Navigation – Plan du site

AccueilNuméros58ResenhasA Geografia dos primeiros povos d...

Resenhas

A Geografia dos primeiros povos da terra: reflexões a partir do Atlas Historique Mondial, de Christian Grataloup

La géographie des premiers peuples de la Terre : réflexions à partir de l'Atlas Historique Mondial de Christian Grataloup
The Geography of the First Peoples of the Earth: reflections from Atlas Historique Mondial, published by Christian Grataloup
Confins

Résumés

L'origine des groupes humains sur terre, ainsi que leur déplacement, est l'un des nombreux thèmes abordés dans l'Atlas d'histoire mondiale de Christian Grataloup. Dans cette publication, nous analysons certaines de ces cartes et leurs commentaires, en proposant une lecture géographique du matériel cartographique disponible sur une plateforme d’accès publique.

Haut de page

Texte intégral

1O Atlas Historique Mondial, da autoria de Christian Grataloup, foi publicado em língua francesa pela editora Les Arénes – L’histoire, no ano de 2019. A editora disponibiliza gratuitamente os mapas para acesso público on-line em formato digital, por meio do Portal L’histoire, contribuindo para a difusão e acesso a materiais que visam uma educação cartográfica qualificada sobre o espaço geográfico mundial.

2Alguns mapas são oriundos de recriação cartográfica do autor sobre temáticas historicamente publicadas pela revista L’histoire, conforme foi apresentado pela Confins (2019) quando da aparição da obra:

Desde a sua criação, a revista L'Histoire publica artigos de historiadores descrevendo os últimos avanços em suas pesquisas, e esses textos geralmente são enriquecidos por um ou mais mapas. A partir deste fundo cartográfico excepcional, Christian Grataloup selecionou, recriou e comentou 515 mapas que contam a história do mundo, desde as origens da humanidade até hoje, publicadas na forma de um atlas (Confins, 2019, p.1).

3A partir desta edição, a Revista Confins apresenta resenhas e imagens comentadas desse Atlas, com finalidade de destacar mapas produzidos, contendo alguns comentários do autor. Incentivamos nossos leitores a descobrir os demais mapas e comentários na obra (Grataloup, 2019). Os mapas são abordados na interface entre diferentes linguagens gráficas e textuais, tomados como provocação ao pensamento geográfico e explorando, sobretudo, reflexões geográficas sobre a cartografia histórica apresentada.

4Neste primeiro ensaio, destacamos a cartografia elaborada pelo autor para representar os fluxos humanos que resultaram no povoamento da terra, desde os australopitecos até as primeiras instalações humanas no globo.

5O autor apresenta neste mapa uma questão central para a Geografia: a cronologia estimada da transformação do espaço em espaço geográfico. Este segundo somente por ser concebido na interface entre a humanidade e as outras formas na natureza, bem como em decorrência de sua transformação por meio da técnica, dos usos do espaço, da circulação, da dinâmica regional, da cultura, dos recursos naturais e do estabelecimento dos agrupamentos sociais.

6Desta forma, entender a existência humana na terra implica na primeira problematização da Geografia: a fundação da interface sociedade-natureza. Na exploração do mapa, o autor explica que:

Les hominidés, les premiers membres de la lignée humaine postérieure à la divergence entre chimpanzés et hommes, sont apparus en Afrique il y a 7 millions d'années. Les paléoanthropologues distinguent plusieurs groupes (ardipithèque, australopithèque, homo) qui ont souvent coexisté. Parmi les homos, dont les plus anciens spécimens ont 2,8 millions d'années, apparaît vers 200 000 avant notre ère en Afrique Homo sapiens qui migre sur l'ensemble des terres émergées, remplaçant toutes les autres espèces. Cette substitution, qui n'exclut pas nombre de métissages, est décisive pour l'unité biologique de l'humanité actuelle. Elle est au cœur de débats scientifiques contemporains (Grataloup, 2019, p. 18).

7Mas, qual a origem geográfica dos antepassados da espécie humana no globo? Essa localização constitui uma complexa questão cientifica para Arqueologia, História e diversos outros domínios, dentre os quais a Geografia. Isso implica na constituição dos primeiros agrupamentos societais e, desta forma, na compreensão do espaço geográfico em si. A região da fenda geológica no nordeste da África (localizado no mapa enquanto RIFT), nas áreas atualmente designadas de Etiópia e Quênia é apresentada no mapa, conforme explicita o autor:

Le rift (fossé d'effondrement entre deux plaques tectoniques) dans l'Éthiopie et le Kenya actuels, notamment dans les vallées de l'Awash et de l'Omo, est un accumulateur de fossiles. La remarquable conservation des restes préhumains et de leur environnement a beaucoup fait progresser la connaissance de la filiation humaine. Le plus célèbre fossile, celui d'une "jeune fille" morte il y a 3,2 millions d'années, fut baptisé Lucy lors de sa découverte en 1974. Sur la carte, les âges sont indiqués en millions (Ma) ou en milliers d'années (Ka). (Grataloup, 2019, p. 19)

8No que se refere as origens da humanidade, uma temática complexa que abriga diferentes perspectivas, o autor explica que o cenário científico atual propõe uma primeira difusão do gênero homo na escala do Velho Mundo entre 2 milhões e 1,8 milhões de anos atrás. Foram descobertos fósseis de homo ou ferramentas na China (2 Ma), Geórgia (1,8 Ma), Israel (1,7 Ma) e Paquistão (1,5 Ma). A ligação entre os processos de difusão e a evolução genética está em debate. O modelo multi-regional, proposto na década de 1930 (evolução do Homo ergaster ou erectus em direção a sapiens em diferentes lugares), opunha-se ao modelo "a partir da África" (1988), no qual o Homo sapiens só apareceu na África. Hoje, o modelo "intermediário" suporta a hipótese de trocas genéticas permanentes combinadas com várias migrações (Grataloup, 2019, p. 21).

9Além da localização inicial, outra questão geográfica fundamental a observar no Atlas Mundial é a circulação da espécie humana no globo.

10Em um salto de escala, visando compreender como a espécie Homo Sapiens se difundiu dos últimos 200 mil anos até nossos dias, o Atlas Mundial evoca outras questões geográficas interessantes relativas aos locais de circulação entre continentes, estreitos e passagens que foram centrais na transição continental da espécie, com sua consequente adaptação ao clima, aos recursos naturais, às estratégias de produção de alimentos; captação, distribuição e uso de água.

11Ao detalhar o emprego da ação e da técnica dos humanos na transformação e adaptação aos diferentes espaços naturais que povoaram, o autor destaca outra questão fundamental da Geografia: a importância de conhecer o meio físico, suas redes, seus sistemas e suas nuances. O autor apresenta como o entendimento do meio físico (clima, vegetação, relevo) é fundamental para compreendermos a organização geográfica do globo, as estratégias de planejamento do território, a formação das cidades e o processo de regionalização do espaço.

Homo sapiens a fini par peupler toutes les terres émergées, mais à des dates variables. La diffusion est très ancienne dans l'Ancien Monde, plus récente en Australie (60 000 ans) et en Amérique (30 000 ans) ; c'était hier dans le Pacifique ou à Madagascar (quelques siècles). Les milieux terrestres ouverts (steppes et savanes) et les bords de mer ont aidé la circulation. Longtemps océans, grandes masses forestières, montagnes ont été des obstacles. Sans oublier que la carte des milieux a sa propre histoire rythmée par les glaciations. Aujourd'hui, les plus fortes densités correspondent à des régions anciennement forestières.

12No mapa que destaca as passagens e obstáculos à mobilidade dos humanos para o povoamento da terra, o autor destaca quatro questões naturais a serem consideradas. Primeiramente, a ambiguidade do papel do mar, que pode aproximar ou distanciar, a depender de suas características, bem como do desenvolvimento náutico de cada agrupamento humano no globo. Cita o caso do caso do Atlântico Norte, cuja navegação é facilitada pelas diversas pequenas ilhas que servem de ponto de intermediação entre continentes e, no oposto, o desafio da circulação no pacifico norte. Em segundo lugar, destaca os meios naturais que facilitaram a passagem: regiões emersas em decorrência do último período glacial, as estepes e as florestas esparsas; regiões que marcam maior mobilidade entre grupos. Em oposição, a terceira questão destaca as formações naturais de difícil transposição: barreiras glaciais, zonas áridas e cadeias montanhosas. E, finalmente, as regiões de florestas densas que, uma vez desmatadas, se tornam áreas de forte interesse à instalação de grupos humanos pela riqueza dos recursos naturais.

13Ao detalhar o povoamento nos diferentes sítios, o Atlas Histórico Mundial apresenta os primeiros povos nos diversos continentes. Na África, berço e origem da circulação humana da terra, marca-se a formação das grandes etnias no território, milhares anos antes de nossa era.

14O autor desta que os povos mais antigos são os Khoisan contando pelo menos com 30.000 anos de idade. “Eles compreendem dois grupos, “os Khoi-Khoi (os "Hottentots" na época da colonização européia), pastores, e os San (os "Bushmen" dos colonizadores), caçadores-coletores. Estes povos foram gradualmente expulsos por migrantes do norte, os Bantu. Este nome agrupa povos que falam a mesma família linguística composta por mais de 400 línguas, espalhados hoje dos Camarões, passando pelos Comores até a África do Sul” (Grataloup, 2019, p. 36). Enquanto isso, a circulação em direção ao Norte e a Leste do continente permitiu que os povos chegassem à Europa e à Ásia Menor, onde sítios arqueológicos foram mapeados.

15Destaca-se a presença de duas categorias fundamentais para cartografar a existência humana na terra, os lugares (sítios de instalações) e as regiões (áreas de dinâmica, influência, uso, relação, troca e circulação), marcadas pela interface entre o meio natural e sua consequente transformação.

16Nas Américas, destacam-se as rotas de circulação e a datação estimada de diferentes agrupamentos humanos nas três partes do continente.

17Também são demarcadas as principais áreas de habitação e circulação dos povos e nações autóctones, marcadas suas toponímias por grupo, enquanto o preenchimento coroplético apresenta as matrizes das grandes áreas culturais.

Une vision globale des sociétés américaines anciennes est aujourd'hui possible. Non seulement les similitudes sont anthropologiques, mais la circulation culturelle n'a jamais cessé. On ne peut plus aujourd'hui envisager les sociétés amérindiennes comme une mosaïque de cultures juxtaposées et de longue durée. L'archéologie trace les contours de grandes aires culturelles intégrées, pluriethniques mais soudées par la diffusion de langues dominantes, comme le nahuatl en Méso-Amérique ou le quechua dans les Andes (Grataloup, 2019, p.31).

18Na Oceania, destacam-se as rotas de circulação marítima pelo pacífico, bem como as possíveis rotas de mobilidade terrestre entre a Ásia e a Austrália quando do limite máximo da última glaciação, posteriormente tornadas insulares.

19Ao explanar sobre a circulação dos povos do oceano pacifico, o autor destaca que os ilhéus do Pacífico em sua maioria falam idiomas de tronco familiar comum (australiano). Os traços linguísticos seriam atualmente uma das melhores pistas para entender a história da circulação daquelas populações, que remonta ao 4º milênio a.C. desde Taiwan até as ilhas austrais do Sudoeste do Oceano pacifico. Grataloup (2019, p. 34) aponta que “Até o início de nossa era, os australianos povoaram as Filipinas, depois Insulindia, finalmente Micronésia e Melanésia, chegando às Fiji por volta de 1000 AC”. Eles também teriam partido em diferentes momentos da história para Madagascar, cruzando o Oceano Índico.

20O desenvolvimento da canoa do tipo outrigger, no início de nossa era, permitiu a colonização de todo o Pacífico, até a Ilha da Páscoa pelos polinésios que se destacavam como exímios navegadores. “O tráfego através do triângulo polinésio (Havaí, Páscoa, Nova Zelândia) nunca cessou, talvez alcançando a costa americana, como evidenciado pela propagação da batata doce. Eles foram os maiores navegadores da história antes do século 16” (Grataloup, 2019, p.34).

21Em suma, o potencial de circulação desses povos apresenta algo fundamental à constituição da Geografia: as redes de mobilidade e comunicação dos agrupamentos humanos pelo globo. Nos diferentes mapas apresentados, Grataloup destaca como a formação histórica e geográfica do planeta está relacionado à capacidade de circulação da humanidade, também evidenciada pelas marcas que a mesma deixa na paisagem no decorrer da história.

Haut de page

Bibliographie

Confins, « A história da humanidade contada em 515 mapas », Confins [En ligne], 42 | 2019. URL : http://journals.openedition.org/confins/23216 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.23216 Consulté en 2023.

Grataloup, Christian. Atlas historique mondial, introduction de Patrick Boucheron, Les Arènes – L’Histoire, octobre 2019, 670 pages, ISBN 978-2-7112-0184-6

L’histoire. Portail electronique de la revue L’histoire. Section Atlas [En ligne], 2019. URL : http://lhistoire.fr/atlas Consulté en 2023.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « A Geografia dos primeiros povos da terra: reflexões a partir do Atlas Historique Mondial, de Christian Grataloup »Confins [En ligne], 58 | 2023, mis en ligne le 30 mars 2023, consulté le 01 juin 2023. URL : http://journals.openedition.org/confins/50841 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.50841

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Creative Commons - Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International - CC BY-NC-SA 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Haut de page
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
    CNRS - Institut national des sciences humaines et sociales
  • OpenEdition Journals
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search