Navigation – Plan du site

AccueilNuméros54ResenhasGeografias pretéritas, histórias ...

Resenhas

Geografias pretéritas, histórias espaciais, spatial turn

Géographies du passé, histoires spatiales, tournant spatial
Past geographies, spatial histories, spatial turn
Confins
Référence(s) :

Espacializando a história: experiências e perspectivas sob o prisma do urbano, Álvaro de Araújo Antunes, Cláudia Damasceno Fonseca, Francisco Eduardo de Andrade (orgs.), Editora Fino Traço, Belo Horizonte, 2021, ISBN 6589011699, 466 p.

Texte intégral

1Como nos nos contam seus organizadores, Àlvaro de Araújo Antunes, Claudia Damasceno Fonseca et Francisco Eduardo de Andrade, na introdução ao livro:

“A ideia de um encontro sobre o espaço na historiografia contemporânea brasileira surgiu durante uma discussão entre os membros de uma banca de doutorado no ICHS- Universidade Federal de Minas Gerais (UFOP), em julho de 2018. Todos compartilhavam uma constatação: nas últimas três décadas, têm se multiplicado os estudos nos programas de pós-graduação em História que privilegiam conceitos e problemáticas espaciais e que utilizam métodos anteriormente mobilizados sobretudo por geógrafos, arquitetos e urbanistas”.

2O que fora então imaginado como um simples workshop sobre “espaço e habitação” nas Minas coloniais, acabou se transformando em um seminário internacional após o qual decidiu-se a publicação das atas, com inclusão de outras contribuições relevantes para a discussão em seus trabalhos recentes ou em andamento.

3O presente resultante deste processo cumulativo

“Reúne estudos com temáticas bastante heterogêneas, mas que têm em comum uma dimensão espacial significativa, mesmo se nem sempre evidente à primeira vista, seja do ponto de vista de seus objetos, das questões levantadas, dos métodos de pesquisa, ou mesmo dos três fatores associados, de formas diversas.

Alguns capítulos se enquadram numa perspectiva de historicização de espaços e de suas representações, em escalas variadas – a casa ou o edifício, a propriedade fundiária, a quadra, a rua, o bairro, a cidade, a região – enquanto outros procuram localizar ou espacializar fenômenos socioeconômicos e culturais, também em diferentes escalas, a fim lançar luzes novas sobre os mesmos”

4As ideias orientadoras do livro e o detalhe dos seus capítulos são dados, na sua apresentação, por Ângelo Carrara, que citamos a seguir.

5“Os estudos aqui reunidos foram originalmente discutidos no colóquio “Espaço e Habitação: Minas Gerais e Bahia (séculos XVIII e XIX)” realizado em Mariana entre os dias 26 e 27 de agosto de 2019 e organizado pela Universidade Federal de Ouro Preto e École des Hautes Études en Sciences Sociales.

6Inscrevem-se no esforço mais abrangente de retomada do diálogo entre História e Geografia. Não se trata de inserir as histórias que aqui se contam num determinado espaço geográfico. Ou melhor, não apenas isso. Trata-se, antes e acima de tudo, de extrair da cartografia de determinados fatos uma história que de outro modo não poderia ser revelada, ou não o seriam com a nitidez desejável. Nesta reside a novidade do movimento recente, e muito promissor, sem dúvida, da aplicação dos sistemas de informação geográfica na História.

7Isso explica a mobilização de fontes documentais diversificadas, de natureza vária, tanto textuais, como cadastros imobiliários (para empregar um termo mais amplo que engloba o tombo de terras foreiras, a décima predial e os registros paroquiais de terras, por exemplo), listas de cobrança e pagamento de tributos, róis de confessados, requerimentos, memórias históricas, atas das câmaras, quanto, naturalmente, fontes cartográficas e iconográficas.

8Ao lado de pesquisadoras e pesquisadores experientes e com carreira acadêmica há muito consolidada, a participação de mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação em História da UFOP documenta o papel que este desempenha no estímulo desse campo de estudos.

9A obra divide-se em três partes. A primeira parte reúne resultados de investigações sobre a vida e o convívio nos espaços característicos do período colonial: vilas, freguesias e arrabaldes. Tais são os estudos de Tércio Veloso, Álvaro de Araújo Antunes e Marco Antônio Silveira, Cláudia Damasceno, Júnia Furtado, Ivete Machado, Tarcisio Botelho e Fabio Pinto. Vila Rica, a freguesia de Guarapiranga, o arraial do Tijuco, Caiena e as fazendas nos arrabaldes da fazenda do Mosquito, localizada no atual município de Coronel Xavier Chaves (MG) no período colonial são os espaços escrutinados pelos autores. Tarcísio Botelho centra sua atenção nas trajetórias de grupos familiares na freguesia de Curral Del Rei, em Minas Gerais, ao longo do século XIX.

Figura 1 Reconstituição da trama do parcelamento do solo dentro do rossio de Mariana a partir de dados do tombo

Figura 1 Reconstituição da trama do parcelamento do solo dentro do rossio de Mariana a partir de dados do tombo

O “tombo de terras foreiras” como objeto de estudo e como fonte para a história Cláudia Damasceno Fonseca

10A segunda parte volta-se para a análise das fisionomias e das representações do espaço urbano. Após a discussão conceitual entre urbano e rural proposta por Eduardo França Paiva, são apresentados os estudos de Iuri Dantas e Ruana Oliveira sobre a morfologia urbana da vila de Ilhéus ente os séculos XVI e XIX, de Maria Cristina Azevedo, sobre a organização do espaço da vila de Baependi nas primeiras décadas do século XIX, as representações da paisagem da cidade de Campanha no Oitocentos, e encerra-se com a análise de Amanda Pinheiro sobre o ordenamento das vilas goianas no mesmo período.

Figura é Vila velha do Outeiro de Santo Antônio, século XVI

Figura é Vila velha do Outeiro de Santo Antônio, século XVI

Morfologia urbana da primitiva Vila de Ilheús, Iuri Dantas

11A última parte tem por objeto o fluxo de gentes e mercadorias nos diferentes espaços. Lícito ou ilícito. Para o século XVIII contam-se os estudos de Vinicius Maluly sobre a relação entre caminhos e descaminhos em Goiás; de Vanessa Teixeira, sobre as dinâmicas confraternais nos espaços urbanos da capitania de Minas; e de Francisco Andrade com respeito aos negócios dos irmãos terceiros do Carmo de Vila Rica em Minas. Também inserido no âmbito dos fluxos econômicos regionais, Tiago Gil estuda a produção de tecido de algodão no Vale do Paraíba no início do século XIX. Por fim, o texto de Paulo Roberto Oliveira, acerca das transformações ocorridas em Mariana entre a última década do século XIX e as duas primeiras do século XX.

12Deve-se advertir que, mais do que resultados de pesquisa propriamente ditos, esta obra constitui um convite à exploração de uma forma de exercício de pesquisa histórica que exige, por imprescindível, a combinação de fontes de natureza diversa com os recursos oferecidos pela informática. A consequência deste esforço é uma narrativa histórica que permite a documentos até muito recentemente interrogados de maneira unívoca, testemunhar a ocorrência de fatos novos quando submetidos a procedimentos inovadores”.

13Como Confins é uma revista franco-brasileira, um capítulo merece atenção especial, aquele sobre a cidade de Caiena, conquistada em 1809 por uma pequena tropa portuguesa, em retaliação à ocupação de Portugal pelos exércitos de Napoleão. A Guiana foi então incorporada à capitania de Grão Pará até 1817 e o capítulo analisa as transformações urbanas ocorridas durante esses períodos em que a Guyane fazia parte do império português

Figura 3 Vista da integração entre a cidade antiga e a cidade nova de Caiena, 1821

Figura 3 Vista da integração entre a cidade antiga e a cidade nova de Caiena, 1821

Caiena: transformações urbanas, propriedade e topografia social durante a ocupação portuguesa (1809-1817) Ivete Machado de Miranda Pereira

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Reconstituição da trama do parcelamento do solo dentro do rossio de Mariana a partir de dados do tombo
Crédits O “tombo de terras foreiras” como objeto de estudo e como fonte para a história Cláudia Damasceno Fonseca
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44274/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 923k
Titre Figura é Vila velha do Outeiro de Santo Antônio, século XVI
Crédits Morfologia urbana da primitiva Vila de Ilheús, Iuri Dantas
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44274/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 744k
Titre Figura 3 Vista da integração entre a cidade antiga e a cidade nova de Caiena, 1821
Crédits Caiena: transformações urbanas, propriedade e topografia social durante a ocupação portuguesa (1809-1817) Ivete Machado de Miranda Pereira
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44274/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 833k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Geografias pretéritas, histórias espaciais, spatial turn »Confins [En ligne], 54 | 2022, mis en ligne le 15 mars 2022, consulté le 04 juillet 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/44274 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.44274

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC BY-NC-SA 4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International - CC BY-NC-SA 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search