Navigation – Plan du site

AccueilNuméros51Imagens comentadasCorotipos de ilhas e arquipélagos...

Imagens comentadas

Corotipos de ilhas e arquipélagos: uma proposta

Chorotypes d’îles et d’archipels : une proposition
Using chorotypes to demonstrate island and archipelagoes distinctiveness
Matheus Menegatto et Hervé Théry
Traduction(s) :
Chorotypes d’îles et d’archipels : une proposition [fr]

Résumés

L’exiguïté de l’espace et les ressources limités, la relation spécifique avec la mer, les frontières bien définies, l’endémisme et la particularité sociale sont quelques-unes des caractéristiques associées aux îles. Cependant, dans l’univers insulaire, il existe de nombreuses situations et l'utilisation de chorotypes, c'est-à-dire de formes spatiales complexes et répétitives formées d'une composition de chorèmes, permet d’explorer certaines des possibilités de l'insularité. À cette fin, nous avons eu recours à des exemples d’îles et d’archipels du Brésil et du monde entier.

Haut de page

Entrées d’index

Índice de palavras-chaves:

ilha, insularidade, corotipo, corema, modelização gráfica
Haut de page

Plan

Haut de page

Texte intégral

1Os coremas são estruturas fundamentais do território. Representam, por meio de modelos gráficos, formas geográficas comuns a múltiplos espaços sem rejeitar o que é peculiar a cada lugar. Precisamente, o corema é o elo fundamental entre “a ciência do espaço e o conhecimento dos lugares particulares” (Brunet, 2001, p. 196).

2Posto que, em diversas perspectivas, algumas condições geográficas replicam-se em diferentes lugares, há os coremas-tipo ou corotipos. Propriamente, se o “corema é uma estrutura elementar, de extensão universal ou, ao menos, geral”, o “corotipo é uma forma complexa repetitiva, constituída de uma mesma composição de coremas” (Ibidem, p. 217). Este sobrevém da necessidade de retratar contextos geográficos similares (ilhas e arquipélagos, por exemplo), seja em modelos gráficos com estruturas combinadas (modelos sintéticos), seja com estruturas elementares (modelos analíticos).

3A ilha ideal é um “antimundo” (Ibidem, p. 261). Espaço antissináptico, porque refratário às redes integradoras, a realidade insular possui, não raro, uma história contraditória. Se, antes, insinuava-se como conservação e endemismo, agora, assimilada a determinada trama regional ou mundial de circulação e comunicação, é paisagem em rápida mutação (quiçá, em descaracterização), tenha-se em vista sua parca capacidade de resiliência quando em um contexto de exiguidade e homogeneidade espaciais. Assim, do ponto de vista cartográfico, para determinar sua situação geográfica, é necessário representar a ilha como ponto integrado ou banido das linhas de sinapse, e, para descrever seu sítio interior, como área de aspecto gráfico homogêneo (isotropia) ou repleta de dessemelhanças ou desproporções gráficas (anisotropia).

4De fato, o modelo insular areolar baseia-se na circularidade litoral, perímetro que lhe confere unidade e definição. Isso porque a quase totalidade das ilhas vive em função de sua costa. Manifesta-se segundo sua relação com uma externalidade. Internamente, dissimetrias ocorrem entre a faixa litorânea e o interior terral, transmitindo, por vezes, relações centro-periferia. Frequentemente, em uma ilha, centro geométrico e centro humano não coincidem: é mais comum, aliás, que a periferia esteja no meio do espaço insular, na medida em que a centralidade é exercida pela franja costeira. Tais fatos, longe de serem acessórios, devem ser notados sempre que se empreenda representações de todos os tipos. Gradações ou diferenciações cromáticas, quando bem posicionadas em uma imagem são, de seu lado, capazes de expressar graficamente níveis de penetração de influências externas, oposição litoral-interior e relação centro-periferia.

5Por sua vez, as formas geométricas, as cores e os sinais gráficos são dotados de capacidade representativa própria segundo os contextos em que são empregados, seja para demonstrar as relações espaciais mais significativas de uma ilha, seja para expressar as dinâmicas elementares de um arquipélago. Neste caso final, as hierarquias e interações entre ilhas-centro, ilhas-periferia e ilhas desertas devem possuir uma fisionomia própria em termos de figuras (Ibidem).

6Quando preenchida por um modelo explicativo, uma estrutura (ou conjunto de estruturas) insinua uma forma (Lévi-Strauss, 1958/2008). A valer, a forma da insularidade (aderente às formas da maritimidade, do litoralismo, da ilheidade e da condição arquipelágica) necessita de modelos gráficos para impor-se à vista do pesquisador. Por sua vez, esses modelos buscarão captar as estruturas espaciais fundamentais que, entre si, definam a localização umas das outras (configuração) e/ou componham, cada qual com sua contribuição, um todo fisiológico cognoscível (sistema) (Brunet, Op. cit.). Com amparo na Coremática, buscamos apresentar modelos gráficos com algumas das estruturas que auxiliam no entendimento da condição geográfica insular.

7Como base, tenha-se a relação indissociável, sobretudo no campo da representação gráfica, entre Geometria e Geografia e, por conseguinte, a paridade entre propriedades geométricas (Euclides, 300 a.C./1991) e propriedades geográficas. À vista disto, num modelo gráfico, igualdade de forma geométrica expressa igualdade de fenômenos (propriedade da congruência); igualdade de área expõe igualdade de magnitude (propriedade da equivalência); e, enfim, sobreposição de figuras insinua igualdade de lugar (propriedade da coincidência). Por exemplo, tenham-se dois círculos próximos com tamanhos distintos : mesma forma geométrica indica o mesmo fenômeno (insularidade); proximidade entre eles traduz pequena distância absoluta (a partir de localizações geodésicas) ou relativa (em termos de acessibilidade); e, enfim, tamanhos diversos significam disparidades de área física ou de importância (econômica, política, social) de uma ilha em relação à outra.

8 A seguir, apontamos corotipos que, num conjunto, poderiam compor um retrato da insularidade em suas nuances de manifestação.

Construção de corotipos

Malha

9Falar de malha é falar de território. A ilha é representada como círculo ou elipse, evocando a supracitada circularidade litoral. Desse modo, um só círculo ou uma só elipse pressuporia um Estado-insular, enquanto um conjunto de círculos ou elipses representaria um Estado-arquipélago. Os limites político-administrativos são linhas, frequentemente linhas retas para efeitos de simplificação, que dividem territórios terrestres (nas próprias ilhas) ou marítimos (no mar que circunscreve as ilhas de um arquipélago).

10É também importante diferenciarmos, do ponto de vista geométrico, a circunferência (conjunto de pontos igualmente distanciados de um centro) e o círculo (inclui também os pontos do espaço geométrico internos à circunferência). Do ponto de vista geográfico, a circunferência é apenas o litoral da ilha, já o círculo representa também o interior insular.

11Enfim, se a ilha tem um modo de implantação areolar (é uma área, mais do que uma linha circular), o modo de implantação de suas localidades (litorâneas ou interiores) é pontual.

Ilha-capital: São Luís (MA).

  • 1 TEIXEIRA e MARTINS E SOUZA FILHO, 2009

12Situada na ilha Upaon-Açu, é parte do arquipélago do Golfão Maranhense, entre as baías de São Marcos e São José, onde abundam reentrâncias estuarinas já densamente ocupados pelos brasilíndios em tempos antecedentes aos da colonização europeia1. Que há vantagem no seu sítio urbano e na sua situação geográfica de São Luís, é, portanto, algo que espontaneamente se constata ao se examinar a história demográfica e social do litoral nordestino.

Localidades costeiras e interiores: Cuba e Madagascar.

  • 2 CANET. e RAISZ, 1949, p. 20-21
  • 3 NATIONAL GEOGRAPHIC, 2008b, p. 74-75

13No que tange à localização de uma localidade no espaço insular, reconhecem-se duas situações contrastantes: em um polo, a ilha de Cuba, cuja capital e a segunda maior cidade estão assentadas na costa, junto a baías homônimas2, e, em outro polo, Madagascar, cujos altos planaltos centrais alojam Antananarivo, mais importante centro urbano do país3.

Limites territoriais internos: Bornéu.

  • 4 LING, 2013, p. 28

14Rivalidades e alianças entre coroas autóctones (borneanos e filipinos) e alóctones (espanhóis, portugueses, ingleses e holandeses) desenharam o mapa atual. Onde ontem estavam os muçulmanos borneanos, o território neerlandês de Kalimantan e a região setentrional de Sarawak (ao lado da possessão britânica de Sabah)4, hoje figuram, respectivamente, o Sultanato de Brunei, cinco províncias indonésias e dois estados malaios.

Ilhas como unidades territoriais: São Tomé e Príncipe.

  • 5 Artigo 4 da Constituição da República Democrática de São Tomé e Príncipe, 2003

15Do ponto de vista físico, são duas ilhas. Já do político, são um só país cisalhado em distritos (um apenas na ilha do Príncipe, seis na ilha de São Tomé)5.

Estado-ilha (uni-insularidade) e Estado-arquipélago (multi-insularidade): Nauru e federação micronésia.

  • 6 CIA. The World Factbook. Verbetes acessados: Nauru; Micronesia, Federated States of.

16Como já examinado, o mar, fronteira e via que é, oferece-se como limite natural e lógico da ilha. Mas as forças históricas estão além. Aproveitam essa condição de diferentes formas: uma ilha, um país (Nauru, a menor república do mundo, com 21 km²); um país, mais de seiscentas ilhas (Estados Federados da Micronésia)6.

Comunicação arquipelágica (centros em várias ilhas): Sociedade (Polinésia Francesa).

  • 7 HORWITZ, 2003, p. 42

17Pelos aeródromos próximos à linha costeira e pela proximidade e disposição de cada ilha no desenho arquipelágico, é possível averiguar uma comunicação interinsular. Avista-se com mais facilidade esse fato quando as ilhas eleitas para tal exame de observação são, no conjunto do barlavento, Taiti e Moorea, e, no do sotavento, Raiatea e Tahaa7.

Figura 1. Modelos gráficos de malha

Figura 1. Modelos gráficos de malha

1. São Luís (MA); 2a. Cuba; 2b. Madagascar; 3. Bornéu; 4. São Tomé e Príncipe; 5a. Nauru; 5b. Estados Federados da Micronésia; 6. Ilhas Sociedade (Polinésia Francesa).

Disposição

18O espaço possui uma dimensão vetorial, ou seja, seus fenômenos variam tanto em intensidade como em direção e sentido. A orientação das ilhas que formam um arquipélago, por exemplo, pode ensejar condições naturais favoráveis ou desfavoráveis a determinadas dinâmicas. Já o desenho da linha que delimita a ilha, colocado junto a poucos ou muitos pontos, busca associar tipo de litoral e densidade demográfica e urbana. Quando necessário diferenciar a terra e o mar, apela-se também para a Cartografia convencional, representando a terra com as cores verde e/ou amarela e o mar (e outros corpos d’água, como lagos, lagunas, estuários e rios) com a cor azul. Por sua vez, se o objetivo é localizar a ilha em relação a uma rede de circulação ou comunicação, ela será um ponto chamativo (vermelho, por exemplo) em meio a outros pontos (demais ilhas) e figuras geométricas maiores (continentes) de cor neutra (preto, cinza) – se o ponto chamativo estiver ligado a outros entes geométricos por meio de linhas, significa que a ilha está integrada a determinada rede de circulação e comunicação; se o ponto chamativo não estiver ligado a esses outros entes geométricos, temos uma ilha isolada.

Lineamento, aglomerado, ilha isolada: Havaí, Canárias e Santa Helena

  • 8 NUNN, 1994 apud WHITTAKER e FERNÁNDEZ-PALACIOS, 2008, p. 19

19Quanto à forma física em que um conjunto de ilhas está disposto, as variações são sempre pertinentes, já que podem influenciar na relação interinsular. Nas ilhas intraplacas, derivadas de pontos quentes (hotspots), diversas são as possibilidades de disposição arquipelágica dele decorrentes, como lineamento (Havaí), aglomerado (Canárias) e ilha isolada (Santa Helena)8.

Ilha barreira: Ilha Comprida (SP)

  • 9 SUGUIO e MARTIN (1994) apud GUEDES, 2009, p. 9

20A alta razão comprimento/largura – provinda dos processos de deposição arenosa marinha e areno-argilosa flúvio-estuarina e flúvio-lagunar9 – constrange o acesso entre povoações intrainsulares e, concomitantemente, oportuniza a transposição do interior terral em direção à costa a sotavento, apartada de Cananeia e Iguape senão pela delgada faixa de águas abrigadas do mar Pequeno.

3. Atol: Funafuti

  • 10 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Tuvalu.

21Olhar ilhas é também olhar escalas. A capital de Tuvalu é uma realidade geográfica ambígua: um único atol em contexto regional, algo em torno de trinta ilhotas numa investigação mais localizada10.

Costas de dispersão e de condensação: Páscoa e Islândia

  • 11 Administração Viária e Costeira da Islândia
  • 12 Instituto Nacional de Estatísticas do Chile

22A costa articulada da Islândia é tipicamente de condensação, convidativa ao povoamento e muito bem integrada por uma estrada anelar11, ao passo que o litoral de Páscoa é comparativamente mais retilíneo, com população dispersa e exígua, tirante a reentrância onde se assenta Hanga Roa, que retém mais de quatro quintos dos insulares12.

Ligações internas por trilhas ou estradas: Santiago

  • 13 BRICEÑO-GARMENDIA e BENITEZ, 2010, p. 10

23Essa ilha de Cabo Verde, na faixa do Sahel, por não dispor de rede hidrográfica perene facilitadora de itinerários, reclama, num contexto de modernização infraestrutural experimentada recentemente, um sistema viário robusto que possa integrar os centros urbanos e escoar as mercadorias. Por enquanto, a densidade rodoviária é de 3,5 km de estradas/km² de terra arável13.

6. Ligações internas por rede de drenagem: Marajó (PA)

  • 14 Portal “Cidades”, do IBGE

24Na maior ilha fluviomarinha do mundo, a rede hidrográfica é fator de integração, seja em relação ao interior insular, seja em relação ao arquipélago homônimo, que compreende 16 municípios distribuídos por mais de 100 mil km²14.

Ambientes topoclimáticos: Ilhabela (SP)

  • 15 MILANESI, 2007, p. 35
  • 16 Ibidem, p. 46

25Um olhar atento às isoietas15 permite discriminar diferenças pluviométricas mais ou menos pronunciadas no interior insular, que advêm da barreira orográfica do setor a barlavento para os fluxos atmosféricos úmidos dominantes de sudeste16. Ventos ascendentes na vertente voltada ao oceano contrastarão, portanto, com o escoamento descendente quente e seco na vertente voltada ao continente.

8. Ilha-nó e ilha isolada: Hong Kong e Tristão da Cunha

  • 17 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Saint Helena, Ascencion and Tristan da Cunha.
  • 18 KLUGE, 2008, p. 8-9
  • 19 THIERRY, 2005, p. 329

26As vantagens locacionais da primeira em relação à segunda dão-se pela proximidade e pela existência de fluxos regulares a outras ilhas e ao continente. Se Tristão da Cunha é ilha por excelência (exemplo de superinsularidade, por ser a ilha habitada mais isolada do mundo17), Hong Kong apenas o é em sentido absoluto, pois, como expõe Kluge18, sua insularidade já estaria descaracterizada (caso de hipoinsularidade19).

Figura 2. Modelos gráficos de Disposição

Figura 2. Modelos gráficos de Disposição

1a. Havaí; 1b. Canárias; 1c. Santa Helena; 2. Ilha Comprida (SP); 3. Funafuti (Tuvalu); 4a. Páscoa; 4b. Islândia; 5. Santiago (Cabo Verde); 6. Marajó (PA); 7. Ilha de São Sebastião (SP); 8a. Hong Kong; 8b. Tristão da Cunha.

Gravitação

27O espaço geográfico é produto de forças de atração e repulsão. As ilhas podem ser periferias de um centro (seja ele o continente ao qual elas pertencem, seja ele uma ilha principal no contexto de um arquipélago), dependendo da existência de ligações (linhas, curvas ou retas). No contexto da ligação continente-ilha, o continente (amarelo, maior) e as ilhas (verdes, menores) são apresentadas em cores e tamanhos diferentes. Já no contexto da ligação de ilhas dentro de um arquipélago, se as ilhas forem hierarquicamente iguais, podemos representá-las com cores e tamanhos similares (e as linhas de ligação não necessariamente precisa ser orientadas); já se as ilhas forem hierarquicamente diferenciadas, devemos variar tamanhos e cores (e orientamos as retas de ligação sempre da periferia em direção ao centro). Por fim, se as gradações de um fenômeno sucederem no interior de uma ilha, podemos recorrer à ordenação de valores de uma mesma cor – é o caso, por exemplo, da brisa marítima, cuja ação se atenua do litoral para o interior, o que se pode representar gradando os tons de uma mesma cor (mais escuros próximos à costa e mais claros no centro da ilha).

Ilha principal de um arquiopélago (poder de influência): Maurício

  • 20 BRUNET, Op. cit., p. 139
  • 21 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Mauritius.

28Tal qual sustentou Brunet20, o espaçamento e a gravidade constituem duas forças motrizes da realidade geográfica. No caso em questão, há relações de poder e hierarquia, em que polo influenciador e zona influenciada compõem seus contornos no mapa. A valer, Maurício é a principal terra emersa do arquipélago das Mascarenhas Orientais, assenhorando-se das ilhas Agalega, Rodrigues e São Brandão21.

  1. Grau de isolamento por isolinhas de distância relativa a um centro principal/continente (da hipo à superinsularidade):

  • 22 IBGE e MB, 2011, p. 34-35

29Florianópolis (SC), Fernando de Noronha (PE) e Ilha do Sul (ES). O Brasil detém ilhas em distintos níveis de isolamento: Florianópolis (ilha-capital, apartada do continente senão por estreita faixa aquática), Fernando de Noronha (situa-se a 500 km de Recife) e Ilha do Sul (no arquipélago de Martim Vaz, a mais de 1.000 km de Vitória)22.

Andares altimétricos ou climáticos, graus de afastamento do litoral: Santo Antão.

  • 23 CARDOSO, 2006, p 21

30Uma íntima associação entre altimetria e níveis de umidade e precipitação é reconhecível em Cabo Verde23. Nessa ilha, os andares altimétrico-climáticos variam do rés árido ao pico úmido, dada a configuração do relevo, os nevoeiros, as correntes úmidas ascendentes e as altitudes mais ou menos pronunciadas típicas da gênese insular vulcânica.

Arco insular; unidade entre ilhas e mares interiores com suas ligações preferenciais: Japão

  • 24 PELLETIER, 2009, 230
  • 25 Open Street Map

31Nos seus estudos sobre o Japão, Pelletier24 arrazoou que a insularidade se manifesta não unicamente pela distância, porém (e sobretudo) pelo espaço de contato. Ao longo da história desse país, na qual o mar teve papel difinitivo, uma robusta rede interconectora foi esculpida no arquipélago, sobretudo entre Hokkaido, Honshu, Shikoku e Kyushu25.

Figura 3. Modelos gráficos de Gravitação

Figura 3. Modelos gráficos de Gravitação

1. Maurício; 2. Ilhas brasileiras: 2a. Ilha de Santa Catarina (SC), 2b. Fernando de Noronha (PE) e 2c. Ilha do Sul (arquipélago de Martim Vaz, ES); 3. Santo Antão (Cabo Verde); 4. Japão.

Contato

32O grau de isolamento ou de contato de uma ilha com outras terras emersas pode ser representado por linhas orientadas, que fazem alusão a fluxos. Já as cores nos permitem discernir áreas específicas. Por exemplo, representamos a ligação de uma ilha com o exterior por meio de flechas que partem de um ponto (localidade nevrálgica, como um porto) e lançamos mão de cores para diferenciar ilhas de naturezas distintas, identificar regiões de uma mesma ilha e delimitar a costa de uma ilha (linha preta grossa que opõe, por exemplo, a superfície terrestre verde da superfície aquática azul).

Porto, atracadouro: Vitória (ES)

  • 26 Companhia Docas do Espírito Santo (CODESA)

33A “cidade-ilha” conta com um relevante duo portuário a oferecer: Tubarão, na praia de Camburi, e o porto homônimo e mais importante, no bairro central. Essa duplicidade de terminais deve-se à necessidade já antiga de mais uma alternativa para o escoamento do minério de ferro, que, de seu lado, confere atadura internacional ao espaço capixaba26.

Limite insular bem definido (condição de unidade política e ilheidade): Santa Lúcia

  • 27 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Saint Lucia.
  • 28 TUAN, 1980, p. 135

34Esse território do barlavento caribenho27 é uma ilha-país, ou seja, encerra-se, tanto do ponto de vista de seu território emerso quanto da ótica de sua identidade nacional, na linha de costa. Constrangimento pela exiguidade territorial, decerto. Mas não somente. Essencialmente, relações topofílicas28 são muito possivelmente predispostas pelo ambiente insular, com litoral à vista e sentimento localista.

Contato litoral/interior, contato zona portuária/paisagem de exceção: Itaparica (BA) e São Vicente (SP)

  • 29 BALTRUSIS et al., 2014, p. 45
  • 30 IBGE e MB, Op. cit., p. 102

35No primeiro caso, os loteamentos direcionados à Baía de Todos os Santos e ao Atlântico avançam sobre a zona costeira disponível a partir da aliança entre o mercado turístico e o capital financeiro para empreendimentos prediais29. No segundo caso, a paisagem exibe um já antigo contraste entre as áreas florestadas da Serra do Mar (continente) e o Porto de Santos (ilha)30.

Usos em convivência e dinamismo: Macronésia lusófona

  • 31 ROBINSON, 1972
  • 32 Institutos Nacionais de Estatística (INEs) de Portugal e de Cabo Verde

36Mesmo sendo, segundo Robinson31, uma única unidade biogegráfica, as atividades econômicas diferenciam essas ilhas: Cabo Verde baseia-se na pesca e nos serviços; os Açores dependem da pecuária (especialmente bovina, orientada para a produção leiteira); e, finalmente, a Madeira e ilhas sob sua circunscrição são paisagens de exceção, notadamente voltadas ao turismo e à conservação ambiental32.

Figura 4. Modelos gráficos de Contato

Figura 4. Modelos gráficos de Contato

1. Vitória (ES); 2. Santa Lúcia; 3a. Itaparica (BA); 3b. Santos (SP); 4. Macaronésia lusófona: 4a. Açores e 4b. Madeira.

Tropismo

37As transformações do espaço geográfico podem ter linhas de recuo ou de avanço. Setas podem ligar a ilha a outras terras emersas (eventualmente representadas por outras cores) e devem partir de prováveis centros de origem e dispersão. Em algumas ilhas (individualmente) e arquipélagos (em conjunto), identificamos centros de atração (as flechas levam à ilha ou ao arquipélago) ou de repulsão (as flechas partem da realidade insular em questão).

Acesso ao mar (emigração) e à terra (imigração), eutopia insular e utopia além-mar: Malta e Cabo Verde

  • 33 Rede Europeia de Migração (EMN)

38Enquanto o arquipélago africano era o exemplo clássico de ilha-primórdio, prólogo migratório, a ilha europeia representa, na outra extremidade, o molde contemporâneo de ilha-passagem, meio da jornada, para uns, e de ilha-exórdio, epílogo migratório para outros33.

Tropismo costeiro (mar sobre a terra, terra sobre o mar): Mosqueiro (PA)

  • 34 SILVA, 2015, p. 48

39A ilha desfruta de uma dupla direção de influências: exterior aquático - interior terral (ventos fluviais com função reguladora do clima e aproveitados para esportes como o windsurf) e intestino insular – exterioridade fluvial (pesca comercial artesanal, à moda da comunidade do Cajueiro34).

Influência da costa sobre o interior em graus distintos (maritimidade e natureza dos espaços internos): Groenlândia

  • 35 HANSEN, 1991, p. 95.

40Em um exame de imagens de satélite da porção sul da maior ilha do mundo, tratadas segundo o Índice de Vegetação da Diferença Normalizada (NDVI), nota-se que a população e a tundra confrangem-se a beira-mar, enquanto o interior é constituído por glaciares. Nesse caso, o mar ameniza a temperatura e é meio de comunicação e fonte de subsistência35.

4. Base de colonização, entreposto comercial, nó geoestratégico: Chipre

  • 36 CID, 2016, p. 17

41Esse enclave eurasiático (concomitantemente, helênico e otomano) teve sua importância geoestratégica salientada durante a Guerra Fria, quando a Grã-Bretanha buscava acesso ao petróleo das Arábias e do Golfo Pérsico, ao passo que os Estados Unidos, para além desses interesses, divisavam um local para o monitoramento das movimentações militares e lançamentos de mísseis soviéticos36.

Figura 5. Modelos gráficos de Tropismo

Figura 5. Modelos gráficos de Tropismo

1a. Cabo Verde; 1b. Malta; 2. Mosqueiro (PA); 3. Groenlândia; 4. Chipre.

Dinâmica territorial

42No contexto apresentado, pontos circunscritos por uma circunferência ou uma elipse podem representar localidades, populações ou indivíduos localizados em uma ilha. Por extensão, as modulações visuais desses pontos significam múltiplas relações entre os objetos e fenômenos (Bertin, 1967). A título de exemplo, variam-se as cores para apresentar ilhas com espécies (perspectiva biológica) ou povos (perspectiva antropológica) particularizados em relação a outras terras emersas e densificam-se os pontos internos para discriminar ilhas desabitadas, de pouca colonização e superpovoadas.

Superpopulação: Singapura

  • 37 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Singapure.

43É a república com maior densidade demográfica do mundo (7.000 hab/km²) e tem franco crescimento econômico visto que, ao longo de sua história, buscou aliar livre comércio, indústria de transformação altamente diversificada e localização nevrálgica37.

Rarefação biótica e demográfica: Montão de Trigo (SP)

  • 38 BARROS, Op. cit., p. 137

44A falta de diversificação de suas atividades econômicas, o declínio das roças, a míngua de sua população e o considerável desequilíbrio na razão de sexos conduzem a um cenário emigratório aparentemente incontestável38.

Penetração da influência marítima segundo o relevo e as redes internas: Ilha Grande (RJ)

  • 39 Carta SF-23-Z-C-II-2 (folha Ilha Grande), IBGE

45Há uma estrada orientada na direção NE/SO, que parte da Vila do Abrãao em direção à praia dos Dois Rios e que repousa em uma facilidade altimétrica já existente, que seja, uma linha de sela entre as vertentes do Pico do Papagaio (em serra homônima) e do morro do Ferreira (na serra do Abraão)39.

Glaciação, especiação e particularidade: Queimada Grande (SP)

  • 40 VANZOLINI, 1973 apud KASPEROVICZUS e ALMEIDA-SANTOS, 2012

46Localizada a 30 km da costa de Itanhaém (SP) e dela apartada há 11.000 anos, finda a glaciação pleistocênica40, essa ilha preserva uma alta densidade de ocorrência de um ofídio endêmico e de alto poder letal: a jararaca-ilhoa (Bothrops insularis).

Tipos de povoamento: ilhas de Ubatuba (SP)

  • 41 PEREIRA et al., 2009, p. 14-23

47Observam-se distintos padrões de ocupação: temporário (para pernoite ou afazeres específicos, caso do Mar Virado), sazonal (de veraneio, caso das Couves e Comprida) e consolidado ou permanente (caso da Anchieta)41.

Figura 6. Modelos gráficos de Dinâmica territorial

Figura 6. Modelos gráficos de Dinâmica territorial

1a. Montão de Trigo (SP); 1b. Singapura; 2. Ilha Grande; 3. Estágios de colonização e especiação da Ilha da Queimada Grande (SP) pela jararaca-ilhoa: 3a. Rebaixamento do nível do mar durante glaciação, 3b. Migração de espécies continente-ilha e 3c. Elevação do nível do mar em período interglacial e consequentes isolamento insular e especiação; 4. Ilhas do litoral de Ubatuba (SP).

Hierarquia

48Para além de uma topografia visível, que localiza e distância, os espaços são constituídos por uma topologia, que conecta e hierarquiza. Espaços contêm e estão contidos. E aí está um verdadeiro jogo de escalas. Para os corotipos insulares, consideramos um só círculo ou elipse uma só ilha. Um conjunto de círculos ou elipses, eventualmente acompanhado de linhas de limites político-administrativos e pontos de localidade, será, por consequência, um arquipélago. Contudo, um arquipélago maior pode conter um arquipélago menor, pelo que começamos a mostrar o mar circundante de uma ilha com um azul mais claro e o tornamos progressivamente mais escuro à medida que abarcamos o mar que circunscreve todo o arquipélago ao qual a ilha faz parte.

  1. Ilhas em tamanhos distintos de população e poder de influência: Comores.

  • 42 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Comoros.

49O arquipélago pode ser resumidamente explicado como um conjunto de ilhotas-satélite em torno de ilhas principais (tanto nas posições de área quanto nas de população e poder de influência). Citam-se, em ordem decrescente, segundo esses critérios, Grande Comore, Anjouan e Mohéli42.

2. Divisão político-administrativa entre ilhas e no interior das ilhas: Filipinas

  • 43 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Philippines.

50Com 100 milhões de habitantes distribuídos por um território esmigalhado em mais de 7.000 fragmentos de terra43, o país concorre com seus parceiros asiáticos para uma crescente relevância no cenário internacional.

Escalas (ilha, arquipélago, região, domínio): Aruba

  • 44 Atlas National Geographic, 2008a.

51Principiando no maior detalhe e findando na escala regional, esse território neerlandês é 1. Ilha ao largo da costa venezuelana. 2. Uma das ilhas ABC (Aruba, Bonaire e Curaçao). 3. Parte de um dos arquipélagos de Sotavento. 4. Uma das Pequenas Antilhas. 5. Território do Caribe (América Central Insular)44.

Vínculos entre arquipélagos e entre eles e o continente: Dependências da Coroa britânica (ilha de Man, ilhas do Canal)

  • 45 Carta de princípios das Dependências da Coroa Britânica.

52Politicamente, não são colônias, tampouco parte integrante do Reino Unido. Situam-se entre o nível da Escócia (território constitutivo do governo britânico) e a posição de Gibraltar (possessão à mercê das decisões centrais), possuindo sistemas administrativo, legislativo, legal e fiscal próprios, mas sem autonomia para assuntos de política externa45.

Figura 7. Modelos gráficos de Hierarquia

Figura 7. Modelos gráficos de Hierarquia

1. Comores; 2. Filipinas; 3. Aruba (no Caribe); 4. Dependências da Coroa britânica.

Síntese

53Tendo como alicerce as diferentes perspectivas (fisiográfica, genética, ecológica, econômica, locacional, social, demográfica, perceptiva, simbólica e territorial) de compreensão da realidade insular e como insumo a tabela dos 28 coremas fundamentais propostos por Brunet (2001, p. 198), apresentamos algumas situações-modelo que, de modo mais ou menos generalizador, buscam apreender aspectos essenciais da insularidade

Figura 8. Corotipos dos espaços insulares.

Figura 8. Corotipos dos espaços insulares.

54Uma miríade de possibilidades parece orbitar em torno da questão insular. Destarte, em vez de respondermos o que é uma ilha, optamos por demonstrar o que uma ilha pode ser, ou melhor, o que tem a oferecer. Como resultado da análise, buscamos reconhecer, na realidade insular ideal, traços do isolamento, da quase presença impositiva do mar, da exiguidade espacial, do endemismo, do confrangimento territorial, da identidade imposta pelos limites da orla. Isso já é, aliás, sugerido pelos estudiosos desde o determinismo geográfico até a análise espacial, entrecortados pelos paradigmas do possibilismo, da conservação ambiental e, mesmo, da ciência humanística. Mas as manifestações concretas na superfície do globo auxiliam-nos a expandir os horizontes da análise no sentido de destinar-lhe criticidade e, portanto, fornecer-lhe um sem-número de reservas capaz de deixá-la a salvo de uma simplificação tentadora que, do essencial, mais elimina que seleciona. A termo, esse percurso analítico depara-se com coremas de naturezas diversas, e é nessa multiplicidade de manifestações que, precisamente, reside a necessidade de estudos mais aprofundados em Geografia Insular. Dentre elas, citam-se as ilhas-capital, as localidades costeiras e interiores, os limites territorias intra e interinsulares, os Estados-ilha (uni-insularidades) e os Estados-arquipélago (multi-insularidades), os centros de comunicação arquipelágica (cada qual em uma ilha), as disposições de um arquipélago (arcos insulares, aglomerados, lineamentos), as ilhas barreiras, os atóis, as costas de dispersão e de condensação, as redes de drenagem e as estradas como sinapses interiores, os ambientes topoclimáticos e as compartimentações edáficas e fisiográficas possíveis, as ilhas como antimundos (servindo a centros de detenção, paraísos ecológicos, lazaretos) ou como pontos nodais de uma rede de comunicação ou circulação, a gravitação de um conjunto de ilhas ao redor de outra ou em torno de um continente, as sinapses arquipelágicas por intermédio de mares interiores, os graus de afastamento do litoral (hipoinsularidades e superinsularidades), os pontos de conexão com o mundo exterior (portos, cidades) e o comércio além-mar, a franja litoral como condição de unidade política e ilheidade, a diferenciação costa-interior, as inúmeras funções econômicas de uma ilha (agrícola, comercial, turística), o embate entre a rarefação demográfica ou biótica e a superpopulação, as dinâmicas de crescimento vertiginoso e de estagnação ou depressão (dilema dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento), a propagação da influência marítima segundo o relevo e as redes internas, o isolamento e a ligação com o continente por eventos históricos de ordem natural e social, o particularismo sociocultural e o endemismo, os tipos de povoamento insular (permanente, sazonal, ocasional), os vínculos entre terras emersas nas mais multímodas escalas. Pistas, enfim.

Haut de page

Bibliographie

Almada e Santos, A. (2011). A insularidade e as suas condicionantes económicas. O caso dos pequenos Estados insulares em desenvolvimento. Lisboa: Universidade de Lisboa, tese de doutorado em Geografia, Humana, 411 p.

Babau, M.; Alves, L.; Silva, R. (1983). « Les conditions générales au Cap Vert ». In Abreu, A. e Soares, H. (org.), Desenvolvimento e pesquisa no longo prazo em Cabo Verde. Oeiras: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 33-109. CDU : 338 (665.8).

Baltrusis, N.; Machado, C. B.; Jesus, D. A.; Roque, A. A. (2014). Os impactos do anúncio da construção da ponte Salvador – Ilha de Itaparica no território da ilha. Anais do “Congresso Internacional Interdisciplinar em Ciências Sociais e Humanidades. Salvador, 8-10 out 2014.

Barros, L. F. (1997). “A Ilha Monte de Trigo: impressões de viagens”. In Diegues, A. C., Ilhas e Sociedades Insulares. São Paulo: NUPAUB–USP, p. 137-153. Disponível em: <http://nupaub.fflch.usp.br/sites/nupaub.fflch.usp.br/files/color/Ilhas_Sociedades_Insulares.pdf>.

Bertin, J (1967). Sémiologie graphique. Paris : Mouton/Gauthier-Villars, 1967, 431 p. ISBN : 9783111282176.

Bouchet, P. e GAY, J. (1998). “Les hauts de la Réunion conquis par lês loisirs”. M@ppemonde, v. 51, n° 3, p. 31-37.

Briceño-Garmendia, C. M. e Benitez, D. A. (2010). As infraestruturas em Cabo Verde: uma perspectiva continental. Washington: Banco Internacional para a Reconstrução e o Desenvolvimento/Banco Mundial, 30 p. Disponível em: <https://library.pppknowledgelab.org/attached_files/translations/61/original/AICD-Cape-Verde-Relatorio-Nacional.pdf?1466558669>

Brookfield, H (1971). Melanesia: a geographical interpretation of an island world. Londres : Methuen, 1971, 464 p. ISBN: 9780416171204.

Brunet, R. (1986). “Une épure de la Guadeloupe”. M@ppemonde, v. 4, n° 4, p. 24-25.

Brunet, R. (2001). Le déchiffrement du monde. Théorie et pratique de la géographie. Paris : Belin, 402 p. ISBN: 978-2-7011-2956-3.

Brunet, R. (2004). “La Corse, region d’Europe”. M@ppemonde, v. 76, n° 4, p. 1-16.

Calmont, A. e Vassoigne, C. (1999). “Guadeloup, Martinique, Guyane : des espaces tropicaux entre insularité et continentalité”. M@ppemonde, v. 54, n° 2, p. 10-14.

Canet, G. e Raisz, E. (1949). Atlas de Cuba. Cambridge (Massachusetts): Harvard University Press, 55 p. OCLC: 78-1-1897-1.

Cardoso, P. (2006). Atlas da lusofonia. Lisboa: Instituto Português de Conjuntura Estratégica/Prefácio, Volume “Cabo Verde”, 99 p. ISBN: 972-8816-92-8.

CIA. Central Intelligence Agency. The World Factbook. Disponível em: <https://www.cia.gov/library/publications/resources/the-world-factbook/>

Cid, M. C. B. (2016). O Chipre e sua importância geoestratégica durante a Guerra Fria. Anais do “IX Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos de Defesa – Forças armadas e sociedade civil: atores e agendas da defesa nacional no século XXI.” Florianópolis, 06-08 jun 2016.

Cognard, F (2012). “Géohistoire de la Nouvelle-Zélande: unité territoriale et intégration à l’espace monde”. M@ppemonde, v. 105, n° 1, p. 1-11.

Companhia Docas do Espírito Santo (CODESA). Disponível em: <http://www.codesa.gov.br/site/>.

Couix, G. e Desse, M. (1992). “Îles tropicales et chorèmes”. M@ppemonde, v. 27, n° 3, p. 43-46.

Domingo, J. (1993). “Le Japon dans le système mondial des échanges de marchandises et de capitaux”. M@ppemonde, v. 31, n° 3, p. 1-9.

Doumenge, F. (1965). Géographie des mers. Paris : Presses Universitaires de France, 284 p. ISBN-13: 978-2130284116.

Doumenge, F. e Monnier, Y. (1989). Les antilles françaises. Paris : Presses Universitaires de France, 125 p. ISBN: 9782130425083.

Eilenberg, M. (2014). “Evading colonial authority. Rebels and outlaws in the borderlands of Dutch West Borneo 1850s-1920s”. Journal of Borderlands Studies, v. 29, n° 1, p. 11-25.

Furlan, S. A. (1989). Ilhas do litoral paulista. São Paulo: CONDEPHAAT/FFLCH-USP, 49 p.

Gay, J. (2000). “La mise en tourisme des îles intertropicales”. M@ppemonde, v. 58, n° 2, p. 17-22.

Gay, J. (2001). “La diffusion du tourisme dans l’archipel comorien”. M@ppemonde, v. 64, n° 4, p. 15-18.

Guébourg, J. (2000). “Socotra, une île hors du temps”. M@ppemonde, v. 57, n° 1, p. 37-43.

Guébourg, J. e Théry, H. (1988). “Une épure de la Réunion”. M@ppemonde, v. 11, n° 3, p. 12-13.

Guedes, C. C. F. (2009). Evolução sedimentar quaternária da Ilha Comprida, estado de São Paulo. São Paulo: Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, Dissertação de Mestrado em Geotectônica, 133 p.

Guerra, A. (1993). Dicionário Geológico-Geomorfológico. Rio de Janeiro: IBGE, 446 p. ISBN: 9788528606256.

Gombaud, S. (2007). Îles, insularité et îléité. Le relativisme dans l'étude des espaces archipélagiques. Saint-Denis (Reunião): Université de la Réunion, tese de doutorado em Geografia, 1.101 p.

Gonçalves, R. (1986). “Utopia e emigração. Abordagem micro-sociológica na freguesia da Ribeira Quente, São Miguel”. Arquipélago, Revista da Universidade dos Açores, v. 8, n° 1, p. 107-132.

Hansen, B. U. (1991). Monitoring natural vegetation in Southern Greenland using NOAA AVHRR and field measurements”. Arctic Journal, v. 44, sup. 1, p. 94-101.

Horwitz, T. (2002). Blue latitudes. Boldly going where Captain Cook has gone before. Nova York: Henry Holt and Co., 480 p. ISBN: 978-0-312-42260-8.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Marinha do Brasil. (2011). Atlas geográfico das zonas costeiras e oceânicas do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 176 p. ISBN: 978-85-240-4219-5.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cidades. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/>.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mapeamento Sistemático Brasileiro. Carta Topográfica SF-23-Z-C-II-2 (Folha Ilha Grande). Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/mapas/GEBIS%20-%20RJ/SF-23-Z-C-II-2.jpg>.

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde. Disponível em: <http://www.ine.cv/>.

Instituto Nacional de Estatística de Portugal. Disponível em: <https://www.ine.pt>..

Instituto Nacional de Estatísticas do Chile. Disponível em: <http://www.ine.cl/>..

Jadé, E (2000). “Organisation spatial d’île de Ténériffe”. M@ppemonde, v. 60, n° 4, p. 29-32.

Jauze, J. (1996). “L’île de La Réunion: deux modèles de la dynamique spatial des villes”. M@ppemonde, v. 42, n° 2, p. 32-43.

Kasperoviczus, K. N. e Almeida-Santos, S. M. (2012). “Instituto Butantan e a jararaca-ilhoa: cem anos de história, mitos e ciência”. Cadernos de História da Ciência, v. 8, nº 2, p. 255-269.

Kluge, P. F. (2008). “Oceanos e ilhas”. In Atlas National Geographic. São Paulo: Abril, “Volume 18 – Oceanos e o Universo em imagens”, 96 p. ISBN: 978-85364-0450-9.

Knafou, R. (1988). “Le tourisme à la Réunion et à Maurice”. M@ppemonde, v. 11, n° 3, p. 9-11.

Koninck, R. e Théry, H. (1989). “Les quatre faces de La Malaisie: structure et dynamique”. M@ppemonde, v. 15, n° 3, p. 40-43.

Lévi-Strauss, C. (2008). Antropologia estrutural. Volume I. São Paulo: Cosac Naify, 448 p. ISBN: 85750-3249-6.

Lopes da Silva, B. (1984). O dialecto crioulo em Cabo Verde. Lisboa: Imprensa Nacional/Coroa da Moeda, 391 p.

MaCarthur, R. e Wilson, E. (2001). The theory of island biogeography. Princeton: Princeton University Press, 203 p. ISBN: 9780691088365.

Mercier, G. (1990). “Etude de l'insularité (rapport sur le premier thème) ». Norois, v. 37, nº 145, p. 9-14.

Milanesi, M. A. (2007). Avaliação do efeito orográfico na pluviometria de vertentes opostas da Ilha de São Sebastião (Ilhabela-SP). São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, Dissertação de Mestrado em Geografia Física, 141 p.

Moles, A. e Rohmer, E. (1982). Labyrinthes du vécu. L'Espace: matière d'actions. Paris: Librairie des meridiens, 183 p. ISBN-13: 9782865630318.

National Geographic. (2008). Atlas National Geographic. São Paulo: Abril, Volume 6 – “América do Norte e Central”, 112 p. ISBN: 978-85364-0408-0.

National Geographic. (2008). Atlas National Geographic. São Paulo: Abril, Volume 10 “África, Tomo II”, 96 p. ISBN: 978-85364-0412-7.

Neyroud, M. (1993). “Sri Lanka: modèle d’île”. M@ppemonde, v. 31, n° 3, p. 1-6.

Open Street Map. Disponível em: <https://www.openstreetmap.org/#map=10/33.9018/131.8716>.

Panizza, A., Fournier, J., Luchiari, A. (2004). “L’urbanisation littorale au Brésil: Ubatuba (São Paulo)”. M@ppemonde, v. 73, n° 1, p. 1-9.

Pelletier, P. (2009). “La distance japonésienne, une approche géohistorique et géoculturelle”. Atala, v. 12, Edição “La distance, objet géographique”, p. 229-246.

Pereira, C. S.; Novaes Júnior, R. A.; Cunha, A. B. P. V.; Mariano, L. (2009). Mapeamento e caracterização sócio-ambiental das ilhas ocupadas do litoral norte do Estado de São Paulo. São José dos Campos: INPE. Disponível em: <http://urlib.net/sid.inpe.br/mtc-m19@80/2009/12.01.11.56>.

Péron, F. (1993). Des îles et des Hommes, l’insularité aujourd’hui. Paris: Éditions de la Cité, 286 p. ISBN: 9782737311628.

Rede Europeia de Migração (EMN). Disponível em: <http://emn.ie/index.jsp?p=128&n=229>

Reino Unido. Ministry of Justice. (2014). Fact sheet on the UK’s relationship with the Crown Dependencies. Disponível em: <https://www.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/564373/factsheet-on-the-uks-relationship-with-the-crown-dependencies.pdf>.

Robinson, H. E. (1972). Biogeography. Aspect Geographies. Londres: McDonald & Evans, 541 p. ISBN: 978-07121-0219-3.

Royle, S. (2001). A geography of islands: small islands insularity. Londres e Nova York: Routledge, 237 p. ISBN: 9781857288650.

São Tomé e Príncipe. Constituição da República Democrática de São Tomé e Príncipe. 25 de janeiro de 2003. Disponível em: <http://www.parlamento.st/>.

Silva, I. M. C. (2015). A rede que pesca gente: o caso da comunidade Cajueiro na ilha de Mosqueiro/PA. Belém: Instituto de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Pará, Dissertação de Mestrado em Ecologia Aquática e Pesca, 96 p.

Taglioni, F. (2006). « Les petitis espaces insulaires face à la variabilité de leur insularité de leur statut politique ». Annales de géographie, v. 652, n° 6, p. 664-687.

Teixeira, S. G. Martins e Souza Filho, P. W. (2009). “Mapeamento de ambientes costeiros tropicais (Golfão Maranhense, Brasil) utilizando imagens de sensores remotos orbitais”. Revista Brasileira de Geofísica. São Paulo, v. 27, supl. 1, p. 69-82.

Thierry, N. (2005). “‘L’Hypo-insularité’, une nouvelle condition insulaire : l’exemple des Antilles françaises”. Espace géographique, v. 34, nº 4, p. 329-341.

Tuan, Y. (1977). Space and place: the perspective of experience. Minneapolis: University of Minnesota Press, 496 p. ISBN: 9780816608089.

Tuan, Y. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: DIFEL, 288 p. ISBN: 978-85286-0441-2.

Vegagerdin (Administração Viária e Costeira da Islândia). Disponível em: <http://www.road.is/>.

Whittaker, R. J. e Fernández-Palacios, J. M. (2007). Island biogeography: ecology, evolution and conservation. Ox ford: Oxford University Press, 416 p. ISBN: 978-01985-6612-0.

Haut de page

Notes

1 TEIXEIRA e MARTINS E SOUZA FILHO, 2009

2 CANET. e RAISZ, 1949, p. 20-21

3 NATIONAL GEOGRAPHIC, 2008b, p. 74-75

4 LING, 2013, p. 28

5 Artigo 4 da Constituição da República Democrática de São Tomé e Príncipe, 2003

6 CIA. The World Factbook. Verbetes acessados: Nauru; Micronesia, Federated States of.

7 HORWITZ, 2003, p. 42

8 NUNN, 1994 apud WHITTAKER e FERNÁNDEZ-PALACIOS, 2008, p. 19

9 SUGUIO e MARTIN (1994) apud GUEDES, 2009, p. 9

10 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Tuvalu.

11 Administração Viária e Costeira da Islândia

12 Instituto Nacional de Estatísticas do Chile

13 BRICEÑO-GARMENDIA e BENITEZ, 2010, p. 10

14 Portal “Cidades”, do IBGE

15 MILANESI, 2007, p. 35

16 Ibidem, p. 46

17 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Saint Helena, Ascencion and Tristan da Cunha.

18 KLUGE, 2008, p. 8-9

19 THIERRY, 2005, p. 329

20 BRUNET, Op. cit., p. 139

21 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Mauritius.

22 IBGE e MB, 2011, p. 34-35

23 CARDOSO, 2006, p 21

24 PELLETIER, 2009, 230

25 Open Street Map

26 Companhia Docas do Espírito Santo (CODESA)

27 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Saint Lucia.

28 TUAN, 1980, p. 135

29 BALTRUSIS et al., 2014, p. 45

30 IBGE e MB, Op. cit., p. 102

31 ROBINSON, 1972

32 Institutos Nacionais de Estatística (INEs) de Portugal e de Cabo Verde

33 Rede Europeia de Migração (EMN)

34 SILVA, 2015, p. 48

35 HANSEN, 1991, p. 95.

36 CID, 2016, p. 17

37 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Singapure.

38 BARROS, Op. cit., p. 137

39 Carta SF-23-Z-C-II-2 (folha Ilha Grande), IBGE

40 VANZOLINI, 1973 apud KASPEROVICZUS e ALMEIDA-SANTOS, 2012

41 PEREIRA et al., 2009, p. 14-23

42 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Comoros.

43 CIA. The World Factbook. Verbete consultado: Philippines.

44 Atlas National Geographic, 2008a.

45 Carta de princípios das Dependências da Coroa Britânica.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Modelos gráficos de malha
Légende 1. São Luís (MA); 2a. Cuba; 2b. Madagascar; 3. Bornéu; 4. São Tomé e Príncipe; 5a. Nauru; 5b. Estados Federados da Micronésia; 6. Ilhas Sociedade (Polinésia Francesa).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figura 2. Modelos gráficos de Disposição
Légende 1a. Havaí; 1b. Canárias; 1c. Santa Helena; 2. Ilha Comprida (SP); 3. Funafuti (Tuvalu); 4a. Páscoa; 4b. Islândia; 5. Santiago (Cabo Verde); 6. Marajó (PA); 7. Ilha de São Sebastião (SP); 8a. Hong Kong; 8b. Tristão da Cunha.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 142k
Titre Figura 3. Modelos gráficos de Gravitação
Légende 1. Maurício; 2. Ilhas brasileiras: 2a. Ilha de Santa Catarina (SC), 2b. Fernando de Noronha (PE) e 2c. Ilha do Sul (arquipélago de Martim Vaz, ES); 3. Santo Antão (Cabo Verde); 4. Japão.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 4. Modelos gráficos de Contato
Légende 1. Vitória (ES); 2. Santa Lúcia; 3a. Itaparica (BA); 3b. Santos (SP); 4. Macaronésia lusófona: 4a. Açores e 4b. Madeira.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 77k
Titre Figura 5. Modelos gráficos de Tropismo
Légende 1a. Cabo Verde; 1b. Malta; 2. Mosqueiro (PA); 3. Groenlândia; 4. Chipre.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 78k
Titre Figura 6. Modelos gráficos de Dinâmica territorial
Légende 1a. Montão de Trigo (SP); 1b. Singapura; 2. Ilha Grande; 3. Estágios de colonização e especiação da Ilha da Queimada Grande (SP) pela jararaca-ilhoa: 3a. Rebaixamento do nível do mar durante glaciação, 3b. Migração de espécies continente-ilha e 3c. Elevação do nível do mar em período interglacial e consequentes isolamento insular e especiação; 4. Ilhas do litoral de Ubatuba (SP).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 76k
Titre Figura 7. Modelos gráficos de Hierarquia
Légende 1. Comores; 2. Filipinas; 3. Aruba (no Caribe); 4. Dependências da Coroa britânica.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 175k
Titre Figura 8. Corotipos dos espaços insulares.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/38433/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 920k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Matheus Menegatto et Hervé Théry, « Corotipos de ilhas e arquipélagos: uma proposta »Confins [En ligne], 51 | 2021, mis en ligne le 26 août 2021, consulté le 01 décembre 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/38433 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.38433

Haut de page

Auteurs

Matheus Menegatto

Professor do Colégio Universitário – USCS, matmenegatto@gmail.com

Hervé Théry

Directeur de recherche émérite au CNRS-Creda, Professor na Universidade de São Paulo (USP-PPGH), hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search