Navigation – Plan du site

AccueilNuméros53ResenhasAmazonia Sob Pressão

Resenhas

Amazonia Sob Pressão

L'Amazonie sous pression
Amazonia Under Pressure
Confins
Référence(s) :

RAISG, 2020. Amazonia Sob Pressão, 68 páginas (www.amazoniasocioambiental.org) Amazonia sob pressão / realização RAISG; tradução Nina Jacomini, 1. Ed, São Paulo: ISA - Instituto Socioambiental, 2021. Título original: Amazonia bajo presión, vários colaboradores ISBN 978-65-88037-08-9

Entrées d’index

Index géographique :

Amazônia
Haut de page

Texte intégral

1A Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg) acaba de publicar um excelente trabalho, Amazonia Sob Pressão, muito sintético (68 páginas), muito bem ilustrado (a cartografia é o seu principal meio de expressão e demonstração) e acessível livremente et gratuitamente online (www.amazoniasocioambiental.org). Existem também versões em inglês e espanhol.

2A RAISG é um consorcio de organizações da sociedade civil formado em 2007, cujo trabalho visa a sustentabilidade socioambiental da região, com o apoio da cooperação internacional. Ela gera e divulga informação socioambiental georreferenciada e dados sobre a Amazonia, elaborados segundo protocolos comuns a todas as organizações nacionais que compõem o consorcio. Nesse momento, ela reúne oito organizações de seis países amazônicos: Bolívia, Brasil, Colômbia, Ecuador, Peru e Venezuela.

3Publicamos abaixo extratos da apresentação do trabalho, na qual foram incluídos alguns dos mapas do trabalho.

Apresentação

4“A Amazonia e uma região que tem atraído a atenção do mundo por diversos motivos: sua grande biodiversidade, sua extensa rede hidrográfica, sua diversidade cultural e o papel que desempenha na regulação do clima como a floresta tropical mais extensa do planeta; todos esses são motivos de grande fascinação. No entanto, suas riquezas naturais foram e continuam sendo objeto de cobiça, o que gerou com o tempo grandes transformações na paisagem, na composição de sua população e em sua perspectiva para o futuro, colocando em perigo a preservação dos elementos naturais e culturais que a caracterizam. [...]

5Resultados do último estudo realizado pela Raisg, em conjunto com o MapBiomas, mostram que em 2018 a Amazonia possuía 83,4% de sua cobertura vegetal natural. Contudo, entre 1985 e 2018, o bioma havia perdido 724 mil km2 de vegetação natural, uma área correspondente ao tamanho do território chileno. A ciência, em suas diferentes dimensões, caminha na tarefa de proporcionar informação sobre o avanço da degradação, assim como em apresentar alternativas. Nos da Raisg, com nossa equipe de cientistas, pesquisadores e cartógrafos, continuamos comprometidos em dar visibilidade aos principais problemas enfrentados pela Amazonia e com a proposição coletiva de soluções inovadoras, baseadas em dados e evidencias, que assegurem o bem-estar dos habitantes locais e a proteção desses ecossistemas de inestimável valor para as gerações presentes e futuras.

6O atlas Amazônia sob pressão, publicado pela primeira vez em 2012 pela Raisg, apresentou o panorama da grave situação que a região amazônica e sua população enfrentavam devido a megaprojetos viários, a construção de hidrelétricas, o crescimento da indústria extrativista e a expansão de atividades ilegais. O contexto regional parece ter se transformado profundamente nesses poucos anos, colocando em segundo plano os direitos fundamentais da natureza, dos povos indígenas e a proteção socioambiental.

7Diante desse cenário, revisitar os temas tratados em Amazônia sob pressão e crucial para promover a preservação de um sistema tão complexo como a Amazonia.

8Em nossa segunda visita as principais pressões e ameaças a região amazônica, incorporamos novas perspectivas e temáticas bem como avaliamos as mudanças ocorridas nos aspectos abordados na primeira edição, buscando apresentar uma análise que possa ser útil aos tomadores de decisão em diferentes níveis e aqueles que debatem o tema diariamente, uma tarefa imprescindível para a proteção da região. [...]

Processo de analise

9Desde o início, todas as publicações da Raisg se baseiam no uso de informação geográfica e cartografia. Esta e uma tarefa que se apresenta como um grande desafio, pois implica a compatibilização das bases de dados de nove países e na elaboração de uma estrutura regional a partir de informação nacional.

10Com esse objetivo, foi preciso definir protocolos comuns para o levantamento, a compilação, a análise e a representação dos dados, ou seja, contar com legendas comuns, cujos elementos para cada um dos tópicos incluídos tenham o mesmo significado em todos os países. A seguir, resumimos as principais considerações metodológicas sobre os dados e as análises apresentadas nesta publicação.

Limites da Amazonia

11A tarefa de reunir as bases de dados em um único mapa regional revelou que a cartografia oficial de cada país, no que se refere aos limites internacionais, não se ajusta automaticamente, gerando sobreposições e inclusive vazios entre eles. Para solucionar esse problema, o grupo técnico da Raisg compatibilizou os limites, ajustando primeiro aqueles que são drenagens, os divisores de bacias e então as linhas retas.

12O resultado e um mapa de “limites referenciais”, por isso a superfície de cada país pode diferir dos dados oficiais. Além disso, pode haver diferenças atribuíveis a projeção geográfica usada em nível regional, que e diferente da usada em âmbito nacional de cada pais.

Figura 1 Limites do trabalho da RAISG

Figura 1 Limites do trabalho da RAISG

Enfoque de análise

Áreas Naturais Protegidas (ANPs) e Territórios Indígenas (TIs)

13O objetivo central de nossas publicações, incluindo Amazônia sob pressão, e divulgar a importância dos Territórios Indígenas (TIs) e das Áreas Naturais Protegidas (ANPs). Para a presente publicação, foram compiladas informações acumuladas pela Raisg desde sua fundação, em 2007. Por isso, e possível encontrar dados sobre a extensão dessas terras protegidas em toda a Amazonia ao longo do tempo.

14As ANPs são uma ferramenta das sociedades para garantir a preservação dos componentes de biodiversidade e dos elementos físico-naturais da paisagem; por meio delas, busca-se a proteção dos ecossistemas naturais e, consequentemente, dos benefícios que estes oferecem. Enquanto os TIs são, em sua maioria, terras ocupadas há muitas gerações por povos indígenas, que convivem com a natureza em um equilíbrio que permite a permanência desses ecossistemas em condições próximas ao que corresponderia a sua evolução natural. O nível de reconhecimento por parte dos governos federais varia segundo sua perspectiva política, a importância dada a diversidade cultural e a diligência das instituições responsáveis. [...]

Figura 2 Áreas Naturais Protegidas (ANPs) e Territórios Indígenas (TIs)

Figura 2 Áreas Naturais Protegidas (ANPs) e Territórios Indígenas (TIs)

Pressões e ameaças

15Apresentamos neste capítulo os principais temas analisados segundo seu potencial de degradação ambiental: projetos de infraestrutura – com a análise do desenvolvimento de vias/estradas e o investimento em usinas hidrelétricas –, atividades associadas a indústria extrativista de mineração e petróleo, assim como as atividades agrícola e pecuária. Também foram levadas em especial consideração as atividades que ocorrem a margem da lei, como a mineração ilegal, o desmatamento não autorizado e o cultivo de ilícitos, por suas repercussões na transformação do espaço.

16A classificação de pressões e ameaças tem sido utilizada pela Raisg desde a primeira edição de Amazônia sob pressão. Assim, por pressão nos referimos aquelas atividades que estão em processo de instalação e cujos impactos podem ser medidos; enquanto as ameaças referem-se a projetos e investimentos planejados, cujas características permitem calcular seus impactos futuros.

17Este estudo se baseia em cálculos e estimativas resultantes de análises realizadas com ferramentas do Sistema de Informação Geográfica (SIG), que ajudam apontar tendencias em nível regional. Portanto, podem diferir, em alguma medida, dos valores oficiais nacionais.

Figura 3 Síntese des pressões

Figura 3 Síntese des pressões

Figura 4 Síntese das ameaças

Figura 4 Síntese das ameaças

Sintomas e consequências

18São diversas as pressões que afetam a Amazonia; no capítulo “Pressões e ameaças” apresentamos várias delas. Entretanto, estas não são as únicas existentes. Uma forma de abordar as transformações que todas as atividades, em conjunto, geram sobre os ecossistemas naturais terrestres na região e examinar três consequências das mesmas: desmatamento, queimadas e mudança na quantidade de carbono armazenado. Sua relação com as diferentes atividades pode ser mais ou menos direta, mas sem dúvida existe.

19Em 2012, dedicamos uma seção do Atlas ao processo de desmatamento e aos focos de calor; nesta edição, aprofundamos a análise e incorporamos a mudança no carbono armazenado na biomassa florestal. Assim, apresentamos uma avaliação que permite compreender um pouco melhor o processo de degradação florestal, prever potenciais impactos na regulação do clima e localizar as áreas que sofreram maiores transformações.

Mapas-síntese

20Análises multitemáticas e, especialmente, multitemporais, são de grande utilidade para a compreensão das dinâmicas socioambientais na Amazonia. Para tanto, nesta publicação usou-se com frequência unidades temáticas de análise. Na versão anterior do Atlas e em outras publicações da Raisg, haviam sido utilizados, para o mesmo fim, os limites nacionais e as unidades de ANPs e TIs. Como inovação metodológica e ferramenta de síntese dos componentes de pressão, ameaça, e sintomas e consequências da atividade humana apresentados em diversos capítulos, foram definidas unidades homogêneas de analise (UHA), que também são conhecidas como tesselas, por sua estreita relação com o sistema matricial que usa o formato raster Em nosso caso, foram definidos hexágonos de 20 km2, que tomaram como base histogramas ou gráficos de frequência do tamanho de polígonos para as variáveis de interesse, como petróleo, mineração e atividade agropecuária. Dessa forma, a Amazonia foi dividida em aproximadamente 424 mil UHA.

21Para poder realizar a análise-síntese por unidade homogênea de análise, determinou-se para cada categoria de cada pressão e sintoma um peso, com base no critério de especialistas. Assim, aplicando a métrica de somas ponderadas, estabeleceu-se o valor de “ameaça” de cada célula, o que permitiu identificar as áreas de conflito – zonas nas quais as pressões se sobrepõem as áreas protegidas (ANPs e TIs). [...]

Figura 5 Síntese dos sintomas

Figura 5 Síntese dos sintomas
Haut de page

Table des illustrations

URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 37k
Titre Figura 1 Limites do trabalho da RAISG
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 259k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 35k
Titre Figura 2 Áreas Naturais Protegidas (ANPs) e Territórios Indígenas (TIs)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 245k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 21k
Titre Figura 3 Síntese des pressões
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 261k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 14k
Titre Figura 4 Síntese das ameaças
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 247k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 13k
Titre Figura 5 Síntese dos sintomas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 341k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/43289/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 13k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Amazonia Sob Pressão  »Confins [En ligne], 53 | 2021, mis en ligne le 24 décembre 2021, consulté le 26 mai 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/43289 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.43289

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search