Navigation – Plan du site

AccueilNuméros52Dossiê Aspectos geográficos da pa...Pandemia além da metrópole: análi...

Dossiê Aspectos geográficos da pandemia de Covid-19

Pandemia além da metrópole: análise da interiorização da Covid-19 no estado do Ceará

Pandémie au-delà de la métropole : analyse de l'intériorisation de Covid-19 dans l’état de Ceará.
Pandemic beyond the metropolis: analysis of Covid-19 interiorization in the state of Ceará
Jefferson Santos Fernandes, José Borzacchiello da Silva et Alexsandra Maria Vieira Muniz

Résumés

La nouvelle pandémie de Coronavirus est un phénomène spatial directement lié aux flux d’habitants du territoire, donc les grandes métropoles ont été l'épicentre initial de la crise de santé actuelle. Cependant, la circulation du virus dans les petites villes est devenu un important point focal de l’attention des gestionnaires publics en raison du manque d’infrastructures hospitalières. Dans cette recherche, nous avons analysés les processus de l’intériorisations du Covid-19 dans l´état du Ceará. Le travail a été réalisé par une analyse documentaire, une analyse statistique et construction de cartes thématiques. Le déséquilibre du réseau urbain du Ceará et les inégalités sociales et spatiales dans l'accès aux services de santé constituent un obstacle à la actions de réponse à une pandémie. Le Covid-19 a exacerbé la nécessité de renforcer les réseaux locaux de santé et de protection sociale la population économiquement la plus vulnérable.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Ceará
Haut de page

Texte intégral

1A crise de saúde provocada pela pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2), vem nos impondo a necessidade de uma análise espacial. A propagação do vírus ficou marcada pela rapidez com que os diferentes países do mundo foram atingidos, revelando que a velocidade da integração econômica proporcionada por um capitalismo de ordem neoliberal e de acumulação flexível (Harvey, 2006), trouxe, também, a velocidade da integração biológica.

2A concentração territorial dos fluxos econômicos e da densidade técnica nas grandes metrópoles fez com que estas cidades se tornassem o epicentro inicial da pandemia. Todavia, a disseminação da Covid-19 revelou um aumento acentuado de casos em direção aos pequenos centros urbanos. As cidades onde a materialidade impõe um tempo lento (Santos, 2002), tornou-se o novo foco das atenções das autoridades públicas de saúde devido à falta de uma infraestrutura hospitalar adequada.

3No presente trabalho, trazemos uma abordagem sobre o estado do Ceará, analisando o processo de interiorização da Covid-19 e o impacto da pandemia, especialmente, nas pequenas cidades. Para tanto, realizamos uma discussão sobre a rede urbana cearense e a organização regional dos serviços de saúde. A consecução do trabalho se deu a partir de revisão da literatura, análise estatística dos acontecimentos recentes e construção de mapas temáticos.

4A lógica de difusão do novo Coronavírus é um fenômeno relacionado às interações espaciais na rede urbana. No Brasil, após uma fase inicial com a concentração de casos nas principais cidades do país, constatou-se o agravamento do quadro epidemiológico nas pequenas cidades. Os fatos vêm evidenciando que as desigualdades socioespaciais e as fragilidades do sistema de saúde constituem uma barreira para as ações de enfrentamento à pandemia.

Rede urbana e regionalização da assistência à saúde

5A organização do espaço geográfico em redes é parte fundamental da espacialidade humana. Segundo Roberto Lobato Corrêa (1997), uma rede geográfica corresponde ao conjunto de localizações humanas articuladas por vias e fluxos, sendo a rede urbana um tipo particular de rede, isto é, “[...] um conjunto de centros urbanos funcionalmente articulados entre si” (Ibid, p. 08).

6No Ceará, a estrutura da sua rede urbana é marcada por um forte desequilíbrio, com o domínio da capital Fortaleza e a presença de poucos núcleos urbanos de hierarquia intermediária. Sendo a rede urbana a rede geográfica por excelência, pois é a rede de cidades que estrutura todas as demais (Corrêa, 1997), analisar a dinâmica da rede urbana cearense é peça-chave para a compreensão da atual crise de saúde. Para tanto, tomamos como referência o estudo Regiões de Influência das Cidades (REGIC), realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2018.

7A REGIC é um estudo realizado a cada dez anos, desde a década de 1960, e seus resultados permitem definir a hierarquia das cidades brasileiras e delimitar as regiões de influência a elas associadas a partir de fatores como comércio e serviços. Na sua quinta versão, divulgada em 2020, é possível visualizar o alcance espacial das relações estabelecidas por Fortaleza e os demais núcleos urbanos do estado do Ceará (Figura 1).

  • 1 A noção de Cidade ou de centro urbano na pesquisa REGIC 2018 utilizada para análise dos dados é ope (...)

Figura 1: Região de Influência do Arranjo Populacional de Fortaleza, 20181

Figura 1: Região de Influência do Arranjo Populacional de Fortaleza, 20181

Fonte: IBGE (2020)

8Segundo as características apontadas pelo IBGE em 2018, a região de influência de Fortaleza possui 764.172 km2 e é formada por 630 cidades, sendo a quinta maior do país em extensão territorial. Nota-se que as conexões estabelecidas por Fortaleza somente se retraem nos limites de atração dos Arranjos Populacionais de Belém e Recife, abarcando os estados do Ceará, Piauí e Maranhão, o oeste de Pernambuco e parte dos estados do Tocantins e Pará.

9A limitada presença de cidades de porte intermediário no interior do Ceará reafirma a tendência de consolidação de um sistema urbano desequilibrado. Tomando como parâmetro a distribuição da população no estado, sua expressão é bem nítida, pois dos 9.132.078 habitantes estimados para o ano de 2019 no Ceará, 2.669.342 (29,3%) vivem em Fortaleza e 4.051.744 (44,4%) na sua região metropolitana. Ainda de acordo com as estimativas populacionais de 2019, dos 184 municípios cearenses 122 possuem menos de 30 mil habitantes. Na pesquisa REGIC de 2018, 145 cidades cearenses foram definidas como Centros Locais, ou seja, exercem uma influência restrita aos seus próprios limites territoriais (Quadro 1).

Quadro 1: Hierarquia da centralidade urbana do estado do Ceará

  • 2 Dos 184 municípios cearenses, 31 foram citados no Quadro 5 e 145 foram classificados como Centros L (...)

Classificação

Subnível

Cidades

Metrópole

Grande Metrópole Nacional

-

Metrópole Nacional

-

Metrópole

Fortaleza

Capital Regional

Capital Regional A

-

Capital Regional B

Juazeiro do Norte-Crato-Barbalha

Capital Regional C

Sobral

Centro Sub-Regional

Centro Sub-Regional A

Iguatu

Centro Sub-Regional B

Aracati, Crateús, Baturité, Camocim, Itapajé, Itapipoca, Limoeiro do Norte, Pacajus, Quixadá, Russas e Tianguá

Centro de Zona

Centro de Zona A

Brejo Santo, Horizonte, Icó, Quixeramobim, São Benedito e São Gonçalo do Amarante

Centro de Zona B

Acopiara, Canindé, Guaraciaba do Norte, Ipu, Mauriti, Mombaça, Santa Quitéria e Tauá

Centro Local

-

Todas as demais cidades2

Elaboração própria a partir da pesquisa REGIC 2018 (IBGE, 2020)

10De acordo com a classificação do Quadro 1, o Ceará não possui centros de hierarquia imediatamente inferior à Fortaleza, que foi definida na REGIC 2018 como Metrópole. No interior cearense, os núcleos urbanos com maior centralidade são as Capitais Regionais de Juazeir0 do Norte-Crato-Barbalha (Capital Regional B) e Sobral (Capital Regional C), seguidas pelo Centro Sub-Regional A de Iguatu, pelos Centros Sub-Regionais B de Aracati, Crateús, Baturité, Camocim, Itapajé, Itapipoca, Limoeiro do Norte, Pacajus, Quixadá, Russas e Tianguá e pelos 14 Centros de Zona divididos nos níveis A e B.

11Nesta rede de cidades, as sobreposições e desequilíbrios podem se manifestar de diversas formas, e uma delas é a do sistema de atenção e vigilância à saúde. Em 2020, devido à pandemia de Covid-19, o IBGE antecipou parte dos dados da pesquisa REGIC de 2018 e divulgou o estudo “Regiões de Influência das Cidades: Informações de Deslocamento para Serviços de Saúde”. Os resultados permitem analisar o comportamento da rede urbana cearense na área da saúde (Figura 2).

Figura 2: Redes de deslocamento para serviços de saúde no estado do Ceará

Figura 2: Redes de deslocamento para serviços de saúde no estado do Ceará

Elaboração própria a partir da pesquisa REGIC 2018 (IBGE, 2020)

12A pesquisa que investigou o deslocamento de pessoas partindo de seus municípios, com destino a outros, com o propósito de ter acesso a serviços de saúde evidencia a forte centralidade de Fortaleza e os expressivos fluxos em direção à metrópole. A presença de Sobral, ao norte, e do aglomerado Crajubar (Crato-Juazeiro do Norte-Barbalha), ao sul, em áreas opostas do território estadual, revelam a expressiva centralidade regional destes núcleos urbanos. Centros de menor hierarquia na rede como Brejo Santo, Iguatu, Icó, Russas, Limoeiro do Norte e Itapipoca exercem influência nos municípios do seu entorno imediato, especialmente para procedimentos de baixa e média complexidade.

13No Ceará, a média dos deslocamentos para serviços de saúde de baixa e média complexidade é de 64km, enquanto a distância percorrida para serviços de alta complexidade é de 126km, posto que neste último caso os equipamentos e serviços de alta densidade técnica são mais seletivos espacialmente e estão disponíveis apenas em Fortaleza e nas Capitais Regionais.

14A rede de cidades cearenses é a base sobre a qual se estrutura a política de regionalização dos serviços de saúde feita pelo executivo estadual, com a alocação dos equipamentos (fixos) e o controle dos usuários (fluxos). Em 2006, em conformidade com a Portaria nº 399 do Ministério da Saúde, que divulga o Pacto pela Saúde, a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará elaborou o Plano Diretor de Regionalização (PDR). Na sua última atualização, em 2014, o PDR dividiu o território cearense em 5 macrorregiões e 22 microrregiões de saúde (Figura 3), com a convergência dos fluxos de usuários e serviços para as principais cidades do estado.

Figura 3: Regiões de saúde do estado do Ceará

Figura 3: Regiões de saúde do estado do Ceará

Elaboração própria a partir do Plano Diretor de Regionalização da Saúde (CEARÁ, 2014)

15No arranjo espacial formado pelos serviços de saúde do estado do Ceará, a macrorregião de Fortaleza concentra mais da metade da população, com 4.560.149 de habitantes (52,2%), seguida pela macrorregião de Sobral com 1606.608 (18,1%), macrorregião do Cariri com 1.448.475 (16,6%), macrorregião do Sertão Central com 631.037 (7,1%) e a macrorregião do Litoral Leste/Jaguaribe com 532.303 (6,4%).

16A regionalização do Sistema Único de Saúde (SUS), constitui, assim, uma importante política de economia de escala, pois, no Brasil a maioria dos municípios não dispõem de recursos físicos e humanos suficientes para atender toda a demanda de saúde da população. Por essa razão, os municípios realizam consórcios regionais, de modo a compartilhar a infraestrutura médico-hospitalar e racionalizar custos.

17Na rede SUS, teoricamente, a porta de entrada de um paciente deve ser feita através dos serviços de atenção básica da Estratégia Saúde da Família (aqui excluem-se os procedimentos de urgência e emergência como os acidentes de trânsito), e com o trabalho de vigilância realizado pelos Agentes Comunitários de Saúde nos territórios locais. Ao ser diagnosticada a necessidade de um atendimento de média complexidade, como exames clínicos e pequenas cirurgias, o paciente é encaminhado para uma unidade hospitalar na própria cidade ou na sede da microrregião. Todavia, caso a demanda seja de alta complexidade, como uma ressonância magnética ou tratamento de câncer, o paciente é referenciado para a cidade polo da macrorregião.

18Este modelo regionalizado e hierarquizado, que em tese funcionaria de maneira simples, constitui, na verdade, um turbilhão de redes em movimento. Acrescenta-se a isso os atendimentos realizados no setor privado, onde o cliente paga diretamente pelo serviço e não há fluxos previamente controlados pelos gestores públicos de saúde. Deste modo, a rede dos serviços de saúde constitui uma rede geográfica, e como destaca Dias (1995, p. 23), “a rede, como qualquer outra invenção humana, é uma construção social [onde] indivíduos, grupos, instituições ou firmas desenvolvem estratégias de toda ordem [...]”.

19Com a pandemia de Covid-19, o SUS, que é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde como o maior sistema universal e gratuito do mundo, está diante do maior desafio da sua história. As metrópoles e capitais regionais, diante da alta demanda por atendimentos, passam a operar com o quase esgotamento da sua capacidade instalada. Tal condição compromete o princípio da regionalização e a capacidade resolutiva do sistema, pois as pequenas cidades começam a ter dificuldades para a transferência de pacientes com casos de Covid-19.

A interiorização da pandemia

20Até o dia 15 de junho de 2020, de acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil contava com 888.271 casos confirmados e 43.959 óbitos, se tornando o segundo país com o maior número de casos e de óbitos, atrás apenas dos Estados Unidos com 2.153.728 casos e 118.002 óbitos. O noticiário internacional classificava o Brasil como o novo epicentro da pandemia, pois a curva de contaminação seguia um movimento ascendente e acelerado. São Paulo (181.460 casos e 10.767 óbitos), Rio de Janeiro (80.946 casos e 7.728 óbitos) e Ceará (79.462 casos e 4.999 óbitos) lideravam as primeiras posições no país (Brasil, 2020).

21Na fase inicial do processo epidêmico, os casos confirmados no Ceará se concentravam em Fortaleza. A capital cearense é geradora de fluxos de toda ordem, sendo um importante polo turístico, comercial e de prestação de serviços. Como a difusão do vírus está relacionada à conectividade entre os lugares, o aeroporto internacional de Fortaleza e a densa rede de transporte rodoviário facilitaram a circulação do SARS-CoV-2. A densidade técnica na metrópole sertaneja do litoral (Silva, 2006), com a presença de importantes objetos geográficos que se articulam por meio de ações (Santos, 1996), teve um grande peso para situação da pandemia no Ceará.

22Os primeiros casos foram registrados em bairros de classe média e alta de Fortaleza, como Aldeota e Meireles, com os contaminados sendo recém-chegados de viagens internacionais e que transmitiram o vírus aos seus contatos próximos. Passados alguns meses, os territórios populares de Fortaleza, com bairros de alta densidade demográfica e com graves problemas socioeconômicos, se destacavam como sendo os mais afetados pela crise sanitária, econômica e social. Nos municípios da região metropolitana e do interior do estado o vírus se espraiou rapidamente, como mostra a Figura 4.

Figura 4: Evolução espaço-temporal dos casos de Covid-19 no estado Ceará – março a junho de 2020

Figura 4: Evolução espaço-temporal dos casos de Covid-19 no estado Ceará – março a junho de 2020

Elaboração própria a partir de dados da plataforma IntegraSUS (CEARÁ, 2020)

23Conforme os dados coletados na plataforma IntegraSUS, que considera a data do início dos sintomas da Covid-19 em seus registros oficiais, no dia 15 de março o vírus já circulava em 46 municípios cearenses. Estes dados revelam que, antes mesmo da promulgação do Decreto Estadual nº 33.519 de 19 de março de 2020, que estabeleceu o distanciamento social e o funcionamento apenas dos serviços considerados essenciais, a transmissão comunitária do SARS-CoV-2 já era uma realidade no território cearense.

24Observa-se que a maioria dos casos de Covid-19 no Ceará localizava-se na região metropolitana de Fortaleza e nos municípios da região Norte, com a tendência de uma difusão menos concentrada nas regiões do Cariri, Inhamuns, Sertão Central e Médio Jaguaribe. Em números absolutos, pelo boletim do dia 15 de junho de 2020, Fortaleza (30.426 casos e 2.854 óbitos), Sobral (3.862 casos e 162 óbitos), Caucaia (2.974 casos e 228 óbitos) e Maracanaú (2.658 casos e 181 óbitos) concentravam a maioria dos casos. Os dados revelam que, em meados de junho de 2020, o vírus já circulava em todos os municípios cearenses.

25Passado o período de um ano, tomando como base o coeficiente de incidência de casos e óbitos por 100.000 habitantes para o dia 15 de junho de 2021 nas microrregiões de saúde, verifica-se que, no entanto, os valores são mais acentuados no interior cearense, como mostra a Figura 5.

Figura 5: Incidência de casos e óbitos de Covid-19 nas microrregiões de saúde do estado Ceará – 15 de junho de 2021

Figura 5: Incidência de casos e óbitos de Covid-19 nas microrregiões de saúde do estado Ceará – 15 de junho de 2021

Elaboração própria a partir do Boletim Epidemiológico de 15 de junho de 2021 (CEARÁ, 2021)

26As regiões de saúde de Limoeiro do Norte (11 municípios), Russas (05 municípios), Cascavel (06 municípios), Sobral (24 municípios), Icó (07 municípios), Maracanaú (08 municípios) e Brejo Santo (09 municípios) apresentam taxas superiores de incidência de casos em relação à região de Fortaleza que, além da capital, é formada por Eusébio, Aquiraz e Itaitinga. No entanto, a região de saúde de Fortaleza concentra proporcionalmente o maior número de óbitos, ao lado das regiões de Maracanaú e Sobral. No período correspondente, de acordo o Boletim Epidemiológico publicado em 15 de junho de 2021, o Ceará já somava 888.009 casos confirmados e 23.133 óbitos, sendo o quinto estado com o maior número de casos e óbitos no país.

27A evolução espaço-temporal dos casos de Covid-19 mostra que a propagação do vírus ocorreu de forma geométrica em todo o estado. Ao contrário de outras doenças em momentos anteriores, desta vez os municípios do interior cearense encontraram grandes dificuldades para a transferência de pacientes até os centros de referência macrorregionais (ver Figura 3), muitos dos quais não dispõem de uma infraestrutura de alta complexidade e dependem da oferta de serviços na capital Fortaleza.

28A falta de tempo hábil para o deslocamento de pessoas com casos graves ou mesmo a ausência de infraestrutura diante da alta demanda nos centros macrorregionais do interior do estado foi responsável por uma enorme crise no sistema estadual de saúde. Tal realidade foi fortemente destacada na mídia, como é possível observar em uma matéria do Jornal O POVO durante o início da terceira onda da pandemia em março de 2021 (Figura 6).

Figura 6: Jornal O POVO destaca crise na Região Norte do Ceará

Figura 6: Jornal O POVO destaca crise na Região Norte do Ceará

Fonte: https://www.opovo.com.br/​coronavirus/​2021/​03/​12/​faltam-leitos-na-zona-norte-do-ceara-e-paciente-morre-na-porta-de-hospital.html

29O fenômeno que no início de 2020 parecia uma realidade distante, com a ocorrência de casos nas grandes metrópoles internacionais, afetou duramente o cotidiano das cidades do interior cearense. As cenas de ruas vazias, a ausência das pessoas nas calçadas (mesmo com o descumprimento de uma parcela da população às recomendações de distanciamento social), e o fechamento das Igrejas em importantes datas religiosas, deram uma nova feição a uma paisagem urbana que se mistura fortemente com o rural.

30Diante desse quadro, foram realizadas barreiras sanitárias nas entradas e saídas de muitas cidades do interior cearense (Figura 7), e algumas inclusive decretaram o chamado lockdown, o que implicou no fechamento total das vias urbanas e proibição da circulação de pessoas para serviços considerados não essenciais.

Figura 7: Barreira sanitária no município de Fortim, Ceará

Figura 7: Barreira sanitária no município de Fortim, Ceará

Fonte: https://www.opovo.com.br/​coronavirus/​2020/​04/​11/​mais-15-municipios-do-estado-estendem-barreiras-sanitarias--veja-lista.html

31Em trabalho anterior (Fernandes, Silva e Muniz, 2020), destacamos como o desequilíbrio da rede urbana cearense dificulta o planejamento das ações de combate à atual crise de saúde. Apesar dos esforços do governo estadual para expandir a rede hospitalar durante a pandemia, apenas Fortaleza, Maracanaú, Sobral, Quixeramobim, Juazeiro do Norte, Crato, Barbalha, Crateús, Iguatu, Icó e Brejo Santo contam com leitos de UTI, com a grande maioria destes leitos concentrados na capital.

32Diferentemente dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, onde ocorre uma descentralização dos fluxos de serviços de saúde, com destaque para centros de referência no interior como Ribeirão Preto (SP), Barretos (SP), Volta Redonda (RJ) e Campo dos Goytacazes (RJ), no Ceará há uma enorme concentração da infraestrutura médico-hospitalar na capital Fortaleza e um vazio assistencial no interior.

33Como a Covid-19 é uma doença cujos cuidados de pacientes graves depende de uma estrutura hospitalar complexa, algo que os pequenos municípios nunca tiveram, e diante da baixa capacidade de testagem da população, as medidas de contingência adotas pelos governos municipais e pelo executivo estadual, proibindo a aglomeração de pessoas, contribuíram para a redução do contágio e o não esgotamento total da capacidade do sistema de saúde.

34A pandemia tem mostrado que a necessidade de reforçar as redes locais de saúde é latente no país. Apesar de, no Brasil, a saúde ser um direito de todos os seus cidadãos desde 1988, quando a Constituição Federal criou o SUS e o país experimentou alguns anos de ensaio “neodesenvolvimentista”, ainda assim as desigualdades socioespaciais na oferta de serviços de saúde persistem. No Ceará, isso pode ser constatado, por exemplo, através da distribuição do número de médicos pelo território. Os dados referentes ao mês de abril de 2020 e retirados da plataforma do Departamento de Informática do SUS , permitem mapear as fragilidades do sistema de saúde cearense (Figura 8).

Figura 8: Número de médicos por mil habitantes nos municípios cearenses – 2020

Figura 8: Número de médicos por mil habitantes nos municípios cearenses – 2020

Elaboração própria a partir de dados do DATASUS/Ministério da Saúde (BRASIL, 2020)

35A distribuição desigual de médicos no território cearense está diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico dos municípios. De acordo com o Ministério da Saúde, como o Brasil possui um sistema universal e gratuito, o número recomendável para o funcionamento do SUS com integralidade e eficiência é de 2,5 médicos para cada mil habitantes. No Ceará, apenas Fortaleza (2,7 médicos por mil habitantes), Eusébio (3,0 médicos por mil habitantes) e Barbalha (6,5 médicos por mil habitantes) atingem a média recomendada. Destaque para Barbalha, no sul do estado, que possui a maior taxa de médicos por mil habitantes da região nordeste. Isto se deve ao fato de que este município, que possui 61.228 habitantes, segundo as estimativas do IBGE para 2020, conta com três hospitais de grande porte e um curso de medicina na Universidade Federal do Cariri, exercendo o papel de importante polo de saúde nos sertões centrais do nordeste brasileiro.

36Entretanto, observa-se que no Ceará existem grandes áreas com deficiências absolutas na atuação de médicos. A maioria dos municípios cearenses apresenta carência na oferta de serviços de saúde, inclusive aqueles considerados de baixa e média complexidade. Em um território densamente povoado este é um fator complicador, pois a distância entre a localização da demanda e da oferta impõe dificuldades para a utilização dos serviços.

37Para mitigar esses vazios assistenciais no interior, o executivo estadual construiu, nos últimos anos, três hospitais macrorregionais: o Hospital Regional do Cariri, em Juazeiro do Norte, o Hospital Regional Norte, em Sobral, e o Hospital Regional do Sertão Central (Figura 9), em Quixeramobim, que se tornaram os principais destinos de pacientes com Covid-19 no interior do estado. Um quarto hospital regional, o do Vale do Jaguaribe, está sendo construído na cidade de Limoeiro do Norte.

Figura 9: Hospital de campanha construído em estrutura anexa ao Hospital Regional do Sertão Central, Quixeramobim, Ceará

Figura 9: Hospital de campanha construído em estrutura anexa ao Hospital Regional do Sertão Central, Quixeramobim, Ceará

Fonte: Secretaria Estadual de Saúde (CEARÁ, 2020)

38A falta de uma infraestrutura adequada em saúde, especialmente para uma população que padece com as precárias condições de vida, contribui para o agravamento dos efeitos da pandemia. O planejamento das ações de combate à Covid-19 no Ceará deve considerar, também, a situação de vulnerabilidade socioeconômica da população nos pequenos municípios que, além de necessitarem do translado até as cidades polo, dependem, exclusivamente, da rede SUS para ter acesso aos serviços de saúde.

39Nesse sentido, um importante indicador para avaliar as condições econômicas e sociais da população é o percentual de pessoas beneficiárias do programa Bolsa Família nos municípios (Figura 10). A partir do levantamento de dados referentes ao mês de maio de 2020, é possível notar a grande dependência da população residente no interior cearense em relação ao programa de transferência de renda do Governo Federal.

Figura 10: Pessoas beneficiárias do programa Bolsa Família em relação ao total da população nos municípios cearenses (%) em 2020

Figura 10: Pessoas beneficiárias do programa Bolsa Família em relação ao total da população nos municípios cearenses (%) em 2020

Elaboração própria a partir de dados do Ministério da Cidadania (BRASIL, 2020)

40A Figura 10 revela que dos 184 municípios cearenses, 138 têm mais de 40% da população cadastrada no Bolsa Família. De posse dessas informações, constata-se que, neste momento de pandemia, a renda para a sobrevivência de uma significativa parcela da população, com destaque para aqueles que vivem nas pequenas cidades, é o auxílio emergencial do Governo Federal.

41As condições de vulnerabilidade socioeconômica da população residente no interior refletem a dinâmica da estrutura produtiva do estado do Ceará, com a concentração das atividades econômicas na capital Fortaleza e sua região metropolitana. Assim, a fonte de renda das famílias está ligada, sobretudo, ao pequeno comércio, com destaque para as feiras livres, a agricultura de subsistência e ao setor de serviços, especialmente, o funcionalismo público, o que provoca uma baixa quantidade de empregos formais. Dessa feita, a crise econômica que já estava em curso no país, mas que foi agravada pela pandemia, dá sinais de forte impacto nos municípios do interior.

42A Covid-19 trouxe o medo do contato entre as pessoas, tornando a retomada da vida comunitária, do comércio e do setor de serviços, mesmo com o cumprimento de todos os protocolos sanitários e evitando uma explosão de novos casos, em um grande desafio. A avaliação crítica dos dados aqui apresentados permite planejar ações mais adequadas e resolutivas, pois mesmo que nestes municípios a densidade urbana e a mobilidade não sejam tão intensas como na metrópole Fortaleza, os baixos indicadores socioeconômicos e as dificuldades para ter acesso aos serviços de saúde tornam a população mais vulnerável aos efeitos da Covid-19. Há, portanto, um grande espaço para a intervenção dos gestores públicos de saúde.

Considerações finais

43Tendo surgido na China em dezembro de 2019 como uma pneumonia de etiologia desconhecida, a Covid-19 rapidamente atingiu os territórios do mundo e se tornou a primeira pandemia em tempos da globalização. No Brasil, um país com dimensões continentais e economia heterogênea, o combate à doença impôs desafios logísticos. Neste trabalho, buscamos destacar a situação vivida pelos municípios do interior cearense. Os resultados mostram que, no Ceará, a rede urbana dos serviços de saúde é, ao mesmo tempo, não inclusiva, sobreposta e concentrada na capital Fortaleza e em poucos centros urbanos intermediários.

44A discussão sobre o acesso aos serviços de saúde no contexto de pandemia mostra-se como um tema urgente no país, pois as dificuldades encontradas no atendimento colocam em risco a sobrevivência dos indivíduos. Com o início da vacinação contra a Covid-19 em 2021, a distribuição e aplicação de doses nas pequenas cidades e as desigualdades de acesso ao sistema de vacinação impõem a necessidade de um conjunto de pesquisas cuja reflexão geográfica tem um importante papel. No Ceará, constatamos que a crise provocada pela Covid-19 exacerbou a necessidade de fortalecimento das redes locais de saúde e das formas de proteção social para a população economicamente mais vulnerável.

Haut de page

Bibliographie

Brasil. Ministério da Cidadania. Bolsa Família e Cadastro Único no seu município. 2020. Disponível em: https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/bolsafamilia/. Acessado em: 16 de jun. de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Recursos humanos a partir de agosto de 2007 – ocupações classificadas pela CBO 2002. 2020. Disponível em: https://datasus.saude.gov.br/cnes-recursos-humanos-a-partir-de-agosto-de-2007-ocupacoes-classificadas-pela-cbo-2002/. Acessado em: 16 de jun. de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Painel Coronavírus. 2020. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/. Acessado em: 15 de jun. de 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 – Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. Brasília, DF, 23 fev. de 2006. Seção 1, p. 43-51.

Ceará. Decreto nº 33.519, de 19 março de 2020. Intensifica as medidas para enfretamento da infecção humana pelo novo Coronavírus. Diário Oficial do Estado, Fortaleza, CE, caderno único, nº 056, 19 de mar. de 2020. Seção 3, p. 1-2.

Ceará. Secretaria Estadual de Saúde. Começa a funcionar hospital de campanha no Sertão Central. 2020. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/2020/06/02/comeca-a-funcionar-hospital-de-campanha-no-sertao-central. Acessado em: 14 de jun. de 2020.

Ceará. Secretaria Estadual de Saúde. Indicadores sobre o novo Coronavírus (Covid-19). 2020. Disponível em: https://integrasus.saude.ce.gov.br/. Acessado em: 15 de jun. de 2020.

Ceará. Secretaria Estadual de Saúde. Indicadores sobre o novo Coronavírus (Covid-19). 2021. Disponível em: https://integrasus.saude.ce.gov.br/. Acessado em: 10 de out. de 2021.

Ceará. Secretaria Estadual de Saúde. Revisão do Plano Diretor de Regionalização das Ações e Serviços de Saúde. Fortaleza: SESA, 2014.

Corrêa, R. L. Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

Dias, L. C. Redes: emergência e organização. In: Castro, I. E.; Gomes, P. C. C.; Corrêa, R. L. (Org). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995, p. 141-162.

Fernandes, J. S.; Silva, J. B.; Muniz, A. M. V. Ceará e pandemia de Covid-19: novos (velhos) desafios das redes dos serviços de saúde. Revista Ensaios de Geografia. Niterói, vol. 5, n° 9, p. 87-93, mai. de 2020.

Harvey, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. Rio de Janeiro: Edições Loyola, 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Estimativas da População. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-popula-=resultados. Acesso em: 16 de jun. de 2020.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa região de influência das cidades – informações de deslocamentos para serviços de saúde. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Regiões de influência de cidades - 2018. Rio de Janeiro. IBGE, 2020.

Pelo menos 25 municípios do Ceará têm barreiras sanitárias contra o coronavírus. O Povo, Fortaleza, 11 de abr. de 2020. Disponível em: https://www.opovo.com.br/coronavirus/2020/04/11/mais-15-municipios-do-estado-estendem-barreiras-sanitarias--veja-lista.html. Acessado em: 16 de jun. de 2020.

Ramires, A. R. Faltam de leitos de UTI na zona norte do Ceará e paciente morre na porta do hospital. O Povo, Fortaleza, 02 de mar. de 2021. Disponível em: https://www.opovo.com.br/coronavirus/2021/03/12/faltam-leitos-na-zona-norte-do-ceara-e-paciente-morre-na-porta-de-hospital.html. Acessado em: 10 de out. de 2021.

Santos, M. A natureza do espaço. São Paulo: Edusp, 1996.

Santos, M. O tempo nas cidades. Ciência e Cultura, São Paulo, vol. 54, nº 2, p. 21-22, dez. de 2002.

Silva, J. B. Fortaleza, a metrópole sertaneja do litoral. Silva, J. B.; Dantas, E. W. C.; Zanella, M. E.; Meireles, A. J. A. (Orgs.). Litoral e sertão: natureza e sociedade no nordeste brasileiro. Fortaleza: Expressão Gráfica, p. 45-55, 2006.

Haut de page

Notes

1 A noção de Cidade ou de centro urbano na pesquisa REGIC 2018 utilizada para análise dos dados é operacionalizada por meio de duas unidades territoriais: os Municípios e os Arranjos Populacionais. Os últimos são constituídos por agrupamentos de Municípios muito integrados por possuírem deslocamentos frequentes de populações para trabalho e estudo (IBGE, 2020, p. 4). Nesse sentido, o Arranjo Populacional de Fortaleza, além da capital cearense, é formado pelas cidades de Caucaia, Aquiraz, Eusébio, Maracanaú, Itaitinga, Maranguape e Pacajus.

2 Dos 184 municípios cearenses, 31 foram citados no Quadro 5 e 145 foram classificados como Centros Locais. A diferença de 8 cidades corresponde à 7 que fazem parte do Arranjo Populacional de Fortaleza e foram consideradas junto com a capital cearense como Metrópole (Aquiraz, Caucaia, Eusébio, Maracanaú, Itaitinga, Maranguape e Pacatuba) e da cidade de Forquilha, no norte do estado, que foi considerada como parte do Arranjo Populacional de Sobral e recebeu a classificação de Capital Regional C.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Região de Influência do Arranjo Populacional de Fortaleza, 20181
Crédits Fonte: IBGE (2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-1.png
Fichier image/png, 995k
Titre Figura 2: Redes de deslocamento para serviços de saúde no estado do Ceará
Crédits Elaboração própria a partir da pesquisa REGIC 2018 (IBGE, 2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 461k
Titre Figura 3: Regiões de saúde do estado do Ceará
Crédits Elaboração própria a partir do Plano Diretor de Regionalização da Saúde (CEARÁ, 2014)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 305k
Titre Figura 4: Evolução espaço-temporal dos casos de Covid-19 no estado Ceará – março a junho de 2020
Crédits Elaboração própria a partir de dados da plataforma IntegraSUS (CEARÁ, 2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 328k
Titre Figura 5: Incidência de casos e óbitos de Covid-19 nas microrregiões de saúde do estado Ceará – 15 de junho de 2021
Crédits Elaboração própria a partir do Boletim Epidemiológico de 15 de junho de 2021 (CEARÁ, 2021)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 155k
Titre Figura 6: Jornal O POVO destaca crise na Região Norte do Ceará
Crédits Fonte: https://www.opovo.com.br/​coronavirus/​2021/​03/​12/​faltam-leitos-na-zona-norte-do-ceara-e-paciente-morre-na-porta-de-hospital.html
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 82k
Titre Figura 7: Barreira sanitária no município de Fortim, Ceará
Crédits Fonte: https://www.opovo.com.br/​coronavirus/​2020/​04/​11/​mais-15-municipios-do-estado-estendem-barreiras-sanitarias--veja-lista.html
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 89k
Titre Figura 8: Número de médicos por mil habitantes nos municípios cearenses – 2020
Crédits Elaboração própria a partir de dados do DATASUS/Ministério da Saúde (BRASIL, 2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 187k
Titre Figura 9: Hospital de campanha construído em estrutura anexa ao Hospital Regional do Sertão Central, Quixeramobim, Ceará
Crédits Fonte: Secretaria Estadual de Saúde (CEARÁ, 2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-9.png
Fichier image/png, 636k
Titre Figura 10: Pessoas beneficiárias do programa Bolsa Família em relação ao total da população nos municípios cearenses (%) em 2020
Crédits Elaboração própria a partir de dados do Ministério da Cidadania (BRASIL, 2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40402/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 201k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Jefferson Santos Fernandes, José Borzacchiello da Silva et Alexsandra Maria Vieira Muniz, « Pandemia além da metrópole: análise da interiorização da Covid-19 no estado do Ceará »Confins [En ligne], 52 | 2021, mis en ligne le 18 novembre 2021, consulté le 21 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/40402 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.40402

Haut de page

Auteurs

Jefferson Santos Fernandes

Doutorando em Geografia (UNESP/Presidente Prudente), jefferson.geo.fernandes@gmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-8984-7632

José Borzacchiello da Silva

Professor dos Programas de Pós-Graduação em Geografia (UFC e PUC/Rio), borzajose@gmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-0001-5546-2737

Articles du même auteur

Alexsandra Maria Vieira Muniz

Professora Adjunta do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceará, geoalexsandraufc@gmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-0001-9607-9160

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search