes, as quais despertam a Raimundo Nonato Junior2021-06-01T09:19:00RNJcriatividade.

3Desta maneira, os recursos didáticos acima citados, quando bem planejados e adaptados à realidade podem estimular nos alunos esse desejo de compreender o mundo, especificamente, o contexto em que vivem. Estimulada, a prática de ensino e aprendizagem da Geografia, se torna prazerosa, tanto para o próprio professor como para o aluno, consolidando o interesse dos discentes em compreender o mundo. Isso é importante, inclusive, para o próprio desenvolvimento cognitivo dos alunos.

4Desta forma, a presente pesquisa, realizada na licenciatura em Geografia do Centro de Ensino Superior do Seridó, vinculada à Universidade Federal do Rio Grande do Norte, advinda das intervenções pedagógicas do programa “Residência Pedagógica” na Escola Estadual Professor Antônio Aladim de Araújo, em Caicó/RN.

5Sobre as intervenções pedagógicas, há destaque para o xadrez, o qual teve a relevante função de, a partir de seus atributos e regras para o seu funcionamento, auxiliar os discentes na compreensão dos objetos de estudo da geografia, como o Espaço e Território, em conteúdos ligados a Geografia Política.

6Desta forma, a utilização do lúdico a partir do incentivo à prática do xadrez, incentiva a melhoria de formação de professores para a educação básica e a elevação da qualidade da escola pública, auxiliando não somente no ensino de Geografia, mas também em outras disciplinas existentes na grade curricular, ampliando as possibilidades de concentração dos alunos nas aulas ministradas nas demais disciplinas, gerando avanços no desempenho e na aprendizagem dos mesmos.

A utilização das técnicas lúdicas na Geografia: algumas considerações

7Ao se discutir sobre metodologias para o ensino de Geografia, como o uso de técnicas lúdicas, cabe destacar, inicialmente, que o modelo baseado nas aulas tradicionais, a partir apenas na explanação do professor e na memorização do conteúdo pelo aluno, conduz a necessidade da utilização de metodologias inovadoras e criativas que auxiliem no processo de ensino e de aprendizagem.

8E a prática de ensino é um passo relevante para que o futuro docente possa apontar possíveis contribuições para debater mais profundamente sobre tais problemáticas. É o debate que pode apontar caminhos para a resolução dos problemas existentes no processo educacional, e isso se torna possível através da utilização de recursos pedagógicos inovadores, como é o caso das atividades baseadas em técnicas lúdicas.

9É evidente que o professor não deve ser apenas um mero “transmissor” de conhecimento, mas também deve saber observar e apreender com as experiências vivenciadas pelos estudantes. Não adianta ensinar um conteúdo complexo, vangloriando-se de ter tal conhecimento se ninguém acompanha ou se o contexto de sua sala é limitado. Ele deve participar ativamente da construção social do aluno, possibilitando-o estar apto às contínuas mudanças de nosso dia a dia.

10As técnicas lúdicas são recursos complementares e relevantes para o ensino em sala de aula. Porém, para que tais ferramentas manifestem um bom resultado, torna-se necessário relacionar estas com os conceitos geográficos, afim de que o discente se sinta motivado a aprofundar seu conhecimento científico.

11A técnica, por si só, é um meio. É a partir do fenômeno técnico, que se entende “a produção e a transformação de um meio geográfico, assim como, por outro lado, as condições de organização social e geográfica, necessárias à introdução de uma nova técnica. (...) o objeto técnico define ao mesmo tempo os atores e espaço”, como afirma Santos (1996, p.33). Assim, Santos (1996, p.23) afirma que a técnica, deve ser definida como “um conjunto de meios instrumentais e sociais, com os quais o homem realiza sua vida, produz e, ao mesmo tempo, cria espaço”.

12No atual período histórico em que vivemos, percebe-se uma grande simultaneidade, onde, segundo Santos (2008, p.117), em cada momento, “é compreendido em todos os lugares, eventos que são independentes, incluídos em um mesmo sistema de relações. Os progressos técnicos permitem a fotografia do planeta, permitem-nos uma visão empírica da totalidade dos objetos instalados na Terra”.

13Como afirma Santos (2008, p.117), é necessário criar a consciência de uma época, tendo como fator decisivo para tanto, “a interdependência da ciência e da técnica em todos os aspectos da vida social, situação que se verifica em todas as partes do mundo e em todos os países”.

14Completando tal afirmação, percebe-se, segundo o Santos (2008, p.117), que o próprio espaço geográfico pode ser chamado de “meio técnico-científico, o espaço geográfico, agora mundializado, redefine-se pela combinação desses signos. O período atual é marcado por uma unicidade técnica”.

15Dentro deste contexto de uma unicidade técnica, percebe-se que a mesma é essencial para explicitar a transformação ocorrida na atualidade, gerando, assim, a produção, conforme afirma Santos (1996, p.190) de um “meio técnico-cientifico-informacional, num mundo dominado pela técnica, pela ciência e pela informação”.

16Complementando tais ideias, Lévy (1996, p.43) afirma que a era atual das tecnologias da informação e comunicação estabelece uma nova forma de pensar sobre o mundo que vem substituindo princípios, valores, processos, produtos e instrumentos que mediam a ação do homem com o meio.

17Logo, percebe-se que estas novas técnicas, influenciam enormemente na atual configuração da sociedade global, muito embora nem toda esta possua plenamente à sua disposição de tais recursos, pois, boa parte destes estão nas mãos de uma pequena parcela da humanidade, no âmbito do perverso processo globalizante.

18Contudo, há a possibilidade dos profissionais da educação de utilizarem as técnicas que estiverem ao seu alcance, a fim de tornar o ensino mais dinâmico, não se esquecendo, contudo, possibilitar aos alunos, conforme afirmado por Santos (2000), uma consciência crítica e um discurso que demonstrem, claramente, as fábulas e perversidades existentes no período atual.

19E no ensino de Geografia, o uso das técnicas, especialmente as ligadas a um caráter mais lúdico, tornam-se cada vez mais recorrentes em sala de aula, ficando vez mais evidente que as mesmas podem contribuir consideravelmente para a melhoria do ensino, como atesta Banhara (2008, p.15):

Através da aplicação da intervenção e pela análise da participação dos alunos e resultados obtidos na aprendizagem dos mesmos, conclui-se que a utilização da tecnologia apoiada por várias mídias sendo um recurso que os jovens convivem diariamente e que gostam muito, produzindo grandes resultados na educação, acompanhado as mudanças que ocorrem na sociedade.

20Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), implantados em 1998, tornam evidente a utilização destas metodologias, possibilitando aos discentes utilizarem diferentes fontes de informações e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos.

21É importante enfatizar, contudo, que nesta utilização de técnicas lúdicas, seria importante que o docente possuísse domínio ou orientação técnica necessária para inovação das aulas, contudo, sabemos que muitos professores se encontram a margem do uso da tecnologia.

22Daí a importância da atuação direta do curso de graduação em Geografia – Licenciatura, a partir dos Estágios supervisionados e de programas de formação docente, como a “Residência Pedagógica” nas escolas, os quais proporcionam um aprofundamento metodológico enriquecedor nos conteúdos da ciência geográfica, ampliando a fundamentação teórica, apresentando materiais e recursos disponíveis, a partir de exemplos e práticas docentes, como o uso das técnicas lúdicas na educação básica e apresentando algumas sugestões de atividades dentro do conteúdo programático, de forma a ajudar os professores para o uso da ferramenta como recurso didático.

23Apesar de algumas reservas a esta prática de ensino, particularmente por parte de pedagogos mais ligados às práticas tradicionais, o uso de técnicas lúdicas se tornam algo cada vez mais presente no dia-a-dia das escolas de ensino fundamental e médio brasileiras, sejam elas públicas ou privadas, uma vez que a agravante situação atualmente existente no contexto educacional brasileiro obriga os docentes e a gestão escolar a buscarem alternativas urgentes, a fim de ampliar, cada vez mais, o conhecimento dos alunos sobre os valores para a compreensão e interpretação do mundo e seus fenômenos.

24E a Geografia, através da compreensão do espaço como um sistema de objetos e ações, conforme afirma Milton Santos (1996), tem nas técnicas um relevante elemento contribuinte deste sistema, incentivando o professor de Geografia, a partir desta compreensão, a direcionar as práticas educativas, como o uso das técnicas educacionais, de uma forma a auxiliar o discente na sua compreensão e reflexão do mundo.

25Desta forma, conforme afirma Cavalcanti (1998, p.43), “as técnicas lúdicas são ferramentas educacionais importantes para a compreensão do aluno sobre o mundo em que o mesmo vive”, como ocorreu no uso do Xadrez para o ensino de conteúdos da Geografia Política, associado aos conceitos de Espaço e Território, na Escola Estadual Professor Antônio Aladim de Araújo, em Caicó – RN, como será mais detalhado a seguir.

A utilização das técnicas lúdicas no ensino de geografia política: a aplicação na Escola Estadual Professor Antônio Aladim de Araújo, em Caicó – RN

26Preliminarmente, torna-se necessário contextualizar o espaço escolar onde ocorreram as atividades e intervenções da Residência Pedagógica – licenciatura em Geografia - CERES/UFRN, na Escola Estadual Prof. Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, localizado em Caicó – RN, representado nas imagens a seguir.

Imagem 1. Localização da Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, em Caicó – RN

Imagem 1. Localização da Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, em Caicó – RN

Fonte: Fábio Márcio de Azevedo, 2018.

Imagem 2. Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, em Caicó – RN.

Imagem 2. Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, em Caicó – RN.

Fonte: Fábio Márcio de Azevedo, 2019

27Sobre a composição da Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo, a mesma possui mais de 500 alunos dos Ensinos fundamental II e médio, com a presença de discentes com grandes limitações socioeconômicas e um nível de aprendizado que reflete a difícil situação vivida na atualidade na educação brasileira, na qual os alunos chegam ao final da Educação básica com acentuadas carências na leitura, escrita e compreensão dos assuntos abordados.

28Assim, havia necessidade de realização de atividades que pudessem enfrentar este quadro adverso, sendo colocada, em pauta, a proposta de utilização das técnicas lúdicas, compreendida, conforme afirma Cavalcanti (1998, p.42), como os “procedimentos tecnológicos utilizados didaticamente para ampliar o aprendizado dos discentes”.

29Logo, dentro desses desafios, tornava-se evidente que havia a grande necessidade de realização de atividades que buscassem despertar nos alunos um senso crítico maior sobre o seu mundo, e também gerasse maior interação com os docentes, mesmo com este quadro complexo.

30Dessa forma, foi colocada em pauta a proposta de utilização das técnicas lúdicas, compreendida, de acordo com Cavalcanti (1998, p.42), como os “procedimentos tecnológicos utilizados didaticamente para ampliar o aprendizado dos discentes”, surgindo, então, como relevante alternativa para ampliar o interesse dos alunos pelas aulas de Geografia.

31Para consolidar a proposta, foi exemplificado o uso do xadrez como auxilio para o aprendizado de conteúdos ligados ao Espaço e Território, o qual poderia ser amplamente empregado nas abordagens dos assuntos ligados a Geografia Política.

32Entretanto, houve uma inicial resistência dos docentes que já trabalhavam na escola a tais atividades, pois para estes as atividades propostas comprometeriam o calendário escolar e o cumprimento de obrigações com o livro didático.

33Porém, durante a exposição e implantação da proposta, ficou claro que tais atividades só ajudavam o docente a encontrar formas ainda melhores para o aprendizado, de acordo com Cavalcanti (1998, p.49), a partir da “realização de atividades que realmente chamem a atenção do aluno para as grandes questões a serem discutidas pelo docente e pela sua disciplina”.

34Assim, mesmo com tal dificuldade inicial colocada, as atividades ligadas às técnicas lúdicas nas aulas de Geografia foram sendo realizadas na periodicidade de uma aula por semana, a fim de reduzir maiores conflitos com a gestão escolar e de mais docentes que não eram favoráveis a metodologias lúdicas, além de só ocorrerem em uma única turma, a fim de avaliar como seria o possível desempenho dos discentes após as atividades propostas.

35Desta forma, a aplicabilidade do lúdico nas aulas de Geografia ocorreu em conteúdos ligados a Geografia Política, em duas turmas do 1° ano do ensino médio, as quais estavam discutindo sobre “O mundo pós- 2° Guerra: a Guerra Fria”. A estratégia utilizada, então, foi a de dividir a sala em dois grupos, onde um deles representava possíveis países alinhados ao capitalismo e o outro grupo representava países alinhados ao socialismo. Através de um jogo de perguntas e respostas, os alunos eram estimulados a discutirem sobre a Guerra Fria, principal fato do pós-guerra, além da modernização econômica e até mesmo a globalização.

36Após a aplicação da atividade supracitada, ficou evidente a melhoria da aprendizagem dos alunos após a atividade proposta, além da melhoria do desempenho deles. Contudo, pudemos perceber que tal atividade, mesmo sendo utilizadas as mesmas metodologias em ambas as turmas, possuiu resultados distintos, pois a primeira turma não obteve um interesse significativo pela citada atividade, diferentemente da segunda que obteve mais sucesso em sua execução. Mas houve um maior interesse pelos estudos e compreensões geográficas em ambas as turmas, tornando relevante a utilização do lúdico no ensino de Geográfica Física.

37Nesta perspectiva de aplicabilidade de metodologias lúdicas, num segundo momento foi proposto o uso de um jogo de tabuleiro composto por “casas”, onde os alunos também respondiam perguntas sobre diversos temas ligados à constituição espacial e territorial mundial e brasileira. Tal atividade também era dividida em grupos temáticos em sala de aula, contando com a participação dos alunos do 1° ano do ensino médio, sendo igualmente proveitosa e estimulante para estes.

38O resultado foi tão positivo, que esta técnica lúdica deverá ser direcionada para outras turmas havendo uma adequação do conteúdo proposto, o qual deverá sofrer modificações de acordo com o assunto ministrado pelo professor e a faixa etária dos alunos.

39Para complementar tal quadro, é importante frisar que tal atividade também serviu como importante auxilio no trabalho do livro didático, estimulando ainda mais os alunos ao um aprendizado condizente e eficaz, quebrando os paradigmas impostos pelo ensino tradicional de Geografia e colocando as técnicas lúdicas num patamar adequado.

40E, finalmente, num terceiro momento, consolidando a utilização de jogo de tabuleiro como ferramenta lúdica para o ensino da Geografia política, foi introduzido pelos discentes da Residência Pedagógica o jogo de xadrez para discutir, no caso da Guerra Fria, o papel dos Estados Unidos e da União Soviética para a composição territorial e espacial em diferentes partes do mundo. Assim, os movimentos e as peças que compõem o milenar jogo foram utilizados, metodologicamente, como analogia aos diferentes movimentos e ações territoriais e espaciais norte-americanas e soviéticas ocorridos durante a Guerra Fria.

41Sobre as regras básicas do xadrez, cabe destacar que, durante uma partida, cada enxadrista controla dezesseis peças que podem ser de cor clara ou escura (normalmente brancas e negras), sendo que as brancas devem sempre fazer o primeiro lance. É necessário um tabuleiro com oito fileiras e oito colunas composto por sessenta e quatro casas. Inicialmente as regras podem parecer complicadas, contudo, ao iniciar o entendimento da partida, o aluno sente-se instigado a aprimorar o jogo e buscar novas estratégias de jogadas, e esta busca exige raciocínio e consequentemente concentração.

42Ao se fazer uma análise das regras do xadrez, pode-se observar que há uma relação com os conceitos da Geografia, uma vez que há o aprofundamento da análise de um determinado espaço para melhor atuar sobre ele, e há também a relação das peças com o território (as casas), pois cada peça tem o seu território delimitado (movimentos das peças), surgindo, assim, relações de poder que tanto se estuda nas disciplinas de Geografia política e geopolítica.

43Conforme discutido na ciência Geográfica, os diferentes espaços possuindo normas, regras e formas distintas, que fazem diferentes sentidos para as pessoas, com essas peculiaridades nos espaços sendo exercidas de acordo com as relações de poder existentes em diferentes grupos sociais. Assim, esse domínio exercido por pessoas ou grupo de pessoas sobre um determinado espaço, conforme afirma Raffestin (1993), denomina-se território, sendo caracterizado, portanto, como espaços definidos e delimitados por/e a partir de relações de poder.

44Desta forma, nasce nas discussões das relações de domínio e poder da Guerra Fria, correlações dos estudos da Geografia política na educação básica com o xadrez, auxiliando que as relações de espaço, território e poder possam ser mais bem compreendida pelos alunos, pois o referido jogo faz os discentes pensarem, refletirem e correlacionarem a prática do jogo com os conceitos geográficos a serem discutidos na abordagem do conteúdo relativo à Guerra Fria.

45Assim, as escolas possuem no lúdico, em especial no jogo de xadrez, como uma ferramenta poderosa para desenvolver as potencialidades das crianças e adolescentes, tais como concentração, memória, lógica, abstração, determinação, disciplina e capacidade de análise.

46Além disso, o xadrez não depende de materiais caros para a realização da atividade, uma vez que há a necessidade apenas de um pequeno tabuleiro, 32 peças e o respectivo ensinamento de um dos jogos mais antigos da humanidade. É uma atividade que não precisa de uma infraestrutura ampla, uma vez que o jogo é adaptável a qualquer ambiente que estivermos, possuindo facilidades também no deslocamento e transporte do jogo, proporcionando ao aluno, portanto, uma melhor condição de raciocínio e consequentemente concentração, gerando, com isso, um avanço no nível escolar e apreensão dos temas escolares.

47Consolidando este uso do xadrez como metodologia lúdica capaz de demonstrar os diferentes movimentos espaciais e territoriais relativos às ações de Estados Unidos e União Soviética na Guerra Fria, também merece destaque a utilização de mapas como relevante ferramenta metodológica de compreensão espacial.

48Assim, este recurso didático, essencial para o trabalho docente, tornou-se fundamental, juntamente com o xadrez, para que os alunos pudessem visualizar as diversas estratégias e mudanças territoriais no mundo durante o período compreendido entre os anos de 1945, com o fim da II Guerra Mundial e o início da Guerra Fria até o final dos anos 1980, com o progressivo processo de esfacelamento do bloco socialista e da própria União Soviética.

49Através de mapas impressos em papel e mapas virtuais, existentes em larga escala na rede mundial de computadores (há uma notável quantidade de materiais didáticos sobre a temática), os alunos consolidaram a compreensão territorial da Guerra Fria, refletindo e com isso tendo uma compreensão mais aprofundada sobre esse assunto.

50E para consolidar ainda mais as atividades e técnicas lúdicas, foram utilizados recursos mais aproximados aos atuais avanços técnicos, como a rede mundial de computadores (internet) e programas voltados ao geoprocessamento, utilizando, para tanto, os microcomputadores existentes no laboratório de informática da escola, onde foram demostrados páginas da internet voltadas para a Guerra Fria e vídeos disponibilizados na rede mundial de computadores sobre a temática.

51Desta forma, a presente pesquisa, realizada como atividade integrante do Programa “Residência Pedagógica” e da própria formação de licenciados em Geografia no CERES/UFRN, auxiliou consideravelmente na formação dos futuros professores de Geografia, possibilitando a melhoria da educação básica e a elevação da qualidade da escola pública, possuindo bastante êxito em sua execução, uma vez que, após as sucessivas partidas de xadrez, houve melhorias no rendimento dos conteúdos, como as discussões da Geografia Política, além da melhora de comportamento durante as aulas e maior concentração na execução de trabalhos e provas.

52Logo, a partir dos bons resultados obtidos com o uso lúdico do xadrez em conteúdos geográficos, em especial na Geografia Política, metodologias lúdicas concomitantes ao xadrez foram utilizadas largamente não apenas no Ensino de Geografia, mas em outras disciplinas no ensino fundamental e médio, demonstrando, portanto, o sucesso das atividades lúdicas no ensino.

53Destarte, com a utilização destes recursos didáticos lúdicos, em especial com o uso do xadrez, ficou evidente uma melhor compreensão do aluno sobre as interações territoriais e espaciais, essenciais para a compreensão dos conteúdos da Geografia Política, contribuindo para uma aprendizagem mais crítica e reflexiva, quebrando também a resistência da equipe escolar sobre a eficácia destas atividades ligadas as técnicas lúdicas. Houve, também, a quebra da resistência em ampliar as metodologias com equipamentos acadêmicos inovadores, que rompem com as metodologias obsoletas, ainda utilizadas por diversas instituições de ensino, bem como por muitos docentes, que insistem na tradicionalidade do ensino.

54Portanto, a aplicação do xadrez como metodologia lúdica no ensino de Geografia Política, além de incentivar e aprofundar o processo de ensino-aprendizagem amplia o nível de cognição, percepção, raciocínio e paciência em pensar, uma vez que o referido jogo proporciona toda essa gama de vantagens para os discentes, a partir do uso de elementos metodológicos lúdicos em sala de aula, levando a conclusão que o xadrez é uma ferramenta poderosa para o professor, bem como para a melhoria na qualidade de ensino de Geografia.

Considerações finais

55O compromisso com a aprendizagem de todos os alunos só se efetiva com uma escola que ensina e, que oportuniza e potencializa espaços de formação condizentes com as necessidades de todos os sujeitos aprendizes. Na escola não só o aluno tem o que aprender, mas o professor, também precisa aprender a ensinar a cada um de seus alunos, ou seja, deve-se refletir sobre a construção dos saberes profissionais necessários aos educadores, os quais devem ser comprometidos com a aprendizagem de todos os alunos. Só aprende a ensinar aqueles que aprendem a aprender.

56Assim, a utilização do lúdico no ensino de Geografia, particularmente a partir da utilização do xadrez como metodologia de ensino-aprendizagem nas aulas de Geografia Política, estimulam os alunos a desejar compreender o mundo, especificamente, o contexto em que vivem. Estimulada, a prática de ensino e aprendizagem da Geografia, se torna prazerosa, tanto para o aluno como para o próprio professor, consolidando o interesse dos discentes em compreender o mundo, havendo, com isso, um importante desenvolvimento cognitivo dos mesmos.

57Este estímulo do desenvolvimento, do raciocínio e da aprendizagem, só é possível a partir da adequação dos recursos didáticos de uma melhor forma possível. E esta utilização totalizante e coerente do lúdico no ensino de Geografia Política torna-se fundamental num período acelerado e alienante como o de hoje, onde um trabalho reflexivo por parte do docente poderá auxiliar, de uma maneira coerente, na melhoria da educação de nossa gente e de nosso país.

58Diante dos fatos acima mencionados, afirma-se que o trabalho desenvolvido pelo programa “Residência Pedagógica”, a partir da Licenciatura em Geografia do CERES/UFRN, na Escola Estadual Professor Antônio Aladim de Araújo, em Caicó – RN foi imensamente proveitoso, mesmo com momentos de dificuldades encontrados pela falta de equipamentos na escola e pela incompreensão inicial das metodologias ligadas ao lúdico por parte dos docentes e gestores realizando. Tal experiência demonstrou aos futuros licenciandos, na prática, atividades inerentes ao trabalho docente, a partir destas experiências obtidas em sala de aula.

59Para finalizar, cabe destacar uma afirmação do grande geógrafo brasileiro Milton Santos (2008, p.115), onde o mesmo diz que “é necessário partir da consciência da época em que vivemos, sabendo o que o mundo é e como ele se define e funciona. É somente assim que se podem formar cidadãos conscientes e capazes de atuar no presente, ajudando a construir o futuro”. Portanto, sobre os processos de ensino-aprendizagem na Geografia, em especial no que se refere ao uso do lúdico, deve-se sempre ter, como ponto de partida, conforme afirma Souza (2003), “o hoje, pois a Geografia é a ciência do presente”.

Haut de page

Bibliographie

Banhara, Geraldo Donizete. A utilização de Novas tecnologias no ensino de Geografia. In: Dia a Dia Educação: Portal Educacional do Estado do Paraná, Curitiba, 2009. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2125-8.pdf. Acesso em: 04 de Setembro de 2019.

Brasil. Ministério da Educação e Cultura. Paramêtros Curriculares Nacionais para o ensino Fundamental e ensino Médio. Brasília. 1998.

Candau, Vera Maria. (org.). Reinventar a escola. Petrópolis: Vozes. Brasília: 2000.

Cavalcanti, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Papirus: Campinas. 1998.

Freire, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1996.

Lévy, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.

Raffestin, Claude. Por uma Geografia do Poder. São Paulo, Ática, 1993.

Rego, Teresa Cristina. Vygotsky: um perspectivo histórico – cultural da educação. Editora Vozes: Petrópolis, 2000.

Santos, Milton. A natureza do espaço. São Paulo: HUCITEC. 1996.

Santos, Milton. Espaço e Método. São Paulo: Nobel, 1985.

Santos, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. Paulo: Hucitec, 1988.

Santos, Milton. O Espaço do Cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.

Santos, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000b.

Santos, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico - cientifico informacional. São Paulo: EDUSP, 2008.

Santos, Milton; SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Souza, Maria Adélia Aparecida de. Território Brasileiro: usos e abusos. Campinas. Territorial, 2003

Haut de page

Table des illustrations

Titre Imagem 1. Localização da Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, em Caicó – RN
Crédits Fonte: Fábio Márcio de Azevedo, 2018.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37915/img-1.png
Fichier image/png, 268k
Titre Imagem 2. Escola Estadual Antônio Aladim de Araújo – E.E.A.A, em Caicó – RN.
Crédits Fonte: Fábio Márcio de Azevedo, 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/37915/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 171k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Iapony Rodrigues Galvão et Fábio Márcio de Azevedo, « A utilização do xadrez como recurso metodológico para o ensino da geografia política na Educação básica: uma experiência do projeto “Residência Pedagógica” em Caicó/RN/Brasil »Confins [En ligne], 50 | 2021, mis en ligne le 21 juin 2021, consulté le 24 mars 2023. URL : http://journals.openedition.org/confins/37915 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.37915

Haut de page

Auteurs

Iapony Rodrigues Galvão

Docente Adjunto do Departamento de Geografia – CERES-UFRN, iapony5@hotmail.com

Fábio Márcio de Azevedo

Docente de Geografia – E.E. Antônio Aladim de Araújo – Caicó – RN,fabio-marcio01@hotmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International - CC BY-NC-SA 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search