Navigation – Plan du site

AccueilNuméros52ResenhasAmazônia: alternativas à devastação

Resenhas

Amazônia: alternativas à devastação

Amazonie : alternatives à la dévastation
Amazonia: alternatives to devastation
Confins
Référence(s) :

Amazônia: alternativas à devastação, organizadores: Ribeiro, Wagner Costa; Jacobi, Pedro Roberto, São Paulo : Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 2021, 146p, ISBN: 978-65-87773-14-8, DOI:10.11606/9786587773148

Texte intégral

1Este livro é dedicado à memória da professora Neli Aparecida de Mello-Théry, que dedicou parte de sua vida para entender a Amazônia e propor alternativas à sua devastação.

2O seu texto “O desmonte das políticas ambientais brasileiras” é a tradução em português do seu último artigo em francês, publicado em junho de 2021 no número 181 da revista Hérodote.

Apresentação por Wagner Costa Ribeiro e Pedro Roberto Jacobi

3Dois anos seguidos, 2019 e 2020, registraram os maiores índices de desmatamento na Amazônia brasileira, tendência que se mantém em 2021. Este período começou com a posse como Presidente da República, em janeiro de 2019, de um capitão reformado do Exército, que escolheu para ministro do Meio Ambiente um advogado, que se demitiu em junho de 2021, após fracassar no controle da perda da floresta. Este fato foi reconhecido até pelo Presidente, que delegou a uma junta comandada por seu vice, um general reformado do Exército, a tentativa de controlar o corte e a queima da vegetação original amazônida, também sem sucesso.

4Perder biodiversidade afeta diretamente a população que vive junto às áreas preservadas, mas também os serviços ecossistêmicos e ambientais que a Amazônia brasileira presta ao país e ao mundo, como indicam vários capítulos reunidos neste livro. Por isso esse tema é tão importante e merece uma reflexão crítica em busca de alternativas a essa situação.

  • 1 Ver, por exemplo, os seminários “Amazônia: povos e projetos”, realizados em 2019, disponível em <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos-2019/amazonia-povos-e-projetos>, e</http> (...)
  • 2 Os encontros estão disponíveis em: <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos-2020/amazonia-alternativas-a-devastacao> e <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos2020/copy_of_amazonia-alternativas-a-devastacao%20-%20segundo%20dia>.

5Cabe notar que a Amazônia é frequentemente debatida em diversos eventos e publicações do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA-USP)1. Em setembro de 2020, o Grupo de Pesquisa em Meio Ambiente e Sociedade, do IEA-USP, organizou o seminário com o mesmo título do livro com o objetivo de fomentar a discussão de formas de combater o desmatamento, mas também de demonstrar experiências em curso que permitem conciliar atividade econômica com a conservação da biodiversidade e das comunidades que vivem na Amazônia2. Dessa vez, procurou-se combinar pesquisadores amazônicos com pesquisadores que têm sua origem e instituição de pesquisa em outras partes do país. Parte dos capítulos a seguir resulta de contribuições de participantes do evento, às quais foram somadas outras reflexões.

6No primeiro capítulo, Josué da Costa Silva discorre sobre o que a Amazônia tem de mais singular: uma teia densa de relações sociais que resulta em um universo de crenças e modos de vida peculiares que mostram como viver sem afetar drasticamente os sistemas naturais que ocorrem na floresta.

7Por sua vez, no segundo capítulo, Roberto Araújo e Ima C. G. Vieira alertam sobre os riscos de uma inserção da Amazônia que reproduza teorias coloniais, ainda que revestidas de um discurso atualizado baseado em premissas ambientais.

8No terceiro capítulo, Ivani Ferreira de Faria e Diego Ken Osoegawa mostram que a violação de direitos de povos amazônicos predomina no processo de devastação, mas também indicam caminhos já trilhados por comunidades ao analisarem experiências bem-sucedidas que conseguiram valorizar o conhecimento local e a conservação ambiental em novos circuitos produtivos na Amazônia.

9Maria Madalena de Aguiar Cavalcante e Gean Magalhães da Costa mostram, no quarto capítulo, os efeitos em Rondônia da dinâmica predatória em curso.

10No quinto capítulo, Neli Aparecida de Mello- -Théry mostra como o desmonte institucional promovido pelo atual governo federal contribuiu para a devastação recorde da Amazônia; tema que também é abordado, no capítulo sexto, por Pedro Roberto Jacobi e Luiza Muccillo de Barcellos, que, além disso, apontam alternativas a esse cenário.

11Por seu turno, no sétimo capítulo, Wagner Costa Ribeiro associa o desmatamento ao acesso ilegal de terras, trata das consequências e recupera parte da literatura acadêmica dedicada a novas premissas para a Amazônia.

12Por fim, no capítulo oitavo, Lubia Vinhas, Claudio A. de Almeida, Fabiano Morelli e Luiz Eduardo P. Maurano mostram que, apesar da conjuntura adversa que desqualifica a ciência produzida no Brasil, o país conseguiu montar uma estrutura técnica e operacional capaz de monitorar o desmatamento na Amazônia.

13Existem várias alternativas à devastação amazônica em curso. O conjunto de textos aqui reunidos é uma amostra do que pode ser feito para alterar radicalmente a forma pela qual essa parcela fundamental do território brasileiro é tratada. Esperamos que esta contribuição ganhe eco junto à sociedade brasileira e aos tomadores de decisão.

Haut de page

Notes

1 Ver, por exemplo, os seminários “Amazônia: povos e projetos”, realizados em 2019, disponível em <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos-2019/amazonia-povos-e-projetos>, e o encontro “Desafios para uma Amazônia Sustentável na Contemporaneidade”, que ocorreu em 2016, disponível em <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos-2016/desafios-para-uma-amazonia-sustentavel-na-contemporaneidade-hidrovia-ferrovia-e-rodovia-logistica-intermodal-desenvolvimento-e-conservacao>. Entre as publicações, levantamento de março de 2021 na revista Estudos Avançados indicava 61 trabalhos publicados sobre Amazônia (disponível em: <http://www.iea.usp.br/revista/assuntos/amazonia>).

2 Os encontros estão disponíveis em: <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos-2020/amazonia-alternativas-a-devastacao> e <http://www.iea.usp.br/midiateca/video/videos2020/copy_of_amazonia-alternativas-a-devastacao%20-%20segundo%20dia>.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Amazônia: alternativas à devastação  »Confins [En ligne], 52 | 2021, mis en ligne le 17 novembre 2021, consulté le 24 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/40485 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.40485

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search