Navigation – Plan du site

AccueilNuméros52Dossiê Aspectos geográficos da pa...O impacto da covid-19 nas perifer...

Dossiê Aspectos geográficos da pandemia de Covid-19

O impacto da covid-19 nas periferias: uma análise espacial a partir dos casos e óbitos no Rio de Janeiro

The impact of covid-19 on the peripheries: a spatial analysis based on cases and deaths in Rio de Janeiro
L'impact du covid-19 sur les périphéries : une analyse spatiale basée sur les cas et les décès à Rio de Janeiro
Heitor Soares Farias, Gustavo Mota de Sousa, André Santos da Rocha et Leandro Dias de Oliveira

Résumés

Après presque un an, la pandémie de covid-19 ne s'est pas avérée aussi démocratique qu'annoncé: les périphéries urbaines, plus vulnérables socialement, se sont révélées être des zones de contamination privilégiées. Ainsi, l'objectif de cet article est d'analyser les impacts du covid-19 dans les périphéries de la région métropolitaine de Rio de Janeiro, en mettant en évidence la capitale et les municipalités qui composent la Baixada Fluminense. Présentant un débat conceptuel sur la vulnérabilité sociale et dialoguant avec le domaine de la santé publique, des cartes et des tableaux ont été produits, sur la base des données officielles sur les cas et les décès du Département de la santé de l'État de Rio de Janeiro, par municipalité et population estimée en 2020, de l'IBGE Cidades, pour calculer les taux de prévalence, de mortalité et de létalité, pour chercher une compréhension analytique de la diffusion du covid-19 dans les territoires périphériques de Rio de Janeiro. Malgré les obstacles de la sous-déclaration, les résultats ont permis d'identifier un comportement spatial similaire entre des groupes de municipalités, soulignant l'importance de la vulnérabilité sociale comme l'un des éléments les plus pertinents de la propagation du covid-19.

Haut de page

Texte intégral

1No dia 5 de março foi notificado o primeiro caso de covid-19 no estado do Rio de Janeiro: uma mulher moradora do interior do estado que retornou de viagem internacional para a Itália (Gandra, 2020). No início da pandemia, os mais vulneráveis eram os indivíduos pertencentes às classes sociais mais abastadas que, tendo em vista o alto custo das passagens aéreas e a desvalorização de nossa moeda no último ano, seriam aqueles em condições de entrar em contato com o coronavírus no exterior. Tratava-se, portanto, de um vírus com o signo da globalização e das redes internacionais de conexão e mobilidade (Castilho, 2020).

2Duas semanas depois, no dia 19 de março, ocorreu a primeira morte em consequência do coronavírus no estado do Rio de Janeiro. Uma mulher de 63 anos também residente no interior do estado, mas que trabalhava como empregada doméstica no Leblon, bairro localizado na Zona Sul do Rio de Janeiro. Sua patroa, que tinha viajado para a Itália, apesar de desconfiar que estava doente não a avisou (Índio do Brasil, 2020). Assim, diante desse quadro inicial já era possível prever que grupos sociais com piores condições socioeconômicas seriam mais vulneráveis à covid-19, de maneira que o seu avanço seria mais violento e letal para as periferias urbanas (Fortes, Oliveira, Sousa, 2020).

3Mesmo com limitações à circulação impostas pelo governo estadual, mais casos foram sendo confirmados, principalmente em bairros nobres da capital, onde o coronavírus ficou circulando entre pessoas das classes mais ricas. No entanto, trabalhadores das atividades essenciais, pertencentes às classes sociais menos favorecidas mantiveram-se ativos, ampliando a rede de contatos das classes mais abastadas. Afinal, ambos frequentam o mesmo território usado, conceito de Santos e Silveira, (2001) que nos permite a plena compreensão da interação entre classes que acontece no devir cotidiano e extrapola os limites dos “territórios de moradia”.

4No cotidiano de muitos trabalhadores residentes nas periferias está o movimento pendular diário, casa-trabalho-casa, fazendo com que as rodovias, sobretudo o transporte público, sejam vetores potenciais de transmissão da covid-19. Estas estabelecem o contato da periferia com os centros regionais e desses com a capital, com grande número de casos e grande capacidade de difusão da covid-19 aos municípios do entorno (Monteiro et alii. 2020).

5Esse contato fez com que o coronavírus chegasse nas periferias do Rio de Janeiro, onde a população não tem condições financeiras para tratamento adequado da saúde nem para se manter no isolamento social preconizado. Assim, a covid-19 se espalhou intensamente pelas periferias, inicialmente nas mais próximas e posteriormente atingindo as mais distantes, onde, evidentemente, alcançou maior letalidade em consequência dos problemas sociais, particularmente na área da saúde pública (Whitehead, 2000).

6A própria existência das comorbidades hipertensão, diabetes, asma, obesidade, que podem potencializar o efeito da covid-19, muitas vezes tem estreita relação com as condições sociais existentes nas áreas mais pobres e com a vulnerabilidade de seus habitantes. Nesse sentido é de se esperar que alguns grupos sociais sofram com maior intensidade tanto os impactos da covid-19 quanto os efeitos adversos das medidas adotadas para o enfrentamento da crise, principalmente aqueles que, historicamente, têm sido submetidos a processos de vulnerabilização (Pires, 2020).

7Assim, neste artigo objetiva-se analisar os impactos da covid-19 correlacionando com as vulnerabilidades sociais nas periferias da Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RMRJ), em especial na Baixada Fluminense em sua diferenciação interna (Periferia Imediata e Periferia Estendida).

Aspectos da vulnerabilidade socioespacial diante da covid-19

8Segundo Pereira Júnior (2018), baseado em um profundo resgate etimológico, a palavra vulnerabilidade deriva dos vocábulos em latim vulnus que significa ferida, e habilitas, que se refere à capacidade e à disposição em fazer algo. Em uma tradução literal, vulnerabilidade seria a capacidade em ser ferido, ou uma condição do ser humano necessitado de ajuda.

9Para Carmo e Guizardi (2018, p. 6) o ser humano vulnerável, “não necessariamente sofrerá danos, mas está a eles mais suscetível uma vez que possui desvantagens para a mobilidade social não alcançando patamares mais elevados de qualidade de vida em sociedade em função de sua cidadania fragilizada”. Em relação à saúde, a vulnerabilidade tem forte relação com os determinantes sociais que podem ser entendidos a partir de condições individuais ou coletivas dos seres humanos. 

10Segundo o modelo de Dahlgren e Whitehead (apud Buss e Pellegrini Filho, 2007) os determinantes individuais são idade, sexo e fatores hereditários, enquanto os determinantes coletivos, ou macrodeterminantes, são as condições socioeconômicas, culturais e ambientais gerais, como o desemprego, a educação, as condições de trabalho, as condições de habitação, o saneamento básico e os serviços de saúde. Todos influenciando no processo de saúde-doença.

11Para a covid-19, a idade tem se mostrado como característica individual capaz de influenciar na letalidade. Ainda que indivíduos de todas as idades estejam sujeitos à contaminação, os idosos são os mais afetados e com maior possibilidade de agravamento da covid-19 (Mercês, Lima, Vasconcellos Neto, 2020). Isso se deve ao fato de que idosos apresentam imunodepressão e algumas das comorbidades já descritas anteriormente (Badawi & Royoo, 2016; Ferreira, Meireles, Ferreira, 2018; Zheng, Ma, Zhang, Xia, 2020).

12Estudos recentes têm mostrado que os mais pobres são mais atingidos pela covid-19 (Bitoun et alii., 2020) já que encontram maior dificuldade para cumprir o isolamento social (Confins, 2020) e manter as práticas de higiene, decisivos para evitar a covid-19. Assim, apesar da idade ser um importante determinante social individual, os macrodeterminantes parecem ser mais decisivos para explicar a forte expansão da covid-19 para as periferias, conforme anteriormente relacionado: desemprego, condições de trabalho, educação, condições de habitação, saneamento básico e serviços de saúde, que serão explicados a seguir.

13Uma das estratégias para redução da vulnerabilidade social diante da covid-19 foi o isolamento social. Tal recomendação visou conter o avanço dos casos da doença, de modo a permitir que os serviços de saúde pudessem atender um maior número de pacientes sem promover sobrecarga, o que reduziria sua capacidade de atendimento, ocasionando o colapso do sistema. No entanto, numa sociedade com tamanha potência para as determinações econômicas, o isolamento social produziu efeitos adversos como o desemprego, cujo impacto tem distribuição desigual sobre os territórios, recaindo em intensidade desproporcional sobre os grupos sociais mais vulneráveis (Pires, 2020).

  • 1 Pagamento de R$ 600,00, aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo Governo Federal no âmbit (...)

14O isolamento social como medida para evitar aglomerações permitiu que muitos pudessem manter suas atividades laborativas de modo remoto, em suas residências, mantendo seus vínculos empregatícios formais. No entanto, para uma parte considerável da população que já se encontrava desempregada, como também para trabalhadores informais e autônomos, o isolamento social significou a perda da renda e o comprometimento da sobrevivência de suas famílias. Apesar do auxílio emergencial1 ser uma importante fonte de renda para muitas famílias neste momento, o valor é insuficiente e não esteve acessível para todos que necessitavam. Desta maneira, muitos tiveram que romper o isolamento e se expuseram em busca de sustento.

15Sobre as condições de trabalho, que têm uma forte relação com a educação/escolaridade - quanto menor escolaridade, geralmente são piores as condições de trabalho -, os trabalhadores que atuam em atividades essenciais à manutenção da alimentação, limpeza, saúde ou segurança, mantiveram-se em atividade mesmo quando a população estava em isolamento social. Assim como os desempregados, estes trabalhadores de atividades essenciais não puderam cumprir o isolamento social e se expuseram a um grande risco de contágio devido ao número de pessoas afetadas, a probabilidade de ocorrência e a frequência de exposição (Röhm et alii., 2020).

16Ao retornarem para suas casas, aqueles que mantiveram-se circulando por necessidade, expostos à contaminação em busca de alguma forma de sustento, encontram em suas casas dificuldades para manter o isolamento social dos demais membros da família, como também para manter a higiene necessária. De acordo com o relatório do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea, 2016), para uma moradia ser considerada adequada é necessário haver espaço suficiente que garanta privacidade, além de acessibilidade, segurança, estabilidade e durabilidade estrutural, iluminação e ventilação, infraestrutura básica, localização próxima ao trabalho e custo acessível. 

17Desta maneira, seja pela necessidade de reposição total de unidades habitacionais precárias e atendimento à demanda não solucionada pelo mercado (déficit habitacional), seja pela demanda de melhoria de unidades habitacionais que apresentem certo tipo de carência (inadequação habitacional), percebe-se que há nas residências das áreas periféricas a necessidade de espaço para distanciamento social nas unidades habitacionais, mas sobretudo saneamento básico com água e esgotamento sanitário encanados que permitam realizar as medidas de higiene para proteção individual contra a covid-19 (Grandi, 2020).

18Em uma realidade onde a existência de epidemias é inevitável, o saneamento básico, assim como as vacinas e os antibióticos, pode prevenir muitas doenças (Krause, 1993). A falta de saneamento básico é responsável pela transmissão de doenças infecciosas como: diarreias, que ainda hoje são a principal causa de morbidade e mortalidade no país; e parasitoses, que estão associadas ao baixo rendimento escolar entre crianças e inadequada produtividade no trabalho entre os adultos (Busato et alii., 2014). Assim, ambas pressionam os serviços de saúde do país, aumentando gastos com assistência médica que poderiam ser evitados com investimento em saneamento básico.

19Nesta geografia da diferença, reforça-se que o espaço, construído pelas relações sociais no processo de reprodução social, reflete a divisão em classes, as desigualdades e as injustiças da distribuição dos recursos e da riqueza (Santos, 1978). Desta forma, como a sociedade só se torna concreta através do espaço que ela produz (Corrêa, 1995), as vulnerabilidades sociais ficam materializadas no espaço, sendo, portanto, vulnerabilidades socioespaciais presentes nos espaços pobres das cidades. Cientes das diferenças espaciais no espaço urbano-metropolitano do Rio de Janeiro, o olhar que se pretende é o da periferia, áreas marcadas por graves problemas sociais e carência em suas diversas formas.

Uma caracterização dos territórios da periferia metropolitana fluminense

20Importantes estudos sobre a RMRJ e sua evolução urbana, entre os anos de 1950 e década de 1990 (Segada Soares, 1970; Abreu, 1987; Souza, 2003), revelam que esta é historicamente caracterizada como uma das mais concentradoras e desiguais do país. A cidade do Rio de Janeiro sempre foi catalisadora de investimentos públicos e privados, de maneira a constituir um verdadeiro entorno empobrecido e dependente. Na parte ocidental da Baía de Guanabara, a periferia metropolitana corresponde às treze cidades da Baixada Fluminense, a saber: Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Belford Roxo, Nilópolis, São João de Meriti, Mesquita, Magé, Guapimirim, Japeri, Queimados, Itaguaí, Seropédica e Paracambi. Trata-se de uma divisão complexa, uma vez que não há oficialidade regional na segmentação da Baixada Fluminense no contexto metropolitano do Rio de Janeiro.

21Com base nas interpretações de geógrafos como Terezinha de Segada Soares e Pedro Pinchas Geiger, entre os anos 1950 e 1970, Maurício de Abreu (1987) entende que, para a compreensão da RMRJ deveríamos subdividi-la em quatro partes: núcleo central, periferia direta, periferia intermediária e periferia distante, como base no distanciamento espacial-geométrico do núcleo central da cidade do Rio de Janeiro e pela progressiva diminuição da malha urbana. O que se pretende neste artigo é algo próximo, mas que se articula diretamente com a vulnerabilidade à covid-19: a Periferia Imediata corresponde ao conjunto de cidades mais densamente urbanizadas e povoadas, enquanto a Periferia Estendida corresponde àquelas cidades de urbanização mais dispersa e rarefeita.

22Segundo Rocha e Melchior (2020), esses municípios componentes da periferia estendida correspondem às áreas em que a metrópole poderia se expandir por intermédio de vetores de urbanização (vias de circulação e atividades metropolitanas). Todavia, não podemos desconsiderar a compreensão social da noção de periferia, que agrega um conteúdo sócio-simbólico, de uso por parte das populações menos favorecidas. Nestes termos, Corrêa (2005, p.161) argumenta que “a periferia é resultado da justaposição de inúmeros loteamentos que acabam formando um mosaico irregular, cujo conteúdo em termos de equipamento coletivo é extremamente precário”. Rigorosamente, é o conteúdo social do espaço que determina a condição de periferia urbana.

23Já Marcelo Lopes de Souza (2003) interpretou esse conjunto de municípios como “parte da periferia e da periferia distante”. Ele parte de uma classificação com base na expansão dos vetores de urbanização que promovem a expansão da malha urbana e as incorporações de atividades econômicas metropolitanas, mas não necessariamente promovem uma melhoria das condições de vida nesses territórios. Neste sentido, Rocha e Melchior (2020) destacam que os apontamentos de Souza (2003) inserem esses municípios como parte de uma franja rural-urbana, ou ainda, um espaço periurbano.

24Para caracterização da região metropolitana, parte significativa dos estudos se baseou nos vetores de urbanização e no próprio uso territorial e econômico dessas áreas. Há muitas divisões possíveis, entendimentos e visões diversas da realidade existente. Decerto, para além da capital, nota-se uma dissociação entre as cidades do Leste Fluminense (Grande Niterói) e as cidades que compõem a Baixada Fluminense; entretanto, esta também apresenta vicissitudes entre uma espécie de “Baixada Fluminense Histórica”, de origem no antigo município de Iguaçu, (Rocha, 2015) e as bordas metropolitanas formadas pelo Extremo Oeste Metropolitano - Seropédica, Itaguaí, Paracambi, Japeri e Queimados (Oliveira, 2015) -, e a transição Baixada-Leste Metropolitano - Magé e Guapimirim (Fortes, Oliveira, Sousa, 2020), caracterizadas no Mapa 1.

Mapa 1 –Região Metropolitana do Rio de Janeiro e suas sub-regiões.

Mapa 1 –Região Metropolitana do Rio de Janeiro e suas sub-regiões.

Fonte: Fortes, Oliveira, Sousa, 2020.

25Tais características histórico-geográficas que levaram ao adensamento populacional dos municípios da Baixada Fluminense Histórica por um lado foram capazes de torná-las mais suscetíveis ao aumento dos casos de covid-19, por outro, quando comparadas à periferia estendida (Extremo Oeste Metropolitano e a Transição Baixada-Leste Metropolitana) indicaram que, por apresentarem uma urbanização mais consolidada, são dotadas de melhor infraestrutura urbana, de saneamento e equipamentos públicos de saúde, com mais leitos hospitalares, vagas em UTI, médicos (Rocha, 2020). Desse modo, metodologicamente, podemos analisar a vulnerabilidade para a incidência da covid-19 na Baixada Fluminense, subdividindo-a em Periferia Imediata, composta pelas cidades da Baixada Histórica-Iguaçuana, e Periferia Estendida, formada pelas bordas metropolitanas, conforme descrito anteriormente.

26As áreas localizadas no Extremo Oeste Metropolitano compõem certamente signos de uma urbanização ainda rarefeita e uma paisagem com aspectos rurais. A paisagem traz consigo os estigmas da periferia fluminense, com aparentes problemas de infraestrutura urbana, saneamento básico, moradia e acesso a serviços de saúde. Embora sejam territórios que têm atraídos investimentos industriais e imobiliários (Rocha, 2015; Oliveira, 2015; Oliveira & Oliveira, 2020; Martins, 2020), isto não tem reverberado em melhorias significativas dos indicadores sociais, de emprego, de renda ou de escolaridade, o que tornam maior a vulnerabilidade de tais cidades frente ao enfrentamento da covid-19.

27Algo semelhante ocorre com os municípios de Magé e Guapimirim, pois, mesmo com a esperança de desenvolvimento pelo arrasto produtivo-econômico com a construção do antigo Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj) atual Polo Gaslub na vizinha Itaboraí, e construção de uma rota logística potente pelo advento do Arco Rodoviário Metropolitano, não se notou avanços nos duros índices sociais e condições de infraestrutura urbana das cidades.

Aquisição e Tratamento dos dados

28Para esta análise foram utilizados dados dos totais de casos e óbitos por covid-19, acumulados até o dia 23 de dezembro de 2020, por município, disponibilizados pela Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro através do site http://painel.saude.rj.gov.br/​monitoramento/​covid19.html#. Utilizou-se também projeções sobre população estimada para 2020, calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), disponível para os municípios em https://cidades.ibge.gov.br/​.

29Foram utilizados os municípios pertencentes à Baixada Fluminense, organizados pelos grupos Periferia Imediata - Belford Roxo, Duque de Caxias, Mesquita, Nilópolis, Nova Iguaçu e São João de Meriti -; e Periferia Estendida, Guapimirim, Itaguaí, Japeri, Magé, Paracambi, Queimados e Seropédica, além da capital Rio de Janeiro, conforme a Tabela 1.

Tabela 1 - População residente nos municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Capital, Periferia Imediata e Periferia Estendida, projeção de 2020.

Tabela 1 - População residente nos municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Capital, Periferia Imediata e Periferia Estendida, projeção de 2020.

Fonte: IBGE Cidades (2020)

30Diante da dificuldade de comparar os números de casos e óbitos entre municípios com populações tão distintas, foi preciso calcular taxas que permitissem estabelecer uma base única, como por exemplo 100 mil habitantes. São exemplos a Taxa de Prevalência e a Taxa de Mortalidade, além da Taxa de Letalidade que é um cálculo percentual.

31Para comparação do número de casos utilizou-se a Taxa de Prevalência, que é a medida do número total de casos existentes de uma doença em um período de tempo e uma população determinada, sem distinguir se são casos novos ou não. A prevalência é um indicador da magnitude da presença de uma doença na população (Barbosa et alii., 2010). O cálculo é: Taxa de Prevalência = (Total de casos / População) x 100.000, onde o resultado apresenta o número de casos a cada 100 mil habitantes.

32Já para comparação do número de óbitos utilizou-se a Taxa de Mortalidade, que é a medida do número total de óbitos em período de tempo e em uma população determinada. A Taxa de Mortalidade expressa a intensidade com a qual a mortalidade atua sobre uma determinada população. O cálculo é: Taxa de Mortalidade = (Total de óbitos / População) x 100.000, onde o resultado apresenta o número de mortes a cada 100 mil habitantes.

33Para os óbitos utilizou-se também a Taxa de Letalidade, que é a medida do número total de óbitos na população que foi acometida pela doença. A Taxa de Letalidade expressa a gravidade da situação, indicando o percentual de pessoas que morreram por essa doença (Barbosa et alii., 2010). O cálculo é: Taxa de Letalidade = (Total de casos / Total de óbitos) x 100, onde o resultado traduz o percentual de mortes entre os doentes.

34Os resultados foram expressos em tabelas e mapas, e por municípios e agrupados pelas Periferias Imediata e Estendida, e Capital, demonstrando o comportamento da covid-19.

A difusão da covid-19 no Rio de Janeiro: um olhar para os territórios periféricos

35Números recentes mostram que o Rio de Janeiro foi o município que apresentou mais óbitos decorrentes da covid-19 em todo país. No triste ranking dos vinte municípios com mais mortes por covid-19 estão outros dois da RMRJ: São Gonçalo e Nova Iguaçu (Grinberg e Leão, 2020). Os números realmente impressionam já que o Rio de Janeiro tem mais de 158 mil casos e 14 mil mortes, mas, no entanto, esses são números absolutos que ignoram a proporcionalidade das Taxas de Prevalência e de Mortalidade que ajudam a entender a gravidade da covid-19, calculadas na Tabela 2.

Tabela 2 - Casos confirmados, Óbitos, Taxa de Prevalência, Taxa de Mortalidade e Taxa de Letalidade por covid-19 em 23/12/2020, por municípios e grupo de municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Tabela 2 - Casos confirmados, Óbitos, Taxa de Prevalência, Taxa de Mortalidade e Taxa de Letalidade por covid-19 em 23/12/2020, por municípios e grupo de municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Fonte: Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (2020) e IBGE Cidades (2020)

36A Taxa de Prevalência em municípios como 1° Guapimirim (4.674), 2° Belford Roxo (2.483) e 3° Itaguaí (2.359) são superiores ao 4° Rio de Janeiro (2.349), seguido por 5° Paracambi (2.304), 6° Magé (2.131) e 7° Queimados (2.042). Assim, entre os sete primeiros municípios com maior prevalência para covid-19 cinco são da Periferia Estendida, evidenciando que esta doença é mais agressiva nos municípios mais pobres (Mapa 2).

37Esse fato ganha relevância quando correlacionados com a taxa de ocupação. Os municípios listados apresentam população empregada muito inferior à capital Rio de Janeiro, que possui 37,7% de taxa de ocupação. Segundo o IBGE, em 2018, esses municípios apresentavam as seguintes taxas de ocupação: Guapimirim (11,15%), Belford Roxo (7,1%), Itaguaí (21,6%), Paracambi (12,2%), 6° Magé (11,7%) e Queimados (11,5%). Isso traduz a necessidade de mobilidade em busca de acesso à renda, mesmo que de modo informal, o que afeta diretamente o isolamento social. No entanto, como nesses municípios a população é menos numerosa, e consequentemente têm menos casos, acabam escondendo a gravidade da doença, principalmente na Periferia Estendida.

Mapa 2 – Taxa de Prevalência em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Mapa 2 – Taxa de Prevalência em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Fonte: Organizado pelos autores.

38Em relação à Taxa de Mortalidade o 1° Rio de Janeiro (213) tem maior valor seguido por 2° Nilópolis (154), 3° Guapimirim (142), 4° Mesquita (122), 5° São João de Meriti (121), 6° Itaguaí (119) e Magé (116). Entre os sete primeiros municípios, três são da Periferia Imediata e quatro da Periferia Estendida. Esses dados causaram certa surpresa, pois como a Periferia Estendida é mais vulnerável, e por isso apresentou maior prevalência de casos de covid-19, esperava-se também encontrar mais óbitos, e consequentemente maior mortalidade nesses municípios.

39Ainda assim, o mapeamento da Taxa de Mortalidade mostra maior concentração na capital e nos municípios de menor extensão limítrofes a ela, além das bordas metropolitanas, nos extremos leste e oeste. Os municípios que compõem o núcleo da Baixada Iguaçuana apresentaram as menores mortalidades (Mapa 3).

Mapa 3 – Taxa de Mortalidade em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Mapa 3 – Taxa de Mortalidade em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Fonte: Organizado pelos autores.

40Um aspecto relevante que pode ser correlacionado aos indicadores de vulnerabilidade destes territórios é o acesso a água e do esgoto sanitário encanados e ligados à rede geral de abastecimento e coleta. Os municípios de Magé, Guapimirim, Itaguaí e Seropédica, contidos com alta taxada de mortalidade, também apresentam graves problemas no acesso a rede de esgoto adequado.

  • 2 Dados baseados do Censo IBGE de 2010.

41Os casos mais graves estão em Magé e Guapimirim onde, respectivamente, cerca de 38% e 31,5% da população não têm acesso ao serviço de coleta de esgotamento sanitário, e cerca 60% e 44% não têm acesso à água encanada2. O mesmo problema atinge Seropédica e Itaguaí que apresentam, respectivamente, cerca de 35,8% e 21,5% da população sem acesso ao serviço de coleta de esgotamento sanitário. É importante destacar que essa diferenciação na oferta destes serviços gera impactos graves na saúde pública desses territórios e revela as assimetrias metropolitanas, traduzindo a espacialidades das redes técnicas de distribuição da água e esgoto, bem como do reflexo desigual do uso do território.

42Já em relação à Taxa de Letalidade o maior valor foi encontrado em 1° Nilópolis (12,21%), 2° São João de Meriti (11,75%), 3° Mesquita (10,44%), 4° Rio de Janeiro (9,08%), 5° Nova Iguaçu (8,73%), 6° Seropédica (7,64%) e 7° Duque de Caxias (6,89%). Entre os sete primeiros municípios, cinco são da Periferia Imediata e apenas 1 da Periferia Estendida, invertendo completamente a lógica encontrada nas taxas anteriores, o que confirma a suspeita sobre o baixo número de óbitos registrados nos municípios de borda, principalmente (Mapa 4).

Mapa 4 – Taxa de Letalidade em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Mapa 4 – Taxa de Letalidade em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Fonte: Organizado pelos autores.

43A taxa de letalidade expressa, de certa forma, os elementos de formação territorial dessas periferias, onde o maior percentual encontra-se na capital e na periferia imediata e apresenta diminuição à medida que avança para municípios da borda metropolitana (periferia estendida). Essa questão expressa aspectos do território usado, no sentido que pode traduzir os fluxos mais intensos contidos entre municípios da Baixada Fluminense, com uma urbanização mais consolidada e limítrofes à cidade do Rio de Janeiro, com os locais de emprego, em sua maioria, contidos na capital. Assim, de certa forma a expressão da geografia da covid-19 é uma tradução da geografia da divisão territorial do trabalho, seus fluxos e usos na metrópole.

Considerações finais

44A política adotada até aqui pelo governo federal, tentando a todo custo minimizar a gravidade da covid-19, e realizando sucessivas trocas no comando do Ministério da Saúde, não permitiu que fossem realizadas ações que se mostraram eficazes em outros países, como a testagem em massa da população. Assim, desde o início da pandemia temos a certeza de subnotificações nos dados da covid-19 no Brasil, já que não são contabilizados os casos assintomáticos, nem mesmo aqueles com sintomas leves que optam por se automedicar estimulados, equivocadamente, pelo próprio presidente da república, por meio de medicamentos sem ação comprovada cientificamente, como o caso da cloroquina (C18H26ClN3)3.

45Nas últimas semanas duas notícias divulgadas na grande mídia corroboram a existência das subnotificações nos dados sobre a covid-19 no Brasil. No final de novembro foram encontrados 6,86 milhões de testes RT-PCR para detectar coronavírus, com validade para dezembro de 2020 e janeiro de 2021. Os exames foram comprados e estocados pelo Ministério da Saúde, mas acabaram “esquecidos”, pois segundo representantes do governo federal não teria havido demanda dos Estados e municípios (Vargas, 2020).

46Mais recentemente foi divulgada matéria sobre o levantamento feito pela Vital Strategies, organização global composta por pesquisadores que atuam junto aos governos, que estima que haja omissão de 32.923 mortes por covid-19 nos dados oficiais divulgados pelo governo federal, verificados até 14 de dezembro de 2020. Essa subnotificação ocorre em consequência dos casos que entraram nas estatísticas como SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) sem causa específica, mas os pacientes que foram a óbito possuíam três ou mais sintomas clínicos de covid-19. Assim, ainda que os testes dessem negativo, esses casos deveriam ter sido diagnosticados como suspeitos, de acordo com o protocolo oficial da Organização Mundial da Saúde (Lopes, 2020).

47Apesar dos entraves das subnotificações, o que por si só dificulta bastante o entendimento do avanço da doença no Brasil, os dados disponíveis permitiram identificar um comportamento espacial da pandemia na RMRJ. Neste artigo, verificamos um comportamento semelhante entre grupos de municípios, agregados metodologicamente em Periferia Imediata e Periferia Estendida quando analisadas as Taxas de Prevalência, Mortalidade e Letalidade.

48Isto é explicado pela maior capacidade de atendimento da rede pública e privada de saúde na capital e nos municípios da periferia imediata, de urbanização mais densa e consolidada, em contraste com o quadro de grande déficit social e de infraestrutura nos municípios da periferia estendida. Da mesma maneira, o ritmo de contaminação que atingiu primeiro a capital, em seguida as mais importantes centralidades da Baixada Fluminense, Nova Iguaçu e Duque de Caxias, e somente depois alcançou os municípios das bordas metropolitanas, evidencia a importância de se considerar a vulnerabilidade social como um elemento dos mais relevantes da difusão da covid-19.

Haut de page

Bibliographie

Abreu M., Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO, Zahar, 147 p., 1987.

Badawi, A., & Ryoo, S. G., « Prevalence of comorbidities in the Middle East respiratory syndrome coronavirus (MERS-CoV): a systematic review and meta-analysis », International Journal of Infectious Diseases, 49, 129-133, 2016.

Barbosa J. et alii., Módulos de princípios de epidemiologia para o controle de enfermidades. Módulo 1: apresentação e marco conceitual. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 48 p., 2010.

Bitoun, J., Duarte, C. C., Bezerra, A. C. V., Fernandes, A.C. A. et Santos, L. S., « Novo coronavírus, velhas desigualdades: distribuição dos casos, óbitos e letalidade por SRAG decorrentes da covid-19 na Cidade do Recife », Confins [En ligne], 48 | 2020, URL : http://journals.openedition.org/confins/34667 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.34667 (31/12/2020)

Busato, M. A.; Antoniolli, M. A.; Teo, C. R. P. A.; Ferraz, L.; Poli, G.; Tonini, P., « Relação de parasitoses intestinais com as condições de saneamento básico », Ciência, Cuidado e Saúde: Maringá, 13(2):357-363, 2014, URL: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/18371/pdf_177 (02/12/2020)

Confins, « Fatores associados a difusão da epidemia de Covid-19 », Confins [En ligne], 46 | 2020, mis en ligne le 05 juillet 2020, URL : http://journals.openedition.org/confins/31101 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.31101 (31/12/2020)

Corrêa, R. L., “Espaço, um conceito-chave da Geografia” In CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 15-47, 1995.

Ferreira, L. K., Meireles, J. F. F., Ferreira, M. E. C., « Avaliação do estilo e qualidade de vida em idosos: uma revisão de literatura », Rev. Bras. Geriatr. Gerontol, 21(5), 639-651, 2018.

Gandra, A. (2020) “Estado do Rio de Janeiro confirma primeiro caso de coronavírus”. Agência Brasil, Rio de Janeiro, 05.03.2020, URL: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-03/estado-do-rio-de-janeiro-confirma-primeiro-caso-de-coronavirus-0 (10/11/2020)

Geiger, P.P; Santos, R.L., « Notas sobre a evolução da ocupação urbana da Baixada Fluminense », Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, n3, ano 16, jul/set., 1955.

Grandi, M. S. « Colapso e determinismo escalar em tempos pandêmicos: reflexões preliminares sobre a casa, o “isolamento social” e o déficit habitacional », Rev. Tamoios, São Gonçalo (RJ), ano 16, n. 1, Especial COVID-19. pág. 63-87, 2020.

Gringber, F.; Leão, A. L., “Rio é a cidade do país com mais mortes por Covid-19 em 14 dias, seguido de São Paulo”. O Globo, Rio de Janeiro, 16.12.2020, URL: https://oglobo.globo.com/rio/rio-a-cidade-do-pais-com-mais-mortes-por-covid-19-em-14-dias-seguido-de-sao-paulo-24798815 (20/12/2020)

Índio do Brasil, C. “Estado do Rio de Janeiro confirma primeira morte por coronavírus”. Agência Brasil, Rio de Janeiro. 19.03.2020, URL: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-03/estado-do-rio-de-janeiro-confirma-primeira-morte-por-coronavirus (12/12/2020)

IPEA (Instituto De Pesquisa Econômica Aplicada), Relatório brasileiros para o Habitat III. Brasília: ConCidades, IPEA, 139 p., 2016, URL: http://uploads.habitat3.org/hb3/National-Report-LAC-Brazil-Portuguese.pdf (10/10/2020)

Lopes, R. “Brasil já pode ter superado 220 mil mortes por Covid-19, mostra levantamento”. Folha de São Paulo, Brasília, 25.12.2020, URL: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/12/brasil-ja-pode-ter-superado-220-mil-mortes-por-covid-19-mostra-levantamento.shtml (27/12/2020)

Martins, G. R., « Passado, presente e futuro na perspectiva dos planos urbanos: uma análise do papel da parte oeste no contexto da expansão urbana da metrópole do Rio de Janeiro », Espaço e Economia [Online], 19 | 2020, posto online no dia 01 setembro 2020, consultado o 29 dezembro 2020, URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/16452 (01/12/2020)

Mercês, S. O.; Lima, F. L. O.; Vasconcellos Neto, J. R. T., « Associação da COVID-19 com: idade e comorbidades médicas », Research, Society and Development, 9(10), e1299108285, 2020, URL: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8285 (10/12/2020)

Monteiro, R. R., Angelotti, R., Lautert, L. F. C., Angelin, P. E. et Portes, J., « “Rodovírus” ou “Caronavírus”? Mapas da Distribuição do Covid-19 na Região Sul do Brasil: Indícios da contaminação por rodovias », Confins [En ligne], 45 | 2020, mis en ligne le 08 juin 2020, consulté le 01 janvier 2021. URL : http://journals.openedition.org/confins/28246 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.28246 (01/01/2021)

Oliveira, F. J. G.; Oliveira, L. D., « Espaço metropolitano, regionalização da economia e reestruturação produtiva no estado do Rio de Janeiro – Brasil », Cuyonomics: Investigaciones en Economía Regional, v. 3, p. 39-65, 2020, URL: http://revistas.uncu.edu.ar/ojs/index.php/cuyonomics/article/view/3601 (12/12/2020)

Oliveira, L. D. de, « A emersão da região logístico-industrial do Extremo Oeste Metropolitano fluminense: reflexões sobre o processo contemporâneo de reestruturação territorial-produtiva », Espaço e Economia [Online], 7 | 2015, posto online no dia 12 abril 2016, URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/1814 (05/12/2020)

Pires, R. R. C., Os efeitos sobre grupos sociais e territórios vulnerabilizados das medidas de enfrentamento à crise sanitária da covid-19: Propostas para o aperfeiçoamento da ação pública. Brasília, IPEA, 2020, URL: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9839 (22/11/2020)

Rocha, A. S., « Os efeitos da reestruturação econômica metropolitana na Baixada Fluminense: Apontamentos sobre o “novo” mercado imobiliário da região », Espaço e Economia [Online], 6 | 2015, posto online no dia 09 agosto 2015, URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/1677 (05/12/2020)

Rocha, A. S., « Globalização, gestão e acesso aos sistemas público e privado de saúde: a Baixada Fluminense no contexto da pandemia », Espaço e Economia [Online], 18 | 2020, posto online no dia 20 abril 2020, URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/12672 (05/12/2020)

Rocha, A. S.; Melchior, L., « A mobilidade dos trabalhadores dos municípios do Extremo Oeste Metropolitano, interações metropolitanas e as redefinições regionais », Espaço e Economia [Online], 19 | 2020, posto online no dia 01 setembro 2020, URL: http://journals.openedition.org/espacoeconomia/16253 (05/12/2020)

Röhm, D. G.; Luciano, E. L.; Rosa, J. L.; Tirelli, M. A.; Okano, M. T. & Ribeiro, R. B., « Quantificação do risco de contaminação da covid-19 diante de atividades essenciais e proposta para o nexo causal como doença ocupacional no Brasil », Brazilian Journal of Production Engineering, 6(6) 47-59, 2020, URL: https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/31005/21100 (12/12/2020)

Santos, M., “Os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos” In Santos, M. (org), O Espaço Dividido. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, pp. 21-64, 1978.

Segada Soares, M. T., Nova Iguaçu: absorção de uma célula urbana pelo Grande Rio de Janeiro », Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro: IBGE, vol2, nº24, p.155-256, 1962.

Souza M. L., ABC do Desenvolvimento Urbano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 222 p., 2003.

Vargas, M., « Prazo de validade pode levar governo federal a jogar fora 6,8 milhões de testes», Estado de São Paulo, Brasília, 22.11.2020, URL: https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,prazo-de-validade-pode-levar-governo-federal-a-jogar-fora-6-8-milhoes-de-testes,70003523522 (27/12/2020)

Whitehead M., The concepts and principles of equity and health. EUR/ICP/RPD 414, 7734r, Geneva: WHO, 2000.

Zheng, Y. Y., Ma, Y. T., Zhang. J. Y., & Xia, X., « COVID-19 and the cardiovascular system », Nature Reviews Cardiology, 17(5), 259-260, 2020.

Haut de page

Notes

1 Pagamento de R$ 600,00, aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo Governo Federal no âmbito da pandemia da covid-19, destinando aos cidadãos brasileiros em condições de vulnerabilidade social e que atendessem determinados critérios: ser microempreendedor individual (MEI), autônomo, trabalhador informal, com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.135). Consultar: https://www.gov.br/cidadania/pt-br/servicos/auxilio-emergencial. Acesso em: 29 de dezembro de 2020.

2 Dados baseados do Censo IBGE de 2010.

3 Consultar, por exemplo: https://portal.fiocruz.br/video/cloroquina-e-hidroxicloroquina-no-tratamento-da-covid-19. Acesso em: 29 de dezembro de 2020.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 –Região Metropolitana do Rio de Janeiro e suas sub-regiões.
Crédits Fonte: Fortes, Oliveira, Sousa, 2020.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40727/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 374k
Titre Tabela 1 - População residente nos municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Capital, Periferia Imediata e Periferia Estendida, projeção de 2020.
Crédits Fonte: IBGE Cidades (2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40727/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Tabela 2 - Casos confirmados, Óbitos, Taxa de Prevalência, Taxa de Mortalidade e Taxa de Letalidade por covid-19 em 23/12/2020, por municípios e grupo de municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Crédits Fonte: Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (2020) e IBGE Cidades (2020)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40727/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 89k
Titre Mapa 2 – Taxa de Prevalência em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro.
Crédits Fonte: Organizado pelos autores.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40727/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 315k
Titre Mapa 3 – Taxa de Mortalidade em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Crédits Fonte: Organizado pelos autores.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40727/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 303k
Titre Mapa 4 – Taxa de Letalidade em 23/12/2020 na Região Metropolitana do Rio de Janeiro
Crédits Fonte: Organizado pelos autores.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/40727/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 312k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Heitor Soares Farias, Gustavo Mota de Sousa, André Santos da Rocha et Leandro Dias de Oliveira, « O impacto da covid-19 nas periferias: uma análise espacial a partir dos casos e óbitos no Rio de Janeiro »Confins [En ligne], 52 | 2021, mis en ligne le 18 novembre 2021, consulté le 19 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/40727 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.40727

Haut de page

Auteurs

Heitor Soares Farias

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, heisofa@gmail.com

Gustavo Mota de Sousa

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, gustavoms@ufrrj.br

Articles du même auteur

André Santos da Rocha

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, asrgeo@gmail.com

Articles du même auteur

Leandro Dias de Oliveira

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, ldiasufrrj@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search