Navigation – Plan du site

AccueilNuméros4Estudo comparativo dos elementos ...

Estudo comparativo dos elementos do Balanço Hídrico Climatológico para cidades de São Paulo e para Paris

Étude comparative des éléments du bilan hydrique climatologique pour deux villes de l’État de São Paulo et pour Paris
Comparative study of the elements of the climatic hydraulic balance for two cities of São Paulo State and Paris et Emerson Galvani

Résumés

Cet article présente les résultats de l’application de la méthodologie Gaussen (Bagnouls, Gaussen, 1962) et du bilan hydrique climatologique (Thornthwaite, Mather, 1955) appliquée à deux localités du Brésil (São Paulo et Piracicaba, SP) et de Paris, en France. Les données moyennes normales des attributs climatiques (température et précipitations) sont travaillées. Les résultats montrent que la méthodologie de Gaussen répond mieux à la classification des périodes de l'année où les précipitations sont les plus fortes par rapport à celles où les précipitations sont plus faibles ou proches de la limite numérique de la classification proposée par les auteurs.

Haut de page

Texte intégral

1Os estudos voltados à caracterização de períodos denominados de “secos” ou “úmidos” ganharam importância a partir da proposta de F. Bagnouls e H. Gaussen em 1953 onde foi proposto um índice que indica em função da variação média anual da temperatura do ar e da precipitação, os meses secos e úmidos. A proposta inicial estabeleceu alguns critérios para determinação dos meses secos, sendo mês seco aquele no qual: a) registram-se menos de 10 mm de chuva, a uma temperatura média inferior a 10 oC, b) registram-se menos de 25 mm de chuva, a uma temperatura média compreendida entre 10 a 20 oC, c) registram-se menos de 50 mm de chuva, a uma temperatura média compreendida entre 20 a 30 oC e; d) registram-se menos de 75 mm de chuva, a uma temperatura média superior a 30 oC. Esta definição descontínua exprime-se, no entanto de forma contínua, por meio de uma reta indicando que mês seco é considerado aquele em que o total mensal das precipitações (quantificada em mm) é igual ou inferior que o dobro da temperatura média (expressa em graus Celsius), ou seja, matematicamente expressa-se como sendo: , onde P é a precipitação e T a temperatura do ar.

2Os climogramas ombrotérmicos (ombro=chuva, térmico=temperatura), como passaram a ser chamados, são concebidos da seguinte forma: nas abscissas (eixo do x), colocam-se os meses do ano e nas ordenadas (eixo do y), à esquerda os valores de temperatura do ar e, à direita os valores das precipitações. O valor das precipitações deverá ser o dobro do atribuído à temperatura respeitando-se as devidas proporções. Traçadas as curvas (T em linha pontilhada e P em linha sólida) quando a ômbrica (chuva) passar abaixo da térmica (temperatura), isso indicará o período seco (mês seco). Essa metodologia de classificação do período seco/úmido serviu de base para uma vasta bibliografia acerca dos domínios bioclimáticos do globo e fornece de maneira simplificada a relação entre os atributos temperatura e precipitação e as exigências climáticas do local. Importante ressaltar que o climograma ombrotérmico de Gaussen, como se tornou conhecido apresenta uma caracterização mais ecológica/bioclimatológica do que do ponto de vista agronômico/agrometeorológico/físico, visto que não quantifica numericamente o quanto seco/úmido é o clima da região. Este método permite ainda avaliar a duração da estação seca daquela região em número de meses secos.

3O balanço de água no solo, conhecido e reconhecido, nacional e internacionalmente, como balanço hídrico é a contabilização da água do solo, resultante da aplicação do princípio de conservação de massa num volume de solo vegetado. A variação de armazenamento de água no volume considerado (ARM), por intervalo de tempo, representa o balanço entre o que entrou e o que saiu de água do sistema.

4Como a chuva é expressa em milímetros, isto é, em litros de água por metro quadrado de superfície, para facilitar a contabilização do balanço hídrico, adota-se também uma área superficial de 1 m2 para o volume de controle. Portanto, o volume de controle torna-se uma função apenas da profundidade do sistema radicular das plantas. Admite-se que esse volume de controle seja representativo de toda a área em estudo. Genericamente o balanço hídrico de uma área vegetada pode ser representado pela Figura 1:

5ENTRADAS: SAÍDAS

6P = Precipitação (+ Orvalho) ET = Evapotranspiração

7I = Irrigação Es = Escoamento Superficial (saída)

8Ee = Escoamento Superficial (entrada) DLs = Drenagem Lateral (saída)

9DLe = Drenagem Lateral (entrada) DP = Drenagem profunda

10AC = Ascensão Capilar

Figura 1. Representação esquemática dos fluxos do balanço hídrico indicando as possíveis entradas e saídas de água de um volume de controle

Figura 1. Representação esquemática dos fluxos do balanço hídrico indicando as possíveis entradas e saídas de água de um volume de controle

Compilado de Pereira et al., 2002

11A chuva e o orvalho dependem do clima da região, enquanto que as demais entradas dependem do tipo de solo e de relevo. O orvalho representa uma contribuição com ordem de magnitude muito pequena (no máximo 0,5mm/dia), muito menor que o consumo diário de uma vegetação em pleno crescimento ativo. Nessas condições, sua contribuição é mais importante no aspecto ecológico, sendo desconsiderado para o cálculo do balanço hídrico. As entradas e saídas por escoamento superficial (Ee e Es) e drenagem lateral (DLe e DLs) tendem a se compensar pois o volume de controle adotado é pequeno (1m2x profundidade efetiva do sistema radicular), nessas condições o balanço hídrico pode, então, ser expresso da seguinte forma:

12ARM = P + I - ET + AC - DP (1)

13A precipitação (P) e a irrigação (I) podem ser medidas facilmente. A ascensão capilar (AC), que ocorre em períodos secos, e a drenagem profunda (DP), que ocorre em períodos chuvosos, podem ser determinadas utilizando-se conhecimentos de física de solos. E por fim, a evapotranspiração (ET) pode ser determinada pelos diversos Métodos ou modelos matemáticos presentes na literatura. O volume de controle é, portanto, determinado pelo conjunto Solo-Planta-Clima. Em solos profundos sob alta demanda atmosférica, as raízes das plantas se desenvolvem explorando um volume maior de solo, na procura por mais água, visando atender a demanda. Nessa situação, as plantas investem na formação do sistema radicular como modo de garantir sua sobrevivência. Por outro lado, se a demanda atmosférica (necessidade de água da atmosfera que depende do clima do local) for baixa, um volume menor de solo será suficiente para atendê-la. De modo geral, nos solos argilosos, com maior capacidade de retenção de água, as raízes não necessitam se aprofundar tanto quanto em solos arenosos, que retêm menor quantidade de água (Pereira et al., 2002).

  • 1 A Capacidade de Água Disponível é considerada como sendo aquela água retida no solo entre as umidad (...)

14O balanço hídrico climatológico, desenvolvido por Thornthwaite e Mather (1955) é uma das várias maneiras de estimar o armazenamento médio de água do solo ao longo do tempo. Partindo-se do suprimento natural de água ao solo, simbolizado pelas chuvas (P), e da demanda atmosférica, simbolizada pela evapotranspiração potencial (ETP), e com uma capacidade de água disponível (CAD) apropriado1, o balanço hídrico climatológico fornece estimativas da evapotranspiração real (ETR), da deficiência hídrica (DEF), do excedente hídrico (EXC) e do armazenamento da água no solo (ARM). Para que não haja nem excesso nem deficiência hídrica, a chuva (P) deve ser igual a ETP. Portanto a ETP representa a chuva ideal (que deveria entrar no volume de controle). Essa situação só acontece esporadicamente em alguns períodos. Em algumas regiões há excesso praticamente o ano todo, enquanto que em regiões áridas e semi-áridas isso nunca ocorre. Em regiões tropicais, é mais comum haver excesso numa época, e deficiência em outra.

15 O balanço hídrico climatológico apresenta uma série de aplicações que as diferenciam do climograma ombrotérmico de Gaussen, a destacar: a) Comparação da disponibilidade hídrica regional com outras áreas, o que não é possível com os diagramas de Gaussen; b) Caracterização de períodos secos e seus efeitos na agricultura, como redução da produção e impactos sociais; c) Zoneamento Agroclimático classificando as regiões em função dos elementos do balanço hídrico como sendo apta, marginal ou inapta em função das exigências térmicas e hídricas de um determinado cultivo; d) Determinação das melhores épocas de semeadura indicando qual época é menos sujeita a restrições hídricas para a cultura em questão, e) Comparação entre os anos padrões denominados normais com aqueles denominados secos e/ou úmidos e; f) avaliação quantitativa das deficiências e excedentes hídricos permitindo uma comparação da intensidade da estação seca.

16Os objetivos do trabalho são: a) Avaliar os totais mensais e anuais de precipitação e temperatura do ar em São Paulo, SP e Paris, Fr; b) Efetuar o Balanço hídrico Climatológico para as localidades de São Paulo e Piracicaba, SP, e Paris, Fr, c) Comparar as deficiências e os excedentes hídricos observado nas duas localidades, e d) Comparar os resultados obtidos pela metodologia de Gaussen e Thornthwaite e Mather na classificação de meses considerados secos e úmidos.

Material e Métodos

O Climograma de Gaussen

17O Climograma de Gaussen é avaliado a partir dos valores de temperaturas médias mensais e dos respectivos totais de precipitação. É considerado , onde P é a precipitação e T a temperatura do ar. Os dados dos atributos do clima para a localidade de São Paulo, SP, foram obtidos junto as Normais Climatológicas fornecidas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (INMET, 1992). Para a localidade de Paris, França, os dados foram obtidos junto ao sítio <http://www.meteofrance.fr> acessado em dezembro de 2007 e para a localidade de Piracicaba, SP, a fonte de dados foi o sítio do Departamento de Ciências Exatas da ESALQ/USP (Escola Superior de Agricultura “Luis de Queiroz”/Universidade de São Paulo (<http://ce.esalq.usp.br/​bhbrasil/​>).

O Balanço Hídrico

18O Balanço Hídrico Climatológico foi determinado a partir da proposta de Thornthwaite e Mather (1955). Detalhes acerca destes procedimentos podem ser obtidos em Pereira et al. (2002). A fonte de dados para elaboração do Balanço hídrico climatológico foi a mesma dos dados utilizados para o climograma de Gaussen. O período de dados trabalhados para a cidade de São Paulo foi de 1961 a 1990, para localidade de Paris entre os anos de 1977 a 2000 e para a localidade de Piracicaba, SP, os anos de 1917 a 2000. As coordenadas das localidades estudadas são: São Paulo, SP: Latitude de 23,55º S, Longitude de 46,60º W e, Altitude de 732 m acima do nível médio do mar; Paris, Fr: Latitude de 48,87º N, Longitude de 2,33º E e, altitude de 66 m e Piracicaba, SP: Latitude de 22,60º S, longitude de 47,63º W e altitude de 490 m.

19O balanço hídrico foi calculado com o uso do macro desenvolvido no programa ExcelTM conforme metodologia apresentada por Rolim et al. (1998). Esse aplicativo permite de forma simples e rápida a realização do balanço hídrico climatológico tendo como variáveis de entrada a precipitação, a temperatura do ar, a latitude do local e a capacidade de água disponível (CAD) que se deseja trabalhar.

20Na discussão dos resultados quando a referência for a metodologia de Gaussen será adotado o termo mês seco/úmido e, quando os resultados forem do balanço hídrico climatológico será utilizado o termo deficiência/excedente hídrico.

Resultados e discussão

21Observa-se pela análise da figura 2 que a cidade de São Paulo, SP, dentro da terceira média climatológica (1961-1990) apresenta apenas o mês de agosto como sendo um mês seco, pois a linha ômbrica fica abaixo da linha térmica. Por essa proposta não é possível quantificar o quanto seco é o mês de agosto apenas indica-se que este é um mês seco.

22O que se pretende neste esboço é demonstrar que dependendo da finalidade do seu trabalho o diagrama de Gaussen pode fornecer de maneira simplificada uma caracterização do regime hídrico/térmico da região, dispensando o uso de metodologias mais complicadas como a que trataremos a seguir.

Figura 2: Representação dos elementos do clima temperatura (oC) e precipitação (mm) segundo a proposta de Gaussen indicando o mês considerado seco (São Paulo, SP, 1961-1990).

Figura 2: Representação dos elementos do clima temperatura (oC) e precipitação (mm) segundo a proposta de Gaussen indicando o mês considerado seco (São Paulo, SP, 1961-1990).

Observe que a escala de “Y” a direita é o dobro da escala de “Y” a esquerda.

23Após a contabilização de todos os elementos do balanço hídrico conforme metodologia descrita inicialmente por Thornthwaite e Mather (1955) é possível obter os valores mês a mês (ou em períodos menores de cinco a dez dias) das condições reais de água no solo. Lembrando que o balanço hídrico pode ser efetuado com os valores médios normais da localidade, ou para um ano específico, ou apenas um determinado período do ano (verão, inverno,...).

24O balanço hídrico climatológico resulta em quadro com as seguintes informações: T é a temperatura média do mês; P é a precipitação média do mês, ETP é a evapotranspiração potencial, P-ETP é a diferença entre a coluna precipitação e a evapotranspiração, NEG.AC é o negativo acumulado de água no solo, ARM é o armazenamento de água no solo, ALT é a alteração entre o ARM do mês atual e o ARM do mês anterior, ETR é a evapotranspiração real, DEF é a deficiência e EXC é o excedente hídrico (Ometto, 1981).

Tabela 1: Resultado da elaboração do Balanço Hídrico Climatológico para São Paulo, SP,.

Tabela 1: Resultado da elaboração do Balanço Hídrico Climatológico para São Paulo, SP,.

Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). São Paulo, SP, 1961-1990. Fonte: INMET, 1992 (em vermelho deficiência hídrica e em azul excedente hídrico)

25Observa-se na tabela 1 que o total acumulado da deficiência hídrica em São Paulo é 7,3 mm, sendo os meses de abril, maio e julho a setembro considerados meses com deficiência hídrica. O excedente hídrico anual totaliza 432,1 mm compreendendo os meses de outubro a março. Essa é uma característica de climas do tipo tropical onde cerca de 70% das precipitações ocorrem entre outro a março e os demais 30% de abril a setembro. A figura 3 representa os valores de deficiência e excedente hídrico para a localidade de São Paulo.

26A análise da tabela 1 e da figura 3 nos permite avaliar o período denominado seco em São Paulo, SP, iniciando-se em abril e se prolongando de forma moderada até setembro. Enquanto a proposta de Gaussen apresenta apenas um mês seco (figura 1) é possível identificar no mínimo cinco meses com deficiência hídrica (meses secos) com uso da proposta de Thornthwaite e Mather (1955). Podemos dizer que a proposta de Thornthwaite e Mather apresenta-se mais sensível às variações do regime térmico e hídrico, uma vez que considera, não somente as entradas e saídas de água no sistema, mas também àquela armazenada no perfil do solo e passível de ser utilizada nos diversos processos que ocorrem na interface solo-atmosfera. Importante ressaltar que logo após o término do período de chuvas a água armazenada no solo (ARM) será utilizada por um determinado período, somente ocorrendo deficiências hídricas após uma redução da água do solo. Da mesma forma logo após o período com ausência de chuvas, as primeiras chuvas servirão para repor àquela água retirada do solo e somente após atingir a capacidade máxima de retenção de água e que começaram a ocorrer os excedentes hídricos. Não restam dúvidas que o solo é um importante equilibrador das entradas e saídas de água no solo, sendo assim, importante fator na determinação dos meses secos e úmidos. Destaca-se ainda o fato do mês considerado seco pela proposta de Gaussen é o mês que apresenta a maior deficiência hídrica com 5,2 mm.

Figura 3: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiência e excedente) para a Cidade de São Paulo

Figura 3: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiência e excedente) para a Cidade de São Paulo

Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). (Fonte: http://ce.esalq.usp.br/​bhbrasil/​)

27A título de comparação a figura 4 apresenta o balanço hídrico climatológico para a localidade de Piracicaba, interior do estado de São Paulo. O que se observa é um período seco se estendendo de abril a outubro/novembro com uma deficiência anual de 70,3 mm. As duas localidades (apesar da proximidade geográfica, 120 km) apresentam regimes hídricos distintos e o extrato do balanço hídrico permite identificar e quantificar esses regimes. Os estudos Bioclimáticos devem, portanto, considerar em suas análises as especificidades do clima de cada região apresentando assim um quadro mais real das relações entre os seres vivos e os elementos do Clima.

Figura 4: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiência e excedente) para a Cidade de Piracicaba, SP,

Figura 4: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiência e excedente) para a Cidade de Piracicaba, SP,

Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). (Fonte: http://ce.esalq.usp.br/​bhbrasil/​)

28A tabela 2 e figura 5 apresentam os resultados do balanço hídrico climatológico efetuado para a localidade de Paris. A deficiência hídrica anual acumulada é de 66,0 mm e o excedente hídrico de 82,2 mm. O período com deficiência hídrica corresponde, aproximadamente, ao período observado em São Paulo (junho a setembro) e o período com excedente de outubro a maio.

29A localidade de Paris apresenta um total de precipitação da ordem de 48% inferior a total médio anual precipitado em São Paulo. Enquanto em São o total precipitado é de 1.355 mm anual em Paris esse total é de 649,6 mm ano. Mesmo com uma precipitação, significativamente, inferior a de São Paulo a deficiência hídrica em Paris é de 58,7 mm. Isto é explicado pelo fato da localidade de Paris apresentar temperatura média anual de 12,0o C o que resulta em uma evapotranspiração Potencial (saída de água do sistema) da ordem de 633,4 mm/ano enquanto São Paulo apresenta uma ETP anual de 930,3 mm e uma temperatura anual média de 20,0 oC. Tal relação somente justifica a necessidade em se conhecer as entradas e, em especial, as saídas de água do sistema e tal informação é contemplada na metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955).

Tabela 2: Resultado da elaboração do Balanço Hídrico Climatológico para Paris, Fr,

Tabela 2: Resultado da elaboração do Balanço Hídrico Climatológico para Paris, Fr,

Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). Paris, FR, 1971-2000. Fonte: http://www.meteofrance.fr (em vermelho deficiência hídrica e em azul excedente hídrico).

Figura 5: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiências e excedentes) para a Cidade de Paris, Fr,

Figura 5: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiências e excedentes) para a Cidade de Paris, Fr,

Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955).

30A tabela 3 sintetiza as duas metodologias aplicadas para as localidades de São Paulo, SP e Paris, FR. A concordância expressa por “sim” indica que as duas metodologias concordam e “não” quando ambas divergem na classificação de mês seco ou não seco. Para a localidade de Paris observa-se concordância em oito meses do ano e discordância em quatro meses (junho a setembro). Para São Paulo também ocorre concordância em oito meses e discordância em quatro meses (abril, maio, julho e setembro). Em Paris as deficiências ocorrem entre junho a setembro em função do aumento da temperatura do ar e da maior evapotranspiração potencial visto que as chuvas são bem distribuídas sazonalmente. Para São Paulo as deficiências hídricas ocorrem entre abril a setembro (característica de climas do tipo tropical) em função da redução das precipitações nesta localidade. Percebe-se que a metodologia de Gaussen responde melhor aos períodos do ano de pluviometria mais elevada que aqueles de pluviometria mais reduzidos ou próximos do limite numérico da classificação proposta pelos autores.

Tabela 3: Síntese das duas metodologias aplicadas às duas localidades (São Paulo e Paris).

Tabela 3: Síntese das duas metodologias aplicadas às duas localidades (São Paulo e Paris).

31Campos e Galvani (2008) trabalhando com o balanço hídrico climatológico aplicada a áreas urbanas observaram uma relação inversa entre a impermeabilização da superfície e o aumento do escoamento superficial. A retirada da cobertura vegetal e a impermeabilização da superfície, como conseqüência do intenso processo de urbanização na cidade de São Paulo, intensificaram o escoamento superficial. Percebeu estes autores uma relação inversa entre a redução da cobertura vegetal e o aumento do excedente hídrico. Esse fato em áreas urbanas resulta em alagamentos e inundações de canais fluviais, gerando transtornos de toda ordem à população local. Os autores simularam, para a cidade de São Paulo, condições de redução da evapotranspiração potencial (ETP) em 75, 50 e 25% daquela definida por Thornthwaite e Mather (1955) como sendo associada a diminuição da cobertura vegetal original ao longo das últimas décadas.

Onde obter o Balanço Hídrico Climatológico e algumas considerações

32Em princípio a proposta de Thornthwaite e Mather (1955) parece ser mais complicada, principalmente para aqueles não muito afeitos a área de exatas, contudo, já existem na internet programas que realizam os procedimentos do balanço hídrico climatológico bastando apenas conhecer a temperatura e as chuvas do local (também necessários para elaboração do Climograma de Gaussen). No sítio <http://ce.esalq.usp.br/​bhbrasil> encontra-se disponível o balanço hídrico para 500 localidades do Brasil, desse total 268 localidades representam municípios do Estado de São Paulo. Caso queria obter o balanço hídrico climatológico para uma localidade não disponível no sítio acima basta substituir os valores de temperatura, precipitação e latitude do local que será automaticamente realizado todos os cálculos e gráficos, possibilitando a análise dos períodos secos e úmidos.

33O que se espera após a discussão não é o abandono dos diagramas de Gaussen em estudos Bioclimáticos, que tanto auxiliaram na caracterização dos períodos secos/úmidos de diversas localidades do Brasil e do mundo, e sim um uso mais racional de novas metodologias que podem fornecer informações mais fidedignas das reais condições climáticas (Bioclimáticas) da região em estudo.

Haut de page

Bibliographie

Bagnouls, F., Gaussen, H. Estação seca e índice xerotérmico. Boletim Geográfico, ano XX, n. 169, 1962. (Tradução de Ruth Simões Bezerra dos Santos).

Bagnouls, F., Gaussen, H. Os climas Biológicos e sua classificação. Boletim Geográfico, ano XXII, n. 176, 1963. (Tradução de Ruth Simões Bezerra dos Santos).

Campos, L.G., Galvani, E. Balanço hídrico climatológico aplicado a áreas urbanas: estudo de caso do município de São Paulo, SP. In: SEMINÁRIO LATINOAMERICANO, 5, IBERO AMERICANO DE GEOGRAFIA FÍSICA, Santa Maria, 2008. pp. 422-32, CD-ROM.

INMET, Instituto Nacional de Meteorologia. Normais Climatológicas 1961 a 1990. INMET. Brasília, 1992.

Ometto, J.C. Bioclimatologia Vegetal. São Paulo: Ceres, 1981. 425p.

Pereira, A.R., Angelocci, L.R., Sentelhas, P.C. Agrometeorologia: Fundamentos e Práticas. Guaíba: Agropecuária, 2002. 478p.

Rolim, G.S., Sentelhas, P. C., Barbieri, V. Planilhas no ambiente EXCELTM para os cálculos de balanços hídricos: normal, seqüencial, de cultura e de produtividade real e potencial. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 6, n.1, p133-137, 1998.

Thornthwaite, C.W., Mather, J.R. The water balance. Publications in Climatology, New Jersey, Drexel Institute of Technology, 104p. 1955.

Endereços eletrônicos:

<http://ce.esalq.usp.br/bhbrasil> acesso em julho de 2008.

<http://www.meteofrance.fr > acesso em junho de 2008.

Haut de page

Notes

1 A Capacidade de Água Disponível é considerada como sendo aquela água retida no solo entre as umidades na capacidade de campo e no ponto de murcha permanente.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Representação esquemática dos fluxos do balanço hídrico indicando as possíveis entradas e saídas de água de um volume de controle
Légende Compilado de Pereira et al., 2002
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 2: Representação dos elementos do clima temperatura (oC) e precipitação (mm) segundo a proposta de Gaussen indicando o mês considerado seco (São Paulo, SP, 1961-1990).
Légende Observe que a escala de “Y” a direita é o dobro da escala de “Y” a esquerda.
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Tabela 1: Resultado da elaboração do Balanço Hídrico Climatológico para São Paulo, SP,.
Légende Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). São Paulo, SP, 1961-1990. Fonte: INMET, 1992 (em vermelho deficiência hídrica e em azul excedente hídrico)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-3.png
Fichier image/png, 20k
Titre Figura 3: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiência e excedente) para a Cidade de São Paulo
Légende Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). (Fonte: http://ce.esalq.usp.br/​bhbrasil/​)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura 4: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiência e excedente) para a Cidade de Piracicaba, SP,
Légende Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). (Fonte: http://ce.esalq.usp.br/​bhbrasil/​)
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Tabela 2: Resultado da elaboração do Balanço Hídrico Climatológico para Paris, Fr,
Légende Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955). Paris, FR, 1971-2000. Fonte: http://www.meteofrance.fr (em vermelho deficiência hídrica e em azul excedente hídrico).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-6.png
Fichier image/png, 20k
Titre Figura 5: Representação simplificada do extrato do balanço hídrico (deficiências e excedentes) para a Cidade de Paris, Fr,
Légende Conforme metodologia proposta por Thornthwaite e Mather (1955).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Tabela 3: Síntese das duas metodologias aplicadas às duas localidades (São Paulo e Paris).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/4733/img-8.png
Fichier image/png, 29k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Comparative study of the elements of the climatic hydraulic balance for two cities of São Paulo State and Paris et Emerson Galvani, « Estudo comparativo dos elementos do Balanço Hídrico Climatológico para cidades de São Paulo e para Paris  »Confins [En ligne], 4 | 2008, mis en ligne le 05 octobre 2019, consulté le 24 janvier 2022. URL : http://journals.openedition.org/confins/4733 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.4733

Haut de page

Auteurs

Comparative study of the elements of the climatic hydraulic balance for two cities of São Paulo State and Paris

Emerson Galvani

Laboratório de Climatologia e Biogeografia, Departamento de Geografia – USP. E-mail: egalvani@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search