Navigation – Plan du site

AccueilNuméros55Imagens comentadasRondônia: imagens da antropização...

Imagens comentadas

Rondônia: imagens da antropização do território 1984-2020

Rondônia : images de l'anthropisation du territoire 1984-2020
Rondônia: images of the territory’santhropisation 1984-2020
Hervé Théry

Résumés

Le texte analyse d’abord l’intégration du Rondônia au territoire national brésilien, puis le mode d’occupation par lequel il est passé, avant d’analyser une série de situations locales en s’appuyant sur des images satellitaires recueillies sur le site Google Earth, qui montre leur évolution de 1984 (ou parfois un peu plus tôt) à 2020.

Haut de page

Texte intégral

1Os geógrafos às vezes têm a possibilidade de ver um território se transformar diante de seus olhos, de mudar profundamente entre o início e o fim de sua carreira, e esta é a sorte que eu tive ao estudar o Estado de Rondônia por quase 50 anos. Foi onde eu fiz minha tese em 1974-1976, voltei muitas vezes desde então, e pretendo fazê-lo no futuro, por mais alguns anos. Vi a floresta amazônica recuar, mas também uma vasta área de produção agrícola sendo estabelecida, cidades nascendo, e o acesso aos países vizinhos sendo criado. O tempo passa tão rapidamente nesta região que minha tese foi traduzida e publicada, 38 anos após ter sido escrita, como um documento já histórico, e na pequena bibliografia final os leitores interessados encontrarão referências a outras publicações (quase todas acessíveis on-line) escritas ao longo de quatro décadas. Isto lhes permitirá, se quiserem, saber mais, já que aqui, em vista da inevitável limitação do espaço disponível em um artigo, foi dada prioridade às imagens.

2Para não entrar nas controvérsias entre partidários do desenvolvimento e da preservação, optei por me concentrar no que o IBGE chama de “antropização” de um território, ou seja, sua transformação pela ação humana, sem falar nem de “desenvolvimento” nem de “devastação”. O mesmo se poderia dizer da evolução de Rondônia, insistindo na criação de espaços produtivos, riqueza e vias de comunicação, e não nos milhares de quilômetros quadrados de florestas primárias que foram derrubadas e queimadas, ou na contração dos espaços deixados às populações indígenas e tradicionais. Abster-me-ei, portanto, de fazer juízos de valor e concentrar-me-ei nas transformações espaciais, na grande inversão que transformou um Território Federal amazônico, organizado ao longo da rede fluvial (e de uma ferrovia), em direção ao norte, em um Estado integrado com o resto do Brasil, predominantemente por uma rede de estradas, em direção ao sul.

3O texto seguinte analisa primeiro a integração de Rondônia ao território nacional brasileiro, depois o modo de ocupação pelo qual passou entre os anos 1980 e 2000 antes de analisar uma série de situações locais baseadas em imagens de satélite coletadas no site do Google Earth, que mostram sua evolução de 1984 (ou às vezes um pouco antes) até 2020.

Integração ao território nacional brasileiro

4O ponto de partida da estruturação do território no Estado de Rondônia é, sem dúvida, a construção da rodovia BR-364. Até este evento só se chegava em Porto Velho de avião, ou de navio, especialmente os navios da Empresa de Navegação da Amazônia-ENASA, que formavam a Frota Branca. Navios com cabines com ar-condicionado e capacidade para até 500 passageiros, fabricados na Holanda e que operaram na linha Belém/Porto Velho até o final dos anos 1960.

Figura 1 Navio da "Frota Branca"

Figura 1 Navio da "Frota Branca"

Fonte: Comunicado por Aldenir Paraguassu

  • 1 Ele nasceu como Território de Guaporé em 1943 e manteve este nome até 1956, passando a ser Estado e (...)

5Quase todo o que era o então Território Federal de Rondônia1 era coberto de florestas onde viviam, além da pequena população urbana em Porto Velho e Guajara Mirim, grupos indígenas, seringueiros, coletores de castanha e garimpeiros, dando aos seus 237 000 km2 baixíssimas taxas de ocupação: em 1950 a sua população era de 39 935 habitantes (densidade de 0,17 habitantes por quilômetro quadrado), em 1970 ainda de 111 064 habitantes (densidade 0,46).

  • 2 1.562.409 no censo de 2010, estimativa do IBGE de 1.815.2478 em 2021
  • 3 Pela estrada estadual 429

6O Estado tem agora quase dois milhões de habitantes2, portanto sua população aumentou quarenta vezes em sessenta anos, e este crescimento está essencialmente ligado à construção da estrada através da qual chegaram centenas de milhares de migrantes. Famílias de agricultores e pecuaristas se estabeleceram desmatando vastas extensões de floresta tropical primária, aldeias rurais e depois cidades de bom tamanho foram criadas, juntamente com uma rede de caminhos e estradas a partir do eixo principal, que ainda é a BR - 364. É em torno desta estrada que se estruturou a organização do espaço da parte central do Estado, seguida pela penetração do vale do Guaporé3, que durante muito tempo era isolado por dificuldade de acesso.

7A construção da rodovia foi decidida pelo Presidente Juscelino Kubitscheck, no dia 2 de fevereiro de 1960, em uma reunião com os governadores dos Estados do norte. Construir a BR-364 ligando Cuiabá à (Porto Velho) e Rio Branco, completaria o eixo Brasília-Acre, simétrico na Amazônia ocidental da Brasília-Belém na Amazônia oriental. Ele declarou que queria inaugurá-la no final de seu mandato, foi obedecido e a estrada foi inaugurada em janeiro de 1961. Durante os anos 60 e 70, o 5º Batalhão de Engenharia e Construção (5° BEC) foi responsável pelo seu reforço, e manutenção e reparação dos danos causados pelas fortes chuvas típicas da Amazônia, tendo sido foi asfaltada em 1983.

8Hoje, como mostrado na Figura 1, a BR-364 é um dos principais corredores Norte-Sul, atravessando regiões de baixa densidade populacional, ligando a Amazônia às demais regiões do país e abrindo-a para os países vizinhos da Venezuela, Bolívia e Peru.

Figura 1 Corredores pioneiros

Figura 1 Corredores pioneiros

9A figura 2 mostra que esta estrada teve um efeito estruturante no noroeste do país: se tomarmos como critério o PIB por quilômetro quadrado, podemos ver que ele desenha um eixo ao longo do qual este é muito mais alto do que as regiões que não atravessa.

Figura 2 PIB e território

Figura 2 PIB e território

Modelos de ocupação

10O efeito tem sido particularmente perceptível, para o melhor ou para o pior, em Rondônia, que ela atravessa de sudeste a noroeste. Antes dela ser aberta, o então Território Federal de Guaporé era inteiramente voltado para o norte, através dos tributários do Rio Amazonas, e seu território era coberto por florestas. Após a consolidação da estrada, foi decidido estabelecer áreas de colonização pública, para as quais milhares de camponeses foram atraídos pela distribuição gratuita de terras.

11A figura 3 mostra que em 1984 seus efeitos já eram visíveis, com a característica estrutura em “espinha de peixe” causada pela distribuição de lotes alinhados ao longo da estrada principal. Em 2020, aquela estrutura espalhou-se pelos dois lados do eixo e o que era uma estreita clareira ao longo da BR- 364, tornou-se uma lacuna muito grande, que ocupa todo o centro do Estado.

Figura 3A expansão da ocupação

Figura 3A expansão da ocupação

12A estrutura de “espinha de peixe” vem do fato de que o INCRA, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, distribuiu parcelas de 500 m por 2 km, com a obrigação de deixar a metade delas na floresta. Os lotes eram alinhados, de costas um com o outro, entre a rodovia principal e as estradas secundárias (linhas), e os ocupantes os desbravavam progressivamente indo da frente para o fundo. Não foram consideradas como de relevância a topografia e hidrografia da região, fato que comprometia a construção das rodovias por obrigar a construir muitas pontes. Pior, alguns lotes eram inviabilizados por falta de água e outros pela ausência dela, fator que facilitou a cessão de lotes à vizinhos mas sortudos nessa loteria.

13A paisagem resultante foi então “listrada” (após alguns anos) por faixas alternadas de terra desmatada e floresta intocada (Figura 4).

Figura 4 O esquema de colonização

Figura 4 O esquema de colonização

14A figura 3 e as imagens regionais abaixo mostram que esta estrutura listrada tem ocupado progressivamente uma parte crescente do território de Rondônia, à medida que a rede viária se desenvolvia. A expansão progressiva da rede viária tem sido o vetor da ocupação do espaço, da qual ele tem sido tanto uma causa como uma consequência: enquanto em 1974 havia apenas duas estradas, a BR-364 e a BR-425 (que substituiu a ferrovia Madeira-Mamoré para ligar Porto Velho à Guajará-Mirim), em 2012 toda uma rede se desenvolveu em torno dela para ampliar progressivamente o eixo central.

Figura 5 A rede rodoviária

Figura 5 A rede rodoviária

15Além disso, estradas de penetrações haviam sido abertas para chegar ao vale do Guaporé-Mamoré a à oeste, que faz fronteira com a Bolívia. Além disso, as estradas principais e secundárias foram ampliadas por inúmeras “linhas” (vicinais), que repetiam ad infinitum a estrutura geometricamente regular dos antigos programas de colonização.

16O influxo de população ligado a esta ocupação progressiva do território também se refletiu na multiplicação do número de Municípios, que foram gradualmente criados à medida que grupos de habitantes pediam para poder administrar a si mesmos. Enquanto historicamente eram apenas dois, hoje são 52, predominantemente espalhados ao longo da BR- 364 e das estradas que divergem dela.

Figura 6 Evolução da população e da malha municipal

Figura 6 Evolução da população e da malha municipal

17Além deste aspecto quantitativo, a figura 7 mostra quanto a natureza da ocupação mudou, pois estas fotografias que comparam a situação em 1974 com a de 2012 ilustram como passou-se de uma frente pioneira ainda precária para uma ocupação mais estabilizada: a estrada foi pavimentada, as pontes alargadas e as casas de madeira construídas apressadamente, deram lugar à cidades cujas aparências não diferem muito de suas equivalentes nas regiões de ocupação mais antiga, mais próximas da costa atlântica.

Figura 7 Evolução paisagística em Rondônia 1974-2012

Figura 7 Evolução paisagística em Rondônia 1974-2012

Evoluções locais

18A fim de observar a evolução local de diferentes partes do território de Rondônia, foi utilizado o software Google Earth, aplicativo desenvolvido e distribuído pela empresa estadunidense do Google. Lançado em 2001, ele é disponível em Freeware online, a sua função é apresentar um modelito tridimensional do globo terrestre, construído a partir de mosaico de imagens de satélite obtidas de fontes diversas, imagens aéreas e GIS 3D.

19A vantagem de sua versão para download sobre o acesso direto via um navegador é que ela inclui uma função que permite voltar no tempo a situações anteriores, providenciando imagens enquadradas exatamente da mesma forma que a atual (Figura 8).

Figura 8 A ferramenta de volta para situações anteriores

Figura 8 A ferramenta de volta para situações anteriores

20Abaixo está uma série de imagens representativas das mudanças no território de Rondônia durante as últimas quatro décadas, cuja localização é mostrada na Figura 9.

Figura 10 Localização das imagens

Figura 10 Localização das imagens

21A série começa com Buritis, porque existe no Google Earth uma imagem de 1975 onde a área é quase completamente intocada, antes de passar à série de imagens cobrindo quase quatro décadas (1984, 1000 994, 2004 e 2014, mais a última situação disponível em 2020), que será usada na maioria das outras imagens.

Figura 10 Buritis

Figura 10 Buritis

22Em 1984 as primeiras “espinhas de peixe” estavam apenas começando a aparecer ao longo de uma única estrada penetrante (BR421), em 1994 elas tinham progredido para a atual sede do município, em 2004 as clareiras tornavam a maioria da imagem. Em 2014 e 2020, restam apenas algumas áreas dispersas de floresta, e na parte sul da imagem o início da terra indígena Uru-Eu-Wau-Wau, de modo que a estrutura listrada desapareceu quase completamente.

Figura 11 Cerejeiras

Figura 11 Cerejeiras

23Cerejeiras está localizada no sudoeste do Estado, na fronteira com a Bolívia (ao sul), entre a Reserva Natural do Parque Estadual de Corumbiara (ao oeste) e a terra indígena Nambikwara (ao leste, a mesma terra estudada por Claude Lévi-Strauss e que ele descreve em Tristes tropiques). Em 1984 as espinhas de peixes eram bem estruturadas por quatro eixos de penetração Norte-Sul, que gradualmente se desvanecem à medida que todo o território é desmatado, ao ponto de ser quase invisível na imagem de 2020.

Figura 12 Costa Marques

Figura 12 Costa Marques

24Costa Marques está localizada às margens do rio Guaporé, que faz fronteira com a Bolívia. Em 1984, este vale ainda estava bem longe do fluxo pioneiro na BR 364 e na imagem pode-se apenas observar o traçado da BR 429 que foi aberta para atingir este vale, antes intacto. A partir de 1994, as clareiras foram estruturadas em torno das estradas secundárias que foram abertas perpendicularmente a ela e que eventualmente permitiram um desmatamento quase completo, com exceção de algumas áreas protegidas nas margens do Guaporé. Ao Noroeste está o principal grupo dessas unidades em todo o Estado, combinando o Parque Nacional da Serra da Cutia, as terras indígenas de Uru-Eu-Wau-Wau e Pacaas Novas e a Reserva Extrativista do Rio Ouro Preto. Esta é a única grande mancha verde que resta em toda a imagem de Rondônia, os últimos remanescentes da floresta primária que cobria quase todo o Estado até os anos 70.

Figura 13 Cujubim

Figura 13 Cujubim

25Cujubim está localizada no outro lado do Estado, ao leste da BR 364. Em 1984 a área ainda estava totalmente coberta por floresta, em 1994 as clareiras chegaram à sede atual do Município. Os traçados irregulares que sugerem uma ocupação espontânea e menos estruturada pelas linhas retas, resultantes ou inspiradas pela colonização pública. Estes, já presentes no Oeste (na borda da bem preservada Floresta Nacional do Jamari), aparecem em 2004 no lado leste e orientam o desmatamento de terras que gradualmente faz desaparecer toda a floresta.

Figura 14 Machadinho d'Oeste

Figura 14 Machadinho d'Oeste

26Machadinho d'Oeste faz parte uma área que de fato foi totalmente desmatada no flanco ocidental do Estado, com exceção de alguns blocos de terras protegidas. Aqui as pistas são muito irregulares e progridem à partir de algumas estradas já abertas na imagem de 1984, à partir das quais as clareiras progridem, sem a regularidade geométrica observada em outras partes de Rondônia. Sua população continua a crescer, com uma estimativa de 41.000 habitantes em 2021, contra 31.000 no censo de 2010. Pouco mais da metade dos Machadinhenses vivem na cidade e a aglomeração urbana é claramente visível na imagem, embora não possa competir com a da imagem seguinte.

Figura 15 Cidades principais

Figura 15 Cidades principais

27Comparando as imagens Google Earth das três cidades (Guajará-Mirim, Porto Velho e Ji-Paraná) em 1984 e 2020, mostram que elas evoluíram de formas muito diferentes (Figura 15). A que menos evoluiu é foi Guajará-Mirim, com sua cidade irmã boliviana do outro lado do Guaporé, Guayaramerín. Ela cresceu um pouco em ambos os lados de seu eixo central, sua população estimada em 2021 é de 40.174 habitantes.

28Porto Velho cresceu muito mais, o que é normal para a capital de um Estado onde a população tem aumentado tanto. Cresceu em todas as direções, ao norte e ao sul ao longo do rio Madeira, e ao leste, ao longo da BR 364. Outra mudança é a barragem de Santo Antônio, que foi construída no salto que levava o mesmo nome: ela está visível na imagem de 2020 (em baixo à esquerda).

29O crescimento mais espetacular é o de Ji-Paraná, que se tornou a segunda cidade mais populosa do Estado com mais de 130.000 habitantes. A modesta cidade nascida ao redor da estação telegráfica instalada entre Cuiabá e Porto Velho pelo futuro marechal Rondon, cresceu de forma espetacular com a chegada de migrantes na BR 364. Foi sucessivamente chamada Vila Urupá, Presidente Penna e Vila de Rondônia antes de receber seu nome atual em 1977, quando se tornou um Município independente e a metrópole indiscutível da nova região pioneira.

Figura 16 Ariquemes

Figura 16 Ariquemes

30Ariquemes é hoje a terceira cidade mais populosa do Estado, com pouco mais de 111.000 habitantes em 2021, o que é tanto mais espetacular quanto foi criada somente em 1977 com a transferência de um pequeno distrito de Porto Velho da margem do Rio Jamari para a beira da BR 364: isto explica por que não aparece na imagem de 1975.

31Depois cresceu rapidamente com o afluxo de migrantes da estrada, como mostra a sequência de imagens das décadas seguintes. No entanto, o seu crescimento foi por um tempo, freado por uma epidemia de malária, que lhe deu o apelido de “Aqui treme-se”.

32Ainda mais espetacular, embora não tenha dado origem a uma grande cidade, é o caso da rede urbana que surgiu na parte sul da região pioneira, em torno de Rolim de Moura

Figura 17 Região de Rolim de Moura

Figura 17 Região de Rolim de Moura

33Esta parte do território de Rondônia foi inteiramente estruturada de acordo com a grade ortogonal inicialmente adotada nas áreas de colonização pública e repetida ad infinitum (para não dizer ad nauseam) em toda a região. A sequência de imagens na Figura 17 mostra como foi criado o padrão de ocupação descrito acima, inicialmente dando uma paisagem listrada de verde e amarelo. A ocupação e o desmatamento cada vez mais completo das parcelas de terra fez com que praticamente desaparecesse, com exceção das escassas parcelas ainda florestadas. Seu traço permanece, no entanto, no traçado das estradas e na localização das cidades e vilarejos.

Figura 18 Rodovias e sedes municipais

Figura 18 Rodovias e sedes municipais

34Na figura 18 foi acrescentada a grade de estradas e os nomes de lugares disponíveis no Google Earth, o que mostra que ao sudoeste da BR 364 (a rota sinuosa à direita da imagem) é a grade muito regular de estradas secundárias e vias secundárias que tem prevalecido na maior parte do tempo, com traçado perfeitamente retos. As sedes dos Municípios estão logicamente localizadas nos cruzamentos dessas estradas, com predominância do Município central, Rolim de Moura, que hoje conta com mais de 55.000 habitantes.

Conclusão

35O processo de ocupação de Rondônia nesses anos foi decorrente de uma política pública de colonização intensa e executada “a qualquer custo”. As escolhas feitas implicavam em completa transformação da paisagem, a nova sociedade de migrantes não poderia reproduzir o modelo extrativista até então predominante, por razoes econômicas e culturais, na época a floresta ainda era vista como um problema a ser vencido par se alcançar o dito “desenvolvimento”

36A análise do caso de Rondônia, além de seu próprio valor monográfico, vem do fato de que é muito raro, no mundo poder observar de forma tão clara a gênese de um território, através da tomada de posse e estruturação de um espaço até então praticamente (mas não completamente) vazio, ou pelo menos com densidades de ocupação extremamente baixas. Isto obviamente não é possível no velho mundo europeu ou asiático, ou mesmo na maioria das regiões africanas, onde milhares de anos de ocupação humana transformaram a paisagem em um palimpsesto indecifrável, tão frequentemente tem sido retrabalhada.

37Neste caso, as estruturas que são implantadas são totalmente claras e é curioso que se encontre regularidades e configurações espaciais já observadas em outras frentes pioneiras no mundo, por exemplo, no Middle West dos Estados Unidos, que também é estruturado por uma malha ortogonal de estradas e propriedades com contornos geométricos. É até possível encontrar em uma única geração malhas como a detectada por Walter Christaller na planície bávara, onde foram o resultado de séculos de ocupação agrícola e urbana. O caso de Rondônia dá à geografia regional um valor quase experimental na medida em que podemos ver a implementação de formas geralmente deduzidas, na geografia geral (rural e urbana) de modelos teóricos: em Rondônia podemos observá-las a olho nu, ou pelo menos sob o olho dos satélites.

Outras publicações do autor

  1. Théry, Hervé, Rondônia, mutations d'un territoire fédéral en Amazonie brésilienne, Thèse de IIIe cycle, École Normale Supérieure, 1976, 309 pages. Version révisée et complétée mise en ligne en 2011, http://tel.archives-ouvertes.fr/​tel-00573787/​fr/​

  2. Théry, Hervé,« Colonisation et élevage en Rondônia », in Amazonies Nouvelles, Travaux et Mémoires de l'Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine n° 30, pp. 157-164, IHEAL, 1977, https://books.openedition.org/​iheal/​7104

  3. Théry, Hervé,« Routes transamazoniennes et réorganisation de l'espace, le cas du Rondônia », pp. 5-22, n° 133, Cahiers d'Outre-Mer,1981, https://www.persee.fr/​doc/​caoum_0373-5834_1981_num_34_133_2967

  4. Théry, Hervé,« Routes et déboisement en Amazonie brésilienne, Rondônia 1974-1996 », pp. 35-40, n° 97/3, Mappemonde, 1997, https://halshs.archives-ouvertes.fr/​halshs-00258034 ou http://www.mgm.fr/​PUB/​Mappemonde/​Mappe397.html

  5. Théry, Hervé,Rondônia mutações de um Território federal na Amazônia federal, SK Editora, Curitiba,2012. 304 p.

  6. Théry, Hervé, « Rondônia quarante ans après, images d’hier et d’aujourd’hui » (27/11/2012), carnet de recherche Braises,https://braises.hypotheses.org/​285

Haut de page

Notes

1 Ele nasceu como Território de Guaporé em 1943 e manteve este nome até 1956, passando a ser Estado em 1982.

2 1.562.409 no censo de 2010, estimativa do IBGE de 1.815.2478 em 2021

3 Pela estrada estadual 429

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Navio da "Frota Branca"
Crédits Fonte: Comunicado por Aldenir Paraguassu
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-1.png
Fichier image/png, 67k
Titre Figura 1 Corredores pioneiros
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 499k
Titre Figura 2 PIB e território
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 382k
Titre Figura 3A expansão da ocupação
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 684k
Titre Figura 4 O esquema de colonização
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Titre Figura 5 A rede rodoviária
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 223k
Titre Figura 6 Evolução da população e da malha municipal
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 333k
Titre Figura 7 Evolução paisagística em Rondônia 1974-2012
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 437k
Titre Figura 8 A ferramenta de volta para situações anteriores
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-9.png
Fichier image/png, 31k
Titre Figura 10 Localização das imagens
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 497k
Titre Figura 10 Buritis
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 775k
Titre Figura 11 Cerejeiras
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 656k
Titre Figura 12 Costa Marques
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 535k
Titre Figura 13 Cujubim
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 549k
Titre Figura 14 Machadinho d'Oeste
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 766k
Titre Figura 15 Cidades principais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Figura 16 Ariquemes
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 800k
Titre Figura 17 Região de Rolim de Moura
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 815k
Titre Figura 18 Rodovias e sedes municipais
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/45540/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 668k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Rondônia: imagens da antropização do território 1984-2020 »Confins [En ligne], 55 | 2022, mis en ligne le 18 juin 2022, consulté le 02 octobre 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/45540 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.45540

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

Directeur de recherche émériteau CNRS-Creda e Professor na Universidade de São Paulo (USP-PPGH), hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC BY-NC-SA 4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International - CC BY-NC-SA 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search