Navigation – Plan du site

AccueilNuméros52ResenhasPandemia e o atravessamento do fi...

Resenhas

Pandemia e o atravessamento do fim do mundo

La pandémie et la traversée de la fin du monde
Pandemic and the end-of-the-world crossing
Marcela Nunes de Menezes
Référence(s) :

Ailton Krenak. A Vida não é útil. Pesquisa e organização Rita Carelli. 1ª edição. São Paulo, Companhia das Letras, 2020. 128 p. ISBN: 978-85-359-33697. Preço: 39,00.

Texte intégral

1Ailton Krenak nasceu em 1953, em Minas Gerais. É um pensador e ativista indígena brasileiro, escritor de diversas obras que trazem reflexões sobre o mundo em que vivemos, de uma forma muito peculiar. Sempre traz para suas obras a sua vivência como Krenak, debatendo sobre temas discutidos por pensadores não indígenas, como Milton Santos, Gandhi e Eduardo Viveiros de Castro. Krenak ficou muito conhecido a partir do discurso proferido no Plenário do Congresso Nacional, na Assembleia Nacional Constituinte, em 1987, quando houve uma intensa efervescência política posterior à ditadura militar, na reabertura democrática do Brasil.

  • 1 Ver o vídeo com o discurso de Ailton Krenak na Assembleia Nacional Constituinte, disponível em: htt (...)

2Ele apresentou na constituinte uma proposta de Emenda Popular que teve 45 mil assinaturas. Ailton representou a União das Nações Indígenas e durante sua fala pintou o seu rosto de preto, com tintura de jenipapo, que muitos povos indígenas do Brasil utilizam como parte de sua cultura e de seus rituais – inclusive de guerra. A intenção dele foi a de denunciar as diversas intenções de explorar as terras indígenas com atividades como a mineração, sem reconhecer os seus direitos territoriais. Contrariando uma ideia corrente na época, que ainda pode ser percebida hoje em dia, Ailton defendeu que os índios não eram um empecilho para o desenvolvimento. Seu pronunciamento contribuiu para a conquista de dois artigos constitucionais (nº 231 e 232) que garantem os direitos dos povos indígenas, especialmente o de ocupar seus territórios, e instituem o dever do Estado de demarcar suas terras1.

  • 2 As Lives foram muito utilizadas em 2020, no contexto da pandemia gerada pela Covid-19. Com o isolam (...)

3A Vida não é útil é uma coletânea composta por cinco textos de palestras e lives2 realizadas e adaptados pelo autor entre novembro de 2017 e junho de 2020. O livro apresenta ideias e reflexões provocadas também pela pandemia do Covid-19, chamariz principal para a leitura deste livro. As ideias principais debatidas pelo autor permeiam o consumismo, a devastação ambiental e a ideia baseada numa visão excludente e totalizante de humanidade, que permite que alguns façam parte dela e outros não. Por esses trilhos, o autor nos leva a reflexões diretas sobre o que está em conexão com a pandemia, sem necessariamente focalizar o vírus em si e o seu impacto na saúde humana. Esses temas são tratados ao longo do livro a partir do seu ponto de vista, atualizando o pensamento e a vivência indígena sobre estas questões.

4No primeiro capítulo, “Não se come dinheiro”, o autor parte da noção reduzida e excludente de humanidade, debatida em livros anteriores, especialmente em Ideias para adiar o fim do mundo, de 2019. Ele sustenta que a humanidade é uma espécie de conceito limitador, pois exclui os outros seres que habitam o planeta, como animais, árvores, rios, montanhas. Vai além, mostrando que o “clube exclusivo da humanidade” (p. 10), como um clube seleto de um certo tipo de gente, que exclui outras formas de vida, humanas e não humanas. A humanidade seria uma espécie de casta, em que quem faz parte dela estará caminhando rumo ao progresso. Exclui povos indígenas, quilombolas e caiçaras, por exemplo. Esses povos seriam, portanto, uma espécie de sub-humanidade, deixados pra trás por esta casta chamada humanidade, nesta visão limitante.

5A partir daí Ailton se pergunta por que o vírus que causa a Covid-19 atinge somente as pessoas. Provoca, afirmando que “estamos sendo lembrados de que somos tão vulneráveis que, se cortarem nosso ar por alguns minutos, a gente morre” (p. 11). Embora não adepto da ideia do apocalipse, o autor usa a situação da pandemia para lembrar que somente depois de consumirmos o último peixe vivo e depois de a última árvore morrer, a humanidade saberá que não se pode comer dinheiro. Eventos como a pandemia podem dissolver essa ideia excludente de humanidade- que consome desenfreadamente o meio ambiente.

6Ailton Krenak apresenta outra ideia nesse capítulo: o vício em modernidade. Junto com o consumo e o entretenimento, a modernidade compõe um modo de viver que provoca desconexão com o que ele chama de organismo vivo, que é a Terra - o lugar onde todos moram e do qual todos dependem. Ele cita um exemplo dessa desconexão entre o que realmente está ocorrendo e o ritmo desenfreado de produção e consumo do mundo. O exemplo está ligado à presença da Companhia Vale do Rio Doce e às suas atividades de mineração em Minas Gerais e Espírito Santo: “Aqui na minha região, a Vale está parecendo a bolsa de valores: nervosa. Desde que o mundo parou, ela acelerou” (p. 23).

7Em novembro de 2015, a “Barragem do Fundão”, de propriedade da Samarco/Vale/BHP, rompeu em Mariana (MG), e espalhou 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração na bacia do rio Doce. Destruiu 860 hectares de Mata Atlântica, atingiu 43 municípios e quatro terras indígenas. Os rejeitos deste crime ambiental ainda sem reparação contaminaram 675 quilômetros do Rio Doce e seus 113 afluentes, matando 11 toneladas de peixes. São inúmeros os impactos sociais e ambientais decorrentes do rompimento da barragem.

8O Watu, como os Krenak chamam o rio Doce, é o seu avô e com este rio guardam diversas relações de vida. Além dos impactos na saúde, na alimentação, na moradia, Ailton fala que muitas pessoas deixaram de viver do rio para viver de indenização às custas da propaganda da Vale de que está recuperando a bacia do rio Doce. Uma parte da humanidade “parou” devido à pandemia, mas outra parte acelerou, seguiu seu ritmo como se não houvesse outra saída. Por isso, ele questiona quantas Terras a humanidade terá que “comer” até perceber que está no caminho errado.

9No capítulo dois, “Sonhos para adiar o fim do mundo”, Ailton explica que os sonhos têm um papel muito importante na vida dos pajés indígenas. Na ciência dos pajés, como ele se refere, ou em suas cosmovisões, os sonhos são como uma instituição que prepara as pessoas para lidar com o cotidiano. Ele narra a sua experiência como membro do povo Krenak. Uma das narrativas do seu povo diz respeito a uma certa desconfiança do destino humano, o que justifica a ligação dos humanos com o rio, as árvores e os animais. Quando o céu está pesado, eles costumam realizar um ritual que pode ser traduzido como “suspender o céu”, que significa ampliar os horizontes, ver além. Se encararmos as coisas dessa forma, podemos alargar o céu, ir além e assim sonhar novos sonhos, sem necessariamente nos paralisarmos frente a uma catástrofe e a uma crise, como a que vivemos atualmente devido à pandemia.

10No capítulo três, “A máquina de fazer coisas”, Ailton Krenak faz uma provocação aparentemente simples: por que não somos capazes de frear o desmatamento e fomos capazes de responder imediatamente a uma convocatória para fazer o isolamento e o distanciamento social em decorrência da pandemia? A resposta está atrelada ao consumo e à criação do desejo interminável em ter, comprar, possuir, o que justifica que a “máquina de fazer coisas” jamais precise ser desligada. Em outras palavras, essa resposta tão rápida mostra que o sistema capitalista tem um grande poder de cooptação. Existe uma espécie de fetiche, de vício no novo, nas palavras de Ailton Krenak. Tratando da pandemia, afirma que a humanidade é muito pior que o vírus, pois é uma espécie de praga que insiste em comer o mundo. Ailton retoma ideias de Gandhi (1869-1948), que dizia que a Terra poderia atender a todas as nossas demandas, contanto que não fosse para a acumulação ou riqueza. Ele resume essa ideia numa frase simples: “A verdade é que nós não precisamos de nada que esse sistema pode nos oferecer, mas ele nos tira tudo o que temos” (p. 67).

11Ainda neste tema, o autor dialoga com o geógrafo Milton Santos. As suas ideias sobre a globalização “colocavam em questão o paradigma do capitalismo”. Acrescenta que no pensamento ocidental, um outro mundo seria apenas o mesmo mundo capitalista consertado ou criticado. Krenak, ao afirmar que existem outras epistemologias, mostra que outros mundos estão sendo vividos e fortalecidos pelos integrantes da dita “sub-humanidade”. Os povos indígenas, nesse modo de pensar, não apenas criticam modelos de desenvolvimento, mas falam de outros mundos, difíceis de acessar dentro de um esquema que só enxerga o capitalismo como organizador da existência.

12Conversando com as ideias de Sueli Rolnik, do seu livro “As esferas da insurreição”, Ailton sustenta que nem mesmo das coisas o capitalismo necessita mais, pois pode funcionar apenas da transformação das mercadorias em meras fantasias financeiras. O capitalismo, para ele, não é um ente material, é um fenômeno imaterial, que afeta a vida e a mente das pessoas. Rolnik (2019) e Ailton Krenak se aproximam, quando a autora aborda o capitalismo como um sistema colonial antropocêntrico, que engloba uma visão de humanidade limitante e coloniza até os nossos desejos, portanto, essa dimensão imaterial da vida. Novamente remetendo à pandemia, o autor nos diz que não é preciso ter medo – afirma que a recriação do mundo é possível e que “ela não é a maior desgraça do planeta”. Atribui o medo ao terrorismo da modernidade e convoca: “Ou você ouve a voz de todos os outros seres que habitam o planeta junto com você, ou faz guerra contra a vida na Terra” (p. 73).

13É no quarto capítulo, “O amanhã não está à venda”, que ele esclarece qual o impacto da pandemia no seu cotidiano. “Parei de andar mundo afora” (p. 77), para ficar com a família na aldeia, no médio rio Doce, Minas Gerais. Como em muitos territórios indígenas, quem estava fora voltou para os seus territórios para se resguardar e se proteger. Ao se comportar assim, o autor se deu conta do quanto os indígenas estão confinados em seus territórios há muito tempo. Este “confinamento involuntário”, em sua avaliação, trouxe resiliência e resistência para os Krenak. Ainda em luto pelo crime ambiental cometido pela Samarco o autor não imaginava que o mundo traria outro luto como esta pandemia. Na opinião de Ailton, a dor gerada pode ajudar a responder se de fato somos uma humanidade. Em sua opinião, o vírus é uma resposta à forma de vida insustentável que a humanidade adotou por livre escolha, sem se perguntar qual o seu preço.

14Ailton Krenak aborda o antropocentrismo, que insiste em colocar o ser humano acima dos outros serese afirma que se seguirmos nesse ritmo, a humanidade estará condenada a viver em ambientes artificiais produzidos por grandes corporações. Ele menciona as notícias que circulam de que bilionários pensam em criar um ambiente seleto para viver em Marte. Entretanto, o autor deixa claro que não é um pregador do apocalipse. Ao contrário, afirma que o seu objetivo é compartilhar uma visão de que é possível um outro mundo: “Para combater esse vírus, temos de ter primeiro cuidado e depois coragem” (p. 85). Alerta que um mundo novo virá, um novo normal, sem que tudo volte a ser como era antes. Não aceitar o impacto da pandemia no ritmo do mundo é, para Ailton, como aderir ao negacionismo, acreditar que a Terra é plana e continuar devorando-a, como se a Covid-19 nada nos tivesse ensinado.

15Finalmente, no quinto capítulo, “A vida não é útil”, o autor se refere à importância de pisar suavemente na Terra, ou seja, faz uma alusão ao conceito de pegada ecológica, ao denunciar “o rastro de uma humanidade desorientada, pisando fundo” (p. 96). Remete à ecologia, ao dizer que ela nasce de um dilema básico entre sabermos que a natureza é finita e o desejo em consumi-la infinitamente. O autor propõe desacelerar o uso dos recursos naturais, o que na verdade é a ideia central do seu livro anterior, quando debate a ideia de adiar o fim do mundo. Vai além, mostrando que esta humanidade está, pouco a pouco, fazendo desaparecer os diversos mundos que não são os dela.

16Ailton faz alusão também ao conceito de natureza, afirmando que ela deveria ser exatamente “a interação do nosso corpo com o entorno, em que a gente soubesse de onde vem e para onde vai o que comemos” (p. 99). Novamente, avalia que a vida ocidental trata o mundo como uma mercadoria a ser consumida ao gosto do consumidor. Ele não quer adiar o fim deste mundo, mas sim provocar um pensamento que lance o leitor a pensar outros mundos, que nem são novos, mas que só podem ser percebidos com uma ampliação do olhar.

17O capítulo traz, ainda, críticas ao mito da sustentabilidade, especificamente a ideia de que é possível mudar o mundo individualmente, com atos mais responsáveis sobre o que se consome Não se trata de desestimular tais atos, mas de chamar a atenção para o fato de que “eu não vou me salvar sozinho de nada, estamos todos enrascados” (p. 104).

18Ao relembrar novamente que os Krenak não aceitaram ser retirados de seu território após o rompimento da barragem da Samarco, o autor afirma que eles estão dentro de um abismo. No entanto, para ele é preciso estar dentro do abismo para poder produzir uma resposta, ver além e sair. Por fim, diz que a vida não é útil, mas apenas tentamos dar uma utilidade a ela. Vida é fruição, é estar radicalmente vivo, e não apenas negociando a sobrevivência.

O que nos resta é viver as experiências, tanto a do desastre quanto a do silêncio (...) Nós, Krenak, decidimos que estamos dentro do desastre, ninguém precisa tirar a gente daqui, vamos atravessar o deserto, temos que atravessar. Ou toda vez que você vê um deserto você sai correndo? Quando aparecer um deserto, o atravesse (p. 116).

19Este livro interessa aos acadêmicos e acadêmicas das áreas socioambientais, aos estudiosos e interessados pelo pensamento indígena contemporâneo e ao público em geral, por sua linguagem direta e simples, mas repleta de conceitos ligados a diversos campos do conhecimento, como antropologia, ciências sociais, meio ambiente e filosofia. Por ser uma obra que reúne palestras proferidas em distintos momentos, trata-se de uma coletânea sobre suas ideias principais em torno de conceitos como humanidade, consumismo, narrativas indígenas e o fim do mundo. Portanto, não necessariamente o leitor irá encontrar uma interligação muito clara entre os capítulos.

20Quem ler este livro para buscar informações específicas sobre a pandemia não as encontrará. Como intelectual indígena, Ailton Krenak nos submerge em uma densa reflexão sobre o que estamos fazendo com o mundo, a partir do momento em que uma boa parte da humanidade teve que parar, para não ser contaminada com o vírus. Este é um bom momento para nos apropriarmos dessa reflexão sobre o que nos trouxe até este ponto da história. Por isso, é um livro bom para leitores conhecerem um expoente do pensamento indígena atual e um convite para pensarmos novos mundos, sem excluir outros mundos.

Haut de page

Bibliographie

STROPASOLAS , Pedro; CHAGAS, Ailton Krenak: “A mineração não tem dignidade, se pudesse continuaria escravizando”. Brasil de Fato, 06 nov. 2020. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2020/11/06/ailton-krenak-a-mineracao-nao-tem-dignidade-se-pudesse-continuaria-escravizando

BABIKER, Sarah. É preciso fazer um trabalho de descolonização do desejo. Entrevista com Suely Rolnik. Revista IHU-Online. 27 jul. 2019. Tradução: CEPAT (publicada originalmente por El Salto, 24 jul. 2019).

Haut de page

Notes

1 Ver o vídeo com o discurso de Ailton Krenak na Assembleia Nacional Constituinte, disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=TYICwl6HAKQ&t=134s

2 As Lives foram muito utilizadas em 2020, no contexto da pandemia gerada pela Covid-19. Com o isolamento social, muitas pessoas e instituições recorreram a este mecanismo para se comunicar, realizar debates e eventos em geral. Uma live é uma transmissão ao vivo, geralmente em áudio e vídeo, normalmente realizada por redes sociais como Instagram e Facebook.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcela Nunes de Menezes, « Pandemia e o atravessamento do fim do mundo »Confins [En ligne], 52 | 2021, mis en ligne le 17 novembre 2021, consulté le 21 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/40495 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.40495

Haut de page

Auteur

Marcela Nunes de Menezes

Doutorado em Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, marcelaxmenezes@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search