Navigation – Plan du site

AccueilNuméros56Dossiê Turismo em tempo de CovidImpactos da pandemia de COVID-19 ...

Dossiê Turismo em tempo de Covid

Impactos da pandemia de COVID-19 no setor hoteleiro: os casos de Lisboa, Maputo e São Paulo

Impacts of the COVID-19 pandemic on the hotel industry: the cases of Lisbon, Maputo and São Paulo
Impacts de la pandémie de COVID-19 sur le secteur hôtelier : les cas de Lisbonne, Maputo et São Paulo
Rita de Cássia Ariza da Cruz, Eduardo Brito-Henriques, Sara Larrabure et Dário Manuel Isidoro Chundo

Résumés

Cet article vise à faire une analyse exploratoire des mutations observées au sein du secteur hôtelier dans trois villes de trois pays et continents différents. En associant les informations provenant des bases de données officielles, les collectes auprès des établissements hôteliers et pages internet des hôtels aux entretiens conduits auprès des représentants du secteur, les changements observés dans l'offre hôtelière à Lisbonne (Portugal), à Maputo (Mozambique) et à São Paulo (Brésil) sont inventoriés et analysés pour la période comprise entre 2020 et 2021. Les regards croisés sur les différentes sources indiquent la suspension de l'activité et la réduction partielle de l'offre à des fins de réduction les coûts d'exploitation comme stratégies courantes suivies par les hôtels dans les trois villes. Ces deux démarches ont eu des incidences négatives sur l’emploi. Des changements plus structurels, tels que les processus de rebranding et la fermeture définitive des hôtels présentent des variations importantes entre les villes étudiées. L'adoption de différentes mesures par ces trois pays et l'exposition variable de ces derniers au tourisme international peuvent expliquer ces différences.

Haut de page

Entrées d’index

Índice de palavras-chaves:

setor hoteleiro, COVID-19, Lisboa, Maputo, São Paulo.
Haut de page

Texte intégral

1Quase logo após a deflagração da pandemia de COVID-19, a hipermobilidade foi radicalmente interrompida em todo o mundo. Organismos supranacionais ligados ao setor – como a United Nations World Tourism Organization (UNWTO) e World Travel & Tourism Council (WTTC), órgãos públicos e privados atuantes em diversos países e pesquisadores de diferentes áreas passaram a se dedicar à mensuração e à análise desses impactos a partir de diferentes perspectivas. Abordagens distintas emergiram, focadas no tema das mobilidades turísticas e, especificamente, em análises sobre os impactos da pandemia nos lugares economicamente mais dependentes da atividade turística, na crítica ao modelo global do chamado turismo de massa e nas possibilidades para sua superação, no tratamento de aspectos geopolíticos, entre outras aproximações teóricas, metodológicas e temáticas (Dumont, 2020; Mostafanezad, Cheer e Sin, 2020; Seyfi, Hall e Shabani, 2020; Renaud, 2020; Cheer, 2020; Lew et al., 2020; Ioannides e Gyimóthy, 2020; Gossling, Scott e Hall, 2021; Seyfi e Hall, 2021; Falcón et al., 2021; Adey et al., 2021).

  • 1 São consideradas ACTs: alojamento; alimentação; transporte aéreo; transporte terrestre; transporte (...)

2O desafio de se apreender os impactos da pandemia no turismo, todavia, demanda uma análise transescalar, considerando as especificidades nacionais, regionais e locais, assim como aponta para a necessidade de uma abordagem multissetorial, dadas as particularidades dentro das Atividades Características do Turismo (ACTs)1. Embora a Organização Mundial do Turismo (OMT, como é conhecida a UNWTO no Brasil) venha se dedicando, desde o início da pandemia, a organizar informações sobre os impactos da COVID-19 no setor turístico, o foco tem sido dirigido à evolução geral dos fluxos internacionais, às perdas em termos de Produto Interno Bruto do Turismo e do mercado de trabalho na escala mundial e a produzir cenários para a fase de recuperação. Em se tratando das ACTs, a OMT produziu, nos últimos dois anos, dados sobre o desempenho dos fluxos aéreos, assim como sobre buscas por hospedagem em sites especializados. Entretanto, é patente a ausência de uma aproximação mais ampla no tratamento do setor hoteleiro.

3No âmbito da produção acadêmico-científica, muitos pesquisadores, de todo o mundo, empenharam-se em decifrar os efeitos da pandemia no turismo enquanto outros se dedicaram a abordar especificamente os impactos sobre a hotelaria, como Agustina e Yosintha (2020), Jafari, Ozduran e Saydam (2021), Deri (2021), Demir et al. (2021), Al-Mughariri, Bhascar e Alazri (2021), Shapoval et al. (2021), Bakar, Kiyotaka e Rosbi (2022), Sousa e Joukes (2022), Kenny e Dutt (2022), Dandotiya e Aggarwal (2022). No entanto, não há estudos sobre as cidades de Lisboa, Maputo e São Paulo, selecionadas para este artigo. Assim, a análise apresentada aqui pretende não apenas contribuir para o entendimento desses casos particulares, mas também trazer uma contribuição metodológica para abordagens futuras.

Casos de estudo e metodologia

4As três cidades objeto deste estudo – Lisboa, Maputo e São Paulo (Figura 1) – configuram casos bastante contrastados: situam-se em continentes diferentes, estão sob governos com orientações e meios de intervenção desiguais, e apresentam consideráveis diferenças de desenvolvimento econômico e social. Em comum, há o fato de serem as capitais econômicas e os mais importantes destinos urbanos de turismo nos respectivos países, mas as disparidades em termos de tamanho, de níveis de infraestrutura, de diversidade e qualidade das funções que concentram, assim como do grau de integração na globalização são patentes. Por isso, é pertinente perceber como, em tão diversos contextos locais, o setor hoteleiro reagiu à pandemia.

Figura 1. Localização das cidades analisadas.

Figura 1. Localização das cidades analisadas.

Organização: Larrabure (2022).

5O município de Lisboa, com uma área de 100 km2 e cerca de 546 mil residentes, é a cidade-centro de uma Região Metropolitana onde habitam 2,9 milhões de pessoas. Corresponde à maior aglomeração urbana e à região mais próspera de Portugal, país que em 2019 ocupava a 38ª posição mundial quanto ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH=0,864) (PNUD, 2020). 36,1% do PIB português era gerado na Região de Lisboa e, na generalidade dos municípios que a formam, o Índice de Poder de Compra per capita situava-se acima da média nacional, sendo, na cidade-centro, mais de duas vezes superior a esse valor de referência (INE, 2020). Portugal é uma pequena economia de serviços extravertida e internacionalizada, dependente do investimento direto estrangeiro, das exportações e do turismo. Segundo o WTTC, no último ano antes da pandemia, o turismo contribuía para 16,5% do PIB português, constituindo essa área metropolitana a primeira região turística do país em número de hóspedes (8,2 milhões, 72,9% dos quais era estrangeiro) e a segunda em número de pernoites (18,7 milhões, 79% compostas por estrangeiros) (INE, 2020). Só o município de Lisboa registrou, nesse ano, cerca de 14 milhões de pernoites em alojamentos turísticos, 84,1% das quais eram de estrangeiros. Cabe mencionar que o Valor Acrescentado Bruto, gerado no setor da hospedagem, restaurantes e similares, ascendeu em 2019 a cerca de US$ 3.788 milhões, empregando oficialmente 130 mil pessoas (8,8% do emprego regional), sendo que 72,3% desse emprego e 75,4% do volume de negócios desse setor se concentravam na cidade-centro (INE, 2020).

6Moçambique está entre os países com IDH mais baixo do mundo (0,465 em 2019). Maputo possui apenas 5,4% da população do país, porém, por concentrar a maior parte dos serviços e sedes dos grupos econômicos e empresas públicas e privadas, é responsável por 20,2% do PIB de Moçambique. Os setores de comércio, transporte, comunicações e indústria manufatureira são os mais significativos (PNUD, 2016). O turismo, por sua vez, contribuiu com apenas 2,4% para o PIB nacional em 2016 (INE, 2017). Maputo é a maior cidade de Moçambique e a capital administrativa, política, econômica e cultural. Possui uma área de 346,77 km², formando, juntamente com as cidades de Boane, Matola e o distrito de Marracuene, a única área metropolitana, com cerca de 3,2 milhões de habitantes (INE, 2018), sendo que 1,1 milhão habita em Maputo. É referência para o turismo em Moçambique, pois tem as melhores condições do país em termos de infraestrutura, patrimônio arquitetônico e hotéis renomados. Ademais, possuía 182 estabelecimentos hoteleiros e similares registrados em 2020, sendo que 54 deles encontravam-se nas zonas centrais da cidade. O turismo internacional estava em crescimento antes da pandemia. Em 2019, as receitas do turismo internacional registraram cerca de US$ 249,3 milhões, contra US$ 241,8 milhões em 2018, representando um acréscimo de 3,1% (DINATUR, 2021).

  • 2 Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/sao-paulo/pesquisa/38/47001?tipo=ranking. Acess (...)
  • 3 Conforme pesquisa realizada pelo Observatório de Turismo da SPTuris em 2015. Disponível em: https:/ (...)

7A cidade de São Paulo é a maior capital sul-americana, com 12,3 milhões de habitantes, distribuídos em uma área de 1.521 km2, e a principal cidade da Região Metropolitana, de mesmo nome, que tem uma população de cerca de 22 milhões de habitantes. Trata-se da maior aglomeração urbana do Brasil, que responde sozinha por 10,3% do PIB do país (IBGE, 2021)2. Segundo dados de 2019, o Brasil apresentou um IDH de 0,765 (PNUD, 2020), 84ª posição no ranking internacional. O Brasil é uma das maiores economias do mundo, que se destaca pelo desenvolvimento do agronegócio e pela forte dependência da exportação de commodities agrícolas e minerais. Apesar disso, é o setor de serviços que responde por cerca de 70% do PIB brasileiro, para o qual o turismo tem uma tímida contribuição de 3,7% (FGV, 2020). São Paulo é o principal destino de turismo de negócios e um dos principais destinos de eventos do país. Em 2018, recebeu 15,7 milhões de turistas, 82% deles brasileiros de diferentes regiões, os quais realizaram gastos da ordem de US$ 3,3 bilhões na cidade, gerando uma arrecadação de Impostos Sobre Serviços em hotelaria, eventos, agenciamento de viagens e assemelhados de cerca de US$ 85,2 milhões (SPTURIS, 2019)3.

8No que concerne aos aspectos metodológicos, este artigo realizou uma análise comparativa apoiada em dados quantitativos, provenientes, sobretudo, de fontes secundárias, complementadas por pesquisa de campo, e qualitativos, obtidos em entrevistas com representantes do setor do turismo.

9No caso de Lisboa, trabalhou-se com o universo total de estabelecimentos hoteleiros4, analisando-se 244 unidades. O ponto de partida foi a base oficial de dados sobre empreendimentos turísticos do Turismo de Portugal (designada Registo Nacional de Empreendimentos Turísticos), a que se juntaram entrevistas com representantes do Turismo de Portugal e da Associação Portuguesa de Diretores de Hotéis, além de consulta telefônica a todos os estabelecimentos.

10No caso de Maputo, apesar de haver 182 meios de hospedagem registrados na Direcção Nacional do Turismo (DINATUR), em virtude de não haver uma base de dados oficial de informações desagregadas, trabalhou-se com o universo de hotéis existente no booking.com e no Mozambique Tourism Advisory Service, nos quais foram identificados 54 hotéis. Por fim, realizou-se um levantamento in loco, para verificar os empreendimentos novos e encerrados definitivamente. Chegou-se a um total de 56 hotéis estudados. Essas informações foram complementadas com entrevistas com representantes da Federação Moçambicana de Hotelaria e Turismo (FEMOTUR) e da Associação dos Agentes de Viagens e Operadores Turísticos de Moçambique.

11Em relação a São Paulo, em função do dimensionamento do parque hoteleiro e da dificuldade para se colher dados sobre os 403 hotéis da cidade, optou-se por uma amostra representativa de cerca de 40% do total. Definiu-se como ponto de partida o conjunto de hotéis ligados a uma das mais importantes associações de empreendimentos turísticos da cidade, a São Paulo Convention & Visitors Bureau (SBCVB), excluindo-se da listagem empreendimentos do tipo “flat” e “residencial”. A partir disso, chegou-se a 139 hotéis. Paralelamente, empreendeu-se uma investigação na rede em busca de fontes secundárias, como artigos de jornais sobre o “impacto da pandemia no setor hoteleiro”, “fechamento de hotéis” e “rebranding” e, complementarmente, foi realizada entrevista com representante do Observatório de Turismo da Cidade de São Paulo. Com isso, somamos outros 20 hotéis não associados à SBCVB que encerraram atividade e mais 5 novos hotéis inaugurados, totalizando 164 estabelecimentos hoteleiros pesquisados.

12Acresce aos aspectos metodológicos o levantamento de informações sobre a localização geográfica dos hotéis analisados, o que possibilitou, por meio da organização desses dados, o seu georreferenciamento e, consequentemente, a produção de mapas que sintetizam as mudanças ocorridas nas cidades em estudo.

Mudanças observadas no setor hoteleiro a partir da pandemia

O caso de Lisboa

13Em Lisboa, até o início da pandemia de COVID-19, o turismo vivia um ciclo de euforia. A cidade, desde 2009, vinha somando sucessivos prêmios europeus e mundiais como melhor destino (World Travel Awards, Condé Nast Traveller’s Readers’ Choice Awards etc.) e tornara-se presença regular, em revistas internacionais e blogs de viagens e turismo, como um must to go. As viagens aéreas low cost e o desenvolvimento das plataformas de aluguel de curta duração foram fatores importantes para o crescimento do turismo em Lisboa nesses anos. Os poderes políticos ajudaram, investindo em melhorias no ambiente construído e em espaços públicos, que tornaram a cidade mais atrativa (Barata-Salgueiro, André & Brito-Henriques, 2015), criando novas infraestruturas e promovendo eventos, e, sobretudo, através de programas de estímulo ao investimento e de um conjunto de reformas em vários regimes jurídicos (reabilitação urbana, arrendamento urbano, empreendimentos turísticos, alojamento local) que, flexibilizando-os, facilitaram novos investimentos no setor imobiliário relacionados ao turismo. Tudo isso, aliado ao crédito barato, explica a multiplicação dos empreendimentos hoteleiros, passando de 105 unidades em 2010 para 212 em 2019 (INE, 2019).

14Hotéis de rede de origem estrangeira estão presentes na oferta de hospedagem de Lisboa há várias décadas. As primeiras unidades desse tipo foram hotéis de grande dimensão voltados para o segmento de luxo e vinculados a grupos norte-americanos. Com o tempo, a presença de grupos europeus foi se tornando mais visível e surgiram unidades orientadas para segmentos médios do mercado (do upperscale full-service ao budget limited-service). Espelhado na infraestrutura hoteleira está ainda o florescimento que vários grupos hoteleiros portugueses tiveram ao longo das duas últimas décadas. Entre as cadeias mais representadas em Lisboa, no início da pandemia, estavam no topo três de origem portuguesa: SANA, com 9 hotéis, Turim, com 8 hotéis, e VIP Hotels, com 7 hotéis, seguidas por uma cadeia de origem estrangeira, o Ibis, com 6 hotéis. Unidades hoteleiras independentes correspondiam a 39% dos estabelecimentos hoteleiros e asseguravam cerca de 23% dos quartos da cidade. Dentro desse grupo, predominavam os estabelecimentos de pequena e média dimensão (15 unidades com até 25 quartos e 65 unidades com 26 a 100 quartos), correspondendo a formas de oferta muito variadas, desde o budget, o mid-price limited-service, até ao boutique hotel altamente diferenciado e seletivo, segmento, aliás, que foi o que mais se desenvolveu nos anos de acentuado crescimento do turismo que antecederam a pandemia.

15Em Portugal, o primeiro caso confirmado de infecção pelo SARS-CoV-2 ocorreu em 02/03/2020. Medidas destinadas a conter a doença, com implicações na mobilidade e na liberdade econômica, começaram a ser implementadas em 13/03/2020, sendo agravadas, uma semana depois, com a declaração do Estado de Emergência, que obrigou ao encerramento de todo o comércio não essencial, impôs o teletrabalho, fechou equipamentos culturais e de lazer, limitou restaurantes e similares a take away e restringiu a circulação nas vias públicas. Essas medidas começaram a ser aliviadas a partir de 04/05/2020, mas, devido às sucessivas ondas da pandemia, o ano e meio que se seguiu acabou por ser de alternância entre períodos de abertura e de retração da liberdade de mobilidade, o que impactou inevitavelmente o turismo.

16Ações políticas destinadas a mitigar as consequências da pandemia sobre as empresas e o emprego foram implementadas. Destacam-se um regime especial de layoff – que permitiu assegurar o pagamento de salários, pelo sistema de segurança social, nas empresas que comprovassem quebra significativa do volume de negócios imputável à pandemia –, moratórias sobre os arrendamentos e créditos aos bancos, isenção temporária das contribuições das empresas para a segurança social e linhas especiais de apoio à tesouraria para micro e pequenas empresas do turismo. Conforme os entrevistados, essas medidas permitiram que os impactos da crise pandêmica no setor hoteleiro fossem mitigados, adiando as consequências da quebra de receitas.

17Os hotéis em Portugal não foram incluídos nas atividades obrigadas a encerrar. No entanto, o número de pernoites nos hotéis na Região de Lisboa caiu drasticamente a partir da segunda semana de março, diante das restrições impostas por diversos estados-membros da UE à mobilidade. Entre abril e maio de 2020, a queda no número de pernoites foi superior a 95% em comparação com o mesmo período de 2019 (Gráfico 1). Em consequência, a opção de encerrar temporariamente as portas revelou-se, para muitos hotéis, como a solução mais racional, já que permitiria eliminar os custos de operação.

Gráfico 1: Número de pernoites nos hotéis na Área Metropolitana de Lisboa 2019, 2020 e 2021.

Gráfico 1: Número de pernoites nos hotéis na Área Metropolitana de Lisboa 2019, 2020 e 2021.

Fonte: INE (2021).

18Cerca de ⅔ dos estabelecimentos hoteleiros de Lisboa suspenderam a atividade nos meses de março e abril de 2020 (Gráfico 2), quando o Estado de Emergência foi decretado e ocorreu o primeiro confinamento generalizado da população portuguesa. No entanto, logo a partir de maio, com o início do alívio das restrições e a chegada do verão do hemisfério norte, os hotéis começaram paulatinamente a reabrir. Em setembro de 2020, 174 dos 229 hotéis inicialmente existentes em Lisboa estavam em funcionamento, ainda que parcialmente.

Gráfico 2: Estabelecimentos hoteleiros em funcionamento em Lisboa - 2020 a 2021.

Gráfico 2: Estabelecimentos hoteleiros em funcionamento em Lisboa - 2020 a 2021.

Fonte: RNT (2020, 2021) e pesquisa direta (2020, 2021, 2022).

19Entre setembro de 2020 e fevereiro de 2021, a situação manteve-se instável. O segundo período de confinamento geral em Portugal (de 22/01 a 15/03/2021), que correspondeu à pior onda de COVID-19, acabou por ter um efeito menos severo sobre a atividade da hotelaria. A partir de março de 2021, por fim, foi-se repondo aos poucos a normalidade, assistindo-se a uma reabertura gradual e progressiva dos estabelecimentos hoteleiros que tinham suspendido o funcionamento, e inclusive à inauguração de novos hotéis. Como se observa no Gráfico 2, havia 237 estabelecimentos em funcionamento em dezembro de 2021, número superior ao da pré-pandemia.

20Percebe-se, analisando o Gráfico 3, que os hotéis de maior dimensão foram os que acabaram por reagir mais radicalmente ao longo da crise pandêmica, optando, com maior frequência, pela suspensão da atividade. O fato de terem custos de operação mais elevados, mas também de ser mais comum a sua integração em cadeias, permitindo-lhes transferir pessoal para unidades situadas em regiões menos afetadas pela pandemia, justificou essa situação, segundo entrevistas realizadas.

Gráfico 3: Estabelecimentos hoteleiros em funcionamento por tamanho em Lisboa (%) - 2020 e 2021.

Gráfico 3: Estabelecimentos hoteleiros em funcionamento por tamanho em Lisboa (%) - 2020 e 2021.

Fonte: RNT (2020, 2021) e pesquisa direta (2020, 2021, 2022).

21Alguns hotéis, como o Inter Continental Lisboa e o Lisbon Marriott Hotel, ensaiaram experiências de reorientação do produto, adaptando quartos para espaços de trabalho (room office), na tentativa de atrair usuários que estivessem trabalhando remotamente e não dispusessem de espaços adequados em suas residências. Porém, conforme a informação obtida nas entrevistas, não houve demanda para os serviços e tais iniciativas foram infrutíferas.

22Apenas um hotel foi encerrado em definitivo no período pandêmico (pequeno hotel independente), enquanto, em contrapartida, houve 23 hotéis inaugurados na cidade em 2020 e 2021, na sua maioria de porte médio, correspondentes a investimentos que estavam em preparação no início da pandemia, com crédito aprovado, e que, portanto, prosseguiram. Outras alterações registradas, mas também limitadas, foram os casos de 13 rebranding que, majoritariamente, corresponderam a mudanças de marca, sem alteração da sociedade exploradora. De resto, tampouco há sinais de que a estrutura geográfica da oferta se tenha alterado, uma vez que os novos hotéis continuaram a preferir as áreas em que já antes havia “clusterização” (Mapa 1).

Mapa 1: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em Lisboa, em 2020 e 2021.

Mapa 1: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em Lisboa, em 2020 e 2021.

Fonte: RNT (2020, 2021) e pesquisa direta (2020, 2021, 2022).

Organização: Autores (2022).

O caso de Maputo

23Em Moçambique, o primeiro caso de infecção pelo SARS-CoV-2 foi declarado em 22/03/2020. À semelhança do que se sucedeu em outros países, tiveram de ser tomadas medidas de restrição de mobilidade para conter a pandemia e, ao longo do primeiro semestre de 2020, as empresas do setor de turismo, alimentação, catering e eventos registaram uma drástica redução na procura e nas receitas. Com vistas a minimizar as perdas, muitos empreendimentos turísticos pelo país optaram por encerrar ou suspender parcialmente o fornecimento de alguns serviços, resultando na dispensa de mais de 72% da massa laboral em regime de férias coletivas (CTA, 2021).

24O governo moçambicano adotou medidas econômicas para apoiar o tecido empresarial, nomeadamente fiscais e aduaneiras, laborais e financeiras. As medidas mais importantes foram referentes à dispensa dos pagamentos por conta do Imposto sobre Rendimento de Pessoas Singulares e Imposto sobre Rendimentos de Pessoas Colectivas (IRPC), que deveriam ser efetuados nos meses de maio, julho e setembro, e ao adiamento dos pagamentos especiais IRPC, que deveriam ser efetuados nos meses de junho, agosto e outubro de 2020, passando para os primeiros meses de 2021 (Decreto n° 23/2020). O governo também reduziu o custo da eletricidade e lançou duas linhas de financiamento para apoiar a tesouraria e as necessidades de investimento das empresas.

25De modo a reforçar a segurança dos consumidores, o Ministério da Cultura e Turismo, através do Instituto Nacional do Turismo (INATUR), desenvolveu uma marca denominada “Selo Limpo e Seguro” (Decreto n° 99/2020), com o objetivo de viabilizar a retomada das atividades de turismo, através da implementação de medidas adicionais ao protocolo sanitário emanado pelo Ministério da Saúde.

26No caso dos hotéis de Maputo, apenas um deixou de funcionar definitivamente. Outras alterações registradas foram o caso de um rebranding (hotel da rede portuguesa Tivoli convertido em Onomo (maior grupo africano de hotéis) e o surgimento de 2 novos hotéis de luxo, localizados na baixa de Maputo. Entretanto, de acordo com a Confederação das Associações Económicas de Moçambique (2020), muitos empreendimentos hoteleiros tiveram redução de serviços oferecidos ou até mesmo suas instalações fechadas, total ou parcialmente, por alguns meses.

27Verificou-se, também, uma redução acentuada nas chegadas internacionais a Maputo, com diminuição da ordem dos 103 mil passageiros, comparando 2020 com 2019. Fazendo-se uma análise dos pernoites em Maputo, apurou-se um decréscimo de 2019 para 2020, que nesse caso foi da ordem dos 40,4%. O movimento de hóspedes nacionais e estrangeiros, no ano de 2019, foi de 275.325 hóspedes, sendo que em 2020 caiu para 140.223 (INE, 2021).

28Em termos de fluxo de turistas, no ano de 2019, Maputo registrou 103.129 hóspedes nacionais e, em 2020, apenas 71.264. Relativamente ao fluxo de hóspedes estrangeiros, a cidade recebeu, no ano de 2019, 172.196 e, no ano de 2020, 68.959, notando-se uma redução de cerca de 60% (DINATUR, 2021). Quanto ao número de pernoites nacionais, Maputo contou com 159.896 em 2019 e com 116.283 em 2020 (-34,9%). Com essas reduções, caiu a arrecadação de receitas de cerca de US$ 40.176 para US$ 27.670 em 2020, uma diferença de pouco mais de US$ 12.504.

29Em relação às receitas do turismo internacional, em 2020, foram de US$ 53,07 milhões contra US$ 249,3 milhões em 2019. Dados relativos a Maputo revelam um decréscimo de receitas de 31,12%.

30Do total de 69.178 trabalhadores formais existentes, em todo o país, no setor turístico, foram afetados 12.363 no ano de 2020, o correspondente a cerca de 17,8%. Esse número refere-se tanto aos trabalhadores que foram definitivamente demitidos quanto aos que tiveram seu salário reduzido ou foram suspensos temporariamente. Maputo foi onde houve um maior número de trabalhadores afetados, com 2.520, ou seja, o equivalente a 34,5% da massa trabalhadora (DPCTs apud DINATUR, 2021). Como se apurou em entrevista com a FEMOTUR, muitos estabelecimentos foram compelidos a dispensar colaboradores e reorganizar as equipes, como forma de minimizar custos e encontrar um equilíbrio nas contas.

Mapa 2: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em Maputo em 2020 e 2021.

Mapa 2: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em Maputo em 2020 e 2021.

Fonte: Booking.com (2022). Organização: Autores (2022).

31Foram poucas as transformações estruturais ocorridas na hotelaria em termos geográficos (Mapa 2), o que pode indicar, em certa medida, o sucesso das políticas de renúncia fiscal praticadas pelo governo central.

O caso de São Paulo

32A hotelaria de São Paulo caracteriza-se pela presença marcante de redes nacionais e internacionais de hotéis, as quais dominam o mercado de hospedagem. Quanto à distribuição geográfica dos meios de hospedagem pelo município, há uma sensível concentração no chamado “Centro Expandido” da cidade (Figura 4), uma área com 189,6 km2 que abrange o Centro Histórico e bairros do seu entorno, que concentram infraestruturas, serviços e equipamentos culturais e de lazer.

  • 5 Como as redes Intercity, com 8 hotéis, Estanplaza, com 7, Blue Tre, com 5, Slaviero, com 5 e Astron (...)
  • 6 Como as norte-americanas Whyndham, com 7 hotéis, Radisson Group, com 5, Marriott, com 3 e a espanho (...)
  • 7 Respectivamente, Grand Hyatt Hotel, L'Hotel PortoBay SP, Hotel Palácio Tangará.

33Entre as redes hoteleiras internacionais que atuam em São Paulo, destacam-se a francesa Accor, com 41 hotéis, e as operadoras multimarcas brasileiras Atlântica Hotels International/Transamérica Hospitality Group (as quais integraram operações a partir de novembro de 2021), com 31 empreendimentos, ou seja, as duas empresas administram quase ⅕ do total dos hotéis da cidade. Os outros cerca de 80% são propriedades e/ou são administrados por redes brasileiras com atuação nacional ou internacional5, e por redes estrangeiras6. Outras redes nacionais e estrangeiras também se fazem presentes na hotelaria paulistana, por vezes, com um único empreendimento, como é o caso do grupo norte-americano Hyatt, do grupo português Portobay Hotels & Resorts, do grupo alemão Oetker Collection7 e do Hotel Unique, empreendimento único e pertencente a um empresário brasileiro. Todos esses empreendimentos são de alto luxo.

34Destaque-se, também, a inauguração de 5 novos hotéis na cidade, entre 2020 e 2021: apenas um do tipo econômico, um deles qualificado como de "ultra luxo" e outros 3 de luxo, o que reforça a capacidade financeira desse tipo de empreendimento para superar efeitos de crises graves como a produzida pela pandemia.

35Tal como se passara em outros lugares, as ACTs foram duramente afetadas pelos efeitos da pandemia, no Brasil e na cidade de São Paulo, a partir da decretação, pelo governo federal, em 20/03/2020, de um Estado de Calamidade Pública. Em 22/03/2020, o governo do estado de São Paulo decretou a primeira quarentena, que restringiu a circulação de pessoas e determinou o fechamento do comércio e dos serviços, exceto os essenciais (p.ex., padarias, supermercados, farmácias e postos de combustível). A partir daí, foram sucessivos decretos de restrição de mobilidade e de funcionamento do comércio e dos serviços até o mês de agosto de 2021. A essas normativas federais e estaduais somaram-se resoluções tomadas em âmbito municipal, as quais, de um modo geral, reforçaram as restrições impostas pelos decretos estaduais.

36No âmbito federal, apesar de o Decreto n° 10.282/2020 ter considerado os serviços de hospedagem essenciais, as empresas padeceram, durante longos períodos, com a ausência de demanda, o que provocou fechamentos temporários ou mesmo o encerramento definitivo de atividades em alguns casos (Gráfico 4).

Gráfico 4: Taxa de ocupação hoteleira em São Paulo – 2019, 2020, 2021.

Gráfico 4: Taxa de ocupação hoteleira em São Paulo – 2019, 2020, 2021.

Fonte: SPTuris (2022).

  • 8 RevPar, o inglês "revenue per available room" significa "receita por quarto disponível".

37Segundo pesquisa realizada pelo Observatório de Turismo de São Paulo para 2020, o período mais crítico para o setor de hospedagem teria se dado entre os dias 27/04 e 03/05, quando apenas 34,3% dos hotéis da cidade estavam abertos. O resultado disso está expresso na perda de 13,9% no valor da diária média e de 64,4% na RevPar8 (SPTuris, 2021).

38Esse quadro desolador levou o governo do estado de São Paulo a criar uma política de renúncia fiscal e de auxílio financeiro para os segmentos de hospedagem e de alimentação, com desembolsos da ordem de US$ 30 milhões, entre março de 2020 e março de 2022 (São Paulo, 2022)9.

39Fechamentos temporários e definitivos de hotéis e congêneres (pousadas e hostels) foram inevitáveis durante a pandemia e outras mudanças ocorreram no setor, como trocas de gestão de empreendimentos, novas alianças entre empresas administradoras de hotéis e novas parceiras, processos de rebranding e utilização do room office, uma ressignificação do uso dos quartos de hotel, em busca da manutenção mínima necessária das taxas de ocupação.

Mapa 3: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em São Paulo, em 2020 e 2021.

Mapa 3: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em São Paulo, em 2020 e 2021.

Fonte: Autores (2022). Organização: Autores (2022).

  • 10 Forma de segmentação do mercado de hospedagem segundo a qual se considera midscale/upscale hotéis q (...)

40A amostra escolhida para a análise traz revelações importantes sobre impactos da pandemia de COVID-19 na hotelaria paulistana. Uma delas é a de que os hotéis do tipo medium e upscale10, independentemente do número de quartos, subsistiram à crise, com raras exceções, apesar de acumularem fortes perdas financeiras no período.

  • 11 A rede Matsubara mantém outros 3 hotéis em operação, 2 na cidade de Campos do Jordão, interior do e (...)
  • 12 O Maksoud Plaza Hotel vinha acumulando dificuldades financeiras e de gestão há vários anos e que, p (...)

41Apenas 3 dos 24 empreendimentos que encerraram atividades entre março de 2020 e dezembro de 2021 são de médio ou alto padrão. Um deles é o então único hotel da rede canadense Four Seasons Hotels and Resorts, fechado a partir de dezembro de 2020, apenas dois anos apos o início das atividades na cidade (cerca de 9 meses mais tarde, em setembro de 2021, o edifício ocupado pelo Four Seasons foi convertido para a Rede Marriot); outro é o Matsubara Hotel, pertencente a uma pequena rede brasileira de hotéis11, fechado definitivamente em 01/04/2021; e, por fim, o Maksoud Plaza, considerado um ícone da hotelaria da cidade e que encerrou atividades em 07/12/2021, após 42 anos de atuação12.

42No campo da gestão, destaca-se a integração das operações entre duas das maiores operadoras hoteleiras do país, a Atlantica Hospitality International e o Transamerica Hospitality Group, ocorrida em novembro de 2021 e da qual resultou uma posição de destaque em São Paulo, com a administração de 31 hotéis, atrás apenas da Rede Accor, com 41.

43Em se tratando de processos de rebranding, destaca-se o caso da Rede Meliá, que lançou, no Brasil, em plena pandemia, a “Affliated by Meliá”, criada pela empresa em 2007 (proposta voltada para unir lazer e trabalho), mas com o primeiro hotel convertido na cidade de São Paulo apenas em outubro de 2020.

44O desenvolvimento de espaços de hospedagem, que incorporam necessidades de lazer e de trabalho, foi também ressignificado durante as fases mais críticas da pandemia, colocando-se como uma saída a criação dos chamados room office, quartos convertidos em escritórios, que ofereceram ambientes individuais, com mobília e acesso à internet, demandas básicas de muitos trabalhadores nos períodos de home-office. A Rede Accor foi pioneira nessa iniciativa, em São Paulo, a partir do mês de maio de 202013. Embora a empresa tenha previsto o uso desse expediente apenas de forma temporária, o tempo parece ter mostrado que esse se tornou um bom negócio. O room office consolidou-se como mais um tipo de serviço oferecido pela Accor, mesmo após o arrefecimento da pandemia e a retomada praticamente integral de atividades.

45Ainda no campo dos desdobramentos da pandemia no setor hoteleiro paulistano, cabe menção à parceria, então inédita no Brasil e rara no mundo, entre a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), do estado de São Paulo, e o AirBnb, por meio de um “Memorando de Entendimentos”, ocorrida em outubro de 2020. O acordo ampara-se em cinco pilares: comercial, inteligência de mercado, qualificação para sustentabilidade, promoção turística e melhores práticas.

46Considerações finais

47A Tabela 1, a seguir, sintetiza as principais transformações ocorridas no setor hoteleiro das cidades de Lisboa, Maputo e São Paulo.

Tabela 1: Síntese das transformações ocorridas nos empreendimentos hoteleiros das cidades analisadas.

Cidade

Lisboa

Maputo

São Paulo

Total

Encerrados

1

1

24

26

Convertidos para residencial

0

0

2

2

Rebrading

13

1

11

25

Novos

23

2

5

30

Sem alterações

207

50

122

379

Total de hotéis analisados

244

54

164

462

Organização: Autores (2022).

48Como se pode notar, há diferenças significativas entre uma cidade e outra, o que reforça a ideia de que embora, em uma escala mundial, o setor turístico, em geral, e o setor hoteleiro, especificamente, tenham sido fortemente atingidos, os impactos da crise não se fizeram sentir em todos os lugares da mesma forma. A análise dos impactos da pandemia sobre o setor hoteleiro, a partir dos casos de Lisboa, Maputo e São Paulo, reforça a compreensão inicial deste trabalho sobre a importância de abordagens focadas na escala local para um melhor entendimento dos efeitos da pandemia sobre o setor em escala global.

49Como se mostrou, a hotelaria foi duramente atingida nas três localidades, mas as respostas dos setores público e privado em cada uma delas foram sensivelmente distintas. Enquanto, em Lisboa e Maputo, apenas 1 hotel – em cada capital – encerrou atividades, em São Paulo, foram mais de duas dezenas, 75% deles hotéis populares, com preços acessíveis e em geral não pertencentes a redes.

50No caso de Lisboa, a posição da cidade na geografia do turismo europeu, somada às políticas públicas de incentivo ao setor ao longo de 2020 e 2021, ajudam a explicar a resiliência da hotelaria pré-existente e, inclusive, o número surpreendente de 28 inaugurações no período, apontando para uma tendência prévia de crescimento do setor. É importante recordar, contudo, que as medidas de auxílio ao setor basicamente criaram uma “almofada” temporária para amortecer o impacto da crise da procura, reduzindo os custos operativos e diferindo os encargos das empresas. Não houve subsídios nem outras ajudas a fundo perdido. As moratórias e linhas de crédito especial de apoio à tesouraria ajudaram a amortecer no imediato as quebras brutais de receita, mas, com isso, agravaram-se as dívidas das empresas. Por isso, é possível que as dificuldades estejam para vir agora que terminou o Período de moratórias e do lay-off extraordinário.

51Em Maputo, o setor hoteleiro sofreu poucas mudanças, seja no número de encerramentos, de rebrading ou de abertura de novos hotéis. Acredita-se que isso seja reflexo das medidas impostas pelo governo para minimizar os impactos da pandemia, na forma de renúncia fiscal, principalmente. Contudo, a pandemia teve impactos pesados sobre os trabalhadores do setor, duramente afetados por afastamentos sem remuneração por longos períodos.

52Em São Paulo, a despeito das políticas públicas de apoio à hotelaria advindas das instâncias governamentais federal e estadual, evidencia-se a ineficiência dessas políticas no atendimento a demandas de empreendimentos com baixa capacidade de endividamento. Conforme a Confederação Nacional do Comércio, mais de 3 mil hotéis, hostels e pousadas fecharam em todo o Brasil, refletindo o dado geral de que 87% dos empreendimentos comerciais fechados em 2020 eram micro ou pequenos negócios14. Interessante notar que os fechamentos definitivos de hotéis em São Paulo encontram-se relativamente difusos pelo território, demonstrando que a localização geográfica não é capaz de explicar o encerramento de atividades desses empreendimentos, ainda que um certo distanciamento de clusters de negócios, de compras e de turismo possa ter influenciado em alguma medida a derrocada. A quantidade de estabelecimentos hoteleiros fechados definitivamente na cidade aponta também para o grave impacto da pandemia sobre o trabalho no turismo em geral e não apenas na hotelaria especificamente, considerando-se tanto os trabalhadores diretos, que perderam seus postos de trabalho com o encerramento das atividades, como o efeito em cadeia sobre trabalhadores de empresas prestadoras de serviços para esses empreendimentos.

53Por fim, a análise dos casos abordados aponta para a necessidade de expansão e aprofundamento dos estudos sobre impactos da pandemia no turismo em geral a partir de diferentes escalas e sobre as diferentes atividades que o caracterizam, único caminho possível para se qualificar adequadamente esses impactos e, quiçá, contribuir para a formulação de políticas públicas voltadas à superação da crise no setor.

54Referências bibliográficas

Haut de page

Bibliographie

Adey, P., Hannam, K., Sheller, M. & Tyfield, D., « Pandemic (Im)mobilities », Mobilities [Online], 16 | 2021, posto online no dia 26 de fevereiro de 2021, URL: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/17450101.2021.1872871.

Agustina, I. T., Yosintha, R., « The impact of COVID-19 on hotel industry in Asian countries », Journal Kepariwisataan Indonesi [Online] 14(2) | 2020, posto online no dia 2 de janeiro de 2021, URL: http://ejournal.kemenparekraf.go.id/index.php/jki/article/view/163/46

Al-Mughariri, H. M. S.; Bhascar, P., Alazri, A. K. H., « The economic and social impact of COVID-19 on tourism and hospitality industry: a case study from Oman », Journal of Public Affairs [Online], aceito para publicação no dia 18 de outubro de 2021, URL: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/pa.2786.

Bakar, N. A.; Kiyotaka, U., Rosbi, S., « Impact of Coronavirus Disease (Covid-19) towards Hotel Tourism Industry », International Journal of Advanced Engineering Research and Science [Online] 9 | 2022, publicado online no dia 13 de março de 2022, URL: https://ijaers.com/uploads/issue_files/6IJAERS-02202212-Impactof.pdf.

Barata-Salgueiro, T., André, I., Brito-Henriques, E., "A política de cidades em Portugal: instrumentos, realizações e perspetivas" In Neto, P e Serrano, M. M. (org.), Políticas Públicas, Economia e Sociedade. Contributos para a Definição de Políticas no Período 2014-20. Alcochete: Nexo Literário, 2015.

Cheer, J. M., « Human flourishing, tourism transformation and COVID-19: a conceptual touchstone », Tourism Geographies, 22 | 2020, publicado online no dia 13 de maio de 2020, URL: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/14616688.2020.1765016.

Confederação das Associações Económicas de Moçambique. Análise do Impacto da COVID-19 no Sector do Turismo. Maputo, 2020.

_____. Impacto do covid-19 na sector empresarial moçambicano e propostas de medidas para a sua mitigação. Maputo, 2020.

Dandotiya, R. e Aggarwal, A., « Effects of COVID-19 on hotel industry: a case study of Delhi, India », Journal of Tourism & Development [Online], 38 | 2022, colocado online no dia 3 de fevereiro de 2022, URL: https://proa.ua.pt/index.php/rtd/article/view/27367.

Demir, M.; Demir, S. S.; Dalgiç, A., Ergen, F. D., « Impact of COVID-19 pandemic on the tourism industry: an evaluation from the hotel manager's perspective », Journal of Tourism Theory and Research [Online], 7 | 2021, aceito para publicação em 30 de janeiro de 2021, URL: https://dergipark.org.tr/en/download/article-file/1499982.

Deri, M., « Assessment of covid-19 on hotels in Ghana. A case of Accra and Kumasi », International Journal of Tourism and Hotel Management [Online], 2 | 2020, aceito para publicação em 28 de outubro de 2020, URL: https://www.tourismjournal.net/article/view/18/2-2-1.

Hall, C.M., « Crisis events in tourism: Subjects of crisis in tourism », Current Issues in Tourism [Online], 13 | 2010, posto online no dia 6 de agosto de 2010, URL: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13683500.2010.491900.

Dumont, J-F., « Le covid-19: la fin de la géographie de l’hypermobilité? », Societegeo in Les géographes lisent le monde [Online], posto online no dia 17 de junho de 2020, URL: https://www.cairn.info/revue-analyses-de-population-et-avenir-2020-11-page-1.htm.

Falcón, V. V., Martínez, B. S., Sánchez, F. C., Martínez, N. G., « Impacto de la Covid-19 en el turismo de Latinoamérica y el Caribe », Revista Universidad y Sociedad, 13 | 2020, posto online no dia 2 de junho de 2021, URL: http://scielo.sld.cu/pdf/rus/v13n3/2218-3620-rus-13-03-460.pdf.

FGV. Impacto Econômico do Covid-19 – Propostas para o Turismo Brasileiro, 2020.

Gössling, S., Scott, D., Hall, C. M. « Pandemics, tourism and global change: a rapid assessment of COVID-19 », Journal of Sustainable Tourism, 29 | 2020, URL: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/09669582.2020.1758708.

Ioannides, D. & Gyimóthy, S., « The COVID-19 crisis as an opportunity for escaping the unsustainable global tourism path », Tourism Geographies [Online], 22 | 2020, posto online no dia 12 de maio de 2020, URL: https://www.tandfonline.com/doi/epub/10.1080/14616688.2020.1763445?needAccess=true.

Jafari, K., Özduran, A., Saydam, M. B., « Hospitality and tourism industry amid COVID-19 pandemic: voices from small Mediterranean town », International Hospitality Review [Online], posto online no dia 9 de novembro de 2021, URL: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/IHR-07-2021-0054/full/html.

Kenny, J. & Dutt,C., « The long-term impacts of hotel's strategic responses to COVID-19: the case of Dubai », Tourism and hospitality Research, 22 | 2022, URL: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/14673584211034525.

Lew, A. A., Cheer, J. M., Haywood, M., Brouder, P. e Salazar, N. B., « Visions of travel and tourism after the global COVID-19 transformation of 2020 », Tourism Geographies, 22 | 2020, posto online em 8 de junho de 2020, URL: https://www.tandfonline.com/doi/epub/10.1080/14616688.2020.1770326?needAccess=true.

Moçambique. Direcção Nacional do Turismo. Balanço do PES e OE I Trimestre. DINATUR, 2021.

Moçambique. Direcção de Planificação e Cooperação. Indicadores de Referência na Área Turística. Departamento de Pesquisa e Estatística, do Ministério da Cultura e Turismo, 2021.

Moçambique. Instituto Nacional de Estatística (INE). Estatísticas demográficas e sociais de Maputo cidade, 2019.

_____. Instituto Nacional de Estatística (INE). Censo 2017. Divulgação de Resultados Preliminares, 2018.

Mostafanezhad, M., Cheer, J. M., Sin HL. « Geopolitical anxieties of tourism: (Im)mobilities of the COVID-19 pandemic », Dialogues in Human Geography. 10 | 2020, URL: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/2043820620934206.

Portugal. Instituto Nacional de Estatística - INE, Portal do INE, 2022, https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpgid=ine_tema&xpid=INE&tema_cod=1312. Acesso em 18 de abril de 2022.

PNUD, Human Development Report 2020. URL: https://hdr.undp.org/content/human-development-report-2020. Acesso em 22 de junho de 2022.

PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano dos Municípios. URL: https://www.undp.org/pt/brazil/atlas-dos-munic%C3%ADpios. Acesso em 22 de junho de 2022.

Renaud, L., « Reconsidering global mobility – distancing from mass cruise tourism in the aftermath of COVID-19 », Tourism Geographies, 22 | 2020, colocado online no dia 12 de maio de 2020, URL: https://www.tandfonline.com/doi/epub/10.1080/14616688.2020.1762116?needAccess=true.

Portugal. Registo Nacional de Turismo - RNT. Base de dados aberta, https://rnt.turismodeportugal.pt/RNT/_default.aspx. Acesso em 25 de abril de 2022.

Seyfi, S., Hall, C. M., Shabani, B., « COVID-19 and international travel restrictions: the geopolitics of health and tourism », Tourism Geographies [Online], posto on line no dia 14 de outubro de 2020, URL: https://www.tandfonline.com/doi/epub/10.1080/14616688.2020.1833972?needAccess=true.

Seyfi, S., Hall, C. M., "COVID-19 pandemic, tourism and degrowth" In: Hall, C. M., Lundmark, L., e Zhang, J. (org.), Degrowth and Tourism: New Perspectives on Tourism Entrepreneurship, Destinations and Policy". Abingdon/New York: Routledge, 2021.

Shapoval, V., Hagglund. P., Pizam, A., Abraham, V., Garlback, M., Nygren, T., Smith, R. M., « The COVID-19 pandemic effects on the hospitality industry using social systems theory: a multi-country comparison », International Journal of Hospitality Management [Online], 94 | 2021, posto online no dia 28 de dezembro de 2020. URL: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278431920303650.

Sousa, A. E., Joukes, V., « O impacto da pandemia na hotelaria em Portugal Continental em 2020: Medidas e estratégias », Tourism and Hospitality Journal [Online] 18 | 2022, posto online no dia 29 de março de 2022. URL: https://thijournal.isce.pt/index.php/THIJ/article/view/56.

SPTuris. Observatório de Turismo da Cidade de São Paulo. Relatório de Impactos da pandemia de COVID-19 no turismo da cidade de São Paulo 2020. https://observatoriodeturismo.com.br/pdf/relatório_covid-19_2020.pdf. Acesso em 30 de abril de 2022.

Haut de page

Notes

1 São consideradas ACTs: alojamento; alimentação; transporte aéreo; transporte terrestre; transporte aquaviário; agências de viagem; aluguel de transporte; e cultura e lazer.

2 Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/sao-paulo/pesquisa/38/47001?tipo=ranking. Acesso em 20 de junho de 2022.

3 Conforme pesquisa realizada pelo Observatório de Turismo da SPTuris em 2015. Disponível em: https://www.observatoriodoturismo.com.br/pdf/DADOS_FATOS_2019.pdf. Acesso em 20 de abril de 2022.

4 De acordo com o Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET),Decreto-Lei n.º 80/2017, consideram-se estabelecimentos hoteleiros os hotéis propriamente ditos, os hotéis-apartamentos (hotéis cuja unidade de alojamento é o apartamento), e as Pousadas. Apartamentos turísticos, o equivalente brasileiro ao “flat”, formam uma categoria de empreendimentos turísticos à parte.

5 Como as redes Intercity, com 8 hotéis, Estanplaza, com 7, Blue Tre, com 5, Slaviero, com 5 e Astron, com 3.

6 Como as norte-americanas Whyndham, com 7 hotéis, Radisson Group, com 5, Marriott, com 3 e a espanhola Meliá Hotels International, com 5.

7 Respectivamente, Grand Hyatt Hotel, L'Hotel PortoBay SP, Hotel Palácio Tangará.

8 RevPar, o inglês "revenue per available room" significa "receita por quarto disponível".

9 Fonte: https://www.desenvolvesp.com.br/comunicacao/releases/desenvolve-sp-financia-r-1485-milhoes-para-auxiliar-setores-de-turismo-e-gastronomia-na-pandemia/. Acesso em: 13 maio 2022.

10 Forma de segmentação do mercado de hospedagem segundo a qual se considera midscale/upscale hotéis que oferecem maior conforto aos hóspedes, com quartos amplos, e incluem equipamentos como restaurante, piscina e áreas de lazer.

11 A rede Matsubara mantém outros 3 hotéis em operação, 2 na cidade de Campos do Jordão, interior do estado de São Paulo, e 1 na cidade de Maceió, capital de Alagoas.

12 O Maksoud Plaza Hotel vinha acumulando dificuldades financeiras e de gestão há vários anos e que, portanto, a crise imposta pela pandemia teria operado como uma espécie de “pá de cal” a selar o destino do empreendimento. Segundo especialistas, a crise vivenciada pelo hotel anos antes da pandemia seria derivada da sobreoferta de meios de hospedagem em São Paulo, decorrente da chegada de redes internacionais ao mercado local e da expansão de redes nacionais e de equipamentos do tipo flat (Kutuchian, 2016).

13 Fonte: https://investnews.com.br/negocios/room-office-a-saida-para-o-setor-hoteleiro-na-pandemia/. Acesso em: 18 abr. 2022.

14 Fonte: https://www.hoteliernews.com.br/cnc-pandemia-fechou-mais-de-3-mil-hoteis-em-2020/. Acesso em 13 de maio de 2022.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1. Localização das cidades analisadas.
Crédits Organização: Larrabure (2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 135k
Titre Gráfico 1: Número de pernoites nos hotéis na Área Metropolitana de Lisboa 2019, 2020 e 2021.
Crédits Fonte: INE (2021).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-2.png
Fichier image/png, 46k
Titre Gráfico 2: Estabelecimentos hoteleiros em funcionamento em Lisboa - 2020 a 2021.
Crédits Fonte: RNT (2020, 2021) e pesquisa direta (2020, 2021, 2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-3.png
Fichier image/png, 48k
Titre Gráfico 3: Estabelecimentos hoteleiros em funcionamento por tamanho em Lisboa (%) - 2020 e 2021.
Crédits Fonte: RNT (2020, 2021) e pesquisa direta (2020, 2021, 2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-4.png
Fichier image/png, 68k
Titre Mapa 1: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em Lisboa, em 2020 e 2021.
Crédits Fonte: RNT (2020, 2021) e pesquisa direta (2020, 2021, 2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-5.png
Fichier image/png, 5,1M
Titre Mapa 2: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em Maputo em 2020 e 2021.
Crédits Fonte: Booking.com (2022). Organização: Autores (2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-6.png
Fichier image/png, 3,9M
Titre Gráfico 4: Taxa de ocupação hoteleira em São Paulo – 2019, 2020, 2021.
Crédits Fonte: SPTuris (2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-7.png
Fichier image/png, 25k
Titre Mapa 3: Transformações nos estabelecimentos hoteleiros em São Paulo, em 2020 e 2021.
Crédits Fonte: Autores (2022). Organização: Autores (2022).
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/47903/img-8.png
Fichier image/png, 5,3M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rita de Cássia Ariza da Cruz, Eduardo Brito-Henriques, Sara Larrabure et Dário Manuel Isidoro Chundo, « Impactos da pandemia de COVID-19 no setor hoteleiro: os casos de Lisboa, Maputo e São Paulo »Confins [En ligne], 56 | 2022, mis en ligne le 07 novembre 2022, consulté le 12 juillet 2024. URL : http://journals.openedition.org/confins/47903 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.47903

Haut de page

Auteurs

Rita de Cássia Ariza da Cruz

Universidade de São Paulo (USP), ritacruz@usp.br

Articles du même auteur

Eduardo Brito-Henriques

Universidade de Lisboa, eduardo@edu.ulisboa.pt

Sara Larrabure

Universidade de Lisboa, sarapl@gmail.com

Dário Manuel Isidoro Chundo

Universidade Pedagógica de Maputo, darioisidoro17@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search