Navigation – Plan du site

AccueilNuméros54Imagens comentadasDinamismo e desigualdades brasile...

Imagens comentadas

Dinamismo e desigualdades brasileiras: população (2021) e valor adicionado (2019).

Marcelo Pires Negrão et Hervé Théry

Texte intégral

1Em 2019, último ano antes dos efeitos da crise sanitária sobre a economia, o conjunto das riquezas produzidas no Brasil superou R$ 7,3 trilhões e, em 2021, a população ultrapassou a marca de 213 milhões de habitantes. Esses números sintetizam as séries anuais de projeção da população municipal brasileira e da estimativa do Produto interno bruto dos municípios (PIBm), divulgadas recentemente na plataforma SIDRA (IBGE) e que trazem outros mais detalhados sobre a população e o valor adicionado dos três setores da economia.

2Os dados de população são comparáveis no tempo e nos permitem compreender o dinamismo demográfico dos municípios e regiões brasileiras. As duas primeiras figuras que iremos apresentar aqui nos permitem visualizar a evolução da população com seu o incremento absoluto e relativo, em duas janelas temporais (últimos vinte e dez anos). Já os dados do PIB, apresentados nas três figuras seguintes, nos mostram a distribuição (desigual) do valor adicionado no território nacional.

Evolução da população

Mapa 1 - População em 2021, densidade demográfica e evolução 2011-2020

Mapa 1 - População em 2021, densidade demográfica e evolução 2011-2020

3Observando o período 2001-2021 (mapa 1), pode-se notar o avanço da população em boa parte da Amazônia. Levando-se em conta todo o território nacional, a maior evolução desses últimos 20 anos ocorreu nos municípios da região Norte, seguida pela região Centro-Oeste (onde há maior concentração de círculos vermelhos) e corresponde ao período de mais forte urbanização pelo qual vem passando essas duas regiões e, em especial, a Amazônia. As áreas metropolitanas das três outras grandes regiões do país conheceram uma evolução relativa menor no mesmo período (círculos rosa e marrom) indicando uma tendência de crescimento lento das capitais, enquanto as cidades médias, dessas mesmas três regiões, conhecem um incremento moderado (predominância de círculos marrom). Já os municípios que perderam população (círculos amarelos) são mais visíveis no mapa abaixo.

Mapa 2 - Perdas e ganhos demográficos 2011-2021

Mapa 2 - Perdas e ganhos demográficos 2011-2021

4Considerando-se apenas o período 2011-2021 (mapa 2), destaca-se um fenômeno de despovoamento (perda de população) em algumas áreas predominantemente rurais do país, distantes das regiões metropolitanas. Em primeiro lugar, municípios localizados no norte de Minas Gerais, no centro e no sul da Bahia, seguidos do interior da Região Sul, com destaque para o interior do Estado do Paraná. O interior de Rondônia, o Noroeste do Amazonas e uma faixa entre Goiás e Mato Grosso também viram muitos dos seus municípios pequenos e médios perderem população. O despovoamento pode ter duas origens: o déficit migratório (mais saídas definitivas de pessoas do que entradas) e um saldo natural negativo (mais mortes do que nascimentos). Nossa hipótese é de que em todos esses casos o despovoamento seria essencialmente explicado pelo déficit migratório.

Valor adicionado 2019

5Após os dados de população, temos aqui (mapa 3) os primeiros dados de valor adicionado, que nos permite visualizar o peso relativo das microrregiões e de cada um dos setores (agropecuária, indústria e serviços) para a economia nacional.

Mapa 3 - Valor adicionado bruto por microrregião em 2019

Mapa 3 - Valor adicionado bruto por microrregião em 2019

6O PIB brasileiro está longe de ser distribuído igualmente por todo o país. O maior peso está no setor de serviços privados (em laranja), concentrado nas metrópoles. No inverso, encontra-se o setor agropecuário (em verde) cujo peso é irrisório para o PIB nacional mesmo nas regiões em que essa atividade é representativa, como no Mato Grosso, no oeste da Bahia, no interior de São Paulo e na região Sul do Brasil. A ideia, por vezes difundida, segundo a qual o setor agropecuário seria o motor da economia nacional se desfaz por aqui.

Mapa 4 - Valor adicionado bruto por microrregião e por setor em 2019

Mapa 4 - Valor adicionado bruto por microrregião e por setor em 2019

7O próximo mapa (4) nos permite olhar com uma lupa para dentro de cada um dos setores da economia, separando até mesmo os serviços públicos dos serviços privados. Em primeiro lugar, reforça-se aqui a irrelevância do setor agropecuário para o valor adicionado do PIB nacional (o mapa que representa o setor agropecuário possui os menores quadrados vermelhos, comparado aos demais mapas / setores). Cabe destaque para os municípios do litoral sul da Bahia, que apesar de possuírem alguma representatividade para o próprio setor agropecuário (em azul escuro no primeiro mapa), correspondem a uma área em despovoamento (conforme mapas 1 e 2), o que reforça a ideia de que esse setor nem sempre é capaz de redistribuir suas riquezas e, neste caso, de impedir que a população migre para outras regiões.

8Não obstante, esse setor ocupa uma grande superfície do território nacional, desenhando um corredor que liga a região Sul ao Norte do país, delimitado pelos lados por Rondônia e oeste da Bahia, além de, como já dito, algumas faixas litorâneas.

9A indústria nacional mantém sua concentração na região centro-sul do Brasil, mas há exceções em algumas capitais do Nordeste e em parte do arco do desmatamento da Amazônia, em Rondônia e no Pará, com destaque para a mineração em Parauapebas e Carajás, além da zona franca de Manaus.

10Já a distribuição do setor dos serviços públicos é menos visível em todo o país do que o que se poderia supor. Sem muita surpresa, ele tem especial relevância em Brasília, local que concentra a arrecadação do governo federal e, também, o gasto público. Outro destaque fica por conta da cidade do Rio de Janeiro, cujo valor adicionado dos serviços públicos é maior até mesmo do que São Paulo. Por ter sido antiga capital do país, ela tem a segunda maior presença de funcionários e organismos federais (atrás apenas de Brasília), que somam-se ao estadual e municipal, dando relevância ao setor público.

11Por fim, os serviços privados aparecem como os mais relevantes para a economia nacional, concentrados nas capitais e demais grandes cidades eles representam, no entanto, o contraste entre regiões metropolitanas e as demais áreas do país, essas últimas geralmente pouco expressivas em termos de valor adicionado do PIB.

Mapa 5 - Tipologia do valor adicionado

Mapa 5 - Tipologia do valor adicionado

12Em um total de 558 microrregiões do território nacional, apenas 28 concentram a quase totalidade do PIB industrial e dos serviços privados do país (classes 1 e 2, em vermelho e marrom). Podemos dizer que seriam esses os “enclaves do PIB brasileiro”. Ao norte de Brasília apenas cinco microrregiões se destacam, três no Nordeste (Salvador, Recife e Fortaleza) e duas na Amazônia (Manaus e Parauapebas/Carajás).

13A predominância do setor agropecuário no corredor Sul-Norte (anteriormente comentada, no mapa 4) não é homogênea e possui pesos diferentes na sua distribuição, sendo leve na classe 3 (amarelo claro), média na classe 5 (verde claro) e forte na classe 4 (verde escuro). Destaque em verde escuro para os territórios da soja no Mato Grosso e no oeste da Bahia ou ainda no Mato Grosso do Sul, região que faz fronteira com o Paraguai sob influência dos brasiguaios que adquiriram terras do lado brasileiro (região que foi recentemente palco de violência no campo e contra povos indígenas). Por fim, nota-se também a interiorização na Amazônia da relevância do setor agropecuário para além do “arco do desmatamento”.

14A última classe (6, em azul) representa aquelas áreas com menor valor adicionado do país, cuja predominância dos serviços se faz, em grande parte, pela ausência de outra atividade econômica minimamente relevante. Elas correspondem às áreas preservadas, como Amazônia e Pantanal, mas também às regiões rurais em crise, como o semiárido brasileiro (sertão e meio-norte) ou o Norte de Minas Gerais (vale do Jequitinhonha).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 - População em 2021, densidade demográfica e evolução 2011-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44290/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 447k
Titre Mapa 2 - Perdas e ganhos demográficos 2011-2021
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44290/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 348k
Titre Mapa 3 - Valor adicionado bruto por microrregião em 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44290/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 489k
Titre Mapa 4 - Valor adicionado bruto por microrregião e por setor em 2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44290/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 413k
Titre Mapa 5 - Tipologia do valor adicionado
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44290/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 290k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcelo Pires Negrão et Hervé Théry, « Dinamismo e desigualdades brasileiras: população (2021) e valor adicionado (2019). »Confins [En ligne], 54 | 2022, mis en ligne le 04 avril 2022, consulté le 22 juillet 2024. URL : http://journals.openedition.org/confins/44290 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.44290

Haut de page

Auteurs

Marcelo Pires Negrão

Université d’Angers, marcelo.piresnegrao@univ-angers.fr

Articles du même auteur

Hervé Théry

CNRS/USP, hthery@aol.comFr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search