Navigation – Plan du site

AccueilNuméros54SínteseBrasil potência agrícola: dinâmic...

Síntese

Brasil potência agrícola: dinâmicas recentes, projeções, contradições e fragilidades (2006-2029)

Le Brésil, puissance agricole : dynamiques récentes, projections, contradictions et fragilités (2006-2029)
Brazil, the agricultural powerhouse: recent dynamics, projections, contradictions and fragilities (2006-2029)
Eduardo Paulon Girardi

Résumés

Dans cet article, nous analysons l'évolution récente (2006-2017) et les projections (2019-2029) des principaux produits de l'agriculture e de l’élevage au Brésil. L'objectif est d'évaluer la dynamique régionale de ces produits, son importance pour l'économie, pour le marché interne et pour la balance commerciale. Dans le même temps, nous soulignons les contradictions et les faiblesses du « Brésil puissance agricole », construit sur la base d'un projet de reprimarisation de l'économie qui constitue un obstacle au développement du pays et qui intensifie de plus en plus l'exploitation des ressources naturelles.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 BRASIL DE FATO. ONU: insegurança alimentar no Brasil cresce em 3 anos e atinge 43,1 milhões em 2019 (...)

1O Brasil possui 8,5 milhões de km2 e a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2015 contou 204,9 milhões de habitantes, sendo 173,6 milhões (84,7%) nas cidades e 31,3 milhões (15,3%) no campo. Para julho de 2021 a população total estimada era de 213 milhões de habitantes. O Brasil é um país altamente urbanizado, estando a população concentrada nas capitais estaduais, regiões metropolitanas e cidades médias. As regiões mais populosas são o Sudeste, o Nordeste e o Sul e a população concentra-se em uma faixa “costeira” de cerca de 700 km (mapa 1). Se o país é um grande produtor agropecuário no seu vasto território, a numerosa população de brasileiros consome a maior parte do que é produzido no campo, mesmo com o paradoxo de que uma parcela da sua população seja excluída até mesmo do consumo adequado de alimentos: segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), em 2019 43,1 milhões de brasileiros ingeriam menos calorias do que o necessário para uma vida saudável1.

2Mesmo que o mercado interno seja o principal destino dos produtos do campo, a produção agropecuária brasileira ainda consegue atender às demandas internacionais e o país está entre os maiores produtores e exportadores de produtos agropecuários do mundo, geralmente sendo denominado de “fazenda do mundo” (THÉRY, 2019) ou “celeiro do mundo”. Há previsão de crescimento constante da produção agropecuária e das exportações pelo menos nos próximos dez anos (MAPA, 2019; FIESP, 2020), mas também há perspectivas de crescimento da população (223,8 milhões de habitantes em 2029) e de que a maior parte do que é produzido continue sendo consumido internamente.

3Desde o período colonial o Brasil se relaciona comercialmente com o exterior majoritariamente por meio da exportação de produtos primários, sejam eles agrícolas ou minerais, em forma bruta ou pré-processados. Pau-brasil, cana-de-açúcar, café, algodão, borracha, ouro e pedras preciosas são produtos que no passado conduziram a economia do país. Para tentar romper com o modelo econômico baseado no setor primário, em alguns momentos do século XX o país ampliou sua base industrial, contudo, na década de 1990 rendeu-se novamente aos produtos da agropecuária e da mineração, passando por um processo de reprimarização da economia baseado na superexploração dos seus vastos recursos naturais, como terra, água e minérios.

4Resultado desse processo de reprimarização iniciado nos anos 1990, além de grande produtor de commodities minerais, em especial minério de ferro e petróleo, o Brasil destaca-se atualmente pela produção e exportação dos seguintes produtos agropecuários e seus derivados: soja, cana-de-açúcar, milho, café, laranja, fumo, algodão, celulose e carnes bovina, de frango e suína. A título de exemplo, em 2019 o país foi o maior exportador mundial de soja, carne de frango, café e açúcar e o segundo colocado no ranking de exportação de milho, depois dos Estados Unidos, e de carne bovina, atrás da Austrália. Especificamente para o mercado interno, por serem base da dieta do brasileiro, tem destaque a produção de arroz, feijão, trigo, mandioca, banana e leite.

5A produção agropecuária, que inclui pecuária, agricultura, silvicultura, extrativismo vegetal e aquicultura, ocorre no Brasil em situações bastante variadas, já que o país possui uma grande diversidade de ambientes naturais conformados principalmente por sua ampla extensão latitudinal, que vai desde 05o16’19” no Hemisfério Norte, passa pelo Equador, pelo Trópico de Capricórnio e termina na latitude de 33o45’07” do Hemisfério Sul. Por isso, é possível que se cultive e se crie no Brasil praticamente toda a variedade de gêneros de produtos agrícolas e pecuários que a humanidade utiliza.

6À exceção do semiárido nordestino, não há condições climáticas extremas ou impostas pela variação das estações que impeçam a agricultura durante o ano todo, de modo que em algumas áreas as grandes culturas são cultivadas duas vezes no mesmo ano, geralmente com uma primeira safra de soja ou milho e uma segunda safra de milho. Provavelmente pelo mesmo motivo, de ser um ambiente altamente propício à intensa reprodução e crescimento da vida, as “pragas” que prejudicam a agricultura convencional também se propaguem de forma acelerada e isso, associado à grande produção agropecuária, faz do Brasil o consumidor de 20% dos agrotóxicos comercializados mundialmente. (PELAEZ et al., 2015 apud BOMBARDI, 2017).

7Apesar da diversidade de ambientes que possibilita uma grande variedade de culturas e criaçõs, é necessário dizer que o Brasil realizou grandes esforços para o desenvolvimento de cultivares que pudessem ser produzidos em outros ambientes que não aqueles em que naturalmente se desenvolvem bem. Isso ampliou a área onde essas culturas podem ser produzidas e melhorou a produtividade e a resistência às doenças e outras “pragas”. A soja passou por esse processo e um exemplo mais recente é o trigo, que já pode ser cultivado em pleno Cerrado (prancha 9). Além das empresas privadas, que focam suas ações no melhoramento das commodities, esse processo conta com grande participação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e contempla uma ampla variedade de cultivos, incluindo as commodities. Além dos vegetais, a produção animal também recebe atenção da EMBRAPA, com foco no melhoramento genético e no desenvolvimento de formas de manejo mais eficientes.

8Se por um lado a pesquisa e a tecnologia permitem aumento constante da produtividade das principais culturas, por outro lado parte do aumento da produção ocorre pelo avanço da fronteira agropecuária, com a incorporação de novas terras da Amazônia e do Cerrado no sistema produtivo (mapa 2). O Brasil é um dos últimos países do mundo com uma fronteira agropecuária ativa e nela parte da incorporação de novas terras se realiza com crimes ambientais e de grilagem de terras, gerando degradação ambiental, intensos conflitos e violências contra camponeses, indígenas e povos tradicionais. A questão do avanço da agropecuária sobre as florestas naturais e a especulação fundiária relacionada a este avanço estão no centro das disputas e debates políticos nacionais e internacionais.

Fragilidades da potência agromineral

9A grande demanda e o preço elevado das commodities no mundo permitiu o processo de reprimarização da economia brasileira, que, segundo Salama (2016), implicou na “desindustrialização e diminuição dos salários reais, apesar do aumento da produtividade nos setores exportadores.” (p. 127). Ainda segundo o autor, houve

[...] uma inserção na divisão internacional do trabalho baseada em produtos de intensidade tecnológicas cada vez menor (com exceção de alguns setores como o da aeronáutica) acarretando desde 2008 um déficit na balança comercial em termos de produtos industriais, transformando-se rapidamente em um fosso [...].” (p. 129).

10Salama (2016) e Carvalho e Carvalho (2011) afirmam que a partir da década de 1990 houve no Brasil um processo de desindustrialização precoce. Em economias avançadas a desindustrialização - perda de relevância relativa do setor industrial para o setor de serviços - é esperada e trata-se de um sintoma de estágios de desenvolvimento econômico mais avançados. Contudo, é denominada desindustrialização precoce, a exemplo do que ocorreu no Brasil, quando o papel da indústria de transformação perde peso frente ao setor de serviços ou para o setor primário sem que a economia tenha alcançado, em países emergentes ou subdesenvolvidos, os mesmos níveis de produtividade e renda per capita das economias avançadas. “A participação da indústria de transformação brasileira na indústria de transformação mundial (em valor adicionado) é de 1,8% em 2005 e de 1,7% em 2011, após ter alcançado 2,7% em 1980 [...].” (SALAMA, 2016, p. 131).

11Delgado (2010) critica o processo de especialização primária e afirma que tal opção impõe limites ao desenvolvimento: “Conquanto conjunturalmente compensatória, a especialização primária das exportações não resolve a dependência externa e agrava a situação deficitária dos demais setores.” (p. 111). O autor ainda afirma que este sistema está baseado em armadilhas produtivas, representadas pela superexploração dos recursos naturais, e também armadilhas distributivas, já que a apropriação do excedente econômico resulta do domínio da terra. Por conseguinte, a apropriação do excedente econômico é concentrada, tal como a terra é no Brasil.

Observe-se que agronegócio na concepção brasileira do termo é uma associação do grande capital agroindustrial com a grande propriedade fundiária. Essa associação realiza uma estratégia econômica de capital financeiro, perseguindo o lucro e a renda da terra, sob patrocínio de políticas de Estado. (p. 113).

12Delgado (2010) afirma que, com as políticas governamentais de incentivo do agronegócio, em especial o crédito agropecuário com juros subvencionados, e a grande demanda de commodities impelida pela China, o preço da terra e dos arrendamentos, que experimentou queda na década de 1990, passou a subir, beneficiando os proprietários fundiários. Também foi conduzida no Brasil uma política fundiária frouxa que permitiu que o agronegócio se apropriasse das terras ainda disponíveis na fronteira agropecuária.

13O avanço da produção no campo com base no agronegócio tem restrições também em relação ao trabalho, sendo um dos limites para o desenvolvimento segundo Delgado (2010).

Por sua vez, à dinâmica de crescimento da produtividade física da agropecuária nas zonas consolidadas ou nas zonas de incorporação fundiária, não há evidência de correspondência com aumentos de salário, nem tampouco de elevação do emprego de trabalhadores não qualificados, vinculados ao crescimento da produção. [...] Em outros termos, a taxa de salário, o emprego e a massa salarial geradas no processo de produção e exportação de bens primários não crescem ou até decrescem, enquanto que a produção e a exportação das principais cadeias agroindustriais se expandem a elevadas taxas de 8 a 10% a.a. Alguma dinâmica local de criação de novos empregos nas cadeias produtivas em expansão ocorrerá, mas nem de longe se compara com os fenômenos de expansão primária de outras épocas. (p.121).

14O modelo de agricultura do agronegócio está fortemente baseado no uso de um pacote tecnológicos intensivos em maquinaria e insumos, dentre eles os agrotóxicos. O consumo de agrotóxicos tem aumentado juntamente com a ampliação das commodities, em especial soja, cana-de-açúcar, milho e algodão, que em 2015 consumiram 80% de todo o agrotóxico utilizado no Brasil (52% para soja, 10% para a cana-de-açúcar, 10% para o milho e 8% para o algodão), conforme afirma Bombardi (2017). Assim como os agrotóxicos, cuja produção é dominada pelas grandes empresas estrangeiras, o Brasil também depende da importação da maior parte dos fertilizantes químicos. Segundo a FIESP (2020) em 2018 o Brasil importou 83,1% dos fertilizantes químicos que utilizou para a produção agropecuária e a perspectiva é que a quantidade utilizada cresça 40% até 2028, ano em que 84% dos fertilizantes serão importados.

15Esses pacotes tecnológicos (mecanização, engenharia genética e insumos químicos) estão nas mãos de empresas estrangeiras que acabam por cooptar grande parte do lucro do setor, seja no fornecimento de pacotes tecnológicos para a produção (à montante); seja na comercialização, processamento e/ou exportação dos produtos agropecuários (à jusante). Aos brasileiros cabe principalmente a produção “dentro da porteira”, com raras exceções de grupos nacionais, cooperativas e da cadeia de carnes, que conseguem executar também as atividades à jusante, processando e/ou comercializando/exportando diretamente a produção.

Temos uma armadilha grave nesse quadro estratégico. Competitividade externa de “commodities” agrícolas e minerais, apoiada no aumento da produtividade da terra e das jazidas minerais disponíveis, sustenta um fluxo de transações correntes com o exterior dependente de capital estrangeiro. A resultante inevitável é superexploração de jazidas e terras novas e também intensificação do pacote técnico agroquímico nas zonas já exploradas, para obter maior fatia do mercado externo de produtos primários. Esse arranjo não é sustentável, em médio prazo, econômica e ecologicamente. Os tais ganhos de produtividade das exportações de minerais, petróleo, carnes, grãos, etanol etc., deixados a critério estritamente mercantil, tendem a se extinguir no tempo com a dilapidação paulatina dos recursos naturais não renováveis. (DELGADO, 2010, p. 123).

16A tabela 1 apresenta a participação dos setores da economia no Produto Interno Bruto (PIB) nos anos de 2010 e 2019 e os dados corroboram com a tese da desindustrialização precoce. O principal setor da economia e que apresentou o maior aumento entre 2010 e 2019 foi o de serviços. No período, a agropecuária também aumentou sua participação no PIB, embora o aumento tenha sido pequeno. Contudo, a mesma comparação mostra que toda a indústria, em especial a indústria de transformação, perdeu participação no PIB.

TABELA 1 – Brasil – Participação dos setores da economia no Produto Interno Bruto – 2010-2019

TABELA 1 – Brasil – Participação dos setores da economia no Produto Interno Bruto – 2010-2019
  • 2 CEPEA/CNA (2021) utiliza o termo “agronegócio” e assim o caracterizam: “um setor econômico com liga (...)

17Um outro cálculo da participação da agropecuária no PIB brasileiro é desenvolvido por CEPEA/CNA (2021) e inclui, além da produção agropecuária, também os insumos, a indústria e os serviços relacionados com a agropecuária2. Trata-se de considerar a agropecuária uma “indústria motriz” que movimenta a economia antes e depois da atividade principal, qual seja, a produção agropecuária. Segundo esses cálculos a participação do setor no PIB brasileiro foi de 20,5% em 2019, sendo 14,3% do ramo agrícola e 6,2% do ramo pecuário. O mesmo estudo também classifica os 20,5% segundo o setor: 1,0% de insumos; 4,3% da agropecuária (produção em si); 5,7% da indústria e; 9,6% dos serviços. Em 2020, com a crise desencadeada pela pandemia de Covid-19 nos setores da indústria e dos serviços, a participação da agropecuária no PIB brasileiro, segundo CEPEA/CNA, aumentou, e foi de 26,6%.

18O gráfico 1 demonstra que a reprimarização da economia se intensificou a partir de meados da década de 2010. O gráfico compara a participação da “agropecuária + indústria extrativa” e da “indústria de transformação” no PIB brasileiro desde 1996. Uma primeira análise geral do gráfico permite visualizar a tendência de aproximação dos dois dados em questão, o que é característico da reprimarização da economia. Em uma análise mais detalhada podemos observar que: i) a partir de 2009 a “indústria de transformação” entra em queda; ii) a “agropecuária + indústria extrativa” apresenta um movimento de ascensão, aproximando-se bastante da participação da “indústria de transformação” em 2014, quando o país passou a enfrentar uma forte crise política e econômica; iii) no segundo trimestre de 2020, já com reflexos da crise econômica provocada pela Covid-19, a participação da “agropecuária + indústria extrativa” ultrapassou a indústria de transformação em 0,3%; iv) por fim, o último dado do gráfico mostra que, no primeiro trimestre de 2021, já com intenso impacto da pandemia e em decorrência da forte desvalorização do Real frente ao Dólar (gráfico 2), a “agropecuária + indústria extrativa” fica muito à frente da “indústria de transformação” na participação do PIB, sendo 16,2% para a primeira e 10,3% para a segunda, demonstrando a debilidade da indústria de transformação brasileira e reafirmando os produtos primários como opção brasileira.

GRÁFICO1 – Brasil - Participação da “agropecuária + indústria extrativa” e da “indústria de transformação” no PIB – 1996-2021

GRÁFICO1 – Brasil - Participação da “agropecuária + indústria extrativa” e da “indústria de transformação” no PIB – 1996-2021

19A balança comercial brasileira (tabela 2) demonstra que o país está ancorado na economia mundial a partir dos bens primários (agropecuária e indústria extrativa), ambos com saldo positivo semelhantes. Esses dois setores são responsáveis por compensar o saldo negativo da indústria de transformação, cujos valores movimentados são pouco maiores do que a soma dos valores da agropecuária e da indústria extrativa. O PIB do Brasil a preços de mercado (incluindo impostos) em 2019 foi de 7,4 trilhões de Reais, que, convertidos em dólares, totalizaram 1,83 trilhão. As exportações brasileiras representaram 12% do valor do PIB do país; já o saldo positivo da balança comercial representou apenas 1,9% do PIB em 2019. A soma do saldo positivo indústria extrativa e da agropecuária corresponde a 4,27% do PIB brasileiro em 2019. Para o ano de 2020 o PIB do Brasil foi de 7,45 trilhões de Reais (US$ 1,43 trilhão), as exportações representaram 14,6% do PIB e o saldo positivo da balança comercial foi de 3,5% do PIB.

20Os dados da balança comercial deixam claro o tamanho do fosso (SALAMA, 2016) deixado pela indústria de transformação e a dependência do setor primário para sanar este problema. Trata-se de uma forma de inserção na divisão internacional do trabalho cuja alteração requer estratégias e políticas muito fortes e bem estruturadas, mas o Brasil não tem mostrado interesse nem capacidade para tal empreitada; pelo contrário, tem apostado cada vez mais no setor primário.

TABELA 2 – Balança comercial brasileira – 2019-2020

TABELA 2 – Balança comercial brasileira – 2019-2020

21Por ter parte significativa (variedade e quantidade) dos seus produtos agropecuários destinada ao mercado internacional, as dinâmicas de oferta e de preços das commodities e de produtos correlatos para o mercado interno brasileiro sofrem impactos diretos oriundos da demanda internacional e da cotação do dólar. Desde 2018 a cotação do Dólar em Reais tem aumentado constantemente, partindo de cerca de R$ 3,30 em 2018, passando pelo ápice de R$ 5,85 em meados de 2020 e chegando a R$ 5,25 em meados de 2021 (gráfico 2). Se o Dólar é barato, os custos de produção agropecuária (maquinaria, genética, insumos e rações) também são mais baratos, já que são importados ou dependem da importação de componentes. Contudo, o preço conseguido com a exportação das commodities e de produtos correlatos, que dependem delas, a exemplo das carnes, também é menor, pois acompanha o Dólar. Se o Dólar é caro, a produção agropecuária também se torna mais cara, mas os preços conseguidos com a venda das commodities e produtos correlatos são maiores, seja para a exportação ou para o consumo interno. Assim, para os produtores agropecuários há um certo equilíbrio no que diz respeito à variação da cotação do Dólar.

22Contudo, se para a produção agropecuária o aumento da cotação do Dólar não tem grandes impactos, o mesmo não ocorre para o consumidor brasileiro, que sofre impactos negativos decorrentes da desvalorização do Real frente ao Dólar. O mercado interno é o maior consumidor dos gêneros agropecuários produzidos no campo brasileiro e o preço dos alimentos são impactados pelo aumento da cotação do Dólar, já que parte deles está ligada à cadeia de commodities, especialmente a soja e o milho, consumidos como alimento (milho e óleo de soja) ou utilizados como ração animal, especialmente do rebanho leiteiro, de porcos e de aves. Se por um lado o aumento do Dólar provoca a elevação do preço dos alimentos, por outro lado a renda dos consumidores não está atrelada à cotação do Dólar e não aumenta na mesma proporção. Isso gera diminuição do poder de compra dos consumidores e inflação, o que desencadeia aumento de preços de outros bens e serviços que não aqueles relacionados diretamente à agropecuária. Trata-se de um círculo vicioso que corrói a economia e agrava problemas como o da fome e miséria.

GRÁFICO 2 – Evolução da cotação do Dólar em Reais

GRÁFICO 2 – Evolução da cotação do Dólar em Reais

Fonte: https://www.tradingview.com/​. Acesso em: 07/07/2021.

23Adicionalmente, o Governo Federal do Presidente Jair Bolsonaro adotou na Petrobrás a política de atrelamento do preço do petróleo ao preço internacional em Dólar, o que inclui o diesel, utilizado para a produção (máquinas agrícolas) e transporte das commodities e de outros alimentos. Assim, com o aumento da cotação do dólar, ocorreu a elevação vertiginosa do preço dos combustíveis, aumentando, por conseguinte – mas não exclusivamente – os custos da produção e escoamento dos produtos agropecuários.

24O etanol, mesmo não sendo uma commodity e nem um derivado do petróleo, também seguiu o movimento de alta dos combustíveis desencadeado pela política de preços da Petrobrás, contudo, apenas parte do aumento no preço do etanol está relacionado com o aumento dos custos de produção. O que ocorre é que o etanol pega carona no preço da gasolina. Para que o etanol seja economicamente rentável ao consumidor o seu preço precisa ser de no máximo 70% do preço da gasolina; se for superior os consumidores vão optar pela gasolina, mas sempre que for igual ou inferior a 70% os consumidores tendem a optar pelo etanol. Por isso, as indústrias de etanol, as distribuidoras e os postos de combustíveis, independente da margem de lucro ou custos de produção, mantêm sempre o preço do etanol próximo de 70% da gasolina. Assim, o preço do etanol não depende unicamente dos custos de produção, mas do preço da gasolina como referência máxima. Isso permite que os produtores e revendedores tenham sobrelucro com o etanol quando o preço da gasolina sobe e os custos de produção, distribuição e comercialização do etanol permanecem o mesmo. Este comportamento anula qualquer possibilidade do etanol ser um trunfo para o país no que se refere aos preços dos combustíveis e os efeitos deletérios da inflação que geram.

25O exemplo do etanol é bastante ilustrativo sobre o tipo de “contrato” entre o Estado e os grandes produtores agropecuários. Trata-se de um modelo em que os governos/sociedade investem fortemente na produção, mas não possuem controle algum sobre os resultados, que são apropriados pelos empresários de forma livre e extraindo o máximo de lucro possível. O recente aumento vertiginoso do preço dos alimentos básicos no mercado interno decorrente do aumento da cotação do dólar é também um exemplo de incapacidade total do Governo em desenvolver mecanismos para assegurar que crises de acesso aos alimentos não ocorram. As bases do “contrato” entre Estado e produtores deve passar por um ajuste, pois não é possível que a sociedade continue custeando a produção e seja prejudicada no acesso aos produtos. Há algo de muito errado no paradoxo da fome no país que pretende ser a “fazenda do mundo”.

Características gerais do campo brasileiro

26O Brasil possui uma fronteira agropecuária ativa que é um dos elementos mais dinâmicos e importantes para a compreensão do campo brasileiro. Na década de 1970, sob o regime ditatorial militar, foi aberta uma fronteira agropecuária nas regiões Norte e Centro-Oeste, mais especificamente no estado de Goiás, em Mato Grosso, no leste do Pará e em Rondônia. Atualmente essas são áreas de ocupação bastante consolidada pela agropecuária. A produção de algodão e grãos (soja e milho principalmente) se estabeleceu majoritariamente no Cerrado, com a criação e consolidação de um pacote tecnológico eficiente do ponto de vista da produtividade dessas culturas. Já as áreas do bioma Amazônia foram utilizadas majoritariamente para a formação de pastagens para a pecuária bovina, com exceção de áreas de transição entre Cerrado e Amazônia, que também são adequadas ao pacote tecnológico da soja e do milho.

27A fronteira agropecuária iniciada na década de 1970 não parou de se mover, ocupando novas áreas da Amazônia e do Cerrado continuamente. O mapa 2 mostra, através dos dados de desflorestamento dos dois biomas, a localização atual da fronteira agropecuária. Na Amazônia a fronteira agropecuária avança sobretudo no sul do Acre, metade noroeste de Rondônia, metade sudeste do Pará e norte de Mato Grosso, essa última região com vastas áreas de transição entre Cerrado e Amazônia. No Cerrado, uma nova frente ganhou força a partir dos anos 2010 – trata-se da região do MATOPIBA, que recebeu este nome pela junção das siglas dos estados que a compõem: Maranhão (MA), Tocantins (TO), Piauí (PI) e Bahia (BA). A superfície do MATOPIBA é de 73.173.484,58 hectares e corresponde a 35,9% do Cerrado. É nessa região que está grande parte das novas áreas incorporadas ao agronegócio de grãos e algodão, já que trata-se do mesmo bioma para o qual o pacote tecnológico dessas culturas foi desenvolvido, o que permite o rápido estabelecimento do cultivo com resultados produtivos compensadores.

28Entre 2007 e 2019 foram desflorestados no bioma Amazônia 9.198.365 ha. No mesmo período, no Cerrado, que possui área total de 203.644.800 ha, foram destruídos 12.941.590 ha de vegetação natural, dos quais 7.283.806 ha (56,3%) na região do MATOPIBA. Apesar do MATOPIBA ser o foco mais importante de desflorestamento no Cerrado, é importante ressaltar que em regiões de ocupação mais antiga do bioma e que não fazem parte do MATOPIBA, como o noroeste de Minas Gerais, nordeste de Goiás e o Cerrado de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, ainda há atividade significativa de desflorestamento, indicando um processo generalizado de supressão da vegetação natural do Cerrado para a implantação da agropecuária e que é superior àquele verificado na Amazônia.

29Entre 2006 e 2017 os municípios brasileiros que registraram aumento do rebanho bovino tiveram um acréscimo de 17.080.140 cabeças. Deste incremento, 50,3% ocorreu em municípios do bioma Amazônia e apenas 7% em municípios do MATOPIBA, o que confirma a Amazônia como destino principal do rebanho bovino. Também entre 2006 e 2017, os municípios que tiveram aumento na área colhida de soja totalizaram mais 10.995.583 ha, dos quais 31,2% em municípios do bioma Amazônia e 15,3% em municípios do MATOPIBA. No mesmo período, os municípios que tiveram crescimento da área colhida de milho aumentaram o cultivo do cereal em 5.669.816 ha, dos quais 25,5% em municípios da Amazônia e 8% em municípios do MATOPIBA. Em resumo, enquanto a Amazônia é uma fronteira agrícola e pecuária, o MATOPIBA é uma fronteira principalmente agrícola; ambos são fronteiras fundiárias.

30Além do problema do intenso desflorestamento, é necessário considerar que, segundo o MAPA (2019), o MATOPIBA possui 46 unidades de conservação, 35 terras indígenas, 1.053 assentamentos rurais e 36 terras quilombolas. Essa diversidade de sujeitos e de territórios deverá ser considerada cuidadosamente no processo de avanço do agronegócio na região para que as comunidades não sejam prejudicadas ou usurpadas nos seus direitos. O MATOPIBA será nas próximas décadas a região mais dinâmica no desenvolvimento do agronegócio pelo avanço da fronteira agropecuária brasileira e, por isso, será foco de conflitos e debates entre diversos sujeitos locais, grupos nacionais (ruralistas e ambientalistas) e até no cenário internacional, já que é aí que ocorrerá parte importante do aumento da produção de commodities para atender o aumento da demanda interna e mundial.

  • 3 As demais áreas são terras públicas ou estão sob outros usos, como das rodovias, ferrovias, corpos (...)

31O último Censo Agropecuário, realizado em 2017, informou que dos 851 milhões de hectares do país, 351 milhões (41,2%) estavam sob domínio de 4,9 milhões de estabelecimentos agropecuários, 118 milhões em terras indígenas e 152 milhões em unidades de conservação3. Das terras dos estabelecimentos agropecuários, 63,5 milhões de hectares (18,1%) estavam ocupados com agricultura, 159,4 milhões (45,4%) com pastagens, 106,6 milhões (30,3%) com matas e florestas naturais, 8,6 milhões (2,5%) com matas plantadas e 13 milhões de hectares (3,7%) com benfeitorias, corpos d’água e terras inaproveitáveis.

32A prancha 1 mostra a distribuição dos três usos da terra (lavouras, pastagens e matas e florestas). As lavouras estão concentradas na região Sul, no estado de São Paulo (majoritariamente cana-de-açúcar), oeste de Minas Gerais e na região Centro-Oeste, com destaque para Mato Grosso. Em menor grau do que nas regiões elencadas anteriormente, o MATOPIBA também já se destaca pela área de lavouras. As pastagens são bastante reduzidas no estado de São Paulo, pois foram quase totalmente substituídas pelo cultivo de cana-de-açúcar. As pastagens são importantes no sul do Rio Grande do Sul - região dos Pampas -, por toda a área do Cerrado, na faixa costeira que compreende desde o Rio de Janeiro até o norte da Bahia e em uma ampla faixa no sudeste da Amazônia, que vai desde o Maranhão até Rondônia. Nesta última localiza-se a fronteira agropecuária da Amazônia, que é onde mais tem aumentado a área de pastagens.

33O mapa de matas e florestas precisa ser analisado com cuidado: trata-se das áreas de matas e florestas, sejam elas naturais ou plantadas, inclusive para fins comerciais, e que estão dentro dos estabelecimentos agropecuários. Não estão representadas no mapa as matas e florestas em terras públicas, incluindo as terras indígenas e unidades de conservação, que ocupam a maior parte da Amazônia, especialmente a metade noroeste do bioma. Por este motivo, apenas a metade sudeste do bioma, onde foram instalados os estabelecimentos agropecuários, apresenta maiores áreas de mapas e florestas. As matas e florestas estão mais presentes no Cerrado e na Amazônia porque nesses biomas os proprietários de terra são obrigados a manter em suas propriedades reservas florestais nativas de 20% a 35% no Cerrado e de 80% na Amazônia. Mesmo que haja muitos desrespeitos a essa lei, o mapa mostra que há algum resultado positivo de tal determinação.

34Assim como a natureza, a diversidade socioeconômica dos produtores também é notável no campo brasileiro, que abriga desde as mais modernas e capitalizadas empresas até os produtores extremamente empobrecidos e cujos resultados dos estabelecimentos agropecuários não são suficientes sequer para manter o grupo familiar. Tanto a academia quanto os governos levam em consideração a existência de dois tipos de agricultura no país, quais sejam: a agricultura camponesa/familiar e o agronegócio/agricultura capitalista/agricultura patronal. É preciso esclarecer que o que define esses dois tipos de agricultura não é a riqueza ou a pobreza, a tecnologia utilizada ou o que é produzido. O princípio que caracteriza a agricultura camponesa/familiar é a predominância de trabalho da família nos estabelecimentos agropecuários, de forma que tanto agricultores semelhantes aos Family farmers dos EUA ou aos paysans europeus podem fazer parte deste grupo. Já nos estabelecimentos do agronegócio predominam as relações capitalistas com o assalariamento. Conforme mostra o mapa 3, a agricultura camponesa/familiar está concentrada no Nordeste, no Sul e no Norte do Brasil.

35Por 17 anos o Brasil teve dois ministérios que cuidavam cada qual de um desses dois grupos de agricultores: o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que ainda existe e é direcionado principalmente para o agronegócio, e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), criado em 1999 e extinto em 2016, e que era direcionado à agricultura familiar. A justificativa para analisar e governar a agricultura a partir dos dois tipos de estabelecimentos descritos acima advém do fato de que elas possuem funções sociais diferentes: enquanto o objetivo final do agronegócio é o lucro, a agricultura camponesa visa a manutenção do grupo familiar e a terra é lugar de trabalho, produção e reprodução social.

36Em 2017 a agricultura familiar compreendia 76,8% dos estabelecimentos agropecuários, mas detinha apenas 23% da área. No mesmo ano, 67% dos postos de trabalho no campo brasileiro eram gerados pela agricultura familiar, o que representa trabalho para 10,1 milhões de pessoas. Enquanto na agricultura familiar a cada 8 hectares é gerado um posto de trabalho, para o agronegócio são necessários 54,2 hectares para a ocupação de um trabalhador. Quanto a produção, a agricultura familiar é tão eficiente quanto o agronegócio, pois foi responsável por 23% do valor da produção no campo em 2017 - a mesma proporção de terra que detém.

37Se por um lado a agricultura familiar é responsável por uma produção equivalente à proporção das terras que detém e responde pela maioria dos postos de trabalho no campo, gerando mais ocupações por hectare, por outro lado os recursos públicos são apropriados principalmente pelo agronegócio. O Plano Safra 2021/2022 prevê 251,22 bilhões de Reais de recursos públicos para o financiamento agropecuário por meio de crédito rural com juros subsidiados. Deste valor, apenas 39,34 bilhões (15,66%) são destinados para a agricultura familiar. A divisão dos recursos públicos não é sequer proporcional à área que detém a agricultura familiar (23%). Ainda é necessário dizer que o agronegócio tem acesso a financiamento privado, especialmente junto às empresas multinacionais de comercialização e processamento de commodities, o que não é possível para a maior parte dos agricultores familiares. Em suma, há uma forte ênfase no agronegócio em detrimento da agricultura familiar nas políticas para o campo no Brasil.

38Considerando o papel desempenhado pela agricultura camponesa na produção e geração de trabalho, a reduzida quantidade de terra que detém e os recursos proporcionalmente muito inferiores que recebe do Governo Federal, é possível afirmar que a agricultura de base familiar é mais eficiente do que o agronegócio, já que produz proporcionalmente mais com menos recursos. Além disso, socialmente a agricultura familiar é mais importante do que o agronegócio e, por ser mais frágil economicamente, deveria ser protegida e incentivada por políticas públicas mais robustas. Manter esses agricultores no campo, se assim desejarem, é uma oportunidade para um país como o Brasil, que convive com taxas de desemprego de dois dígitos constantemente. Longe de ser uma propositura “socialista” ou utópica, políticas dessa natureza são desenvolvidas em países centrais do capitalismo e o exemplo mais notável é o que ocorre na União Europeia, onde a Política Agrícola Comum (PAC) reconhece a importância dos estabelecimentos familiares/camponeses, já que parte significativa de suas ações são focadas em manter o homem no campo nesses estabelecimentos que, sem os auxílios da PAC, há muito tempo teriam desaparecido.

  • 4 O Índice de Gini mede a concentração da terra e vai de zero até um. Quanto mais próximo de zero, me (...)
  • 5 Sobre a política de assentamentos rurais, ver Girardi (2008, p. 274-292).

39Uma das características estruturais do campo brasileiro é a concentração da terra, que está entre as maiores do mundo e constitui um dos principais elementos que possibilitaram o estabelecimento do agronegócio no país. Em 2017 os estabelecimentos agropecuários com 200 ha e mais representavam 9,3% dos estabelecimentos e detinham 79,5% de todas as terras. O Índice de Gini4 da terra confirma a permanência da concentração fundiária no país. Os seguintes valores foram calculados nos Censos Agropecuários: 1985 = 0,859; 1995/1996 = 0,858; 2006 = 0,865; 2017 = 0,867. Trata-se de uma característica imutável com o tempo e, portanto, uma estrutura sobre a qual se assenta a questão agrária no país. A única ação realizada em toda a história do país para tentar diminuir o cerco à terra foi a política de assentamentos rurais baseada na Constituição Federal de 1988, mas que é muito restrita e conservadora para alterar a estrutura agrária do país.5 O mapa 4 representa o Índice de Gini da terra calculado pelo IBGE a partir dos resultados do Censo Agropecuário 2017: salvo em pequenas regiões, predominam no país médios e altos níveis de concentração fundiária.

  • 6 Ver os Cadernos de Conflitos no Campo da CPT – https://www.cptnacional.org.br/

40Por fim, é necessário dizer que no campo brasileiro ocorrem constantes e numerosos conflitos e violências que derivam da concentração de poder e terra. (GIRARDI, 2019). As dinâmicas do campo brasileiro estão permeadas de ações que visam a manutenção dos grandes estabelecimentos e a incorporação de novas terras de forma concentrada na estrutura fundiária, o que é feito geralmente de forma ilegal e criminosa. Por outro lado, existe um grande número de camponeses que lutam para resistir na terra: lutam contra grileiros que querem expulsá-los de suas terras na fronteira agropecuária; lutam contra o mercado, que remuneram cada vez menos os agricultores por seus produtos; lutam pela criação de políticas públicas adequadas às suas necessidades. Há também aqueles que lutam para ter acesso à terra: são os sem-terra que demandam ao Estado a realização da reforma agrária. Neste processo de resistência e de luta os camponeses sofrem violências físicas, indo desde ameaças de morte até assassinados, os quais são documentados divulgados pela Comissão Pastoral da Terra (CPT)6 da Igreja Católica.

  • 7 Para saber mais sobre essas contradições do campo brasileiro sugerimos a leitura de Girardi e Théry (...)

41Em resumo, é necessário que o leitor esteja ciente de que a produção agropecuária que caracteriza o Brasil como uma potência agrícola e da qual trataremos nos próximos tópicos ocorre em um ambiente socialmente complexo, contraditório e de intensa conflituosidade; que o campo brasileiro não é lugar apenas de modernidade, grandes produções agropecuárias, riqueza e prosperidade, mas convivem fome, degradação ambiental, profundas desigualdades sociais historicamente solidificadas, violências contra os mais fracos, expulsões da terra, lutas de resistência e busca por direitos sociais. Esses problemas não são aprofundados neste artigo porque este não é o foco aqui, mas o leitor deve estar ciente de tais problemas e da complexidade do campo brasileiro7.

PRODUÇÃO ANIMAL

42Para analisar tanto a produção animal quanto a produção vegetal utilizaremos dados dos Censos Agropecuários 2006 e 2017 realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e também a publicação “Outlook FIESP: projeções para o agronegócio brasileiro – 2029” (FIESP, 2020), que apresenta a situação dos principais produtos agropecuários brasileiros em 2019 e faz projeções para o ano de 2029. Essas projeções permitem visualizar o quanto se espera do Brasil no horizonte de dez anos na produção agropecuária e também vislumbrar a dimensão do impacto ambiental e social que o atendimento de tal demanda gerará.

  • 8 Utilizaremos a designação frango para nos referirmos ao conjunto de galos, galinhas, frangos, frang (...)
  • 9 Todos os dados que especificam a porcentagem da produção da agricultura familiar e do agronegócio s (...)

43As principais produções pecuárias do Brasil e que analisaremos com mais detalhes são carne bovina, carne suína, carne de frango, leite de vaca e ovos de galinha. A produção de suínos e frangos8 no Brasil é realizada majoritariamente em sistema intensivo, com alimentação à base de rações de soja e milho principalmente. Em 2017 a agricultura familiar/camponesa9 era responsável por 51,4% do rebanho suíno e por 45,5% do rebanho de frangos, pois são atividades intensivas em trabalho, mesmo com toda tecnologia empregada. Os criadores de porcos e frangos, sejam eles agricultores familiares ou não, o fazem majoritariamente de forma integrada à indústria processadora de carnes, que define todo o pacote tecnológico e a forma de manejo que devem ser utilizados. Ao criador resta seguir este pacote tecnológico e sua remuneração ocorrerá de acordo com a conversão da ração em proteína animal. As empresas frigoríficas gerenciam todo o processo, apenas não criam elas mesmas os animais.

TABELA 3 – Rebanhos e produção animal (produtos selecionados) - 2017

TABELA 3 – Rebanhos e produção animal (produtos selecionados) - 2017

44Antes localizada principalmente no Sul do país, onde a produção de soja teve início, a produção intensiva de porcos e frangos para corte se estabeleceu posteriormente no Centro-Oeste, mais especificamente em Mato Grosso e Goiás. Nesses estados, as mesmas empresas do Sul estruturaram sistemas de criação integrados e instalaram plantas de processamento de carne. Essa expansão ocorreu paralelamente ao aumento da oferta de soja e milho para ração no Centro-Oeste, mesmo que a distância dos principais centros consumidores e portos seja maior: os custos de transporte das carnes processadas é menor do que o que seria necessário para transportar a alimentação.

45Como pode ser visto na prancha 2, não houve um processo de migração, mas sim de expansão dos rebanhos para o Centro-Oeste, já que o Sul e também o Sudeste permanecem com rebanhos importantes. Sobre o mapa do rebanho de “galinhas, galos, frangos, frangas e pintos” é necessário dizer que aí estão incluídas as galinhas destinadas à postura de ovos (detalhes na prancha 3) e, em sendo São Paulo e Espírito Santo grandes produtores de ovos, parte significativa deste rebanho nos dois estados citados é de galinhas para postura e não de aves para o abate. Embora Sul, Centro-Oeste e Sudeste concentrem os rebanhos, a criação de porcos e frangos, intensiva ou extensiva, ocorre também em outros estados. Nos dois mapas da prancha 2 é possível ver que há criação de frangos e porcos por todo o país, mas em algumas localidades há conjuntos de municípios que se destacam: aí estão estabelecidas as criações intensivas. Em todas as outras áreas em que o fenômeno é mais “rarefeito” a criação é feita majoritariamente de forma tradicional, com animais soltos no campo e com alimentação diversificada.

46Segundo a FIESP (2020) em 2019 o Brasil produziu 13.635 mil toneladas de carne de frango (72,8% consumidos internamente) e a previsão é de que em 2029 essa produção seja de 17.264 mil toneladas – crescimento de 26,6% -, dos quais 67,9% serão destinados ao mercado interno. Já sobre a carne suína, em 2019 o Brasil produziu 3.975 mil toneladas, consumiu 78,4% e a previsão de produção em 2029 será de 5.097 mil toneladas (aumento de 28,2%), ficando 75,6% no mercado interno.

47A produção de ovos cresceu 67,9% entre 2006 e 2017, passando de 2,8 para 4,6 bilhões de dúzias. A produção é dominada pela agricultura capitalista, que responde por 87,6% do total produzido. De acordo com a FIESP (2020) a produção de ovos brasileira vai crescer 37,7% entre 2019 e 2029 e, assim como em 2019, praticamente toda a produção continuará sendo consumida pelo mercado interno, sem a necessidade de importação. Diferente da produção de frangos para corte, a criação de galinhas para postura de ovos é feita majoritariamente pelas próprias empresas que vendem os ovos, e também em sistema intensivo. Trata-se de uma atividade muito específica e localizada, como pode ser visto na prancha 3, e que prioriza a proximidade com o mercado consumidor mais do que com a fonte de alimento. Como já mencionado, São Paulo e Espírito Santo destacam-se na produção de ovos.

48Em 2017 os estabelecimentos familiares eram responsáveis por 31% do rebanho bovino, mas produziram 64,2% do leite no Brasil. Isso ocorre porque a atividade leiteira é intensiva em mão de obra, é uma fonte de renda estável e ainda tem como resultado a produção de bezerros, que são criados e engordados para o abate ou são vendidos para que outros façam este processo. Trata-se de uma atividade que vem passando por um processo de intensificação, com melhoria genética, novas técnicas de manejo, suplementação da alimentação com ração e mecanização da ordena: tudo isso reflete na diminuição da margem de remuneração dos produtores e no aumento do preço dos derivados do leite. O aumento do preço da ração (soja e milho) devido a desvalorização do Real frente ao Dólar é um fator que tem interferido diretamente no setor ultimamente. A produção de leite aumentou 46,6% entre 2006 e 2017, passando de 20,6 para 30,1 bilhões de litros.

49Toda a produção de leite brasileira é consumida internamente. Em 2019, quando o Brasil produziu 34.610 mil toneladas de leite e teve que importar outras 928 mil toneladas para o mercado interno. Em 2029 a perspectiva é que sejam produzidas 46.928 toneladas de leite e que seja necessário importar mais 1.066 toneladas para suprir a demanda do mercado interno. O aumento de 35,6% previsto para a produção de leite entre 2019 e 2029 deve ocorrer principalmente pela produtividade, já que a projeção é que o rebanho leiteiro cresça apenas 5%. (FIESP, 2020). Isso demandará a intensificação das melhorias genéticas, de manejo e de utilização de ração na alimentação, o que tende a continuar elevando o preço do leite e de seus derivados. Outro fator que contribuiu e continuará contribuindo para o aumento da alimentação do gado de leite com ração é a perda de pastagens para a cultura de cana-de-açúcar, especialmente no estado de São Paulo e estados vizinhos (ver prancha 7 sobre a expansão da cana-de-açúcar).

  • 10 Trata-se de uma região geoeconômica não oficial que compreende todos os estados da região Sul, todo (...)

50A comparação entre os mapas de leite de vaca (prancha 3) e de bovinos (prancha 4) demonstra que a produção de leite de vaca não coincide com toda a área ocupada pelo rebanho bovino em geral. A produção de leite está concentrada no Centro-Sul10, interior do Nordeste, Rondônia e leste do Pará. Trata-se de uma atividade que tende a estar em regiões de predomínio da agricultura familiar, pela intensividade em trabalho, e mais próxima do mercado consumidor, pois o leite e seus derivados são produtos altamente perecíveis e necessitam de uma rede de refrigeração para conservação e transporte.

  • 11 Hotel para bois. São confinamentos especializados na engorda de gado na etapa final antes do abate. (...)

51A pecuária bovina, em especial o gado de corte, ao contrário da criação de porcos e frangos, ainda é realizada predominantemente de forma extensiva, sendo a pastagem a principal fonte de alimentação. Isso se reflete no uso do solo dos estabelecimentos agropecuários, sendo 159,4 milhões de hectares de pastagens para 172,7 milhões de cabeças de bovinos em 2017, o que perfaz uma média de 1,06 cabeça por hectare. Contudo, a alimentação total ou a suplementação com ração estão crescendo. Dado que comprova este processo é o aumento de 205% da produção de milho forrageiro entre 2006 e 2017, passando de 12,9 mil toneladas para 39,2 mil toneladas. Também tem avançado a prática de finalização da engorda no sistema de boitel11, para que os animais ganhem peso mais rapidamente na última etapa antes do abate. Entre 2006 e 2017 houve diminuição de 1,9% do rebanho bovino brasileiro.

52Em 2019 o Brasil produziu 10.225 mil toneladas de carne bovina, consumiu internamente 77,4% e a previsão é que produza 12.611 mil toneladas em 2029 – crescimento de 23,3% - e consuma 69,9% internamente. A estimativa é que o rebanho aumente menos do que a produção de carne (7,6%) e de que haja diminuição de 3,5% da área de pastagem (FIESP, 2000). Podemos então concluir que a maior parte do aumento da produção será oriunda da melhoria da produtividade de carne por cabeça, o que pressupõe aprimoramento genético, melhoria no manejo e do aumento da alimentação com ração. Segundo o MAPA (2019), o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos projeta o Brasil como o maior exportador de carne bovina em 2028, seguido da Índia, Austrália e Estados Unidos.

Os grandes mercados para a carne bovina são apresentados por China, Estados Unidos, Países da África e Oriente Médio, Japão e Coréia do Sul. Para carne de frango, os principais destinos são Arábia Saudita, Japão, China, Emirados Árabes Unidos e Hong Kong. Para a carne suína, os principais mercados são México, China, Japão, Coréia do Sul e Estados Unidos. (MAPA, 2019, p.69).

53Sobre a diminuição de 3,5% da área de pastagem que prevê o documento da FIESP (2020), é necessário dizer que as pastagens não deixarão de avançar sobre áreas de floresta. Ocorre que parte das áreas que hoje são pastagens tendem a ser ocupadas por lavouras (inclusive destinadas à alimentação dos bovinos) e novas pastagens tendem a ser abertas sobretudo na Amazônia: o que mudará será a localização das pastagens, mesmo que a área total permaneça a mesma ou até diminua em níveis bastante tímidos, como previsto. O Cerrado será cada vez mais ocupado por soja, milho e algodão e as pastagens transpostas para a Amazônia. É a continuação do processo observado entre 2006 e 2017 e que demonstramos no conjunto de mapas deste artigo.

54Os bovinos merecem uma análise mais pormenorizada, pois sua criação ocupa a maior área dos estabelecimentos agropecuários brasileiros, geram o maior impacto ambiental e são um marcador de fronteira agropecuária, ocupando as novas pastagens que são formadas pela derrubada da floresta e para a apropriação fundiária. A prancha 4 mostra que entre 2006 e 2017 o rebanho bovino se deslocou do leste e da metade sul do país para a região Norte e para o oeste da região Centro-Oeste, que inclui o Pantanal, região tradicional de criação e que tem sofrido aumento da pressão antrópica com a substituição da vegetação nativa por pastagens plantadas (GIRARDI; ROSSETO, 2011). Na Amazônia os bovinos avançaram e formam hoje uma reta que vai do centro do Acre até a divisa litorânea entre Pará e Maranhão, que também pôde ser visto no mapa 2, sobre o desflorestamento – trata-se da localização atual da fronteira agropecuária. Se antes a fronteira agropecuária brasileira formava um arco, hoje ela é uma reta. Os dados do Censo Agropecuário de 2017 (prancha 4) deixam claro que os bovinos não ocupam mais apenas as áreas de transição ou as bordas da Amazônia; eles já se encontram em regiões centrais do bioma.

55O MATOPIBA, região de Cerrado, não foi um destino do rebanho bovino, sendo que a expansão da exploração dessa área está baseada no avanço da produção de grãos. A Amazônia, diferente do Cerrado, por ser mais úmida, tem melhores condições para o desenvolvimento de pastagens mais abundantes durante um maior período do ano e também tem menor aptidão para o pacote tecnológico do agronegócio de grãos, desenhado especificamente para o Cerrado, o que se traduz também em terras mais baratas para praticar a pecuária extensiva. Assim, a Amazônia torna-se o foco da expansão da pecuária bovina e o Cerrado é preferido para a expansão do agronegócio de grãos e algodão, embora o rebanho bovino também se expanda para áreas do Cerrado em que o agronegócio de grãos não tem interesse – pelo menos por enquanto. O aumento do rebanho em Santa Catariana e no sul de Minas Gerais está associado à produção de leite.

56O cultivo da cana-de-açúcar expulsou os bovinos do estado de São Paulo e de outros estados vizinhos que possuíam grandes rebanhos de corte e leite. A comparação das pranchas 4 e 7 permite visualizar o processo, pois a região de diminuição de bovinos em Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul corresponde à mesma região de aumento da produção de cana-de-açúcar. Assim, mesmo que o aumento da produção de etanol e açúcar de cana-de-açúcar seja proibido nos biomas Amazônia e Pantanal, a pressão é feita indiretamente, pelo avanço da pecuária bovina sobre esses biomas. Trata-se de uma legislação feita apenas para responder às críticas internacionais sobre a sustentabilidade da produção de etanol.

Produção vegetal

57Como já apresentamos, apenas 18,1% da área dos estabelecimentos agropecuários brasileiros estão ocupados com agricultura e há uma grande área sobre a qual ela pode se expandir, que são aquelas ocupadas pelas pastagens, que perfazem 45,4% dos estabelecimentos. Das pastagens, 11,9 milhões de hectares (7,4% das pastagens) são de pastagens plantadas em más condições e cuja implantação da agricultura pode promover a recuperação. A tabela 4 traz um resumo das principais produções da agricultura, da silvicultura e do extrativismo vegetal. Têm destaque, quanto ao valor da produção, a soja, a cana-de-açúcar, o milho, o café e a madeira em tora.

TABELA 4 – Brasil - Principais produções vegetais - 2017

TABELA 4 – Brasil - Principais produções vegetais - 2017

58A soja é o principal produto agrícola do Brasil e entre 2006 e 2017 a área colhida aumentou 72,6%, alcançando 30,9 milhões de hectares colhidos em 2017, o que representa 48,7% da área de agricultura do Brasil. A agricultura familiar foi responsável por apenas 9,2% da área total colhida em 2017, deixando claro que a soja é um produto quase exclusivo do agronegócio. As projeções da FIESP (2020) são de que a produção de soja aumente 44,3% entre 2019 e 2029 em uma área 23,5% maior e com aumento de 16,8% na produtividade. Em 2019 o Brasil consumiu internamente 39,1% da soja em grãos e a previsão é que em 2029 consuma 36,9% da produção. O país também aumentará a produção (+38,8%) e exportação de farelo de soja, cujo mercado interno foi responsável pelo consumo de 52,7% em 2019 e consumirá 43,7% da produção de 2029. Por fim, o óleo de soja foi em 2019 e será em 2029 consumido majoritariamente pelo mercado interno, que representou 87,9% em 2019 e representará 93,5% em 2029. (FIESP, 2020). Além de ser consumido como alimento, o óleo de soja também é transformado em biodiesel. Em 2019 68% do biodiesel produzido no Brasil utilizou a soja como matéria prima, sendo utilizados para este fim 4 milhões de metros cúbicos de óleo de soja. (ABIOVE, 2021).

59A prancha 5 demonstra onde a soja está estabelecida, com destaque para a região Sul, Centro-Oeste, especialmente Mato Grosso, e a região do MATOPIBA. Poucas regiões tiveram diminuição da área colhida e dentre as regiões com aumento da produção destacamos o leste do estado de Mato Grosso e o MATOPIBA, regiões que têm configurado a fronteira dos grãos no Cerrado. Comparando o mapa da área colhida de soja (prancha 5) e o mapa do rebanho bovino (prancha 4) é possível notar dois fatos: o primeiro é que os bovinos estão muito mais adentrados na Amazônia do que a soja; o segundo é que há um “vazio” de rebanho bovino na região de produção de soja de Mato Grosso e do MATOPIBA, indicando a expulsão dos bovinos dessas regiões, já que não conseguem competir em termos de lucro com a soja. O MAPA (2019) projeta a expansão da soja no período 2019-2029 para os estados do Pará, Rondônia, Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Paraná, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

60O milho é a segunda cultura com maior área colhida no Brasil, com 17,2 milhões de hectares em 2017 e aumento de 48,5% da área colhida entre 2006 e 2017. O milho é colhido em duas safras: em uma mesma área, antes da segunda safra de milho, em geral é cultivada uma primeira safra de soja ou mesmo de milho. Segundo a FIESP (2020) em 2019 a segunda safra foi responsável por 73,8% da produção total de milho no ano. Também em 2019 o mercado interno consumiu 62,2% da produção de milho e a perspectiva é de que esta porcentagem seja de 60% em 2029. No período 2019-2029 há previsão de um aumento de 31,9% da área plantada, 51,1% da produção e 14,6% na produtividade do milho. O MAPA (2019) prevê que a expansão da produção de milho até 2029 ocorrerá sobretudo em Mato Grosso, na Bahia, no Maranhão e em Mato Grosso do Sul.

61Da área colhida de milho em 2017, 20,4% foram colhidos pela agricultura familiar, o que indica que o milho, assim como a soja, é uma cultura majoritariamente do agronegócio. Contudo, a porcentagem de milho colhido pela agricultura familiar é o dobro da soja. Isso porque o milho é um produto versátil nos estabelecimentos camponeses, onde geralmente faz parte do autoconsumo, é utilizado para a alimentação animal, seja em forma de grãos ou de milho forrageiro, e também é vendido. O rebanho bovino leiteiro, que está majoritariamente nos estabelecimentos familiares, é um grande consumidor de ração à base de milho. Disso resulta a diferença entre a distribuição do cultivo de soja (prancha 5) e de milho (prancha 6). O milho, além de coincidir com as áreas que são produtoras de soja, também ocorre de forma dispersa no território brasileiro, porém menos intensa, estando presente por todo o Nordeste e na região Norte, onde é majoritariamente uma cultura em estabelecimentos familiares. Sobre a dinâmica da produção de milho entre 2006 e 2017, o mapa da prancha 6 demonstra que houve diminuição no Nordeste, Sudeste e Sul (exceto no oeste do Paraná) e aumento no Centro-Oeste e, em menor escala, no MATOPIBA, indicando a crescente especialização da cultura pelo agronegócio e diminuição da participação dos estabelecimentos familiares.

62Em 2019 havia 10 milhões de hectares plantados com cana-de-açúcar no Brasil e a perspectiva é que em 2029 haja 10,9 milhões de hectares da cultura. No período a área plantada aumentará 8,3%, a produção 35% e a produtividade 24,6%. (FIESP, 2020). Da área colhida em 2017, a agricultura familiar foi responsável por apenas 3,1%, já que a produção de cana-de-açúcar é dominada pelas próprias usinas e por grandes fornecedores, sendo a segunda cultura com a menor participação da agricultura familiar, atrás apenas do algodão. Contudo, quando analisamos apenas a cana-de-açúcar forrageira, para alimentação animal, a agricultura familiar foi responsável pelo cultivo de 38,5% da área colhida, indicando o uso para alimentação do rebanho bovino de leite.

63A cana-de-açúcar tem como destino principal a produção de açúcar e etanol. Em 2019 34% da cana-de-açúcar foi utilizada para a produção de etanol e 66% para a produção de açúcar. Assim como a soja, a produção de açúcar tem como destino principal a exportação. Em 2019 o mercado interno consumiu 35,9% da produção de açúcar. A perspectiva é que a produção cresça 31,3% até 2029 e que naquele ano o mercado interno consuma 28,9% do produto. A produção de etanol no Brasil é feita majoritariamente de cana-de-açúcar, sendo que em 2019 apenas 4,9% do etanol foi obtido do milho. Em 2019 o mercado interno consumiu 98,9% do etanol produzido e em 2029 a perspectiva é de que o mercado interno ainda seja praticamente o único consumidor do etanol, respondendo por 95,6% do consumo.(FIESP, 2020).

64A cana-de-açúcar é o terceiro produto que ocupa maior área agrícola no Brasil. O cultivo de cana-de-açúcar apropriou-se das melhores e mais caras terras do país, com alta aptidão agrícola e proximidade do mercado consumidor e portos. Essas terras estão principalmente no estado de São Paulo e em áreas de estados vizinhos, onde a cana-de-açúcar praticamente monopolizou o uso do solo agrícola. Atualmente o estado de São Paulo responde por cerca de 50% do setor sucroenergético brasileiro e a região Nordeste ainda mantém sua produção na área tradicional, apesar de algumas perdas no período 2006-2017 (prancha 7) e da produtividade menor se comparada com as áreas produtoras do Centro-Sul. O Centro-Oeste também tem plantas industriais que produzem açúcar e etanol a partir da cana-de-açúcar, mas na região têm sido implantadas indústrias de produção de etanol a partir do milho. Segundo a FIESP (2020), em 2029 10,5% da produção brasileira de etanol será obtida do milho.

65Entre 2003 e 2013 o cultivo de cana-de-açúcar dobrou e se manteve estável desde 2013. Este ciclo de expansão foi motivado por uma forte política do Governo Federal para expandir o setor com base no etanol, difundindo a tecnologia dos caros flex fluel e com o objetivo de transformar o etanol em uma commodity para ampliar a produção e exportação do combustível. Contudo, o objetivo de difundir o uso de etanol em outros países não funcionou. Os Estados Unidos foram o único país que aumentou o consumo de etanol significativamente, passando a produzir o dobro de etanol que o Brasil, mas a partir do milho. A demanda por etanol brasileiro ficou restrita ao mercado interno e, com a crise política e econômica que se instalou desde 2014, a demanda e produção estão estagnadas. O produto da cana-de-açúcar que determina a dinâmica do setor sucroenergético permaneceu sendo o açúcar, commodity cuja produção varia conforme a demanda internacional, ficando o restante da cana-de-açúcar destinado à produção de etanol para o consumo interno.

66A produção de cana-de-açúcar é a atividade mais rentável que existe no campo brasileiro hoje, seja para a usina, para os produtores que fornecem cana-de-açúcar para a usina ou para os proprietários de terra que arrendam áreas para o cultivo da cana-de-açúcar. Os proprietários de terra, sejam eles grandes ou pequenos, tornaram-se rendeiros com retornos monetários que não conseguiriam com nenhuma outra atividade produtiva no campo. Na fase expansiva da cana-de-açúcar (2003-2014) houve conflito e forte concorrência entre o uso da terra para grãos e cana-de-açúcar no estado de Goiás – a cana-de-açúcar saiu “vitoriosa” na disputa, pois seus oponentes (milho e soja) não conseguiram remunerar os proprietários de terra no mesmo nível. O MAPA (2019) prevê que entre 2019 e 2029 a expansão da produção de cana-de-açúcar ocorrerá principalmente em Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e, em um ritmo menor, no estado de São Paulo, já que aí as terras ocupam quase a totalidade da área agrícola.

67A dieta típica do brasileiro inclui arroz e feijão, este último com algumas variedades como feijão preto, feijão verde, feijão fradinho e feijão de cor: designaremos simplesmente feijão ou feijões. Em 2017 a agricultura familiar foi responsável por 48% da área colhida de feijão, por isso a produção ocorre em uma vasta área do território (prancha 8), especialmente em regiões de concentração da agricultura familiar, como o Nordeste e o Sul do país. Especialmente no Nordeste, o feijão é uma cultura de autoconsumo e comercial para os agricultores familiares. Por outro lado, há uma ampla fatia da produção que é realizada pelo agronegócio no Sul, Sudeste e Centro-Oeste. A previsão da FIESP (2020) é que até 2029 a área plantada de feijão diminua em 10,3%, a produção aumente 6,6% e a produtividade cresça 18,9%. Praticamente toda a produção de feijão de 2019 foi consumida internamente, com exportação de 14 mil toneladas (0,46% da produção). Para 2029 há previsão de que a produção interna não suprirá totalmente o mercado interno, sendo necessário importar 11 mil toneladas de feijão (0,34% do consumo interno). (FIESP, 2020).

68Sobre o arroz, apenas 15,9% da área colhida em 2017 ocorreu em estabelecimentos familiares, indicando que ele tornou-se mais um produto dominado pelo agronegócio. Isso faz com que a produção seja concentrada em regiões específicas do país, notadamente no sul do Rio Grande do Sul, onde é cultivado o arroz irrigado. A projeção da FIESP (2019) é de que a área plantada diminua 8,9%, a produção aumente 11,8% e a produtividade cresça 22,8% até 2029. Em 2019 o mercado interno consumiu 99,6% da produção e para 2029 a perspectiva é de que o consumo interno seja de 94,3% e o restante seja exportado. Mesmo que a dieta do brasileiro tenha mudado nos últimos tempos, sendo mais diversificada, o arroz e o feijão ainda são a base da alimentação e as previsões de diminuição da área cultivada e de produção muito próxima do consumo pode gerar problemas no abastecimento caso haja imprevistos como fenômenos climáticos ou variações no mercado agrícola.

69A mandioca (também denominada aipim ou macaxeira) é outro importante componente da alimentação do brasileiro, utilizada diretamente ou transformada em farinha e amido. Por seu fácil cultivo e seus amplos usos na culinária, em 2017 a quantidade produzida de mandioca foi quase o triplo da produção de feijão e pouco mais da metade da produção de arroz. A mandioca é um produto tipicamente da agricultura familiar, pois é cultivado para o autoconsumo e para o mercado nesses estabelecimentos. Em 2017 69,6% da mandioca foi produzida pela agricultura familiar. Dos gêneros agrícolas aqui analisados, a mandioca é o único que é cultivado em todo o território, como pode ser visto na prancha 9. É preciso destacar a importância da mandioca na região amazônica, já que aí a produção é muito maior proporcionalmente à população, como pode ser apreendido na comparação do mapa 1 e do mapa da área colhida de mandioca da prancha 9.

70A produção de trigo ocorre principalmente no Sul do país, onde as condições ambientais são mais adequadas para o desenvolvimento do cereal. Contudo, tem havido desenvolvimento de cultivares adaptados para a produção irrigada no Cerrado, que passou a ser o segundo foco da produção de trigo no Brasil, como pode ser visto na prancha 9. Em 2017 a agricultura familiar foi responsável por 20% da área colhida de trigo. O Brasil é deficitário na produção de trigo, especialmente porque as terras do Sul, onde poderia ser mais cultivado, concorre em área com a soja e o milho, principalmente. A perspectiva da FIESP (2020) é de que no período 2019-2029 a área plantada de trigo aumente 8,2%, a produção 27,8% e a produtividade 18,1%. Em 2019 52,8% do trigo consumido no Brasil foi importado e, mesmo com a previsão de aumento da produção, em 2029 o consumo interno dependerá de 45% de importações.

71O café é o quarto produto agrícola brasileiro em valor da produção e em 2019 o Brasil foi o maior exportador mundial do produto. Entre 2006 e 2017 a produção de café diminuiu 2,7% e em 2017 a agricultura familiar foi responsável por 37,8% produção brasileira de café, pois trata-se de uma cultura intensiva em trabalho. Segundo a FIESP (2020) a produção de café crescerá 40,1% entre 2019 e 2029, sendo que a produtividade aumentará 40,8% e a área plantada diminuirá 2,4%. Em 2019, quando o Brasil produziu 49.309 mil sacas de café, o mercado interno consumiu 47,8% da produção. Em 2029 o Brasil deve produzir 69.101 mil sacas de café e o consumo interno deverá absorver 43,7% da produção. Como pode ser visto na prancha 10, Minas Gerais é o maior produtor de café do país, seguido do Espírito Santo. Também há resquícios da outrora pujante produção cafeeira no estado de São Paulo e no norte do Paraná. Há áreas de cultivo também em Rondônia e na Bahia. Rondônia e Espírito Santo destacam-se pela produção da variedade conilon, enquanto que as outras áreas produzem principalmente o café arábica. Segundo o MAPA (2019) a safra de café de 2019 foi composta por 27,4% de café conilon e 72,8% de café arábica.

72Entre 2006 e 2017 a produção brasileira de laranja aumentou 9,2% e em 2017 apenas 8,2% da produção foi realizada por agriculturas familiares, demonstrando que o cultivo da laranja tornou-se uma importante base do agronegócio. Em 2019 o Brasil produziu 16.714 mil toneladas de laranja e 1.004 mil toneladas de suco de laranja, dos quais 98,5% foram exportados: trata-se de uma cultura voltada quase exclusivamente ao exterior. Entre 2019 e 2029 a produção de laranja deve aumentar 4,5% e o mercado externo deve ser o destino de 95,7% do suco de laranja produzido no país. A laranja brasileira é produzida principalmente no estado de São Paulo, oeste de Minas Gerais, norte do Paraná e em uma pequena área da divisa da Bahia com o Sergipe (prancha 10).

73Depois da laranja, a banana é a fruta com maior produção e valor de produção. Entre 2006 e 2017 a quantidade produzida diminuiu 3,4%. O MAPA (2019) prevê aumento de 6,1% da quantidade produzida de banana entre 2019 e 2029. Diferente da laranja, a banana é consumida principalmente no mercado interno. Em 2017 foram produzidas 4.025 mil toneladas de banana no país e os estabelecimentos familiares foram responsáveis por 48,5% da produção, já que trata-se de uma cultura para autoconsumo e para o mercado. Este fato faz com que a banana seja produzida na maior parte do país, embora haja dois importantes focos de produção: um que se estende do litoral de Santa Catarina até o sul de São Paulo e; outro foco no norte de Minas Gerais e sudoeste da Bahia (prancha 10).

74A produção de fumo apresentou forte redução entre 2006 e 2017, com diminuição de 45% da quantidade produzida. Este fato está relacionado com a diminuição do número de fumantes no país, que fez fortes campanhas antitabagistas e que funcionaram. Contudo, em 2017 o Brasil produziu 610.405 toneladas de fumo em folha seca, das quais 93,6% produzidas pela agricultura familiar. Trata-se de um cultivo muito intensivo em mão de obra e as empresas estabelecem sistemas de “integração” com os agricultores familiares, a exemplo do que é feito com na criação de frangos. Os produtores recebem das empresas de fumo todas as orientações que devem seguir para a produção, cujo resultado já tem destino garantido para a empresa com a qual o produtor firma contrato. A produção ocorre em regiões onde os estabelecimentos familiares são numerosos, especialmente nos três estados do Sul: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná (prancha 11). Segundo a projeção do Ministério da Agricultura (MAPA, 2019) é esperado um aumento da produção de fumo de 14,6% entre 2019 e 2029, quando a produção deverá ser de 883 mil toneladas.

75Entre 2006 e 2017 a produção de algodão aumentou 50,4% e em 2017 a agricultura familiar foi responsável por apenas 0,08% da produção de algodão, indicando que essa cultura tornou-se a mais exclusiva do agronegócio. A FIESP (2020) prevê um forte aumento na produção de algodão no período 2019-2029: crescimento de 53,7% da produção, de 31,1% na área plantada e de 17,3% da produtividade. Em 2019 o Brasil produziu 2.708 mil toneladas de algodão em pluma e deve produzir 4.163 mil toneladas em 2029. O mercado interno consumiu 25,8% do algodão produzido em 2019 e em 2029 o mercado interno deverá absorver apenas 20,1%. Além de específica do agronegócio, o cultivo de algodão ocorre em duas localizações muito específicas: no sul e oeste de Mato Grosso e no oeste da Bahia, sendo esta última área parte do MATOPIBA (prancha 11). Trata-se de uma cultura que exige muito investimento para a produção.

76A produção de madeira para celulose e papel é um dos ramos que mais cresceram no período 2006-2017, com aumento de 85,4%. Trata-se de uma atividade dominada pelo agronegócio de grandes empresas, de forma que apenas 1,56% da madeira para papel no período foi produzida pela agricultura familiar. A perspectiva é que a produção continue a aumentar no período 2019-2029, de acordo com a FIESP (2020): a área aumentará 5,5% e a produção de celulose aumentará 29,9% na década. O consumo interno de celulose representou 17,4% em 2019 e representará 16% em 2029. A produção de madeira para papel, por ser dominada por grandes empresas que fabricam a celulose e o papel, estão concentradas no Sul, oeste de Mato Grosso do Sul e em São Paulo e no Espírito Santo (prancha 11).

Conclusões

77Embora exista uma grande variedade de gêneros agrícolas cultivados no Brasil, neste artigo analisamos aqueles que ocupam a maior parte da área cultivada e que representam os maiores valores da produção agropecuária brasileira, sendo, por isso, os responsáveis pelas dinâmicas mais intensas no campo brasileiro. O cálculo da evolução da área utilizada para o cultivo de arroz, feijão, milho, soja, trigo, cana-de-açúcar, café, laranja, algodão, madeira para celulose e fumo indicam que entre 2019 e 2029 (MAPA, 2019; FIESP, 2020) a agricultura se expandirá sobre mais 15,3 milhões de hectares. Deste total, a soja será responsável por 8,4 milhões de hectares (54,9%). O milho terá aumento de 5,6 milhões de hectares apenas na segunda safra; a primeira safra de milho terá uma pequena diminuição. Assim, o aumento da área de milho utilizará a mesma área que outras lavouras, em especial a soja. Também para o período está projetada uma diminuição de 6,3 milhões de hectares de pastagens, que provavelmente serão substituídas por lavouras. Assim, excluída a segunda safra de milho e a redução das pastagens dos 15,3 milhões de hectares de expansão das lavouras aqui estudadas, ainda temos um saldo de 3,2 milhões de hectares de lavouras que provavelmente serão oriundos, direta ou indiretamente, da incorporação de novas áreas de floresta na agropecuária.

78Se as taxas de desflorestamento da Amazônia e do Cerrado continuarem no mesmo ritmo verificado no período 2007-2019, de 1,8 milhões de hectares por ano, a previsão para 2029 é que tenhamos não só área para os 3,2 milhões de hectares adicionais de lavoura, mas um total de 18,4 milhões de hectares de novas terras disponíveis para a agropecuária. Por isso, mesmo que a previsão da FIESP (2020), que realizou o estudo com base na real necessidade de pastagens, seja de redução das pastagens, tal fato certamente não se concretizará, já que o que temos é uma fronteira fundiária e não só agropecuária. Os agentes da fronteira fundiária avançam na abertura de novas áreas para a formação de fazendas para serem vendidas no futuro; trata-se de uma antecipação territorial e uma forma de pressionar os Governos a realizarem programas de regularização fundiária, inclusive de terras públicas, o que não é senão um roubo legalizado de terras.

79Os relatórios oficiais não mencionam o impacto da expansão da agricultura nas florestas, pois reduzem suas análises à produção agropecuária, não compreendendo outros processos que ocorrem no campo e que também estão relacionados diretamente à produção. A exemplo, o MAPA (2019) afirma sobre a expansão da área de soja:

A soja deve expandir-se por meio de uma combinação de expansão de fronteira em regiões onde ainda há terras disponíveis, ocupação de terras de pastagens e pela substituição de lavouras onde não há terras disponíveis para serem incorporadas. (p. 40).

[…]

Estima-se que a expansão de área deve ocorrer em áreas de grande potencial produtivo, como as áreas de cerrados compreendidas na região que atualmente é chamada de Matopiba, por compreender terras situadas nos estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. O Mato Grosso deverá perder força nesse processo de expansão de novas áreas, devido principalmente aos preços de terras nesse estado que são mais que o dobro dos preços de terras de lavouras nos estados do Matopiba. (p.41)

80Mesmo que não seja mencionado, o desflorestamento e a criação de novas terras é um elemento fundamental para a manutenção do agronegócio, pois atua no mercado de terras baixando o preço da terra e aliviando o investimento necessário. A política agrária e agrícola do Brasil precisaria ser profundamente alterada para que a produção pudesse continuar a expandir com bases um pouco mais sustentáveis, o que não é possível no modelo atual. As previsões sobre o agronegócio são feitas com base no modelo convencional e intensivo em maquinaria e insumos, incluindo os agrotóxicos. O aumento de produtividade, previsto para quase todas as culturas, demandará ainda mais recursos, sejam eles artificiais ou naturais, com a intensificação do uso do solo e dos recursos hídricos. Toda essa expansão em investimentos será demandada ao Governo Federal, que terá que investir mais recursos de forma constante na agropecuária.

81O prognóstico não é nada positivo: o mercado interno continuará consumindo a maior parte da produção, mas há tendência de queda dessa participação em quase todas as produções, o que indica que a agropecuária será cada vez mais voltada para o exterior, mesmo com a contradição do aumento da fome e miséria no país. O mercado internacional continuará demandando produtos agrícolas, o país continuará lastreado no setor primário e fomentará o agronegócio como setor estratégico; consequentemente, os agentes da fronteira agropecuária continuarão o desflorestamento mediante a demanda por terras, as terras públicas sendo usurpadas e o meio ambiente poluído com os produtos químicos necessários à agricultura convencional. Como quase tudo, poderia ser feito de outra forma, mas o arranjo de forças nacionais e até mesmo internacionais confluem para que tudo permaneça no mesmo curso apresentado neste artigo, o que fixará cada vez mais o país em posições inferiores da divisão internacional do trabalho e restringirá o desenvolvimento. Equalizar produção, conservação ambiental e justiça social é o desafio que o Brasil tem que enfrentar na posição que lhe coube na divisão internacional do trabalho, contudo, o país não tem demonstrado empenhos ou interesses para que isso ocorra, mas sim o contrário.

Haut de page

Bibliographie

ABIOVE – Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais. Produção de biodiesel por matéria prima. São Paulo: ABIOVE, 2021. Disponível em: <www.abiove.org.br>.

BOMBARDI, L. M. Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH-USP, 2017.

CARVALHO, D. F.; CARVALHO, A. C. Desindustrialização e reprimarização da economia brasileira contemporânea num contexto de crise financeira global: conceitos e evidências. Revista Economia Ensaios, Uberlândia (MG), n. 26, v. 1, p. 35-64, jul./dez. 2011.

CEPEA/CNA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada / Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária. PIB do agronegócio brasileiro 1996-2020. Piracicaba: CEPEA, 2021. Disponível em <www.cepea.esalq.usp.br>.

DELGADO, G. C. Especialização primária como limite ao desenvolvimento. Desenvolvimento em Debate, v. 1, n. 2, p. 111-125, jan./abr. – mai./ago. 2010.

FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Outlook FIESP – projeções para o agronegócio brasileiro 2029. São Paulo: FIESP, 2020. Disponível em: <www.fiesp.com.br>.

GIRARDI, E. P. Conflits et violences agraires au Brésil. Diplomatie, n. 49, p. 76-79, fev./mar. 2019.

GIRARDI, E. P.; ROSSETO, O. C. Análise da pecuária no Pantanal mato-grossense. Revista Geográfica de América Central, número especial Egal 2011, segundo semestre de 2011, p. 1-16, 2011.

GIRARDI, E. P.; THÉRY, H. Puissance et conflits des agricultores brésiliennes. Outre-Terre, n. 56, p. 159-176, jul. 2019.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIDRA – Sistema IBGE de Recuperação Automática. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em <www.ibge.gov.br>.

INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Terrabrasilis. São José dos Campos: INPE, 2021. Disponível em <www.terrabrasilis.dpi.inpe.br>.

MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do agronegócio: Brasil 2018/19 a 2028/29. Projeções de longo prazo. Brasília: MAPA, 2019.

PELAEZ, V.; SILVA, L. R. da; GUIMARÃES, T. A.; DAL RI, F.; TEODOROVICZ, T. A (des)coordenação de políticas para a indústria de agrotóxicos no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 14, número especial, p. 153-178, jul. 2015.

SALAMA, P. Reprimarização sem industrialização, uma crise estrutural no Brasil. Argumentum: Vitória, v. 8, n. 2, p. 127-139, maio./ago. 2016.

THÉRY, H. Le Brésil: la ferme du monde? Puissance des agricultures brésiliennes. Diplomatie, n. 49, p. 76-79, fev./mar. 2019.

WANIEZ, P. Philcarto. Bordeaux, 2021. Disponível em: <http://philcarto.free.fr> .

Haut de page

Notes

1 BRASIL DE FATO. ONU: insegurança alimentar no Brasil cresce em 3 anos e atinge 43,1 milhões em 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2020/07/13/onu-inseguranca-alimentar-no-brasil-cresce-em-3-anos-e-atinge-43-1-milhoes-em-2019

2 CEPEA/CNA (2021) utiliza o termo “agronegócio” e assim o caracterizam: “um setor econômico com ligações com a agropecuária, tanto a montante como a jusante, envolvendo: produção de insumo para a agropecuária, produção de matérias-primas agropecuárias, processamento dessas matérias-primas e distribuição e demais serviços até o consumo final ou exportação.” Disponível em: https://www.cepea.esalq.usp.br/br

3 As demais áreas são terras públicas ou estão sob outros usos, como das rodovias, ferrovias, corpos d’água e cidades.

4 O Índice de Gini mede a concentração da terra e vai de zero até um. Quanto mais próximo de zero, menos concentrada é a terra; quanto mais próximo de um, mais concentrada é a terra.

5 Sobre a política de assentamentos rurais, ver Girardi (2008, p. 274-292).

6 Ver os Cadernos de Conflitos no Campo da CPT – https://www.cptnacional.org.br/

7 Para saber mais sobre essas contradições do campo brasileiro sugerimos a leitura de Girardi e Théry (2019).

8 Utilizaremos a designação frango para nos referirmos ao conjunto de galos, galinhas, frangos, frangas e pintos no geral ou para a produção de carne. Utilizaremos especificamente galinha apenas quando nos referirmos à produção de ovos.

9 Todos os dados que especificam a porcentagem da produção da agricultura familiar e do agronegócio são do Censo Agropecuário 2017 do IBGE.

10 Trata-se de uma região geoeconômica não oficial que compreende todos os estados da região Sul, todos os estados da região Sudeste, exceto o extremo nordeste de Minas Gerais, o Distrito Federal, os estados de Mato Grosso do Sul e Goiás, o extremo sul de Mato Grosso e o extremo sul do Tocantins.

11 Hotel para bois. São confinamentos especializados na engorda de gado na etapa final antes do abate. Os donos de rebanhos pagam para que o gado fique nas instalações e receba alimentação e outros manejos para que tenham a máxima taxa de engorda e assim possam ser vendidos por um preço maior.

Haut de page

Table des illustrations

Titre MAPA 1
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-1.png
Fichier image/png, 320k
Titre TABELA 1 – Brasil – Participação dos setores da economia no Produto Interno Bruto – 2010-2019
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-2.png
Fichier image/png, 59k
Titre GRÁFICO1 – Brasil - Participação da “agropecuária + indústria extrativa” e da “indústria de transformação” no PIB – 1996-2021
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-3.png
Fichier image/png, 162k
Titre TABELA 2 – Balança comercial brasileira – 2019-2020
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-4.png
Fichier image/png, 90k
Titre GRÁFICO 2 – Evolução da cotação do Dólar em Reais
Crédits Fonte: https://www.tradingview.com/​. Acesso em: 07/07/2021.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-5.png
Fichier image/png, 72k
Titre MAPA 2
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-6.png
Fichier image/png, 595k
Titre PRANCHA 1
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-7.png
Fichier image/png, 483k
Titre MAPA 3
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-8.png
Fichier image/png, 452k
Titre MAPA 4
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-9.png
Fichier image/png, 576k
Titre TABELA 3 – Rebanhos e produção animal (produtos selecionados) - 2017
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-10.png
Fichier image/png, 43k
Titre PRANCHA 2
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-11.png
Fichier image/png, 508k
Titre PRANCHA 3
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-12.png
Fichier image/png, 478k
Titre PRANCHA 4
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-13.png
Fichier image/png, 545k
Titre TABELA 4 – Brasil - Principais produções vegetais - 2017
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-14.png
Fichier image/png, 156k
Titre PRANCHA 5
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-15.png
Fichier image/png, 386k
Titre PRANCHA 6
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-16.png
Fichier image/png, 446k
Titre PRANCHA 7
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-17.png
Fichier image/png, 368k
Titre PRANCHA 8
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-18.png
Fichier image/png, 389k
Titre PRANCHA 9
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-19.png
Fichier image/png, 442k
Titre PRANCHA 10
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-20.png
Fichier image/png, 397k
Titre PRANCHA 11
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/44608/img-21.png
Fichier image/png, 325k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Eduardo Paulon Girardi, « Brasil potência agrícola: dinâmicas recentes, projeções, contradições e fragilidades (2006-2029) »Confins [En ligne], 54 | 2022, mis en ligne le 01 avril 2022, consulté le 24 avril 2024. URL : http://journals.openedition.org/confins/44608 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.44608

Haut de page

Auteur

Eduardo Paulon Girardi

Universidade Estadual Paulista, Campus de Presidente Prudente, eduardo.girardi@unesp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search