Navigation – Plan du site

AccueilNuméros51Dossier frontières et circulation...Circulação e intercâmbio de plant...

Dossier frontières et circulations dans les Guyanes

Circulação e intercâmbio de plantas e conhecimentos fitomedicinais na fronteira franco-brasileira

Circulations et échanges de plantes et de savoirs phytomédicinaux sur la frontière franco-brésilienne
Circulation and exchange of plants and phytomedicinal knowledge on the french-brazilian border
Marc-Alexandre Tareau, Lucie Dejouhanet, Marianne Palisse et Guillaume Odonne

Résumés

Les pharmacopées sont, à l’image de toute production culturelle, des objets éminemment vivants et dynamiques qui se transforment et se réinventent constamment, au fil des contacts et échanges incessants qui se jouent entre les différents groupes humains. Les plantes médicinales sont, elles aussi, des « objets bioculturels » (Pordié, 2002) par la richesse et la complexité des relations que les sociétés entretiennent avec elles, elles aussi toujours en évolution. En Guyane, et en particulier sur les espaces transfrontaliers, les interactions culturelles sont constantes. Les plantes et leurs usages circulent entre les communautés, participant au renouvellement et à l’hybridation continuelle des phytothérapies. Ces flux matériels et immatériels composent la réalité culturelle des espaces transfrontaliers du plateau des Guyanes. Cet article se focalise sur la frontière franco-brésilienne matérialisée par le fleuve Oyapock. À la lumière d’entretiens menés dans la ville de Saint-Georges-de-l’Oyapock, nous proposons une description exploratoire des flux ethnobotaniques en contexte transfrontalier, en nous intéressant aux plantes médicinales échangées, à la diffusion des savoirs associés et donc aux modes de circulation des plantes et des connaissances. Cette étude compose une partie d’une recherche plus large sur les circulations bioculturelles à l’échelle de la Guyane et de ses voisins.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Este artigo foi publicado em francês na Revue francophone sur la santé et les territoires, no númer (...)

1Os espaços transfronteiriços constituem locais de intercâmbios e interações “intersticiais” (Ruffray, 2000), nos quais as práticas culturais se confrontam, se misturam e podem também tomar formas singulares (de Oliveira, 2009). As circulações e mobilidades terapêuticas nas fronteiras compõem, assim, uma “área de pesquisa em construção” (Sakoyan, 2012), que se tem voltado, até hoje, para as migrações de doentes em busca de cuidados biomédicos (Bochaton & Lefebvre, 2010, 2008 ; Pordié, 2013) ou para a patrimonialização das práticas tradicionais de cuidados como estratégia de reconhecimento de identidades culturais transfronteiriças (Candelise, 2013 ; Carreño Calderón, 2013). Os fluxos internacionais de plantas começam, hoje, a suscitar também interesse, principalmente com a difusão das medicinas alternativas nos países ocidentais (Dejouhanet, 2009 ; Hoyez, 2011), a demanda dos membros de diásporas por remédios à base de plantas de sua região de origem (Balick et al., 2000; Bochaton, 2018 ; Ceuterick et al., 2008; Kujawska & Hilgert, 2014; Pieroni et al., 2012; Reiff et al., 2003; van Andel & Westers, 2010), e o desenvolvimento das indústrias farmacêuticas ditas tradicionais nos países do Sul (Saxer, 2009 ; Dejouhanet, 2014 ; Mercan, 2012). Muito poucos estudos ainda analisam, nos espaços transfronteiriços, as dinâmicas desses fluxos, seu papel na transformação das práticas terapêuticas e, de modo mais geral, a maneira como os saberes e plantas circulam e se implantam nessas interfaces1.

A fronteira franco-brasileira : um limite geopolítico no coração de um conjunto cultural

2Na Guiana Francesa, os rios-fronteira (Maroni, no Oeste, Oiapoque, no Leste) são locais de contatos e intercâmbios mais do que de mera separação. No contexto amazônico, os rios constituem eixos de circulação que estruturam os intercâmbios tanto entre o litoral e o interior das terras quanto no seio do espaço continental, contribuindo para uma construção territorial particular. Como em outros cantos, os rios são “corredores de transportes, locais para a criação de cidades, limites espaciais ou zonas de intercâmbios” (Bruckmann, 2017), às vezes centrais para os territórios nacionais, às vezes marginalizados, principalmente quando correspondem aos limites geopolíticos. Utilizá-los como fronteira é, então, sempre um pouco “paradoxal” (Théry, 2015).

  • 2 Os indígenas galibi-marwono e karipuna do Baixo Oiapoque falam o khéuol, uma língua que se aproxima (...)
  • 3 Calcula-se em aproximadamente 600 usuários por dia o tráfego fluvial entre Saint-Georges e Oiapoque (...)

3No Oiapoque, rio-fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa, dois países se encaram, com suas especificidades, seus valores e seus códigos culturais. No entanto, como escreve René Nouailhat (2010), trata-se de uma “fronteira impossível”. Isso, ao mesmo tempo, por razões históricas (o traçado da fronteira foi objeto de um longo conflito diplomático entre a França e o Brasil, somente resolvido em 1900, em favor do Brasil, por uma arbitragem suíssa) e geográficas (um vasto rio amazônico não é uma fronteira impermeável). Decorre daí uma proximidade cultural – principalmente linguística2 – e uma homogeneidade nos modos de vida entre as populações do Amapá e da Guiana Francesa. O vaivém permanente entre as duas margens é a ilustração mais concreta da extrema porosidade dessa fronteira3 que, na realidade, age como uma verdadeira “interface dinâmica entre dois mundos” (Blancodini & Tabarly, 2010), tanto mais quanto esses “dois mundos” só estão politicamente separados há um século” (Grenand, 2012). As circulações entre as duas margens antecederam a presença dos colonos na região, a partir do século XVI, e nunca deixaram de se intensificar desde então (Collomb & van den Bel, 2014 ; Dupuy, 2012). Ainda hoje, as duas margens funcionam em sinergia: os moradores de Saint-Georges de l’Oyapock atravessam o rio para comprar bens de consumo em Oiapoque, franceses moram na margem oposta para se beneficiarem com aluguéis baratos, os brasileiros vão ao dispensário de Saint-Georges para consultas médicas, etc. (Boudoux d’Hautefeuille, 2008). São todas mobilidades diárias ou frequentes que contribuem para o dinamismo circulatório da zona.

  • 4 A estrada entre Oiapoque e Macapá data dos anos 1970 e aquela entre Caiena e Saint-Georges de l’Oya (...)

4Esse funcionamento conjunto das duas margens fronteiriças do Baixo Oiapoque, sustentado pelas numerosas analogias culturais e igualmente naturais, é tanto mais característico quanto essa região permaneceu encravada durante muito tempo. Assim, as duas margens se parecem por sua marginalidade frente ao poder central de seus respectivos Governos e por seu recente desencravamento4 (fig. 1) : Saint-Georges de l’Oyapock fica a três horas de estrada de Caiena e a mais de oito horas de voo de Paris. Oiapoque está, na melhor das hipóteses, a oito horas de estrada da capital, Macapá, e a 1600 km de Brasília. Esse relativo isolamento influenciou claramente o funcionamento em comum e a história coletiva daquele que era, antigamente, um território singular.

5No entanto, a despeito da coerência histórica, o fosso socioeconômico entre as duas margens hoje se aprofunda: a margem esquerda é francesa e a margem direita é amapaense. O nível de vida relativamente elevado e a assistência social garantida pelo Governo francês induzem um importante diferencial socioeconômico fronteiriço, fonte de importantes migrações brasileiras para uma Guiana Francesa vista como muito atrativa (Police, 2000). Até recentemente, os moradores iam de um lado para o outro sem limitações administrativas (Grenand, 2012), sendo que as autorizações de residência só eram controladas nas barreiras rodoviárias instaladas do lado francês, na estrada para Caiena e, do lado brasileiro, na saída de Oiapoque, na estrada para Macapá, o que criava, de fato, um espaço comum (Nicolas, 2016).

6Mas, a crescente quebra de braço entre a União Europeia e o Mercosul, bem como as legislações muito diferentes desses dois grandes conjuntos políticos e econômicos, fazem surgir uma linha de demarcação cada vez mais rígida, com controles numerosos e restritivos tanto de um lado quanto do outro. Em 2017, a abertura da ponte transnacional sobre o Oiapoque, na qual a passagem se faz mediante um duplo controle sistemático pelas autoridades alfandegárias e policiais dos dois países, também contribui para o processo de refronteirização (rebordering) em curso (Letniowska-Swiat, 2012 ; Moullé, 2017). De todo modo, numerosos “deslocamentos pendulares” (Kaufmann, 2005) existem entre as duas margens e contribuem, por essência, à fabricação desse espaço cultural (Crété, 2015 ; Filippi, 2016 ; Thebaux, 2015 ; Tritsch et al., 2012).

Figura 1. Contexto geográfico regional da fronteira franco-brasileira

Figura 1. Contexto geográfico regional da fronteira franco-brasileira

7Logo, a região é, há muito tempo, lugar de circulações e intercâmbios culturais intensos, dentre os quais os intercâmbios ligados às práticas de saúde constituem um vasto campo de pesquisa. Nosso estudo tem por finalidade identificar e caracterizar as circulações etnobotânicas no Baixo Oiapoque e, mais particularmentre, em Saint-Georges de l’Oyapock, sendo que todas essas circulações constituem provas da profunda dimensão cultural dos intercâmbios nessa fronteira. De fato, se este trabalho traz uma luz original sobre as formas de circulações informais e relativamente desconhecidas, também permite, por sua vertente etnobotânica, compreender melhor as construções culturais que se operam nesses tipos de espaços.

Medir os intercâmbios de plantas e saberes no Oiapoque : metodologia

  • 5 As amostras botânicas colhidas em campo foram acondicionadas, secas, conservadas e identificadas no (...)

8Na bacia do Baixo Oiapoque coabitam vários grupos humanos que se deslocam regularmente de uma margem à outra do rio-fronteira. Este trabalho se apoia unicamente em sondagens realizadas em Saint-Georges de l’Oyapock durante várias missões de campo, entre outubro de 2016 e abril de 2017. Entrevistas semidiretivas foram aí feitas com vinte e três moradores, todos usuários, mais ou menos regulares, de plantas medicinais. Paralelamente, coletamos amostras das plantas citadas 5para determinar com exatidão as espécies citadas pois, nesse contexto marcadamente plurilingue, os numerosíssimos nomes vernaculares levam a muitas imprecisões.

  • 6 Essa lei só é relativa aos conhecimentos tradicionais próprios aos povos indígenas e bushinenguês ( (...)
  • 7 APA significa em frances “Acces et Partage des Avantages”.
  • 8 http://www.ethnobiology.net/what-we-do/core-programs/ise-ethics-program/code-of-ethics/

9Essas sondagens foram efetuadas durante um período de vazio legislativo, entre a promulgação da lei pela reconquista da biodiversidade6 e a entrada em vigor de seu decreto de aplicação, em 1° de julho de 2017. A instância encarregada pelo Ministério da Transição Ecológica e Solidária de emitir as autorizações para os projetos relativos aos recursos genéticos e a partilha justa e equitativa das vantagens (APA7) não havia ainda sido implementada. O comitê APA da Coletividade Territorial da Guiana Francesa (que tinha atribuído a si mesma a competência antes da emissão de uma lei nacional) decidiu se reunir quando da criação da lei sobre a biodiversidade. Na falta de modalidades de aplicação, procedemos de acordo com os princípios do código de ética da Sociedade Internacional de Etnobiologia8, da seguinte maneira : fomos ao encontro das autoridades costumeiras dos indígenas palikur, os senhores Roger Labonté e Emmanuel Guillaumet, no âmbito do trabalho de doutorado no qual se insere este estudo, , os quais concordaram com este estudo. Este procedimento foi documentado em um audiovisual. Por fim, é preciso assinalar que o presente artigo não diz respeito ao uso terapêutico das plantas, mas sim à circulação destas plantas e dos saberes a elas associados.

  • 9 Seu número é estimado em 20.000 pessoas pelo Consulado do Brasil (Police, 2010).

10Os moradores entrevistados pertenciam aos cinco principais grupos culturais presentes na região do Baixo Oiapoque: seis indígenas palikur, seis crioulos guianenses, seis brasileiros não indígenas, três indígenas galibi-marwono e dois indígenas karipuna. Nós os encontramos por acaso, quando de nossas incursões em diversos bairros do município (fig. 2), que se caracterizam – exceto os novos alojamentos do tipo Habitação com Aluguel Moderado e, em certa medida, os do velho burgo – por sua composição frequentemente monoétnica (Pérez & Archambeau, 2012). Os indígenas palikur foram assim encontrados nos bairros Espérance, Martin e Baptiste, em Gabin e Petite-Savane. Sua população, na região, é calculada em cerca de 3.000 pessoas (Laval, 2016), repartidas entre diversas aldeias, tanto do lado francês quanto do lado brasileiro (aldeias da região do rio Urucauá). Os Galibi-Marwono e Karipuna, oriundos de grupos indígenas que têm entre 2.000 e 3.000 membros na escala regional (ibid.) e, principalmente, oriundos da fusão de outros grupos, hoje extintos, foram respectivamente entrevistados em Onozo e Petite-Savane, no vilarejo Bambou e no bairro Maripá. Mesmo se algumas famílias moram na Guiana Francesa, esses grupos estão instalados principalmente no Brasil, na região do rio Uaçá, no caso dos Galibi-marwonos, e do rio Curipi, no caso dos Karipunas (fig. 4). Os brasileiros não indígenas que moram na região do Baixo Oiapoque são oriundos de uma migração, mais ou menos recente, de populações urbanas pobres provenientes seja de cidades do Sul do Amapá, seja dos estados vizinhos do Pará, Maranhão e, às vezes, do Ceará (Boudoux d’Hautefeuille, 2012). Estão implantados, principalmente, na cidade fronteiriça de Oiapoque (15. 000 habitantes), mas tendem também, há alguns anos, a migrar para a Guiana Francesa9, tentar encontrar emprego e melhorar as suas condições de vida. Nós os encontramos no burgo de Saint-Georges, bem como nos bairros Petite-Savane, Gabin e Onozo. Por fim, os crioulos guianenses, descendentes de escravos que se dispersaram nas antigas terras dos colonos após a abolição de 1848, moram principalmente no centro da cidade, onde os encontramos, bem como no bairro de Blondin, no caso dos crioulos de origem saamaka (bushinenguê).

Figura 2. Mapa dos bairros de Saint-Georges de l’Oyapock

Figura 2. Mapa dos bairros de Saint-Georges de l’Oyapock

Bairros nos quais houve as sondagens, e das comunidades que neles moram.

11À luz dos resultados dessa sondagem, propomos uma descrição das práticas e saberes contemporâneos sobre a fitoterapia na região de Saint-Georges de l’Oyapock, bem como das circulações humanas e comerciais que os nutrem e participam de seu dinamismo.

A paisagem fitoterapêutica da pequena cidade fronteiriça de Saint-Georges de l’Oyapock

12A paisagem fitoterapêutica guianense se caracteriza, em seu conjunto, por uma importante diversidade de práticas que refletem, por si mesmas, a igualmente importante diversidade sociocultural desse território (Tareau et al., 2020, 2018, 2017). Numerosas espécies nativas e exóticas, especialmente da Ásia e de outras regiões da América (quadro 1) são utilizadas com funções e segundo modos de preparo que podem diferir em função do pertencimento cultural dos habitantes. Assim, analogias ou especificidades mais ou menos marcantes podem ser observadas nos usos entre as diferentes comunidades presentes no território. O inventário realizado no início dos anos 1980 por P. Grenand et al. (1986, reed. 2004) junto às comunidades crioula, palikur e wayãpi da Guiana Francesa apresentou 620 espécies potencialmente utilizadas para fins terapêuticos.

13Em Saint-Georges de l’Oyapock, no total, 139 espécies foram citadas durante a sondagem, chegando a 410 citações de usos (URs). Entre elas, 52 espécies (quadro 1), que totalizam 294 citações e pertencem a 26 famílias botânicas (classificadas de acordo com APG IV), são recorrentes em, pelo menos, três citações, podendo, então, ser consideradas como as espécies mais representativas dessa farmacopeia.

Quadro 1 : Lista das 52 principais espécies medicinais citadas em Saint-Georges de l’Oyapock.

Espécie

Família

Citações

Estatuto agronômico

Origem

Grupos culturais

Quassia amara L.

Simaroubaceae

16

C

América

gal ; kpa ; krg ; plk

Carapa guianensis Aubl.*

Meliaceae

14

S

América

br ; gal ; kpa ; krg ; plk

Astrocaryum vulgare Mart.*

Arecaceae

13

S

América

br ; gal ; kpa ; krg ; plk

Copaifera sp.*

Fabaceae

12

S

América

br ; gal ; plk

Eryngium foetidum L.

Apiaceae

12

C

América

br ; kpa ; krg ; plk

Citrus x aurantiifolia (Christm.) Swingle

Rutaceae

11

C

Ásia

br ; gal ; kpa ; krg ; plk

Cymbopogon citratus (DC.) Stapf

Poaceae

11

C

Ásia

br ; gal ; kpa ; krg ; plk

Ayapana triplinervis (Vahl) R.M.King & H.Rob.

Asteraceae

10

C

América

br ; gal ; kpa ; krg ; plk

Leonotis nepetifolia (L.) R.Br.

Lamiaceae

9

C

América

br ; kpa ; krg ; plk

Gymnanthemum amygdalinum (Delile) Sch.Bip. ex Walp.

Asteraceae

8

C

África

br ; gal ; kpa ; krg ; plk

Cocos nucifera L.*

Arecaceae

8

C

Ásia

br ; kpa ; krg ; plk

Bryophyllum pinnatum (Lam.) Oken

Crassulaceae

8

C

África

gal ; kpa ; krg ; plk

Petiveria alliacea L.

Phytolaccaceae

8

C

América

gal ; kpa ; krg ; plk

Siparuna guianensis Aubl.

Siparunaceae

8

S

América

br ; kpa ; krg ; plk

Aloe vera (L.) Burm.f.

Xanthorrhoeaceae

7

C

América

br ; gal ; kpa ; plk

Chenopodium ambrosioides L.

Amaranthaceae

6

C

América

br ; gal ; kpa

Morinda citrifolia L.

Rubiaceae

6

C

Oceania

br ; gal ; krg ; plk

Anacardium occidentale L.

Anacardiaceae

5

C

América

br ; kpa ; plk

Allium sativum L.

Amaryllidaceae

5

C

Europa

br ; kpa

Cinnamomum zeylanicum Garcin ex Blume

Lauraceae

5

C

Ásia

br ; gal ; krg

Justicia pectoralis Jacq.

Acanthaceae

5

C

América

gal ; kpa ; plk

Mansoa alliacea (Lam.) A.H.Gentry

Bignoniaceae

5

C/S

América

gal ; kpa ; plk

Momordica charantia L.

Cucurbitaceae

5

S

Ásia

br ; krg

Ocimum spp.

Lamiaceae

5

C

Ásia/América

br ; gal ; kpa ; plk

Picrolemma sprucei Hook. F.

Simaroubaceae

5

S

América

gal ; kpa ; krg ; plk

Costus spiralis (Jacq.) Roscoe

Costaceae

4

S

América

krg

Hibiscus rosa-sinensis L.

Malvaceae

4

C

Ásia

br ; krg ; plk

Jatropha curcas L.

Euphorbiaceae

4

C

América

kpa ; plk

Lippia alba (Mill.) N.E.Br. ex Britton & P.Wilson

Verbenaceae

4

C

América

br ; kpa ; krg

Lantana camara L.

Verbenaceae

4

S

América

br ; gal ; krg

Manihot esculenta Crantz

Euphorbiaceae

4

C

América

br ; krg

Tinospora crispa (L.) Hook. f. & Thomson

Menispermaceae

4

C

Ásia

br ; krg

Virola surinamensis (Rol. ex Rottb.) Warb.

Myristicaceae

4

S

América

br ; gal ; plk

Dalbergia monetaria L. f.

Fabaceae

4

S

América

br ; kpa ; plk

Averrhoa bilimbi L.

Oxalidaceae

3

C

Ásia

kpa ; krg ; plk

Alternanthera brasiliana (L.) Kuntze

Amaranthaceae

3

C

América

kpa ; krg

Annona muricata L.

Annonaceae

3

C

América

br ; kpa

Banara guianensis Aubl.

Salicaceae

3

S

América

krg ; plk

Vetiveria zizanioides (L.) Nash

Poaceae

3

C

América

krg ; plk

Gossypium barbadense L.

Malvaceae

3

C

América

krg ; plk

Geissospermum laeve (Vell.) Miers

Apocynaceae

3

S

América

gal ; krg

Myristica fragrans Houtt.

Myristicaceae

3

C

Ásia

krg

Mangifera indica L.

Anacardiaceae

3

C

Ásia

gal ; plk

Mentha spp.

Lamiaceae

3

C

Europa

br ; kpa

Nicotiana tabacum L.

Solanaceae

3

C

América

br ; gal

Opuntia cochenillifera (L.) Mill.

Cactaceae

3

C

América

kpa ; plk

Fraxinus ornus L.*

Oleaceae

3

S

Europa

krg

Psidium guajava L.

Myrtaceae

3

C

América

br ; gal ; plk

Ricinus communis L.*

Euphorbiaceae

3

C

África

kpa ; krg

Senna alexandrina Mill.

Fabaceae

3

C

África

krg

Zingiber officinale Roscoe

Zingiberaceae

3

C

Ásia

kpa ; krg

Indeterminada

NP

3

S

América

gal; plk

Legenda : * = comercializada em forma de produto transformado ; C = cultivada ; S = selvagem; br = Brasileiros ; gal = Galibi-marwono ; kpa = Karipuna ; Krg : Crioulos ; plk = Palikur.

14Quinze (27.8%) dessas 52 plantas são espécies nativas da Bacia Amazônica ou do Planalto das Guianas (quadro 1), chegando a 26 % do total das citações. A grande maioria das plantas utilizadas (79 %) são, por conseguinte, espécies exóticas (cujo uso é frequentemente pantropical). Por fim, 8 % das espécies só são utilizadas por uma mesma e única comunidade. A maioria delas é utilizada de maneira transversa por várias comunidades. Dentre essas plantas compartilhadas, 52 % o são entre duas ou três comunidades e 36 % são utilizadas por quatro ou cinco das comunidades consultadas. Isso já nos permite estabelecer o primeiro quadro de um patrimônio fitoterapêutico em comum.

A origem do conhecimento : os saberes e sua circulação entre as comunidades

Fotografia 1: Jardim com plantas medicinais ao lado de uma casa

Fotografia 1: Jardim com plantas medicinais ao lado de uma casa

(Alternanthera brasiliana, Leonotis nepetifolia, Ricinus communis, Vetiveria zizanioides...) ao lado de uma casa. Vilarejo Bambou, 2017.

  • 10
  • 11 Os conhecimentos cuja proveniência é mista não foram levados em conta neste cálculo, o que faz pens (...)

15Apesar dessa utilização transversa de um grande número de plantas, a transmissão dos saberes sobre plantas medicinais na região de Saint-Georges de l’Oyapock continua a ser essencialmente intracomunitária e intergeracional (transmissão vertical), com lugar preponderante das mulheres nesse processo10 (isso tanto na transmissão feita para as mulheres quanto para os homens) (fotografia 1). Essa importância das mulheres já foi salientada em outros estudos no Norte da América do Sul (Tareau et al., 2017 ; Voeks, 2007). Com efeito, num total de 410 citações de plantas medicinais, 349 correspondem a uma transmissão vertical dos quais 154 a uma transmissão da mãe, avó ou tia11. Cinquenta e oito citações correspondem a uma transmissão horizontal, que pode ser interfamiliar ou intercomunitária e, por fim, só tres das citações de plantas tem a mídia como origem.

16Ainda que seja relativamente baixo, é interessante considerarmos o grau de permeabilidade aos intercâmbios interculturais de cada uma das comunidades. Ao cruzarmos a origem cultural dos informadoresntes e das pessoas que lhes transmitiram os conhecimentos citados, podemos esboçar os perfis comunitários em função do nível de permeabilidade aos saberes alóctones ou da capacidade de difusão dos próprios saberes para outros grupos culturais (figura 3). É certo que as pessoas buscam primeiro a informação em sua própria comunidade (mais de 70 % dos casos), mas, respeitadas todas as precauções necessárias ao tamanho de nossa amostragem, provavelmente os grupos que mais interagem com outros grupos– pois com maior tempo de implantação na zona – (palikur, crioulos, brasileiros) são os que mais tendem a intercambiar fora da própria comunidade, agindo como os principais grupos “recursos” da informação obtida. Os galibi-marwono e os karipuna parecem, então, relativamente assimiladores de saberes exógenos, mas têm pouca tendência a partilhar seus próprios conhecimentos com outras comunidades. Não encontramos nenhuma informação vinda dos galibi-marwono entre os saberes das outras comunidades e, no entanto, esse grupo indígena integrou à sua farmacopeia conhecimentos oriundos dos karipuna, brasileiros e crioulos guianenses. Logo, ele está associado a uma fração 0/3. Os brasileiros interrogados receberam mais de 10 % de saberes dos crioulos guianenses, ao mesmo tempo em que também lhes transmitiam conhecimentos. A fração 4/2 indica que partilharam seus conhecimentos com quatro comunidades e receberam informações de outros dois grupos. Logo, são, ao mesmo tempo, receptores e transmissores, ao contrário dos galibi-marwono, que são só receptores.

Figura 3. Intercâmbios de saberes fitomedicinais em Saint-Georges de l’Oyapock

Figura 3. Intercâmbios de saberes fitomedicinais em Saint-Georges de l’Oyapock

Permeabilidade aos saberes alóctones e capacidade de difusão nas comunidades de Saint-Georges. Realizada com base num esquema proposto por Sébastien Oliveau.

17Esses intercâmbios de saberes entre comunidades realmente contribuíram para o uso generalizado de um grande número de plantas. Se o retrato que nós apresentamos corresponde a circulações relativamente recentes entre as comunidades, é claro que esses intercâmbios, que contribuíram para enriquecer as farmacopeias locais, devem ser integrados a um longo tempo das coabitações humanas.

A difusão das plantas e saberes medicinais, um fenômeno antigo

18Durante o período colonial, um número muito grande de espécies foi disseminado nos Trópicos, dando lugar a processos de hibridação que construíram, em grande parte, as farmacopeias atuais dessas regiões (Benett & Prance, 2000). As populações indígenas presentes na Bacia do Oiapoque faziam comércio com navios europeus que ancoravam na região (Collomb & van den Bel, 2014; Dupuy, 2012) e, logo, conheceram e aprenderam sobre novas espécies com os navegadores. Dois exemplos ilustram esses aportes antigos: a importância da mangueira nas farmacopeias locais, pois trata-se de uma espécie originária da İndia e introduzida na América a partir do século XVI (Ferrão, 2015) e o uso laxante pelos crioulos do maná doce, exsudato de uma árvore do Sul da Europa (o freixo-europeu, Fraxinus ornus), hoje vendido em farmácias, e que os marinheiros europeus do século XVIII - que o utilizavam por suas propriedades antiraquíticas e peitorais – trouxeram consigo (Luciani, 1926).

  • 12 Trata-se de um grupo etnocultural bushinenguê (“quilombola”), isto é, descendente de escravos que t (...)

19Mais tarde, durante o século XX, outros movimentos de populações vieram acrescentar diversidade botânica à região. Por exemplo, os garimpeiros crioulos das primeiras corridas do ouro e os catraieiros saamaka12 que os acompanhavam e dos quais descende uma parte da população crioula atual (Laval, 2016 ; Mam-Lam-Fouck & Anakesa, 2013 ; Pérez & Archambeau, 2012). A herança dessa última migração se expressa, ainda, pela utilização de nomes vernaculares bushinenguês para designar certas plantas, tais como singaafu (para as espécies do gênero Costus), koo ati (Begonia glabra) ou kuentu (Eryngium foetidum).

  • 13 Trata-se de uma oleoresina que é cicatrizante, muito conhecida em toda a Amazônia (Odonne, 2014) e (...)

20Fenômenos de interculturalização etnobotânica (Tareau, 2019) em curso também podem ser observados em Saint-Georges de l’Oyapock, impulsionados, particularmente, por espécies e usos associados provindos do Brasil. Com efeito, esta sondagem permitiu trazer à luz o peso das plantas medicinais oriundas do Brasil na farmacopeia de Saint-Georges de l’Oyapock: 10 % das plantas medicinais consumidas são compradas do lado brasileiro. As diversas comunidades brasileiras que se instalam do lado francês chegam, assim, com seus próprios conhecimentos sobre a farmacopeia da região de onde se originam ; com as interações diárias entre moradores, estas acabam por influenciar os costumes locais. Esses saberes também são parcialmente adquiridos através dos canais por satélite brasileiros captados em Saint-Georges de l’Oyapock. Alguns remédios populares no Brasil também se tornam progressivamente conhecidos do lado francês e são objeto de fluxos transfronteiriços específicos, como o óleo de copaíba13 (citado doze vezes), que sempre é comprado do lado brasileiro, já que não é produzido nem comercializado na Guiana Francesa.

21Os exemplos de transmissões intercomunitárias são, potencialmente, fatores de mudança cultural, graças à difusão de espécies e práticas novas nas farmacopeias locais, contribuindo para modificar, progressivamente, os hábitos fitoterapêuticos e a paisagem vegetal local. “Novas” práticas, introduzidas e difundidas pelos migrantes, são testadas, modificadas se necessário e integradas à farmacopeia local. Retomando os termos consagrados pelos estudos etnobotânicos da área (Ladio & Albuquerque, 2014; Tareau et al., 2020; Tareau,2019), elas são “relocalizadas” num contexto novo e se “justapõem” a outros usos pré-existentes. Alguns testemunhos recolhidos em campo podem ser mencionados para ilustrar o dinamismo subjacente a esse processo:

« Eu estava doente e foi uma senhora crioula que me disse para tomar uma planta chamada tiféy para preparar um remédio. Essa senhora mora na entrada do bairro.» Mulher de origem palikur, 67 anos, bairro Petite Savane.

« Foi uma colega de origem palikur que me falou dessa planta [Eupatorium ayapana]. Eu já conhecia, mas para curar outras coisas.» Mulher crioula guianense, 23 anos, centro da cidade.

22Foi por isso que várias espécies recenseadas neste estudo (Plectranthus grandis (fotografia 2), Vernonia campestris, Morinda citrifolia) não figuram na obra de referência Les pharmacopées traditionnelles de Guyane, publicada em 1986 e reeditada em 2004 (Grenand et al., 2004), sinal muito provável da recente introdução na flora medicinal de Saint-Georges de l’Oyapock. As pessoas interrogadas esclareceram que as duas primeiras tinham sido introduzidas em Saint-Georges vindas do Brasil.

Fotografia 2. Boldo, Plectranthus grandis

Fotografia 2. Boldo, Plectranthus grandis

Uma planta introduzida recentemente em Saint Georges de l’Oyapock a partir do Brasil. Vilarejo Onozo, 2017.

  • 14 A espécie mais corrente citada em Saint-Georges de l’Oyapock, Quassia amara, foi objeto de vários e (...)

23Também podem aparecer combinações entre remédios locais e biomedicina: contra as febres altas – principalmente aquelas ligadas à malária – ácido acetilsalicílico (aspirina) é, às vezes, acrescentados à decocção de plantas conhecidas por suas propriedades febrífugas, como Quassia amara14 ou Phyllanthus amarus. Essas apropriações terapêuticas fazem surgir um pluralismo médico complexo, não só entre as diferentes etnomedicinas, mas também entre estas e a biomedicina. Enfim, novas práticas também podem ser inventadas, contribuindo para o enriquecimento das farmacopeias pelo acréscimo de usos de novo (Odonne et al., 2011). Foi assim que uma mulher palikur nos informou ser a primeira pessoa de Saint-Georges a ter fabricado um óleo medicinal com sementes da palmeira dendê (palmeira de origem africana, introduzida como ornamental no município).

24Os processos de construção das farmacopeias são, logo, complexos. Enquanto as circulações dos homens entre e nos continentes favoreceram e ainda servem ao deslocamento das plantas, os intercâmbios de saber seguem rotas menos visíveis. Em virtude das coabitações e entendimentos comunitários na zona fronteiriça e das necessidades pontuais em cuidados, os conhecimentos sobre os usos das plantas são compartilhados, adotados, testados, modificados, contribuindo para a renovação contínua das farmacopeias.

As viagens transnacionais dos homens e plantas: entre mobilidades terapêuticas e ramos comerciais de plantas medicinais.

  • 15 Essas aldeias fazem parte de terras indígenas que cuidam da preservação dos valores culturais autóc (...)

25As três comunidades indígenas transfronteiriças presentes em Saint-Georges de l’Oyapock (galibi-marwono, karipuna e palikur) testemunham deslocamentos regulares e intercâmbios recíprocos com suas regiões de origem, situadas na região fronteiriça do Amapá, ao longo dos rios Uaçá, Curipi e Urukauá. Em caso de doença grave, por exemplo, os pajés (xamãs) são consultados nas aldeias do Brasil15 ou se deslocam para Saint-Georges ; esses deslocamentos episódicos e bilaterais têm importância capital nos itinerários de busca de cuidados e contribuem muito para fazer com que vivam as culturas indígenas dessas populações (Collomb, 2013).

« Quando a gente fica gravemente doente, a gente pode ver um pajé na aldeia. Eu volto para lá mais ou menos duas vezes por ano, para Manga, minha aldeia natal.» Homem de origem karipuna, 42 anos, vilarejo Bambou.

« Às vezes, as pessoas vêm de Rokawa (no Amapá) para ver meus avós. Eles nos contam velhas histórias, as do nosso Povo.» Mulher de origem palikur, 23 anos, vilarejo Martin.

  • 16 Termo de origem tupi-guarani que designa, no Leste da Amazônia, o curandeiro, mais próximo do conce (...)

26Por outro lado, essas circulações médico-mágicas são, às vezes, de ordem intercultural, pois alguns crioulos também nos contaram que foram eles próprios às terras indígenas brasileiras para consultar um pajé16 :

« Me diagnosticaram com um câncer de próstata. Foi uma curandeira indígena de Curipi (Amapá) que me curou com plantas. » Homem crioulo guianense, 54 anos, pista Martin.

27Por fim, os brasileiros que moram em Saint-Georges de l’Oyapock e são oriundos de cidades mais ao Sul (principalmente Macapá, Belém e São Luís) vão regularmente até elas para fazer visitas à família ou para compras. Trazem frequentemente de volta, nas malas, plantas medicinais compradas lá. O complexo Ver-o-Peso, em Belém, considerado o maior mercado da Amazônia, é principalmente conhecido por suas numerosas tendas de plantas medicinais (Lima et al., 2016; Santos et al., 2018; Soares Farias et Diniz Guerra, 2012 ; van den Berg, 1984).

28A presença de uma diáspora brasileira na Guiana Francesa e a difusão progressiva de práticas de saúde e consumos de plantas de origem brasileira engendraram uma demanda crescente, no território guianense, por fitomedicamentos brasileiros, que hoje são objeto de uma importante circulação transamazônica – até mesmo transnacional – do Brasil para a Guiana Francesa. Impulsionado e apoiado pelo Governo brasileiro, um importante ramo de transformação e comercialização de plantas medicinais no Brasil fazia com que, já em 2006, houvesse 103 laboratórios que produziam 367 medicamentos fitoterapêuticos comercializados em todo o país (Alves, 2013).

29Caixas de plantas secas e acondicionadas, provindas frequentemente dos estados do Sul do Brasil chegam a Oiapoque após um longo trajeto de caminhão através do país, tornando acessíveis às populações que vivem na Amazônia espécies que crescem em meio temperado, provocando, assim, aumento na farmacopeia. Este também é o caso de grandes quantidades de óleos vegetais ou oleoresinas, oriundas essencialmente das regiões do Pará, Amazonas e Maranhão, onde existe um importante ramo extrativista (Lima et al., 2011; Pinton & Emperaire, 1992). Esses óleos ou resinas transitam frequentemente pelas cidades de Santarém, Belém e, depois, Macapá, antes de serem enviadas, pela estrada, até Oiapoque, em barris ou galões e são reacondicionadas in loco (fig. 4). As plantas secas e produtos transformados, que se beneficiam com circuitos de distribuição bem estabelecidos no Brasil, chegam, então, à Guiana Francesa, de maneira informal, por ramos relativamente estruturados. Esse tipo de circulação é praticamente unilateral, do Brasil para a Guiana Francesa, sendo que a cidade de Oiapoque aparece como local essencial de difusão.

Figura 4. Circulações das plantas e produtos à base de plantas no espaço transfronteiriço.

Figura 4. Circulações das plantas e produtos à base de plantas no espaço transfronteiriço.

Oiapoque, interface de difusão das plantas medicinais para o mercado guianense

30Esses fluxos de plantas medicinais e fitoprodutos provenientes de outras regiões do Brasil chegam a Oiapoque, de onde são comercializados e difundidos para a Guiana Francesa, num âmbito essencialmente doméstico – logo, informal. Essa cidade-fronteira constitui, de fato, um importante local de abastecimento de todos os tipos de produtos brasileiros para os moradores de Saint-Georges de l’Oyapock e, até mesmo, para a totalidade do litoral guianense. Vem-se de Caiena até Oiapoque para fazer compras baratas de produtos de todo tipo ou tipicamente brasileiros (frios, produtos de beleza, acessórios de moda, castanha-do-Pará...), pegando uma catraia em Saint-Georges ou atravessando a ponte de automóvel.

  • 17 Na França, as plantas medicinais fazem parte do monopólio farmacêutico, isto é, só podem ser vendid (...)

31As duas principais « interfaces » de venda de plantas em Oiapoque são as lojas de produtos naturais e o mercado central. Vários vendedores de ervas (fotografias 3 & 4), bem abastecidos, propõem, assim, plantas secas e acondicionadas em sachês e diversos outros produtos fitomedicinais. A profissão de herborista hoje é proibida na França17, diferentemente do Brasil, e numerosos consumidores guianenses vão até Oiapoque para pedir conselhos dados por essas lojas e comprar remédios que não se podem achar do lado francês, tais como o xarope tônico de guaraná (Paullinia cupana) ou o “leite de amapá”, látex de uma espécie florestal amazônica (provavelmente Parahancornia fasciculata), comsumida como fortificante.

32Quanto ao mercado, oferece principalmente plantas frescas (babosa, Aloe vera ; arruda, Ruta graveolens ; mastruz, Chenopodium ambrosioides ; chicória, Eryngium foetidum) e óleos vegetais (andiroba, Carapa spp.; coco, Cocos nucifera copaíba, Copaifera spp.) (fotografias 5 & 6). Se os herboristas atraem os consumidores franceses em busca de óleos e plantas secas certificados, o mercado contribui para a difusão de produtos mais artesanais e vegetais para a Guiana Francesa.

Figura 5. Uma das lojas de ervas de Oiapoque 

Figura 5. Uma das lojas de ervas de Oiapoque 

A e b: vista do exterior e mercadorias no interior.. C e d: o mercado de Oiapoque, interface de venda de plantas e óleos vegetais. Oiapoque, 2017.

Conclusão

33Calcado em escalas de análise, este estudo mostra a que ponto as circulações de plantas e saberes, sejam transnacionais ou microlocais (na escala do bairro), compõem uma realidade marcante do espaço cultural e social de Saint-Georges de l’Oyapock. Os modos das circulações dos saberes, plantas e pessoas, assim evidenciados, se inscrevem nas características de funcionamento de um sistema espacial transfronteiriço que aqui age segundo o modelo do “metamorfismo de contato”, tal como é descrito por J.P. Renard e P. Picouet (1993, citado in Beucher & Reghezza, 2017). Este se apoia, ao mesmo tempo, em mobilidades transfronteiriças, uma zona de bilinguismo e relações amistosas e familiares que permitem a constituição de um espaço cultural e vivido. A isso se acrescentam uma difusão transnacional de informações escritas e transmitidas por rádio e televisão e fluxos de consumidores que atravessam a fronteira para se abastecer no polo urbano vizinho.

  • 18 É importante salientar que no Brasil existe um Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápi (...)

34A margem brasileira da fronteira entre o Brasil e a Guiana Francesa pode ser qualificada como “tintorial”, tamanha a influência que ela exerce, quase que em sentido único, sobre a farmacopeia de Saint-Georges de l’Oyapock, tanto em termos de proveniência das plantas medicinais utilizadas localmente (mais de 10 %) quanto de introdução de novas espécies e usos que vêm se hibridar com as fitoterapias locais e, às vezes, se implantar de maneira duradoura duravelmente. Essas circulações constituem eco para os intercâmbios de sementes, mudas e tubérculos já estudados na região (Grenand, 2011; Martins Faure, 2010), que também vêm enriquecer o patrimônio biocultural e vegetal das duas margens. O peso do Brasil nesses intercâmbios deve, provavelmente, estar ligado à imensidão do seu território, que permite o acesso a uma enorme quantidade de plantas medicinais ou alimentícias e à política favorável de seus governos em matéria de desenvolvimento de fitoprodutos18. Deve também estar ligado à história particular dessa fronteira franco-brasileira que, até o presente momento, tem funcionado como uma interface entre as culturas.

35Assim, esta pesquisa mostra que as fronteiras enquanto zonas de intercâmbios e de influências mútuas são importantes zonas de difusão de fitoterapias e etnomedicinas. Os movimentos transversais de pessoas contribuem para criar um espaço circulatório de saúde na fronteira. Ela constitui uma parte de um trabalho mais amplo sobre as circulações bioculturais comunitárias na região da Guiana Francesa e seus vizinhos.

36Agradecimentos

37Este trabalho foi financiado pela chamada de projetos do Observatório Homens-Meios "Oyapock", e contou também com o financiamento dos projetos « investimentos de futuro », da Agência Nacional de Pesquisa (Labex DRIIHM/IRDHEI e Labex CEBA: ANR-10-LABX-25-01). A tradução foi permitida pela EA 929 AIHP-GEODE da Universidade das Antilhas francesas. Nossos sinceros agradecimentos à Sra. Haci Farina pela tradução em português.

38Desejamos agradecer calorosamente a população de Saint-Georges de l’Oyapock por ter participado deste jogo de sondagem.

Haut de page

Bibliographie

Alves, L.F., 2013. Produção de Fitoterápicos no Brasil: História, Problemas e Perspectivas. Rev. Virtual Quím. 5, 450–513.

Balick, M.J., Kronenberg, F., Ososki, A.L., Reiff, M., Fugh-Berman, A., Bonnie, O., Roble, M., Lohr, P., Atha, D., 2000. Medicinal plants used by latino healers for women’s health conditions in New York City. Econ. Bot.

Benett, B., Prance, G., 2000. Introduced plants in the indigenous pharmacopeias of the northern South America. Econ. Bot. 1, 90–102.

Bertani, S. et al., 2012. New findings on Simalikalactone D, an antimalarial compound from Quassia amara L. (Simaroubaceae). Experimental Parasitology 130(4): 341-47.

Beucher, S., Reghezza, M., 2017, La géographie : pourquoi ? Comment ? Hatier.

Blancodini, P., Tabarly, S., 2010. Les frontières externes et les limites internes en Guyane, entre fragmentation, ruptures et interfaces. Géoconfluences.

Bochaton, A., 2018. Intertwined Therapeutic Mobilities : Knowledge, plants, healers on the move between Laos and the U.S.. Mobilities, Taylor & Francis (Routledge), 1-17.

Bochaton, A., Lefebvre, B., 2010. Interviewing elites. Perspectives from medical tourism sector in India and in Thailand. In Hall, M. (éd.) Fieldwork in Tourism. Methods, Issues and Reflections, Routledge New York, 85-95.

Bochaton, A., 2009. « Recours aux soins transfrontaliers et réseaux informels : l’exemple lao-thaïlandais ».

Bochaton, A., Lefebvre, B., 2008. The rebirth of the hospital: Heterotopia and medical tourism in Asia. In Winter, T., Teo, P., Chang, T.C. (eds) Asia on Tour. Exploring the rise of Asian tourism, Routledge New York, 97-108

Boudoux d’Hautefeuille, M., 2008. Entre marge et interface : recompositions territoriales à la frontière franco-brésilienne (Guyane/Amapa), Thèse de doctorat en géographie, Université des Antilles et de la Guyane.

Bruckmann, L., 2017. « Les territoires du fleuve » : une analyse par l’image de l’intégration territoriale du fleuve Sénégal. EchoGéo.

Candelise, L., 2013. Patrimonialisation des savoirs médicaux : vers une reconfiguration des ressources thérapeutiques. Introduction au dossier thématique. Anthropol. Santé Rev. Int. Francoph. Anthropol. Santé.

Carreño Calderón, A., 2013. Revisiter les frontières et réparer l’histoire. Itinéraires thérapeutiques et processus de sauvegarde de la médecine traditionnelle andine dans un contexte transnational. Anthropol. Santé Rev. Int. Francoph. Anthropol. Santé.

Ceuterick, M., Vandebroek, I., Torry, B., Pieroni, A., 2008. Cross-cultural adaptation in urban ethnobotany: The Colombian folk pharmacopoeia in London. J. Ethnopharmacol. 120, 342–359.

Collomb, G., 2013. « Indiens » ou « Brésiliens » ? Mobilités karipuna vers Cayenne (Guyane française). Rev. Eur. Migr. Int. 29, 113–131.

Collomb, G., van den Bel, M., 2014. Entre 2 mondes, Amérindiens & Européens : sur les côtes de Guyane, avant la colonie, 1560-1627. CTHS.

Crété, C., 2015. Piroguiers, flux et structuration de l’espace : les piroguiers de l’Oyapock et le pont binational (Guyane, France et Etat de l’Amapá, Brésil). Mémoire de Master 2, Université Joseph Fournier Grenoble.

De Oliveira, T.C.M., 2009. Frontières en Amérique latine : réflexions méthodologiques. Espac. Sociétés 19–33.

Dejouhanet, L., 2014. Supply of Medicinal Raw Materials: The Achilles’ Heel of Today’s Manufacturing Sector for Ayurvedic Drugs in Kerala. Asian Medicine. Tradition and Modernity, Vol. 7, 3.

Dejouhanet, L., 2009. L’Ayurveda. Mondialisation d’une médecine traditionnelle indienne. EchoGéo.

Dupuy, F., 2012. Les arpenteurs des confins : explorateurs de l’intérieur de la Guyane, 1720-1860. CTHS.

Ferrao, J. et M., 2015. Le Voyage des plantes et les grandes découvertes. Chandeigne.

Filippi, M., 2016. Réglementations et pratiques fluviales sur le bassin du bas Oyapock, un territoire aux confins de l’Amazonie.

Fleury, M., 1997. À propos de I’intérêt médicinal du baume de Copahu. Acta Bot. Gallica 144, 473–479.

Grenand, F., 2011. Un pont entre la France et le Brésil : l’Observatoire Hommes/Milieux sur le fleuve Oyapock, Rayonnement du CNRS n°56 juin 2011.

Grenand, F., 2012. Enjeux de territoires sur une frontière méconnue, Confins. Revue franco-brésilienne de géographie / Revista franco-brasileira de Geografia, 16.

Grenand, P., Moretti, C., Jacquemain, H., Prévost, M.-F., 2004. Pharmacopées traditionnelles en Guyane : créoles, wayãpi, palikur. IRD Editions.

Houël, E. et al., 2009. Quassinoid constituents of Quassia amara L. leaf herbal tea. Impact on its antimalarial activity and cytotoxicity. Journal of Ethnopharmacology 126(1): 114-18.

Hoyez, A.-C., 2011. L’espace-monde du yoga : De la santé aux paysages thérapeutiques mondialisés. Presses universitaires de Rennes.

Kujawska, M., Hilgert, N.I., 2014. Phytotherapy of Polish migrants in Misiones, Argentina : Legacy and acquired plant species. J. Ethnopharmacol. 153, 810–830.

Ladio, A.H., Albuquerque, U.P., 2014. The concept of hybridization and its contribution to urban ethnobiology. Ethnobiol. Conserv. 1–9.

Laval, P., 2016. Captures estuariennes : une ethnoécologie de la pêche sur le bas Oyapock (frontière franco-brésilienne). Thèse de doctorat, Museum national d’histoire naturelle - MNHN Paris.

Letniowska-Swiat, S., 2012, Oyapock, un pont trop loin ? Un pont pour quoi ? », dossier « La frontière, discontinuités et dynamiques, Géoconfluences.

Lima, P.G.C. ; Coelho-Ferreira, M ; Oliveira, R. Plantas medicinais em feiras e mercados públicos do Distrito Florestal Sustentável da BR-163, estado do Pará, Brasil. Acta bot. bras. 25(2): 422-434. 2011.

Lima, P.G.C., Coelho–Ferreira, M. & da Silva Santos, R. Perspectives on Medicinal Plants in Public Markets across the Amazon: A Review. Econ Bot 70, 64–78 (2016). https://doi.org/10.1007/s12231-016-9338-y

Lorenzi, H., Matos, F.J., 2002. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, Brésil.

Luciani, D. 1926. Le frêne à Manne, la manne. Office national des matières premières végétales pour la droguerie, la pharmacie, la distillerie et la parfumerie.

Mam-Lam-Fouck, S., Anakesa, A., 2013. Nouvelle histoire de la Guyane, Ibis Rouge Editions.

Martins Faure, L., 2010. Les dynamiques spatiales en zone frontalière : contributions vers un diagnostic de l’économie des petits exploitants agricoles, Rapport pour le compte de l’OHM Oyapock.

Mercan, A., 2012. La route du cordyceps. Autrepart.

Moullé F. (dir.), 2017. Frontières. Presses Universitaires de Bordeaux.

Nicolas, T., 2016. « Frontières, migrations et reconfigurations territoriales en Guyane », in Collomb Gérard et Mam Lam Fouck Serge (direction), Mobilités, ethnicités, diversité culturelle : la Guyane entre Surinam et Brésil. Eléments de compréhension de la situation guyanaise, Matoury, Ibis Rouge Editions, 273-298.

Nouailhat, R., 2010. L’Oyapock, frontière impossible. Médium, 118–123.

Odonne, G., 2014. Ethnobotany of Amazonia. In Encyclopaedia of the History of Science, Technology and Medicine in the Non-Western Cultures.

Odonne, G., Berger, F., Stien, D., Grenand, P., Bourdy, G., 2011. Treatment of leishmaniasis in the Oyapock basin (French Guiana): A K.A.P. survey and analysis of the evolution of phytotherapy knowledge amongst Wayãpi Indians. J. Ethnopharmacol. 137, 1228–1239.

Pérez, P., Archambeau, O., 2012. Architectures et paysages de Saint-Georges de l’Oyapock. OHM Oyapock, CNRS Guyane (Cayenne).

Pieroni, A., Quave, C.L., Giusti, M.E., Papp, N., 2012. “We are Italians!”: the hybrid ethnobotany of a Venetian diaspora in Eastern Romania. Hum. Ecol. 40, 435–451.

Pinton, F., Emperaire, L., 1992. L’extractivisme en Amazonie brésilienne : un système en crise d’identité. Cah. Sci. Hum. 28, 685–703.

Police, G., 2010. Eudorado. Le discours brésilien sur la Guyane française. Ibis Rouge Editions.

Pordié, L., 2013. Les pérégrinations de Dolma Tsering. Itinéraire transnational d’un médecin tibétain. Nouv. Guérisseurs Biogr. Thérapeutes Au Temps Glob. Paris EHESS, 155–180.

Pordié, L., 2002. La pharmacopée comme expression de société. Une étude himalayenne. Sources Savoir Aux Médicam. Futur, 183–94.

Reiff, M., O’Connor, B., Kronenberg, F., Balick, M., Lohr, P., Roble, M., Fugh-Berman, A., Johnson, K.D., 2003. Ethnomedicine in the Urban Environment: Dominican Healers in New York City. Hum. Organ. 62, 12–26.

Ruffray, S. de, 2000. De la marginalité territoriale à la recomposition territoriale « marginale ». Rev. Géographique Est 40.

Sakoyan, J., 2012. Les mobilités thérapeutiques. Bilan et perspectives depuis les Comores. Anthropol. Santé Rev. Int. Francoph. Anthropol. Santé.

Santos, J.J.F. ; Coelho-Ferreira, M. ; Lima, P.G.C.Etnobotânica de plantas medicinais em mercados públicos da Região Metropolitana de Belém do Pará, Brasil. Biota Amazônia, v. 8, n.1 (2018).

Saxer, M., 2009. Herbs and Traders in Transit: Border Regimes and the Contemporary Trans-Himalayan Trade in Tibetan Medicinal Plants. Asian Medicine. Tradition and Modernity, Vol. 5, 317-339.

Soares Farias, E., Diniz Guerra, G.A., 2012. Plantas medicinais, ervas aromáticas e produtos para usos imateriais na Féria do 25, em Belém do Pará. Terceira Margem Amazon. 1, 207–218.

Tareau, MA., Bonnefond, A., Palisse, M. et al. Phytotherapies in motion: French Guiana as a case study for cross-cultural ethnobotanical hybridization. J Ethnobiology Ethnomedicine 16, 54 (2020). https://doi.org/10.1186/s13002-020-00404-1

Tareau, M.A., 2019. Les pharmacopées métissées de Guyane : ethnobotanique d’une phytothérapie en mouvement. Thèse de doctorat, Université de Guyane.

Tareau, M.A., Dejouhanet L., Odonne G., Palisse M., Ansoe C., 2019. Penser la cueillette de plantes médicinales sauvages dans des sociétés en transition : le cas guyanais. EchoGéo 47.

Tareau, M.A., Palisse, M., Odonne, G., 2017. As vivid as a weed…. Medicinal and cosmetic plant uses amongst the urban youth in French Guiana. J. Ethnopharmacol. 203, 200–213.

Thebaux, P., 2015. Le pont de l’Oyapock : Quels discours et quelles représentations des médias et des riverains ? Mémoire de Master 2, Université de Montpellier 2.

Théry, H., 2015. À quoi sert la Guyane ? Outre-Terre 43, 211.

Tritsch, I., Gond, V., Oszwald, J., Davy, D., Grenand, P., 2012. Dynamiques territoriales des Amérindiens wayãpi et teko du moyen Oyapock, Camopi, Guyane française. Bois For. Trop. 49–61.

van Andel, T., Westers, P., 2010. Why Surinamese migrants in the Netherlands continue to use medicinal herbs from their home country. J. Ethnopharmacol. 127, 694–701.

van den Berg, M.E., 1984. Ver-o-Peso : the ethnobotany of an amazonian market., in : Ethnobotany in the Neotropics. G. T. Prance & J. A. Kallunki, 140–149.

Voeks, R.A., 2007. Are women reservoirs of knowledge? Gender, ethnobotany and globalization in northeast Brazil. Singap. J. Trop. Geogr. 28, 7.

Haut de page

Notes

1 Este artigo foi publicado em francês na Revue francophone sur la santé et les territoires, no número temático de 2019, dedicado às “Circulações na saúde: produtos, saberes, pessoas em movimento”, coordenado por Chiarella Mattern e Audrey Bochaton.

2 Os indígenas galibi-marwono e karipuna do Baixo Oiapoque falam o khéuol, uma língua que se aproxima do crioulo guianense.

3 Calcula-se em aproximadamente 600 usuários por dia o tráfego fluvial entre Saint-Georges e Oiapoque (Crété, 2015).

4 A estrada entre Oiapoque e Macapá data dos anos 1970 e aquela entre Caiena e Saint-Georges de l’Oyapock só foi aberta em 2003. Antes disso, as ligações só se faziam por via marítima ou aérea, onerosas e pouco numerosas.

5 As amostras botânicas colhidas em campo foram acondicionadas, secas, conservadas e identificadas no Herbário do IRD de Caiena.

6 Essa lei só é relativa aos conhecimentos tradicionais próprios aos povos indígenas e bushinenguês (“quilombolas”).

7 APA significa em frances “Acces et Partage des Avantages”.

8 http://www.ethnobiology.net/what-we-do/core-programs/ise-ethics-program/code-of-ethics/

9 Seu número é estimado em 20.000 pessoas pelo Consulado do Brasil (Police, 2010).

10

11 Os conhecimentos cuja proveniência é mista não foram levados em conta neste cálculo, o que faz pensar numa parte ainda mais importante de transmissão feminina...

12 Trata-se de um grupo etnocultural bushinenguê (“quilombola”), isto é, descendente de escravos que tinham fugido das plantações surinamenses durante os séculos XVII e XVIII, para se instalarem ao longo do rio Maroni.

13 Trata-se de uma oleoresina que é cicatrizante, muito conhecida em toda a Amazônia (Odonne, 2014) e à base de um bálsamo popular na Europa do século XIX (Fleury, 1997).

14 A espécie mais corrente citada em Saint-Georges de l’Oyapock, Quassia amara, foi objeto de vários estudos farmacológicos que enfatizaram sua ação antimalária (Bertani et al., 2012 ; Houël et al., 2009).

15 Essas aldeias fazem parte de terras indígenas que cuidam da preservação dos valores culturais autóctones.

16 Termo de origem tupi-guarani que designa, no Leste da Amazônia, o curandeiro, mais próximo do conceito de xamã.

17 Na França, as plantas medicinais fazem parte do monopólio farmacêutico, isto é, só podem ser vendidas ao público por farmácias, de acordo com o artigo L. 4211-1/5° do Código de Saúde Pública. No entanto, há exceções, pois um certo número de plantas está “liberado” desse monopólio.

18 É importante salientar que no Brasil existe um Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no Sistema Único de Saúde (PNPMF/SUS), o qual recomenda que cada estado apoie pesquisas etnobotânicas e etnofarmacológicas em colaboração com suas respectivas populaçoes conhecedoras de plantas medicinais (indígenas, quilombolas, caboclas, etc) para introdução destas no SUS.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Contexto geográfico regional da fronteira franco-brasileira
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 73k
Titre Figura 2. Mapa dos bairros de Saint-Georges de l’Oyapock
Légende Bairros nos quais houve as sondagens, e das comunidades que neles moram.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 145k
Titre Fotografia 1: Jardim com plantas medicinais ao lado de uma casa
Légende (Alternanthera brasiliana, Leonotis nepetifolia, Ricinus communis, Vetiveria zizanioides...) ao lado de uma casa. Vilarejo Bambou, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 3. Intercâmbios de saberes fitomedicinais em Saint-Georges de l’Oyapock
Légende Permeabilidade aos saberes alóctones e capacidade de difusão nas comunidades de Saint-Georges. Realizada com base num esquema proposto por Sébastien Oliveau.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 105k
Titre Fotografia 2. Boldo, Plectranthus grandis
Légende Uma planta introduzida recentemente em Saint Georges de l’Oyapock a partir do Brasil. Vilarejo Onozo, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 83k
Titre Figura 4. Circulações das plantas e produtos à base de plantas no espaço transfronteiriço.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 130k
Titre Figura 5. Uma das lojas de ervas de Oiapoque 
Légende A e b: vista do exterior e mercadorias no interior.. C e d: o mercado de Oiapoque, interface de venda de plantas e óleos vegetais. Oiapoque, 2017.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/39305/img-7.png
Fichier image/png, 2,8M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marc-Alexandre Tareau, Lucie Dejouhanet, Marianne Palisse et Guillaume Odonne, « Circulação e intercâmbio de plantas e conhecimentos fitomedicinais na fronteira franco-brasileira »Confins [En ligne], 51 | 2021, mis en ligne le 04 octobre 2021, consulté le 19 mai 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/39305 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.39305

Haut de page

Auteurs

Marc-Alexandre Tareau

Université de Guyane, CNRS, LEEISA, Cayenne, marc.alexandre.tareau@gmail.com

Lucie Dejouhanet

Université des Antilles, AIHP GEODE EA 929, lucie.dejouhanet@orange.fr

Articles du même auteur

Marianne Palisse

Université de Guyane, LEEISA, Cayenne, marianna.palisse@univ-guyane.fr

Guillaume Odonne

CNRS, LEEISA, Cayenne, guillaume.odonne@cnrs.fr

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search