Navigation – Plan du site

AccueilNuméros60ResenhasDe homo sapiens à turistas culpad...

Resenhas

De homo sapiens à turistas culpados pela Pandemia

De l'homo sapiens aux touristes accusés d'être à l'origine de la pandémie
From homo sapiens to tourists blamed for the Pandemic
Confins
Référence(s) :

Eustogio Wanderley Correia Dantas, De homo sapiens à turistas culpados pela Pandemia, Letra Capital Editora, 2022, ISBN 978-85-7785-790-6

Texte intégral

1A tese principal do livro é que no enfrentamento efetivo da pandemia do Covid-19 é necessário complementar as contribuições das Ciências Biomédicas às oferecidas pelas Ciências Humanas. Os fundamentos teóricos derivados do tratamento da interação do agente infeccioso com o hospedeiro, primazes na formatação das diretrizes adotadas pela Organização Mundial da Saúde, se deparou com forte oposição de governantes em países como o Brasil, dando vazão a pronunciamentos críticos de pesquisadores das ciências biomédicas em espaço oferecido por revistas científicas de peso.

2Tomando como ponto de partida o desdobramento do fenômeno no Brasil, especificamente na metrópole de Fortaleza-Ceará, ele mostra como a postura “negacionista” se insere em contexto mais amplo, abarcando tanto o quadro político representativo do governo federal como as posturas de insurgência de Estados federativo em relação ao Governo Central. Aborda também aspectos sociais e econômicos caracterizadores de um pais ocidentalizado a estabelecer gênero de filtragem impactante na implementação de políticas de ordenamento e controle do espaço singulares.

3Nestes termos, a expansão drástica do Covid-19 no Brasil denota um quadro paradoxal a representar: um contexto político de resistência dos Governos Locais a minimizar as ações e atitudes controversas do Governo Central, especificamente a criação do Fórum de Governadores no Nordeste a garantir incorporação das diretrizes internacionais da OMS; uma trajetória de modernização desigual e perversa a corroborar na indicação de quantitativo elevado de casos e, principalmente, de mortes em áreas de urbanização precárias de cidades como Fortaleza, instituindo a periferia como território da morte, inscritos em áreas com índice de vulnerabilidade social elevada a impactarem negativamente na implementação efetiva da política de isolamento social.

4Reproduzimos abaixo a apresentação do livro que apresenta claramente suas intenções, o seu estilo e os seus resultados

5Presente análise não deriva de reflexão de natureza meramente acadêmica, circunscrita em ambiência predominantemente laboratorial. Ela também nos foi imposta pela dor característica das famílias tocadas diretamente pelo vírus, a pagarem na saga vivenciada um preço muito elevado. Durante mais de dois anos e a apontar para necessidade de convivência maior com o Covid-19, posto tender a se constituir, com a vacinação e descoberta de medicamentos de minimização de seus efeitos, de evento pandêmico em endêmico.

6Remotamente acompanhamos as notícias, nos pronunciamos e construímos grupos de oração. Sofremos como família e, como tal, nos aproximamos de outras famílias em sofrimento. Compomos, assim, um mundo em convulsão, com leituras diversas sobre a pandemia, aprisionadas em abordagens controversas, às vezes mais do que questionáveis.

7Nenhum ente ou instituição passou impune a esta onda, melhor dizendo ondas (no momento do fechamento da presente obra três e com possibilidade de atingimento de quatro). Das perdas e comoções, nos restou o domínio do remoto, no qual tomamos a liberdade em construir interpretações sobre o evento pandêmico, tanto na elaboração de cartogramas da evolução do vírus em Fortaleza (inicialmente diário e, na medida que a contaminação avançou, semanal mensal e, por último, anual) como da construção de análise acurada em relação ao fenômeno e vis-à-vis diálogo estabelecido na Geografia, com as ciências biomédicas e correlatas.

8Do apresentado evoluímos na construção do presente livro, submetido aos leitores (curiosos, cientistas curiosos, especialistas e gestores públicos) e com a modesta intenção de contribuir no deciframento da expansão do Covid-19 no mundo, ênfase em seus desdobramentos na Metrópole Alencarina (Fortaleza-Brasil).

9Disponibilizo, assim, um ensaio dividido em duas partes. A primeira, com diálogo estabelecido com abordagem representativa das ciências biomédicas e no intuito de nos sensibilizarmos (cientistas humanos) da importância de lido com a dimensão biológica do ente humano, negligenciada face ao imperativo da abordagem de caráter econômico em nossos estudos e aproximações. A crise pandêmica consiste assim em momento de inflexão a fragilizar nossas certezas e nos forçar a ampliar os horizontes de nossas pesquisas. A segunda, no sentido inverso, a convidar os colegas das ciências biomédicas a considerarem avanços nos estudos relativos à ambiência urbana, substrato (técnico, tecnológico, social, cultural e econômico) a potencializar fenômeno de contaminação, tornado intenso e drástico, tanto no concernente à rapidez, sem precedentes, de atingimento da escala global como de desdobramentos nefastos a constituírem, além de lugares de adoecimento, territórios da morte (DANTAS; COSTA; SILVA, 2020).

10Neste sentido construímos a presente proposta, indicando percurso no qual possamos tomar consciência do tempo longo envolvido na constituição do homem moderno e a envolver vários recortes. O primeiro deles iniciado na África e a representar a saga do Homo Sapiens, a incorporar a seu invólucro biológico, lenta e gradualmente, volume significativo de vírus, bactérias e similares, responsáveis tanto pelo adoecimento e morte de muitos dentre eles como pela resistência imunológica adquirida, um gênero de abordagem associada à questão da sobrevivência e em relação à qual as necessidades básicas (alimentar-se e reproduzir) justificam os deslocamentos intercontinentais. O segundo deles, a superar este escopo e inscrito em outros gêneros de necessidade básica a motivar a realização do homem moderno, ênfase às atinentes aos lazeres e em relação às quais, travestidos de turistas, tomam o mundo em movimento sazonal. Neste fluxo, tornado global e a envolver tempos de deslocamentos curtos, deixam de ser tratados como portadores e são transformados em transmissores de vírus. responsabilizados assim pela eclosão do Covid-19 e a alçada condição de pandemia em tempo recorde.

11É do contraponto ao indicado que evidenciamos uma proposta de entendimento a lidar com a tônica de modernização empreendida no país, a reverberar em política de concentração acentuada de renda e consequente constituição de bolsões de pobreza rural e urbana, com desdobramentos graves na Região Nordeste (DANTAS, 2019; THERY, MELLO-THÉRY, 2018). Do posto, compreensível como as metrópoles mais dinâmicas do país foram as mais duramente afetadas pelo vírus, destaque no Nordeste a Fortaleza.

12A variável espacial, urbanização precária, é negligenciada pelos governadores e prefeitos nas políticas de controle do Covid-19 nas cidades brasileiras e derivada da simples transposição, in lócus, das ações e procedimentos associados a outras realidades socioespaciais (leia-se nas metrópoles ocidentais). Assim as intervenções espaciais acabaram focando, exclusivamente, o viés demográfico, associado à dimensão etária e a justificar até mesmo a política de vacinação adotada no país.

13Do posto, ignora-se rugosidade (legado do passado a se impor nas cidades) facilmente visualizada na paisagem urbana, a de áreas de ocupação popular existentes nas cidades brasileiras, resguardadas sob a alcunha de favelas e em relação às quais são instituídos os “Territórios da Morte”. É esta característica socioespacial fundamental no deciframento da filtragem que os lugares e seus usuários fazem das diretrizes universais (inovações no domínio sanitário) no Brasil.

14Lamentavelmente, um dado a persistir nas cidades brasileiras, negligenciado desde sempre e a explicar as elevadas taxas de mortalidade associadas a várias doenças, dentre elas a da Covid-19. Uma dura realidade a apontar, dada a situação de precariedade reinante, forte possibilidade de perpetuação do Covid-19 nas metrópoles brasileiras com consequente transformação de sua situação pandêmica em endêmica (relativo às arboviroses - vírus da Dengue, Zika vírus e febre Chikungunya - ROCHA; ZANELLA, 2021).

15Em suma, tal gênero de argumentação é nada mais do que um convite ao diálogo. Um dado basilar ao entendimento de problemas sanitários vivenciados na ambiência urbana e, do posto, a impor articulação entre profissionais de várias áreas. Um diálogo difícil de atingir e haja vista o nível de especialização intenso a motivar as pesquisas realizadas no domínio das ciências biomédicas e correlatas, bem como, das ciências humanas (foco no urbanismo). Urge estabelecermos este diálogo às expensas da possibilidade de resolução de problemas sanitários diversos.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « De homo sapiens à turistas culpados pela Pandemia  »Confins [En ligne], 60 | 2023, mis en ligne le 05 octobre 2023, consulté le 24 février 2024. URL : http://journals.openedition.org/confins/53948 ; DOI : https://doi.org/10.4000/confins.53948

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

CC-BY-NC-SA-4.0

Le texte seul est utilisable sous licence CC BY-NC-SA 4.0. Les autres éléments (illustrations, fichiers annexes importés) sont « Tous droits réservés », sauf mention contraire.

Haut de page
Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search