Navigation – Plan du site

AccueilNuméros52ResenhasAtlas das situações alimentares n...

Resenhas

Atlas das situações alimentares no Brasil

Atlas des situations alimentaires au Brésil
Atlas of food situations in Brazil
Ana Letícia Espolador Leitão
Référence(s) :

Atlas das situações alimentares no Brasil: a disponibilidade domiciliar de alimentos e a fome no Brasil contemporâneo, José Raimundo Sousa Ribeiro Junior, Mateus de Almeida Prado Sampaio, Daniel Henrique Bandoni, Luiza Lima Silva De Carli, Bragança Paulista: Universidade de São Francisco, 2021, ISBN 978-65-88963-04-3, Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1ri3NJ3dN7o8GGwjeYUsbhZIrrr3iT_CP/view>. Acesso em: 19 nov. 2021.

Texte intégral

1Publicado em novembro de 2021 por José Raimundo Sousa Ribeiro Junior, Mateus de Almeida Prado Sampaio, Daniel Henrique Bandoni e Luiza Lima Silva De Carli, pela Universidade de São Francisco, o Atlas das situações alimentares no Brasil: a disponibilidade domiciliar de alimentos e a fome vem em momento oportuno para vermos a alimentação e a fome nos domícilos brasileiros. Oportuno porque a fome voltou a aumentar no Brasil, além dos problemas com a má alimentação, que existem com as alterações nos regimes alimentares.

2O Atlas é dividido em duas partes: a primeira, “A disponibilidade domiciliar de alimentos”, e a segunda, “A fome e o risco de fome”. Os autores construíram seu Atlas a partir da sistematização e da representação gráfica e textual de informações sobre as fomes com dados produzidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com o apoio de uma equipe interdisciplinar.

  • 1 A autora da resenha se permite fazer algumas conceituações na resenha do Atlas a partir de seus est (...)

3Partindo da dialética da alimentação e fome, eles vêm na alimentação um dos elementos centrais da reprodução social e biológica, por ser um meio privilegiado que explicita as condições de vida presentes numa sociedade e permite problematizar as relações sociais e suas reproduções. Assim, o Atlas identifica situações alimentares no Brasil contemporâneo, fornecendo sua representação gráfica, cartográfica e textual. Ele oferece aos seus leitores questões e informações para outras pesquisas, para a sociedade civil, para o poder público e a quem mais, seja pessoa física ou jurídica, queira entender e intervir sobre os problemas referentes à alimentação, à fome oculta e à fome absoluta1.

4Os dados usados provêm do IBGE, da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF, edições 2002-2003, 2008-2009 e 2017-2018) e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD, edições 2004, 2009 e 2013), analisados, interpretados, agrupados e representados em mapas, gráficos e quadros.

5O Atlas revela que o Brasil das duas primeiras décadas do século XXI é um país que apresenta grande diversidade e desigualdade de situações alimentares, e que a fome persiste como uma questão central. Ele demonstra de que forma as situações alimentares se relacionam às classes de rendimento, à situação rural ou urbana dos domicílios e à sua localização em determinada unidade da federação ou grande região do país. E a partir de dados sobre as características das pessoas de referência dos domicílios, ele evidencia de que modo as desigualdades étnicas e de gênero permeiam as situações alimentares. Verificar os dados referentes à quantidade e à variedade dos alimentos consumidos pode permitir caracterizar as situações alimentares. Contudo, para compreendê-las, os autores consideram as relações sociais e as relações com a natureza, com o meio ambiente, que determinam a forma pela qual os alimentos são produzidos, adquiridos, preparados e consumidos.

6O Atlas permite uma aproximação da complexidade das situações alimentares, porque a sociedade brasileira é monetarizada e convive com intensa divisão social do trabalho. Assim sendo, para melhor entender o uso dos rendimentos obtidos por cada família no consumo de alimentos, os autores optaram por dividir a sociedade em classes de rendimentos para identificar as condições desiguais de reprodução social às quais as famílias estão submetidas, que, no entanto, possibilita parte da compreensão das relações econômicas que produzem a fome e a miséria. Os dados do IBGE permitem macrorrepresentações da disponibilidade domiciliar de alimentos e da fome, e o risco da fome, somente em escalas nacional, regional e estadual, que não dão conta de exprimir as agudas diferenças e desigualdades existentes dentro de um mesmo estado ou município.

7O Atlas contribui para problematizar uma “alimentação dos brasileiros”, a partir da identificação de duas situações alimentares extremas no Brasil: dos domicílios marcados pela fome ou pelo risco de fome, onde há pouca variedade de alimentos (habitualmente não perecíveis, com pouca aquisição de produtos in natura, embora estes costumem estar presentes em maior quantidade do que a dos alimentos ultraprocessados), e a situação dos domicílios onde há fartura e variedade, com expressiva disponibilidade de frutas, hortaliças e laticínios, e também de refrigerantes e alimentos preparados e industriais. No primeiro grupo de domicílios, a alimentação fora de casa é reduzida e os rendimentos financeiros são classificados como inferiores; no segundo, o dispêndio com a alimentação fora de casa é maior, geralmente com alta participação de alimentos ultraprocessados no total de calorias ingeridas.

8O Atlas permite constatar que de 2002 a 2018 houve redução do percentual da renda direcionada para o consumo de alimentos, acompanhada de aumento da participação do consumo de alimentos fora de casa e ultraprocessados. Em relação aos dados sobre a fome e o risco de fome, o Atlas revela uma inversão: entre 2004 e 2013, a fome e o risco de fome apresentaram tendência de queda e, inversamente, uma expressiva tendência de crescimento entre 2013 e 2017-2018. Enquanto o Brasil foi governado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), nos dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) e no primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014), o país experimentou bem-sucedidas e inovadoras políticas públicas de combate à fome, ainda que as ações estivessem aquém do ideal para acabar com a fome e o risco de fome no Brasil. Entretanto, após o golpe parlamentar de 2016 ocorreu uma regressão das conquistas sociais, via retração dos direitos trabalhistas e previdenciários e das políticas fiscais restritivas com a Emenda Constitucional nº 95, de 2016, e outras políticas que afetaram os níveis de renda e bem-estar da população em geral.

9Também se verifica entre os dados de 2013 e de 2017-2018 o aumento do desemprego, do subemprego e da informalidade, assim como o da pobreza, que são fatores diretamente associados ao crescimento da fome e do risco de fome.

10Algumas considerações importantes são ressaltadas pelo Atlas em relação à distribuição populacional no território nacional, porque essas informações interferem diretamente na representação dos dados sobre a disponibilidade de alimentos e sobre a fome e o risco de fome, visto que:

  1. A distribuição da população no Brasil é bastante desigual tanto na densidade demográfica, quanto entre áreas rurais e urbanas.

  2. A distribuição da população que se autodeclara preta, parda e indígena pelo território também é desigual.

  3. A proporção de domicílios em cada faixa de rendimento também é muito desigual no território nacional.

11Podemos observar que quando os domicílios são compostos por população com rendimentos inferiores, há maior consumo de produtos in natura em relação aos produtos ultraprocessados, embora os alimentos que sejam mais consumidos sejam os não perecíveis (presentes na cesta-básica) e que a fome ou o risco de fome também sejam mais iminentes, ou presentes, nesses domicílios.

12Nos domicílios compostos pela população com rendimentos superiores, a alimentação é mais variada, há maior presença de alimentos in natura (frutas e hortaliças) e laticínios e também grande consumo de produtos ultraprocessados, indutrializados, refrigeranntes, entre outros.

  • 2 O Indicador de Prevalência de Desnutrição onsidera a oferta e a demanda de energia alimentar existe (...)

13Sobre as considerações teórico-metodológicas para a mensuração da fome, o Atlas examina a fome a partir de diferentes perspetivas das ciências naturais e humanas, resultando na coexistência de diferentes formas de definir e mensurar esse objeto. Considera, pois, as contribuições de Josué de Castro, e as duas formas de mensuração internacionais: 1). o Indicador de Prevalência de Desnutrição2, criada na década de 1970 por Pandurang Sukhtame, enquanto foi diretor da Divisão de Estatísticas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), e 2). as pesquisas de referência para o desenvolvimento da Escala de Segurança Alimentar Domiciliar, como consequências de outras pesquisas que contemplassem mais incisivamente a fome, com destaque as pesquisas conduzidas por Kathy Radimer e de Cheryl Wehler, que integrava o Projeto Comunitário de Identificação da Fome Infantil.

14Assim a fome deixou de ser definida apenas pela ingestão de calorias, sendo identificadas três limitações do Indicador de Prevalência de Desnutrição por Lappé et al. (2013, apud. RIBEIRO JUNIOR et. al, 2021), que: I. considera apenas a ingestão de calorias negligenciando a qualidade da alimentação, por exemplo; II. adota como referência um estilo de vida sedentário para definir as necessidades calóricas da população, ignorando os gastos calóricos, variáveis entre indivíduos devido à suas profissões e/ou atividades cotidianas; e III. utiliza um tempo de referência muito longo (12 meses), que pode ocultar impactos de episódios breves e intermitentes de fome.

15A fome então passou a incluir experiências das pessoas que sofreram situações de privação alimentar, o que revela etapas com intensidades distintas de fome quando sua mensuração se reduziu à escala domiciliar. Ressalta-se que o tema da fome é complexo, pois há questões subjetivas – como o componente psicológico (devido à preocupação e/ou à ansiedade sobre as reservas alimentares serem suficientes), o componente qualitativo (referente à qualidade nutricional da alimentação), o componente quantitativo e o componente social – a serem consideradas no entendimento e na mensuração da fome a partir de questionários em escalas domiciliares. Assim, essas pesquisas explicitaram a diferença entre a forma como é clinicamente definida e a maneira como ela é socialmente reconhecida, e a característica subjetiva e direta da fome por quem sofre com ela, e não mais por quem a estuda a partir de dados indiretos e/ou secundários.

16Desde 1995, nos Estados Unidos, adota-se a classificação de quatro situações: a. segurança alimentar; b. insegurança alimentar, sem fome; c. insegurança alimentar com fome (moderada); e d. insegurança alimentar com fome (grave). Entretanto houve a proposta de substituição do conceito da “fome” pelo da “insegurança alimentar”. Então, internacionalmente esse conceito da fome ainda está em debate para ser efetivamente mensurada, contemplando todas as diferenças e as subjetividades.

17O Atlas então apropria-se de dados fornecidos pelas escalas de segurança e insegurança alimentar, empregando, porém, termos considerados mais aptos a explicitar a existência da fome, em modificação a outros utilizados por essas escalas. Houve substituição do termo “segurança alimentar” pelo “sem fome e risco de fome”; de “insegurança alimentar leve”, por “risco de fome”; e de “insegurança alimentar moderada e grave”, por “fome”, a partir dos dados obtidos pelos questionários para explicitar a extensão e a intensidade da fome no mundo contemporâneo. Infelizmente, os dados do IBGE, de forma amostral, permitiram aos autores avaliar a fome e o risco de fome somente até a escala estadual. Ou seja, a fome ainda está longe de ser realmente mensurada adequadamente, mesmo que tenha havido esforço de explicitá-la no Atlas, devido à tendência de mascará-la internacionalmente por “insegurança alimentar” e porque as pesquisas não conseguem contemplar todas as informações necessárias, em escalas menores, para se medir a fome de forma mais condizente com a realidade e por terem metodologias internacionais diferentes. No Brasil adotam-se as informações da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), que foi aplicada nos anos de 2004, 2009 e 2013 na PNAD, e em 2017-2018 na POF.

18Mesmo que o Atlas traga suas contribuições para vermos as situações alimentares no Brasil, ele reconhece suas limitações: de escala (as escalas analisadas pelo IBGE são a nacional, a regional e a estadual); da distribuição desigual da população (seja por características étnicas, seja socioeconômica, seja de densidade populacional, seja entre rural e urbana); dos dados em si, que não permitem uma análise mais apurada da qualidade nutricional, embora forneça informações do estado nutricional e dos hábitos alimentares do Brasil; e da própria conceituação da fome a partir de como ela é sentida por quem a sofre, e de como ela é considerada internacional e nacionalmente.

19Contudo ressaltamos a importância do estudo para permitir aos seus leitores um panorama geral da alimentação e da fome no Brasil, sobretudo para quem busca melhorar a qualidade de vida do povo brasileiro via políticas públicas, via pesquisas, via outras organizações e ações. E reconhecemos a importância da disposição dos dados, de forma mais didática e compreensível, por envolverem múltiplas variáveis, o que, em tabelas, poderia dificultar a percepção das situações alimentares no Brasil do século XXI.

  • 3 No Atlas, os grupos alimentares estão apresentados da página 70 à 74, que são classificados em Grup (...)

20E constatamos que a renda interfere, sim, na qualidade da alimentação, embora não resolva o problema da fome. O que se comprova antes do golpe parlamentar, uma vez que o país saiu do mapa da fome da FAO, mesmo ainda não tendo combatido cabalmente a fome da população. A luta contra a fome passa também pela melhoria da condição de vida, mas não é a única medida necessária. Ainda é preciso melhorar a condição dos produtores de alimentos (e não apenas do de commodities), melhorar o acesso aos verdadeiros alimentos, conforme estipulado no Guia Alimentar para a População Brasileira, como do Grupo 13. No Atlas, além das informações dos dados tratados por ele, encontramos várias explicações sobre a fome, sobre a qualidade da alimentação, que o tornam um material também didático para a população.

21Ressaltamos aqui a necessidade da consciência e da educação alimentar, das contribuições do brasileiro Josué de Castro sobre a fome para a ciência e para o mundo, para efetivamente lutarmos com a fome, eliminando-a do cotidiano das pessoas. E destacamos alguns mapas do Atlas:

22Vemos a redução da fome de 2004 a 2013, mas o aumento da evolução da fome de 2013 a 2017-2018 em todos os domicílios (rurais e urbanos) do Brasil.

23Outra disposição da redução da fome de 2004 até 2013, e seu aumento de 2013 a 2017-2018.

24Vemos aqui “a cara da fome” que, percentualmente, atinge mais as mulheres e a população não branca nos anos de 2017-2018, quando a fome voltou a aumentar depois do período de redução observado nos Governos do PT.

25Nas considerações finais do Atlas, Os autores propêm o mapa da síntese das situações alimentares a partir de duas bases de dados do IBGE: a avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil e a Análise da segurança alimentar no Brasil, ambas extraídas da POF de 2017-2018.

26O mapa revela a divisão que há no Brasil entre uma parte com maior índice de fome e risco de fome e outra de menor índice e risco de fome. A primeira é composta por todos os estados da região Nordeste e os estados da região Norte, exceto Rondônia: Acre, Amazonas, Roraima, Amapá, Pará e Tocantins. A segunda, por Rondônia e pelos estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Mesmo na parte com maior índice de fome e risco de fome, os estados do Pará, de Tocantins, de Maranhão e do Piauí têm a presença de alimentos in natura ou minimamente processados muito acima da média nacional. E mesmo com menor risco de fome e risco de fome, os estados do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Paraná, de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul têm a presença de alimentos ultraprocessados muito acima da média nacional. Já os domicílios em situação de fome e risco de fome acima de 1 milhão estão nos estados do Pará, do Maranhão, do Ceará e de Pernambuco. Acima de 1,5 milhão, estão no estado de Bahia, Minas Gerais e Rio de Janeiro. E acima de 4,5 milhões, apenas no estado de São Paulo. Atentamos para o fato de três de quatro estados da região sudeste, os mais ricos, os mais povoados do Brasil, terem maior presença de domicílios em situação de fome e de risco de fome, mostrando que a fome também está presente em domicílios de estados que estão na parte com o menor índice de fome e risco de fome.

27Além dessa contextualização do mapa da fome feito pela primeira vez por Josué de Castro (em 1946, no seu Geografia da Fome), para o primeiro quintil do século XXI, o Atlas traz o agravamento da fome e o risco da fome durante a pandemia da Covid-19. Ainda que todos os dados do IBGE utilizados sejam anteriores à pandemia da Covid-19, declarada como sendo planetária pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no dia 11 de março de 2020, o Atlas considera os dados contidos na publicação do Inquérito Nacional sobre e a Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizada pela Rede Brasileira de Pesquisa em Sobernania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Pessan), os quais comprovam o crescimento exponencial da fome a partir de março de 2020. A fome que já vinha aumentando a partir de 2013, aumentou mais ainda de 2018 para 2020, principalmente nas regiões norte e nordeste, e na população rural.

28Recomendamos ao leitor desta resenha a leitura do Atlas das situações alimentares no Brasil: a disponibilidade domiciliar de alimentos e a fome para melhor elucidar a fome, as situações alimentares, considerando outras questões das ciências humanas, e da humanidade que o tema requer, até porque todos nós consumimos alimentos, dependemos dele para vivermos, sabemos que a qualidade nutricional impacta o desenvolvimento físico, intelectual, cognitivo dos seres vivos, e que a fome é produzida pelo próprio homem. Ademais, acrescentamos o paradoxo do Brasil, de ser um dos maiores exportadores de alimento do mundo, mas deixa sua população sem acesso à sua produção de alimentos.

Haut de page

Notes

1 A autora da resenha se permite fazer algumas conceituações na resenha do Atlas a partir de seus estudos, até porque a má nutrição, como nos mostrou Josué de Castro, é um problema de fome oculta. Ainda as pessoas limitam a fome à penúria, à fome absoluta, sem considerar a fome oculta, trazida à ciência e ao mundo por Josué de Castro desde sua Geografia da Fome, publicada pela primeira vez em 1946.

2 O Indicador de Prevalência de Desnutrição onsidera a oferta e a demanda de energia alimentar existente em um dado território num período de 12 meses, estimando assim a quantidade de indivíduos cuja ingestão de calorias ficou abaixo dos requisitos mínimos, isto é, em torno de 1.800 calorias por indivíduo por dia.

3 No Atlas, os grupos alimentares estão apresentados da página 70 à 74, que são classificados em Grupo 1: alimentos in natura, ou minimamente processados; grupo: ingredientes culinários processados; grupo 3: alimentos processados; e grupo 4: alimentos ultraprocessados.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Página 89
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/41142/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 95k
Titre Página 96
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/41142/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 124k
Titre Página 97
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/41142/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 83k
Titre Página 99
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/41142/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 102k
Titre Página 103
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/41142/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 79k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ana Letícia Espolador Leitão, « Atlas das situações alimentares no Brasil »Confins [En ligne], 52 | 2021, mis en ligne le 25 novembre 2021, consulté le 21 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/41142 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.41142

Haut de page

Auteur

Ana Letícia Espolador Leitão

Estudiosa da alimentação e da fome, doutora em Geografia , analeticialeitao@yahoo.com.br)

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search