Navegação – Mapa do site

InícioNúmerosVol.15 nº 29RecensõesBaptista, C. & Sousa, J. P. (Orgs...

Recensões

Baptista, C. & Sousa, J. P. (Orgs.) (2020). Para uma História do Jornalismo em Portugal. Lisboa: ICNOVA. 636 pp. ISBN 978-989-54285-9-5 (Digital); 978-989-54285-8-8 (Impresso)

Eurico Gomes Dias
Referência(s):

Baptista, C. & Sousa, J. P. (Orgs.), Para uma História do Jornalismo em Portugal, Lisboa, ICNOVA, 636 pp, ISBN 978-989-54285-9-5 (Digital), 978-989-54285-8-8 (Impresso)

Notas da redacção

Recebido: 15 de outubro de 2020

Aceite para publicação: 5 de novembro de 2020

Texto integral

1Em boa hora os organizadores de Para uma História do Jornalismo em Portugal encetaram esforços para congregar apoios, nomeadamente da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia, para levar a cabo um projeto que, por certo, marcará a historiografia nacional. Sedeado no ICNOVA – Instituto da Comunicação da Nova [FCSH-UNL], com a coordenação científica de Jorge Pedro Sousa [UFP/ICNOVA] e Carla Baptista [FCSH-UNL], o projeto decorre desde outubro de 2018 e terminará em dezembro de 2021.

2Neste sentido, após o sucesso da primeira conferência internacional, realizada em outubro de 2019, constituiu-se o e-book Para uma História do Jornalismo em Portugal, o qual ora recenseamos. Compreendendo um total de 636 páginas, está dividido em sete partes e reúne 28 artigos especializados, e estamos convictos de que esta obra conjunta figurará como uma referência nos estudos históricos do Jornalismo em Portugal, em virtude da excelência dos seus contributos e da amplitude dos assuntos em debate, os quais seguiram os eixos temáticos propostos para o supracitado projeto.

3Em primeiro lugar, na partição História dos Jornalistas em Portugal destaca-se o texto de Carla Ribeiro [CITCEM]: «António Ferro, o jornalista literário e a estética modernista como forma de construção da realidade», alusivo àquela figura incontornável do jornalismo português aquando da edificação do Estado Novo.

4A segunda parte, dedicada à História da Imprensa em Portugal, é a mais volumosa da obra. Gostaríamos de colocar em relevo o artigo de Pedro Almeida Leitão [CITCEM], o qual discorreu sobre a importância esmagadora da publicidade na imprensa periódica em Portugal. Trata-se de um estudo assente na leitura publicitária comparada do Diário de Notícias, d’O Século e d’O Primeiro de Janeiro, nomeadamente entre 1860 e o final da Primeira República.

5Segue-se o artigo conjunto de Helena Lima [FLUP] e Jorge Pedro Sousa, redigido em língua inglesa, e intitulado «Diário de Notícias, a successful portuguese journalism project in an adverse environment», o qual descreve a implementação industrial daquele periódico enquanto paradigma do nosso jornalismo, evocando os méritos do seu mentor, o jornalista Eduardo Coelho, aqui detalhadamente estudados.

6Inclui-se adiante o estudo de Mariana Calado [CESEM – NOVA FCSH] acerca de «A Imprensa sobre música em Portugal no século XIX», apresentando uma panorâmica acerca dos periódicos especializados na divulgação musical, os quais são uma prova da massificação da música e igualmente das fontes para o pensamento crítico musical e da História da Música.

7Jaime Lourenço [CIES/ISCTE-IUL e UAL] e Maria João Centeno [ESCS-IPL/ICNOVA], por seu lado, apresentam-nos um panorama do jornalismo cinéfilo, entendido enquanto parte do jornalismo cultural, o qual foi fundamental para a divulgação e crítica cinematográfica portuguesa, a qual conheceu diversos momentos cruciais ao longo do século XX – mas importa perscrutar novos prismas para este século.

8Seguem-se dois artigos de Mário Matos e Lemos [CEIS20]. O primeiro, «1924 e 1927 – dois momentos perturbadores na vida do Diário de Notícias», incide sobre os tempos conturbados do final da Primeira República e a instauração da Ditadura Militar, não olvidando os movimentos contrarrevolucionários de 1927, aqui apresentados sob a ótica daquele periódico. O segundo, «1931 – A imprensa dos revoltosos – Madeira, Açores e Guiné», analisa os periódicos publicados naqueles territórios, cujos esforços para resistir à Ditadura Militar que se instaurava na Metrópole seriam frustrados.

9Autor de referência dos estudos sobre a censura, Joaquim Cardoso Gomes analisa os esforços dos militares portugueses para restringir a atividade informativa na Invicta no decurso dos tumultuosos anos da Ditadura Militar. Num outro artigo, a sua atenção centra-se em «A Grande Imprensa do Porto e o Estado Novo (1933-1968)», passando em revista a atividade censória e a atividade jornalística daquela cidade durante o consulado de António de Oliveira Salazar.

10Aludindo a uma sub-área da imprensa periódica ainda por estudar adequadamente, segue-se o estudo de Jair Rattner [ICNOVA] intitulado «O satírico na imprensa das unidades militares durante a Guerra Colonial», no qual analisa largas dezenas de “jornais de caserna” publicados nos vários teatros de operações, nos quais o espírito humorístico dos seus redatores denunciava os horrores da guerra.

11Ainda dentro da mesma esfera cronológica, segue-se o estudo de Carla Rodrigues Cardoso [ULHT], sobre a «Observador: a newsmagazine da Primavera Marcelista». Adotando modelos editoriais elitistas – na esteira da Time, do L’Express ou da Der Spiegel –, esta revista de política internacional, dirigida por Artur Anselmo, teve uma existência efémera, cessando a sua atividade em fevereiro de 1974.

12Celiana Azevedo [ICNOVA] debruçou-se sobre o «Verão Quente no Diário de Notícias: uma profunda análise do DN durante o Processo Revolucionário em Curso – 1975», examinando as transformações sociopolíticas nacionais num clima de pré-guerra civil, sendo que aquele periódico sofreria também convulsões intestinas ao sabor dos acontecimentos, aludindo aos famosos saneamentos políticos que moveu.

13Por fim, encerrando esta partição, o artigo «Quebra de fronteiras: consequências da incorporação de formatos híbridos em media jornalísticos», de Cláudia Pereira [FLUC], discorre sobre os conteúdos informativos de dois periódicos regionais de grande tiragem: o Diário de Coimbra e o Diário As Beiras.

14No que concerne à terceira partição desta obra, na qual se trata da História das agências de notícias em Portugal, uma temática pouco explorada historiograficamente, José das Candeias Sales [UAberta/CHUL] e Susana Mota [CHAM/FCSH-UNL] apresentam um estudo sobre a «Agência Latino-Americana: um contributo para a história das agências de notícias em Portugal», centrando a sua atenção nas décadas de 1920-1930 e na figura da jornalista Virgínia Quaresma.

15Sucede-se a partição História do jornalismo iconográfico em Portugal. Nela destacam-se dois artigos de Jorge Pedro Sousa, um dos coordenadores deste projeto e autor de amplíssima obra sobre a História do Jornalismo português. Em «Apontamentos sobre a génese da cobertura gráfica da atualidade em Portugal: da xilogravura ao fotojornalismo (1835-1914)», Sousa explica amplamente as técnicas imagéticas usadas pelos periódicos portugueses desde o início do Romantismo até à Primeira Guerra Mundial. Na segunda peça – «Iconografia do progresso técnico português em sete revistas ilustradas do Fontismo (1851-1887)» –, analisou os avanços técnicos jornalísticos no verdadeiro ímpeto da industrialização em Portugal, ao tempo do governo de António Fontes Pereira de Melo.

16Neste mesmo âmbito, mas agora reportando-se à atualidade, refira-se o artigo «Do pós-25 de Abril à era digital: 45 anos de fotojornalismo português», por Fátima Lopes Cardoso [ESCS/UAL/ICNOVA], no qual se menciona o desenvolvimento do fotojornalismo tradicional e a sua transição para os media digitais, obrigando a que se reveja o valor da fotografia enquanto móbil da linguagem jornalística.

17Seguem-se dois artigos de Nilton Marlúcio de Arruda [UFP]: «A retratação do horror sem imagem alguma: os incêndios de Pedrogão como uma virada de página no jornalismo português», no qual se revê a cobertura noticiosa dos principais media nacionais perante aquele acontecimento, tanto no formato televisivo como no formato impresso; e, logo adiante, «Diário Público e o menino morto na praia: editorial para tornar suportável uma imagem insuportável», o qual refletiu sobre o retrato de uma criança refugiada afogada numa praia turca em 2015.

18Na parte dedicada à História do jornalismo português na Lusofonia, encontramos três artigos sobre a expressão jornalística nacional noutras latitudes. Destacam-se os contributos fundamentais de dois autores de renome – Antonio Hohlfeldt [PUCRS] e Alberto Pena Rodríguez [UVigo/CEIS20].

19De seguida, inclui-se nesta divisão o artigo «O Conciliador do Maranhão: ideias, leitores e interlocutores», por Marcelo Chegue Galves [UEM], o qual reporta as atividades daquele periódico brasileiro após a Revolução Liberal de 1820 e os acontecimentos posteriores à independência do Brasil, a 7 de setembro de 1822, nomeadamente no Estado do Maranhão.

20Terminando esta partição, destacamos «Un ‘negócio de poetas’. Editores pioneros del periodismo portugués en Estados Unidos», por Alberto Pena Rodríguez, que nos dá a conhecer os periódicos publicados pelos núcleos de emigrantes portugueses espalhados pela diáspora entre a costa oeste e a costa leste dos Estados Unidos da América desde os finais do século XIX.

21Aludindo à partição O discurso jornalístico na História, refira-se primeiramente o trabalho de Alessandra Rodrigues Oliveira [UFG], a qual expôs «A representação do antilusitanismo no Brasil a partir da análise de A Matutina Meiapontense (1830-1834)», revendo um período pouco conhecido das relações luso-brasileiras correspondentes à abdicação de D. Pedro IV do trono imperial brasileiro e ao seu regresso a Portugal.

22Segue-se o artigo «”O que representa a música para nós como forma de cultura, em que medida a prezamos, como a conseguimos valorizar”: a crítica musical enquanto crítica nacional na imprensa periódica do século XX», por Isabel Pina [CESEM – NOVA FCSH], a qual dissertou sobre a divulgação e a crítica musical contemporânea.

23Apontamos o estudo de Werbeth Serejo Belo [CEIS20] intitulado «Bloco histórico em crise: analisando o Diário de Lisboa – um movimento de contra-hegemonia», incidindo nas consequências económico-políticas do III Plano de Fomento, promovido pelo governo marcelista, e divulgado por aquele periódico.

24Finalizando esta partição em concreto, veja-se o artigo «Bolsonaro e Haddad nos perfis jornalísticos do Expresso e do Público», da autoria de Anabela de Sousa Lopes [ESCS] e Júlia Leitão de Barros [ESCS], as quais analisaram as polémicas das últimas campanhas presidenciais brasileiras [2018], baseando-se numa análise comparada dos noticiários internacionais daqueles periódicos.

25Por fim, somos chegados à última partição desta obra, a qual se dedica à História do ciberjornalismo em Portugal, uma das áreas pioneiras da historiografia jornalística. As duas contribuições nela incluídas incidem sobre o «Ciberjornalismo em Portugal: narrativas visuais para nativos digitais», por Maria Assunção Gonçalves Duarte [NOVA FCSH], e os «Blogs de jornalismo de viagens em Portugal: a História pela visão dos fundadores», por Samanta Souza Fernandes [UFP].

26Assim, refira-se que este projeto pretende rever e atualizar profundamente a História e a Historiografia do Jornalismo, na senda de Augusto Xavier da Silva Pereira [1838-1902], Alfredo Cunha [1863-1942] e José Tengarrinha [1932-2018], entre outros pensadores. Por conseguinte, ambiciona veicular as produções científicas mais recentes, sem esquecer uma compilação gradual de fontes bibliográficas fundamentais para a História do Jornalismo e dos Jornalistas em Portugal, assim como a devida publicidade aos eventos subordinados a estes meandros, patenteados em publicações similares.

Topo da página

Bibliografia

Baptista, C. & Sousa, J. P. (Orgs.) (2020). Para uma história do jornalismo em Portugal. Lisboa: ICNOVA [eBook]. Disponível em: https://www.icnova.fcsh.unl.pt/wp-content/uploads/sites/38/2020/05/Para-uma-histo%CC%81ria-do-jornalismo-em-Portugal-2020.pdf

Cunha, A. (1941). Elementos para a história da imprensa periódica portuguesa (1641-1821). Separata das Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, tomo IV. Lisboa: ACL.

Pereira, A. X. S. (s. d.). Diccionário jornalístico português (Vols. I-XIII, manuscritos). Lisboa: ACL. Edição digital (2008): Lisboa: Grupo IMPRESA/ACL.

Sousa, J. P. (Coord.) (2018). Notícias em Portugal – Estudos sobre a imprensa informativa (séculos XVI-XX) [eBook]. Lisboa: ICNOVA. Disponível em: https://www.icnova.fcsh.unl.pt/wp-content/uploads/sites/38/2019/03/ICNOVA_NoticiasPortugal.pdf

Sousa, J. P. (Coord.) (2020). Imprensa e mudança. Portugal e Brasil no primeiro quartel de Oitocentos [eBook]. Lisboa: ICNOVA. Disponível em: https://www.icnova.fcsh.unl.pt/wp-content/uploads/sites/38/2020/01/ICNOVA_ImprensaMudanca.pdf

Tengarrinha, J. (2013). Nova história da imprensa portuguesa. Das origens a 1865. Lisboa: Temas & Debates/Círculo de Leitores.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Eurico Gomes Dias, «Baptista, C. & Sousa, J. P. (Orgs.) (2020). Para uma História do Jornalismo em Portugal. Lisboa: ICNOVA. 636 pp. ISBN 978-989-54285-9-5 (Digital); 978-989-54285-8-8 (Impresso)»Comunicação Pública [Online], Vol.15 nº 29 | 2020, posto online no dia 03 dezembro 2020, consultado o 18 julho 2024. URL: http://journals.openedition.org/cp/10937; DOI: https://doi.org/10.4000/cp.10937

Topo da página

Autor

Eurico Gomes Dias

ISCPSI – Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna
Rua 1º de maio, 3
1300-352 Lisboa

egdias@psp.pt

Topo da página

Direitos de autor

CC-BY-NC-4.0

Apenas o texto pode ser utilizado sob licença CC BY-NC 4.0. Outros elementos (ilustrações, anexos importados) são "Todos os direitos reservados", à exceção de indicação em contrário.

Topo da página
Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search