Navigation – Plan du site

AccueilNuméros52Editorial do número 52

Editorial do número 52

Editorial of issue 52Éditorial du numéro 52
Sébastien Velut
Traduction(s) :
Editorial du numéro 52 [fr]

Texte intégral

1Este número 52 de Confins é uma edição excepcional, em mais de uma forma. Em primeiro lugar, porque vem além dos quatro números anuais regulares: em 2021 a revista publicará cinco números, como tem feito desde 2018. O maior número de edições publicadas permite a divulgação de mais artigos recebidos, avaliados e aceitos pela Confins em um período de tempo mais curto. Eles fazem justiça ao alto número de textos de qualidade recebidos, cujo número tem aumentado constantemente. Eles também mostram o trabalho realizado pelos membros do Conselho Editorial e do Conselho de Leitura, que avaliaram estes artigos. A escolha da publicação eletrônica, que liberta a revista dos problemas de espaço e tempo de impressão, permite esta flexibilidade e crescimento.

2Também é excepcional por conter apublicação do seu 1000º artigo.

1.000 artigos

3Contando com os 34os 34 artigos desta edição, que se somam aos 966 artigos já publicados, a revista atinge o número simbólico de 1.000 artigos publicados desde sua criação, mais uma prova de que encontrou seus autores. São principalmente pesquisadores trabalhando em instituições francesas e brasileiras, com uma crescente abertura a outros países europeus e latino-americanos, de todas as gerações – e a cumplicidade involuntária de alguns poucos autores no panteão da geografia como Elisée Reclus, Paul Vidal de la Blache e Max Sorre, dos quais republicamos artigos e traduções pouco conhecidos.

4O número 1000 não tem nenhuma virtude particular, exceto a simbólica de ser escrito com três zeros. No Brasil, uma coisa ou pessoa inútil é coloquialmente referida como um “zero à esquerda”. Considerando que estes três zeros estão do lado oposto, esperamos que não se enquadrem nesta categoria. Finalmente, esta edição é excepcional na medida em que oferece dois dossiês temáticos. Um sobre a natureza na cidade e o outro sobre a pandemia de Covid.

O dossiê a natureza na cidade

5Este dossiê é em parte o resultado de um colóquio organizado em setembro de 2019 por Chloé Nicolas-Artero e Xenia Furfan, que também dará origem à publicação de um dossiê nos Cahiers des Amériques latines. Esta reunião e as publicações resultantes nos convidam a abordar uma questão clássica do lugar da Natureza na cidade na América Latina, com estudos de caso em três países, Brasil, Colômbia e Venezuela. A natureza é entendida como um conjunto de processos biofísicos presentes no espaço urbano, em uma relação sistêmica com ele, e não como uma categoria absoluta a ser oposta ao espaço artificial da cidade. Para os habitantes das cidades latino-americanas, que constituem cerca de 80% da população, o contato com a natureza se faz principalmente com esta natureza urbana. Eles a encontram, por exemplo, em parques e jardins, áreas agrícolas dentro do tecido urbano, rios, plantações ornamentais e vida selvagem urbana.

6Este dossiê propõe uma leitura da relação entre os habitantes da cidade e a Natureza, que pode ser percebida como uma amenidade valiosa, bem como uma ameaça: cidades-jardim cuidadosamente planejadas para populações abastadas são contrastadas com margens urbanas mal equipadas; a natureza recreativa dos parques públicos é posta em oposição  com a natureza ameaçadora dos rios e enchentes.

7O artigo de Valeria Borges Yonegura e Henrique Manoel da Silva analisa a agricultura urbana em Tatuquara, um bairro suburbano de Curitiba, onde hortas comunitárias foram instaladas em antigas terras devolutas em meados dos anos 80, particularmente em corredores para linhas de alta tensão. Este cultivo de espaços negligenciados e percebidos como perigosos melhorou as percepções e práticas diárias do espaço urbano. Os autores mostram que mesmo que os ganhos monetários da agricultura sejam modestos, estes jardins melhoraram significativamente a qualidade de vida, fortalecendo os laços sociais e as relações positivas com os lugares. A manutenção das áreas cultivadas melhora a qualidade de vida da vizinhança e de seus habitantes, mas elas estão ameaçadas pelo aumento da pressão fundiária.

8Esta contribuição é seguida por um estudo original de uma metrópole que não esteve muito em evidência na bibliografia francesa desde a obra de Jean-Marc Fournier: Maracaibo. Astrid Petzold-Rodriguez oferece uma leitura detalhada das práticas urbanas no grande parque de Vereda del Lago, criado nos anos 70 em aterros que margeiam o lago. Ela mostra como, três décadas depois, o parque foi parcialmente privatizado, limitando o acesso das classes trabalhadoras que não podem pagar o acesso às instalações, mas ocupam, principalmente nos fins de semana, as instalações abertas ao público para diversas atividades recreativas familiares. As diferenças nas práticas e status dos usuários do Parque levantam a questão da definição de um espaço público, e um exame atento revela a existência de limites visíveis e invisíveis.

9Pauline Bosredon, Frédéric Dumont, Valentina Bonafin e Alexandre Diniz propõem uma análise das lutas pelo meio ambiente em Belo Horizonte, com base em um bairro popular conhecido como “Acaba Mundo”. Perto de um ambiente ainda natural, os habitantes das classes trabalhadoras extraem dele vários recursos, em particular pela coleta. Mas este ambiente preservado em uma cidade cercada por empresas de mineração está atraindo o interesse dos promotores imobiliários. A natureza negligenciada se torna atraente para investidores e grupos ricos, em projetos cuidadosamente encenados por firmas de arquitetura. Entretanto, essas iniciativas se encontram com movimentos de resistência estruturados e, ao que parece, interclasses que levantam explicitamente a questão do papel da natureza na cidade em audiências públicas. Além da tensão entre usos privados e coletivos da natureza, há um debate mais amplo sobre seu papel no equilíbrio dos sistemas urbanos.

10De fato, a natureza na cidade não é apenas residual, o que resta antes da urbanização, mas também uma natureza que faz parte de projetos de desenvolvimento. Este é o caso do bonde urbano de Medellín estudado por Maëlle Lucas. A cidade de Medellín, como sabemos, é um exemplo de renovação urbana responsável e ecológica, com o caso emblemático e altamente divulgado de seus teleféricos, que abriram bairros da classe trabalhadora. Maëlle Lucas mostra que o bonde faz parte da mesma lógica de descongestionamento urbano, redução do tráfego de carros e melhoria da qualidade do ar. A autora então apresenta como essas novas infraestruturas estão sujeitas a uma série de percepções diferentes tendo em comum, no entanto, um fortalecimento das preocupações com a qualidade do ambiente urbano por parte dos habitantes. Neste sentido, o bonde pode ser entendido não apenas como uma resposta técnica a uma necessidade funcional de mobilidade, mas também como um desenvolvimento que faz parte de uma perspectiva verde, com suas consequências sobre a qualidade do ar e a criação de uma infraestrutura verde que é complementar e aberta à mobilidade suave.

O dossiê Covid-19

11Após o dossiê “A pandemia de Covid-19 no Brasil” publicado no número 45, em junho de 2020 e o artigo “Fatores associados à difusão da epidemia de Covid-19” no número 46, em julho de 2020, a revista está dedicando um novo dossiê a este evento que teve profundas repercussões em todo o mundo, “Aspectos geográficos da pandemia de Covid-19”. Este não é um dos dossiês habituais na revista, pois não foi organizado por um colega ou colegas responsáveis por sua composição e coerência; é composto de artigos que chegaram separadamente à revista, e sua convergência é ainda mais notável.

12Abre com uma “Análise de dependência espacial da taxa de mortalidade por Covid-19 nos municípios brasileiros”, de Vítor Hugo Campelo Pereira, Glairton Cardoso Rocha, Marco Túlio Mendonça Diniz e Marcos Antonio Cavalcante de Oliveira Júnior, e continua com uma reflexão de Simone Affonso da Silva sobre “A pandemia de Covid-19 no Brasil: a pobreza e a vulnerabilidade social como determinantes sociais”.

13Seguem-se artigos que examinam casos regionais, “Pandemia além da metrópole: análise da internalização do Covid-19 no estado do Ceará”, de Jefferson Santos Fernandes, José Borzacchiello da Silva e Alexsandra Maria Vieira Muniz, e “Análise da evolução do Sars-Cov-2 no Rio Grande do Sul e reflexões sobre o modelo de distanciamento controlado”, de Maicon dos Santos Rodrigues, Érica Insaurriaga Megiato, Ricardo de Sampaio Dagnino, Lucas Manassi Panitz e Eliseu José Weber. Seguem-se os casos das grandes cidades, “O impacto da covid-19 nas periferias: uma análise espacial baseada em casos e mortes no Rio de Janeiro”, de Heitor Soares Farias, Gustavo Mota de Sousa, André Santos da Rocha e Leandro Dias de Oliveira e “Desigualdade sócio-espacial e a pandemia da COVID-19 na conurbação Belém-Ananindeua-Marituba, Pará”, de Felipe Garcia Passos.

14Finalmente, mudando novamente a escala em ambas as direções, dois artigos enfocam polos escalares opostos : o primeiro deles trata do caso de uma cidade média, “COVID-19 e geografia: perplexidade atual e cartografia a serviço da saúde pública em Erechim-RS”, de Paula Lindo, Éverton de Moraes Kozenieski e Reginaldo José de Souza, e o segundo, ao invés, coloca o caso brasileiro em perspectiva, “Correspondência espacial entre suinocultura intensiva e incidência da COVID-19 nos EUA, Brasil e Alemanha”, de Larissa Bombardi, Immo Fiebrig e Pablo Luiz Maia Nepomuceno.

Os outros artigos da edição 52

15Os outros artigos deste número 52 demonstram mais uma vez a diversidade de campos e abordagens que é um dos pontos fortes da geografia, e na qual a revista insiste fortemente. Inicialmente, viajamos primeiro para o meio do Atlântico com “A reestruturação urbana em Praia, Cabo Verde: um padrão que se repete”, de Jaime Tadeu Oliva, antes de voltar ao Brasil para conhecer os “Imigrantes poloneses em Curitiba (PR): história, influência no desenvolvimento da cidade e reconhecimento de antepassados nos endereços”, de Rafaela Mascarenhas Rocha.

16A isto se seguem artigos de análise bibliográfica, “Produção científica acerca dos desastres tecnológicos da mineração em Mariana e Brumadinho (Minas Gerais)”, de Alfredo Costa, Rebeka Girardi Knop e Miguel Fernandes Felippe, outro próximo à etnologia, “O reconhecimento étnico do povo Pykahu (Parintintin): a utilização de plantas e outros meios no processo de restabelecimento da saúde”, por Juliano Strachulski, Nicolas Floriani, Adnilson de Almeida Silva, Luís Carlos Maretto e Severino Parintintin (cacique e líder do povo Parintin).

17Dois artigos tratam em seguida do clima, primeiro diretamente na Amazônia, “Índices de extremos de temperatura do ar na Amazônia brasileira”, de Wisnel Joseph, Adilson Pacheco de Souza e Marlus Sabino, e depois com as medidas previstas para responder à sua evolução, “"Pensando no hoje e no futuro": iniciativas de mudanças climáticas nas capitais do Nordeste do Brasil”, de Rylanneive Leonardo Pontes, Rafael Aguiar da Silva, Ana Luiza Fontenelle, Yonara Claudia dos Santos e Zoraide Souza Pessoa.

18A cartografia nunca está ausente dos tópicos que a Confins trata, desta vez com “Influência do uso do intervalo HSV na capacidade de diferenciação da variável visual cor em mapas corocromáticos visualizados em meio digital”, por Monyra Guttervill Cubas e Tony Vinicius Moreira Sampaio.

19As outras seções abrem com um “Homenagem a Romain Gaignard (1936-2021)” (levado pelo Covid-19, com sua esposa, em fevereiro de 2021), por Claude Bataillon, Roberto Bustos Cara e Martine Guibert, seguido por um texto inédito de outro grande nome da geografia francesa, Paul Claval, “A abordagem cultural na geografia: uma compreensão diferente do espaço”.

20São apresentados ainda “registros de pesquisa” desta vez, um francês e um brasileiro, “Do turismo de massa ao turismo sustentável?”, de Claire Weishar e “Uma política pública de privatização e degradação da Amazônia disfarçada de regularização fundiária: uma análise sobre a evolução da Lei Federal nº 11.952/2009”, de Paulo Roberto Cunha. Depois vêm duas “crônicas de campo”, no sul e norte do Brasil, “A Comunidade Nova Esperança (PR): incorporando os direitos dos migrantes e refugiados internacionais nas demandas dos movimentos por moradia no Brasil”, por Elaine Cristina Schimtt Ragnini, Daniele Regina Pontes, José Ricardo Vargas de Faria e Márcio de Oliveira, e “Religião de matriz africana em São José de Ribamar/MA e a experiência de visitação acadêmica”, por Linda Maria Rodrigues e Elizandra Rocha.

21As “imagens comentadas” também são muito diversas e atuais, em escala global com “Jogos Olímpicos de Verão de 2020”, de Mateus de Almeida Prado Sampaio e José Raimundo Sousa Ribeiro Júnior, retornando ao Brasil com “Dinâmica de vacinação contra a Covid-19”, de André Nagy e A. Fulano de Thal e “Geografia da violência no Brasil”, mas também no outro país de referência da revista com “Vinhedos na França” e “Em Elbeuf, as paisagens urbanas contam a história da cidade”.

22As críticas cobrem também uma ampla gama de escalas de tempo e espaço: “França, a fabulosa viagem”, de Catherine Justin, “Pandemia e o atravessamento do fim do mundo”, de Marcela Nunes de Menezes, " Amazônia: alternativas à devastação” e “Atlas das situações alimentares no Brasil” de Ana Letícia Espolador Leitão

23Boa leitura a todas e todos

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Sébastien Velut, « Editorial do número 52 »Confins [En ligne], 52 | 2021, mis en ligne le 27 novembre 2021, consulté le 20 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/42119 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.42119

Haut de page

Auteur

Sébastien Velut

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search