Navigation – Plan du site

AccueilNuméros51Registro de pesquisaMapeamento de córregos e nascente...

Registro de pesquisa

Mapeamento de córregos e nascentes na Floresta Nacional de Ibirama-SC

Cartographie des cours d’eau et des sources dans la forêt nationale d’Ibirama-SC
Mapping of the rivers and springs in the national forest of Ibirama-SC
Ester Camille Heidemann et Carlos Alberto Rizzi

Résumés

Ce projet fournit au lecteur une vue sur la recherche intitulée “Cartographie des cours d’eau et des sources de la Forêt Nationale d’Ibirama-SC”, développé dans la région de la Haute Vallée de l’Itajaí, Santa Catarina. Il se justifie par le manque de données sur de certains de ces cours d’eau dans le Plan de Gestion de l’Unité de Conservation. Il apporte des informations géographiques recueillies sur le terrain en octobre 2020 et expose de manière préliminaire la qualité environnementale entourant certaines de ces eaux mal connues. Par conséquent, il expose un modèle spatial est-ouest de dégradation/conservation observé pour les cours d’eau, des sources et des confluences traversés dans la forêt nationale.

Haut de page

Texte intégral

1O presente projeto de pesquisa foi realizado com apoio do CNPq, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico em coautoria com a bolsista Ester Camille Heidemann. Sem o apoio dessa nobre instituição e a garra e a vontade da bolsista, que ilustra a renovação fundamental da comunidade científica brasileira, este projeto não teria sido possível.

2Este texto apresenta os argumentos que sustem a demanda pelo mapeamento de córregos e nascentes na referida floresta que, além de outras situações, apresenta eventos de desmatamento ilegal e o desconhecimento sobre a qualidade hídrica de suas águas.

3É realizada uma exposição dos mapas gerados por meio dados espaciais secundários de diversas fontes oficiais, tais como IBGE, Ministério do Meio Ambiente e IcmBio. Explicita o geocódigo utilizado para identificar e sequenciar os dados espaciais coletados em campo.

4O projeto também apresenta o quadro de natureza geral das áreas amostradas, bem como o grau de conservação ou degradação da paisagem, analisado com base na tabulação dos dados coletados comparados em campo e registrados com base no “Quadro para observação da paisagem dos pontos amostrais”. No corpo deste texto, as referências, não possui designação oficial, indica ao leitor quais córregos ou riachos são desconhecidos pelos moradores e técnicos locais.

5Por fim, é exposta a percepção de que o mapeamento de córregos, nascentes e confluências visitados em campo compõem um padrão espacial leste-oeste de degradação/conservação ambiental.

Problemática e Justificativa

6As terras que compõem a Flona de Ibirama são provenientes de doações advindas da Prefeitura de Ibirama e do Governo do Estado de Santa Catarina (182,699 ha) e da antiga Sociedade Colonizadora Hanseática (387, 887 ha, terras devolutas). Atualmente, o regime fundiário da Flona consiste em um registro em cartório de uma área total de 570,58 ha, mas com apenas 519,23ha efetivamente levantados em campo. Essa diferença se dá devido à “erros de locação, transcrição ou cálculo das coordenadas dos vértices que foram lançadas no decreto de criação da UC” (ICMBio, 2008:47). Invasões de terras são conhecidas em seu perímetro ao longo dos setores do Ribeirão do Coxo e do Córrego Três Carreiros. Além disso, o “perímetro da Flona não é integralmente demarcado, sinalizado ou cercado e os aceiros das divisas existentes encontram-se há mais de cinco anos sem manutenção” (ICMBio, 2008: 48). Como se trata de uma unidade de uso sustentável, todas as iniciativas via convênio que a Flona estabelece com entidades regionais visam compatibilizar “a vegetação nativa da Mata Atlântica”, com atividades extrativistas, “dando destaque ao palmiteiro” (Conama 2002).

7Estudos geográficos são raros no perímetro da Flona, com a exceção de mapeamento base realizado para a constituição do Plano de Manejo e a caracterização do uso e ocupação do solo no entorno da floresta (ICMBio, 2008:54-55). Em especial, a proteção das nascentes d’água e dos mananciais é tema de importante consideração na preservação das características originais das áreas protegidas pela UCs. No caso da Flona de Ibirama, poucos estudos foram realizados no sentido de levantar e mapear o universo de córregos e nascentes contidos no interior da Floresta. Na verdade, segundo o Plano de Manejo, no “interior da unidade [...] grande [é] número de cursos d’água sem denominação especial, sendo a maior parte deles perene” (ICMBio, 2008:72).

Levantamento das variáveis ambientais: produção do caderno de mapas temáticos

8Foi importante realizar o mapeamento da área com dados secundários com o objetivo de iniciar o detalhamento do perímetro de estudo. Os dados foram coletados via internet dos sites do IBGE, da ANA, do MMA. Alguns dados secundários foram obtidos em visita a campo no segundo semestre de 2019 na sede da Floresta Nacional de Ibirama e dizem respeito ao mesmo conjunto temático de dados extraídos dos canais mencionados. Foi organizado o sistema de informações geográficas (SIG) (Fitz, 2998) e a confrontação desses dados para se eleger os temas ambientais para estabelecer o mapeamento, conforme a bibliografia recomenda sobre a análise de nascentes e matas ciliares (Mota, 2016; Sma, 2009).

9Das variáveis temáticas, isto é, uso do solo, vegetação, solo, hipsometria e relevo, foi esta última escolhida para orientar a pesquisa. Em especial, o Mapa 1 Relevo nos revelou o universo do núcleo central desta pesquisa. Por meio do mapeamento de dados extraídos do banco de dados espaciais do Ministério do Meio Ambiente MMA, obtivemos o total de 15 confluências e 10 córregos cujas nascentes se localizam no interior do perímetro e, por consequência, estão protegidos pela legislação ambiental pertinente.

10Importante considerar que a investigação sobre estes dados secundários confirmou a inexistência de toponímias locais para o conjunto de córregos que nascem no interior da Flona (ICmBIO, 2008:72). É importante que se diga: não há documento em órgãos oficiais nem internacionais que disciplinam o procedimento. Por tal motivo, o professor Jurandyr Ross foi consultado concomitantemente ao processo de mapeamento dos dados secundários a respeito da orientação de batismo de rios e córregos. Segundo este, o procedimento usual é coletar as toponímias da cultura local através de informantes nativos. Inadvertidamente, tais córregos localizam-se em uma área desabitada e a inexistência de menções toponímicas advém dos técnicos da Flona que conhecem profundamente tanto a área quanto a ocupação local.

Geocódigo para vinculação entre dados de gabinete e dados de campo

11A pesquisa realizou junção entre as informações espaciais coletadas via dados secundários e trabalho de campo. A junção entre ambos se deu em ambiente de geoprocessamento livre (Rizzi, 2017) e por meio do geocódigo. Essa vinculação de dados é útil para pesquisas que tenham como objetivo procurar encontrar padrões de dispersão e ou concentração na área de estudo.

12Foi determinado que o mapeamento se constituiria dos radicais das palavras que corresponderiam ao fenômeno geográfico em questão (córrego ou nascente), ao tipo de atividade científica ali prestada (coleta, observação, medição etc) e a ordem numérica crescente segundo o critério de ordem de visitação, por exemplo, 01, isto é, primeiro local visitado; 02, segundo local visitado, etc. A seguir, são descritos cada um desses componentes:

  1. Ria. Radical de Riacho, termo genérico para fluxo d’água permanente, com margem ou não recoberta por vegetação. Equivalentes geográficos a córregos, fios d’água etc.

  2. Ordem Numérica Crescente. As atividades em campo foram iniciadas segundo os critérios de proximidade e distância tendo como eixo a sede da Flona. Assim, o geocódigo recebeu como segundo componente a ordem numérica crescente para identificar os pontos de amostragem. Por exemplo, o primeiro córrego visitado teve como dois componentes iniciais Ria01, seguido dos demais componentes.

  3. Col. Equivalente a Coleta de Dados. A equipe de bolsistas dos estudos bióticos realizou uma série de coletas de dados para suas pesquisas.

  4. Confl. De Confluência. Ao longo do processo da pesquisa concluiu-se que seria difícil alcançar estritamente as nascentes, em primeiro lugar, pelo fato de estarem localizados em locais de difícil acesso devido a inexistência de picadas e o declive. Em segundo lugar, o curto período de tempo disponível para a realização das atividades em campo exigiu da equipe uma concentração das atividades científicas e de logística em locais de amostragem estratégicos. Para o caso das nascentes, a solução foi o mapeamento das confluências protegidas no interior da mata e profundamente localizados em pontos bem preservados e intocados pela ação antrópica.

  5. Manancial. Em um caso aparte, o trabalho de campo revelou que pelo menos um local mapeado por fontes indiretas que se supunha ser nascente era, na verdade, uma área de manancial. O universo de mananciais não pode ser estimado durante a visita em campo, apesar disso, esta informação foi reveladora da complexidade e importância de se preservar o perímetro da Flona. Do ponto de vista da linguagem gráfica, um manancial deve ser representado como um polígono e não como ponto ou linha. Assim, o ponto de amostragem Manancial não seguiu o padrão estabelecido para geocodificação para destacá-lo dos demais para eventuais futuras investigações.

  6. Top. Equivalente a Topo de Morro. Trata-se de uma amostragem de dados que não estão necessariamente localizados em confluências nem foram previamente escolhidos para a coleta de dados.

Levantamentos geocartográficos entre os dias 21 e 22 de outubro de 2020

13O trabalho de campo foi realizado entre os dias 21 e 22 de outubro de 2020 e contou com o time de bolsistas do professor Drº Gabriel Gonino, professor do Instituto Federal Catarinense e com o presente que vos escreve em parceria com a bolsista Ester Camille Heidemann. Durante o mês de setembro foram estabelecidos canais de comunicação remotos tais como e-mails institucionais e lives que tiveram a participação total dos envolvidos. O conteúdo das lives foi pautado na orientação, formação e preparação da atuação dos bolsistas nas práticas de campo. Em especial, para a bolsista deste projeto de pesquisa foram realizadas as últimas orientações acerca do uso do GPS Garmin 64sc, bem como os procedimentos para a última tabulação dos dados em campo.

14Um dos principais objetivos da pesquisa era a caracterização e classificação do grau de degradação das áreas de entorno das paradas previstas junto com a equipe de biologia. Para tanto, foi extraído da bibliografia, Quadro 1 “Grau de Degradação para interpretação da paisagem nos locais amostrados”. A ficha de cadastro das paradas foi concebida conforme estudo de caso similar (Covre, 2010) e tabulado para captar o grau de degradação da classificação vai de Sem Degradação (SD), para Pouco Degradada (PD), passando por Degradada (D) até Muito Degradada (MD) e a descrição em cada quadro nos ofereceu, para a análise da paisagem em campo, uma chave segura de interpretação.

15A rotina em campo, durante os dois dias de pesquisa procedeu no estabelecimento das paradas com a equipe de biologia, que colhia os dados bióticos e abióticos em micro-escala (dados sobre dossel, largura dos córregos, dados bióticos e outros ligados aos ecótonos) com a determinação da geolocalização do local a partir da memória do técnico da Flona, que confirmava o local com sua potencial indicação, sendo confirmada e consolidada com a captação das coordenadas geográficas via GPS Garmin 64sc. Também foram coletadas as topologias espaciais dos trajetos realizados durante o deslocamento até as paradas.

Quadro 1. Grau de Degradação para interpretação da paisagem nos locais amostrados

Quadro 1. Grau de Degradação para interpretação da paisagem nos locais amostrados

Fonte: Rodriguez, Silva e Cavalcanti, 2002, p.140. Adaptado com a escala de cores.

16No que tange a arquitetura topológica (Ibge, 2019), ao final do dia, na sede da Flona, os dados espaciais captados via GPS eram descarregados em notebook e sofriam o processo de conversão para a extensão .shp. Em ambiente do Quantum GIS, os dados vetoriais pontos (locais de amostragem) e os dados vetoriais linhas (trilhas percorridas) foram tratados cartograficamente, com a verificação da qualidade das topologias e da precisão gráfica por meio da técnica de overlay. Por fim, em gabinete, foram gerados pela técnica de buffers as áreas de influência com raio de até 50 metros para os córregos e confluências visitadas.

17A proposta final foi a vinculação dos dados coletados nos locais de amostragem com as topologias espaciais geradas em campo para a constituição de um banco de dados com informações básicas sobre a paisagem local. Para ampliar nossa possibilidade de análise, os dados foram interpolados nas topologias áreas dos buffers de influência dados a partir dos córregos e confluências. Cada área de influência recebeu a denominação do local de amostragem que lhe conferiu os dados. Os dados bióticos e abióticos, bem como a classificação do grau de degradação compuseram um preliminar banco de dados espacial.

18A seguir, o Mapa 2. Grau de Degradação Ambiental - Flona mostra a classificação obtida com as observações em campo. Note-se a existência de um padrão leste-oeste de degradação ambiental: se traçarmos uma linha imaginária de norte a sul, observamos a existência de um setor leste, com os córregos 02, 03 e 06 mais preservados e um setor oeste constituído dos córregos 01, 04, 05 e Manancial como os mais degradados da Flona.

Mapa 2. Grau de Degradação Ambiental - Flona

Mapa 2. Grau de Degradação Ambiental - Flona

Autor: Carlos Rizzi, Outubro de 2019 atualizado em Agosto de 2021.

19Como se vê pela legenda, o Córrego 05 e o Manancial são os locais mais degradados da Flona. A classe Sem/Pouco Degradado busca retratar uma área em transição entre as classes do Quadro 1 Esse setor oeste é, com efeito, a área mais degradada por haver pastagem, entremeada por plantações de fumo ao redor do perímetro que efetivamente influencia a área de manancial. Não possui designação oficial. Está fragmentado com o seu trecho mais ao norte sabidamente bem mais conservado que o seu trecho mais ao centro do mapa, circundado por propriedades privadas fronteiriças ao perímetro de proteção. Essa é a área mais sensível, do ponto de vista ecológico, da Flona. Na Foto 1 pode ser observado a presença de edificações e campos abertos pela atividade humana.

Foto 1. Córrego 05. Edificações e Pastagem

Foto 1. Córrego 05. Edificações e Pastagem

20Especial atenção requer o local Manancial. Como se vê na Foto 2, esta também foi uma antiga área de pastagem, agora desativada, marcada por um relevo ondulado e serrano em torno de 850 metros. No canto inferior direito é visível o surgimento de pontos de umidade destituída de cobertura vegetal que a protegia, estando, assim, sujeita a processos erosivos mais intensos. Um aspecto interessante informado pelo técnico florestal é o fato dessa área, em processo de recuperação, ter certo potencial para acomodar a prática de camping. Curiosamente, devido à altitude em que o topo se localiza, é possível captar sinal de internet o que não ocorre em todo o entorno até a área da sede. Não possui designação oficial.

Foto 2. Área de Manancial Flona

Foto 2. Área de Manancial Flona

21Tanto para o entorno do Córrego 05 quanto para a área de afloramento hídrico do Manancial, foi informado pelo técnico florestal que esse pequeno vale e colinas sofreram, no passado, com exploração madeireira. Tratam-se de espaços em processo de recuperação. A fitofisionomia original é marcada, basicamente, pela presença da palmeira Indaial, cicurana, palmito, canela amarela, taquaras e sassafrás, esta última para uso como tempero e de odor muito agradável. Não possui designação oficial.

22Mais ao sul da Flona, já na área da Sede, podemos encontrar os Córregos 01 e 04. A extração de madeira/reflorestamento é a principal atividade antrópica que alterou os seus espaços de entorno. Para o caso do Córrego 01, como se vê pela Foto 03, a fronteira sul de todo o perímetro da Flona é margeada pelo reflorestamento.

Foto 3. Córrego 01 Reflorestamento margeando a divisa com a Flona

Foto 3. Córrego 01 Reflorestamento margeando a divisa com a Flona

23Segundo a descrição do técnico, sua nascente ocorre fora do perímetro de conservação, ao norte da Flona. É possível observar mudas de pinus/eucalipto provavelmente resultantes da dispersão da polinização pelo ar. Trata-se de uma área degradada por ter sido antropizada há pelo menos 50 anos.

24O Córrego 04 consiste apenas em um fio d’água raso e intermitente. Está contido na área de influência da Sede. Com terreno plano, observa-se a presença de reflorestamento de araucária exótica. Outrora fora uma área extrativista com a presença de pinus/eucalipto. Suas margens são parcialmente descobertas, como solo igualmente exposto e vegetação de charco recobrindo áreas úmidas próximas. Não possui designação oficial.

25O setor leste da Flona se constitui na área com os córregos e confluências com um grau menor de degradação em comparação com a paisagem natural do setor oeste. Os levantamentos nesse setor compõem os dados para os Córregos 02, 03 e 06, todos sem denominação local.

26Em especial, o Córrego 06 possui grande extensão por todo o setor oeste. Ele percorre um vale entalhado. Ao longo das trilhas e no entorno dos locais de amostragem foi possível observar a presença de cedro, palmito Jussara, guaricana (espécie de palmito), caetés e outros. Dossel predominantemente fechado, com amplo sombreamento no solo. Como se vê na Foto 4, a margem e o espaço de entorno apresentam cobertura vegetal intocada ou com pouca modificação. Por esses motivos, o entorno do Córrego 06 foi considerado com pouco ou sem degradação ambiental.

Foto 4. Córrego 06. Paisagem Natural conservada

Foto 4. Córrego 06. Paisagem Natural conservada

27Do mesmo modo, podemos encontrar o grau de preservação para o espaço de entorno do Córrego 03. Igualmente se localiza em um vale entalhado. Os locais de amostragem foram a confluência entre este e o Córrego 02. Em ambos os córregos o lençol d’água é raso, provavelmente em virtude do período de estiagem da época. A presença de jararaca adulta, na beira do córrego, lambari, perereca, uma colmeia e fungos nos troncos caídos mostram um ótimo estado de conservação e preservação. A fitofisionomia agrega cedo, palmito Jussara e o Indaial, palmeira típica da região mas atualmente difícil de encontrar. O estrato florístico completo e o dossel fechado e solo sombreado composto por iperoba, samambaias e todo um visível estrato herbáceo e arbustivo suspenso nos grandes e altos galhos das árvores de grande porte mencionadas atestam a preservação ambiental de uma floresta ombrófila densa submontana de sublime beleza e integridade.

28Durante o trajeto mata adentro seguindo as margens do córrego, o técnico florestal mencionou a existência, no entremeio dessa mata, de lontra, irara, furão, quati, graxaim, jaguatirica e gato-do-mato. Ocorreu avistamento de pumas solitários, nunca com filhotes. Não obstante, foram registradas pegadas. Dos roedores se veem capivara e cutia. De peixes podem ser observados lambaris, cascudos, jundiazinho, acará, traíra e outros. O Córrego 03 nasce predominantemente dentro da mata e da Flona. Por isso, suas águas são cristalinas, embora agora vistas turvas pela estiagem. O fato de não ser atravessado por lavoura, pastagem nem área de extração madeireira ou reflorestamento faz deste um dos córregos mais preservados da Flona.

Foto 5. Córrego 03. Nasce dentro do perímetro da Flona

Foto 5. Córrego 03. Nasce dentro do perímetro da Flona

29Por fim, o último córrego visitado, o Córrego 02, encontra-se em um estágio avançado de recomposição florística. Na década de 1970 seu entorno foi alvo de extrativismo madeireiro e, desde pelo menos há 50 anos, tem se regenerado. Isto é possível observar ao longo da borda da estrada percorrida até alcançá-lo. No interior da mata, até onde a vista pode adentrar na relva, nota-se a restituição do estrato típico da Mata Atlântica, com árvores de grande porte e paisagem primária. Há cerca de 5 anos atrás, um trecho mais a oeste foi alvo de extração de palmito. O Córrego se localiza no setor mais baixo da Flona, apesar disso, seu leito raso e pedregoso envolto em encosta um tanto íngremes percorre um pequeno vale entalhado. Apresenta mata ciliar e é recoberto parcialmente por vegetação, galhos e troncos que caem em sua extensão. Outro trecho da área de entorno do Córrego 03 é alvo de pesquisas científicas da UFSC. Algumas parcelas são mantidas para análise da distribuição do palmito e outras espécies.

Foto 6. Córregos 02 e 03. Confluência

Foto 6. Córregos 02 e 03. Confluência

Análise dos Resultados

30Como resultado final da pesquisa realizada durante os dias 21 e 22 de outubro de 2020, juntamente com a equipe de biologia do profº Drº Gabriel Gonino, atestamos uma boa qualidade no grau de preservação ambiental do perímetro da Flona, em especial, para as áreas de influência em até 50 metros de raio ao longo dos eixos dos seis córregos visitados. Pela análise do mapeamento, podemos observar um padrão leste-oeste de conservação: a leste da Flona encontramos os Córregos 02, 03 e 06 com suas confluências e nascentes mais bem preservadas do perímetro. As nascentes encontram-se profundamente encaixadas em áreas de difícil acesso, mesmo para os técnicos florestais. Este foi um empecilho para a sua observação direta, mas, por outro lado, é o principal fator geográfico de proteção de suas águas. Em especial destaque para este setor leste para os Córregos 02 e 03. A integridade dos estratos arbustivo e arbóreo, a inexistência de mudas de pinus/eucalipto resultante da dispersão da polinização pelo vento e as marcas em desaparecimento da outrora atividade antrópica denotam na paisagem a capacidade regenerativa e conservativa da mata. A coleta de material biológico pela equipe de biologia bem como as descrições de avistamentos da fauna pelo técnico florestal, atestam a diversidade local e o seu ótimo grau de preservação.

31Por outro lado, o setor oeste, composto pelos Córregos 01, 04, 05 e Manancial, ainda guardam as marcas das antigas atividades de extração de madeira, palmito, reflorestamento e pastagem. Percorrê-lo ainda mais fácil que o setor leste devido à retirada de cobertura vegetal das margens e pelas grandes clareiras em meio à trechos de matas das encostas das colinas de entorno. Especial atenção em pesquisas futuras merece a área de Manancial (ICMBio, 2008:72). Este último se situa no que poderíamos chama de zona de transição entre as paisagens do setor oeste alteradas pela atividade antrópica em estado de recuperação e as paisagens naturais bastante preservadas do setor leste.

32O padrão leste-oeste de degradação/conservação ambiental da Flona pode ser explicada observação do Mapa 02. Como lá se vê, os córregos com maior grau de degradação ambiental se situam na Zona de Ocupação Temporária (Córrego 05 e Manancial) e na Zona de Manejo (Córregos 01 e 04). Já, aqueles que se encontram em um bom estado de conservação e baixa ou sem degradação ambiental situam-se predominantemente na Zona de Conservação (Córrego 02, 03, trecho norte do Córrego 05 e Córrego 06). Esse zoneamento faz parte do Plano de Manejo.

33Este padrão pode ser explicado pelo avanço da ocupação humana na região baseada na atividade extrativista e na substituição da cobertura vegetal original pela atividade agropecuária (pastagens) e pela prática do reflorestamento (ICMBio, 2008:102)

34Infelizmente, estas são práticas bastante comuns em toda a região do Vale do Itajaí. A valorização da qualidade ambiental das paisagens terrestres ainda é um valor que demanda ações contínuas de produção e divulgação científica para que haja uma aproximação dos principais interessados, isto é, sociedade civil, política e econômica, neste item imprescindível para a reprodução de nova existência no planeta em que vivemos.

Considerações Finais

35Conhecer a espacialidade e a localização do universo de córregos e nascentes da Floresta Nacional de Ibirama é imprescindível para o estabelecimento de estudos ecológicos interdisciplinares e para a operacionalização das estratégias de preservação contidas no Plano de Manejo. Assim, o presente estudo buscou contribuir com o levantamento desse universo.

36A fundamentação teórica do estudo versou sobre os princípios da cartografia digital e temática baseadas em geoinformações livres, isto é, oficiais e de uso público. O estudo retornará mapas e banco de dados espacial sobre córregos e nascentes do perímetro da Flona para o Plano de Manejo da área, no intuito de contribuir também para a implantação das estratégias ali contidas.

37Como resultado desse esforço, a pesquisa tem a oferecer para a comunidade científica da região de Ibirama o Mapa 2 “Grau de Degradação Ambiental”, bem como o seu banco de dados, isto é, registro filmográfico e iconográfico das áreas visitadas. Trata-se, evidentemente, de um esforço inicial de mapeamento da qualidade das águas e do grau de conservação/degradação de seus entornos imediatos. Trata-se de material para embasar para futuros projetos de divulgação científica. Traz as informações sobre o grau de preservação/degradação ambiental dos córregos visitados.

38Por fim, esperou-se que a integração da prática dos bolsistas, na formação de equipe multidisciplinares, na aproximação deste público jovem e interessado com a realidade das unidades de conservação, como foi o caso da Floresta Nacional de Ibirama tematizado para o caso do mapeamento de córregos, nascentes e confluência, contribua para a realização para a manutenção e tradição da prática científica da comunidade de pesquisadores no Brasil.

Haut de page

Bibliographie

CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA, nº 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Publicada no DOU no 90, de 13 de maio de 2002, Seção 1, página 68. Disponível em < http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/20_12_2013_14.59.14.834f63ee467e90be10cdf563383b3ade.pdf>. Data de acesso:29/10/2019.

COVRE, Etiene Belique. Caracterização de nascentes, cursos d’água e APP’s em microbacia urbana – Estudo de caso do Córrego Baú em Cuiabá-MT, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Mato Grosso. Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos. UFMT: Cuiabá, 2010. 106p. Disponível em < https://www1.ufmt.br/ufmt/unidade/userfiles/publicacoes/9143b753d3fe43a44853396195e7cb75.pdf>. Data de acesso: 29/10/2019.

FITZ, Paulo Roberto. Cartografia Básica. São Paulo: Oficina de Texto. 2008. 143p.

IBGE. Consulta e Acesso a Dados Geoespaciais. Coordenação de Cartografia. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. 143p. Disponível em <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101675.pdf>. Data de acesso: 17/08/2020.

ICMBio, Plano de Manejo Floresta Nacional de Ibirama, Santa Catarina. Ministério do Meio Ambiente, Brasília: ICMBio, 2008. 62p. Disponível em <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/Flona_ibiramaaa.pdf> Data de acesso: 29/10/2019.

MOTA, Eduardo Jorge de Oliveira & GONÇALVES, Wanderley (orgs). Plano Nascente São Francisco: plano de preservação e recuperação de nascentes da bacia do rio São Francisco. Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Editora iABS: Brasília-DF, Brasil, 2016. 135p. Disponível em < https://www.codevasf.gov.br/linhas-de-negocio/revitalizacao/planos-nascentes/plano-nascente-sao-francisco/arquivos/planonascentesaofrancisco.pdf>. Data de acesso: 29/10/2019.

RIZZI, Carlos Alberto Rizzi. Transformações Espaciais nas Paisagens de Ambientes Construídos. Tese de Doutoramento. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2017, 250p.

RODRIGUEZ, José Manuel Mateo; SILVA, Edson Vicente da; CAVALCANTI, Agostinho Paula Brito. Geoecologia da paisagem: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: EDUFC, 2002. Disponível em <http://www.ppggeografia.ufc.br/images/documentos/043710J_MIOLO_Geoecologia.pdf>. Data de acesso: 23/08/2021.

SMA – Secretaria do Meio Ambiente. Cadernos da Mata Ciliar 1: Preservação e Recuperação de Águas e Nascentes de Água e Vida. Secretaria de Estado do Meio Ambiente, Departamento de Proteção da Biodiversidade. - N 1 (2009). São Paulo : SMA, 2009,

SNUC – Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. In: ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Série Legislação ICMBio – Vol 1.: Sistema Nacional de Conservação. Brasília, 2009. 70p. Disponível em <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/legislacaoambientalvolume1.pdf>. Data de acesso: 29/10/2019.

MMA. Ministério do Meio Ambiente: Brasília, 2011. Disponível em <https://www.mma.gov.br/images/arquivos/areas_protegidas/snuc/Livro%20SNUC%20PNAP.pdf >. Data de acesso: 29/10/2019.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1. Relevo
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 317k
Titre Quadro 1. Grau de Degradação para interpretação da paisagem nos locais amostrados
Crédits Fonte: Rodriguez, Silva e Cavalcanti, 2002, p.140. Adaptado com a escala de cores.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 86k
Titre Mapa 2. Grau de Degradação Ambiental - Flona
Crédits Autor: Carlos Rizzi, Outubro de 2019 atualizado em Agosto de 2021.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 350k
Titre Foto 1. Córrego 05. Edificações e Pastagem
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Titre Foto 2. Área de Manancial Flona
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 185k
Titre Foto 3. Córrego 01 Reflorestamento margeando a divisa com a Flona
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 469k
Titre Foto 4. Córrego 06. Paisagem Natural conservada
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 370k
Titre Foto 5. Córrego 03. Nasce dentro do perímetro da Flona
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 404k
Titre Foto 6. Córregos 02 e 03. Confluência
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38369/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 571k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ester Camille Heidemann et Carlos Alberto Rizzi, « Mapeamento de córregos e nascentes na Floresta Nacional de Ibirama-SC »Confins [En ligne], 51 | 2021, mis en ligne le 25 août 2021, consulté le 21 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/38369 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.38369

Haut de page

Auteurs

Ester Camille Heidemann

Instituto Federal Catarinense/Campus Ibirama, estercamille2003@gmail.com

Carlos Alberto Rizzi

USP, carlos.rizzi@alumni.usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search