Navigation – Plan du site

AccueilNuméros60Imagens comentadasFalaise, as marcas da história nu...

Imagens comentadas

Falaise, as marcas da história numa cidade da Normandia

Falaise, les marques de l’histoire sur une ville normande
Falaise, the marks of history on a Norman town
Confins

Résumés

L'histoire de la ville de Falaise, en Normandie, a été marquée par deux événements historiques-clés: la construction d'un château-fort, celui de Guillaume le Conquérant, et la bataille dit de la « poche de Falaise » qui y a causé d'importantes destructions à la fin de la Seconde Guerre mondiale. Ces deux épisodes se lisent dans le paysage urbain, notamment pendant les fêtes médiévales organisées tous les ans autour du château, qui domine toujours la ville, et au mémorial construit pour maintenir le souvenir des souffrances de la population.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Falaise
Haut de page

Texte intégral

1A história da cidade de Falaise, no departamento do Calvados, na Normandia, foi marcada por dois eventos históricos importantes: a construção do castelo de Guilherme o Conquistador, e a batalha do “bolsão de Falaise”, que causou grande destruição no final da Segunda Guerra Mundial. Esses dois eventos se refletem na paisagem da cidade, especialmente durante as “Médiévales de Falaise” (Festival Medieval de Falaise), realizado anualmente ao redor do castelo, que ainda domina a cidade, e no memorial construído para comemorar o sofrimento da população local.

2A Figura 1 reúne esses elementos: na praça que dá acesso ao castelo, ficam lado a lado uma estátua de Guilherme, o Conquistador, a igreja medieval de La Trinité de Falaise, um tanque de guerra que participou da libertação da cidade em 1944 e – nesta fotografia tirada em 13 de agosto de 2023, o primeiro dia das “Médiévales de Falaise 2023” – as tendas e os visitantes desse grande encontro histórico e festivo. A única coisa que está faltando – porque está atrás do fotógrafo – é o “Memorial de Falaise – a guerra dos civis”, o museu dedicado à vida dos homens e mulheres de Falaise durante a Segunda Guerra Mundial.

3Figura 1 A história de Falaise pode ser lida na paisagem

©Hervé Théry, 2023

4Guilherme o Conquistador nasceu no Castelo de Falaise em 1028, filho do Duque Roberto o Magnífico, e de Arlette, filha de um comerciante de peles e couros da cidade. Em 1035, seu pai, antes de viajar em romaria a Jerusalém, convocou uma reunião de seus barões e nomeou Guilherme para sucedê-lo caso ele não voltasse. Na época, a nomeação de um filho bastardo como sucessor não era totalmente anormal; era tolerada de acordo com o costume nórdico (more danico) nesse ducado que havia sido cedido pelo rei da França em 911 aos vikings, para que eles parassem de saquear. Durante o seu retorno ele adoeceu e morreu em Nicéia em julho de 1035, e William tornou-se duque.

5Foi desse castelo que ele partiu para conquistar a Inglaterra em 1066, chegando lá no dia 28 de setembro. Ele venceu a Batalha de Hastings no dia 14 de outubro e conseguiu dominar todo o país, fundando a dinastia anglo-normanda.

O castelo de Falaise

6O Castelo de Falaise era tanto uma fortaleza quanto um símbolo do poder da dinastia anglo-normanda. Os primeiros vestígios de fortificações datam do século X, e ele foi constantemente remodelado e reforçado nos séculos seguintes.

7A datação realizada durante escavações feitas em 2009 revelou a construção de uma primeira parede de alvenaria no início do século XI, entre 1019 e 1023. Por volta de 1123-1125, Henrique I Beauclerc, o filho mais novo de Guilherme o Conquistador, começou a construção de uma grande fortaleza quadrangular, típica da arquitetura anglo-normanda (um dos melhores exemplos é a Torre de Londres). A maior das três torres do castelo tem 26,60 metros de comprimento, 22,80 metros de largura, 22 metros de altura e paredes com 3,50 metros de espessura.

8A “pequena torre”, que é mais curta e mais estreita, também tem formato quadrangular. Menor em tamanho (14 metros de comprimento, 10 metros de largura e 14 metros de altura), ela não tinha nenhuma real finalidade militar e era usada principalmente para moradia e lazer.

9Finalmente, uma terceira torre, a “Torre Talbot”, foi construída em 12071 por Philippe Auguste, rei da França, após a anexação do Ducado da Normandia ao domínio real, e seu único objetivo era defender o castelo. De planta circular, ela tem 35 metros de altura e paredes de 4 metros de espessura.

10O grande recinto que circunda o castelo, que se estende em forma de fuso em ambos os lados da estrada de Caen para Alençon, foi construído no século XIII. Ele é ladeado por dezesseis torres circulares ou semicirculares, quatro das quais comandam em pares os dois portões de entrada.

11Entre 1987 e 1997, as três torres do castelo foram restauradas por Bruno Decaris, arquiteto-chefe dos monumentos históricos do Calvados. Ele criou uma versão moderna do pátio da torre principal. Essa reconstrução, que substitui a original que não existe mais, usa aço e concreto envernizado: de acordo com a Carta de Veneza, que indica que o uso de tais materiais para restaurar um castelo medieval tem o objetivo de informar aos visitantes que se trata de uma criação posterior.

12Figura 2 O castelo de Guilherme o Conquistador

©Hervé Théry, 2023

13Em abril de 2013, o castelo recebeu uma nova cenografia, com foco especial em novas tecnologias. Os visitantes podem descobrir o interior do castelo como ele provavelmente era no século XII, graças aos tablets digitais com tela sensível ao toque chamados “HistoPad”: basta apontar para o quarto visitado e a arquitetura medieval é sobreposta em 360° à aparência atual. Projeções de filmes, visualização e manipulação de objetos em 3D nos tablets e réplicas de instalações de móveis revelam a realidade do castelo ducal e real dos séculos XII e XIII.

14Figura 3 O castelo reformado e sua cenografia

©Hervé Théry, 2023

As « Médiévales de Falaise »

15A 21ª edição das “Médiévales de Falaise” ocorreu nos dias 12 e 13 de agosto de 2023. Cerca de 45.000 visitantes compareceram à cidade de 7.639 habitantes. De acordo com a prefeitura: “Foi uma edição recorde. Tivemos mais entradas pagas em dois dias do que no ano passado, quando a 20ª edição foi realizada em três dias”, disse com satisfação o prefeito.

16Ao longo dos dois dias, o foram apresentados espetáculos de falcoaria, músicos, comediantes e “mostradores de maravilhas”, sem esquecer as criaturas lendárias, faunos, ciclopes, Minotauro e feiticeiros. O tradicional mercado medieval estava repleto de barracas que vendiam bebidas, talheres, joias, artigos de couro, doces, confeitos, brinquedos e itens decorativos. Mais de cem artesãos e criadores, todos apaixonados pela Idade Média, ocuparam a Praça Guillaume le Conquérant e os arredores para mostrar seus produtos e conhecimentos.

17Figura 4 Multidões nas Médiévales de Falaise 

©Hervé Théry, 2023

18Uma grande variedade de apresentações teatrais, passeios, reconstituições históricas, demonstrações militares, jogos, entretenimento e atividades participativas completaram o programa.

Figura 5 Atividades nas Médiévales de Falaise 2023

Figura 5 Atividades nas Médiévales de Falaise 2023

©Hervé Théry, 2023

19O outro evento que deixou sua marca na cidade foi mais recente e mais doloroso: os combates no verão de 1944, que causaram muita destruição e sofrimento durante o episódio conhecido como “o bolsão de Falaise”. A cidade foi bombardeada nos dias 12 e 13 de agosto, destruindo 80% dela, antes que ela seja libertada no dia 16 de agosto pela 2ª Divisão de Infantaria Canadense.

O « bolsão de Falaise »

20Falaise foi o cenário da última grande operação da Batalha da Normandia durante a Segunda Guerra Mundial. Ela ocorreu de 12 a 21 de agosto de 1944, com o objetivo de tomar Falaise o mais rápido possível para cortar as rotas de retirada das tropas alemãs que haviam chegado para tentar repelir as unidades aliadas desembarcadas no “Dia D” nas praias próximas a Caen no dia 6 de junho.

21Após os bombardeios de 12 e 13 de agosto, a 2ª Divisão de Infantaria Canadense atacou Falaise pelo Oeste no dia 16 e surpreendeu a pequena guarnição que ainda permanecia no local. A retirada alemã foi difícil; apenas quatro pontes permaneceram acessíveis para a travessia do Orne e um “bolsão” foi formado onde as colunas de fugitivos se concentraram. No total, mais de 100.000 alemães, os remanescentes de 20 divisões, amontoaram-se ali, uma grande vantagem para a força aérea aliada e a artilharia canadense, que causaram uma carnificina.

22O contra-ataque do 2º Grupo Blindado da SS permitiu que vários milhares de homens atravessassem o rio Dives ou a ponte Saint-Lambert e escapassem do bolsão. Mas essa foi a última tentativa alemã de libertar suas tropas cercadas. Em 21 de agosto, as unidades alemãs ainda presentes fora do bolsão de Falaise recuaram em direção ao Sena, onde certas travessias a montante e a jusante de Paris já estavam ocupadas pelas vanguardas motorizadas aliadas. Aqueles que permaneceram no interior não tiveram outra opção a não ser se render em massa aos Aliados. Foi uma vitória estratégica para os Aliados: que tinha ficado confinados na Normandia por dois meses, eles finalmente puderam projetar suas forças em direção ao Sena, a Paris e ao norte da França.

23Figura 6 Operações no « bolsão de Falaise”

24©Hervé Théry, 2023. Mapas em exposição no Mémorial de Falaise

25A cidade pagou um alto preço por sua libertação, e sua memória é preservada pelo Memorial Falaise - A Guerra dos Civis, um museu construído sobre as ruínas de uma casa destruída durante os bombardeios no verão de 1944. Como afirma o site do museu, “Embora o destino dos civis seja mencionado algumas vezes, nunca antes um museu havia escolhido se concentrar inteiramente na vida cotidiana das pessoas durante um período de conflito armado”. Ele tenta responder a perguntas como “Qual era a vida cotidiana das pessoas em tempos de guerra? Como as pessoas viveram durante a ocupação, os bombardeios e o êxodo?”

26A seção “Os civis e a ocupação”, no segundo andar, trata do período de ocupação na Normandia. Ela mostra a natureza específica da França ocupada e sua pesada administração militar alemã. Todas as questões levantadas pela Ocupação são abordadas aqui, incluindo a vida cotidiana dos franceses, a repressão da Resistência da Normandia, a perseguição da população judaica e o êxodo.

27A seção “Os civis e a Libertação”, no primeiro andar, relembra os bombardeios que precederam a Libertação. Em sua maioria feitos pelos Aliados, causaram muitas mortes de civis et tiveram o efeito de diminuir o entusiasmo da população da Normandia quanto à sua libertação, pois os bombardeios sofridos pela Normandia em 1944 – antes e depois do Dia D – foram entre os mais violentos da Segunda Guerra Mundial. A população da Normandia teve que se refugiar no subsolo, em porões e antigas pedreiras, para se proteger. Além da considerável destruição material que causaram, esses ataques fizeram entre 50.000 e 70.000 vítimas, incluindo 12.000 somente na Normandia.

28Para evocar esse período terrível, a Figura 7 combina um modelo em exposição em uma igreja, uma imagem de um filme imersivo exibido no Memorial (o piso de vidro mostra o porão da casa destruída) e um carro cheio de refugiados, com seus pertences precariamente amontoados no carro.

29Figura 7 Falaise devastada

©Hervé Théry, 2023

30A última parte da visita ao museu é dedicada à reconstrução da cidade. A partir de agosto, os refugiados que haviam fugido para a zona rural começaram a voltar para casa, e o rápido avanço dos exércitos aliados ampliou o fluxo, que durou até a primavera de 1945.

31As pessoas que retornaram a Falaise tiveram que viver primeiro nas ruínas, depois em alojamentos temporários superlotados e insalubres, enquanto aguardavam a construção de novos blocos de apartamentos e casas a partir de 1950. Esses foram construídos em um estilo bastante reconhecível, o mesmo encontrado em cidades reconstruídas na mesma época e pelos mesmos motivos, como cidades portuárias (Le Havre, Saint Nazaire, Brest ou Lorient) ou cidades menores onde ocorreram combates violentos, como Saint Dié des Vosges ou Elbeuf.

  • 1 « À Elbeuf les paysages urbains racontent l’histoire de la ville », Confins n°52, 2021, http://jour (...)

32Em ambas as cidades da Normandia, “a paisagem urbana conta a história da cidade”1, e aqui também parte da história da cidade pode ser vista claramente em suas paisagens e monumentos. Apenas parte dela, porque a cidade tem outros locais de interesse, como seu museu de autômatos, que reúne autômatos exibidos entre 1920 e 1960 nas vitrines das lojas de departamento parisienses. Mas, nesse caso, a ligação com a história local é menos óbvia ...

Haut de page

Notes

1 « À Elbeuf les paysages urbains racontent l’histoire de la ville », Confins n°52, 2021, http://journals.openedition.org/confins/40237 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.40237

Haut de page

Table des illustrations

Crédits ©Hervé Théry, 2023
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 696k
Crédits ©Hervé Théry, 2023
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-2.png
Fichier image/png, 3,6M
Crédits ©Hervé Théry, 2023
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-3.png
Fichier image/png, 2,9M
Crédits ©Hervé Théry, 2023
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-4.png
Fichier image/png, 4,2M
Titre Figura 5 Atividades nas Médiévales de Falaise 2023
Crédits ©Hervé Théry, 2023
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 900k
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-6.png
Fichier image/png, 2,1M
Crédits ©Hervé Théry, 2023
URL http://journals.openedition.org/confins/docannexe/image/53045/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 822k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Falaise, as marcas da história numa cidade da Normandia »Confins [En ligne], 60 | 2023, mis en ligne le 24 septembre 2023, consulté le 24 février 2024. URL : http://journals.openedition.org/confins/53045 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.53045

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search